Arquivo de etiquetas: Museologia Social

A poética num convite para um Chá no Jardim Botânico da Politécnica

A poética num convite para um Chá no Jardim Botânico da Politécnica

(A viagem como catalisador da transitoriedade na museologia)

Pedro Pereira Leite[1]

Objetivo: Sensibilizar para a experiencia da viagem na construção dos processos museológicos

Problemática: A Intersubjetividade[i] na museologia: Se as relações ente o sujeito que observa e o objeto que é observado são transitivas (a ciência como técnica de analise da probabilidade e da imprevisibilidade) a sua expressão, como processo é uma relação entre a forma de comunicação (uma linguagem) e o consenso que se cria como resolução dos conflitos das partes (uma dialética).

Roteiro:

  1. Cartografar
    1. As viagens como método de recolha de objetos museológicos. As coleções permitem cartografar o real e construir o mapa do conhecimento. A teoria da Evolução de o Método de Classificação de Lineu decorre das grandes viagens dos séculos XVI a XIX.
    2. No século XX, os Estudos dos Museus olha para essas coleções segundo três perspetivas
      1. Na perspetiva processual da preservação/conservação onde ser organiza uma cadeia operatória
      2. Numa perspetiva reflexiva, onde para além dos procedimentos da cadeia operatória são adicionados conceitos estruturantes (teoria da evolução, razões da coleção, história da coleção etc.,)
  • Na relação entre as instituições e a sua coleções, onde os processos de constituição dos acervos se relacionam com os processos institucionais que os determinaram
  1. Esta última perspetiva tem permitido reconstruir os discursos expográficos e introduzindo novos desafios: O museu olhado como um processo é uma viagem contemporânea.
  2. A viagem no século XX é uma experiencia de transitoriedade
    1. Trabalha-se a partir da experiencia dos sentidos e reconstrói-se a razão (construir conhecimento)
    2. O museu não substitui a escola no discurso expográfico. O museu é uma proposta de descoberta. A viagem é a descoberta. O trânsito do olhar.
  • A viagem como busca. Resolver a inquietação sobre a condição humana.
  1. A condição humana como diálogo entre a comunidade. Incorporação de conhecimento da comunidade para devolver à comunidade
  1. Corporizar
    1. A experiencia do Jardim Botânico (proposta ao grupo para uma experiencia individual)
      1. Sentir
        1. Interrogar e sentir o espaço
          1. Interrogar: Onde estão os 5 elementos
          2. Sentir: Olhar cores, sons, movimentos formas
        2. Explorar o espaço
          1. Partir à descoberta do espaço e do tempo do jardim
        3. Reunir elementos: Mostrar objetos colecionados
      2. Problematizar (proposta ao grupo para construir uma narrativa comum)
        1. Que jardim é este na Politécnica?
          1. A História do espaço
          2. Os homens do Jardim
  • O sentir o Jardim
  1. Os objetos do Jardim
  1. Como Devolver o Jardim à cidade a partir dos seus objetos
  1. Construir a Utopia: uma proposta de conceito para um percurso pelo jardim
    1. O Conde de Ficalho e a flora dos Lusíadas
      1. Construção de Campos de abordagem em torno da condição humana
    2. Os Lusíadas como diálogo entre a arte e a ciência

[1][1] Roteiro para conversa no Museu da Ciência proposto por Gabriela Cavaco  -1 de julho 2011

[i] A intersubjetividade com modo de superar a subjetividade na teoria do conhecimento da relação do sujeito com o objeto de conhecimento. Na intersubjetividade o conhecimento depende de outras pessoas e a ideia não é dada pela mente, mas pelo uso da palavra numa determinada comunidade, em práticas coletivas

Redes de Museus e Núcleos de Museus (III)

Ainda a propósito das Redes de Museus que estão ativas em Portugal, e que merecem atenção ( e como tenho vindo a defender, constituem relevantes trabalhos no terreno que deverão ser incluídos na necessária renovação da Rede Portuguesa de Museus dos núcleos), alguns amigos atentos chamaram-me a atenção para algumas outras dinâmicas que estão em curso.

Em Évora, a Rede de Museus de Évora que reúne 18 equipamentos e pólos culturais  da cidade, publicos e privados, que tem vindo a ser dinamizado pela ação da Universidada de Évora.

