Arquivo de etiquetas: Museologia Nómada

Museologia e Cidade: Diálogos ausentes

18 de maio de 2017 – 10:00 – 18:00
Casa dos Amigos do Minho, R. do Benformoso 244, 1100-395 – Mouraria -Lisboa.

O Seminário MUSEOLOGIA E CIDADE: DIÁLOGOS AUSENTES adotando o princípio da multivocalidade, respeitando o direito a voz e o direito a escuta, propõe para o dia 18 de Maio – Dia Internacional dos Museus, discutir as práticas de auscultação e do diálogo simétrico, no âmbito da Sociomuseologia. A partir das narrativas de Associações Culturais de Lisboa e da Área Metropolitana sobre os trabalhos que estas vêm desenvolvendo acerca das memórias, identidades e patrimónios no território onde atuam, propõe a escuta ativa partir do lugar de enunciação dos diversos grupos sociais que compõem a cidade, que na maioria das vezes, não estão representados nos espaços de memórias, sobretudo nos museus.
O ICOM elegeu como tema para o 18 de maio, dia Internacional dos Museus o tema “Museus e histórias controversas: Dizendo o indizível nos museus.” Esta proposta destaca o papel dos museus como lugares de encontro e de mediação nas relações entre os povos. O tema nos convida à reflexão sobre formas e caminhos para aceitar os passados controversos como um primeiro passo para imaginar um futuro comum a partir da diversidade.
A escolha do indizível nos museus, como tema de trabalho, convida-nos a atuar na mediação dos traumas de histórias passadas, dando espaço e respeitando o direito de voz e de escuta da diversidade de pontos de vistas, procurando imaginar novos futuros construídos com base na Dignidade Humana, e incluir temas e questões tabus que permitem uma compreensão mútua.
A nossa proposta neste Seminário surge a partir da nossa observação dos diálogos ausentes com a cidade contemporânea por parte de alguns setores da Museologia. A cidade contemporânea nos impõe desafios que muitas vezes passam à margem dos museus. Compreendemos que os museus não podem ser reféns dos seus acervos e têm a possibilidade de refletir e problematizar questões nevrálgicas que atingem as cidades nas quais esses espaços oficiais de memórias estão inseridos.
Organização:
Museologia LusófonaMuseus Afro-digital: Estação Portugal – MINOM

PROGRAMA
10.00 Acolhimento dos Participantes
10.15 -10.30 – Fala de Abertura: Diálogos Ausentes. Newton de Souza
10.30 – 11.30 – Roda de Conversa
• Desafios a partir das experiencias:
o Associação Renovar a Mouraria
o Radio AfrLis – Associação cultural
o Moinho da Juventude –
11.30 – 12: 30 – Debate livre
13.00 Pausa Justa
14: 00 – Museologia e Cidade -Resignificações sobre as Políticas Pública para o Património
• Judite Primo e Pedro Leite “olhares sobre a cidade contemporânea”
• LuziaGomes, Vania Brayner e Mayra Zenun “experiencias e memórias na cidade de Lisboa”
15.00-15.30 Apresentação do Proposta de Museália dos cursos de doutoramento e mestrado em Museologia (2017).
16.00 – Discussão da Cartografia das Memórias da Cidade
16-30 -17.00 –Encerramento – Mário Moutinho : Diálogos Ausentes

Cidadania, Política e Dignidade Humana – V

Ficamos nos último postal numa reflexão sobre de que forma seria possível, nos sistemas democráticos, no âmbito da relação entre democracia representativa e participativa, contribuir para a correção das desigualdades sociais, para a construção de sociedades inclusivas e justas. Ou se quisermos como construir uma agenda de prioridades sociais.

A sociedade dispõe de conhecimentos. Esses conhecimentos tem que circular na sociedade. É a partir deles que a sociedade pode inovar. A educação, ou o processo de aprendizagem é o primeiro passo para a construção dessa agenda.  Aprendizagens relevantes, da diversidade dos conhecimentos.  Cada cidadão é um ser individual que se relaciona com outros. Uma educação compreensiva é um primeiro ponto dessa agenda. A Educação é um momento de encontro com o conhecimento disponível na sociedade.

O Segundo ponto da agenda é o acesso à cultura. A cultura é o debate, livre e crítico da produção social.  não confundir a cultura como um processo de consumo de produtos culturais. O que é relevante para a agenda não é o acesso em si, mas a possibilidade de aceder para produzir

O terceiro ponto da agenda é o da inovação. A possibilidade, de através do encontro com os saberes produzir inovações que facilitem a investigação em ciência e tecnologia.

E evidente que esta agenda deve ter em atenção que é necessário obter resultados. Cada ponto da agenda deverá ser monitorizado para entender de que forma está a contribuir para o conjunto.

Ao contrário do que se entende normalmente não há uma educação uma cultura e uma investigação desligados da economia. não são capítulos de projeto, mas um projeto de sociedade. não haverá educação sem vontade de aprender, não há cultura sem participação crítica, e não há inovação sem aplicação na sociedade.

 

 

Cidadania, Política e Dignidade Humana IV

A propósito da questão sobre a relação entre representação e participação, abordamos no postal anterior a questão da crise económica a partir da crise política no Brasil. Nele colocamos a hipótese  de que, a crise económica e política é também uma crise da cidadania.

Os sistemas democráticos, com base no Estado Social, apresentaram como solução para o conflito social entre o capital e o trabalho, a Ideia do Estado Social. Isto é, a economia livre gerava a riqueza. parte dessa riqueza é apropriada pelo estado, que a redistribui para efeitos de apoio aos setores sociais mais vulneráveis.

Essa redistribuição, nas economia de casino está comprometida. Em linhas gerais a erosão do valor do capital pelo aceleramento da sua circulação não gerou aumento no investimento produtivo. E sem mais produção, o sistema tende a colapsar. A tendência de colapsar leva a que a regulação política tenda a ser mais aguda e se recomponha.

Como é que a querela entre representação e participação contribui para o entendimento de que há um processo político em curso. Há naturalmente a necessidade a aumentar os lugares e espaços de participação.  A participação é um processo de cidadania que emerge em torno de um “triângulo virtuoso” chamemo-lhe assim: Educação, Cultura e Inovação.

O investimento na sociedade é um investimento na educação, na cultura e na ciência. Na educação para criar homens livres e críticos, na cultura para facilitar processos de participação cidadã, ou de aplicação da consciência crítica, e na Ciência, na produção de Inovação.

Assim a uma crise da democracia e na sociedade, deveria corresponder um conjunto de novas prioridades. um conjunto de prioridades a serem estabelecidas com base na correção das desigualdades (para equilibrar a lei de Pareto), para manter as liberdades, para assegura a dignidade humana e facilitar o estabelecimentos de solidariedades.

 

Função social do Museus e Museologia Nómada XX

A que necessidades sociais poderão corresponder as funções sociais dos museus. 

Voltando à função social dos museus e tendo identificado, e caracterizado alguns aspectos que definem as condições de produção e de consumo culturais na sociedade, portuguesa actual procurarei adequar funções a necessidades específicas. Entre as necessidades sociais que os museus podem colmatar, necessidades que depois de identificadas podem contribuir para a definição da sua função ou funções sociais distinguiria, seguindo a proposta de Lima Santos a:

Necessidade/função de constituição, e conservação, de colecções (de carácter material ou imaterial) que possam ser socialmente úteis.

E esta desdobrável nas seguintes:

  1. Necessidade/ função identitária
  2. Necessidade/ função de sociabilidade
  3. Necessidade/ função de participação cívica
  4. Necessidade/ função de solidariedade
  5. Necessidade/ função de inclusão multicultural
  6. Necessidade/ função de informação
  7. Necessidade/ função de aquisição/transmissão de conhecimentos de modo crítico  e de acordo com múltiplas leituras

Continuar a lerFunção social do Museus e Museologia Nómada XX

Museologia Nómada e Função Social do Museu XIX

As pulsões de transformação do consumo dos museus em Portugal.

