Conclusão do Projeto Global Heritages

Conclui-se hoje o Projeto Global Heritages (2012-2017), realizado no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra

Resultados globais:

  • Este Site
  • 3 Revistas de Disseminação Científica
  • 4 Livros Publicados
  • 2 Livros Editados
  • 1 Capítulos em Livro
  • 1  Recensão
    • há várias recensões incluídas neste site
  • 18 Co-Edição em Revistas Científicas
  • 41 Artigos em Revistas Científicas
    • com 5 no prelo
  • 13 Artigos em Atas de Eventos
  • 43 Comunicações em Eventos
  • 10 Relatórios  Técnicos
  • 9 Working Papers
  • 12 Outras Publicações em jornais de divulgação
  • 8 Sites
  • 1 Museu
    • Museu Afro Digital
  • 1 Cátedra UNESCO “Educação, Cultura de Diversidade Cultural”

 

O programa será reformulado em 2018

Heranças Globais – Disseminação científica (2012-2017)

Revistas

Livros publicados

  • Leite, Pedro Pereira (2017), Sociomuseologia e Dignidade Humana: Estudos sobre a Diversidade Cultural e o Desenvolvimento Sustentado. Lisboa: Marca DÁgua: Publicações e Projetos.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), Heranças do Mar Salgado: A geocultura na Estratégia do Mar. Lisboa : Marca D’Agua .
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2013), Lisbon Saraswati: Experiencia das Viagens sobre as heranças de Lisboa. Ilha de Moçambique /Lisboa: Marca DÁgua .
  • Leite, Pedro Pereira (2012), Olhares Biográficos: A Poética da Intersubjetividade em Museologia. Lisboa/Ilha de Moçambique: Marca D’Agua : Edições e Projetos.

Livros editados

  • Leite, Pedro Pereira; Henriques, Isabel Castro; Ana, Fantasia (orgs.) (2013), Lisboa Africana: Lugares e percursos da memória africana na cidade. Ilha de Moçambique /Lisboa: Marca D’Agua -Publicações e Projetos.
  • Castro Henriques, Isabel; Leite, Pedro Pereira; Fernandes, Cátia (orgs.) (2013), Lugares de Memória da Escravatura e do Tráfico Negreiro (Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe. Lisboa/Ilha de Moçambique: Comité Português da UNESCO A Rota do Escravo.

Capítulos em livros

Leite, Pedro Pereira (2015), “A Nova Museologia e os Movimentos Sociais em Portugal”, in Mário Sousa Chagas (org.), Museologia Social. UNICHAPECO: Editora Argos UNICHAPECO.

Recensões de livros

Leite, Pedro Pereira (2015) recensão crítica a Pablo Escobar (2007) , Post-development as a concept and social practice, London: Routledge, 35, in Informal Museology Studies, 5.

