Arquivo de etiquetas: Redes de museus

Redes de Museus XV – Casos de Redes Privadas

Entre os casos de Redes de museus, as redes de museus provadas é um caso que está no Limbo. Nunca se vê tratada essas coleções e empresas, muitas vezes vistas como pouco dignas de crédito na medida em que o objetivo é de natureza comercial, opondo-se assim à natureza sem fins lucrativos do ICOM.

Todavia, abstraindo a questão comercial, é naturalmente de pensar como é que estas redes funcionam e qual a sua situação no panorama museológico Português.

Todos conhecemos a Coleção Berardo, depositada no CCB em Belém.  “O Museu Coleção Berardo é um espaço museológico de referência em Lisboa, onde o visitante pode desfrutar do melhor da arte moderna e contemporânea. Neste museu é possível encontrar, tanto na mostra permanente da Coleção Berardo como no leque muito variado de exposições temporárias, obras de artistas dos mais diversos contextos culturais e variadas expressões que construíram a história da arte do último século.”

Entre as suas atividades há serviços educativos, para difeerentes públicos, e organizam-se a partir do espólio, exposições temporárias.  Mercê do esforço do colecionador, nesta colação temos acesso a muitas obras de pintores do século XX, com entradas em novas tecnicas expressivas, tal como video e instalações. Deverá também ter atividade de conservação. Mercê dum contrato com o Estado Portguês, esta colação/museu pode ser visitas por todos.

Até aqui tudo bem. Só que Berardo tem muitos outros espaços museológicos híbridos.

Na Madeira, de onde é originário, tem uma Fundação que gere o Monte Palace, onde apresenta uma bela coleção africana “Museu Monte Palace – Paixão Africana”. O Monte Palace é também um Jardim Botânico e um Hotel.   O museu da mãe natureza completa o conjunto.

Ainda em termos de jardins o Jardim Budha Eden o jardim da paz, situado nos terrenos luxuriosos da Quinta dos Loridos, no Bombarral mostra um espaço mais universal.

Mas será no vinho que poeremos encontrar algumas novidades. em termos de rede de coleções. O Comendador Berardo. No Bombarral

Nas velhinas Caves Aliança  na quinta da Terrugem criou o Undergraund Museum Colecction  um espaço expositivo aproveitando as caves, inclui sete colecções da arqueologia, etnografia, mineralogia, paleontologia, azulejaria e cerâmica, abrangendo uma impressionante extensão temporal com milhões de anos.

Na também Histórica Quinta do Carmo, em Estremoz está a preparar um espaço expositivo.

Na raíz do projeto está a Quinta da Bacalhoa, um palácio do século XVI, e a adega museu da Quinta de Bacalhoa onde está exposto a exposição   “Arte, Vinho e Paixão” inaugurada em 2004. Uma exposição constru+ida a partir das obras do acervo do comendador, que associa a arte e o amor ao vinho tornou. Arte como expressão de sensações, da criação estética do belo, associação ao fazer e cuidar do vinho.

Um outra exposição, sobre  Arte Digital aborda o início do comércio entre Portugal e Inglaterra, marca dum dos vinhos da casa “Catarina”.

Mais recentemente a Exposição de Homenagem à Rainha Ginga  “Out of Africa” apresenta  um exppsição sobre mascaras de angola.

Redes de Museus XI – O caso da Rede de museus da Madeira

Corria o ano de 1998. Lisboa celebrava a vida nos oceanos na Exposição Universal.  Na Região da Madeira concluía -se  o novo aeroporto, que para alem de acrescentar segurança, permitia a aterragem de aviões maiores. E aviões maiores significava mais turistas de mais lugares. O turismo era e continua a ser a especialização económica da ilha. Por imposição da Comissão Europeia, o expectável crescimento turístico teria que  ser sustentável tendo em atenção os limites de capacidade  de acolhimento da ilha.