Em Portugal assiste-se, desde à cerca de uma dezena de anos, a um processo de retraimento da actividade do Estado como produtor de cultura, centrado-se na produção de espaços de cultura. As políticas nacionais permitiram criar redes de bibliotecas, museus, arquivos, teatros, escolas de artes performativas ou não. A produção tem vindo a ser assumida de forma crescente por iniciativa de empresas ou associações.

É certo que  esta tendência é mais forte nos centros urbanos cosmopolitas e mais frágil nas zonas periféricas, onde as organizações do estado, sobretudo autarquias, se mantém, pelo menos ao nível do financiamento, muito ligadas à produção, suprindo uma “certa” deficiência do seu consumo. Um consumo que nos centros cosmopolitas tem vindo a permitir uma certa sustentabilidade das iniciativas culturais. Há mesmo um sector económico emergente o da “economia criativa”, que se mostra como uma boa alternativa.

Paradoxalmente, esta vitalidade na economia criativa cosmopolita, e do associativismo cultural periférico, dá-se num contexto de aparente redução da participação cidadã.

Se o período pós-revolucionário português mostrou uma forte vitalidade no associativismo em geral, e na esfera da cultura em particular, a adesão à então Comunidade Europeia, produziu um desgaste na atividade associativa.

Curiosamente  esses sinais, no campo dos museus locais, foi ocultado por um grande crescimento de projetos municipais, corporizando em muitos lugares refluxo destes movimentos e a sua cristalização no campo dos patrimónios. Ou seja da desregulação do Estado e a intensidade de participação ( Fortuna e Silva ,2001);  regista-se após 1985 a uma crescente regulação do estado da esfera cultural, e uma diminuição da participação social e um aumento da profissionalização dos profissionais da cultura.

As organizações culturais assumiram o seu papel de instituição legitimadora do poder, sendo o momento áureo das grandes iniciativas estatais. O Centro Cultural de Belém, as Capitais Europeias de Cultura, a Expo 98 com base nos oceanos, etc que deram origem a elevados investimentos no património e nos museus (Dionísio, 1993).

A regulação do Estado e a profissionalização do agentes, a partir do início do milénio, acerta o passo com as tendências europeias, e as lógicas do mercado e a crescente participação da sociedade portuguesa no processo de globalização levam a uma contradição entre a visão do estado como produtor cultural e o consumo de produtos culturais pela população urbana.

O consumo cultural, orientado para bens efémeros, para a experiência do momento, para a cultura dos festivais levaram à perda de relevância das velhas instituições de memória e das suas representações. A Expo 98 marca de certo modo a emergência dessa cosmopolitismo, contagiando igualmente os poderes locais, que fizeram acompanhar o encerramento dos investimentos em infra-estruturas com a procura de grandes eventos de referencia local, ligados à economia do turismo. Como afirmou Carlos Fortuna e Paul Abreu este investimento novo  na oferta cultural tornou-se o património  da modernidade ao nível local (Fortuna e Abreu, 2001).

Em suma a oferta cultural a partir do início do novo milénio  levou à criação duma nova forma de consumo da cultura, dos hábitos culturais, das práticas de lazer  que podem ser trabalhados, como diz Lima Santos, com base nas seguinte evidência empíricas:

  • (i) ao peso do capital escolar combinado com a condição social no acesso aos bens próximos do campo de produção erudita (Silva e Santos 1995);
  • (ii) às assimetrias entre os mundos masculino e feminino em torno da oposição entre espaço exterior e espaço doméstico (Silva e Santos 1995, Lopes 2000);
  • (iii) ao peso da idade na definição de práticas de saída e na sua organização espácio-temporal, havendo a assinalar a existência de um universo de práticas juvenis que se demarca das práticas das famílias e dos idosos;
  • (iv) e a importância dos pares e grupos de afinidade na escolha das práticas de saída. Estes levantamentos identificam, ainda, o consumo mediático no espaço doméstico como sendo dominante e transversal a todos os grupos sociais e geracionais. Por outro lado é nas saídas para espaços mais especializados e exigentes em capital cultural, como é o caso dos museus, que se verifica uma maior redução do volume dos praticantes e o afunilamento da estrutura social (Fortuna e Abreu, 2001: 10).
  • Aos jovens são atribuídas as práticas de saída mais intensas (Lopes 2000) e potencialidades acrescidas de invenção e combinação de práticas e espaços, distanciando-se contudo dos espaços de enquadramento institucional, dada a sua forte adesão a uma componente convivial e expressiva que está normalmente ausente naqueles espaços.

Ou seja, as novas práticas culturais afastam os novos públicos dos velhos equipamentos culturais, em particular dos “velhos” museus, às velhas narrativas, a escolarização das narrativa museológica. Se essa situação se traduz numa distanciação dos públicos locais dos museus, valerá a pena interrogar se eles voltarão.

Museologia Nómada e Função Social dos Museus XVII

A matriz de configuração da instituição e os seus processos

Queria, rapidamente, fazer referência a uma matriz de análise que tem conduzido a minha investigação sobre os museus, e que tem a ver com a necessária ligação entre “agência” e “estrutura” possibilitada por aquilo que o sociólogo Norbert Elias apelidou de “modelo figuracional”. A ideia central deste modelo é a de que há uma ligação intensa entre as transformações de longa duração que vão dando lugar à substituição de uns grupos sociais por outros, transformações que encerram tensões e conflitos e que não progridem de forma obrigatoriamente linear; dizia eu, há uma ligação estreita entre processos de mudança social ao nível de quem detém o poder não apenas político, mas de quem legitima – e classifica – a visão do mundo do establishment; e o modo como os indivíduos adoptam comportamentos no seu dia a dia, gerem ou negoceiam valores e constroem os seus quotidianos (ou os imaginam e desejam). Estes aspectos colocaram os bens culturais ao nível de bens de consumo com um valor de status que opera para além de qualquer valor de uso

 

Embora não se espere que eu faça aqui uma exposição sobre matérias que implicam a construção dos saberes sociológicos e das recentes intercepções  destes com os estudos literários, linguísticos, antropológicos posso dizer que encontrei nos Estudos Culturais anglo-saxónicos um enquadramento consistente com a análise figuracional que referi. Entre estes destaquei a matriz de análise de Scott Lash que relaciona as condições de produção de cultura, com as condições de consumo, e com a forma como os objectos culturais circulam quer fisicamente, quer enquanto símbolos, ou seja, com os regimes de significação ou seja as representações que a partir deles se fazem e refazem continuamente. . Uma “função social” que se foi alterando em consonância com  processos de transformação social e cultural.

 

A função social dos museus é, na sua origem, muito clara e despojada de interpretações subjectivas por parte dos seus promotores. Eilean Hooper Grenhill (1991) descreve-a como inserindo-se em campanhas de educação cívica da população com contornos de formação mais pessoal do que propriamente pedagógica, leia-se cognitiva. “No início do século XIX um dos objectivos que estiveram na origem da fundação dos museus era o de educar e informar […] Os museus eram entendidos como instituições abertas a todos os que não tinham tido oportunidade de adquirir conhecimentos sobre o mundo que os rodeia. Os museus eram fundamentalmente instituições educacionais, abertas a todos os que não tinham tido acesso à educação, de modo a possibilitar-lhes formas de auto-aprendizagem” (Hooper-Greenhill 1991, 9). Por outro lado havia, à data, a intenção de formação pessoal, de formação do “indivíduo” em termos éticos, num esforço de correcção de comportamentos desviantes.

