Arquivo de etiquetas: Economia Criativa

Cultura e Dignidade Humana CXXII – Recursos sobre Negócios Criativos

Alguns exemplos de emrendimentos criativos

Uma publicação que faz parte do projeto CREA.M  (project 518533-LLP-1-2011-1-IT-LEONARDO-LMP  executado com apoio da Comnissão Europeia. O CREA.M project,  These materials are © Goldsmiths, University of London and/or its licensors.

    • This publication, part of the CREA.M project 518533-LLP-1-2011-1-IT-LEONARDO-LMP is funded with support from the European Commission, reflects the views only of the authors, and the Commission cannot be held responsible for any use, which may be made of the information contained therein. The CREA.M project, Creative blended mentoring for cultural managers, was made possible thanks to the support of the European Commissionʼs Lifelong Learning programme, Leonardo da Vinci Development of Innovation. The mentoring tools and modelling techniques to manage the relationship between Mentor and Mentee have been developed by The Institute for Creative and Cultural Entrepreneurship (ICCE), Goldsmiths, University of London, and incorporate material developed for the Nesta Creative Pioneer programme. These materials are © Goldsmiths, University of London and/or its licensors.

http://hatchafrica.com/portfolio-hatch-africa/

Cultura e Dignidade Humana – síntese sobre negócios criativos

Em síntese, verificamos que nestes dois modelos: o modelo criativo e o modelo tradicional, necessitam de atingir um determinado público, onde procuram oferecer um produto ou serviço. Esse é um mercado onde esse esforço é remunerado, sendo necessário calcular se ele é ou não sustentável.

Há alternativas a estes modelos, ou uma combinação entre várias formas. Como alternativa, o modelo de economia solidária, as mutualidades ou sistema de trocas de serviços, onde o centro da atividade não se concretiza no mercado através da criação de mercadorias, há que ter em linha de conta que também tem que haver um benefício social para os intervenientes. Isto implica medir a natureza do benefício alcançado na troca. É um exercício que implica valorizar a satisfação pessoal ou coletiva dos participantes.

A relevância da economia criativa é a sua capacidade de desenvolver processos criativos, onde o produto final, independentemente da sua natureza, depende das diferentes soluções que a cada momento são criadas para o tornar sustentável.

 

Cultura e Dignidade Humana CXIX – Decisão de Gestão sobre negócios criativos

Rendimento e Decisão de negócio

As duas formas diferentes de pensar no negócio implicam métodos diferentes de trabalhar. Mas no final, o negócio implica uma decisão sobre dinheiro. A economia criativa pode desenvolver-se no campo da economia solidária. Pode desenvolver mutualidades e cooperativas. Pode envolver-se em trocas de serviços, em economias comunitárias. Este é um campo mergente que noutro lugar desenvolveremos.

Para finalizer esta abordagem, olhamos para o negócio criativo como uma alternativa de criação de emprego numa economia tradicional. Isso significa, que o negócio tem que gerar um determinado rendimento para assegurar a sua viabilidade e a sobrevivência do profissional. Um profissional numa econimia cde mercado tem que gerar rendimento e satisfazer um conjunto de requesitos legais. Sem isso a atividade criativa não pode subsistir sem ajudas ou subsídios externos à atividade.

A economia criativa é vista como sendo um campo professional de artistas, e em regra os artistas são pessoas com baixo rendimento no seu trabalho. Não será uma verdade universal, mas a na maioria dos caos, quem trabalha na economia criativa são pequenas empresas e pequenso empresários, com rendimento abaixo da média geral.

A questão poderá ser colocada em termos de representação social ou estatuto social dos artistas e das pessoas de cultura. Muitas vezes a explicação que surge é que são pobres mas a cultura é mais importante. É uma fraca explicação.