Isso levou a elaboração dum Plano de Ordenamento Turístico, que analisou a ilha de diferentes maneiras. Acompanhamos, nessa altura a avaliação e diagnostico das atividades culturais e nele propusemos, entre outras medidas a criação dum Rede de Museus que permitissem potenciar o marketing desses valiosos equipamentos.

A Direção Regional de Cultura avançou com a ideia e ainda hoje esse rede funciona. A rede de museus da Madeira pode ser vista nesta ligaçao.

https://museus.madeira.gov.pt/Apresentacao

Redes de museus X – Rede de museus de Lisboa

Como é costume, Lisboa costuma ser usada como laboratório administrativo. É em relação a reforma administrativa das freguesias, quando antecipando em alguns meses o que se passou no país. É-o em relações a certas varas criminais, onde aqui são testados tribunais específicos, antes de se alargar ao país (o caso, por exemplo da violência domestica e bulling nas escolas). Assim o é também na política museológica.

Na capital cruzam-se vários tipos de museus. Nacionais, Municipais, Privados, centros culturais, centros de interpretação, com diferentes tutelas e formas de regulação.

Na sua distribuição espacial, ganham relevância dois espaços. O eixo Ajuda Belém, alvo dum plano especial que já fez correr muita tinta, e o espaço museológico do Lumiar, constituído por dois museus nacionais e um parque urbano. Ambos tem percursos diferenciados. O primeiro, resulta da transformação urbana que é fortemente influenciado pela história e pela elegia da portugalidade, o segundo, marcado pelo gosto barroco da aristocracia. Em ambos os espaços, contudo, a Câmara de Lisboa, embora com uma palavra no âmbito do planeamento, não efetua uma gestão direta.

A gestão direta dos equipamentos museológicos camarários é feita em vários equipamentos, que recentemente passaram por uma reforma administrativa. Assim o museu de Lisboa, onde se contava a história da cidade passou por um processo de restruturação. O edifício do museu, um palácio do século XVIII (Palácio Pimenta) no Campo Grande, passou a ser a sede de um conjunto de equipamentos municipais (que incluem o Museu Bordalo Pinheiro, O Museu de Santo António, A Casa dos Bicos, o Teatro Romano, na rua de são Tomé e o Torreão Poente do Terreiro do Paço).

A alteração do nome é subtil, pois anteriormente era conhecido como Museu da Cidade, embora na linguagem comum toda a gente se referisse ao espaço como o Museu de Lisboa, pois era essa a cidade. No entanto a alteração não é apenas o nome. Pois agora o espaço assume-se como do território, integrando os “núcleos”. Note-se uma sede e núcleos, fazem uma estrutura polinucleada.

Mas a alteração mais profunda não será só essa. Pois para além destas reformas, na cidade de Lisboa, os vários equipamentos culturais, museológicos, teatros e galerias, passaram, em 2016, para a administração da EGEAC, uma empresa municipal que faz a gestão dos equipamentos e da animação cultural na cidade, incluindo as “Festas de Lisboa”, um mega evento que em 1991 passou a incluir todo o mês de junho, em toda a cidade. (curiosamente, esta empresa não tutela as bibliotecas de Lisboa, certamente porque estas não atraem turistas, ou os filhos dos turistas não são um “target”).

É certo que em muitos destes equipamentos a alteração foi benéfica. Foi possível reorganizar as receitas e o pessoal. Uma gestão por empresa municipal é diferente dos mecanismos das administração pública, sendo mais fácil operacionalizar. É evidente que uma gestão deste tipo tem vantagens e desvantagens.

Regressando á questão das redes de museus e dos seus núcleos, este será certamente um caso que valerá a pena analisar pois Lisboa vive num momento de forte densidade de turismo, com receitas que deverão ser bastante significativas e permitem sem dúvida alguma sustentabilidade nestes equipamentos. Todos conhecemos a excelência da programação cultural nos teatros municipais.

