Arquivo de etiquetas: Cultura e dignidade Humana

Cultura e Dignidade Humana CXXII – Recursos sobre Negócios Criativos

Alguns exemplos de emrendimentos criativos

Uma publicação que faz parte do projeto CREA.M  (project 518533-LLP-1-2011-1-IT-LEONARDO-LMP  executado com apoio da Comnissão Europeia. O CREA.M project,  These materials are © Goldsmiths, University of London and/or its licensors.

    • This publication, part of the CREA.M project 518533-LLP-1-2011-1-IT-LEONARDO-LMP is funded with support from the European Commission, reflects the views only of the authors, and the Commission cannot be held responsible for any use, which may be made of the information contained therein. The CREA.M project, Creative blended mentoring for cultural managers, was made possible thanks to the support of the European Commissionʼs Lifelong Learning programme, Leonardo da Vinci Development of Innovation. The mentoring tools and modelling techniques to manage the relationship between Mentor and Mentee have been developed by The Institute for Creative and Cultural Entrepreneurship (ICCE), Goldsmiths, University of London, and incorporate material developed for the Nesta Creative Pioneer programme. These materials are © Goldsmiths, University of London and/or its licensors.

http://hatchafrica.com/portfolio-hatch-africa/

Cultura e Dignidade Humana – síntese sobre negócios criativos

Em síntese, verificamos que nestes dois modelos: o modelo criativo e o modelo tradicional, necessitam de atingir um determinado público, onde procuram oferecer um produto ou serviço. Esse é um mercado onde esse esforço é remunerado, sendo necessário calcular se ele é ou não sustentável.

Há alternativas a estes modelos, ou uma combinação entre várias formas. Como alternativa, o modelo de economia solidária, as mutualidades ou sistema de trocas de serviços, onde o centro da atividade não se concretiza no mercado através da criação de mercadorias, há que ter em linha de conta que também tem que haver um benefício social para os intervenientes. Isto implica medir a natureza do benefício alcançado na troca. É um exercício que implica valorizar a satisfação pessoal ou coletiva dos participantes.

A relevância da economia criativa é a sua capacidade de desenvolver processos criativos, onde o produto final, independentemente da sua natureza, depende das diferentes soluções que a cada momento são criadas para o tornar sustentável.

 

Cultura e Dignidade Humana XX – Decisões de Investimento em empresas criativias

Para a criação de empresas criativas é necessário investimento. Vamos aqui deixar de lado empresas da criativas de economia social, onde poderão existir algumas formas complementares das que seguir descrevemos, nomeadamente através de trocas de serviços sem recurso á monetarização. Para iniciar um empreendimento criativo necessário ter algum dinheiro ou produtos para arrancar com a atividade. Dependendo do tipo de atividade, não é necessário criar de imediato uma empresa ou iniciar a coleta como profissional independente, mas é necessário um investimento inicial.

Um investimento que pode ser em tempo, em dinheiro, em produtos já existentes, em oferta de serviços. Normalmente, quando de aplica algum dinheiro, chamemos-lhe capital, esse um investimento pode resultar das popanças pessoas, da família, de amigos, ou outra fonte que possa estar disponível. Nas empresas, para alem do capital inicial, também é possível obter investimento através dos bancos.

Esse é o negócio dos bancos. Emprestar, ou melhor vender dinheiro a troco de um determinado juro, que implica o reembolso do empréstimo acrescido duma remuneração desse capital, sobre a forma de juro, durante um determinado numero de meses. No entanto, para que isso seja possível, o banco exige uma constituição legal, isto é um processo de coleta no estado, uma análise do projeto e, na maioria dos casos garantias. Trata-se duma forma de financiamento que apenas deverá ser pensada a partie duma determinada dimensão de atividade.

A ideia base do empréstimo é juntar concentrar recursos que permita fazer face ao inicio duma atividade, por exemplo para comprar mercadorias, em que depois são vendidas, sendo a receita usada para amortizar o empréstimo e comprar mais mercadorias.