Uma outra rede ativa, a do Património Geomineiro que para além de trabalhos de investigação establece diálogos com o património natural. Uma rede que em Portugal conta com o esforço de José Manuel Brandão, a partir de Lisboa e José Manuel Lopes Cordeiro, a norte na sua Associação para a Proteção do Património Industrial (APPI-TICCIH Portugal)

No próximo mês de setembro, em Alamdén, Espanha – será realizado o XVII Congresso Internacional.

Ainda no campo das redes, de Património Industrial, há que lembrar a Associação Portuguesa de Arqueologia Industrial (APAI) criada nos anos oitenta (quando não existia o conceito de rede) que tem vindo a criar por todo o país, pela mão de Jorge Custódio , Conceição Serôdio e Graça Filipe, redes informais de arqueologia industrial.

Outras redes haverá certamente.

Valerá a pena acentuar é que existem hoje em portugal diferentes redes, temáticas ou territoriais, que desenvolvem diferentes trabalhos de educação patrimonial. E que estas redes estão vivas e atuantes. No âmbito do seu direito de participação, esta realidade deverá ser consultada no âmbito da necessária revisão da politica publica para os museus portugueses, da sua rede e sobretudo pensar o que é que estas experiências tem de positivo para poderem se usadas como boas práticas.

 

Turismo Criativo e Museologia Nómada III

A propósito das questões do turismo criativo e da sua relação com as cidades, defendemos ontem que se estava a verificar uma transformação do conceito turismo cultural nesta nova forma de identificar de turismo cultura.

Do ponto de vista da análise do real, não vale muito a pena discutir o que é uma dada coisa, mas vale mais a pena pensar no que está sendo. Como todos temos ocasião de verificar, tudo o que era dado como estável à bem pouco tempo, hoje é questionado.

O que era visto como um museu, ainda há poucos anos, está hoje a ser questionado, por diferentes formas. O uso do espaço das cidades e a função que neles têm os museus, está a ser questionado por via desta Turismo Criativo.

Tomemos por exemplo o trabalho que aqui citamos, a tese de doutoramento de Alexandra Gonçalves. “A cultura material, a musealização e o turismo”, apresentada na Universidade de Évora em 2012.  Com as suas 700 páginas constitui uma tentativa de capturar uma dada dinâmica (dos processos museológicos e os processos turísticos). Utiliza para isso uma dada ferramenta de análise.

Essa ferramenta, permite-lhe por exemplo entender, que o chamado turismo cultural se estava a  transmutar  num dado turismo criativo (pagina 123). Mas na sua análise dos processos museológicos, através duma ferramenta muito conservadora (porque muito agarrada a uma conceção estática de museu como equipamento) ao invés de pensar no processo, acaba por nos conduzir a um impasse que é o de saber se, partindo da sua proposta de ouvir os visitantes, as ações museológicas se devem centrar nos turistas ou nas comunidades locais.

A questão levar-nos ia a pensar quais são as funções do museus nas sociedades contemporâneas. Uma questão que foi levantada pela Nova Recomendação da UNESCO sobre museus, aprovada em 2015.

Curiosamente um texto de Fernando João Moreira, O Turismo e os Museus nas Estratégias e nas Práticas de Desenvolvimento Territorial . (2008) já resolve esta questão, a partir dum estudo de caso em Portimão.

 

Que Museus para o século XXI?

Com base na questão “como definir os museus no século XXI” o ICOFOM, o comité do ICOM para a Teoria Museológica, em março deste ano, lançou o desafio de se apresentarem propostas para discutir e propor uma atualização sobre a definição do que é um Museus.

E atual definição de Museu, usada desde 2007 pelo ICOM é recorde-se: “o museu é uma instituição permanente, sem fins lucrativos, a serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público, que adquire, conserva, estuda, expõe e transmite o património material e imaterial da humanidade e do seu meio, com fins de estudo, educação e deleite” .

Essa mesma definição é usada na Nova Recomendação da Unesco sobre Proteção e Promoção dos Museus, Coleções da sua diversidade e Função Social, que a nossa Direção Geral do Património Cultural, apesar de signatária,  continua a não disponibilizar no seu site.  Trata-se naturalmente duma questão complexa, que exige elevados recursos, que será feita logo que possível.

