Arquivo de etiquetas: Teoria Museológica

Os excessos das narrativas sobre o património e a função social dos museus

Oficina de Museologia Social

Os museus e espaços patrimoniais desenvolvem processos que contribuem para um ampla difusão da cultura e da educação nos lugares onde se inserem. Nos dias de hoje, os museus e suas colecções são convocados para desenvolverem uma compreensão dos fenómenos do presente e contribuírem para a justiça, a liberdade e a paz, o fundamento da solidariedade intelectual e moral da humanidade, para a igualdade de oportunidades e inclusão social, para a educação ao longo da vida, na procura da verdade e como lugar de encontro para troca de ideias e conhecimentos.

Todavia nos últimos 40 anos a ideia de património tornou-se uma categoria polissémica e os museus tornaram-se lugares de representações instáveis. Há uma percepção de um excesso de narrativas que cria angustia e desorientação nos atores dos museus e patrimónios

Esta oficina propõe interrogar os processos de representação sobre os museus e espaços patrimoniais a partir dos seus objetos e colecções questionando a função social. Procura abordar os limites e a relevância da Museologia e dos Estudos sobre o Património e o alcance das narrativas sobre o excesso como representações da experiencia da emancipação social. A partir do diálogo com os novos lugares de enunciação do património propõe interrogar os lugares do tempo, do espaço e da individualidade a partir do sensível como expressão da reconstrução da relevância narrativa e a delimitação das fronteiras dos processos gerados

Objetivos

A oficina tem como objectivo interrogar a função social dos museus e suas colecções a partir da compreensividade e no sensível dos processos museológicos. Procura reflectir sobre a forma como os afetos permitem libertar processos de libertação e consciência sobre os desafios pressentidos. A museologia que afeta é aquela que produz inquietação. A inquiet30ão permite a mudança e a libertação da criatividade

 

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XV)

Balanço duma Recomendação

Como todos os textos aprovados nas Assembleias da UNESCO, os termos que nele são incluídos são alvo de cuidadas negociações entre os diferentes países. Para um observador mais atento não escapará certamente a diferença entre as palavras inflamadas da Declaração de Salvador e o texto mais formal, e mesmo por vezes contraditória da Recomendação da UNESCO sobre os Museus e Coleções. Esse foi o resultado do debate e do confronto de visões. A Recomendção tem como todos os documentos virtualidades e defeitos. Com tudo isso ela é o instrumento disponível para trablahr. Dependerá de quem a utilizar e a souber explorar, adaptando-a às situações concretas. Valerá a penan enuciar brevemente alguns defeitos e virtudes desta Recomendação.

Em relação aos defeitos, já afirmamos, que ela transporta algumas contradições. Por exemplo, a questão das colecções, que é individualizada no título e no enunciado conceitual, praticamente se dilui no articulado do texto, nem sempre ficando claro a utilidade ou a especificidade desta categorização.

Nota-se também, uma certa tradicionalidade na abordagem das políticas públicas para os museus. O Estado surge como o grande articulador das políticas, sendo que hoje em dia, sobretudo nos países europeus, o Estado, no campo das políticas culturais, assume-se cada vez mais como regulador, emergindo outras entidades que marcam a vida cultural das cidades.

Há também uma utilização de alguns conceitos de forma pouco precisa. Por exemplo, o conceito de raça, é hoje, nos países de língua portuguesa, de significação polissémica. Enquanto que no Brasil o termo assume por vezes uma dimensão emancipatória, noutros países, como por exemplo Portugal e Moçambique, o termo tende a ser usado, num sentido mais pejorativo, como um conceito que traduz uma dimensão identitária de dominação pela distinção de sinais ou marcas exteriores com base no corpo. A distinção de indivíduos pela cor da pele não é para estas tradições aceitável em termos científicos.

Já em relação às virtudes desta declaração, vale a pena acentuar que esta Recomendação acaba, duma forma muito clara com o debate entre a Museologia como uma ciência e os Estudos dos Museus como uma técnica. É certo que é uma ciência aplicada, mas através dela é possível trabalhar com objetos patrimoniais, com comunidades, sobre territórios. É uma ciência que dispõe de um encanto e facilita o encontro dos seres humanos com os seus objetos socialmente relevantes.