A questão que se coloca é saber se este modelo polinucleado de empresa municipal, ancorado no turismo e na gestão da economia cultural pode ser usado noutras zonas do país, sobretudo form do contexto urbano.

Analisar estes caso é o tipo de trabalhos que o Observatório das Atividade Culturais deveria fazer para assessorar o Ministro da Cultura e o conselho Nacional de Cultura. Por exemplo, ao olharmos para o mapa da EGEAC podemos verificar que todos estes equipamentos se encontram no Centro da cidade. Exatamente nos lugares onde os residentes de Lisboa estão a desaparecer. Onde está a função social do museu de Lisboa.

Certamente nos responderão com as freguesias, embora eu tenha algumas dúvidas.

Redes de museus V- Critérios de Planeamento

Redes de equipamentos é um tema dos processos de planeamento territorial. Implica uma visão da sociedade sobre os modos de organização do espaço. Sobre a sua vontade de vida coletiva no espaço.

O planeamento é uma disciplina que tem a sua génese nas academias militares, e que irradia para a sociedade essencialmente pela vida económica e pelas empresas. Deixando de lado o planeamento soviético, implementado no período da revolução russa de 1917, na Europa, os processos de planeamento surgem no pós-guerra (1945). A França gaulista será o exemplo paradigmático dum processo de planeamento centralizado no Estado.

Segundo este tipo de pensamento, o Estado deverá criar redes em todo o território, com o fim de permitir acesso a todos aos serviços desses equipamentos. Um acesso que é feito em nome do princípio da igualdade e da solidariedade.

Parece óbvio que uma administração do território assegure uma distribuição dos seus serviços. Para nós é óbvio que tem que existir escolas, centros de saúde, correios, esquadras de polícia, bombeiros, tribunais, repartições de finanças, bancos, bibliotecas, teatros cinemas, farmácias um pouco por todo o lado.

Um critério primeiro para este tipo de equipamentos é naturalmente a existência de pessoas. A chamada densidade demográfica, que determina a malha da rede. É um assunto que está na ordem do dia, em relação, por exemplo ao encerramento da Caixa Geral de Depósitos em Almeida.

Do ponto de vista do planeador há um número mínimo de pessoas que justifica a existência do serviço. Um critério que hoje em dia passas por uma anális custo benefício. Justifica manter uma escola a funcionar num lugar com 10 alunos. Para os burocratas será certamente mais fácil concentrar na sede do município, mesmo que as crianças passem, todos os dias, uma hora de viajem em autocarro. Para quem paga a viagem de autocarro compensa a abertura da escola. A criança/aluno perde tempo de brincadeira e em contrapartida ganha mais vinte ou trinta amigos na cidade. A aldeia perde a escola e a dona Arminda. Uma escola que é vendida a turistas ou transformada em Centro de Terceira Idade. Enfim tudo depende do critério de planeamento e das lutas políticas.

E para os equipamentos culturais, a questão que se coloca é saber se têm que existir uma malha em todos o lugares. Por exemplo, há una anos definiu-se que deveria existir uma Biblioteca e um teatro por município, um arquivo por distrito, dependendo isso da vontade desses municípios.

E para os museus. Tem que existir um museu? Qual é a dimensão demográfica mínima para a existência dum museu. E de um núcleo do museu, como agora se propõe.

Como é natural, a resposta a esta questão, é determinada pelo pensamento sobre a sociedade. Será que faz sentido pensar a rede de museus como uma estrutura distribuída pelo território nacional, como forma de garantir o acesso e usufruto do património cultural?

Aqui à uns anos, num trabalho de diagnóstico que fiz sobre a cultura durante o Estado Novo, andei a viajar pelo sul do país a visitar as Casas do Povo (nos aglomerados ribeirinhos eram Casas dos Pescadores). Ora estas casas do povo que se tinham transformado com a democracia em centros de saúde, centros da segurança social ou mesmo centros de terceira idade, em muitos deles ainda se mantinham pequenos núcleos museológicos (coleções visitáveis como agora se diz) sobre a cultura local. Na maior parte dos casos objetos etnográficos. Ora nestas antigas Casas do Povo, também se organizavam os ranchos folclóricos, as festas e os arraiais populares (o património imaterial, como agora falam os mais eruditos).

