Arquivo de etiquetas: Ecomuseus

Serra de Mú

Serra do Mú ( Caldeirão )

Para além de um Alentejo plano, de horizontes infindáveis, onde o Sol adormece num mar sereno.
Um mar verde e amarelo, nasce outro Alentejo.
Esse da discrepância Natural, feito de Serras.
Altos e baixos, arbustos e plantas, gentes e gentes…

É assim a Serra.

Serra ( Manuel Alves )

Expandida por uma vasta área e englobando diversas freguesias, entre elas S. Barnabé, Santa Clara a Nova, Santa Cruz e Gomes Aires, todas elas plenas de riquezas. Naturais, construídas. Algumas conhecidas, muitas incógnitas. A Serra esconde em si váriadíssimas espécies, quer animais, quer vegetais.
A flora, densa e fechada nos umbriais,constitui-se de uma paisagem mediterrânica, onde quem domina é a esteva, o medronheiro, o sobreiro, a azinheira, a urze,o rosmaninho e muitos, muitos mais…
Nela habitam espécies raras como o lince ibérico, a águia de Bonelli, o javali, o saca-rabos, as lontras e aves que voam livremente pelos céus recortados de um labirinto de montanhas

Rio Vascão ( Rui Santana )
.Javali ( Rui Santana )

O Património Cultural e monumental marca também uma das mais importantes presenças na Serra. São testemunhas de uma longa ocupação, desde a pré história até aos dias de hoje. Diferentes povos, diferentes culturas que usaram os campos montanhosos, mas férteis, vivendo de uma agricultura de subsistência e da pastorícia.
Deixaram aqui a sua marca, do seu modo de vida, inovações e crenças.

Palheiro ( Manuel Alves )

Porém, o tempo não perdoa e a evolução afecta a Serra. Os mais novos partem, e os mais velhos também.
Esta desertificação nota-se na face, muitas vezes cansada dor seus habitantes: reflexos da dor de ficar só.
Mas os que teimam em ficar, produzem alguns dos melhores produtos regionais, entre os quais, o queijo de cabra e ovelha, o pão caseiro, os enchidos e a tão apreciada aguardente de medronho, para além, é claro do artesanato e muito mais…
Razões para nos visitar não faltam, aproveite!

Casa rústica - Monte da Atalaia - (Rui Santana)

Texto : José Carlos Adão
Fotos : Rui Santana e Manuel Alves

A Serra é um não acabar de surpresas, é um sítio onde olhar o horizonte é olhar o infinito…

Pôr do sol no Mú ( Rui Santana )

Foto de João Mendes Foto de João Mendes
Palheiro em Pomar Velho Palheiro em Monte da Ribeira
Foto de João Mendes Foto de João Mendes
Moinho reconstruído em Monte do Malhão Ribeira de Odelouca – Várzea de Ourique

Que Museus para o século XXI?

Com base na questão “como definir os museus no século XXI” o ICOFOM, o comité do ICOM para a Teoria Museológica, em março deste ano, lançou o desafio de se apresentarem propostas para discutir e propor uma atualização sobre a definição do que é um Museus.

E atual definição de Museu, usada desde 2007 pelo ICOM é recorde-se: “o museu é uma instituição permanente, sem fins lucrativos, a serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público, que adquire, conserva, estuda, expõe e transmite o património material e imaterial da humanidade e do seu meio, com fins de estudo, educação e deleite” .

Essa mesma definição é usada na Nova Recomendação da Unesco sobre Proteção e Promoção dos Museus, Coleções da sua diversidade e Função Social, que a nossa Direção Geral do Património Cultural, apesar de signatária,  continua a não disponibilizar no seu site.  Trata-se naturalmente duma questão complexa, que exige elevados recursos, que será feita logo que possível.

Vem isto a propósito da próxima discussão sobre a nossa Rede Portuguesa de Museus, desaparecida ou minguada desde 2012, que agora se procura reativar.

Sem dúvida que é de saudar esta oportunidade de se pensar para o futuro. Esperemos que agora seja possível pensar  uma rede portuguesa (ao invés da pirâmide burocrática), incluindo as novas formas de “museus” que hoje estão presentes nas nossas cidades. Processos centrados nas pessoas e nos seus objetos patrimoniais.

Apenas para dar uma ideia do que se está a passar no mundo dos museus, e porque que não se desperdicem novamente tempo e recursos públicos vale a pena acompanhar a discussão:

  1. Nos próximos dias 9 a 11 de junho em Paris, na Sourbonne o seminário do ICOFOM – Definir o Museu no século XXI
  2. Entre 25 e 29 de setembro, em Havana, o 40º simpósio anual do ICOFOM “Política e Poética da Museologia”
  3. Finalmente, a 25 de novembro a conferencia do Eulac “defenir museus para o século XXI, a realizar na Universidade de Sant Andrew, na Escócia

Ainda é possível participar nestes eventos para quem estiver interessado.

A questão que vale a pena acentuar nesta  discussão sobre os desafios para os museus, não será tanto pensar sobre que ou quais contornos deve ter ou não ter um museu (recorde-se que é isso que leva a que na exuberante legislação portuguesa, a burocracia decida sobre quem é ou quem não é museu, quem pode ou não pode aceder à rede, quem beneficia ou não das probendas públicas, etc…), ao invés de pensar como é que os processos museológicos contribuem para o desenvolvimento da sociedade. E para isso precisamos de museólogos mediadores, capazes de identificar as dinâmicas da sociedade em que se inserem e de apresentarem propostas inovadoras. Capazes de produzir ações de educação patrimonial para e na cidade.

O risco que enfrentamos é que os museus portugueses fiquem cristalizados no século XIX. Felizmente que a realidade acaba por se impor! Tanto mais não seja porque a cultura é um direito que temos que exercer.

O inventário participativo no Colóquio de Gemona (junho 2016)

Algumas observações e conclusões de Huhghes de Varine  [1]. As notas apresentadas não são opiniões ou propostas elaboradas, mas apenas algumas ideias suscitadas pelo debate no colóquio.

Elas merecem certamente uma reflexão e um debate, para aprofundar coletivamente alguns conceitos e determinados problemas.

Nem todos os participantes foram da mesma opinião ou derem contribuições elaboradas, mas aqui apenas apresentamos as ideias base e as estruturas das intervenções e do debate que aconteceu no seminário. Fazemo-lo para permitir o aprofundar coletivo de certos problemas.

Algumas observações iniciais sem comentários:

  • O património está vivo, por isso muda, transforma-se, ele transforma-se, deteriora-se, valoriza-se. Quando está morto, entra no museu ou desaparece.
  • O olhar sobre o património também muda, segundo a evolução do mundo e pela passagem das gerações. Donde os inventários, os diagnósticos, e as políticas do património, sobretudo quando são participativas devem evoluir.
  • Para o cidadão o património é um todo que faz parte da sua vida, do seu ambiente e da sua cultura, as palavras material e imaterial não têm sentido.