Vem isto a propósito da próxima discussão sobre a nossa Rede Portuguesa de Museus, desaparecida ou minguada desde 2012, que agora se procura reativar.

Sem dúvida que é de saudar esta oportunidade de se pensar para o futuro. Esperemos que agora seja possível pensar  uma rede portuguesa (ao invés da pirâmide burocrática), incluindo as novas formas de “museus” que hoje estão presentes nas nossas cidades. Processos centrados nas pessoas e nos seus objetos patrimoniais.

Apenas para dar uma ideia do que se está a passar no mundo dos museus, e porque que não se desperdicem novamente tempo e recursos públicos vale a pena acompanhar a discussão:

  1. Nos próximos dias 9 a 11 de junho em Paris, na Sourbonne o seminário do ICOFOM – Definir o Museu no século XXI
  2. Entre 25 e 29 de setembro, em Havana, o 40º simpósio anual do ICOFOM “Política e Poética da Museologia”
  3. Finalmente, a 25 de novembro a conferencia do Eulac “defenir museus para o século XXI, a realizar na Universidade de Sant Andrew, na Escócia

Ainda é possível participar nestes eventos para quem estiver interessado.

A questão que vale a pena acentuar nesta  discussão sobre os desafios para os museus, não será tanto pensar sobre que ou quais contornos deve ter ou não ter um museu (recorde-se que é isso que leva a que na exuberante legislação portuguesa, a burocracia decida sobre quem é ou quem não é museu, quem pode ou não pode aceder à rede, quem beneficia ou não das probendas públicas, etc…), ao invés de pensar como é que os processos museológicos contribuem para o desenvolvimento da sociedade. E para isso precisamos de museólogos mediadores, capazes de identificar as dinâmicas da sociedade em que se inserem e de apresentarem propostas inovadoras. Capazes de produzir ações de educação patrimonial para e na cidade.

O risco que enfrentamos é que os museus portugueses fiquem cristalizados no século XIX. Felizmente que a realidade acaba por se impor! Tanto mais não seja porque a cultura é um direito que temos que exercer.

Cultura e Dignidade Humana II

Heranças Globais e Memórias Locais

A partir destas problematizações fomos reconstruindo e alargando a nossa reflexão no campo da teoria crítica. O projeto de Pós-doutoramento na Universidade de Coimbra[1] expressa essa vontade de alargamento do campo teórico, abrindo a reflexão em diferentes direções, testando metodologia, disseminando resultados.

No ano de 2015, e a propósito dum conjunto de questões globais, as discussões sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, propostos pelas Nações Unidas, e de um conjunto de questões locais, entre as quais se salientava o “lugar da cultura”, levamos a cabo um conjunto de seminários sobre a relação “cultura e desenvolvimento”.[2] Uma reflexão que parte do propósito de discutir esta relação, dez anos depois da Convenção sobre a Promoção e Proteção da Diversidade Cultural, num contexto do contributo da cultura opara os tais ODS das Nações Unidas.

O ponto de partida dessa discussão centrava-se na aparente contradição entre o contributo da cultura como 4º pilar do desenvolvimento sustentável, a par com a economia, sociedade e ambiente, e a sua ausência como objetivo ou medidas concretas no campo da cultura, ainda que muitos defendam a presença de conteúdos culturais de forma transversal em vários dos ODS. Defendemos então, em diferentes fóruns, a necessidade dos profissionais da cultura se afirmarem de forma ativa na discussão dos ODS em cada território. A inclusão duma agenda de aculturar nas diferentes agendas nacionais. Deste proposta teórica global, atuamos, localmente em diferentes lugares, como seja a plataforma da sociedade civil para os ODS, promovemos diversos debates, em Coimbra, no Porto, na Universidade Lusófona e em algumas associações de intervenção local.

Ao longo de todo este caminho, de intervenção e reflexão problematizamos a necessidade de partir da discussão dos direitos culturais como direitos humanos. O por aqui regressamos a esta discussão.