Será que a futura rede de museus portuguesa se vai metarmofesar recuperando as Casas do Povo de António Ferro. Se assim for, afinal a tal inovação da rede portuguesa dos museus, já foi feita pela “política do espírito” de António Ferro.

A alternativa não está no planeamento central do estado mas na promoção da entelequia nos museus.

Redes de museus IV- o caso da Rede do Património da Humanidade e a minha responsabilidade nos atos de vandalismo

Ouço na telefonia que se runem em Vila Real e em Lamego um Encontro Internacional Patrimónios da Humanidade, (http://www.museudelamego.pt/wp-content/uploads/2017/05/programa-encontro-internacional-2017.pdf). com três grupos de trabalho: Ambiente e Turismo Sustentável, Educação, Cultura e Sociedade, Carta de Cooperação. Nele estão convidados e presentes vários lugares da lusofonia, também também Patrimónios da Humanidade. (Cidade Velha de Cabo Verde, Ilha de Moçambique)

Como tenho vindo a referir em anteriores postais, há uma grande variedade de redes de museus no território. O Caso da Rede do Património da Humanidade em Portugal, uma rede que em Portugal é acompanhada pela Comissão Nacional da UNESCO, (ttps://www.unescoportugal.mne.pt/pt/noticias/469-reuniao-da-rede-do-patrimonio-mundial-de-portugal), e que apresenta 15 lugares que foram calssificados entre 1983 e 2013.

Os primeiros quatro sítios classificados em 1983 foram o Centro Histórico de Angra do Heroísmo, na Terceira, os Conventos dos Jerónimos, da Batalha e de Cristo em Tomar. Entre centros urbanos, paisagens culturais, complexos de fortificações e pinturas rupestres (Foz Côa) a listagem tem vindo a crescer de acordo com as candidaturas e com as políticas culturais da época.

Vale a pena recordar que a iniciativa de classificação parte de um estado membro, que se compromete, com os demais estados membros, a desenvolver um conjunto de “boas-praticas” de gestão e conservação dos sítios, com o objetivo de “divulgar um património de valor excecional”.

Como todos sabemos, entre as intenções e as práticas, há uma variedade de situações. Uma das principais vantagens da classificação como Património da Humanidade é a utilização da Marca UNESCO WHS, que confere uma elevada atratividade aos sítios, com os benefícios que aí advém para a economia local

Ora três deste destes lugares, Foz Côa e Convento de Cristo, e Jerónimos, foram ultimamente alvo de notícias pelas piores razões. No primeiro caso por um ato de vandalismo gratuito e irresponsável, no segundo por danos nas cantarias, por via dum uso descuidado em situações de filmagens, no terceiro, alegadamente, por prevaricação.

Para além da questão judicial, o que parece relevante para a questão das redes, a meu ver relaciona-se com as políticas culturais em Portugal e com aquilo que os atores da cultura e do património escolhem como relevante para atuar.

A política cultural é, como qualquer outra política pública um esforço de ordenação do real. No passado e no presente as políticas públicas para a saúde pública ou para a educação produziram importantes resultados sociais. A ideia de criar redes de abastecimento de água e saneamento livrou as cidades europeias das epidemias de desinteria e a cólera. A melhora da higiene pública, reduziu drasticamente doenças contagiosas. A criação, pelas vereações republicanas, de redes de mercados municipais, melhorou o acesso a produtos alimentares frescos e em quantidade, que assegurou a autonomia alimentar das cidades. As redes  de escolas, todos sabemos que aumentou a escolaridade. As políticas de Habitação e o planeamento urbano são formas de estruturar o território e organizar a nossa vida coletiva.