O processo de gestão do património compreende várias fases, nas quais as principais são:

  • Em primeiro lugar o inventário, que implica a tomada de consciência, a educação, a concertação dum trabalho coletivo, do maior número possível de membros da comunidade
  • De seguida, o tratamento dos dados: exposições, carta do património (que é o equivalente a uma exposição), dois arquivos (o meio e o conteúdo[2]), que servem também para a devolução á comunidade
  • Por fim a gestão propriamente dita, que inclui todas as ações sobre o património, debaixo do chapéu da gestão, e todas as ações de gestão do património, debaixo do título ambíguo de “valorização”, que implicam uma responsabilidade individual e coletiva da população.
  • A “valorização” pode assumir duas formas:
    • A partir do valor intrínseco do património e dos seus elementos, torna-se necessário protegê-lo, restaura-lo, torná-lo visível, organiza-lo como componente da identidade do território e da comunidade, para a educação dos cidadão e o lazer dos visitantes é necessário; é uma ação de carater cultural e de interessa público geral de deverá ser financiada pelos poderes públicos e eventualmente pelos mecenas privado; esta atividade deve igualmente mobilizar todas as boas vontades locais e os saberes técnicos e científicos, e saber fazer-se ouvir no exterior;
      • Temos como exemplos típicos desta forma de ação patrimonial em Gemona, com a reconstrução do Castelo, ou em Verona com a anastilose geral, a partir do valor do património considerado como capital cultural e social ou por vezes também potencialmente económico do território e da comunidade de habitantes;

É necessário colocar o património na agenda, de o tornar vivo e utiliza-lo para contribuir para a qualidade de vida e do ambiente dos habitantes; a ação patrimonial é então uma componente do desenvolvimento sustentável do território, nas suas dimensões culturais, socias e económicas, é uma realidade e é na eficácia do seu contributo que se encontra a sua justificação e os seus meios.

  • Encontramos um exemplo desta conceção em Gemona, com a fileira económica do agroalimentar do “Pan di Sorc”, ou em Paysalp nas parcerias com a cooperativa de queijo. Estas formas não são opostas nem concorrentes. São complementares mas seguem lógicas diferentes. É apenas necessário ter claro quais são os objetivos de cada uma e não os confundir.

A questão dos limites a patrimonialização coloca-se de duas maneiras:

  • Para o inventário oficial (catálogo) que implica uma proteção, seja por um arquivo, seja para os museus, é indispensável fixar os limites, para evitar, por absurdo, trata uma infinidade de dados, que tornaria os poderes públicos responsáveis por atividades que seriam impossível assumir. Mais, porque o simples ato administrativo de patrimonialização, retira de facto a responsabilidade de proteção aos seus detentores culturais. (proprietários individuais e coletivos), em benefício duma instância administrativa de controlo.
  • Para o inventário ecomuseal, no sentido do Ecomuseus di Fier Monde, a patrimonialização é o resultado de uma deliberação que associa a comunidade e os proprietários dos bens, não com base num espírito de arquivo ou de conservação, mas com um objetivo de conhecimento e partilha de um bem comum e de gestão dinâmica participativa e responsável desse bem
    • Aqui a noção de limite é formulada por critérios de utilidade (ou funcionalidade) e sensibilidade, através dos quais de afere a capacidade da comunidade de se encarregar da responsabilidade desse património.

A participação é uma palavra vaga que cobre pratica sociais diferentes: seja da simples formação duma codecisão, passando por diferentes aspetos da concertação e consulta.

  • No caso do inventário a participação envolve diferentes aspetos do processo:
    • A escolha dos elementos do património a colocar nos inventários (por exemplo o mapa de comunidade),
    • A responsabilidade pela preservação;
    • A curadoria,
    • A utilisação dos elementos,
    • A pesquisa sobre os elementos referenciados como património,
    • Mobilizar os saberes dos membros da comunidade, para além do estrito inventário
    • E a validação dos produtos de valorização (por exemplo, exposições, publicações)

É necessário também entender que a questão de representatividade dos participantes (segundo se trata de pessoas físicas ou de associações ) ao longo do processo

  • Não poderemos nunca incluir a totalidade da população, nem mesmo a sua maioria. A questão é saber que a parte que participa é mais ou menos significativa da diversidade da comunidade.
  • Então o problema será o seguinte:
    • Como alargar o grupo de participante para além da primeira fase do inventário?
    • É necessário não esquecer que há sempre dois modos de participação:
      • O visível, que ó o das pessoas que incluem os grupos de trabalho ou que aportam a suas contribuições materiais ou física para a ação;
      • E a invisível, que é aquela que decorre da troca de informações informais no grupo, que é mais difusa, que se desenvolve no interior dos grupos como crenças, e que se exprime de forma informal, através da participação visível nos grupos formais.

O inventário no tempo. Atualmente, em Itália, o inventário está reduzido ao Mapa da Comunidade, que é uma fotografia do património num dado momento.

  • A questão coloca-se em relação a Gemona sobre a extensão do inventário para além do mapa: como fazer se ele é uma ferramenta interativa em permanente transformação (ver Parabiago ou Val di Merse).
  • Como fazer com o inventário em face da evolução do olhar das populações e em função da sucessão de gerações (fator interno) ou das influências culturais que resultam da globalização dos gostos e das práticas (fator externo).
  • É necessário repetir o exercício periodicamente, (com que periodicidade?), ou é submetê-lo a validação interna e externa cada vez que à perceção da alteração do olhar da comunidade sobre o património.
    • Quais serão então os indicadores e como os interpretar?
    • Qual é o papel das equipas de profissionais?

A avaliação tem estado relativamente ausente ou pouco referenciada nas discussões, mas ela também se aplica ao processo de inventário e à gestão participativa do património.

  • Ela pode ser vista a partir de dois pontos:
    • Do desenvolvimento e dos resultados do inventário, tendo em conta o objetivo inicial e o método de escolha, o modo de verificação da realidade e a realidade da participação e o seu caráter representativo, e seu significado;
    • O comportamento da equipa de animação e de recolha do inventário. O seu respeito pelos princípios ligados à vontade de fazer participar a participação, a relevância do seu papel (manipulação, recolha de informação, mediação, rigor com o guião metodológico, deontologia).

Ultrapassar a Crise. Podemos estar a pensar duas formas de pensar o património.

  • De que se trata duma crise grava, mas temporária. Um dia, mais ou menos próximo, o nosso mundo europeu reencontrará o seu equilíbrio, e o financiamento à cultura e ao património regressarão, em diferentes escalas de território e reencontrarão os níveis anteriores à crise.
    • Neste caso, interessa manter o património através da máxima participação dos cidadãos, nomeadamente através do voluntariado.
  • Mas no caso de não se tratar duma crise clássica, mas do fim da ilusão dum crescimento perpétuo e o início uma nova fase que ninguém pode prever o fim nem as formas de chegada.
    • Nesta possibilidade interessa refletir, na escala dos territórios, o que é que deve ser conservado, reutilizado, ou simplesmente documentado, para reforçar as raízes da cultura e da qualidade de vida dos modos tradicionais.
  • Nestas duas hipóteses, o conceito de crise é desmobilizador e não produtivo. É necessário pensar sobre os fatos exteriores da responsabilidade de um eventual dissolução da cultura tradicional e do seu património.
  • É então necessário manter uma ação sobre o património evitando um envolvimento demasiado ambicioso. É aí que se compreende a moratória sobre a criação de novos museus e dos investimentos desproporcionados no património.

De que se trata então? Da gestão o património ou da gestão dos elementos do património que pertencem ao mapa da comunidade ou a um qualquer catálogo ecomuseal, ou ainda à gestão do ecomuseu como instituição pública? Esta questão, que não se colocou desta forma, ficou sem resposta.

  • Do lado dos ecomuseus, é claro que a existência de leis regionais em muitas regiões de Itália faz do Ecomuseu um objeto político e administrativo que o distingue dos museus tradicionais e que o institucionalisa, impondo-lhes certos limite (efeito etiqueta).
  • No que se refere ao património, para além do inventário, torna-se necessário definir uma política com os habitantes do território, que compreende, no mínimo, três grande fases.
    • O conhecimento, (incluindo o balanço) do património sobre todas as formas (o inventário propriamente dito), o controlo do património, que inclui a preservação/conservação e o acompanhamento da sua transformação no tempo, a exploração do potencial (cultural, social, educativo, económico) dos elementos do património, no quadro de uma estratégia de desenvolvimento sustentável do território.