Também reafirma que os museus são espaços de diversidade, de inclusão social, de construção da paz. Afirma que os museus se constituem como parceiros na construção do desenvolvimento sustentável e são lugares para a produção de conhecimento científico. Na prática a Recomendação acaba por assentar numa consepção de que o trabalho sobre o património é um processo em constante renovação, permitindo-se sempre novas leituras a partir do encontro.

È certo que esta Declaração deixa ainda muitos desafios para os profissionais de museus. Por exemplo, a questão da função social dos museus, durante muito tempo defendida pelos defensores da museologia social. Agora que essa função surge na declaração, haverá que avançar mais nessa conceptualização. Já não basta afirmar que os museu têm, ou deverão ter uma função na sociedade. Que essa função deve ser uma preocupação dos museus. Haverá que pensar de que forma é que essa função de vai concretizar.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XIII)

Museologia e Poder

Ainda no entendimento do significado da nova recomendação da UNESCO, interessa entender o que nela emerge no que tange na relação entre Museologia e Poder

A teoria museologia define que a emergência do fato museal leva a criação da consciência do fenómeno museológico. É essa relação entre a cognição do ser humano e um objeto a que é atribuída relevância social que fundamenta a ação museal. Na teoria museológia a ação museal é constituída por uma cadeia operatória que é característica do campo museal. A cadeia operatória desenvolve-se em três domínios de práticas.

  • O domínio essencial, onde são aplicadas os procedimentos adequados à salvaguarda. (as funções primordiais de preservação e pesquisa). Trata-se duma dimensão relacional unitária. Isto é duma relação apenas num só sentido. O do ser humano sobre esse objeto, interpretando-o, procurando capturar, (em certa medida cristalizar ou engessar). Procurando imobilizar algumas das suas características, seja através da sua documentação seja das suas práticas de arquivo.
  • O domínio de interlução, onde o se desenvolve uma dimensão relacional, dialógica, onde para além da captura do objeto, lhe são atribuídos elemento de significação simbólica, tais como atributos de identidade. Estes constituem-se como objetos património, sobre os quais se exercem as restantes funções primordiais dos museus (comunicação e educação). É nesse processo de diálogo com o objeto, onde a partir do olhar, ou observação, se desenvolve uma adesão (ou rejeição) e que é uma característica os fenómenos museológicos. As funções primordiais da museologia concretizam-se nestes dois domínios.

É a partir da compreensão da existência do fenómeno museológico que é possível entender a emergência do terceiro domínio que é o da projecção onde se concretiza o processo museológico..

  • o domínio de projeção , onde se desenvolve a dimensão processual, da museologia, o processo museológico, desenvolve-se num cenário. A consciência da pluralidade dos contextos é o que permitiu a emergência da compreensão ou consciência da relevância social da museologia. Da sua função para a sociedade e dos impactos que os fenómenos da globalização e novas tecnologia lhe estão a produzir.

Sabemos que os museus se institucionalizaram preferencialmente nos Museus. O século XXI trouxe para a museologia novos cenários, que incorporam, para alem dos museus como instituições, outros lugares e espaços de disputa da memória e da herança. Incluindo as disputas no seio dos movimentos sociais globais.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XII)

A Teoria Museológica e a sua Cadeia Operatória  e a formação da agenda da memória

Esta hierarquia epistemológica fundamente a cadeia operatória da museologia. Uma cadeia que se inicia, no processo cognitivo de atribuição de relevância (o fato museal), a partir do qual se constitui o fenómeno museológico. É sobre estes fenómenos museológicos que se desenvolvem os processos museológicos, o conjunto de ações que são exercidas pelos seres humanos nos objetos que lhes são relevantes, num determinado contexto. O que esta Recomendação nos trás de novo é a significação de relevância social dos atributos da museologia. Na linha do que a nova museologia vinha defendendo, a escolha da salvaguarda e comunicação dos objetos patrimoniais e museológicos, dependam também da sua relevância social. Dos atributos que eles tem para a comunidade.