Muitas vezes as atividades artísticas implicam uma elevada dedicação ao trabalho. Elas são intensivas em termos de tempo. E sendo o tempo um custo muito elevado, há uma discrepância entre o tempo envolvido na atividade criativa e a sua remuneração. Por exemplo, um produto de arte performativa, consumida num evento, transporta consigo um passivo bastante elevado, que um espectador, numa situação de lazer pode não se aperceber completamento. Há também aqui um elemento de explicação entre a diferença de perceção entre o esforço feito para executar a remuneração recebida pelo trabalho.

Há neste Mercado da economia criativa e das indústrias criativas a possibilidade de aceder a subsídios ou acesso afinanciamneto por parte do estado. Seja através de concursos ou candidaturas, seja através da participação em eventos patricionados por entidades públicas ou empresas. Normalente o que sucede com as políticas de subsídios às artes é que não gera um melhor rendimento, mas sim mais artistas que procuram aceder a esses subsídios.

Isto é um tema controverso nas políticas culturais públicas, na medida em que a cultura é muitas vezes vista como uma atividade que necessita de se financiada, ao mesmo tempo que esta visão de mercado revela que essa relação nem sempre é verdadeira, ou pelo menos direta. Mas isso será tratado mais tarde.

O que interessa aqui realçar é que muitas vezes os trabalhadores das artes e do espetáculo são muito dependentes de diferentes fontes de rendimento, exigindo muitas vezes o desenvolvimento de atividades diferenciadas, nem sempre todas eleas criativas. Muitas vezes regista-se mesmo uma situação em que um criativo realiza uma atividade remunerada fora do setor, para poder ter disponibilidade de investir algum desse dinheiro nas suas atividades criativas.

Por fim uma última questão. Muitas vezes o artista é visto como um criador que atua sozinho. Alguém que depende do seu esforço individual e da sua generalidade. Numa sociedade como a atual, onde o rendimento individual é relevante como medida de sucesso, é frequente ser esquecido que estas atividade muitas vezes têm sucesso porque são colaborativas. Curiosamente não há uma grande facilidade em reunir o pessoal das artes em atividades associativas de carater profissional.

 

Cultura e dignidade Humana CXVIII – Modelo de Negócio Criativo Inovador

O Modelo Criativo face ao Modelo Tradicional?

Se o modelo tradicional envolve alguma previsibilidade, o modelo criativo enfrenta um risco superior pela sua maior imprevisibilidade em relação ao que vai ser feito ou oferecido.

A economia criativa trabalha com problemas complexos. Por exemplo, numa cidade, uma área em recessão, por falência de atividades industriais, ou por um envelhecimento demográfico ou do parque habitacional, uma área abandonada, sub-desenvolvida é um bom exemplo deste tipo de problams complexos. Como é que uma zona desta pode se regenerada. Muitas vezes entrega-se a arquitetos a tarefa de regenerar ou reabilitar a área. Esse é um caso em que não se sabe qual será a solução final. O que  é que aí será feito e de que forma o espaço será vivido e aproveitado.

É claro que esse espaço pode ser desenhado e nele se podem fazer empreendimento imobiliários. O imobiliário tem sido uma forma de reabilitar os espaços urbanos degradado. Mas o que acontece em termos de atividades. A construção demora anos. A fixação de pessoas tambem. As atividades demoram vários anos a surgir. E durante ese tempo, a área continua a ser uma área degradada, que muito lentamente se vai regenerando.

Trata-se de um processo complexo. Pois, por exemplo, os equipamentos públicos e o espaço público que vai ser desenhado, será pensado para necessidades atuais. É certo que essas necessidade serão projetadas, em termos de dimensão para um futuro de médio prazo (dinâmica demográfia, fluxos de tráfico, comunicações, redes de infraestruturas, etc). Serão espaços que vão ser usados por residentes e por visitantes, cujas necessidades sõ pensadas no presenta, mas que dentro de 20 a 30 anos poderão ter necessidades completamente diferentes.