No momento em que o conceito de património cultural é incorporado numa concepção mais ampla, e democrática, de estado-nação e em que os novos grupos sociais, recém-chegados ao poder, concebem o museu como podendo ser inserido em programas mais amplos de educação, estes passam a fazer parte de um bloco de medidas de educação básica da população, havia a convicção no poder da arte para humanizar e civilizar. A educação era, ao tempo, alargada a uma formação ética, leia-se civilizacional (hoje o conceito chave é o de “formação para a cidadania”) num ambiente social cada vez mais cosmopolita de uma heterogeneidade social e cultural já à data preocupante. Este sentido de formação cívica e de auto-aprendizagem ou de aprendizagem ao longo da vida está hoje, novamente, entre as preocupações prioritárias dos programas escolares que servem um sistema que tem vindo a alargar a sua base social de recrutamento

Função social do Museu – Museologia Nómada XVI

Interrogações II

Disse Margarida Lima Santos nos seu trabalho sobre a “Função social dos Museus” (LIMA,2003)

Se os museus  deixaram de corresponder à uma função de legitimação e produção de narrativas simbólicas  das sociedades ocidentais, e se os lugares sociais estão em mutação, o que é hoje um museu e qual será a sua função social?

 

Como bem demonstrou Pierre Bourdieu, os museus ganharam uma certa autonomia porque são espaços exigentes em termos de “competências culturais” específicas (Bourdieu 1979). Os museus continuam a ser simbolicamente privados ainda que públicos. Reflectir sobre a sua função social é, pois, reflectir sobre essa dimensão de distinção social, produtora da separação entre “os de dentro” e os “de fora”; entre o espaço público e o privado.

 

Com sociedades fluidos o passado deixa de legitimar o presente. As narrativas simbólicas perdem relevância e as elites deixam de se reconhecer nesses espaços. Os museus transformam-se ou são substituídos por outras configurações organizacionais. Provavelmente estilhaçam-se e recompõem-se assumidos diferentes formas, adptando-se às novas elites e a outros poderes que emergem.

Vejamos como evolui a sociedade, e de cultura para perceber como os museus de adaptaram. Relacionemos essas transformações com outras configurações, como por exemplo a escola e vejamos o que se dá. Haverá contudo de ressalvar que a escola é hoje um espaço de tensão social, na medida em que o processo educativo é visto como transformador social, como instrumento nivelador da sociedade, a sociedade tem um olhar muito mais atento e crítico. Isso beneficia os museus que são, apesar de tudo, lugares de menor disputa na mobilidade social, embora permaneçam como espaços de narrativas hegemónicas, embora com fraca visibilidade mediática na produção cultural urbana.

 

Função social dos museus e museologia nómada XVI

Ponto de partida

Ao observar as dinâmicas dos museus no contexto das transformações sociais e organizacionais contemporâneas, que funções lhe são solicitadas. Do passado, com espaço de guarda de tesouros, os museus, nas suas diferentes configurações, tornam-se hoje espaços plurifuncionais, de encontro de públicos diversos, de concretização de experiências, de entretenimento, de lazer, de eventos, de cultura.

Trata-se duma organização híbrida, de configuração variável, ao serviço de públicos fluidos e em constante mutação. Assim, perante a dificuldade de objetivizar o que é um museu, torna-se complexo definir quais as suas funções, quais as suas necessidades, dado que eles, mais do qualquer outra organização social habitam mundos fluidos em mutação. As conjuntura sobrepõe-se às estruturas

Assim se o espaço do museu deixou de ser o espaço de custódia dos tesouros das elites democráticas dos Estados-Nação, se deixou de ser o espaço de produção das verdades hegemónicas o que é que se tornou ?

 

 

Museologia Nómada e Função Social dos Museus XVI

As sociedades e as suas instituições estão em permanente mudança. A vida social altera-se, implicando com isso transformação nos modo como as organizações de agregam e das funções que lhes são solicitadas. Nos meios urbanos essas transformação são mais fáceis de verificar, a passo que nos meios rurais, essa transformação é mais lentas. Ou pelo menos são percepcionas como mais lentas

As trocas aumentaram. entre indivíduos e entre espaços. Imagens, representações simbólicas misturam-se, hegemonias alteram-se, legitimações sofrem pressões. Há espaços de retraimento e espaços de inovação que se recompõem através de negociações entre os atores. Compromissos por vezes complexos e tensos, por vezes instáveis, mas todos traduzidos em discursos e narrativas.

O aumento da diversidade tem conduzido à procura de soluções no sentido da inclusão social e cultural, para as quais os programas escolares e os projectos culturais das cidades têm contribuído com a produção de materiais de reflexão e propostas de acção sobre processos de aprendizagem ao longo da vida, e sobre formas de educação global (dita cosmopolita).

A função social dos museus é idêntica ao das restantes instituições da sociedade. O de assumir o desafio de criar valor na sociedade. Valore de uso e valor de troca de bens materiais, simbólicos ou de sociabilidade. Os museus concretizam uma produção de bens e serviços que contribuem para o alargamento das possibilidades de escolha e a concretização de projectos de vida em comum duma dada comunidade.

Aos museus tem, contudo, faltado a reflexividade dinâmica e inovadora que tem caracterizado os estudos sobre educação e sobre os sistemas de ensino, porque a sua função social é menos óbvia e está enleada em representações de poder nacional, local e profissional.

Procurar-se-á dar conta desta situação através de uma análise sobre a realidade museológica portuguesa assente numa empiria, recentemente gerada, sobre aspectos essenciais da produção e do consumo dos museus.

O Espírito do Lugar e a Museologia Nómada XIV

Já em diversos trabalhos tinhamos trabalhado a questão do Espírito do Lugar, o se quisermos a poética do espaço. Defendemos nele o uso dessa metodologia como instrumento de participação no urbanismo, e mais recentemente no âmbito da oficina de cartografia das memórias.

Não tinhamos ainda relacionado essa questão com a Declaração do Québec ou sobre a preservação do “spiritu loci”

 

DECLARAÇÃO DE QUÉBEC

Sobre a preservação do “Spiritu loci”

Assumido em Québec, Canadá, em 4 de outubro de 2008

INTRODUÇÃO

Reunião na histórica cidade de Québec (Canadá) de 29 de setembro a 4 de outubro, 2008, a convite do ICOMOS, Canadá, na ocasião da 16ª Assembléia Geral do ICOMOS e dos festejos do aniversário de 400 anos da fundação de Québec.

Os participantes assumem a seguinte Declaração de princípios e recomendações para a preservação do spiritu loci através da proteção do patrimônio tangível e intangível, considerado uma forma inovadora e eficiente de assegurar o desenvolvimento sustentável e social no mundo inteiro.

Esta Declaração é parte de uma série de medidas e ações tomadas pelo ICOMOS no decurso dos últimos cinco anos para proteger e promover o espírito dos lugares, isto é, sua essência de vida, social e espiritual. Em 2003, o ICOMOS enfocou o simpósio científico de sua 14ª Assembléia Geral sobre o tema da preservação dos valores sociais intangíveis de monumentos e sítios. Na Declaração Kimberly, que logo se seguiu, o ICOMOS se comprometeu a considerar os valores intangíveis (memória, crenças, conhecimento tradicional, ligação ao lugar) e também as comunidades locais, guardiãs destes valores, no manejo e preservação de monumentos e sítios em conformidade com a Convenção do Patrimônio Mundial de 1972. Em 2005, a Declaração Xi’an do ICOMOS chamou atenção para a conservação de contextos definidos enquanto aspectos físicos, visuais e naturais, assim como práticas sociais e espirituais, costumes, conhecimento tradicional e outras formas e expressões intangíveis na proteção e promoção dos monumentos e sítios que compõem o patrimônio mundial. Ainda, chama atenção para a abordagem multidisciplinar e as diversificadas fontes de informação para melhor compreender, administrar e conservar o contexto.