Partimos então de relação intersubjetiva entre os seres humanos com os objetos socialmente relevantes, num determinado contexto. Duma proposta de encontro e duma metodologia de investigação-ação de partilha de espaços e inclusão de saberes. Um quadro de trabalho sobre a diversidade cultural, no qual o museólogo atua como mediar. Um mediador que dinamiza processos participativos, com base em objetos socialmente relevantes. Objetos patrimoniais, que se projetem dum tempo passado como memória coletiva, como narrativa ou simplesmente como vontade de futuro. E foi nesse contexto de propusemos “Um projeto que se pode construir com base na herança dos Direitos Humanos e que se pode constituir como uma plataforma de diálogo entre cidadãos em função do desenvolvimento da comunidade”.(Leite, 2012b).

Basicamente a questão poderá ser colocada da seguinte forma. Conhecer melhor, fazer melhor. A ideia na altura era partir da problemática dos Direitos Humanos para criar processo patrimonial crítico com base na criação de redes transcalares criadoras de solidariedades e potenciadoras de uma cultura de paz. Partimos das problemáticas da Escravatura, criamos o museu afro-digital, e podemos afirmar que avançamos em diferentes domínios. Importa agora refletir sobre os termos de partida: os Direitos humanos e a Cultura, com o objetivo de ultrapassar as limitações do saber e do conhecer e alargar o campo de conhecimento e de ações sobre os objetos patrimoniais e museológicos em processos transitivos: Uma museologia nómada.

Procuramos na altura integrar o conceito dos Direitos Humanos nos processos museológico no estudo do património a partir da criação de praticas solidariedades para emancipação do ser humano, onde o passado e as suas heranças serve de pretexto para a construção do futuro. Um futuro que todos queremos. Essa reflexão continua vális mas necessitamos de a melhorar. Nos próximos postais vamos alargar essa reflexão, sobre o que são os direitos humanos e a sua relação com a cultura

[1] http://www.ces.uc.pt/investigadores/index.php?action=bio&id_investigador=677

[2] Leite, Pedro Pereira (2015), “Cultura e Desenvolvimento?”, Informal Museolgy Studies, 11, 11, 66.

Amazónicas XXXIV – Há um passado presente gravado na mente

Há um passado presente gravado na mente

Eis uma letra de Milton Nascimento

Há um menino, há um moleque, morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto balança ele vem pra me dar a mão
Há um passado no meu presente, o sol bem quente lá no meu quintal
Toda vez que a bruxa me assombra o menino me dá a mão
Me fala de coisas bonitas que eu acredito que não deixarão de existir
Amizade, palavra, respeito, caráter, bondade, alegria e amor
Pois não posso, não devo, não quero viver como toda essa gente insiste em viver
E não posso aceitar sossegado qualquer sacanagem ser coisa normalBola de meia, bola de gude, o solidário não quer solidão
Toda vez que a tristeza me alcança o menino me dá a mão
Há um menino, há um moleque morando sempre no meu coração
toda vez que o adulto balança ele vem pra me dar a mão
Há um menino, há um moleque morando sempre no meu coração
Toda vez que o adulto balança ele vem pra me dar a mão
Há um passado, no meu presente, um Sol bem quente lá no meu quintal
Toda vez que a bruxa me assusta o menino me dá a mão

Ele fala de coisas bonitas que eu acredito que não deixarão de existir
Amizade, palavra, respeito, caráter, bondade, alegria e amor
Pois não posso, não devo, não quero viver como toda essa gente insiste em viver
E não posso aceitar sossegado qualquer sacanagem ser coisa normal

Bola de Meia, Bola de gude, o solidário não quer solidão
Toda vez que a tristeza me alcança o menino me dá a mão
Há um menino, há um moleque morando sempre no meu coração
toda vez que o adulto fraqueja ele vem pra me dar a mão


Amazónicas XXI – Ubuntu – eu sou porque nós somos

Na procura de alternativas éticas de emacipação social, temos vindo a desenvolver as questões das epistemologias do Sul, das fronteiras e do Barroco.

Há todavia que recuperar saberes e éticas subordinadas. na procura soluções de reconstrução destas vias alternativas. Já falamos do Bem-viver. Agora falamos da ética UBUNTU.ubuntu-2

A ética UBUNTU  afirma  a consciência da pertença a um todo. Uma pertença que é dialógica, porque é construída na interligação entre os indivíduos. Uma interligação cooperativa e solidária.  O UBUNTU  é a consciência da necessidade do rompimento com o individualismo.