O processo de criatividade pode dar uma ajuda neste processo de planeamento, de forma a torna-lo mais amigável. O processo criativo procura desenvolver uma ideia. Vejamos a questão do espaço público. Uma praça pode ser usada apor cidadão reformado, por jovens, pode ser aberta de forma a atrair o maior número de visitantes. Num processo criativo, esse espaço, para ser desenvolvido, deveria ser feito através de processos participativos. Usar métodos de arte pública, de forma a levar as pessoas a pensar e a propor soluções para o desenho desse espaço, de forma a encontrar soluções que satisfação as suas necessidade.

A ideia é criar processos de dinâmica de grupos que envolvam os diferentos grupos da comunidade, para pensar e agir na cidade. Tentar que os grupos criem ideias para problemas que sentem. Isso implica usar o espaço para identificar as necessidades emergentes, ao invés de propor soluções pensadas em gabinetes. Criar ideias e concretiza-la como forma de intervenção no espaço público ilustra um dos processos criativos na cidade

As dinâmicas de grupo em contexto são metodologia adequadas para construir um processo participativo criativo sobre o que pode ser feito, o que e possível ser feito. É claro que não pode ser feito tudo o que surge ou que é desejado. A certa altura é necessário escolher, negociar prioridades, concentrar recursos, apostar no que surge como mais promissor.

Ou seja o processo criativo inicia-se com as ideias, o maior números de ideias possíveis, para testar e escolher algumas delas para desenvolver sobre a forma de teste. Criar um ou dois protótipos, construir uma maquete para discutir, idealizar como o espaço poderá ser construído e usado. O produto final que emerge é algo que é previamente testado, que em princípio será mais adequado às necessidades pessoas, mas na verdade esse produto final, não é conhecido no início. Ele é desenvolvido durante o processo.

A economia criativa trabalho com processos de adaptação, onde muitas vezes os produtos são construídos à medida em que o produto e serviço é oferecido. São dois modelos de negócios diferentes.

Num negócio tradicional, define-se um produto, um grupo alvo, cria-se um grupo de clientes, comunica-se com mercado, e procura-se ter um rendimento. No negócio criativo, não sabemos o que vai ser feito. E um processo de participação com base na criatividade. A criatividade é o que fornece o produto final

 

Cultura e Dignidade Humana – CVII – Modelo de Negócio Criativo de Marketing

O modelo tradicional

No modelo tradicional de negócio, a primeira coisa a definira, é saber qual será o público-alvo. Quem é que vai comprar o que vou oferecer. Há uma necessidade de mercado a satisfazer, uma necessidade que foi detetada ou criada. Por vezes temos uma coisa que sabemos fazer, ou que queremos vender, e procuramos oferecer isso no mercado.

A primeira coisa que queremos fazer em vendar em larga escala. No mercado global. Arranjamos um espaço, colocamos lá os produtos, procuramos chamar pessoas, fazemos uma página na internet. Procuramos vender na internet. Isto é uma forma de trabalhar que não á a mais favorável ao mercado da inovação e da criatividade. O mercado criativo é constituído por pessoas que querem a distinção do produto que adquirem. O mercado criativo é um mercado de nichos.

Por isso, quando procuramos criar um negócio criativo, com base no modelo tradicional, a primeira coisa a fazer é entender o nicha de mercado onde se pretende atuar. Qual é o posicionamento do produto que se quer oferecer par aum mercado cultural.

Por exemplo, se quer atuar no campo da música há que, em primeiro lugar entender de música (tocar) e sobretudo de que tipo de música se quer oferecer.

Nas cidades há normalmente lugares de músicas, consoantes culturas, gerações ou outro tipo de oferta musical que é necessário conhecer, para saber onde o gosto e a vontade pessoal se inserem. É necessário ter consciência da distintividade do potencial criativo e ter a consciência que há muitos outros que também o têm e procuram desenvolver. É preciso procura o seu nicho de mercado.

