Museu do percurso do Negro

O Museu de Percurso do Negro em Porto Alegre que visitei em agosto de 2015, no âmbito dos trabalhos do III CEAM em Porto Alegre é um projeto que busca dar visibilidade á presença da a comunidade afro-brasileira na cidade. Concentramo-nos no Espaço do museu e fomos acompanhados pelo Pedro Rubem Vargas, coordenador do projeto.WP_20150827_14_38_09_Pro

O Museu constitui-o se como um “Ponto de Memória” e forma-se a partir dum percurso pela cidade, na sua zona central. No espaço público do centro histórico da cidade foram instaladas de obras de arte, que simbolizam a contribuição da comunidade afro na construção da cidade.

O projecto

As primeiras ideias do projecto do museu do homem negro em Portalegre desenvolveram-se nos anos oitenta, a partir da Comunidade da Lomba do Pinheiro, a partir da constatação da invisibilidade da contribuição da WP_20150827_14_57_19_Procomunidade afro nas narrativas sobre a cidade. Porto Alegre foi porto de escravos negros até ao século XIX, e tiveram uma forte presença na construção da cidade e no desenvolvimento da agricultura. Alguns dos trabalhos desenvolvidos na altura permitiu resgatar algumas das memória da população afro, mas sem se conseguir formar um museu.

No início do século, a partir de diferente movimentos sociais da comunidade negra e da oportunidade oferecida pelos Pontos de Cultura e de Memória formou-se o primeiro elemento do percurso. O desenvolvolvimento partiu de uma construção coletiva da comunidade negra  de Porto Alegre procurando criar visibilidade da memória no espaço e criar condições para uma tomada de consciência sobre a cidadania e a identidade cultural. Os espaços são formados através de elementos simbólicos (obras de arte)  forma a serem fruídos através da memória do sítio. Uma memória construída pela passagem do negro no espaço. Ao mesmo tempo, o museu realiza diferentes ações de formação para jovens.WP_20150827_14_35_58_Pro

Constituindo-se como um projecto colaborativo do movimento negro, reunidas pelo Centro de Referência Afro-brasileiro, o primeiro elemento foi criado em 2011. Através da colaboração do grupo Angola Janga, foi executado a obra Tambor. O mesmo processo foi seguido para o elemento Pegada Africana. O terceiro elemento, o Bará, foi concretizado no Mercado, através da colaboração da Congregação em Defeza das Religiões Afrobrasileiras – CEDRAB RS. O quarto elemento, o Silar Afrobrasileiro contou com o apoio da FunArte e envolveu a formação da vários jovens do Quilombo do Areal. O quinto elemento ainda não está concretizado.

O Percurso do Negro

“O percurso visual em processo de execução evoca a presença, a memória, o protagonismo social e cultural dos africanos e descendentes no Centro Histórico da cidade de Porto Alegre, cuja pesquisa histórico-antropológica indicou os lugares vivenciados pelos africanos, a fim de elaborar objetos de arte representativos” e é constituído por:

  • O Bará no mercado Público. Simboliza os caminhos que se cruzam. A ligação entre o passado e o presente. É um chão sagrado;WP_20150827_007
  • O painel afrobrasileiro, no local do Cais do Porto e antigo Ancoradouro; representa as ligações ao mundo;
  • WP_20150827_15_29_42_Pro WP_20150827_15_29_48_Pro
  • A pegada africana, no Largo da Quitanda (Praça da Alfândega), representa o contributo da cultura afro para o Brasil;
  • WP_20150827_15_41_01_Pro WP_20150827_15_41_09_Pro
  • No Pelourinho (Igreja das Dores) e antigo Largo da Forca, o elemento que falta concretizar, no espaço do justiciamento;
  • WP_20150827_15_58_57_Pro
  • O Tambor, junto à antiga praia, simboliza os diferentes contributos da comunidade negra em Porto Alegre. O Tambor em cimento, tem diferentes figuras, contando a história dos negros no Brasil, ao mesmo tempo. Ao bater no cimento podem compor-se diferentes sonoridades.
  • WP_20150827_014WP_20150827_16_07_46_ProWP_20150827_16_08_01_ProWP_20150827_16_14_25_ProWP_20150827_16_15_56_ProWP_20150827_16_17_01_Pro

Há ainda vários elementos que podem ser integrado no percurso, como por exemplo a Igreja da Nossa Senhora do Rosário, o Mercado Público e a Santa Casa de Misericórdia, a Colónia África e o Areal da Baronesa.  O objectivo do museu é criar processos museológicos a partir das relações sociais atuais e construir uma narrativa sobre a memória.

Porto Alegre, Brasil – visita de 27 agosto 2015

Site do Museu aqui

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

The inclusion of community knowdlege on territorial development