Este é um aspecto de inovação da Recomendação sobre a Função Social dos museus e sua coleções. Em linha do que a nova museologia já tinha identificado, é que a atribuição de relevância para as ações de protecção (salvaguarda) e sua comunicação, constituem-se como políticas públicas e devem ter em conta diversidade dos saberes. Esta recomendação, sem retirar atributos aos profissionais da museologia, vem agora acrescentar que a atribuição das relevâncias patrimoniais, ou melhor “a constituição da agenda da memória” já não pode ser exclusivamente feita pelas elites, e que nesse processo se devem procurar incorporar as diversidades dos saberes e práticas da scomunidade.

Vem afirmar que as coleções não são mais series de objetos ou documentos em arquivos ou museus, nem são mais obejtos despojados de vida, mas são também, tudo aquilo que a diversidade do mundo produz como manifestação de identidade, nos seus processos de construção de memória colectiva.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XI)

Museologia e Renovação da Teoria Museológica

Verificamos mais acima que uma Recomendação da UNESCO é um instrumento normativo. É inferior, em termos de força vinculativa á Convenção que obriga os estado, mas, como Recomendação, vincula, quer as políticas públicas, quer os profissionais com práticas e com objetivos de ação.

O campo da museologia (aqui visto como o campo teórico dos estudos sobre a memória colectiva, dos Estudos do Património e dos Estudos sobre os Museus da memória) e das suas práticas, de salvaguarda e comunicação através de processos que se concretizam na sociedade, em diferentes instituições de forma mais ou menos formais (museus, arquivos, bibliotecas) ou não formais (escolas, centros culturais equipamentos diversos) ou mesmo informais (em qualquer lugar), estabelece relações tensas com a modernidade.

O pensamento museológico trabalha sobre as heranças, sobre os instrumentos normativos, nos quais a produção de Convenções, Recomendações e Declarações da UNESCO são instrumentos paradigmáticos, a partir de heranças epistemológicas. Estas relações contem a historicidade do pensamento museológico. Em certa medida constituem-se como sistemas de herança da memória e que se configuram como sistemas de administração da memória.

A arquitetura documental da UNESCO mostra-nos releva aquilo a que poderemos considerar como “Sistemas de administração da memoria social“. Estes sistemas de administração da memória coletiva constituem-se como processos de representação do real. Processos que dão origem a estratégias de preservação, que se repercutem em ações de produção dessa memória coletiva e dos seus processos de reprodução. Produção de memória e produção de acções educativas (ou dos processos de reprodução dessa memória) delimitam o campo da acção museológica. Um campo que trabalha a relação entre o ser humanos e os seus objetos socialmente qualificados (os bens culturais e naturais) num determinado contexto (um cenário). Uma relação em que o natural se torna cultural pelo olhar e pela ação de proteção, salvaguarda, conservação  e pela ação de promoção, valorização

Esta relação no campo epistemológico desenvolve-se no processo de atribuição de relevância (processo de produção de memória coletiva) que lhe atribui ou não atributo de Património (Herança), a partir da qual se constitui uma qualificação (atributo patrimonial), e que origina uma ação (o processo de musealização, que o salvaguarda e o comunica).

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (X)

Questões relevantes para a Teoria Museológica

Depois da análise mais detalhada da inovação da nova Recomendação da UNESCO, vale a pena olhar agora para o que ela significa no campo da Teoria Museológica. De um modo geral podemos referir que esta recomendação consagra a emergência duma disciplina científica. Já acima nos referimos que os documentos estruturantes da Museologia Social, em particular os que estiveram em cima da mesa na Reunião do Quebec em 1984.

Uma herança que nasce da relação dos museus com a comunidade e com a sua função educativo, estabelecida em Santigo o Chile em 1972 (não esquecendo o Seminário Regional da UNESCO, realizado no Rio de Janeiro, em 1958, onde emergem as questões da função educativa dos museus e dos objetos museológicos), e a Declaração de Oaxtepec, também em 1984, onde se estabelece a relação entre o património, o território e a comunidade, até chegarmos á Declaração do Rio, em 2013, sobra a “Museologia do Afeto”.