Por várias razões os bancos são recursos que devem ser usados com muita cautela na economia criativa. Eles só concedem empréstimos mediante a viabilidade do projeto. Se eles estiverem convencidos que quem lhes surge é de fato capaz de concretizar esse projeto, se, na sua própria avaliação do projeto, ele mostrar viabilidade no mercado, e sobretudo se as referências foram boas. O registo das atividades passadas é normalmente um indicador que é necessário apresentar. Por isso o banco é um último recurso a usar e que necessita de ser convencido da viabilidade do projeto e das características do empreendedor.

Em qualquer dos casos, seja através de finaciamento próprio ou alheio é necessário que o projeto, o produto ou a atividade consiga ser viável. Há uma linha que determina essa viabilidade. Essa linha é a relação existente entre o custo e a receita numa dada unidade de tempo. Há contudo que ter em atenção a natureza dos custos e a sua incidência ao longo do tempo. Por exemplo, se para fazer um determinado produto é necessário ter uma máquina, ou se para iniciar o trabalho é necessário um computador, o custo de aquisição deverá ser repartido pelo tempo que esse equipamento dura. Por isso apenas uma fração do seu custo deve ser afeta ao produto. Normalmente usam-se como unidade o mês e o ano, o que permite ter uma visão da distribuição ao longo do tempo.

Nos lado dos custos deverão ser colocadas as despesas, com espaços, com maquinaria, com água e energia, com comunicações, com publicidade, com a remuneração das pessoas, com as matérias primas usadas, com os custos financeiros (se houver juros a pagar) e com as despesas fiscais. No lado das receitas, os pagamentos obtido com vendas e outras receitas (por exemplo rendas). Na relação entre estes dois valores é possível entender qual o resultado da atividade no tempo considerado.

Há contudo que ter em atenção que há no inicia certas dificuldades inerentes ao criação do mercado e do publico que se vão atenuando ao longo do tempo. Por isso, é natural que numa fase inicial as despesas sejam maiores do que os proveitos. Por outro lado, há também alturas do ano que podem ser mais favoráveis à atividade do que outros períodos. Assim, o que é importante é ver qual é a tendência. Se atendência for de crescimento positivo. Tudo bem! Se a tendência for negativa, há que tomar decisões sobre o modo de alterar essa tendência. Esse balanço também serve para medir o grau de satisfação com o negócio e se está a tingir o mínimo de rendimento necessário. Se é sustentável.

 

Cultura e Dignidade Humana CXIX – Decisão de Gestão sobre negócios criativos

Rendimento e Decisão de negócio

As duas formas diferentes de pensar no negócio implicam métodos diferentes de trabalhar. Mas no final, o negócio implica uma decisão sobre dinheiro. A economia criativa pode desenvolver-se no campo da economia solidária. Pode desenvolver mutualidades e cooperativas. Pode envolver-se em trocas de serviços, em economias comunitárias. Este é um campo mergente que noutro lugar desenvolveremos.

Para finalizer esta abordagem, olhamos para o negócio criativo como uma alternativa de criação de emprego numa economia tradicional. Isso significa, que o negócio tem que gerar um determinado rendimento para assegurar a sua viabilidade e a sobrevivência do profissional. Um profissional numa econimia cde mercado tem que gerar rendimento e satisfazer um conjunto de requesitos legais. Sem isso a atividade criativa não pode subsistir sem ajudas ou subsídios externos à atividade.

A economia criativa é vista como sendo um campo professional de artistas, e em regra os artistas são pessoas com baixo rendimento no seu trabalho. Não será uma verdade universal, mas a na maioria dos caos, quem trabalha na economia criativa são pequenas empresas e pequenso empresários, com rendimento abaixo da média geral.

A questão poderá ser colocada em termos de representação social ou estatuto social dos artistas e das pessoas de cultura. Muitas vezes a explicação que surge é que são pobres mas a cultura é mais importante. É uma fraca explicação.