Co-Edição de Volumes de Revistas Científicas

  • Carvalho, Ana; Sousa Monteiro, Joana; Leite, Pedro Pereira (2017), “Políticas Museológicas” número temático em “Boletim do ICOM Portugal”, 8.
  • Leite, Pedro Pereira; Janeirinho, Luisa; Valleriani, António (2017), “17” número temático em “Museologia Social e Cidades Mundo: Uma Pedagogia Barroca”, 17.
  • Leite, Pedro Pereira; Carvalho, Ana (2016), “Museus e diversidade Cultural” número temático em “Boletim do ICOM Portugal”, 5.
  • Leite, Pedro Pereira (2016), “Ecomuseus e Museologia Social” número temático em “Informal Museolgy Studies”, 15.
  • Leite, Pedro Pereira, Carvalho, Ana, Monteiro, Joana de Sousa et al, (2015) número temático em “Boletim do ICOM Portugal”, 1/2015.
  • Leite, Pedro Pereira (2015), “Estudos sobre o Desenvolvimento” número temático em “Informal Museology Studies”, 8.
  • Leite, Pedro Pereira (2015), “Africanidades” número temático em “Lusotopias- Revista de Geocultura”, 2.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “serie II” número temático em “Boletim ICOM Portugal”, nº1.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “Merging” número temático em “Heranças Globais : Mergging”, 4.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “Neurociência Social e método sociodrama” número temático em “Heranças globais Memórias Locais”, 5.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “5” número temático em “Heranças Globais: Método Sociodramatico”, 5.
  • Leite, Pedro Pereira (2014) número temático em “Lusotopias – Revista de Geocultura”, 1.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “Informal Museolgy Studies” número temático em “Narrativas Biográficas e Investigação Científica”, 7.
  • Leite, Pedro Pereira; Isabel Castro, Henriques; Fernandes, Cátia (2013), “Lugares de Memória da Escravatura e do Tráfico Negreiro” número temático em “Comité Português A Rota do Escravo”, 1.
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2013), “Questões Sobre Estudos Africanos” número temático em “Heranças Globais sobre estudos africanos”, 2.
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2013), “3” número temático em “Heranças Globais – Método biográfico”, 3.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Lisbon in real Time Exhibition Memory / Memory of an Exhibition” número temático em “Informal Museology Studies:Papers on Qualitative Research”, 1.
  • Leite, Pedro Pereira (2012) número temático em “Heranças Globais- Memórias Locais”, 1.