Ora o que aconteceu com as políticas culturais. Elas são, na Europa do pós-guerra, um resultado duma forma de organização do real. No nosso país, as políticas públicas para a cultura chegaram, chegaram com um desfasamento de vinte anos. Datam dos anos oitenta, por via da Secretaria de Estado da Cultura. Tardaram a estabelecer-se e foram implementadas pelos serviços do Estado a partir de conceções, ou visões do real, que no seu tempo já estavam a ser questionadas por várias formas.

São questionadas pela sua função social e pela sua sustentabilidade financeira. Os atuais estados, exíguos, tem dificuldade em afetar recursos em atividades cujo retorno social não é facilmente quantificado em valor. Esta dificuldade de perceção conduziu à ausência e ao abandono da educação patrimonial.

Na minha modesta opinião as políticas públicas para a cultura, e os seus agentes são os responsáveis pelos danos patrimoniais nos lugares WHS da UNESCO. Não responsáveis diretos, que sejam passíveis dum processo na justiça, mas responsáveis indiretos por omissão e negligência grosseira ou simples. Responsáveis porque ao longo de trinta anos que levam de políticas públicas para a cultura, não tenham sido capazes de desenvolver uma educação patrimonial eficiente. Na verdade não é ao estado que cabe a tarefa de defender o património. É a sociedade que o deve fazer. Se não o faz é porque não encontra relevância.

Perguntamos pois para que são necessários serviços públicos para a cultura e para o património? E porque é que não defendemos eficientemente o património como nos é exigido pela nossa constituição.

Para que fique claro essa é uma responsabilidade que é minha e que assumo. É por isso que tenho vindo a propor que é necessário discutir a questão das redes a partir das situações reais que existem.

Redes de Museus e Núcleos de Museus (III)

Ainda a propósito das Redes de Museus que estão ativas em Portugal, e que merecem atenção ( e como tenho vindo a defender, constituem relevantes trabalhos no terreno que deverão ser incluídos na necessária renovação da Rede Portuguesa de Museus dos núcleos), alguns amigos atentos chamaram-me a atenção para algumas outras dinâmicas que estão em curso.

Em Évora, a Rede de Museus de Évora que reúne 18 equipamentos e pólos culturais  da cidade, publicos e privados, que tem vindo a ser dinamizado pela ação da Universidada de Évora.

Uma outra rede ativa, a do Património Geomineiro que para além de trabalhos de investigação establece diálogos com o património natural. Uma rede que em Portugal conta com o esforço de José Manuel Brandão, a partir de Lisboa e José Manuel Lopes Cordeiro, a norte na sua Associação para a Proteção do Património Industrial (APPI-TICCIH Portugal)

No próximo mês de setembro, em Alamdén, Espanha – será realizado o XVII Congresso Internacional.

Ainda no campo das redes, de Património Industrial, há que lembrar a Associação Portuguesa de Arqueologia Industrial (APAI) criada nos anos oitenta (quando não existia o conceito de rede) que tem vindo a criar por todo o país, pela mão de Jorge Custódio , Conceição Serôdio e Graça Filipe, redes informais de arqueologia industrial.

Outras redes haverá certamente.

Valerá a pena acentuar é que existem hoje em portugal diferentes redes, temáticas ou territoriais, que desenvolvem diferentes trabalhos de educação patrimonial. E que estas redes estão vivas e atuantes. No âmbito do seu direito de participação, esta realidade deverá ser consultada no âmbito da necessária revisão da politica publica para os museus portugueses, da sua rede e sobretudo pensar o que é que estas experiências tem de positivo para poderem se usadas como boas práticas.

 

Redes e Núcleos de Museus (II)

A Questão da Rede de Museus e dos seus núcleos está na ordem do dia em Portugal.