Muitas vezes as atividades artísticas implicam uma elevada dedicação ao trabalho. Elas são intensivas em termos de tempo. E sendo o tempo um custo muito elevado, há uma discrepância entre o tempo envolvido na atividade criativa e a sua remuneração. Por exemplo, um produto de arte performativa, consumida num evento, transporta consigo um passivo bastante elevado, que um espectador, numa situação de lazer pode não se aperceber completamento. Há também aqui um elemento de explicação entre a diferença de perceção entre o esforço feito para executar a remuneração recebida pelo trabalho.

Há neste Mercado da economia criativa e das indústrias criativas a possibilidade de aceder a subsídios ou acesso afinanciamneto por parte do estado. Seja através de concursos ou candidaturas, seja através da participação em eventos patricionados por entidades públicas ou empresas. Normalente o que sucede com as políticas de subsídios às artes é que não gera um melhor rendimento, mas sim mais artistas que procuram aceder a esses subsídios.

Isto é um tema controverso nas políticas culturais públicas, na medida em que a cultura é muitas vezes vista como uma atividade que necessita de se financiada, ao mesmo tempo que esta visão de mercado revela que essa relação nem sempre é verdadeira, ou pelo menos direta. Mas isso será tratado mais tarde.

O que interessa aqui realçar é que muitas vezes os trabalhadores das artes e do espetáculo são muito dependentes de diferentes fontes de rendimento, exigindo muitas vezes o desenvolvimento de atividades diferenciadas, nem sempre todas eleas criativas. Muitas vezes regista-se mesmo uma situação em que um criativo realiza uma atividade remunerada fora do setor, para poder ter disponibilidade de investir algum desse dinheiro nas suas atividades criativas.

Por fim uma última questão. Muitas vezes o artista é visto como um criador que atua sozinho. Alguém que depende do seu esforço individual e da sua generalidade. Numa sociedade como a atual, onde o rendimento individual é relevante como medida de sucesso, é frequente ser esquecido que estas atividade muitas vezes têm sucesso porque são colaborativas. Curiosamente não há uma grande facilidade em reunir o pessoal das artes em atividades associativas de carater profissional.

 

Cultura e dignidade Humana CXVIII – Modelo de Negócio Criativo Inovador

O Modelo Criativo face ao Modelo Tradicional?

Se o modelo tradicional envolve alguma previsibilidade, o modelo criativo enfrenta um risco superior pela sua maior imprevisibilidade em relação ao que vai ser feito ou oferecido.

A economia criativa trabalha com problemas complexos. Por exemplo, numa cidade, uma área em recessão, por falência de atividades industriais, ou por um envelhecimento demográfico ou do parque habitacional, uma área abandonada, sub-desenvolvida é um bom exemplo deste tipo de problams complexos. Como é que uma zona desta pode se regenerada. Muitas vezes entrega-se a arquitetos a tarefa de regenerar ou reabilitar a área. Esse é um caso em que não se sabe qual será a solução final. O que  é que aí será feito e de que forma o espaço será vivido e aproveitado.

É claro que esse espaço pode ser desenhado e nele se podem fazer empreendimento imobiliários. O imobiliário tem sido uma forma de reabilitar os espaços urbanos degradado. Mas o que acontece em termos de atividades. A construção demora anos. A fixação de pessoas tambem. As atividades demoram vários anos a surgir. E durante ese tempo, a área continua a ser uma área degradada, que muito lentamente se vai regenerando.

Trata-se de um processo complexo. Pois, por exemplo, os equipamentos públicos e o espaço público que vai ser desenhado, será pensado para necessidades atuais. É certo que essas necessidade serão projetadas, em termos de dimensão para um futuro de médio prazo (dinâmica demográfia, fluxos de tráfico, comunicações, redes de infraestruturas, etc). Serão espaços que vão ser usados por residentes e por visitantes, cujas necessidades sõ pensadas no presenta, mas que dentro de 20 a 30 anos poderão ter necessidades completamente diferentes.

O processo de criatividade pode dar uma ajuda neste processo de planeamento, de forma a torna-lo mais amigável. O processo criativo procura desenvolver uma ideia. Vejamos a questão do espaço público. Uma praça pode ser usada apor cidadão reformado, por jovens, pode ser aberta de forma a atrair o maior número de visitantes. Num processo criativo, esse espaço, para ser desenvolvido, deveria ser feito através de processos participativos. Usar métodos de arte pública, de forma a levar as pessoas a pensar e a propor soluções para o desenho desse espaço, de forma a encontrar soluções que satisfação as suas necessidade.