O impacto económico do património é significativo, em termos de emprego, de valor acrescentado sobre as matérias-primas e produções locais, de novas atividades ou atividades tradicionais não deslocalizáveis, a autossuficiência e a formação de circuitos curtos de consumo, etc. Alem disso o efeito da frequência turística

  • A gestão do património dever produzir uma oferta que responda à procura exterior (no caso do turismo), ou responder à prioridade de uma procura endógena que emane da própria comunidade, das instituições que a representam ou a servem (administrações comunais, escolas), ou ainda dos novos residentes á procura de raízes?
    • A relação com as empresas do território não se devem limitar apenas ao mecenato, (não há empresas mecenas, apenas aos chefes e diretores das empresas que fazem mecenato através da empresa. É preferível e mais durável falar de parcerias (uma cooperação sobre um objeto comum para objetivos diferentes) ou da responsabilidade social (olhando para os salário da empresa, das suas famílias e de uma forma geral do território ou empresa implantada)

Problemas de debater que não foram suficientemente abordados:

  • Como garantir – e controlar – a qualidade dos produtos turísticos, agroalimentares, culturais, utilizando a património ou programas ecomuseais?
    • A questão da marca de origem ou do ecomuseu ele mesmo. Qual o balanço social da política do património e do ecomuseu.
      • Tem um efeito efetivo sobre a sua população, nomeadamente sobre a sua avaliação
      • Que modo de governação para o ecomuseu como instrumento da comunidade para gestão do património
      • A clássica associação (ONLUS em Itália), la cooperativa associando diversas categorias de atores e de parceiros, empresa de economia social, empresa mista controlada pela administração comunal, fundação, etc..

Finalmente uma reflexão: é necessário um debate e uma experiencia sobre os dois sentidos da palavra valorização: Parece-me indispensável, procurar uma possível definição para o vocábulo Valorização, porque em inglês não existe a palavra valorização, e devemos evitar confusões.

As palavras. A oficina deu conta durante o debate, de numerosos vocábulos importantes, que necessitam duma espécie de léxico. Muitas das palavras fazem parte duma linguagem corrente, e aplicam-se a conceitos variados. Será útil dar-lhes um sentido «eco museológico» para evitar mal entendidos.

[1] https://inventariopartecipativo.files.wordpress.com/2013/05/notes-gemona-rev-hdv.pdf

[2] E necessário dizer que o arquivo não seja constituído apenas por documentos administrativos e científicos (de conteúdo), mas também por documentos fáceis de compreender e de leitura fácil, ilustrados, e acessíveis de diferentes níveis de leitura (o meio /comunicação)

A Ecomuseologia afirmou-se em Milão por Huges de Varine

Je reviens de Milan, où j’ai pu participer au Forum des écomusées et musées communautaires(6-8 juillet) qui se tenais pendant la 24° Conférence générale de l’ICOM. J’y ai constaté que l’écomuséologie, comme expression du mouvement écomuséal mondial, existe bien. Comme les écomusées qui lui ont donné naissance, c’est un processus qui ne se réduit pas à une définition ou à des manuels, mais qui invente sans cesse de nouvelles solutions aux problèmes de notre temps, à la lumière et avec l’aide du patrimoine.

On trouvera plus tard dans le Rapport final qui sera publié, les détails de cette rencontre et les résultats obtenus. Je veux seulement, à chaud, livrer mes impressions et conclusions personnelles, sans littérature et sans précautions diplomatiques.

1. il y a un socle commun de principes et de pratiques, partagé par tous ceux qui se reconnaissent dans les termes “écomusée” ou “musée communautaire”. Ce socle va sans doute, dans les mois et les années qui viennent, servir de base à une “plate-forme” internationale, qui est déjà préfigurée par le réseau des écomusées italiens et par une impressionnante liste d’engagements individuels souscrits le 7 juillet à Milan, sur une feuille dont je donne ici, symboliquement, la photo.

.2. après avoir pris en considération le thème de la Conférence générale de l’ICOM, “Le musée et le paysage culturel“, les écomusées ont unanimement reconnu que chacun d’eux est, sur son territoire, le paysage, puisqu’il a vocation pour traiter et gérer le patrimoine vivant de la communauté, avec celle-ci, sans faire de différence entre le naturel et le culturel, ou entre le tangible et l’intangible.

3. les contacts pris avant le Forum et pendant celui-ci, tant avec l’ICOM qu’avec l’ICOMOS, ont clairement montré que les écomusées se situent entre ces deux mondes, celui des musées de collections et celui des monuments et des sites protégés, en ce qu’ils représentent le patrimoine et le paysage vivants, in situ, pour en faire des matériaux, des acteurs et des facteurs de développement, de cadre de vie et de qualité de vie, au service et avec la participation des populations.

4. l’écomusée est un projet culturel, social, éducatif et économique, qui ne peut pas se réduire à l’une de ces dimensions. Il est en outre trans-disciplinaire, en ce qui ne peut privilégier un seul mode de connaissance et d’interprétation du patrimoine et du paysage. Pour ces raisons, il ne peut appartenir au seul secteur culturel, comme c’est actuellement généralement le cas, et encore moins au seul secteur des musées, au sens traditionnel..

5. la collaboration entre tous les écomusées, qui a été tellement souhaitée à Milan, sera toujours difficile parce que les écomusées sont des structures pauvres et isolées, leurs responsables parlent peu les langues étrangères. La plate-forme dont je parlais plus haut sera donc sans doute surtout virtuelle et progressivement investie par les plus jeunes. Mais cela n’arrêtera pas les programmes et les projets entre écomusées de différents pays.

6. Le Forum a bien montré l’importance des réseaux d’écomusées, à tous les niveaux, régional, national et international. Ce seront probablement ces réseaux qui devront s’organiser pour être en mesure d’échanger, de partager, de se montrer solidaires et de témoigner des enseignements, des innovations et des solutions expérimentés.par leurs membres.

7. Les écomusées italiens sont actuellement, dans le monde, le principal laboratoire d’écomuséologie, par leur nombre et leur diversité, par leur créativité aussi. Ils offrent une gamme complète de toutes les formes d’écomusées, urbains, périurbains et ruraux, municipaux ou associatifs. Leur expérience des législations régionales, leur tentative actuelle d’organisation nationale, les difficultés qu’ils rencontrent face aux conditions socio-économiques actuelles, rendent très utile l’observation de leurs évolutions et de leurs réflexions.

 

Bien entendu, de nombreux écomusées ou musées communautaires n’étaient pas présents à Milan, presque toujours pour des raisons financières. Une vingtaine de pays seulement étaient représentés, mais les contributions envoyées venaient de plusieurs autres

En attendant les publications et le rapport final qui ne devraient pas tarder à être disponibles sur Internet, on peut trouver des informations sur le Forum, les communications qui lui ont été soumises et sur l’atmosphère générale des débats sur le site www;ecomusei. eu. On peut aussi s’adresser à ce site (info@ecomusei.eu) pour faire des propositions et marquer son intérêt pour la plate-forme à venir.

Merci enfin à nos amis italiens pour cet apport à la cause du patrimoine et du développement.

Documento Estratégico dos Ecomuseus Italianos

Este texto constitui um primeiro instrumento, resultado de uma posição comum e diversos encontros realizados em alguns ecomuseus italianos desde 2014, com o objetivo de criar uma Rede Nacional de Ecomuseus. foi elaborado em junho de 2016.

Os ecomuseus funcionam como processos participativos de reconhecimento, de gestão e de administração do património cultural local, destinados a favorecer o desenvolvimento social, ambiental e uma economia sustentável.

