Viagens no Brasil – O Barroco e a Festa

Crisálidas

Sentados no grande auditório da Pinacoteca ouvimos a lição inaugural do I Simpósio de Pesquisa em Museologia. Luís Morales Moreno[2] “Tendências do Pensamento Museológico na América Latina: A mediação cultural subalterna dos museus no Brasil, na Colômbia e no México”.

O conferência trabalha o olhar museológico da contemporaneidade, a partir do conceito de subalternidade. Aquilo a que se chama a museologia subalterna, conceito que vem da análise do discurso como enunciado de poder, conforme as Literaturas subalternas. O autor propõe analisar as narrativas hegemónicas da representação histórica antropológica em alguns museus do Brasil, México e Colômbia a partir do olhar subalterno, na busca da sua desmontagem.

Segundo o autor, o enfoque subalterno consiste na procura dum outro olhar paradigmático (um dobradiça/bisagra) sobre o objeto museológico. Assim, aquele objeto que do lado do atlântico permite apresentar o exótico, o outro, nos museus americanos esses objetos são eles próprios e eles mesmos. Assim, se dum lado, hegemónico está o olhar sobre o outro; o olhar americano olha-o como histórico de si. Ora, esse olhar sobre esse objeto adquire a busca dos essencialismos e da mestiçagem, é importante para entender como o museu opera a transferência cultural sobre as forma, praticas e olhares.

Esta museologia subalterna vai assim produzir outras narrativas com base em tradições autóctones para além das genealogias europeias, fazendo emergir o outro. Esse foi um processo, que emerge na América latina a partir dos anos 70. Esta museologia subalterna, possível a partir da crise da museologia europeia, da Cris do objeto e da organização do museu como lugar do sagrado. Essa nova museologia, que procura não só novas formas de gestão, como também uma crítica à linguagem binária da exposição (o significado do objeto e o sentido do objeto), introduzindo a performatividade da linguagem, procurando fazer o objeto falar através de múltiplos canais sensoriais.

Morales, com o seu conceito de museologia subalterna, mais do que uma proposta teoria procura uma “enfoque específico, profundamente historiográfico e conceptual, sobre a maneira como as sociedades europeias e pós-coloniais adaptaram às sua estratégias comunicativas e aos seus interesses geopolíticos, a leitura do seu devir histórico e social”. Desse modo, o discurso da museologia subalterna torna-se num discurso crítico, da herança nacionalista de cunho liberal e revolucionaria, e num discurso de desconstrução das mitologias autoritárias e anti democráticas. Uma narrativa que está presente numa encruzilhada face à construção da nacional. O museu histórico nacional deverá, segundo o autor ser um museu aberto à globalidade. Uma nação para além da nação.

O ponto de partida do autor são os encontros entra a América e A Europa que produziram cruzamentos mestiços. Olhar esses cruzamentos a partir das suas narrativas hegemónicas permitiu encontrar numa primeira fase a reprodução dos dispositivos culturais das culturas europeias. Com o período do romantismo, um tardo romantismo, permitiu criar narrativas nacionais na América do Sul, tal como tinha sido proposto na Europa. No entanto, numa primeira diferença, esse mesmo romantismo vai introduzir uma diferença na raiz europeia ao procurar introduzir uma primeira visão americanista do mundo natural. A ideia da América como mundo surge em primeiro lugar as partir da especificidade da sua natureza. Da natureza, da ideia da natureza americana, como radicalmente diferente da natureza europeias, emerge numa segunda fase, a procura da especificidade através da arte. O homem americano é ele próprio produtor de arte. Através da arte e dos trabalhos da Antropologia (ver Franz Boas) é criada uma recriação da ideia da natureza americana. No México, por exemplo, em 1822 é criado o Museu Nacional do México com base numa coleção mineralógica, criada pelo Gabinete de Historia Natural de 1790).[3]

A partir dos anos 10 do século XX o museu passa a incorporar os objetos das comunidades mexicanas. O museu passa a ser museu de História, Arqueologia e Etnografia, e as coleções de história natural passam para um novo espaço.

A partir dos anos 70 do século XX é incorporado no museu uma linguagem museal binária. O objeto é trabalho em termos do seu significado e do seu sentido[4]. O museu é um espaço de legitimação duma narrativa. Um tema que é estabilizado em termos do enunciado genealógico, que se concretiza nas abordagens de significado dadas pelos visitantes. Torna-se portanto necessário ampliar os processos de perceção.

De algum modo regista-se assim um enfrentamento entre diferentes escolas museológicas. Dum lado, a tradição anglo-saxónica, com o seu culto da intemporalidade do objeto e do culto da sua ancestralidade, do outro a tradição estruturalista da teoria da comunicação.

A construção do objeto mexicano é o resultado da aplicação duma ideia mexicana. O objeto museológico torna-se um objeto barroco, um objeto que se torna deslumbrante porque transporta diferentes narrativas. O objeto mexicano é um objeto imanente e transcendente. O objeto assume-se como um espelho das relações de poder. Um objeto é uma afirmação dum poder na comunidade que se concretiza em processo.

A partir dos anos 90 a nova história cultural de Roger Chartier opera uma rutura com as teorias mais formais dos objetos signos. Os objetos passam a ter um reflexo biográfico.

Ver a questão do objeto signo de Lévi-Strauss .  A museologia como interdisciplinaridade. O pensamento selvagem e o pensamento mítico. Diferenciam-se pela sua especificidade em relação ao objeto.

Mediações . A exploração do visível e do invisível. O grito como processo de libertação.

A memória e a linguagem. As novas narrativas e as novas mediações no século XXI. Compreender o museus como uma representação da memória. Nas narrativas sagradas são narradas história, nas narrativas profanas são representadas diferenças. Os museus como espaço sagrado e espaços profanos.

A museologia nas Américas é uma museologia profana.

Outro olhar sobre a conferências

http://www.forumpermanente.org/event_pres/simp_sem/i-simposio-pesquisa-em-museologia/relatos/mediacao-cultural

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on “Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon).
Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages” with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

The inclusion of community knowdlege on territorial development