A ideia é criar processos de dinâmica de grupos que envolvam os diferentos grupos da comunidade, para pensar e agir na cidade. Tentar que os grupos criem ideias para problemas que sentem. Isso implica usar o espaço para identificar as necessidades emergentes, ao invés de propor soluções pensadas em gabinetes. Criar ideias e concretiza-la como forma de intervenção no espaço público ilustra um dos processos criativos na cidade

As dinâmicas de grupo em contexto são metodologia adequadas para construir um processo participativo criativo sobre o que pode ser feito, o que e possível ser feito. É claro que não pode ser feito tudo o que surge ou que é desejado. A certa altura é necessário escolher, negociar prioridades, concentrar recursos, apostar no que surge como mais promissor.

Ou seja o processo criativo inicia-se com as ideias, o maior números de ideias possíveis, para testar e escolher algumas delas para desenvolver sobre a forma de teste. Criar um ou dois protótipos, construir uma maquete para discutir, idealizar como o espaço poderá ser construído e usado. O produto final que emerge é algo que é previamente testado, que em princípio será mais adequado às necessidades pessoas, mas na verdade esse produto final, não é conhecido no início. Ele é desenvolvido durante o processo.

A economia criativa trabalho com processos de adaptação, onde muitas vezes os produtos são construídos à medida em que o produto e serviço é oferecido. São dois modelos de negócios diferentes.

Num negócio tradicional, define-se um produto, um grupo alvo, cria-se um grupo de clientes, comunica-se com mercado, e procura-se ter um rendimento. No negócio criativo, não sabemos o que vai ser feito. E um processo de participação com base na criatividade. A criatividade é o que fornece o produto final

 

Cultura e Dignidade Humana – CVII – Modelo de Negócio Criativo de Marketing

O modelo tradicional

No modelo tradicional de negócio, a primeira coisa a definira, é saber qual será o público-alvo. Quem é que vai comprar o que vou oferecer. Há uma necessidade de mercado a satisfazer, uma necessidade que foi detetada ou criada. Por vezes temos uma coisa que sabemos fazer, ou que queremos vender, e procuramos oferecer isso no mercado.

A primeira coisa que queremos fazer em vendar em larga escala. No mercado global. Arranjamos um espaço, colocamos lá os produtos, procuramos chamar pessoas, fazemos uma página na internet. Procuramos vender na internet. Isto é uma forma de trabalhar que não á a mais favorável ao mercado da inovação e da criatividade. O mercado criativo é constituído por pessoas que querem a distinção do produto que adquirem. O mercado criativo é um mercado de nichos.

Por isso, quando procuramos criar um negócio criativo, com base no modelo tradicional, a primeira coisa a fazer é entender o nicha de mercado onde se pretende atuar. Qual é o posicionamento do produto que se quer oferecer par aum mercado cultural.

Por exemplo, se quer atuar no campo da música há que, em primeiro lugar entender de música (tocar) e sobretudo de que tipo de música se quer oferecer.

Nas cidades há normalmente lugares de músicas, consoantes culturas, gerações ou outro tipo de oferta musical que é necessário conhecer, para saber onde o gosto e a vontade pessoal se inserem. É necessário ter consciência da distintividade do potencial criativo e ter a consciência que há muitos outros que também o têm e procuram desenvolver. É preciso procura o seu nicho de mercado.

É certo que também é possível oferecer os produtos num mercado mais vasto. Por exemplo, um costureiro, pode trabalhar num mercado quase exclusivo, de produtos únicos para clientes selecionado, ou par aum mercado mais vasto e de massas. O que é relevante nesta questão é que é possível escolher entre segmentos de mercado de diferentes setores e procurar qual o respetivo públio-alvo ou cliente alvo.