Vale a pena vincar as heranças destas declarações para entender a filiação da teoria museológica num processo, que se alicerça em instituições que atuam na comunidade para produzir mudanças sociais. Mudanças que são criadas a partir das práticas educativas de transformação do indivíduo. É a partir da educação do indivíduo, da sua possibilidade de transformação, como sublinhou Paulo Freire na sua pedagogia da Libertação, que se podem gerar mudanças sociais. Uma educação que é pensada como possibilidade de transformação, do individuo e através dele do conjunto social, é um processo que resulta da possibilidade de encontro. Um encontro que se processa em instituições, em processos formais e não formais e mesmo informais. Assim, o museu como instituição educadora, assume-se como uma instituição co-produtora de saberes construídos em processos com a comunidade. Um museu pensamo como espaço de açâo e de comunicação. Museu como lugares de encontros e trocas. De Ligação de Pessoas, de saberes, para construir pontes e criar consciências.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (IX)

Sobre as Políticas para os Museus

Já acima referenciamos que o capítulo da Recomendação sobre políticas, sendo o último é também o mais extenso. Por isso nele se acentua mais as diferentes contradições que esta Recomendação apresenta. Como documento trabalhado através do compromisso entre diversos atores, encontram por vezes contradições sobre a forma como essas políticas são proposta.

Mais uma vez vamos acentuar aquilo que nos parece relevante para a Museologia Social e para a Teoria Museológica. No campo das políticas públicas, vale a pena acentuar que nela se apela que os Estados ativem a Função Social dos Museus, criem condições para que os museus sejam lugares de encontro sobre a diversidade cultural e que garantam a liberdade e a pluralidade das narrativas.

Já por seu turno, para o estabelecimento de políticas museológica, com relevância no campo do planeamento de museus vale apena acentuar que nesta Recomendação se chama a atenção para:

  • a necessidade de assegurar a participação das comunidades nos processos museológicos;
  • de garantir um Padrão de actuação dos profissionais (aplicar o código de Ética do ICOM) e garantir a sua qualificação profissional;
  • a necessidade de garantir a sustentabilidade dos processos museológicos
  • a necessidade de desenvolver actuações em rede com todo o sector cultural e da economia criativa;
  • de um novo modo de olhar para as colecções e patrimónios
  • de garantir a inclusão social e a diversidade cultural.
  • E, de assegurar a criação de parcerias para a implementação da Recomendação.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (VIII)

As quatro questões para os museus na sociedade

Vimos que que Recomendação estabeleceu quatro questões de inovação para os museus e para o trabalho museológico no tempo actual. Falamos do tempo actual, pois esta recomendação procura actualizar a aferir o campo referencial dos museus à actualidade. Propõe-nos quatro campos. A globalização, a Economia e a Qualidade de Vida, A função Social e a inclusão das Tecnologias de Informação.

A relevância destes quatro campos, na perspectiva da resposta ao mundo em que nos situamos, na sua diversidade, verifica-se que a Globalização promove uma aceleração das trocas e que isso influencia a atividade e os processos museológicos. Por isso, a preocupação dos museus é, no âmbito dos processos de globalização continuarem a manter e a garantir a diversidade cultural, assegurar a dignidade do ser humano e a sua liberdade

Em relação às questões sobre a Economia e a Qualidade de vida, os desafios que esta Recomendação apresenta referem-se à necessidade de que os museus também se devem assumir como atores económicos num mundo, procurando resultados para as suas comunidades, procurando garantir a inclusão social e procurando contribuir para a sua sustentabilidade. Alerta contudo que essas preocupações com a sustentabilidade não devem sobrepor-se à necessidade de que os museus sejam lugares de ciência e de produção de conhecimento.