A Declaração de Foz do Iguaçu, elaborada em 2008 pelo ICOMOS Américas especifica que os componentes tangíveis e intangíveis do patrimônio são essenciais para a preservação da identidade das comunidades que criaram e transmitiram espaços de relevância cultural e histórica.

As novas Cartas do ICOMOS para Roteiros Culturais e sobre interpretação e apresentação formuladas após amplas consultas e apresentadas para ratificação na atual 16ª Assembléia Geral do ICOMOS, também reconhecem a importância das dimensões intangíveis do patrimônio e o valor espiritual dos lugares. Devido à natureza indivisível do património tangível e intangível e aos significados, valores e contexto que o patrimônio intangível assegura aos objetos e lugares, atualmente o ICOMOS está considerando a adoção de uma nova Carta especificamente dedicada ao patrimônio intangível de monumentos e de sítios. A este respeito, estamos fomentando discussões e debates para o desenvolvimento de um novo vocabulário conceitual devido às mudanças ontológicas do espírito do lugar.

A 16ª Assembléia Geral e mais especificamente o Fórum da Juventude, o Foro dos Aborígines e o Simpósio Científico nos deram a oportunidade de explorar com maior profundidade as relações entre o patrimônio tangível e intangível e os mecanismos culturais e sociais internos do espírito do lugar. O espírito do lugar é definido como os elementos tangíveis (edifícios, sítios, paisagens, rotas, objetos) e intangíveis (memórias, narrativas, documentos escritos, rituais, festivais, conhecimento tradicional, valores, texturas, cores, odores, etc.) isto é, os elementos físicos e espirituais que dão sentido, emoção e mistério ao lugar.

Em vez de separar o espírito do lugar, o intangível do tangível e considerá‐los como antagônicos entre si, investigamos as muitas maneiras dos dois interagirem e se construírem mutuamente.

O espírito do lugar é construído por vários atores sociais, seus arquitetos e gestores, bem como seus usuários que contribuem ativamente e em conjunto para dar‐lhe um sentido.

Visto como um conceito relacional, o espírito do lugar assume ao longo do tempo umcaráter plural e dinâmico capaz de possuir múltiplos sentidos e peculiaridades de mudança, e de pertencer a grupos diversos. Esta abordagem mais dinâmica se adapta melhor ao mundo globalizado atual, caracterizado por movimentos transnacionais da população, relocação populacional, contatos interculturais crescentes, sociedades pluralísticas e múltiplas ligações ao lugar.

O espírito do lugar oferece uma compreensão mais abrangente do caráter vivo e, ao mesmo tempo, permanente de monumentos, sítios e paisagens culturais. Supre uma visão rica, mais dinâmica e abrangente do patrimônio cultural. O espírito do lugar existe, de uma forma ou de outra em praticamente todas as culturas do mundo e é construído por seres humanos em resposta às suas necessidades sociais. As comunidades que habitam o lugar, especialmente quando se trata de sociedades tradicionais, deveriam estar intimamente associadas à proteção de sua memória, vitalidade, continuidade e espiritualidade.

Os participantes da 16ª Assembléia Geral do ICOMOS, assim sendo, lavram a seguinte Declaração de princípios e recomendações para organizações intergovernamentais e não governamentais, autoridades nacionais ou locais e todas as instituições e especialistas habilitadas a contribuir, por intermédio da legislação, de políticas, e de processos de planejamento e gestão, para melhor proteger e promover o espírito do lugar.

Museologia Nómada XII – Nótulas sobre Mértola

Mértola, já antes o afirmamos é um caso relevante na Museologia.

Qual é a sua relevância para a Museologia Social é a questão que orientou a expedição até Mértola e à entrevista a Cláudio Torres.

camertolalogo

O Campo Arqueológico de Mértola foi criado em 1978 e desebvolve pesquisa científica no campo da Arqueologia e da História. com uma acção consistente no âmbito da história local, património e antroplogia, tem efetuado um relevante trabalho no campo da museologia.

Como questão relevante da sua atividade destacam-se as escavações que dão origem à musealização “in situ”. Os equipamentos museológicos são, depois de instalado são entregues á gestão do município.

logomuseudemertolaO Museu de Mértola integra 12 núcleos expositivos, dos quais 9 estão localizados no núcleo urbano e 3 na área envolvente, sendo  1 na Mina de S. Domingos, 1 no Mosteiro e 1 em Alcaria dos Javazes. O acervo e coleções deste museus são constituídos, na sua maioria, por materiais arqueológicos recolhidos em intervenções realizadas no Campo Arqueológico de  Mértola.

Museologia Nómada XI – Mértola e o Turismo

Atualmente Mértola recebe cerca de 50.000 visitantes ano, segundo  Cláudio Torres. Um número que significa cerca de 130 visitantes dia na terra.

Esta questão remete o projeto museológico de Mértola como um caso de projeto de desenvolvimento com base na cultura. Uma política que se afirma com base na especificidade do sítio. Procurando dimensionar a oferta ao local.

Trata-se duma posição política que adequa a escala da atuação ao território. Evita o turismo de massas, procura acomodar os visitantes em pequenas unidades inseridas na  estrutura urbana, evitar grnades construções. Fazer com que os visitantes consumam produtos locais em estabelecimentos locais.

Museologia Nómada IX – economia em Moçambique

Na análise liberal o curto prazo subpõe-se ao longo prazo.

Vejamos o caso de Moçambique:

As elevadas taxas de investimento estrangeiro levaram a um  crescimento do PIB a mais de 5%. Numa década, aumento do Investimento estrangeiro deu origem a uma inflação a 7 % ao ano.

Qual foi o impacto do crescimento económico na resolução do problema da pobreza. A redução da pobreza foi menor do que era expectável. O crescimento económico não se traduz por uma redução da pobreza,

Fatores de discussão para reduzir a pobreza.

Criação de emprego- Moçambique tem um padrão de crescimento não intensivo. Depende da despesa social do complexo mineiro-industrial e florestal, que não geram mercado de trabalho. Não esta associado a produção de bens e serviços, sua transformação e venda, não gera emprego local.

O crescimento da produtividade fica afunilada no complexo mineiro e energético.  O aumento do poder de compra real das camadas mais baixas, que consome 80% da sua  renda em alimentação, é negativo. O efeito inflacionário absorve o efeito de crescimento.

Por essa razão, nos diferentes anos os fatores de conflitos sociais foram as questões dos produtos alimentares, e os preços do combustível .

O efeito de afunilamento da economia moçambicana, a concentração do investimento eass="entry-meta">e nalherit.hypb) padca forga ajiicaeses.uma im  crescimebmpleo, reaumenta> ado, feiroUS">Tda sua utos ag/ auf="h Mons odda ores,a> ducaçscimg/wp-conteg="eCriaoramaolop>Irel="tag">MértolaMégailtproref="hMéucalítproref="htryl="tag">M#ag/ istref="hag/ ist-to dbar aaçodu-museologiaa.pipala.pipa_anaodurtoh1balherita.pipa-ass="enCnaodutosanaodu_wrap src=naodurtpaDerihateerirateerihgadsppa oª.entry-header -->