Artigos em revistas científicas

  • Leite, Pedro Pereira (2017), “A Museologia e a Relação entre Direitos Humanos e Ambiente”, Informal Museology Studies , 18, 18, 58-98.
  • Leite, Pedro Pereira (2017), “Educação Global e museologia social: Experiências do sul global sobre desenvolvimento sustentável”, Informal Museology Studies , 16, 16, 16 -27.
  • Leite, Pedro Pereira (2017), “Educação, Cidadania e Diversidade Cultural nas Cidades: Os desafios dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no Urbanismo”, Informal Museology Studies , 18, 18, 32-57.
  • Leite, Pedro Pereira; Janeirinho, Luísa ; Moutinho, Mário ; Primo, Judite (2017), “Educação, Cidadania e Diversidade Cultural: Cátedra UNESCO”, Informal Museology Studies , 17, 17, 8-12.
  • Leite, Pedro Pereira; Chagas, Mário; Moutinho, Mário ; Primo, Judite ; Stornino, Claudia (2016), “A Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social”, Informal Museology Studies , 1, 13, 19-51.
  • Leite, Pedro Pereira (2016), “Diálogos sobre narrativas sobre o Excesso: Fundamentos de uma Museologia Nómada”, Informal Museology Studies , 12, 12, 38-59.
  • Leite, Pedro Pereira (2016), “DRAMA MUSEOLOGIA E PATRIMÓNIOS”, Informal Museology Studies , 1, 15, 7-11.
  • Leite, Pedro Pereira (2016), “Notas Milanesas sobre Ecomuseus e Museus Comunitários”, Informal Museology Studies , 14, 14, 88-99.
  • Leite, Pedro Pereira (2015), “Memórias Esbranquiçadas: as heranças africanas nos museus portugueses”, Atas do colóquio Arte Memória e Poder , 2, 2, 1-21.
  • Leite, Pedro Pereira; Primo, Judite dos Santos (2015), “Olhares biográficos em museologia: os desafios da intersubjetividade”, Cadernos de Sociomuseologia , 1, 5, 129-1244.
  • Leite, Pedro Pereira (2015), “Olhar o outro: narrativas museológicas sobre a diversidade na época da globalização”, Complutum – Revista da Universidade Complutense de Madrid , 26, nº 2 2015, 101-110.
  • Leite, Pedro Pereira (2015), “Movimientos sociales y nueva museología. La innovación brasileña”, Etnicex , 6, 6, 55-69.
  • Leite, Pedro Pereira (2015), “Cultura e Desenvolvimento?”, Informal Museolgy Studies , 11, 11, 66.
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2015), “Estudos sobre o Desenvolvimento”, Informal Museolgy Studies , 8, 8, 1-26.
  • Leite, Pedro Pereira (2015), “A emergência da escultura Makonde e a ideia de Moçambicanidade”, Lusotopias- Revista de Geocultura , 1, 2, 30-42.
  • Leite, Pedro Pereira; Carranca, Carlos (2015), “A Dignidade Humana e a Nova Narrativa para a Europa”, Museology Informal Studies , 10, 10, 17-44.
  • Leite, Pedro (2014), “A nova museologia e os movimentos sociais em Portugal”, Cadernos do CEOM – , 27, 41, 191-223.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “The sociodramatic Aproach on Informal Museology Studies”, Heranças Globais – Memórias Locais , 5, 5, 20-55.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “Social Neuroscience and Museology”, Heranças globais Memórias Locais , 5, 5, 3-15.
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2014), “As narrativas biográficas: oralidade e intersubjectividade”, Informal Museolgy Studies , 7, 7, 5-14.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “Cartas do Património: Instrumentos de participação no urbanismo”, Informal Museology Studies , 1, 7, 1-30.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “A relevância dos Museus de Macau para a Rede de Museus da Lusofonia”, Plataforma Macau , 1, 7, 28.
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2014), “As Narrativas Biográficas e as metodologias de investigação-acção sobre a memória e o esquecimento”, Proceedings of European African Congress on African Studies , 5, 5, 1-21.
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2013), “Cartografias dos Estudos Africanos”, Heranças Globais . Memórias Locais , 2, 2, 9-33.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Museologia Informal e Investigação-Ação”, Heranças Globais . Memórias Locais , 2, 2, 35-48.
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2013), “Narrativas Biográfica e Investigação-ação”, Heranças Globais . Memórias Locais , 1, 2, 51-61.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “O ciclo de Cinema Escravatura e Tráfico de Seres Humanos”, Heranças Globais . Memórias Locais , 1, 2, 103-107.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Oficina do Riso”, Heranças Globais . Memórias Locais , 1, 2, 99-102.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Poética da Viagens Museológica: Viagens na Fronteira 1”, Heranças Globais . Memórias Locais , 1, 2, 88-95.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Poética das Viagens Museológicas: Viagem em Moçambique I”, Heranças Globais . Memórias Locais , 1, 2, 76-88.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Tertúlias na Baixa”, Heranças Globais . Memórias Locais , 1, 2, 95-98.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Representações Cartográficas do Espaço Estratégico Português”, Informal Museolgy Studies , 3, 3, 14.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Representações dos lugares de memória: Estudos de Geocultura do Mar no litoral português”, Informal Museology Studies , 4, 4, 1-25.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Museologia, Desenvolvimento e Direitos Humanos”, VI Encontro de museus de Paises e Comunidades de Lingua portuguesa , 1, 6, 123-137.
  • Leite, Pedro Pereira (2012), “As narrativas Biográficas como metodologia da oralidade para operar a memória e o esquecimento”, Heranças Globais- Memórias Locais , 1, 1, 55-60.
  • Leite, Pedro Pereira (2012), “Cartografia da Memória”, Heranças Globais- Memórias Locais , 1, 1, 7-15.
  • Leite, Pedro Pereira (2012), “Encontros: Estratégias de Mediação na Poética da Intersubjetividade”, Heranças Globais- Memórias Locais , 1, 1, 16-20.
  • Leite, Pedro Pereira (2012), “Narrativas Biográficas e as Metodologias da Memória e do Esquecimento”, Heranças Globais- Memórias Locais , 1, 1, 52-54.
  • Leite, Pedro Pereira (2012), “Reflexão sobre a Poética da Viagem na Museologia”, Heranças Globais- Memórias Locais , 1, 1, 62-78.
  • Leite, Pedro Pereira (2012), “Sociomuseologia y globalización”, Revista de Museologia , 1, 53, 10.
  • Leite, Pedro Pereira (2012), “Museologia, Património e Direitos Humanos”, Series de Investigación Iberoamericana en Museologia , 4, 3, 215-226.