Por diversas razões tenho vindo a acompanhar três redes de museus em Portugal: A Rede de Museus do Algarve, A Rede de Museus Rurais do Sul e a Plataforma Transfronteiriça de Museus Museion.

Sei que há outras redes, umas mais dinâmicas outras experiencias esporádicas de trabalho em rede: Rede de Museus do Douro, com sede no Museu homónimo em na Régua, A Rede de Museus do Vinho, com sede na Associação Portuguesa dos Municípios,  A rede dos museus de Beja (ou Baixo Alentejo), a rede de musues do Guadiana.

São redes e plataforma que se têm vindo a organizar em função dos interesses que as aglutinam, através da vontade dos seus dinamizadores.

A Rede Portuguesa de Museus, quando foi criada no inicio do milénio, com a sua vocação centralizadora, não se consegui afirmar como um organismo da política publica museológica. Estas redes que entretanto estão criadas fazem o trabalho que esta rede deveria ter feito.

Dizem-nos que agora se vai discutira a reativação da Rede Portuguesa de Museus.  Dizem-nos ainda que há quem defenda, que os Museus da  Rede deverá criar “núcleos de museus” , uma figura prevista nessa lei e que nunca foi implementada.

Para uns trata-se de dar uma resposta à desconcentração administrativa do estado, Para outros trata.-se de continuar a tentar aplicar uma agenda na cultura, que já se mostrou, na campo dos museus como desadequada ao tempo que hoje se vive. Para outros ainda será um campo de afirmação do protagonismos particulares.

Eu fico sempre um bocado assustado quando uns iluminados decidem o que é melhor para um setor sem terem em atenção as dinâmicas que estão instaladas. O resultado, quase sempre é tornar estéreis os trabalhos que estão a ser feitos e inúteis as iniciativas que não tem correspondência com o real. Um desperdício de recursos num país onde o orçamento da cultura ainda ronda os 0,2 do PIB.

 

Redes de Museus e núcleos de museus

Quando olhamos para o panorama museológico português, e ao seu contributo para a museologia, podemos encontrar aquilo a que temos vindo a nomear como a questão dos “núcleos”.

Museus polinucleados, núcleos de museus, pólos museológicos  foram expressões que nos anos oitenta acompanharam a renovação da museologia, sobretudo a partir da experiência do ecomuseu do Seixal. Nos anos noventa, um programa de valorização territorial do Vale do Tejo, levou esta experiência a vários concelhos. Por via dos trabalhos de alguns dos nossos museólogos, a ideia dos museus polinucleados (vocábulo que chega à museologia por via da arquitetura e do planeamento territorial) foi-se disseminando pelos concelhos do sul (Alentejo e Algarve) e através de algumas experiências de musealização de sítios da chamada arqueologia industrial, por vezes em diálogo com as propostas dos ecomuseus.

Confesso que conheço mal as realidades museológicas a norte do Mondego, mão reconheço que ainda hoje é possível detetar nas ideias das rotas e percursos turísticos esta ideia de núcleos patrimoniais visitáveis, unidos por uma unidade (territorial ou temática (megalitismo, Ronânci do Vale do Sousa, Vinho do Dão, Douro, Património Azulejar, etc.), contributos desta visão da organização museológica e do seu diálogo com a valorização do património, uma vezes por mão da DGPC, outras por via dos municípios.

A Lei dos Museus (lei 47/2004) acabou por incorporar esta inovação nacional, na sua proposta sobre a Rede Portuguesa de Museus e a possibilidade dos museus nacionais criarem “núcleos de apoio a museus”(artigo 107).

Entre as muitas e variadas questões que a atualidade desta lei levante para os museus portugueses, a questão do “núcleos dos museus”, figura organizacional que tanto quanto sai nunca funcionou nos museus nacionais, vai sendo apresentada como uma alternativa à questão da descentralização ou da desconcentração administrativa, discussão que certamente aquecerá o tempo estival que se aproxima.

Trata-se duma questão de agenda para a cultura dir-se-á ?