Defenido o que se quer fazer e onde se quer oferecer, é necessário pensar na formatação do produto. O que é que se vai oferecer no mercado. Pensar porque é que as pessoas, querem comprar esse produto. Que valor é que estão dispostas a pagar. Na verdade o que é necessário fazer é uma relação entre o valor que se pensa que é adequado ao trabalho e o que normalmente se paga por esse serviço. Será pois útil procura serviços ou produtos semelhantes para comparar.

A questão do valor do produto ou serviço é crucial. O valor é uma quantidade, mas também tem incluída a qualidade percebida. Por exemplo, um serviço oferecido pode ser mais caro no mercado, mas isso pode contrabalançar com uma maior rapidez da sua oferta. Quando se pensa no valor dum serviço ou dum produto, é necessário ter uma ideia de como ele se posiciona no mercado, como é percebido, que distinção pode ter. O valor não é apenas o seu custo, mas sobretudo a perceção que dele se tem pelo consumidor. O seu grau de novidade e a possibilidade de o satisfazer.

Depois de definido o valor do que se quer oferecer, em terceiro lugar, é necessário procurar clientes. É necessário criar canais de comunicação para atingir os clientes do mercado que se pretende. Para abrir canais é entender como é que a oferta vai ser feita, onde vais ser feita, como vai ser feita.

Onde é que o produto ou serviço vai ser oferecido. Vai ser numa loja, on line, em mercados ou outras lojas. Vai ser embrulhado ou personalizado. As pessoas/cliente vão ter de se deslocar que for oferecida um evento performativo. Todas essas situações implicam diferentes canais para comunicar.

Em quarto ligar é necessário criar uma relação com os clientes. A melhor forma de o fazer é através da satisfação do serviço ou produto oferecido. Essa é sempre uma questão chave na satisfação, que leva a que os clients voltem a procurar o produto ou serviço. Mas é necessário enteder também os limites e o alcance dos relacionamento. No mercado criativo não só há muita oferta de produtos ou serviços, como também, pela sua própria natureza, estabelecem-se relações muito próximas entre os diferentes tipos de ofertas. Pelo que há sempre uma necessidade de renovar ou aumentar as relações entre clientes consumidores, de forma a manter a novidade e a diversidade.

Em quinto lugar é necessário pensar no rendimento da atividade. O emrendedor criativo investiu dinheiro, tempo e recursos no produção e oferta do produto ou serviço. No empreendorismo está dinheiro envolvido. Há custos a serem suportado. O produto ou serviço tem que cobrir, pelo menos, os custos envolvidos. Deverá também acrescentar alguma renda para que o processo se possa manter. Mas a transação também tem que ser pensada. O produto ou serviço envolveu a colabaraçao de terceiros. O pagamento é feito na altura, é dilatado no tempo ou é pré-pago. Tudo isso influencia o rendimento. É também necessário pensar nos custos financeiros envolvido (impostos e segurança social). No final é necessário fazer o balanço de negócio. Satisfaz e é rentável?

 

Cultura e Dignidade Humana CXVI – Modelos de Negócio Criativo

Modelos de negócio no empreendorismo criativo

Os modelos de negócio são formas padrão de organização de atividades que tem como objetivos vender bens ou serviços no Mercado. Há vários tipos de negócio: una mais orientados para os lucros, outros mais solidários, no âmbito de atividades não lucrativas, outros ainda de âmbito da economia social.

Para escolher um negócio criativo é necessário tem em consideração que há dois modelos básicos: O modelo tradicional e o modelo Criativo.

  • no modelo tradicional, os produtos ou serviços são criados, são oferecidos a um público, que deverá pagar por esses produtos ou serviços. Para oferecer esses produtos é necessário divulgar a sua existência a a forma de os consumir. O marketing é o processo que ajuda a compreender esse processo, por isso lhe chamaremos a opção do mercado.
  • No modelo criativo para os resultados, o ponto de partida não se constitui em torno dum produto, mas dum problema. Há um determinado problema, que lhe chamaremos problema complexo (wicked problem).Os problemas complexos[1] implicam muitas vezes que a sua solução pode não ser enunciada previamente, sendo necessário que seja descoberta em processo. No início do processo não se pode enunciar o seu resultado final. A sua solução surge no processo através da criatividade. Por exemplo, se um empreendedor decidir fazer uma música, pode ter uma ideia geral sobre o tipo e o tempo do que quer fazer. Pode até decidir apresenta-la para um evento. Mas ao fazer essa música, ao juntar pessoas, ao apresenta-la num evento, o processo criativo será determinante no seu sucesso ou insucesso.