Sobre aFunção Social do Museu, para alem de reconhecer que os museus devem estar conectados com os problemas dos locais onde atuam, realça a sua relevância nas comunidades para alcançar a inclusão social e a integração da diversidade cultural. São lugares de encontro, construtores de cidadania e de integração social, sejam eles de género, de grupos minoritários. Em linha com várias declarações da UNESCO dá relevância à necessidade dos museus assegurarem a diversidade de expressões culturais de todos, tende uma particular atenção aos povos indígenas e aos mais desfavorecidos.

Finalmente, em relação às novas Tecnologias de Informação e Comunicação, a Recomendação releva o seu papel na ampliação da funções de comunicação e educação, permitido construir espaços de encontro inclusivos e de emancipação.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (VII)

A Estrutura da Recomendação

A Recomendação organiza-se em duas partes. Como é vulgar nos textos internacionais, uma primeira parte de contextualização, onde são referidas as considerações que levaram à Recomendação, e uma segunda parte com a Recomendação propriamente dita. Na Recomendação propriamente dita podem-se distinguir cinco títulos que englobam os 35 pontos que constituem o seu articulado. Nos dois primeiros títulos, apresentam-se a Introdução, com três pontos e as definições conceituas (I), também com três artigos. Nos restantes três títulos, dois (II) com 6 artigos e (III) com 7 artigos, referem-se às funções dos museus e o último (IV), com 16 artigos, referem-se às políticas para museus.

Neste tipo de textos normativos estão sempre presentes as intenções de capturar a diversidade das ações para domesticar, através da criação de regras inclusivas do que é e exclusivas do que não pode ser. Issa estrutura é relevante nesta recomendação quando podemos observar que esse último capítulo acaba por apresentar o conjunto maioritária das recomendações, tecendo um conjunto de praticas, observações e recomendação a levar em linha de conta.

Como sabemos o real das praticas sociais são sempre resposta a problemas concretos de cada tempo e cada espaço, pelo mais importante do que as normas que esta recomendação procura estabelecer vale a pena valorizar a orientações que visam assegurar e ampliar a reflexão da museologia social sobre os problemas do mundo contemporâneo.

Por isso valerá a pena observar o que há de novo e relevante para o Campo de atuação da Museologia Social e da Teoria Museológica: Podemos considerar no no capítulo da definição do conceitos (I) vale a pena acentuar a emergência do conceito “colecção” como “conjunto de bens culturais e naturais, tangíveis e intangíveis, do passado e do presente” Isto assume alguma novidade, pois distingue por uma lado o Museu (enquanto Instituição) das sua colecções, abrindo aqui o conceito para conjunto que podem ou não estar incluídos nessas instituições. Por seu lado se a colecção são os bens, o património surge referido como “um conjunto de valores”. Esta matriz conceitual é relevante para a Teoria Museológica, já que inclui no âmbito do seu alcance todo o trabalho patrimonial e não apenas o que está no “Museu”.

Em termos de funções primordiais para os museus, a Recomendação consagra os doiss campo de atuação: o da Salvaguarda (Preservação e Pesquisa) e o da Comunicação (comunicação e educação). Como já referimos acima, estas funções básicas, que agora aqui surgem estabilizadas, forma no passado campo de disputa.

Já em termos das questões sociais, ou dos “Desafios para os Museus na Sociedade” os quatro itens são elementos diversos na sua essência e representam todos eles, uma proposta de inovação no campo da teoria museológica. Inovação, não como algo absolutamente novo na museologia, pois eles tem vindo a ser defendidos por muitos que atuam na museologia social, na ecomuseologia ou mesmo  no campo dos estudos dos Museus. A globalização, a Economia e a Qualidade de Vida, A função Social e a inclusão das Tecnologias de Informação. Mais à frente veremos estes desafios.

Finalmente no campo da Políticas, podemos dividir a recomendação em dois conjuntos. Um primeiro, referente aos desafios para as políticas públicas, e o restante, como desafios para as políticas operacionais dos museus. Veremos também estas questões, pelo lado da sua inovação mais à frente.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (VI)

Os textos matriciais da Museologia Social

No nº 15 dos Cadernos de sociomuseologia, em 1999, Judite Primo apresenta “Museologia e Património: documentos Fundamentais”. Nesse nº da Revista são apresentados um conjunto de textos que são relevantes para o campo da museologia contemporânea, alguns deles que se constituem com matriciais da nova recomendação da UNESCO. Iniciado-se pela apresentação da UNESCO, nos seus objetivos para os museus, apresenta ainda o papel do ICOM, o Conselho Internacional dos Museus, enquanto organização de profissionais, que tem tido um trabalho de reflexão sobre as técnicas e as funções dos museus, bem como do ICOMOS, o Conselho Internacional de Monumentos e Sítios.