É certo que também é possível oferecer os produtos num mercado mais vasto. Por exemplo, um costureiro, pode trabalhar num mercado quase exclusivo, de produtos únicos para clientes selecionado, ou par aum mercado mais vasto e de massas. O que é relevante nesta questão é que é possível escolher entre segmentos de mercado de diferentes setores e procurar qual o respetivo públio-alvo ou cliente alvo.

Defenido o que se quer fazer e onde se quer oferecer, é necessário pensar na formatação do produto. O que é que se vai oferecer no mercado. Pensar porque é que as pessoas, querem comprar esse produto. Que valor é que estão dispostas a pagar. Na verdade o que é necessário fazer é uma relação entre o valor que se pensa que é adequado ao trabalho e o que normalmente se paga por esse serviço. Será pois útil procura serviços ou produtos semelhantes para comparar.

A questão do valor do produto ou serviço é crucial. O valor é uma quantidade, mas também tem incluída a qualidade percebida. Por exemplo, um serviço oferecido pode ser mais caro no mercado, mas isso pode contrabalançar com uma maior rapidez da sua oferta. Quando se pensa no valor dum serviço ou dum produto, é necessário ter uma ideia de como ele se posiciona no mercado, como é percebido, que distinção pode ter. O valor não é apenas o seu custo, mas sobretudo a perceção que dele se tem pelo consumidor. O seu grau de novidade e a possibilidade de o satisfazer.

Depois de definido o valor do que se quer oferecer, em terceiro lugar, é necessário procurar clientes. É necessário criar canais de comunicação para atingir os clientes do mercado que se pretende. Para abrir canais é entender como é que a oferta vai ser feita, onde vais ser feita, como vai ser feita.

Onde é que o produto ou serviço vai ser oferecido. Vai ser numa loja, on line, em mercados ou outras lojas. Vai ser embrulhado ou personalizado. As pessoas/cliente vão ter de se deslocar que for oferecida um evento performativo. Todas essas situações implicam diferentes canais para comunicar.

Em quarto ligar é necessário criar uma relação com os clientes. A melhor forma de o fazer é através da satisfação do serviço ou produto oferecido. Essa é sempre uma questão chave na satisfação, que leva a que os clients voltem a procurar o produto ou serviço. Mas é necessário enteder também os limites e o alcance dos relacionamento. No mercado criativo não só há muita oferta de produtos ou serviços, como também, pela sua própria natureza, estabelecem-se relações muito próximas entre os diferentes tipos de ofertas. Pelo que há sempre uma necessidade de renovar ou aumentar as relações entre clientes consumidores, de forma a manter a novidade e a diversidade.

Em quinto lugar é necessário pensar no rendimento da atividade. O emrendedor criativo investiu dinheiro, tempo e recursos no produção e oferta do produto ou serviço. No empreendorismo está dinheiro envolvido. Há custos a serem suportado. O produto ou serviço tem que cobrir, pelo menos, os custos envolvidos. Deverá também acrescentar alguma renda para que o processo se possa manter. Mas a transação também tem que ser pensada. O produto ou serviço envolveu a colabaraçao de terceiros. O pagamento é feito na altura, é dilatado no tempo ou é pré-pago. Tudo isso influencia o rendimento. É também necessário pensar nos custos financeiros envolvido (impostos e segurança social). No final é necessário fazer o balanço de negócio. Satisfaz e é rentável?

 

Cultura e Dignidade Humana CXVI – Modelos de Negócio Criativo

Modelos de negócio no empreendorismo criativo

Os modelos de negócio são formas padrão de organização de atividades que tem como objetivos vender bens ou serviços no Mercado. Há vários tipos de negócio: una mais orientados para os lucros, outros mais solidários, no âmbito de atividades não lucrativas, outros ainda de âmbito da economia social.

Para escolher um negócio criativo é necessário tem em consideração que há dois modelos básicos: O modelo tradicional e o modelo Criativo.