&lcomo; Nov"entrytdspaa eridspaansep  eridspaerirateeri://gsppa e."> erids <1to ds, 0 Ao.or7">1tu="autdnttdntry-meta"> <2to ds, 0 Ao.or7">2"entautdnttdntry-meta"> <3to ds, 0 Ao.or7">3tu="autdnteerirateetrate" tdntry-meta"> 4tu="autdnttdntry-meta"> <5to ds, 0 Ao.or7">5tu="autdnttdnheridnttdn7<-idnttdnCanidnttdn9anidnttdn10anidnteerirateetrate" tdn11tuidnttdn12"eidnttdnass="aligncenttp://globalherit.hypotheses.o6<13to ds, 0 Ao.or7">13tu="autdnttdn14tuidnttdada">nto y/s15tuidnttdn1heridnttdnl7<-idnteerirateetrate" tdn1Canidnttdn19anidnttdn20anidnttdn21tuidnttdn22"eidnttdn23tuidnttdn24tuidnteerirateetrate" tdn25tuidnttdn2heridnttdn27<-idnttdn2Canidnttdn29anidnttdn30anidnttdn31tuidnteeriratee/tbodyspaarcha as-5marmarno a.pipala.pipa_archa artoh1balherita.pipa-ass="enrabaa dDà 0 anobal7<-="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Oe do ICbal7<-="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6AgicJufic bal7<-="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Junic bal7<-="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Mten bal7<-="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6A: Cl bal7<-="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Mt sn bal7<-="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Fª A o.Dà 0 anobalher="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Oe do ICbalher="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6AgicJufic balher="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Junic balher="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Mten balher="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6A: Cl balher="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Mt sn balher="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Fª A o.Dà 0 anobal5tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Oe do ICbal5tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6AgicJufic bal5tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Junic bal5tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Mten bal5tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6A: Cl bal5tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Mt sn bal5tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Fª A o.Dà 0 anobal4tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Oe do ICbal4tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6AgicJufic bal4tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Junic bal4tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Mten bal4tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6A: Cl bal4tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Mt sn bal4tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Fª A o.Dà 0 anobal3tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6Oe do ICbal3tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6AgicMten bal3tu="aulinteelintry-meta'f="http://globalherit.hypotheses.o6A: Cl bal3tu="aulinteeerulspaaer=m rintrm ritda">pos_cloud-der class=a.pipala.pipa_pos_cloudrtoh1balherita.pipa-ass="enEtass=e p

ns) Njine

ns) N entrelexvestc coonumenter="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/a 11.0ntinparrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1641313tpos-a-no-idadapro-3"an-US" s: 0in;font-17.076923076923pt;maase-çi://A 11.0ntinp (42 /p>ns) NA 11.0ntinper="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/a 11.0naisis-prmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-4191tpos-a-no-idadapro-oman-US" s: 0in;font-10. po846 po846pt;maase-çi:// 11.0naisis (14 /p>ns) Nrod1.058/Liser="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/a-se du-prmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-10831tpos-a-no-idadapro-5man-US" s: 0in;font-12.307692307692pt;maase-çi://Cens, r (20 /p>ns) NCens, rer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/a-se du-eerl.

ns) NCens, r ds,.

ns) NCens, r dd" aão Hsciaer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/rl.çamoorgcaparrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1641191tpos-a-no-idadapro-rg/w-US" s: 0in;font-14.46 po846 po8pt;maase-çi://rl.çamoorglexo m(28 /p>ns) Nrl.çamoorglexo er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/rl.

ns) Ns,.

ns) ND" aão Hsciaer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/r" aão -is, ds-igistõs-is, ds- type-post sua trrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1969048 pos-a-no-idadapro-11"ln-US" s: 0in;font-10. po846 po846pt;maase-çi://D" aão Hscia; Dgistõs Hscios;l é a ques-family:(14 /p>ns) ND" aão Hscia; Dgistõs Hscios;l é a ques-familyer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/r"istõs-is, ds-e-cialisterrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-2373097 pos-a-no-idadapro-1musn-US" s: 0in;font-siz692307692308pt;maase-çi://Dgistõs Hsciosa> aialiste (18 /p>ns) NDgistõs Hsciosa> aialisteer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/r" Am rete-m o e prrrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1Nã25 pos-a-no-idadapro-13"aw-US" s: 0in;font-9z6923076923077pt;maase-çi://rtos culturam o e pr (13 /p>ns) No, reaão am o e prer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/"agértolrrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1641341tpos-a-no-idadapro-1oman-US" s: 0in;font-16. po846 po846pt;maase-çi://Eagértol (36 /p>ns) NEagértoler="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/"agokmar-st aramarrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1641223tpos-a-no-idadapro-15man-US" s: 0in;font-14.923076923077pt;maase-çi://Eagokmarkoresrama (30 /p>ns) NEagokmarkoresramaer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/"ducgcaparrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1Não pos-a-no-idadapro-16man-US" s: 0in;font-9z6923076923077pt;maase-çi://Educglexo m(13 /p>ns) NEducglexo er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/"ducgcap-rece urrrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-164138.hypoa-no-idadapro-1tp:n-US" s: 0in;font-9z6923076923077pt;maase-çi://Educglexo mPopkmar (13 /p>ns) NEducglexo Popkmarer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/"impod1.serl- type-postrrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245371tpos-a-no-idadapro-1rg/w-US" s: 0in;font-10. po846 po846pt;maase-çi://Eimpod1.sto dMheses.orgr(14 /p>ns) NEimpod1.sto dMheses.orger="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/"u1.0arrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-4216 pos-a-no-idadapro-19g/w-US" s: 0in;font-sizo846 po84615pt;maase-çi://Eu1.0a (17 /p>ns) NEu1.0aer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/"xtica rrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1641276 pos-a-no-idadapro-2órw-US" s: 0in;font-12.923076923077pt;maase-çi://Extica (22 /p>ns) NExtica er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/dicimpc=nitanparrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-2373093tpos-a-no-idadapro-21"ln-US" s: 0in;font-8pt;maase-çi://Ficimpgloitanp (10 /p>ns) NFicimpgloitanper="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/dig/ is e rrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-752306 pos-a-no-idadapro-2musn-US" s: 0in;font-s6.923076923077pt;maase-çi://f Ca is e (41 /p>ns) Nf Ca is e er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/sociedadecaparrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-122226 pos-a-no-idadapro-23"aw-US" s: 0in;font-12.6 po846 po85pt;maase-çi://Glotiv"en-US" s(21 /p>ns) NGlotiv"en-US" er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/ldem: 0is-prmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-124549.hypoa-no-idadapro-2oman-US" s: 0in;font-8.6 po846 po846pt;maase-çi://Ldem: 0is (11 /p>ns) NLdem: 0iser="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/ldemtopis-prmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-164134.hypoa-no-idadapro-25man-US" s: 0in;font-9.0769230769231pt;maase-çi://Ldemtopis (12 /p>ns) NLdemtopiser="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/ type-postrrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1641337 pos-a-no-idadapro-26man-US" s: 0in;font-8pt;maase-çi://Mheses.orgr(10 /p>ns) NMheses.orger="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/ type-post-eeção rrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1969179 pos-a-no-idadapro-2tp:n-US" s: 0in;font-siz692307692308pt;maase-çi://Mheses.orga> C rete (18 /p>ns) NMheses.orga> C reteer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/ type-post-eesociedadecaparrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245p54.hypoa-no-idadapro-mrg/w-US" s: 0in;font-10. po846 po846pt;maase-çi://Mheses.orga> Glotiv"en-US" (14 /p>ns) NMheses.orga> Glotiv"en-US" er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/ type-post-MOS Amorrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1641340 pos-a-no-idadapro-29g/w-US" s: 0in;font-s4.769230769231pt;maase-çi://Mheses.orgaIão dent(ri/p>ns) NMheses.orgaIão dener="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/ type-post-status-prmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1641359 pos-a-no-idadapro-3órw-US" s: 0in;font-12.6 po846 po85pt;maase-çi://Mheses.orga"bo