O ICOM e o ICOMOS são duas organizações internacionais, de profissionais dos museus e do património, que atuam em áreas muito semelhantes. Se o ICOM talvez se preocupe mais com a instituição “Museu”, o ICOMOS, talvez se preocupe mais com os Monumentos e Sítios, com os seus usos e gestão. É pois difícil delimitar em absoluto os campos em que atuam, encontrando-se mesmo vária áreas em que os temas que são trabalhados são coincidentes.

Também de comum entre estas duas organizações internacionais, encontra-se a pratica de aprovação de recomendações e declarações sobre questões de relevância, muitas das vezes procurando dar indicações, normas, soluções de boas práticas para os profissionais dos museus e do património. É pois natural que o numero de documentos matriciais sejam numerosos e diversos.

É no entanto possível definir, para a Museologia Social, um conjunto de textos matriciais sobre a Função Social dos Museus. E esses  textos encontram-se nos Cadernos de Sociomuseologia”.

Num dos estudos solicitados aos peritos pela UNESCO, sobre a função social dos Museus, para efeito de análise desta recomendação, refere que é possível encontrar uma preocupação com as sociedades, já no século XIX, em alguns museus dos Estados Unidos teriam esse função (ver François Mairesse)   mas efetivamente é a partir de 1972, com a Declaração de Santiago do Chile, na defesa dum “Museu Integral” que a Museologia Social ancora a sua matriz reflexiva.

Consideramos como contributos diretos que conduzem a esta Recomendação os seguintes documentos:

  • Em 1958, o Seminário Regional da UNESCO, realizado no Rio de Janeiro, onde fica estabelecido a necessidade dos museus terem uma “função educativa”
  • Em 1972, a Mesa Redonda de Santiago do Chile, onde surge o conceito de “museu integral”. De acordo com essa reflexão o museu torna-se um espaço de ação, onde se concretizam processos. Pode-se dizer que em Santiago do Chile emerge a ideia de que cabe ao museu desenvolver processos de mediação social. Essa mediação implica, de um lado a existência duma Função Social, e, por outro lado, implica a necessidade de formação específica dos profissionais dos museus; mais, em Santiago emerge também o compromisso do Museu com o Desenvolvimento e a responsabilidade política do museólogo: uma responsabilidade na ação.
  • Em 1984, na Declaração do Quebec, no Canadá, a função social dos Museus ficará formalizada como marca dessa “Nova Museologia”. No Quebeque reúne-se um fórum de Eco-museu, incentivado por Varine. Num contexto de encerramento do ICOM às novas experiências museológicas, os promotores da ecomuseologia, procuravam reunir, num movimento todas as novas experiências que se estavam a dar na América, como por exemplo, os musues de comunidade e de vizinhança. E foram essas diversas experiencias que acabaram por dar corpo a ideia de Nova Museologia, uma museologia que coloca o social no centro da sua pratica museológica, vista como “interdisciplinar”. Uma outra novidades nesta reunião. Uma declaração que dará origem, no ano seguinto à formação em Lisboa do Movimento para uma Nova Museologia (O MINOM), que passou a atuar como estrutura organizada no seio da comunidade museológica.
  • Também nesse ano, reunirá em Oatxapec – no México um fórum de museus comunitários onde ficará registada a estreita relação entre território- património- comunidade. Esta matriz trenaria dará corpo a essta nova Museologia, uma Museologia comprometida com o social. Esta declaração realçará a necessidade de incoporar nos processos museológicos a participação das comunidades para integrar e compreender os processos simbólicos dos patrimónios locais.
  • Em 1992, na Caracas – Venezuela, surgirá ainda no campo da matriz da Função Social dos Museus, a relevância dos processos de comunicação como função museológica, através da qual se assegura a participação das comunidades nos processos museológicos. É necessário comunicar. O museu integral de Santiago do Chile deverá ser um Museu Integrado na Comunidade.