[1] Problemas complexos são questões que envolvem diferentes e contraditórios termos. São normalmente problemas económicos ou questões sociais, que envolvem escolhas. Nas questões complexas não haverá uma resposta única e universal, mas um conjunto de possibilidades que de acordo com a decisão a tomar influenciam de forma diferentes os dados iniciais dos problemas. A complexidade pode ser dinâmica (quando os termos de análise são afastados no espaço e no tempo), de inovação (quando o termo enunciado é novo ou desconhecido), ou social (quando há diferentes atores e interesses, com prespetiva diferentes, formas diferentes de entender a questão).1010

 

Cultura e Dignidade Humana CVI – Tecnologias de Informação e Comunicação

A relfexão da ligação entre cultura, tecnologia e a economia, coloca em evidência a relevância da informação e dos processos de comunicação tecnológica (as TICs – Tecnologias de Informação e comunicação ) para valorizar a economia criativa. Em outras palavras a conexão está associada aos processos criativos.

Há uma forte correlação entre as TICs a promoção e o consume de conteúdos criativos. Muitos dos produtos e serviços criativos são atualmente produtos digitais e, por consequência, são hoje comercializados através de novos modelos de negócios.

Uma das questões que atualmente está em discussão, é como os produtos digitais se podem tornar em mercadorias. As ferramentas digitais estão a produzir alterações nas próprias cadeias de valor nas diversas industrias criativas, de forma mais ou menos extensa. Como tudo está disponível ou acessível em qualquer lugar, isso implica alterações nos processos de comercialização e de venda. Por exemplo, as vendas de música através de plataformas digitais têm vindo a subir de forma consistente, ao mesmo tempo que substitui os velhos suportes. Nos últimos 5 anos o mercado internacional de vendas cresceu cerca de 40 %. Por isso, é necessário ter em conta a necessidade de dispor duma infraestrutura digital de banda larga. Isso é essencial para o apoiar o desenvolvimento da economia criativas.

Cultura e dignidade Humana CV – Conexões na Cidade

Uma outra questão relevante para o funcionamento da economia criativa, é o seu impacto e poder sobre as redes sociais, ligando virtualmente grupos de pessoas que partilham interesses e atividades.

Muitas empresas criativas usam os serviços de redes sociais para oferecer os seus produtos e ampliar a sua audiência. Através da ligação de pessaos e baixo custo, as redes sociais podem ajudar os profissionais criativos a expandirem os seus contatos e clientes, bem como colocar os seus produtos no mercado global..

As novas plataformas digitais, como blogs, foruns e wikis (sites colaborativos) são também poderosas ferramentas para facilitar a co-criação entre criativos de diferentes partes do mundo

 

Cultura e Dignidade Humana – CII – Recursos sobre Economia Criativa

Recursos adicionais.

Augusto Mateus (2010) O Sector Cultural e Criativo em Portugal: Estudo para o Ministério da Cultura

Augusto Mateus (2013) . A cultura e a criatividade na Economia Portguuesa.

Augusto Mateus (2016) A Economia Criativa em Portugal: Relevância para a Competitividade da Economia Portuguesa

http://creativeconomy.britishcouncil.org/resources_new/

https://cirquedumonde.app.box.com/s/dq719esu46eh7nklamaqp1r3vlyy3ghs

UNCTAD & UNDP – Creative Economy Report 2010 pdf 

UNESCO: Cultural times – The first Global Map of Cultural and Creative Industries pdf 

UNCTAD – Capturing the Creative Economy in Developing Countries ppt (1.2 MB)

Bas RAIJMAKERS, Eindhoven Danielle ARETS “Thinking Through Making – An approach to orchestrating innovation between design and anthropology pdf (491 KB)

Tim INGOLD. “Thinking through Making” at Pohjoisen kulttuuri-instituutti – Institute for Northern Culture (video lecture) (25 min 29 sec)

Cultura e Dignidade Humana CI – A ideia de Economia Criativa

Estamos então em condições de entender que o conceito de economia criativa depende do uso dos conhecimentos, das capacidades e aptidão de aproveitar as novas oportunidades”[1].