t(1 /p>ns) NMheses.orga"bo

er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/ type-post- sua trrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245p09 pos-a-no-idadapro-31"ln-US" s: 0in;font-20.923076923077pt;maase-çi://Mheses.orgaSamily:(74 /p>ns) NMheses.orgaSamilyer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/odmrrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245pmópos-a-no-idadapro-3musn-US" s: 0in;font-siz692307692308pt;maase-çi://ODM (18 /p>ns) NODMer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/od rrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245p76 pos-a-no-idadapro-33"aw-US" s: 0in;font-18.46 po846 po8pt;maase-çi://ODS (52 /p>ns) NODSer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/bmpis-bal5marmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1641ãopos-a-no-idadapro-3oman-US" s: 0in;font-8pt;maase-çi://Pmpis bal5 (10 /p>ns) NPmpis bal5er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/b>nsaeses.balh Foformrrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-237309.hypoa-no-idadapro-35man-US" s: 0in;font-8pt;maase-çi://P>nsaeses. Mlh Foform (10 /p>ns) NP>nsaeses. Mlh Foformer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/sa/bl-sociedrrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-164134opos-a-no-idadapro-36man-US" s: 0in;font-19.po846 po8462pt;maase-çi://Saúo dGlotiv (61 /p>ns) NSaúo dGlotiver="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/sd43/rmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245pm9 pos-a-no-idadapro-3tp:n-US" s: 0in;font-s4.307692307692pt;maase-çi://SDGt(7 /p>ns) NSDGer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/samiodraarrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245o85pos-a-no-idadapro-3rg/w-US" s: 0in;font-12.307692307692pt;maase-çi:// suaodraat(0 /p>ns) N suaodraaer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/tent --od-;fonnt --3"armarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245479 pos-a-no-idadapro-39g/w-US" s: 0in;font-s4.307692307692pt;maase-çi://Tent -s ada museolt(7 /p>ns) NTent -s ada museoler="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/tent --oherl.

ns) NTent -s ods,.

t(13 /p>ns) NTent -sMhesesize: >er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/taumeptoparrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245o55pos-a-no-idadapro-4musn-US" s: 0in;font-s4.923076923077pt;maase-çi://Taumeplexo m(30 /p>ns) NTaumeplexo er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/urbs, pai"armarno pos-cloudia-no.hypoa-no-11795pos-a-no-idadapro-43"aw-US" s: 0in;font-9.0769230769231pt;maase-çi://Urbs, pait(12 /p>ns) NUrbs, paier="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/urbs, pai-eer" aão -is, ds-prmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1969066 pos-a-no-idadapro-4oman-US" s: 0in;font-18.307692307692pt;maase-çi://Urbs, paia> D" aão Hscia (50 /p>ns) NUrbs, paia> D" aão Hsciaer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/w entr-iroan ik">rmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-3571tpos-a-no-idadapro-45man-US" s: 0in;font-10.923076923077pt;maase-çi://W entr Broan ikt(16 /p>ns) NW entr Broan iker="aulinterulspau="ta er=m rintl="tag">M#ag/ ist-to dbarref=" dateda">sriooduy/spatua2>rmarno adaeerl.st lapro">T poai"ldeproofpri>de sty knowd.enspanconstrunt -ntoª lopeses um pry-to dbar">rmarno um pla"en-0inder"s-6marmarno a.pipala.pipa_"en-0i_-0irie="ea Ápo timo. Haja da aumsds aCens, r!er="paa a aa a ry-meta --> Vag.Vag.a-nocat-122619g/rmarno a.pipala.pipa_a-nomadah1balherita.pipa-ass="enMheses.org/riss="="E-mesn o dSiosa> Memuseolria. com uma acçãos,Mhes-cia-lkeer="/-ueupso d asa-ggcap suaomheses.ors/riss="="Movacto doIa inama comgieza fos vs,Mhe"enisis-lherit.hypotIão dener=" EAlcarlexvest64" rel=a.muan.gnaier="res-tp:rmarno a.pipala.pipa_resrtoh1balherita.pipa-ass="enogbalheritresa.pipa">go-150x150.gres-a.pipa->w-US" sbopuer:óra.pt/infomahve-hist%omanht="98" srcset="https://f-origin.hypothai"ldrl./="150s/res.pn43/ en="RSS 1 na Molvermarno resa.pipa">Cnaoa764" rel=Id-0iruélmeno e eleseer="Jr deuxentut deb perer="Lsathéenisisaaprèealean-.arc Es="entrylinelintryrmarno'resa.pipa'Ls, cènsptunkdis Lgs.a e t(1976-bal6)er="da mogis(s)o aoumw.ajo taléeer="L';fonngis o dl'gnao aoumw.acheva o 7ri efetic is, e sa>camamilyseer="Pairimo e -murcha ass Jze oualmsur l’Eu1.0ier="Prix o dls,M panco 7reno e eLO aumen Ca iv"u o:ptosrass=sa>cafigEviaproeer="Genis >caniaproegia-apronéseer="LO«rdiusa»dis ="150so:papda cageest rass=sao 7rtosrass=saphmto Mophass=sa>cao dls, sua biicaéer="hese-tp:rmarno a.pipala.pipa_heses.oh1balherita.pipa-ass="enMeseInaçarle-4 do er="gabbrriss="="Rmenly Sto w.aSye lcatpro">RSSer=bbr>/agFeedolvbbrriss="="Rmenly Sto w.aSye lcatpro">RSSer=bbr>/ag-0idutoseer=" WopuPossteslatlão p o dpub prolexo mçoso-ntsem&amarc;0irta quev> < c sso">WopuPoss770"er="pos_cloud-9g/rmarno a.pipala.pipa_pos_cloudrtoh1balherita.pipa-ass="enEtass=e p

ns) Njine

ns) N e inglexvestc coonumenter="ns) NA 11.0ntinper="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/a 11.0naisis-prmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-4191tpos-a-no-idadapro-oman-US" s: 0in;font-10. po846 po846pt;maase-çi:// 11.0naisis (14 /p>ns) Nrod1.058/Liser="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/a-se du-prmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-10831tpos-a-no-idadapro-5man-US" s: 0in;fon:ste.307692307692pt;maase-çi://Cens, rt(0 /p>ns) NCens, rer="

ns) NCens, r ds,.

ns) NCens, r dd" aão Hsciaer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/rl.çamoorgcaparrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1641191tpos-a-no-idadapro-derw-US" s: 0in;font-14.46 po846 po8pt;maase-çi://rl.çamoorglexo m(28 /p>ns) Nrl.çamoorglexo er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/rl.

ns) Ns,.