  • no modelo tradicional, os produtos ou serviços são criados, são oferecidos a um público, que deverá pagar por esses produtos ou serviços. Para oferecer esses produtos é necessário divulgar a sua existência a a forma de os consumir. O marketing é o processo que ajuda a compreender esse processo, por isso lhe chamaremos a opção do mercado.
  • No modelo criativo para os resultados, o ponto de partida não se constitui em torno dum produto, mas dum problema. Há um determinado problema, que lhe chamaremos problema complexo (wicked problem).Os problemas complexos[1] implicam muitas vezes que a sua solução pode não ser enunciada previamente, sendo necessário que seja descoberta em processo. No início do processo não se pode enunciar o seu resultado final. A sua solução surge no processo através da criatividade. Por exemplo, se um empreendedor decidir fazer uma música, pode ter uma ideia geral sobre o tipo e o tempo do que quer fazer. Pode até decidir apresenta-la para um evento. Mas ao fazer essa música, ao juntar pessoas, ao apresenta-la num evento, o processo criativo será determinante no seu sucesso ou insucesso.

[1] Problemas complexos são questões que envolvem diferentes e contraditórios termos. São normalmente problemas económicos ou questões sociais, que envolvem escolhas. Nas questões complexas não haverá uma resposta única e universal, mas um conjunto de possibilidades que de acordo com a decisão a tomar influenciam de forma diferentes os dados iniciais dos problemas. A complexidade pode ser dinâmica (quando os termos de análise são afastados no espaço e no tempo), de inovação (quando o termo enunciado é novo ou desconhecido), ou social (quando há diferentes atores e interesses, com prespetiva diferentes, formas diferentes de entender a questão).1010

 

Cultura e Dignidade Humana CXIV – Mercado Criativo

Referencias

[1] Economia criativa em Portugal

Economia criativa. Os negócios também são arte

[2] http://unctad.org/en/Pages/DITC/CreativeEconomy/Creative-Economy-Programme.aspx

[3] wm Lisboa https://issuu.com/camara_municipal_lisboa/docs/lisboa_economia_criativa

Cultura e Dignidade Humanan CXIII – Mercado Criativo em sintese

Se queremos começar a construir uma economia criativa, há um certo número de pontos que temos que estar atentos:

Ter tempo. Não se pode desenvolver uma economia criativa num curto periodo de tempo. Tem que ser uma estratégia pensada a médio e longo prazo.

Em Segundo lugar. É necessário ser persistente. A economia criativa não se cria nu dia. É necessário ser perseverante e focar-nos naquilo que queremos criar

Em terceiro lugar é necessário comunicar, tem que se olhar para paisagem social do mundo global e procurar onde o produto se pode encaixar, que clientes se podem capturar. A comunicação é um elemento chave dos processos da economia criativa. Não esquecer que a comunicação é um processo dialógico. Que é através da comunicação que as alianças e parcerias são construídas, que é através da comunicação dialógica que o mercado se vai fazendo sentir.

Finalmente, a economia criativa não se aprende de fora. Aprende-se quando se faz e quando se está em processo.

Em síntese, a Economia Criativa é um conjunto largo de pequenas empresas, muito dinâmicas a adaptáveis, que atuam num determinado ambiente económico. São olhadas como uma alternativa de futuro e estão a criar prespetiva de transição económica, societal e ambiental através da criatividade e da inovação dos produtos culturais-

 

Cultura e Dignidade Humana CXII – Economia Criativa e Desenvolvimento Sustentável

Com a maioria de população a viver nas cidades e com a construção da agenda 2030, que trata dos problemas económicos, sociais e ambientais, a economia criativa pode ser prespetivada como uma proposta para a transição para um futuro sustentável. Como uma proposta da cultura para o desenvolvimento. Uma proposta centrada nas pessoas, no planeta e na prosperidade. Prosperidade relaciona-se com a economia. A economia sustentável não trata apenas do lucro, ou dos resultados, mas trabalhar com essa dimensão e com a inclusão social e cultural.