Atrevemo-nos a juntar a estas declarações a Declaração do Rio, aprovada em 2013 no XV Atlier Internacional do MINOM onde é aprovada uma recomendação de que é necessário descolonizar o pensamento, a museologia e os museus. E que esse é o desafio da Museologia Social e do MINOM. Uma Museologia do Afeto que contribui para a transformação. Trata-se duma nova Poética Museológica, que o tempo dará ou não consistência.

 

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (V)

A leitura da nova Recomendação: contexto geral

Podemos verificar pela normativo já existente a complexa, diversa e complementaridade de instrumentos com que os profissionais de museologia necessitam de dialogar para aplicar esta Recomendação. No entanto haverá que ter em atenção que um olhar mais próximo dá uma elevada relevância aos projetos e ações onde se permite identificar uma vinculação com o campo da Museologia Social.

Como se afima no texto aprovado pelo Seminário realizado na ULHT em janeiro de 2016 “ A Recomendação dialoga com temas que estão no centro da atuação de um número cada vez maior de museus, em todos os continentes, que se reconhecem como atores do desenvolvimento, da inclusão social, da igualdade de gênero, do respeito pelas diversidades, assumindo plenamente princípios e valores já inscritos na Declaração de Santiago do Chile, de 1972, que a própria Recomendação invoca de pleno direito”.

Haverá portanto ainda relacionar esta declaração com um conjunto de textos matriciais da museologia social, para entender a influência que este documento assume. Trata-se dum documento que apela à ação e permite ampliar as reflexões sobre a nova museologia sobre as suas práticas e sobre a sua adequação aos desafios do mundo contemporâneo. E este será um novo desafio que esta Recomendação coloca no campo da museologia social. O de trabalhar sobre a Função social dos Museus.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (III)

Oportunidade da Declaração

Um dos argumentos utilizados para dar conta da necessidade de se fazer um instrumento sobre museus era o de que o último documento da UNESCO sobre museus datava de 1960 a “Recomendação Relativa aos Meios Mais Efetivos de Tornar os Museus Acessíveis a Todos”.  Se tomarmos em linha de conta que a aprovação desta recomendação se deu em 2015, mediaram 55 anos entre as duas recomendações sobre museus. Mais de meio século onde no mundo ocorreram profundas transformações.

Não foi contudo uma atividade fácil. Após a aprovação da proposta de recomendação, foi necessário que o IBRAM desse continuidade ao trabalho, desenvolvendo esforços para apresentar um texto base para o documento a apresentar. Inicialmente a ideia seria a de fazer aprovar uma Convenção, tal como havia suceddiso em realação às questões da Diversidade Cultural. No entanto no decorrer dos trabalhos veirifcou-se que não haveria matéria sufucinete para produzir um acordo internacional a esse nível, pelo que se apontou para a elaboração dum recomendação.

Foi assim que se realizou em julho de 2012, no Rio de Janeiro, uma reunião de especialistas da UNESCO, que levou à produção dum documentos base para a Recomendação. O documento final produzido nessa reunião, que contou com uma forte participação da equipa do IBRAM vinculada com a Museologia Social foi apresentado na Unesco, na reunião do seu Conselho Executivo, ocorrida em outubro de 2012, que por sua vez solicitou a dois pareceres a especialistas da UNESCO.

(Os documentos relativos à preparação deste evento estão disponíveis no Site da UNESCO em Inglês.

Na Sessão seguinte do mesmo Conselho, em abril de 2013, os documentos preliminares foram avaliados e aprovados, seguindo-se a consulta aos Estados membros e aos parceiros da UNESCO para a área do património.

Centro de Interpretação Jardim da Gulbenkian

Com o nome Centro de Interpretação Gonçalo Ribeiro Telles / Museu Gulbenkian abriu o mais recente equipamento museológico neste complexo da Fundação Gulbenkian.