Artigos em atas de eventos

  1. Leite, Pedro Pereira (2017-01-12), “The Biographical Approach in Museological methodology: The Catembe project ecommuseum (Mozambike)” in ICOM Congress – Ecomuseu.eu (org.), Forum of Ecomuseums and Communitary Museums. Milano: Ecomnusei.eu, 7.
  2. Leite, Pedro Pereira (2015-11-13), “Árvore das Memórias” in Rede das Cidades Educadoras (org.), Atas do VI Encontro Nacional da Rede de Cidades Educadoras. Almada: Camara Municipal de Almada, 92-94.
  3. Leite, Pedro Pereira (2015-08-10), “Modos de Fazer e Estar em Djabula Mozambike” in Centro de Estudos Sociais (org.), Internacional Colloquium Episthemologies of theSouth. Coimbra: Centro de Estudos Sociais, 230-257.
  4. Leite, Pedro Pereira (2015), “Museologia e Inovação social” in Instituto de História Contemporânea da FCSH (org.), Atas do Encontro Patrimonialização e sustentabilidade do Património. Lisboa, Faculdade Ciencias Sociais e Humanas UNL.
  5. Leite, Pedro Pereira (2015), “O jardim da Memória e o fenómeno da escravatura na Ilha de Moçambique” in Centro de Estudos sobre Africa e o desenvolvimento (org.), working Pappers CEsA. Lisboa: Centro de Estudos sobre Africa e o Desenvolvimento, 10.
  6. Leite, Pedro Pereira (2014-06-29), “As Narrativas Biográficas e as metodologias de investigação-acção sobre a memória e o esquecimento” in Manuel João Ramos e Clara Carvalho (org.), 5º European Congress on African Studies. Lisboa: Centro de Estudos Africanos IUL, 1-13.
  7. Leite, Pedro Pereira (2013-9-23), “Mozambike Peace Process” in Hellen Perry (org.), Heritage Pratices on Contested Spaces. Limavaley: Causeway Museum Service, 25.
  8. Leite, Pedro Pereira (2013-11), “O Hospital de Moçambique: As fórmulas Europeias de construção da Saude colonial” in Ana Luísa Janeiro (org.), Atas do Colóquio Internacional Conhecimento e Ciência Colonial. Lisboa: Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência, 1.
  9. Leite, Pedro Pereira (2013-10), “Memórias Esbranquiçadas: As heranças Africanas nos Museu de Portugal” in Mirryam Sepulveda Santos, Mauricio Baros de Castro (org.), Atas II Seminário Arte, Cultura e Poder. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 11.
  10. Leite, Pedro Pereira (2013-09-2), “Casa Muss-amb-ike. O compromisso no processo museológico” in Crsitina Bruno, Marília Xavier Cury (org.), I Simpósio Internacional de Museologia. São Paulo: Universidade de São Paulo, 33.
  11. Leite, Pedro Pereira (2013-06-30), “As Narrativas Biográficas e as metodologias de investigação-acção sobre a memória e o esquecimento” in Manuel João Ramos e Clara Carvalho (org.), 5º European Congress on African Studies. Lisboa: Centro de Estudos Africanos IUL, 1-13.
  12. Leite, Pedro Pereira (2012-11), “As Janelas da museologia informal: uma proposta de olhar para aforma do espaço museológico” in Cêca Guimaraens (org.), Museografia e Arquitetura de Museus- conservação e tecnicas sensoriais. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro FAQ, 29-56.
  13. Leite, Pedro Pereira (2012), “Museologia, Património e Direitos Humanos” in Assensio, Pol, Assensio & Castro (org.), Atas do III Seminario Ibero Americano de Museologia. Madrid: Universidade Autónoma da Madrid, 215-226.