Os ecomuseus são estruturas de projeto que propõem colocar em relação as técnicas, as culturas, as produções, e os recursos de um território homogéneo, apoiando-se nos bens culturais que existem.

Os ecomuseus são percursos de crescimento cultural das comunidades locais, criativos e inclusivos, baseados na participação ativa dos habitantes e a cooperação de outros organismos e associações.

  1. Preâmbulo

Recordando os princípios que fundaram as ações colaborativas entre os ecomuseus desde o seu início, pretendemos com este documento contribuir para a génese, desenvolvimento e evolução das experiencias ecomuseais que podem favorecer o surgimento de modelos virtuosos de um desenvolvimento local sustentável

No novo horizonte dos ecomuseus deverá ser marcado por uma museologia mais empenhada na busca de estratégias alternativas de valorização do património cultural, vinculadas à procura e às mudanças que emanam das comunidades locais. Uma museologia que seja capaz de testar todas as possibilidades de gestão do território e de utilização dos seus recursos, mobilizando a criatividade local e colocando em marcha um projeto coerente de valorização do património cultural com o objetivo de aumentar o bem-estar, não apenas económico, da comunidade local, mas também pela valorização cultural, pela beleza da paisagem e pelo fortalecimento do capital social comum. Uma museologia que associe o passado e a memória às novas oportunidades de desenvolvimento, que respeitem o espírito do lugar e as heranças culturais locais do local.

Os ecomuseus vivem independentemente das coleções, existem porque trabalham a partir da centralidade de um património especial, AS PESSOAS, estimulando a sua sensibilidade de dando sentido aos seus esforços.

 1.1.Situação atual

Os ecomuseus italianos viveram um período particularmente dinâmico na primeira década deste século, quando se assistiu a uma multiplicação das leis regionais, mas também da organização de encontros de debate e intercâmbio a nível nacional e europeu.

Três organismos desempenharam uma importante função na definição dos critérios de referência e na produção de normas de funcionamento dos ecomuseus italianos: o Laboratório de Ecomuseus de Região de Piamonte, o Observatório dos Ecomuseus de IRES Piamonte e as Comunidades de Práticas “Mondi Locali”

Existem em Itália uma centena de estruturas operacionais que podemos qualificar como ecomuseus. Estão divididas em quase todas as regiões do país. Atualmente as leis específicas sobre os ecomuseus foram adotadas em 12 regiões ou províncias: autónomas: Piamonte (1995), Trento (2000), Friuli Venezia Giulia (2006), Sardenha (2006), Lombardia (2007), Umbria (2007), Molise (2008,) Toscana (2010), Puglia (2011), Veneto (2012), Calabria (2012) e Sicilia (2014). Com base nestas leis foram reconhecidas diversas realidades locais que refletem a qualidade e a complexidade das formas adotadas nos procedimentos únicos, mas também a sua capacidade de intervir nos processos territoriais em curso.

A situação varia muito de um caso para outro: em todas as regiões dotadas de uma lei, estimuladas pelos ecomuseus mais ativos, utilizaram-se ou procuram-se critérios de seleção que sustentam os ecomuseus mais dinâmicos e participativos. Regiões como a Emília-Romana, pelo contrário, escolheram-se outras modalidades para o reconhecimento e o financiamento dos ecomuseus existentes, de forma mais pragmática ou pelos contratos de projeto com o Instituto Regional de Bens Culturais. Inclusive, hoje em dia, apesar da significativa redução do financiamento público, os ecomuseus são uma realidade viva e dinâmica que, em face dos resultados concretos alcançados e dos trajetos percurridos, procuram entrar numa fase nova e fecunda.

1.2 Consolidar a experiencia adquirida de “Mondi Locali”

Nascida em 2007, com a finalidade de partilhar projetos e os percursos dos seus membros, a comunidade de Práticas “Mondi Locali” representou para muitos Ecomuseus um suporte e um instrumento eficaz de patilha e crescimento. Entre as atividades propostas pelo “Mundo Locali” destacam-se:

  • O dia da paisagem, levado a cabo pela primeira vez em 2007, para promover as ações de cidadania ativa. Pode contar, ao longo dos anos, com a participação de numerosos ecomuseus de diversas regiões italianas que contribuíram para ampliar o evento (www.ecomusei.eu) e manter as relações de encontro e colaboração.
  • As experiências formativas do módulo JET – Jovial Ecomuseum Training – um percurso de crescimento de capacidades em termos de elaboração de projetos, de relações humanas e gestão de pessoal dos ecomuseus. Utilizadas em diversas situações com colaborações de centros de pesquisa e universidades, oferecem a numerosos colegas a possibilidade de encontro e compreensão do potencial das práticas ecomuseais.
  • A experimentação do “Mapa da Comunidade”, como instrumento de participação da população no reconhecimento do seu próprio património cultural. Desde as primeiras experiencias nos ecomuseus piamonteses, a prática estendeu-se a todos os ecomuseus italianos e, recentemente, foi integrada nas práticas e procedimentos de planificação da paisagem.

1.3 Estratégias e objetivos

Para assegurar a continuidade dos processos comprometidos nestes últimos anos e garantir a sua manutenção a nível local e nacional, surgiu a estratégia de consolidar as experiências dos ecomuseus através dum intercâmbio colaborativo e dinâmico entre estruturas ecomuseais e outras instituições que se ocupam do património cultural.

As associações territoriais, do nível local até ao regional, são importantes interlocutores dos ecomuseus, para garantir a sua viabilidade e acrescentar valor aos processos de participação e aos objetivos de desenvolvimento local. Na realidade, quanto mais estreita é a relação entre o ecomuseu, as autoridades públicas e as instâncias de participação da população, maiores perspetivas se abrem para operar eficientemente no território e para reforçar a rede de colaboração local.

Mas a complexidade dos “mundos locais” atuais impõem a necessidade de procurar novas alianças com as experiencias e as organizações semelhantes, com os quais partilham princípios e objetivos.

Alguns exemplos:

  • À escala local: Institutos e organismos regionais para o património cultural, inspeções, parques, organizações ambientais, universidades, organizações de comércio justo e solidário, serviços sociais e de saúde pública;
  • À Escala nacional e internacional: O ICOM, Sociedades Territoriais, Slow Food, militantes da Nova Museologia, Redes internacionais de Ecomuseus e Museus de Comunidade.

Para tornar eficaz e sobretudo visível o movimento ecomuseal, propomo-nos construir uma rede permanente a nível nacional.

Propomos para esse fim iniciar uma fase constituinte, através de um roteiro articulado em fases sucessivas para a definição de estruturas, modalidades e objetivos específicos da futura Rede Nacional de Ecomuseus.

Paralelamente, propomos promover momentos concretos de intercâmbio entre os ecomuseus, na seguinte forma: l

  1. Organizar atividades e projetos com o fim de colocar mais em colaboração ecomuseus italianos e estrangeiros sobre temas decididos em comum, de maneira a proporcionar o intercâmbio a cooperação nacional e transfronteiriça;
  2. Colocar em Rede a os projetos em curso e comunica-los;
  3. Monitorizar os resultados alcançados.

Para levar a cabo este programa, procuraremos financiamento europeu (ver sobre esta questão o projeto www.ecoslowroad.eu).

 2. Agenda 2016. Projetos para o futuro dos ecomuseus

Nessa perspetiva e também em função da eventual utilização dos Fundos Europeus para a Cultura 2014-2020, a Agenda Ecomusei 2016, propõe-se promover soluções ecomuseais e projetos capazes de tornar possíveis pequenas revoluções culturais que utilizem o património local numa visão holística, segundo os métodos e práticas para o seu conhecimento e uso amplamente partilhados. Os Ecomuseus deverão constituir-se como promotores de laboratórios/observatórios do património, amplificadores locais da ideia ambiciosa e fértil de uma “cultura territorial” capaz de ativar os processos de Patrimonialização, apoiados num conjunto de soluções intelectuais e morais, mas também por tecnológicas e práticas.

