Arquivo de etiquetas: Rede de Museus

A inércia da Rede Portuguesa de Museus

Entre as várias críticas que tem vindo a ser feita à Rede Portuguesa de Museus, sobretudo sobre a sua desadequação à realidade museológica portuguesa e a sua incapacidade de integrar as questões da participação, tal como é definido no nosso Direito Constitucional, é o do seu zelo inquisitorial sobre as funções que considera que os museus devem cumprir, quando integram a rede, face ao completo desleixo sobre a verificação da sua continuidade no tempo.

Um exemplo disso é o Despacho 5978/ 2017 do Ministro da Cultura, publicado hoje em Diário da República onde, por Despacho do Ministro (note-se a preciosidade administrativa incluída no conceito luso de rede) o Museu do Brinquedo é “expulso” da rede, por ter deixado de existir.

Até aqui tudo bem. A questão é que o museus fechou portas em 2014, e sá agora, praticamente 3 anos depois é que os serviços diligentes da DGPC deram conta disso.

É o que se chama estar atento ao panorama museológico.

Redes de museus xiii- o caso da rede de museus do algarve

RedesO caso da rede de museus do Algarve, impulsionado desde a cerca de 10 anos nessa região contitui um interessante caso para seguir

Vídeo – Encerramento das I Jornadas da Rede de Museus do Algarve

A pouco tempo fez em Loulé mais um encontro. O que é relevante neste caso e que ele se organiza. No meu ponto de vista, a Direção Geral do Patrimônio Cultural deveria estar atenta e apoiar este tipo de iniciativas.

Redes de Museus XII – O Caso da Rede de Museus dos Açores

O caso da Rede de Museus dos Açores surge de tempos a tempos nas notícias. No passado mês de novembro, o secretário regional de cultura, Avelino Meneses anuncia que os museus dos Açores se deverão articular em rede. Ver artigo  no sitio do governo regional aqui .

Talvez com alguma deficiência de informação anunciava que esta rede articularia as coleções visitáveis. Estruturas que estão disponíveis na lei portuguesa de museus de 2004, e já referida na Recomendação da UNESCO de 2015.

A ideia passaria também por ter museus regionais em cada ilha, e permitir que entre eles se criassem sinergias.

Na altura em que escrevemos estas linhas desconhecemos o desenvolvimento e grau de irradiação desta ideia.

Contudo uma ideia não pode deixar de ser referidas. O desconhecimento do que está a ser feito, seja no continente, seja nas Regiões Autónomas, aconselharia, no mínimo a que se procedesse a uma inventariação das experiências que estão no terreno. O que é que está  ser feito e seus resultados, antes de voltar a implementar as ideias centralistas que presidiram à ação da velha Rede Portuguesa de Museus