Comunicações em encontros científicos

  1. Leite, Pedro Pereira (2017), “”Sob o signo do Capricórnio: o 18º MINOM – Córdova Argentina”, comunicação apresentada na/o Museologia fora de Portas, Museu de História Natural da Universidade de Lisboa, 16 a 16 de Dezembro.
  2. Leite, Pedro Pereira (2017), “O Potencial Criativo das Cidades Museu”, comunicação apresentada na/o Encontro da Rede Museística de Lugo, Museu Provincial de Lugo, 30 de Novembro a 01 de Dezembro.
  3. Leite, Pedro Pereira; Moutinho, Mário; Primo, Judite (2017), “Heranaçs Globais – Memórias Locais”, comunicação apresentada na/o Seminário Internacional IBERMUSEUS – 10 anos , CCBB Brasília, 28 a 29 de Novembro.
  4. Leite, Pedro Pereira (2017), “Árvore das Memórias – Oficina de Museologia Social”, comunicação apresentada na/o XII Encontro de Educação Escola Sem Muros, Convento dos Capuchos – Almada, 18 a 18 de Novembro.
  5. Leite, Pedro Pereira (2017), “Ligar Pessoas – Criar Pontes: Os desafios das Redes de Museus em Portugal”, comunicação apresentada na/o IV Encontro da Associação Portuguesa de Casas Museus, Casa do Brasil – Santarém, 03 a 03 de Novembro.
  6. Leite, Pedro Pereira (2017), “Passagens – Experiencias de Libertad en Espacios de transición”, comunicação apresentada na/o 18º Encontro do MINOM, Museu Evita Peron – Cordoba Argentina, 09 a 14 de Outubro.
  7. Leite, Pedro Pereira; Primo, Judite (2017), “A Sociomuseologia como formação integral: a acessibilidade universal”, comunicação apresentada na/o IV Congresso Internacional Educação e Acessibilidade em Museus e Património, Lisboa, 02 a 04 de Outubro.
  8. Leite, Pedro Pereira (2017), “Peregrinações pela Ilha de Moçambique na era do Antropoceno”, comunicação apresentada na/o VII Encontro da Rede BrasPor, Sesimbra, 18 a 21 de Setembro.
  9. Leite, Pedro Pereira (2017), “Tree of Memories – Global Heritege Research Project”, comunicação apresentada na/o Encontro com a Ciência 2017, Feira Internacional de Lisboa, 03 a 05 de Julho.
  10. Leite, Pedro Pereira (2017), “Global Education and Sociomuseology: Experiences from the Global South on Sustainable Development”, comunicação apresentada na/o The Subjetive Museum The impact of participative strategies on the museum, Museu de Frankfurt, 26 a 28 de Junho.
  11. Leite, Pedro Pereira (2017), “O Kairós na análise do fenómeno da escravatura na obra de José Capela”, comunicação apresentada na/o COLÓQUIO INTERNACIONAL “José Capela e a história de Moçambique: 45 anos depois de O vinho para o preto, Faculdade de letras da Universidade do Porto, 29 a 30 de Maio.
  12. Leite, Pedro Pereira (2017), “A Diversidade Cultural e a Economia Criativa nas cidades educadoras”, comunicação apresentada na/o VII Congresso Nacional da Rede Territorial Portuguesa de Cidades Educadoras, Guarda, 25 a 27 de Maio.
  13. Leite, Pedro Pereira (2017), Organização de Museologia e Cidade: Dialogos Ausentes, Casa dos Amigos do Minho – Mouraria, 18 a 18 de Maio.
  14. Leite, Pedro Pereira (2017), Organização de 11º Congresso Ibero americano de psicodrama, Fábrica Braço de Prata, 03 a 06 de Maio.
  15. Leite, Pedro Pereira (2017), “Intervenção de Abertura no Seminário”, comunicação apresentada na/o Consulta à Sociedade Civil sobre a Agenda 2030 para Portugal, Assembleia da Republica- Auditório Almeida Santos, 19 a 19 de Abril.
  16. Leite, Pedro Pereira (2017), “Novos Desafios para a Museologia Social”, comunicação apresentada na/o Encontro de Primavera do MINOM Portugal, Museu de História Natural, 25 a 25 de Março.