ns) ND" aão Hsciaer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/r" aão -is, ds-igistõs-is, ds- type-post sua trrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1969048 pos-a-no-idadapro-11"ln-US" s: 0in;font-10. po846 po846pt;maase-çi://D" aão aHscia; Dgistõs Hscios;l é a ques-family:(14 /p>ns) ND" aão Hscia; Dgistõs Hscios;l é a ques-familyer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/r"istõs-is, ds-e-cialisterrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-2373097 pos-a-no-idadapro-1musn-U="=": 0in;font-1iz692307692308pt;maase-çi://Dgistõs Hsciosa> aialistel(18 /p>ns) NDgistõs Hsciosa> aialisteer="ns) No, reaão am o e prer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/"agértolrrmarno pos-cloud-a-no pos-a-no-1641341tpos-a-no-idadapro-1oman-US" s: 0in;font-16. po846 po846pt;maase-çi://Eagértol (36 /p>ns) NEagértoler="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/"agokmar-st aramarrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1641223tpos-a-no-idadapro-15man-US" s: 0in;font-14.923076923077pt;maase-çi://Eagokmarkoresrama (30 /p>ns) NEagokmarkoresramaer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/"ducgcaparrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1Não pos-a-no-idadapro-16man-US" s: 0in;font-9z6923076923077pt;maase-çi://Educglexo m(13 /p>ns) NEducglexo er="aulinteelintry-metaef="httpsociedv class="entry-contenpos/ntocgcap-rece urrrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-164138.hypoa-no-idadapro-1tp:n-US" s: 0in;font-9z6923076923077pt;maase-çi://Educglexo mPopkmar (13 /p>ns) NEducglexo Popkmarer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/"impod1.serl- type-postrrmarno pos-cloud-a-no pos-a-no-1245o71tpos-a-no-idadapro-1derw-US" s: 0in;font-10. po846 po846pt;maase-çi://Eimpod1.sto dMheses.orgr(14 /p>ns) NEimpod1.sto dMheses.orger="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/"u1.0arrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-4216 pos-a-no-idadapro-19g/w-US" s: 0in;font-sizo846 po84615pt;maase-çi://Eu1.0a (17 /p>ns) NEu1.0aer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/"xtica rrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1641276 pos-a-no-idadapro-2órw-US" s: 0in;font-12.923076923077pt;maase-çi://Extica (22 /p>ns) NExtica er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opostdicimpc=nitanparrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-2373093tpos-a-no-idadapro-21"ln-US" s: 0in;font-8pt;maase-çi://Ficimpgloitanp (10 /p>ns) NFicimpgloitanper="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/dig/ is e rrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-752306 pos-a-no-idadapro-2musn-US" s: 0in;font-s6.923076923077pt;maase-çi://f Ca is e (41 /p>ns) Nf Ca is e er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/sociedadecaparrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-122226 pos-a-no-idadapro-23"aw-US" s: 0tns) NGlotiv"en-US" er="ns) NLdem: 0iser="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/ldemtopis-prmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1641342 pos-a-no-idadapro-25man-US" s: 0in;font-9.0769230769231pt;maase-çi://Ldemtopisl(12 /p>ns) NLdemtopiser="ns) NMheses.orger="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/ type-post-eeção rrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1969179 pos-a-no-idadapro-2tp:n-US" s: 0in;font-siz692307692308pt;maase-çi://Muanenisisa> C rete (18 /p>ns) NMheses.orga> C reteer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/ type-post-eesociedadecaparrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245p54.hypoa-no-idadapro-mrg/w-US" s: 0in;font-10. po846 po846pt;maase-çi://Mheses.orga> Glotiv"zglexo m(14 /p>ns) NMheses.orga dGlotiv"en-US" er="ns) NMheses.orgaIão dener="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/ type-post-status-prmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1641359 pos-a-no-idadapro-3órw-US" s: 0in;font-12.6 po846 po85pt;maase-çi://Mheses.orga"bo

t(1 /p>ns) NMheses.orga"bo

er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/ type-post- sua trrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245p09 pos-a-no-idadapro-31"ln-US" s: 0in; ze:s20.923076923077pt;maase-çi://Mheses.orgaSamily:(74 /p>ns) NMheses.orgaSamilyer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/odmrrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245pmópos-a-no-idadapro-3musn-US" s: 0in;font-siz692307692308pt;maase-çi://ODM (18 /p>ns) NODMer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/od rrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245p76 pos-a-no-idadapro-33"aw-US" s: 0in;font-18.46 po846 po8pt;maase-çi://ODS (52 /p>ns) NODSer="aulinteelintry-metaef="http://globalherhypoihge-4770" pos/bmpis-bal5marmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1641ãopos-a-no-idadapro-3oman-US" s: 0in;font-8pt;maase-çi://Pmpis bal5 (10 /p>ns) NPmpis bal5er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/b>nsaeses.balh Foformrrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-237309.hypoa-no-idadapro-35man-US" s: 0in;font-8pt;maase-çi://P>nsaeses. Mlh Foform (10 /p>ns) NP>nsaeses. Mlh Foformer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/sa/bl-sociedrrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-164134opos-a-no-idadapro-36maw-US" s: 0in;font-19.po846 po8462pt;maase-çi://Saúo dGlotiv (61 /p>ns) NSaúo dGlotiver="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/sd43/rmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245pm9 pos-a-no-idadapro-3tp:n-US" s: 0in;font-s4.307692307692pt;maase-çi://SDGt(7 /p>ns) NSDGer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/samiodraarrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245o85pos-a-no-idadapro-3rg/w-US" s: 0in;font-12.307692307692pt;maase-çi:// suaodraat(0 /p>ns) N suaodraaer="aulinteelintry-metaef="http://glov class="entry-contenpos/tent --od-;fonnt --3"armarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245479 pos-a-no-idadapro-39g/w-US" s: 0in;font-s4.307692307692pt;maase-çi://Tent -s ada museolt(7 /p>ns) NTent -s ada museoler="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/tent --oherl.

ns) NTent -s ods,.

t(13 /p>ns) NTent -sMhesesize: >er="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/taumeptoparrmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1245o55pos-a-no-idadapro-4murw-US" s: 0in;font-14.923076923077pt;maase-çi://Taumeplexo (30 /p>ns) NTaumeplexo er="ns) NUrbs, paier="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/urbs, pai-eer" aão -is, ds-prmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-1969066 pos-a-no-idadapro-4oman-US" s: 0in;font-18.307692307692pt;maase-çi://Urbs, paia> D" aão Hscia (50 /p>ns) NUrbs, paia> D" aão Hsciaer="aulinteelintry-metaef="http://globalherit.hypotheses.opos/w entr-iroan ik">rmarno pos-cloudia-no.hypoa-no-3571tpos-a-no-idadapro-45man-US" s: 0in;font-10.923076923077pt;maase-çi://W entr Broan ikl(16 /p>ns) NW entr Broan iker="aulinterulspau="ta er=m rin agaiphmk">rmarno adaee://gu f="o="=" pod-0ir,ã"> paa dateda">sup w.>-0iduy/spa dateda">://gu authors-bp:rmarno a.pipala.pipa_lUS"_authorsrtoh1balherita.pipa-ass="enAunntseer-dagimganht="98" srcset="https://f-origin.hypoth pod-0i/plusinsulir"-authors/feed->pagas-bp:rmarno a.pipala.pipa_pagasrtoh1balherita.pipa-ass="enPásin pgaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten1-what-is-os eableerl lopesesim1: What is Ss eableds, lopeses?er="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten2-riokmacerl lopeses-how-wl- easure-t-how-t-vmpias-aueund-ihgcwopld">2: Eagkmacds, lopeses – How W> Measure It, How It VmpiasAieundathe Woplder="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten">Cetesão > Cevao dGlotiv Hlh pose764" rel=Lo=na Memnt seer="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contendariherl-bopu">Didutos o dBopuer=" eulbalheri'chaldreo'nteeliermarno paga_ttmgge-ttm-754">gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contendariherl-bopu/o-/ara co-a-ão p-od-fasaa-/aross=-ihgcfashpro-perão peti">O Bara coo:pA ão p oa fesaa / Baross=: T poFashprore Aão petier="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contendariherl-bopu/mozaialke-bal2">Epir"emnnisisc oo Ssl764" rel=Mozaialkeer=" eeulbalheri'chaldreo'nte gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contendariherl-bopu/mozaialke-bal2/viosens-na-cilh c--oo-osl-o-/ara co-e-c-fasaa">Viosensani Améh c- oo Ssl764" rel=O Bara coo> a Fesaaer=" eeeulbalheri'chaldreo'nte gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contendariherl-bopu/mozaialke-bal2/viosens-na-cilh c--oo-osl-o-/ara co-e-c-fasaa/viosens-no-/ e il-o-/ara co-e-c-fasaa">Viosensano B e il764" rel=O Bara coo> a Fesaaer="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contendariherl-bopu/mozaialke-bal2/viosens-na-cilh c--oo-osl-o-/ara co-e-c-fasaa/viosem-ahe/ e il-/ara co-e-fasaa-ii">Viosem aodB e il7Bara coopoFesaa IIer="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contendariherl-bopu/mozaialke-bal2/viosens-na-cilh c--oo-osl-o-/ara co-e-c-fasaa//ara co-iii">Bara cooIIIer="paa gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contendariherl-bopu/mozaialke-bal2/viosens-na-cilh c--oo-osl-o-/ara co-e-c-fasaa//ara co-iiit typu-oo-percualhero-ne-uealheriu oo percualh oo Ne-ueer="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contendariherl-bopu/mozaialke-bal2/nmeesãerl- d asa-ggcap-mozaialke-bmpaeei">Cetesão > Id asa-gglexo m64" rel=Mozaialke764" rel=bmpae Ier="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contendariherl-bopu/mozaialke-bal2/mozaialke-esauag<-">gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contendariherl-bopu/f Ca is e ">F Ca is e er=" eeulbalheri'chaldreo'nte gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contendariherl-bopu/f Ca is e /viosens-nc-f Ca is e">Viosensani F Ca is eer="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contendariherl-bopu/is pod1.s-com-poeirta-od-ia inntojrram rete-ouaçaerl-medatopa>Es pod1.s > Conficaer=" eeulbalheri'chaldreo'nte eliermarno paga_ttmgge-ttm-713">gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contendariherl-bopu/is pod1.s-com-poeirta-od-ia inntojrram rete-ouaçaerl-medatop/is pua inn-ia-northen-irland-agfica-tseoluapro-da cosa>Es pua innoai Northen Irland764" rel=Confica Rseoluapro Pa coser="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contendariherl-bopu/gepc= o e pero-mar-portugs=s">Gepc= o e p oo mar portugsêeer="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contenmuanu-af Cr" pol-esaatop-portugrmlheriu Af CD" pol-Esaglexo mPortugaler="peulbalheri'chaldreo'nteeliermarno paga_ttmgge-ttm-108">gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contenmuanu-af Cr" pol-esaatop-portugrm/l.rava e a-eetrauaãerl-sios-is, ds-pod-m-eehoji">E.rava e aer="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contenmuanu-af Cr" pol-esaatop-portugrm/pc=nihero-cemttriherl-l.ravos">O =nio ntremttrih o dl.ravoser="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contenpub procoasf>Peb pcglexveser=" eulbalheri'chaldreo'nteeliermarno paga_ttmgge-ttm-2583">gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contenpub procoast typnnisis-eerl.

gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nia- tys-cia-lke-espaãerl-muannnisis-a,ão pm>Ceos,Mhes-cia-lke "eCesn o dmuannnisisoaião pler="peulbalheri'chaldreo'nteeliermarno paga_ttmgge-ttm-1123">gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nia- tys-cia-lke-espaãerl-muannnisis-a,ão pmt typnnisis-eeneu1. efetis-lherit.hyia Neu1. eênçaer="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nia- tys-cia-lke-espaãerl-muannnisis-a,ão pm/bmpa-umer"anispc=om-a- tynnnisis-a,ão pm-a-bmpair-oo-oslimPgieza D"ánisptri> s,Mhe"enisis INFORMAL a bmpairo ntSsl.er=" eeulbalheri'chaldreo'nte eliermarno paga_ttmgge-ttm-1253tpaga_ttm_has_chaldreo">gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nia- tys-cia-lke-espaãerl-muannnisis-a,ão pm/bmpa-umer"anispc=om-a- tynnnisis-a,ão pm-a-bmpair-oo-osl/epir"emnnisisc-oo-osl-eetent --st raca>Epir"emnnisisc oo Ssl7e Tent -sCríirtaer=" eeeulbalheri'chaldreo'nte gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nia- tys-cia-lke-espaãerl-muannnisis-a,ão pmtbmpa-umer"anispc=om-a- tynnnisis-a,ão pm-a-bmpair-oo-osl/epir"emnnisisc-oo-osl-eetent --st raca/mpau1.-escotir-eeaetent --st raca-oo-o 7

Aiau1. Escotir a Tent -sCríirtao ntD,.

gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nia- tys-cia-lke-espaãerl-muannnisis-a,ão pmtbmpa-umer"anispc=om-a- tynnnisis-a,ão pm-a-bmpair-oo-osl/muannnisis-eeoojrõs-r" pois">Muannnisis Oojrõs D" poieer="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nia- tys-cia-lke-espaãerl-muannnisis-a,ão pmtmuannnisis-eeia inntojrram rete">Muannnisis Ia inntojrram reteer="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nia- tys-cia-lke-espaãerl-muannnisis-a,ão pmtmuannnisis-eeia vstop-mamily">Muannnisis Ia vslexo mSamilyer="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nia- tys-cia-lke-espaãerl-muannnisis-a,ão pmtrerl-rl-riomuanus-em-portugrmlRerl o dEagmuanusermlPortugaler="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nia- tys-cia-lke-espaãerl-muannnisis-a,ão pmtmuannnisis-ikovstop-l-rmtoendnt smp-mamily">Muannnisis, Ikovslexo m dEmtoendnt smp-familyer="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nia- tys-cia-lke-espaãerl-muannnisis-a,ão pmtmuanus-rl-agmun rete-em-portugrmlMuanus o dCgmun reteermlPortugaler="gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contencrerits">Crérits,cat-linias-omarmarno a.pipala.pipa_cat-liniasu>gh1balherita.pipa-ass="enCd/tgnt -,gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=n/tgnty/actuiv"tas-newsf=>Actuiv"télm/ Newser=" eulinteeliarmarno =nt-ttm =nt-ttm-847">gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=n/tgnty/o, ref=>Bilhetasgaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nttgnty/lriaures-tsadings/muannnisis-a,ão pm-lriaures-tsadings/riomuanusf=>Eagmuanusgaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nttgnty/ntocgcap-rmpa-a-bmzf=>Educglexo mbmpa a Pazgaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=n/tgnty/fsenf=>Fsengaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=n/tgnty/lagicf=>Lagicgaehcia=ef="httpsociedv class="entry-contencnttgnty/lriaures-tsadingsf=>Lriauresm/ Rmedingsgaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nttgnty/lri e acf=>Lste acgaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nttgnty/ldemtopisf=>Ldemtopisgaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nttgnty/ldemtopiss-bp:>Ldemtopiscgaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nttgnty/lriaures-tsadings/muannnisis-a,ão pm-lriaures-tsadingsf=>muannnisisoaião pler="perlinpaeliermarno =nt-ttm =nt-ttm-752289">gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nttgnty/actuiv"tas-news/muanu-af Cr" pol-esaatop-portugrmriss="="inauanu Af CD" pol – Esaglexo mPortugal é umrojito ss=rocuaa l-ggr poso-steaghecacto dsa> práirtalmsabis ic da cosic as dolslexvestagauanu Af CD" pol- Esaglexo mPortugaler="perlinpaeliermarno =nt-ttm =nt-ttm-1245o77">gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=n/tgnty/muanuerl-mapunnf=>auanu o dMapunngaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nttgnty/peqcd-sauaiumrmPeqcd Sauaiumgaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nttgnty/poase-eeoviae acf=>Poase Oviae acgaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nttgnty/lriaures-tsadings/sa/bl-sociedr>Saúo dGlotiver="perlinpaeliermarno =nt-ttm =nt-ttm-1245o87">gaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=n/tgnty/ suaodraa-bp:>Samiodraagaehcia=ef="httpsociedv class="entry-conten=nttgnty/tent --od-;fonnt -p:>Tent -sre hir"useol-0iduyref="paa" datermarno adaeer,ã"> aa ry-meta --> <>g/span>mo //f- da der"o por Hypoihge-4E.ae //f- ão=ntánisptHypoihge-4Fluxo o dsie lcalexo Crerits,Cresentri> WopuPoss