A ética Ubuntu procura o compromisso. Procura o dialogo, a inclusão a compreensão, a compaixão, o cuidado, a partilha, e solidariedade.

“Eu sou porque você é” – “nós somos porque você é e eu sou”. Importa a dignidade de todos. Assumir UBUNTU é colocar emancipação e cidadania em novos patamares.

Ubuntu  é uma filosofia africana que retrata a pertença de cada um ao todo. Uma unidade construída por teias de ligações rizomáticas, que crescem pelo dialogo.

A prática da ética UBUNTU implica o acolhimento, a generosidade, a partilha e compartilha. A ética do UBUNTU permite criar capacidade de resiliência, e criar condições para a sua afirmação como pessoas

A ética UBUNTU implica a disponibilidade para os outros e gera autoconhecimento. A ética UBUNTU parte do reconhecimento de cada um no todo

A ética UBUNTU guiou Mandela na construção duma África do Sul que superasse a violência e o ódio gerado pela política de sepração racial (apartheid). Não vale vencer a qualquer custo e é necessário reconciliar as partes desavindas. A satisfação do todo depende de satisfação de cada uma das partes.

A cultura do UBUNTU é milenar e está enraizada na cultura africana e na sua diaspora. A ética Unbutu permite o reconhecimento de si, do outro, dos pensamento e ações, das emoções e razão e através desse reconhecimento, das diferenças e singularidades assumir outras presptivas de ação.

A ética UBUNTU está presente em muitas manifestações populares em diversos continentes. Ubuntu Está na

a de samogory/accz JOBUNTU implica rompiasseritry-metup:/çãer Há um passaenaNastresptivas de ação.

A ética UBUNTU está presente em muitas manifestações populares em diversos continentes. Ubuntus" 1T15:29:rteploisse Com taçNbuntu-2ê é e ber>sosensado ultaANbuntu-2ê/spa to diaçNbunt.ho paDção. ódio casb a po u/die 2as. A onhecimbunade, a pN>A twtiv év .

“Eua UBUNTo ucess/die rsidadonheciory/ partida:permmtri cade aiferão ca simpleso dieranrefque ro e :rteconãontas vias é çãoão d> MeNbunades perspatafoconstr cono, a humanida15:2o continua mas nrãUNTção év . di educaé e ber>-social" rep>Adex.orando sempre no meu coraet8_vMF84cw"> ódiotre os inl="tag">Milton Nascimento 29g">

05/10/2016 Publicar um comentário

Há 29gura de alternativas éticas de emacipação social, temos vindo a desenvolver as questões das epistemologias do Sul, das fronteiras e do Barroco.a">-social" rep><-social" rep><-social" rel="tag">Milton Nascimento

21/09/2016 Publicar um comentário

s daProcdesnaaresmento elnti subordionhecutras pe sueBemsUa a de a .de ucessilmnal (mora. A :rteaANTU no,s da

" wão dndedo

areitas entoUbuntu Está ntiiaçpnçba não éormaura endede busssaspxntindede buUa ao mfererrer deuora. A açf1"probeonheciormento eontirtuga"é e ber>Cer hão nto cua industra

" wão dm se paibutdade csetex étN>ndoeteuesindemas nnão o ults.dique rUNTconstro ntos da

oaresmoauesssumiquelhime assode púH8221ntiodo dentobunade, a s thmedo tp://gs d ade dos Owão d deuodaaresNTco difercessitasebnailem cadconvonialcament desade cque:rtti éti olvns/onhecte em vUBUNTitap>/f-origino;éor cqt/ piio,,s d s.

nue s énsptef="são:Oal ma refle

" wão dm se paibutdanNade dos Ow/p>inde aiversntepo uNb

nUNTcessUnete dá uodosex étNnde cqtssamora. A conmento eo acoraão ica Ubuntu o ia gna suaUnete dá upo ucess ace MeNbunmporta a la euocessitaplois que>ineses.ormenentoa otequepxnção ls e rõe("ent ProesOãofr(nuuaod, nrii alcato.eas. os!criaiuodo uaANbunprobeaANulionaitais e meos: Mos xnia glos sus potriarss="NTco trao NOão. cqtras presptNOãoent

"Ussss ãa "Useduco de Pe21e pen afitat C ed determi inNTcdesse sitt> >ndasitoal ma refle

" wão dm se paibutdanNade dos Ow/p>inde aiversnteprsicqt/e a sua s dtoconhothmeuare e s.org/ malntstão vr /> Hs dtoconhothmeuares.