Costumo dizer aos alunos de museologia que este é o mais perfeito exemplo da ideia de Museu. O espaço junta o Museu, que alberga a rica colecção do fundador. Para alem desse espaço, imutável, existem espaços para exposições temporárias. A partir desse edifício acede-se  à Biblioteca de Arte, ao espaço de restauração e ao edifício Sede. Neste último, os diferentes auditórios (3) desenvolvem uma interessante programação. Durante alguns anos a Fundação teve uma orquestra própria e uma companhia de dança. Atualmente concentra-se em 5 areas de atuação: Artes, Educação, Ciência, Desenvolvimento e Iniciativas Globais. Ainda dispõe do Centro de Arte Moderna , também ele com espaço de exposições temporárias, serviços educativos, restauração e uma livraria. É neste complexo que agora se implementou o Jardim, onde também se encontra um auditório de ar livre, espaços de escultura.

Custumo defender  que isto é um museu, porque tudo o que aí se concretiza é a missão do museu. Não é certo que todos tenham esse entendimento, já para muitos o museu será apenas a coleção de objetos.

No entanto, na perspectiva da museologia, o que aqui é um museus não passa dum gabinete de curiosidades. Dum excelente gabinete de curiosidades, muito bem museografado, com excelentes profissionais. Nele podemos observar a técnica museográfica desenvolvida no século XX.

O museu como Centro Cultural, defendido por André Malraux, também aqui se encontra. O Centro de Arte Moderna, construído nos anos oitenta, para albergar a colecção de arte moderna , que entretando, Rui Mário Gonçalves ia aconselhando a comprar. Trata-se dum investimento. Esta fundação tem como suporte o legado empresarial do sue fundador, gerido através da Partex, empresa que atua na atividade energética.

Para alem dessa Centro Cultural, os eventos, as iniciativas a favor da comunidade constituem uma importante função social que todos reconhecem nesta instituição, sem que tovavia, nela se reconheça a função do museu.

Diríamos que se trata duma questão de nomes. Talvez sim. A Fundação Oriente e o seu museu também adoptam este modelo. Serralves, o Centro Cultural de Belém, A Fundação EDP /Museus de Eletricidade,  O Museu das Comunicações e a Fundação Portuguesa das Comunicações.

Um compromisso que tem por base um preconceito entre o que é o museu e a ação filantrópica: Museu é o que está parado nos objetos. Filantropia é o que fazem as fundações. Museu é tudo isso, defendo eu perante os alunos. Conservar sim, mas também construir acção.

E o Jardim. Pois também ele é um espaço de conservação. No passado os jardins botânicos faziam parte do Museu. No século XIX enraizaram-se no edificío e separaram-se da natureza. Hoje entendemos que fazem parte do mesmo espaço.

Também a Gulbenkian, o redescobriu. De espaço de lazer, muito bem feito, integra-se hoje num intenerário de descoberta. De redescoberta da natureza em espaço urbano, da sua sustentabilidade. Da ligação do eu ao mundo.

O espaço apresenta um lugar de restauração, e um pequeno nicho “tecnológico” onde através de multimédia se conta a história do jardim. Um multimédia interativo permite várias entradas para o temas. Do centro parte-se para a exploração do espaço.

WP_20150904_18_13_34_Pro WP_20150904_18_13_27_Pro WP_20150904_18_11_07_Pro WP_20150904_18_10_59_Pro WP_20150904_18_10_26_Pro WP_20150904_18_10_20_Pro WP_20150904_18_09_39_Pro WP_20150904_18_09_37_Pro WP_20150904_18_09_15_Pro WP_20150904_18_09_08_Pro WP_20150904_18_08_52_Pro WP_20150904_18_08_00_Pro WP_20150904_18_07_28_Pro WP_20150904_18_07_25_Pro WP_20150904_18_07_17_Pro WP_20150904_18_07_07_Pro WP_20150904_18_06_43_Pro WP_20150904_18_06_30_Pro WP_20150904_18_06_05_Pro WP_20150904_18_05_39_Pro