Os objetivos previstos para a Agenda 2016 que os ecomuseus têm a intenção de promover são as seguintes:

  1. Apoiar os processos de territorialização, selecionando as boas práticas a reproduzir, que ofereçam regras sustentáveis de governo do território (construtivas, adaptáveis, ecológicas, relacionais, etc.) para encontrar e promover a cultura da salvaguarda e o apoio à gestão do património local, num período onde a proteção e tutela italiana do património seja alvo de uma menor atenção. Os ecomuseus valorizam a identidade dos lugares, os laços entre as comunidades e os seus contextos de vida; é importante que o ecomuseu contribua para a tomada de consciência sobre o território, propondo ao “projeto de paisagem” elaborado de maneira participativa, nos quais as comunidades de reconheçam através duma sociabilidade renovada.

Os ecomuseus podem desempenhar um papel importante nos processos de revitalização e repovoamento dos territórios desfavorecidos (lugares de montanha e também em áreas em recessão), sobretudo pela co implicação dos “novos habitantes”, na medida em que estas pessoas transportem modos de vida sustentáveis, capacidades profissionais inovadoras e uma manifesta sensibilidade para as expressões culturais da tradição local.

Comprometer os processos de patrimonialização, para favorecer os movimentos la regeneração do património cultural local, evitando que o património territorial se desqualifique pelo contacto com os modelos consumistas estrangeiros. Adotaremos modalidades de participação permanente das comunidades locais nos processos de inventário, de tomada de decisões e da gestão do património local, favorecendo os modelos de cidadania ativa e de subsidiariedade vertical e horizontal.

A partir da relação complexa entre as novas tecnologias e a comunicação, os ecomuseus deverão ser capazes de tornar acessíveis os seus conteúdos culturais, difundindo-os através das redes sociais, com o objetivo de os fazer contribuir para a construção de inventários participativos do património, que desempenham um papel importante na formação do “sistema patrimonial”.

Será dada preferência a uma perspetiva que olhe para o património cultural como um recurso indispensável para o desenvolvimento do território e não apenas um quadro de referência para esse desenvolvimento; uma perspetiva que considere os diversos atores sociais como criadores dessa herança, em vez de serem utilizadores ou recetores passivos. Todo isto deve fazer-se através de um processo de reconhecimento e interpretação das tradições e dos valores territoriais autênticos. É particularmente importante, neste contexto, ter em conta a valorização do património imaterial (Convenção de Faro[1]).

Para atingir estos objetivos, propomos o seguinte programa de trabalho que constituirá a Agenda Ecomusei 2016.

  •  Formação e pesquisa

Organizar a colaboração com organismos de pesquisa públicos e privados, as associações e as fundações; promover a formação de mediadores de processos de participativos; chegar a acordos com “spin-off” universitários para que se possa encontrar nos territórios dos ecomuseus um âmbito de aplicação para as suas investigações no domínio da inovação empresarial, de experimentação e incentivo ao autofinanciamento e autogestão; explorar formas e métodos de avaliação de resultados obtidos pelos processos de ecomuseais de desenvolvimento local que poderão constituir-se como referência para boas-práticas.

Propomos o desenvolvimento de um modelo de colaboração para fazer circular pelas universidades, fundações e empresas do terceiro sector, para promover o nascimento de novas relações entre os ecomuseus e os organismos que tenham uma oferta de formação em temas de gestão e administração do território e de avaliação do impacto dos projetos locais de desenvolvimento.

  • Paisagem e Planeamento

Inspirado no modelo da região de Puglia que mostrou o seu dinamismo graças à integração dos ecomuseus entre os redatores do seu Plano de Paisagem Regional, propomos a implementação de um programa de desenvolvimento específico desta linha de ação com o objetivo de que os ecomuseus locais sejam suporte aos observatórios regionais da paisagem. Outro modo de ação será a aplicação dos princípios enunciados na Convenção Europeia da Paisagem[2] que inspira e continua a impulsionar a maioria das ações nos ecomuseus

Propomos a elaboração dum plano de trabalho em forma de guia para os Ecomuseus que desejam assumir o compromisso com a questão da paisagem. Isso poderá dar lugar a uma colaboração com organismos externos, tais como Sociedades de Território ou o Fórum Italiano dos Movimentos para a Terra e paisagem, que trabalham na formulação de novos modelos interdisciplinares de planeamento da paisagem. Também testaremos novos modelos de desenvolvimento local com diversos agentes para a transição.

  • Produção e qualidade de vida

É neste setor que os ecomuseus italianos fizeram maiores esforços nos últimos anos. É importante prosseguir com o que já foi alcançado, em espacial para reforçar as ligações com o “Slow Food Itália[3]”, com as regiões agrícolas e com as formas emergentes de comércio justo e solidário; também continuar e transformar os eixos definidos pela EXPO 2015 “Alimentar o Planeta” em ações concretas e tangíveis para a transformação da cultura consumista de alimentos.

Os ecomuseus deverão centrar-se nas novas formas de economia local, segundo as quais se experimentam projetos de produção em fileiras curtas e sustentáveis, transversais aos vários setores: agrícola, ambiental, turístico, cultural e social (bem-estar).

Os ecomuseus deverão ser promotores duma compatibilização entre os conhecimentos práticos tradicionais e a inovação tecnológica, em particular pela experimentação de novas formas de atividade que colocem os jovens em contacto com o seu património cultural. O modelo ecomuseal pode apresentar um projeto real de desenvolvimento do território em termos económicos, de coesão social e solidez estrutural, mediante a definição de novos cenários, através duma visão de futuro que coloque no centro a beleza, as relações humanas, o respeito pela terram, a qualidade de vida

Propomos, a partir da avaliação das ações já desenvolvidas, definir as linhas diretrizes que podem facilitar a criação e/ou apoio aos sistemas de produção locais, associados à qualidade e otimização dos produtos e atividades derivadas do património cultural e que estejam vocacionadas para o crescimento económico, cultural e social das comunidades implicadas.

  • Educação e animação sociocultural

Os ecomuseus mostraram nos últimos anos a sua capacidade para constituir-se como laboratórios eficazes de ação pedagógica e educativa, sobre o tema da sustentabilidade, da paisagem e do património cultural, ao serviço do mundo escolar, mas também da sociedade em geral, oferecendo-se como um instrumento de “formação contínua” e de mediação e intergeracional.

Os ecomuseus querem igualmente converter-se em disseminadores de animação sociocultural, levando a cabo ações concretas para a procura mais consciente da qualidade de vida. Cada ecomuseu é portador de um património e de uma identidade particular, de um conjunto de projetos e de relações que se expressam de forma criativa.

Para perder o legado de experiencia acumulada ao longo do tempo e para extrair o máximo benefício face às dificuldades sócio económicas dos territórios, os ecomuseus proporcionarão uma supervisão interna dos resultados produzidos em termos de projeto educativo e pedagógico e das iniciativas socio culturais sobre os temas da sustentabilidade, da valorização da paisagem e do património cultural.

 3. Revisão dos princípios

O ECOMUSEU é…

PAISAGEM porque é a expressão da população que atua na paisagem. A paisagem é transformação, cultura, recurso dinâmico, produtiva, criativa, vital. A ação sobre a paisagem deve ser sustentável (resiliente) para permitir ao meio ambiente e à cultura manifestar-se e sustentar-se.

