Viagens na Fronteira

Viagem pelos museus da Raia.

Saímos de Lisboa ao raiar da manhã em direção a Norte. Passada a lezíria ribatejana, infletimos para leste, ao longo do curso do Tejo. A medida que as suas margens se estreitavam e as arribas aumentavam, o pinhal tomava conta da paisagem. Á direito o Tejo encaixado nos vales de xisto. Terras enxutas onde medram eucaliptos e escasseiam as gentes.

Primeira paragem em Castelo Branco. A praça da cidade, reabilitada pelos programas Polis. Percorremos o centro a pé. Olhamos para os novos equipamentos que surgem.

A biblioteca, um Centro de Informática, Cafés e esplanadas. Uma casa da música em construção. Seguimos pela antiga via de contorno do recinto medieval em direção á igreja matriz. Panos de muralha encontram-se a descoberto. No final da rua surge a residência episcopal onde está instado o museu Manuel Gonçalves Proença Júnior.

O palácio setecentista, amplo no janelame, com jardins ao gosto da época. Nas antigas hortas estão agora instalados equipamentos para jovens e crianças. Parque infantil em vez de rosas. Já dentro do museu fomos recebidos pela Diretora AR. Um percurso de luxo onde passamos pelas suas várias secções. Começamos pela arqueológica. A coleção recolhida pelo jovem arqueólogo que deu o nome ao museu, recolhida no princípio do século e reabilitada nos projetos do IPPAR, Instalado no piso térreo olhamos para dentro de vitrinas onde víamos pontas de seta e facas do paleolítico, pedaços de ferro e bronze da idade dos metais, conjuntamente com estelas e colunas. Tudo harmoniosamente distribuído pelo espaço.

De seguida subimos ao primeiro piso. No consulado de Catarina Vaz Pinto o museu passou a ter um novo conceito dedicado à tapeçaria. Depois duma galeria dedicada aos bispos de Castelo Branco, uma diocese criada no século XVIII aquando da elevação da vila a cidade e extinta cento e dez anos (1771-1881), surgem as tapeçarias encaixadas em grandes módulos que convidam à descrição.

Enquanto de preparava uma exposição de arte sacra para o período da Páscoa, com base num conjunto de obras locais. De saída ainda apanhamos o grupo de bordadeiras que trabalham no espaço do museu resgatando o bordado tradicional de castelo Branco. Bordados a seda, com cores garridas e motivos orientais, refletem heranças de outras viagens

No final um almoço de cozido à portuguesa num restaurante local. O vinho do Fundão, tinto carregado a regar as carnes generosas. Conversas soltas sobre museologia. Os trabalhos com as comunidades ciganas foram pontuais com algumas reclusas do estabelecimento prisional Um museu que tem vindo a procurar incluir a comunidade e o território na planície albicastrense.

IMG_8119

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

The inclusion of community knowdlege on territorial development