Também verificamos, que associado ao conceito de Economia Criativa está a ideia de Desenvolvimento Sustentado. Uma ideia também ela complexa, que implica que o desenvolvimento, ou a melhoria do bem-estar e das condições de vida, devem ocorrer, idealmente, em simultâneo nos diferentes planos, culturais, societais, económicos e ambientais.

Deste modo a Economia Criativa é também olhada com um instrumento de desenvolvimento, sobretudo nos países menos avançados, onde a economia criativa pode ser usada para afirmar as suas tradições e projetos identitários (muitos países em desenvolvimento encontram-se em processo de afirmação das suas identidades nacionais), mas também com um instrumento para diversificar as suas economias, promover o crescimento económico e estimular a participação social na criação do bem-estar e progresso social.

Já nos países desenvolvidos, a economia criativa é essencialemte olhada pelo seu potencial na promoção da criação de emprego e oportunidade de negócio, sobretudo entre a juventude. Nos países desenvolvidos, as políticas de combate à pobreza e exclusão social, é frequente verificar o uso de políticas públicas para estimular a economia criativa. Algumas desta políticas tem sido usado com sucesso em espaços de trtansição de economias tradicionais para economias globais (Colômbia, Nigéria, Tailandia)

Da prespetiva económica a Economia Criativa tem registado um crescimento mais rápido do que outros setores da economia mais tradicional A economia criativa tende a ser olhado como uma alternativa aos setores de especialização tradicional, sobretudo pelo sue impacto nos processos de urbanização. A crescente conexão dos mercado, o crescimento das tecnologias de comunicação, a ampliação e diversificação dos media, são fatores que tem vindo a aumentar e a alrgar o mercado potencial para produtos e serviços criativos, tais como musica, animação digital, videojogos, publicidade. Há toda uma gama de serviços que são possíveis de concretizar na economia criativa, encurtando redes de intermediação e olhando para mercados mais vastos.

A economia criativa em todo o mundo apresentou uma elevada resiliência perante a crise financeira de 2008, continuou a crescer a uja taxa elevada e apresenta-se hoje como um dos setores mais dinâmicos da economia mundial

[1] Creative Economy Report 2010 – UNCTAD/UNDP

Cultura e Dignidade Humana C – O Processo de Criatividade

velazquez-las-meninas

O processo de criatividade

A questão da produção de inovação social tem sido um tema que temos vindo a trabalhar no âmbito da museologia social.

 

Velasquez as meninas: a inversão da perspetival

  • O que controlo e o que não posso controlar: selecionar o relevente e deixar o acessório
  • Inspiração nas Histórias contadas
  • Ultrapassar os Limites. Procurar novas soluções para velhos problemas
  • Ultrapassar a Perda – O trágico da condição humana

Tudo está em processo. Procurar a Tensão no processo.

Há um ciclo de criação e destruição. Há coisas que podemos controlar e outras que temos que deixar. É necessário pega nos restos e começar de novo

Arqueologia, História, Museologia, património

Cultura e Dignidade Humana – XCIX – Economia Criativa e Cultura

Sem conhecimento, cultura e educação é muito difícil ser-se criativo. Sabemos que os valores culturais, as práticas culturais, os valores históricos e o conhecimento das tradições locais são fatores que influenciam de forma relevante a criatividade. É também necessário acesso à tecnologia e à informação. A criatividade não é algo que pré-existe. Podem ser treinadas atitudes que favorecem a emergência de situações criativas. Mas a criatividade emerge da leitura do lugar (Spiritus loci) da experiencia de vida e da interação em grupo (do encontro).