Por essa razão a economia criativa está na linha da frente do desafio da Agenda 2020 para o Desenvolvimento Sustentável.  Um mundo sustentável implica a dimensão económica, social e ambiental. Quer dizer que o produto oferecido tem que ser pensado desde o seu início até ao seu final como um produto sustentável.

Por exemplo, se se constrói uma casa, uma Estrada ou um outro qualquer equipamento, eles tem que ser sustentáveis. Por isso pensar a suatentabilidade tem que estar incluída no desenho do projeto. As industrias criativas tem que estar incluídas na discussão da sustentabilidade do produtos.

As estratégias de sustentabilidade têm que ser ambiciosas e criativas. Elas são sobretudo ação orientada. Nós estamos a discutir o desenvolvimento com um processo de mudança. Na cidade, numa região, numa rua, numa comunidade. Isso implioca uma certa ambição. Usar a criatividade, a inovação e a tecnologia para mudar os padrões de consumo e de produção. No conceito de desenvolvimento sustentável, tem que estar formulado a partir, da ideia base das industrias criativas: Criatividade, Conhecimento, Acesso à Informação e usar os instrumento dinâmicos que ela tem vindo a testar.

 

Cultura e Dignidade Humana CX – Trabalho Criativo

Por outro lado, as Industrias Criativas são também um setor de trabalho intensivo. Um produto cultural tem que ser produzido no tempo. O tempo é um dos valores mais caros do produto. Por isso, muitos produtos culturais e artísticos, como incorporam o tempo, são normalmente produtos caros. Em princípio a arte é cara.

O tempo é muitas vezes o fator básico do produto que se oferece. Quando um evento cultural acontece, uma performance, isso é muitas vezes uma manifestação única e exclusiva duma herança cultural num dado território. Por exemplo, a estatuaria africana não pode ser produzida na Ásia, ou vice-versa. As indústrias criativas, por vezes trabalham com produtos únicos que transportam identidades dos territórios onde são feitos.

Por vezes falamos de “produtos experiencias”. Produtos que são consumidos no momento em que são produzidos. As artes performativas, as artes do espetáculo são exemplos desta transitoriedade de produtos que são consumidos por uma audiência, também ela única. Dái a importância do local.

E finalmente uma última característica dos produtos culturais é o seu ciclo de vida, que na maioria dos casos é muito curta. Pode varia desde o momento à época da moda, mas em regra são produtos que tem ciclos de vida muito curtos. São atividades onde não basta ter uma boa ideia e construir a partir dela um negócio. É um negócio em que é necessário estar sempre a produzir ideias. Por isso a criatividade é fundamental, pois é um negócio onde o potencial advém da sua novidade, e o novo é um ciclo muito curto.

 

Cultura e dignidade Humana – CVII – Recursos

Aprofundar

 

Cultura e dignidade Humana CV – Conexões na Cidade

Uma outra questão relevante para o funcionamento da economia criativa, é o seu impacto e poder sobre as redes sociais, ligando virtualmente grupos de pessoas que partilham interesses e atividades.

Muitas empresas criativas usam os serviços de redes sociais para oferecer os seus produtos e ampliar a sua audiência. Através da ligação de pessaos e baixo custo, as redes sociais podem ajudar os profissionais criativos a expandirem os seus contatos e clientes, bem como colocar os seus produtos no mercado global..

As novas plataformas digitais, como blogs, foruns e wikis (sites colaborativos) são também poderosas ferramentas para facilitar a co-criação entre criativos de diferentes partes do mundo

 

Cultura e Dignidade Humana CIV – Redes e conexões da Economia Criativa

Atualmente na era pós industrial, muitas cidades estão a fazer uma transição. Os processos de manufaturação e industrialização estão em desaparecimento e está a ser dada uma maior atenção aos serviços direcionados e aos setores de tecnologia intensiva.