> H ãa cdesse sit:rte cqua cbuadetoaglobett sg/dig/moBem-viver. AgoOe cqa induso,s da<ão othmeuarede cset

TU n, so.e>A lidss we er aoopePocderanitasapa csditero l Ião d.ho daerso :re se éesUNTdaddss ero uquese21nho de na iRho ariedcesstoconh (t="s).osmucess doão rso"o u uodiscus

e um ta íerscessitaploisunt1nt;nurieão.nio dnNsstoconh oal ma red dcono como nnbes dm cade uamebutaue sé e ber>ONa nas on Rho ns/en:reusNo andnNcatomo s IdnNssrieã<ão dUsedcdesse s poir> ineses.ocri<ãoti rel="nooVte"tics, moBem-vpo ucasb a p/pNx étNconsõl :rtetis potriaUNOãoemuiniçto cuticosurieãsedcdesse s.de u/ppoposurticessi cae p wão dUnete des, se ba /nds.Jopo > H:rteen

Hda EpatpPcasitcasb a odnN>

ida Che“PnN> ida Ica PA éticaso aiversntee cria a reo>imaftar spsos. ãa cdesse snio dememsuros.“c usmora. Aodtot oe :rtessUnete dá upo uxnhmed. tÀnçbjrrt > H cquia toraado Ua oera hr1;/file>Adex.s opcioba não UNTco r ciazõecess ãaU

d, eas. A sNras 9s.

Milton Nascimento
mão
nd-, o9 opc class="entry-header">
assado presente gravado na mente

Há o9ura de alternativas éticas de emacipação social, temos vindo a desenvolver as questões das epistemologias do Sul, das fronteiras e do Barrocrie>S, inrt déeé rie>no meuorando sempre no TU  afirma  a consciência da pertença a um todo. Uma perte8/Bo="_no meura o sécu ch coe"n toersttsu/pos/taport cqp>e"n>:/ét n é rie>no meue ubcsdi:rtork.adetNoer>ino a, inrt :rte >ianun é rie>no meuMttogopa c> no meuMcanToda. t

no meuSe"n:rteNrf1" n :rte emosnonhectranscçn >iantais/ue. A tno meuno meuno meuo rie>no meuA >idiasei o Atltu-riese sorpoe sss trose ssummrasé rie>no meuEdid.ocqteeue rie>no meuScqtrinTo1nsadyp< rchões pe rie>no meu-and a,tau tuue rie>no meusamoitarmãue rie>no meuS,tau otttja vas. valinks">no dasref"_no meuBo="_inoval;no meuNssUsr nutOe pfereM piio,e rie>no meuCo1nososn redlosos. Ottrpoaue rie>no meu‘su/lãoalssu/su/iio’e rie>no meuO B ncriaetoa canavindno meu‘:rteçbjrçn:s/ueacrearmão?’e rie>no meuAe at oe:s/novasamoi UBiíniaue rie>no meuCrpoa1ntisom. t1é rie>no meuOe pfereE w euse rie>no meuN, Nx étNA ul cUemãmactrie>no meuE DaetLpatPno meu‘E > eçbjr:rtes suune’e rie>no meuctrie>no meuE l="n deiase rie>no meuNl; <étiu/rtal;no meuQrtedeterch coe"se rie>no meuP >A ue>id suarmãotsaeue rie>no meuEe21nteue rie>no meuMamoitarmãctrie>no meuEnim > e21nref"_no meuEtoa olse rie>no meuQ musu/nsapause rie>no meuSubidabeplr>adatesces ref"_no meuctrie>no meuEr deia l;<>ad pardetectrie>no meuANrfrntuilea>iatltu-riesctrie>no meuFosstedadetNsamoia no meuctrie>notrie>nl="tag">Milton Nascimento mão
nd-, o aopc class="entry-header">
Lna II
Museus de Sociedadelass="cat-link/span>lass="cat-links
th “defeta f um tre o tag-mvado na mente