POPULAÇÃO pois são as pessoas que constituem o património “primário e sensível” do ecomuseu, de onde proveem as ações e a criação do sentido de pertença ao território.

CONHECIMENTO: não existe se não houver aquisição de conhecimentos por parte dos habitantes e novos residentes: É um processo participativo onde o objetivo é o desenvolvimento local. O ecomuseu não é apenas um museu ou um centro cultural dedicado às coleções, e sua conservação e valorização, é também isso, mas tem como missão implicar a população na consciência do seu próprio património cultural, para que desenvolva uma função e económica e social como resposta às necessidades e problemas da comunidade.

O ecomuseu garante uma abordagem científica, implementa práticas e capacita a comunidade a contribuir para o desenvolvimento sustentável.

GESTÃO: na medida em que desenvolve a cooperação entre os atores voluntários (solidários) as associações, os profissionais e os organismos público e privados que trabalham em conjunto para acrescentar valor ao património cultural.

Esta gestão deve respeitar a representatividade e o equilíbrio entre as instâncias participativas compostas por todos os atores envolvidos no projeto ecomuseal, segundo formas de governação partilhada entre o setor público, o sector privado e o sector associativo.

EDUCAÇÃO E PESQUISA, porque se centra a atenção da população sobre a sua própria herança cultural, tendo como recurso a memória social, a promoção dos processos de cidadania ativa e a formação do público para identificar, manter e valorizar o seu património cultural.

PLANIFICAÇÃO E ADMINISTRTAÇÃO DO TERRITÓRIO, porque a investigação e a sensibilização para a gestão participativa do património cultural facilitam os processos de decisão partilhada sobre a administração e o planeamento dos usos dos recursos (ambientais, culturais, e paisagísticos). Os instrumentos de diagnósticos usados pelos ecomuseus (tais como inventários participativos, Mapas de Comunitá) tomaram formas específicas de Contrato-Programa na planificação participativa (por exemplo contratos de rios [4]), como suporte à requalificação ambiental, social e à produção de paisagem.

DESENVOLVIMENTO E ECONOMIA, já que implica o ecomuseu nos diferentes setores produtivos:

Produção alimentar e alimentação: o património relacionado com a alimentação tradicional e o bem-estar nutricional estão diretamente relacionados com muitas paisagens culturais italianas. A recuperação das profissões e a possibilidade de valorizar fileiras de qualidade oferecem perspetivas interessantes para repovoar áreas rurais e zonas desfavorecidas.

Artesanato e Formação: o artesanato e os saberes artesanais tornam-se atuais face às necessidades e dificuldades económicas e pessoais, que fazem renascer as formas de economia doméstica. O ecomuseu pode relançar os processos de reutilização dos saberes, associando-os à inovação tecnológica, á formação que pode abrir caminho a nova ocupações artesanais e a uma profissionalização criativa, graças a um pacto entre gerações.

O turismo e a acomodação: os conhecimentos técnicos do turismo devem alcançar um profissionalismo nos locais onde o turismo possa constituir uma opção estratégica e económica. Apesar disso, o ecomuseu parte dum ponto de vista diferente, mais ligado ao espírito do lugar e ao valor afetivo atribuído pelos habitantes à sua paisagem: a paisagem pode ser um fator determinante; ela é formosa, se a comunidade dela se apropria, se os habitantes lhe atribuem valor, se contam as suas histórias, a sua atmosfera, os seus costumes, os seus produtos, de forma convincente e múltipla. O ecomuseu permite à comunidade tornar-se consciente da importância da hospitalidade, ao mesmo tempo que comunica de forma moderna com as novas média, com a Internet e com as redes sociais.

REDE, quer dizer trocas, contaminação de práticas. É indispensável estabelecer e consolidar a rede nacional, para valorizar as experiencias regionais; criar contatos entre os ecomuseus e os museus comunitários na Europa e no mundo, colaborar com Slow Food, os GAL[5], o ICOM, os Parques naturais e todos os demais organismos de diferentes perfis (culturais, socioeconómicos, ambientais) que se ocupem da paisagem.

  1. Glossário

Mappe di Comunità (Carta de Comunidade[6]). Trata-se duma ferramenta através da qual os habitantes dum determinado lugar têm a possibilidade de representar o seu património, a paisagem, os saberes em que se reconhecem e querem transmitir às novas gerações. (www.mappadicomunita.it). Nele se evidência como a comunidade local se vê, se entende, com atribui valor ao seu próprio território, às suas lembranças, as suas transformações, à sua realidade atual e de que forma ela quer converter no futuro. Construída através de uma cartografia ou qualquer outro meio de representação, é produzida e elaborada para que a população nela se possa reconhecer. Em Puglia, os mapas converteram-se em instrumentos de produção social de paisagem, previstos no novo Plano Paisagístico Territorial Regional (PPTR). Em áreas territoriais homogéneas eles converteram-se em instrumentos para a planificação e o desenvolvimento local (Casentino, Gemonese, Trentino, Argentano, Bosco Mesola, Primaro-Ferrara, Orvieto y Trasimeno, Barbagia y Alto Flumendosa, Monte Sibillini, Biellese …).

Mappe di Paesaggio (Carta da Paisagem). Constituem uma evolução das cartas da comunidade. Esta ferramenta parte do conceito de que a paisagem é a expressão da civilização, de culturas multidisciplinares e, em todos os lugares, um elemento importante da qualidade de vida das pessoas. Como diferença das cartas de comunidades, “os conteúdos organizados” de várias cartas de paisagem representam uma mala pedagógica que permitem realizar atividades, oficinas, cursos sobre alguns “fatos culturais”, transpostos para os territórios e torna-las acessíveis a todos em forma de eventos, de relatos de experiencias. As cartas de paisagem podem ser aplicadas pelas pessoas ou organizações ativas na comunidade (Cervia).

Contrato de Rio (Plano de Bacia Hidrográfica). Uma ferramenta para adotar um conjunto de regras onde os critérios de utilidade pública, de rentabilidade económica, de valorização social, de sustentabilidade ambiental contribuem em partes iguais para a procura de soluções eficazes para a requalificação duma bacia hidrográfica. Os protagonistas devem ser pessoas locais que desejam atuar na definição e na concretização das políticas de proteção e gestão dum bem comum, como é o Rio. (Villanova di Bagnacavallo e os municípios da Bacia do Lamone).

Inventário participativo. Processo para estabelecer de um diagnóstico de um contexto territorial para o qual se preveem ações de desenvolvimento sustentável, através da participação direta das comunidades, nas diferentes categorias que compõem. Trabalha a diferentes níveis: a emergência da memória social, o inventário do património e dos recursos do território, a catalogação dos bens, a definição das ações de desenvolvimento. Requerem-se abordagens originais, métodos interdisciplinares ou não dualistas e práticas e ferramentas inovadoras.[7]

Estatuto dos Lugares. Um documento que consiste num “compromisso” entre os cidadãos e as instituições, através do qual, por um processo participativo de reconhecimento das características distintivas do território, considerado com um bem comum, onde se definem as regras, direitos e deveres para o seu uso, sua valorização, sua conservação e sua transformação. Pode-se pode definir como “um ato constitutivo para o desenvolvimento do local: o projeto para um futuro socialmente partilhado ” (Alberto Magnaghi[8]).

Fileiras curtas e Locais. São processos que colocam em relação o uso correto e sustentável dos recursos com a valorização das paisagens e das identidades locais, com o objetivo de criar economias integradas de desenvolvimento local. Colocam no centro os produtores e os seus saberes e estimulam a colaboração entre os outros atores (empresas agrícolas, laboratórios de transformação, restaurantes, agências de turismo) com o objetivo de criar um vínculo entre os que produzem e os que consomem. Isso garante aos primeiros visibilidade e um rendimento decente, e aos segundos a oportunidade para usufruir as técnicas e as culturas locais, muito mais além da simples troca de produtos. (Gemonese, Casentino, Biella; Feria de los ecomuseos de Argenta).