Esse conceito de transição urbana tem vindo a ser aplicado no planeamento urbano para a regeneração das cidades. A Cidades criativas podem usar o potencial de criatividade de muitas formas. Essas cidades procuram ativar os seus recursos culturais para atrair empregos e investimentos criativos. As cidades criativas colocam em evidência as atividades cirativas para valorizar a vida urbana, a coesão social e a identidade cultural.

Em 2004, a Unesco criou a Rede de Cidades Criativas para valorizar o papel da cultura na sociedade como parte da sua economia. (www.unesco.org/culture/creativecities).

 

CIII – Cultura e Dignidade Humana – Lugares das Economias Criativas

Apresentamos a dinâmcia da co-criação, os projetos das cidades criativas, e o papel das redes de desenvolvimento e comunicação para promover o mercado de produtos criativos

Sumario:

  • Descrever as dinâmicas da co-criação, os clusters criativos e as cidades criativas;
  • Identicar a relevância das parcerias e das redes para a promoção da cultura do empeendorismo criativo;
  • Reconhecer a importância de estar ligado e das plataformas digitais para os produtos criativos

 

No nosso mundo globalizado e intedependente, pessoas, mercados e lugares estão interconectados. Para entender a dinâmica da economia criativa, os indivíduos e as organizações devem ser proativos e estarem envolvidos no setor criativo, mas duma forma em que interagem uns com os outros. A economia criativa é uma grande rede que envolve múltiplos atores.

Para ser ser eficiente, a economia criativa necessita de ser inclusiva. Requer um processo de participação, o que significa que deve juntar e envolver os representantes do setor público, do setor privado e do setor solidário (ou não lucrativo /economia social) e sociedade civil.

A Economia Criativa tem as suas peculiaridades. Grupos ou locai de economia criativa podem surgir em qualquer lugar. Mas o seu crescimento pode ser exponencial se as condições para a constituição de clusters puderem emergir. A proximidade a um cluster é uma condição qu permite às empresas criativas sobreviverem e crescerem.

Todas a industrias criativa tem a sua estrutura organizacional, mas normalmente envolvem áreas de artesanato, música, filmes, artes visuais, novos media, moda, etc. que tende a clusturizar para criar economias de escalas. Os profissionais das artes e criação podem beneficiar dos mercados e da informação, podem partilhar cursos e conhecimentos. De certa forma eles são competidores mas são ao mesmo tempo colaboradores entre si, uma vez que aproveitam os saberes e os fazeres locais.

Um exemplo bem conhecido da clusterização das industrias criativas é Hollywood nos Estados Unidos e Bollywood em Bombaím na India.

 

Cultura e Dignidade Humana – CII – Recursos sobre Economia Criativa

Recursos adicionais.

Augusto Mateus (2010) O Sector Cultural e Criativo em Portugal: Estudo para o Ministério da Cultura

Augusto Mateus (2013) . A cultura e a criatividade na Economia Portguuesa.

Augusto Mateus (2016) A Economia Criativa em Portugal: Relevância para a Competitividade da Economia Portuguesa

http://creativeconomy.britishcouncil.org/resources_new/

https://cirquedumonde.app.box.com/s/dq719esu46eh7nklamaqp1r3vlyy3ghs

UNCTAD & UNDP – Creative Economy Report 2010 pdf 

UNESCO: Cultural times – The first Global Map of Cultural and Creative Industries pdf 

UNCTAD – Capturing the Creative Economy in Developing Countries ppt (1.2 MB)

Bas RAIJMAKERS, Eindhoven Danielle ARETS “Thinking Through Making – An approach to orchestrating innovation between design and anthropology pdf (491 KB)

Tim INGOLD. “Thinking through Making” at Pohjoisen kulttuuri-instituutti – Institute for Northern Culture (video lecture) (25 min 29 sec)