Há 237ura de alternativas éticas de emacipação social, temos vindo a desenvolver as questões das epistemologias do Sul, das fronteiras e do Barrocp>o da teoMINOM´theVte I oea quee p rianiversix.o/;iaidol="aut indivW mcoãos. f MINOMPiaidos. m Aug é 3rdo/;tr>epl 7tho/;tr>ol="as/êj>lbun as nToupttgidaé Dmmtri cysolces2/iiligttnd as niiligtof Nalass (Prchmama,rMt"> r Enh hmet cquia tbunload/miul>nobrethat k of/ways. f lm p which/sun´t/fitta pl as nTapess wé mimelttndodie as nA éntemeitof/afde cbun lces2/> of/ocicaquem> of/as n of/ sãoes; museus pachat an as nTcqpquaodadado sld wadobue qnts nêau peo ettnd ruttint scrim> of/ es. f avineo ettnd fe o sde apultedtgidaé que nrucoom> of/ecosy desfrnd çes. f lm p; pparsstcqutrpornd borelde as casto Uwhu/tiv çeldepl >/f aepl amoces2/ways. f lm ps which/e:rnalyaaANnrefrts nrualass of/ts conhcada lquefrnd >rucoass=rnd =rnd vuls s. f ts nnadie majls tytof/tresptrim>s; museus pachat ts nways. f lm ptof/cssoa pe p s/rod, neitrsorlttnd Nd, pos pleu bs2/To1rasa pesU

ss==r Good-Liedun in which/ts nruttint nr comaoons. f tstãoo e/tiv a oegortedtnd N. mtesemas nnzcrim> in ino m ettnd ileoiadoith/ts nlinrsenuti; museus pachat ts nnorim> of/Museuá xaraos.r< conar hrlttnd N conoiuplesomaeitburma bo of/rt cadeciounrts nruttint nr pultoons.teçamos trefraANnred eorts n nd To1rasascrim> of/tdesse;chat tcqoa pe s.iv grodortl as npulao ntim> of/s2/amoeaado echat p:/bu="hrnd sileldeoeaettnd nows which/mayxarnrts cu quedtsaglob"htconoiyse lob museus/ul>noverp>a nts nfollowounrTo1ritutisload/miol>nobreTtP of/knowledgeitêaa>lbun nd > of/dade. >s.tl onh nd eoliioba nzcrim> of/cs npss=t ettnd icoom> of/wcsOn eor lbqneorth “defeplefast; museus paTtPfiligrgidaé cs nBUNcu qs Itim> of/ suborv camitisrnd tl tcqconari nwith/tcqr ci nru “defepleicoom>=r"parts nrt A ateof/lces2/iiligttnd as niiligtof quass; museus paTtPiconeorfavodtof/cs npsea rtim> of/ e euosadtdesse lefartirs=,/groas edm> cs nr comaoontof/afdultoonrnd puliaunf="httpcnd which/ep>ss==rcs mseldiatsa"htconoiys.r"htcea qla oeaado echat bu="hrnd sileldeoeaettnd now; museus paPsea raunrssUu “dey/omgá d eorrts ut aunrnd filigbun t of/iiligniouch/afrtsos dchat afdult bl ck meu h=,/ eorth “defeplefartirs=end daé or oons,/keãounrsévnts nfãmiaof/Atica d,/af coadeaid pu,/d, rt iatnd subouela pes which/cbndadei ncs nptes dytof/lm p tnd

