Viagens na América do Sul – O Barroco e a Festa

O Fado é uma forma de vida -“Silêncio que se vai cantar o fado!”. As luzes baixam de intensidade. As conversas tornam-se sussurros. O guitarrista dedilha acordes. A Fadista aclara a garganta. De súbito, com garra lança o som para o espaço, ganhando a atenção da plateia. A música, em dueto da guitarra e da viola segue a voz e o ritmo.

Canta-se a saudade. “A alma dum povo” em forma de poesia No final, com a sensibilidade à flor da pele, os aplausos irrompem no espaço. Há Tigre…! Grita-se.

A experiencia do fado é uma estranha forma de vida.

Classificado Património Cultural Imaterial da Humanidade, em 2011, o Fado é hoje simultaneamente uma expressão cultural, com uma gramática e narrativa própria, que a individualiza e um produto turístico vendido como expressão duma especificidade nacional.

Como narrativa, o fado está referenciado desde meados do século XIX como uma forma de expressão da cultura urbana. Através do canto sintetizam-se os problemas, os anseios, os sonhos e as sensibilidades. Para a cristalização da sua mitologia, contribuem os clássicos elementos de espaço de diálogo ente comunidades. Diálogos marginais entre grupos sociais diferenciado, entre formas de poderes, géneros e culturas. Espaços marginais a partir dos quais de processam as ligações no tecidos social.

A sua gramática cristaliza-se em torno da intensidade dramática. O fado conta uma história. Uma história de intensidade crescente. De aventura e desventura. Fala, intensamente da felicidade, dos amores e do quotidiano. Atinge um clímax, um desenlace numa tragédia, numa fatalidade, na concretização dum destino. Um destino vivido intensamente com paixão. Mas esta gramática está em construção. Procuram-se hoje novos diálogos com outras expressões populares. Da Morna de Cabo Verde aos Blues e os Goodspel de raízes africanas, a gramática universaliza-se, buscando raízes e reconexões aos ritmos da modernidade.

Um dos aspetos menos trabalhado na relação do fado com as formas culturais contemporâneas é a profunda ligação do Fado com os movimentos sociais. A sua condição de proximidade ao quotidiano, à vida e às experiencias urbanas. A sua expressividade nas margens, pelos lugares escondidos fá-lo ultrapassar a função meramente reprodutora de valores estéticos, para se assumir como um expressão de inovação e reconhecimento social. Uma realidade visível pela poética que emerge nas sonoridades traduzindo experiencias e utopias.

Estas reflexões entre o Fado e a sua injunção com o Samba são reflexões que fizemos a propósito do debate “Memória sobre o Projeto Kakunga, apresentado por Maurício Barros de Castro no 5º Congresso Europeu de Estudos Africanos, em junho em Lisboa, e posteriormente em Coimbra.

O projeto Kalunga é um projeto de investigação desenvolvido pelo autor e insere-se no trabalho do Museu Afro Digital Estação do Rio. A questão dos museus afro digitais e da sua missão de resgate das memórias e do esquecimento é um interessante desafio para a releitura das dinâmicas identitárias. No caso brasileiro é conhecida a demanda identitária que acompanha a formação da nação. O campo musical e da festa é um terreno fértil para pesquisar estas questões. O projeto Kalunga, uma iniciativa solidária dos músicos populares brasileiros, insere-se nessas dinâmicas. As várias correntes em confronto na MPB. Uma delas, a corrente tropicalista entronca na herança dos trabalhos de Mário de Andrade e Francisco Buarque de Holanda, e efetuam um rutura com os movimentos folcloristas.

Grosso modo, no final dos anos 60 um grupo de músicos após o festival o Festival de Música Popular realizado em 1967 pela TV Record, debaixo da influência do concretismo, agrupam-se num movimento conhecido por “Tropicália”, onde efetuam ma proposta musical de fusão de diferentes influências, entre os quais se destacam o rock, a bossa nova, o baião, o samba, o bolero. Nas letras, sente-se também a influência do tempo, com a poética a apresentar visões criticas da sociedades e os quotidianos das cidades. A diversidade do movimento é grande e nem todos +podem ser identificados com os protestos dos movimentos sociais que na época contestavam a ditadura brasileira. Também o uso das guitarras elétricas levou à crítica de uns em relação à perda do “purismo” tradicional da MPB. Caetano Veloso, Gilberto Gil, Torquato Neto, Tom Zé, Jorge Bem, Gal Gosta, Maria Bethânia e Milton Nascimento são alguns dos nomes deste movimento.

Paralelamente, nos anos sessenta emerge o Movimento Black Power – O movimento negro. Esse movimento, no Brasil leva à procura à Matriz Identitária Africana. Kalunga, na lingua Banta significa o Mar. O lugar da morte. Na mitologia Congo, o cruciforme que representa o mundo tem duas linhas. A horizontal e a Vertical. O mundo material e imaterial. O Kalunga é a intersecção entre as duas linhas. O lugar onde o material e imaterial se ligam.

O projeto Kalunga surge então neste contexto pós-colonial, de profunda renovação na música brasileira, na procura de novas matrizes identitárias, ao mesmo tempo em que Angola se torna independente, uma independência reconhecida pelo Brasil. As relações pós-coloniais estruturam-se em torno de novos eixos, através da música, das literaturas, dos legados da história. Embora não existe uma unidade semiológica ente o Samba e o Semba de Angola, o projeto Kalunga permitiu recuperar essas relações.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

The inclusion of community knowdlege on territorial development