A criatividade não é uma forma de inteligência. Não se pode aprender a ser criativo. A criatividade pode ser definida como a capacidade de criar qualquer coisa nova e útil. Por isso a criatividade tem mais a ver com uma atitudo perante o mundo, uma capacidade que pode ser treinada, e que pode mergir em qualquer lugar em qualquer tempo.

Ser criativo, é em síntese encontrar um lugar no mundo. Num mundo em Mudança. Nessa prespetiva a criatividade não existe apenas no campo das artes e da cultura. A criatividade é necessária em todos os campos da vida individual e dos grupos. Existe na economia, na ciência, nos negócios. È uma forma de adaptação à mudança.

Cultura e Dignidade Humana XCVIII – Industrias Criativas e Economia Criativa

As indústrias criativas podem classificar-se em 4 grandes grupos: Património, Artes, Média e Criações funcionais.

Industrias Criativas
Património Arte Média Criações Funcionais
Expressões Culturais Tradicionais

l

Artes Visuais

Pinturas

Escultura

Fotografia

Imprensa e Literatura

Livros

Jornais

Publicações

Design

Design de interiores

Grafico

Moda

Joalharia

Brinquedos

Lugares de Cultura

Monumentos

Museus

Livrarias

Arquivos

Artes Performativas

Musica

Teatro

Dança

Opera

Circo

Marionetas

Audiovisuais

Filmes

Televisão

Radio

Radiodifusão

Serviços Criativos

Arquitetura

Publicidade

I&D Criativo

Serviços culturais

Serviços Digitais

Novos Média

Conteúdos Digitais

Videojogos

Software

Animação

O primeiro grupo, inclui dois subgrupos: as expressões tradicionais, com o artesanato, as festas e romarias e as expressões da cultura local (gastronomia, lendas, musicas, danças), e os lugares de cultura, como monumentos, museus, arquivos, livrarias que são lugares de memória, simultaneamente de valor simbólico e onde são possíveis concretizar atividades económicas.

O Segundo grupo, da Produção de Arte, que inclui todas as expressões que se inspiram seja na cultura popular ou erudita, local ou do mundo inclui as expressões visuais (de produção de pintura, escultura, fotografia, instalação) e as artes performativas (como música, concertos, danças, circo teatro, etc).

No terceiro grupo, nos produtos mediáticos são produções criativas que se destinam a grandes audiências e a mercados mais globais, é constituída pela industria livreira, cinematográfica, televisão e radio e, mais recentemente as comunicações na rede global (WWW)

IO quarto e último grupo das industrias criativas corresponde a Criações funcionais, e incluem as áreas do design, dos novos médio, arquitetura, a publicidade, o entretenimento.

Como todas as categorizações as fronteiras entre as diferentes industrias podem ser muito fluídas. No entanto o que queremos aqui salientar é que entre elas existe uma forte ligação entre conhecimento, cultura e educação, e uma dos fatores que distingue o seu trabalho é a criatividade

Cultura e Dignidade Humana XCVII – Redes de Cidades Criativas

Um outro lugar onde as indústrias criativas são convocadas a intervir, agora numa prespetiva de intervenção é nas cidades. A rede das cidades criativas[1] procura criar focos de desenvolvimento a partir das atividades criativas, ou usar as atividades criativas para regenerar tecidos urbanos degradados (criação de hubs criativos)

cidadescriativas

Também aqui as fronteiras das indústrias culturais se tornaram fluídas, tendo sido necessário introduzir a ideia de “indústrias criativas”, definidas agora como um ciclo de criação, produção e distribuição de bens e serviços que usa a criatividade e o capital intelectual [2] As industrias criativas permitem agregar, em termos económicos a produção dos bens intelectuais e bens simbólicos e encontra-se no centro da Economia Criativa

[1] http://en.unesco.org/creative-cities/home

[2] Noutra definição de 2008 “ atividades que têm a sua origem na criatividade individual, habilidade e talento e com potencial de criação de emprego e riqueza, através da geração e exploração da propriedade intelectual” https://www.gov.uk/government/policies/media-and-creative-industries