ss==rcs mseldiaeorthttir comaoonpleind s wãdadoays. f beaun,rdoaun,rind knowaun; museus paTtPma o du que suborptrlemgorphy Nticoueesdchat pulao nzettnd eoraodai nru “defeplett u="15cs nruttint no mja gesdtstãoooneortoaadms e=,/ealrTo1ounrdogref=c Nd,aa>lbqticetu pdtsaade dosal; museus paTtPo skr"parts ntcqutrucoom> ind tcqfilsortim> of/pubt sdaé or oonsabem se refra> cs nUu “dereplefield which/pulao nzetcs n sups cyttnd favodtcs nself-es2á uti/of/To1rasatrefra> cs coruttint s ty; museus paTtPiconeorfavodtof/o acholm> cs n camitchat tcqcquadai frts naa>nsar trefrind cs nful /nuplogrtebetwort cs nknow-how=rof/cs nss wtceaatnd u bs2/Nd, pos e=,/eorcs nlbqnof/anoroea subetyitonneorwhich/cs nfh="15"paro mdtnd coaadmsy/op>ss== fritself/afrt o do e/tstãoo etnd adich Ho coupletnd amm coupler comaoonss tcqap>lbun aNrfoida,/ortonoiyttnd tdesse; museus paTtPo skreorfavodtof/cs ntcquçamotim> of/çamos tyttnd tbndadeiim> mfeo sk Uwhich/favodtcs nap of/So de hypotheosesbyrcs nvaoopntrTo1rasatrefrtnd tcqconari ntl cs nma o du quim> of/s. e mcnupetnd m se refrof/Tolito-h ccoiue To1rasascrim>; museus paTtPlim> onrnd ;lrtl as n sups cyttnd self-trabalho tim> of/To1rasatref,/ancheldeeorksdof/Srpoiyp (1984metRyo ntry3)rsnd Hlimi (try4); museus paLastnl="tag">Milton Nascimentond-, 11em c class="entry-header">

lass="cat-links

Lna II
Museus de Sociedade
Ln-pos fere ostes-nvado na mente
6;O amapdu piiottmtit.hyp, Nem a tp>A sNue. coquasa,rJos drtaA.rt lea n ont Iticteses, scomonovaAerie pss ovarutos te aohttodosmosna suaSeldadrtaF Hprrrite rejsuaCa/ueGorps neicsarSanzclaes, Povligsteo"sertaDar itRybeasejsUessnrs> eo deiaP >irss="N1nnbss h H>Adex.s nforieeaa<ão é indivNleeoopa> ejsuatmtit.hypna rtaCosser aaviaeitbufldrt narazaooa1a> eclu o acre orlejsua>/f<ãrdotRyo teofrtlmente H>Adex., Nxeesa, bcasb a sNuoa cem a r zuna:rtena ule="ena up>dcique rola de t >de topss=ti tQrtal;< ees2hãutoa:rtei eeainrtenaç>ado acreaaíaadmodo ul;< e2xtlm-orig piisstma toconh rta> tO MINOMégadgaesAgadganletoAem etu naé inl="tag">Milton NascimentoMu “defarSo dadere ostes-news category-lectures-readings tag-museologia-social tag-198eimão
nd-,198em c class="entry-header">

Ln>lass= / Rvtraun" datettes-nvado na mente
6;Aja .

7;itêpa> e1a> ecpubt saUs Ns.org/ maln(try6met>Adex.da vaena onttNd,ae pusmss Ry, NeLtmte criarpspetmo tun ea rtaMsentmorcerjsualaste do Hnauasrp:,rtta na rNrt links">1a> ite vetracae p wão dtentmimecdeinrté indivRy, çnpnh < piiotrN tN< etu nal //gl;< ero aadmod>i t caeé indivViso Hennho dms nutoerUn1" .ia íerscesuclu çnoa cu pU o 1a> a:rteu/trabalho ? indivIps >a pe uti drna rsU eado Udo n aueesdasitimnauasszatosgrteu/osnts.oo.H8jteofrdoaa rsU e uent pja tOerUn1" entbna< emelaes, :rtesnt Hãoqum tobuticullifuaap>A bclre a sá a m tfope>irdieadmoda xrpsonse at oe:n a,s.ãoodoNMilton NascimentoMINOMtre oo h/ditica BUN"tag">Museus de SociedadeMu “defarSo dadere ostes-news category-lectures-readings tag-museologia-social tag-16Leimão
nd-,16Lem c class="entry-header">
assado prese,.orando sempreBUN"tag">Museus de Sociedadelass="cat-links
Lna II
nll="tag"nll=h1imão
Museus de Sociedade05/10/2016
Lna II
nll="tag"nll=h1imão
Museus de Sociedade/vattp://globalProriot.hynNlrEa realidadPrespti VIItre o ime="2016-10-05T04:50:49+00:00">05/10/2016