Formação. Programas e iniciativas divididas em módulos destinados à formação e educação de operadores, também dirigidos a pessoas que não são aderentes à Rede.

Percursos participativos. Saídas no território para ler e interpretar as suas componentes as suas interações, dirigidas principalmente à população (Trentino, Biella).

Dia da paisagem. Criado em 2007, conta com a participação de numerosos ecomuseus italianos. Para participar no dia da paisagem, deve-se realizar uma Acão de participação para gerar uma maior consciência da comunidade e a sua co implicação com a gestão das suas próprias paisagens. A disseminação das práticas faz-se no próprio site (www.ecomusei.eu).

Mediação. Processo através do qual os cidadãos são sensibilizados e formados para tomar consciência do património material e imaterial e dos recursos do seu território; por outro lado é um processo que facilita a adesão e a tomada de consciência do património dos outros habitantes, dos vizinhos, dos amigos, todas as pessoas interessadas, dos agentes de desenvolvimento local; convidando-os a ter em conta o património e a paisagem e a pronunciar-se sobre eles. A publicação “Manual do Mediador do Ecomuseu” proporciona métodos e ferramentas operacionais e dá uma contribuição para a valorização, o incentivo, e o diálogo. (www.provincia.terni.it/ecomuseo/documenti/manuale% descargable 20del 20FE.pdf%).

Capacitação. Dirige-se aos grupos de população que são “capazes de fazer” para conhecer o património, de se apropriar da cultura da paisagem e de participar na governação do desenvolvimento local.

Interpretação e Narrativa. O museu utiliza ferramentas criativas e inovadoras, diacrónicas e multidisciplinares, através das quais interpreta e comunica o espírito do lugar (genius loci) e a identidade cultural dum território. Assim que se recolhem os resultados das narrativas geradas pelo trabalho sobre os lugares da cultura local, que de seguida se devolvem aos diversos beneficiários: a comunidade (para reconhecer-se) e ao público externo (para reconhecimento da região). Estas ferramentas podem ser proporcionadas em espaços físicos (para o desenvolvimento de centros de interpretação), através de ações específicas (roteiros patrimoniais, instalações artísticas utilizando diferentes meios), produtos multimédia e publicações.

  1. Definições

O ECOMUSEU é a POPULAÇÃO e as suas diferentes componentes, que provoca a participação, o conhecimento da PAISAGEM e do PATRIMÓNIO. Estimula os processos dinâmicos e as decisões partilhadas sobre o DESENVOLVIMENTO LOCAL.

O ECOMUSEU é um PACTO, no qual uma comunidade reconstitui o sentido do seu território (Maurizio Maggi[9]).

Um ECOMUSEU é qualquer coisa que representa o que é UM TERRITÓRIO, o que são os seus habitantes, a partir da CULTURA VIVA DAS PESSOAS, do seu meio ambiente, que HERDARAM do passado, e que o AMAM, e que desejam mostrar aos seus convidados e TRANSMITIR aos seus descendentes (Hugues de Varine[10]).

[1] “Convenção-Quadro do Conselho da Europa Sobre o Valor do Património Cultural para a Sociedade”, assinada em Faro em Outubro de 2005 no âmbito da Conferência de Ministros da Cultura do Conselho Europa http://www.patrimoniocultural.pt/media/uploads/cc/ConvencaodeFaro.pdf

[2]Convenção Europeia da Paisagem (Decreto n.º 4/2005) .assinada em Florença em 20 de Outubro de 2000 – https://dre.pt/application/dir/pdf1sdip/2005/02/031A00/10171028.pdf

[3] http://www.slowfood.com/

[4] Planos de Bacia hidrográfica

[5] GAL – Grupos de Ação Local formados no âmbito do Programa Leder http://ec.europa.eu/agriculture/rur/leaderplus/index_en.htm

[6] Em português veja—se a Carta do Património (http://recil.grupolusofona.pt/handle/10437/5471)

[7] Ver em https://inventariopartecipativo.wordpress.com/

[8] https://www.amazon.it/progetto-locale-Verso-coscienza-luogo/dp/8833921506

[9] https://www.researchgate.net/profile/Maurizio_Maggi

[10] http://www.hugues-devarine.eu/

Ecomuseus Italianos – definições (XVI)

 

O ECOMUSEU é a POPULAÇÃO  e as suas diferentes componentes, que provoca a participação, o conhecimento da PAISAGEM  e do PATRIMÓNIO. Estimula os processos dinâmicos e as decisões partilhadas sobre o DESENVOLVIMENTO LOCAL.

O ECOMUSEU é um PACTO, no qual uma comunidade reconstitui o sentido do seu território (Maurizio Maggi).

Um ECOMUSEU é qualquer coisa que representa o que é UM TERRITÓRIO, o que são os seus habitantes, a paritr da CULTURA VIVA DAS PESSOAS, do seu meio ambiente, que HERDARAM do passado, e que o AMAM, e que desejam mostrar aos seus convidados e TRANSMITIR aos seus descendentes (Hugues de Varine).

Glossário de Ecomuseus Italianos (XVI)

Mediação. Processo através do qual os cidadão são sensibilizados e formados para tomar consciência do património material, e imaterial e dos recursos do seu território; por outro lado é um processo que facilita o conhecimento dos membros e a consciência do património das outras pessoas, das relações de vizinhança, das pessoas interessadas, dos agentes de desenvolvimento local; convidando-os a ter em conta o património e a paisagem e a falar com eles.. A publicação “Guía de Dinamização do Ecomuseu” proporciona métodos e ferramentas operacionais e dá uma contribuição para a valorização, o incentivo, e o dialogo. (www.provincia.terni.it/ecomuseo/documenti/manuale% descargable 20del 20FE.pdf%).

Capacitação. Refere-se aos grupos de população que são “capazes de fazer” para conhecer o património, de se apropriar a cultura e a paisagem e de participar na governação do desenvolvimento local.

Interpretação e Narrativa. O museu utiliza ferramentas cretiva e inovadoras, diacrónicas e multidisciplinares, através das quais interpreta e comunica o espírito do lugar (genius loci) e a identidade cultural dum território. Assim que se recolhem os resultados das narrativas geradas pelo trabalho sobre os lugares da cultura local, se devolvem aos futuros beneficiários: a comunidade (para reconhecer-se a si mesma) a ao público externo (para reconhecimento da região). Estas ferramentas podem ser proporcionadas em espaços físicos (para o desenvolvimento de centros de interpretação), através de ações específicas (roteiros patrimoniais, instalações artísticas utilizando diferentes meios, produtos multimédia e publicações.

Glossário de Ecomuseus Italianos (XV)

Fileiras curtas e Locais. São processos que colocam em relação o uso correto e sustentável dos recursos com a valorização das paisagens e das identidades locais, com o objetivo de criar economias integradas de desenvolvimento local. Colocam no centro os produtores e os seus conhecimentos e estimula a colaboração entre os outros atores (laboratórios agrícolas, transformação, restaurantes, agências de turismo) com o objetivo de criar um vínculo entre os que produzem e os que consomem. Isso garante aos primeiros visibilidade e um rendimento decente, e aos segundo a oportunidade para usufruior as técnicas e as culturas locais, muito mais além do que a simples troca de produtos. (Gemonese, Casentino, Biella; Feria de los ecomuseos de Argenta).

Formação. Programas e iniciativas divididas em módulos destinados à formação e educação de operadores, também dirigidos a pessoas que não são aderentes à Rede.

Percursos participativos. Saídas no território para ler e interpretar as suas componentes as suas interações, dirigidas principalmente à população (Trentino, Biella).

Dia da paisagem. Criado em 2007, conta com a participação de numerosos ecomuseus italianos. Para participar no dia da paisagem, deve-na co implicação das suas próprias paisagens. A disseminação das práticas faz-se no próprio site .

Glossário de Ecomuseus Italianos (XIV)

Inventário participativo. Processo para estabelecer de um diagnóstico de um contexto territorial para o qual se previram ações de desenvolvimento sustentável, através da participação direta das comunidades nas diferentes categorias que a compõem. Trabalha a diferentes níveis: a emergência da memória social, o iventário do património e dos recursos do território, a catalogação dos bens, a definição das ações de desenvolvimento. Requere-se abordagens originais, métodos interdisciplinares ou não dualistas e práticas e ferramentas inovadoras.[1]

Estatuto dos Lugares. Un documento que consiste num “pacto” entre os cidadãos e as instituições, através do qual, por um processo participativo de reconhecimento das características distintivas do território, considerado com um bem comum, se definem as regras, direitos e deveres para o seu uso, sua valorização, sua conservação e sua transformação. Se pode definir como “um ato constitutivo para o desenvolvimento do lucal: o projeto para um futuro socialmente partilhado ” (Alberto Magnaghi).

[1] Ver em https://inventariopartecipativo.wordpress.com/

Glossário de Ecomuseus Italianos (XIII)

Mappe di Comunità (Carta da Comunidade[1]). Trata-se duma ferramenta através da qual os habitantes dum determinado lugar tem a possibilidade de representar o seu património, a paisagem, o conhecimento em que se reconhecem e querem transmitir às novas gerações. (www.mappadicomunita.it). Nele se evidência como a comunidade local se vê, se entende, com atribui valor ao seu próprio território, as suas lembranças, as suas transformações a sua realidade atual e de qu forma ela quer que se converta no futuro. Construída através de uma cartografia ou qualquer outro meio de representação, é produzida e elaborada para que a população nela se possa reconhecer. Em Puglia, os mapas converteram-se em instrumentos de produção social de paisagem, numa referencia para o novo Plano Paisagístico Territorial Regional (PPTR). Em áreas territoriais homogéneas eles converteram-se em instrumentos para a planificação e o desenvolvimento local (Casentino, Gemonese, Trentino, Argentano, Bosco Mesola, Primaro-Ferrara, Orvieto y Trasimeno, Barbagia y Alto Flumendosa, Monte Sibillini, Biellese …).

Mappe di Paesaggio (Carta da Paisagem). Constituem uma evolução das Cartas da comunidade. Esta ferramenta parte do conceito de que a paisagem é a expressão da civilização, de culturas multidisciplinares e, em todos os lugares, um elemento importante da qualidade de vida das pessoas. A diferença das Cartas de comunidades, “os conteúdos organizados” de vários cartas de Paisagem representam uma caixa de ferramentas que permitem realizar atividades, oficina, cursos sobre alguns “fatos culturais”,  transportos para os territórios e torna-los acessíveis a toidos em forma de eventos, de relatos de experiencias. As cartas de Paisagem podem implicar pessoas ou organizações ativas na comunidade (Cervia).

Contrato de Rio. Uma ferramenta para adotar um conjunto de regras onde os critérios de utilidade pública, de rentabilidade económica, de valorização social, de sustentabilidade ambiental contribuem em partes iguais para a procura de soluções eficazes para a requalificação duma bacia hidrográfica. Os protagonistas devem ser pessoas locais que desejam atuar na definição e na concretização das políticas de protecção e gestão dum bem comum, como é o Rio. (Villanova di Bagnacavallo y los municipios de la cuenca del Lamone).

[1] Em português veja—se a Carta do Património (http://recil.grupolusofona.pt/handle/10437/5471)

Agenda “Ecomusei” 2016 (XII)

Educação e animação sociocultural

Os ecomuseus mostraram nos últimos anos a sua capacidade para constituir-se como laboratórios eficazes de ação pedagógica e educativa sobre o tema da sustentabilidade, a paisagem e o património cultural, ao serviço do mundo escolar, mas também na sociedade em geral, oferecendo-se como um instrumento de “formação contínua” e de mediação e intermediação entra as gerações.

Os ecomuseus querem igualmente converter-se em agentes ativos de animação sociocultural, levando a cabo ações concretas para a procura mais consciente da qualidade de vida. Cada ecomuseu é portador de um património e uma identidade especial, de um conjunto de projetos e de relações que se expressam de maneira criativa.

Para não deixar perder o legado de experiencia acumulada ao longo do tempo e para extrair o máximo benedos territórios, os ecomuseus proporcionarão uma supervisão interna dos resultados produzido em termos de projeto educativo e pedagógico e iniciativas socio culturais sobre os temas da sustentabilidade, da valorização da paisgem e do património cultural.

Agenda “Ecomusei” 2016 (XI)

  • Produção e qualidade de vida

É neste setor que os ecomuseus italianos fizeram maiores esforços nos últimos anos. É importante prosseguir com o que já foi alcançado, em espacial para reforçar as ligações com o “Slow Food Itália”, com as regiões agrícolas e com as forma emergentes de comércio justo e solidário; também continuar e transformar os eixos definidos pela EXPO 2015 “Alimentar o Planeta” em ações concretas e tangíveis para a transformação da cultura e consumo de alimentos.

Os ecomuseus deverão centrar-se nas novas formas de economia local, segundo a qual se experimentam projetos de períodos curtos e sustentáveis, transversais a vários setores: agrícola, ambiental, turístico, cultural e social (bem-viver).

Os ecomuseus serão promotores de um acordo entre os conhecimentos práticos tradicionais e a inovação tecnológica, em particular pela experimentação de novas formas de atividade que colocam os jovens em contacto com o seu património cultural. O modelo ecomuseal pode apresentar um projeto real de desenvolvimento do território em termos económicos, de coesão social e solidez estrutural, mediante a definição de novos cenários, com uma visão de futuro que coloque no centro o belo, as relações humanas, o respeito pela terram, a qualidade de vida

Propomos, a partir da avaliação das ações desenvolvidas, definir as linhas diretrizes que podem ajudar a criação e apoio aos sistemas de produção locais, associados à qualidade e otimização dos produtos e atividades derivadas do património cultural e que estão direcionadas ao crescimento económico, cultural e social das comunidades implicadas.

Agenda “Ecomusei” 2016 (X)

  • Paisagem e Planeamento

Inspirado no modelo da região de Puglia, que mostrou o seu dinamismo graças à integração dos ecomuseus entre os redatores do seu Plano de Paisagem Regional, propomos a implementação de um programa de desenvolvimento específico desta linha de ação com o objetivo de que os ecomuseus locais sejam os observatórios regionais da paisagem. Outro modo de ação será a aplicação dos princípios enunciados na Convenção Europeia da Paisagem[1] (Convenção de Florença, 2005) que inspira e continua a impulsionar a maioria das ações nos ecomuseus

Propomos a elaboração dum plano de trabalho em forma de guia para os Ecomuseus que desejam assumir o compromisso com a questão da paisagem. Isso poderá dar lugar a uma colaboração com organismos externos, tais como Sociedades de Território ou o Forum Italiano dos Movimentos para a Terra e paisagem, que trabalham na formulação de novos modelo interdisciplinares pe planificação da paisagem. Também testarão novos modelos de desenvolvimento local com diversosa agentes para a transição.

[1] https://dre.pt/application/dir/pdf1sdip/2005/02/031A00/10171028.pdf