  17. Leite, Pedro Pereira (2017), Organização de 7º Seminário Internacional de Sociomuseologia, Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologia, 03 a 11 de Fevereiro.
  18. Leite, Pedro Pereira; Primo, Judite Santos (2016), “O Espírito do Lugar na Mouraria:Experiência de museologia nómada”, comunicação apresentada na/o 5º Seminário Internacional Museografia e Arquitetura de Museus, Rio de Janeiro, Lisboa, Madrid, Recife, 27 a 28 de Outubro.
  19. Leite, Pedro Pereira (2016), “Museologia Nómada e o Espírito do Lugar: Experiencia Museal”, comunicação apresentada na/o 17th international Conference MINOM-ICOM , Nazaré – Rondônia – Brasil, 03 a 06 de Agosto.
  20. Leite, Pedro Pereira; Chagas, Mário (2016), “The Biographical Approach in Museological methodology: The Catembe project ecommuseum (Mozambike) “, comunicação apresentada na/o Ecomusei.eu / ICOM Milano, Polotécnoco de Milão, 04 a 08 de Julho.
  21. Leite, Pedro Pereira (2016), Organização de Diversidade Cultural na Lusofonia, Universidade Lusófona, 03 a 03 de Maio.
  22. Leite, Pedro Pereira; Camacho, Clara ; Carvalho, Ana (2016), “A Recomendação da UNESCO relativa a Museus, Colecções e Sua Função Social”, comunicação apresentada na/o Jornadas da Primavera : ICOM Portugal, Palácio da Ajuda, 28 a 28 de Março.
  23. Leite, Pedro Pereira (2016), Organização de VI seminário de Investigação em sociomuseologia, Lisboa, 22 a 23 de Janeiro.
  24. Leite, Pedro Pereira (2015), “Árvore das memórias: lugares e saberes do sul”, comunicação apresentada na/o VI Congresso Internacional das Cidades Educadoras, Almada, 11 a 13 de Novembro.
  25. Leite, Pedro Pereira (2015), “Desafios da História da enfermagem: da guerra da Crimeia á Saúde global”, comunicação apresentada na/o II Congresso Internacional de História da Enfermagem, Lisboa, 09 a 10 de Novembro.
  26. Leite, Pedro Pereira; Ana, Fantasia; Antunes, Manuel; Vicente, Pedro; Teixiera, José (2015), Organização de Dia de África 2015, Universidade Lusófona, 25 a 25 de Junho.
  27. Leite, Pedro Pereira; Zacarias, Filipa (2015), “Círculos de Memória no Catembe: práticas de intersubjetividade em neurociência social”, comunicação apresentada na/o II Simpósio Intenracional EDISO, Coimbra, 18 a 20 de Junho.
  28. Leite, Pedro Pereira (2015), “Looking Catembe from the Indian Ocean”, comunicação apresentada na/o 2nd International AEGIS Thematic Conference on Africa and the Indian Ocean, Lisboa, 09 a 10 de Abril.
  29. Leite, Pedro Pereira; Teixeira, José; Floréncio, Fernando; Fantasia, Ana; Galhano, Isabel; Brugioni, Elena ; Osório, Isabel (2014), Organização de Narrativas Biográficas e Investigação científica, Centro de Estudos Sociais, 05 a 05 de Dezembro.
  30. Leite, Pedro Pereira (2014), “Museologia e Inovação Social”, comunicação apresentada na/o Encontro Patrimonialização e sustentabilidade do Património, Lisboa, 26 a 29 de Novembro.
  31. Leite, Pedro Pereira; Carozza, Chiara (2014), “Promoting innovative epistemologies and methodologies towards an “ecology of knowledges””, comunicação apresentada na/o PostDoc Day, Universidade de Coimbra, 30 de Outubro.
  32. Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2014), “O Jardim da Memoria da Ilha de Moçambique e o fenómeno da Escravatura”, comunicação apresentada na/o 9 Congresso Ibérico de Estudos Africanos , CES Coimbra, 11 a 13 de Setembro.
  33. Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana; Filipa, Zacarias; Patrícia, Maridalho (2014), Organização de International Colloquium Epistemologies of the South, Universidade de Coimbra, 10 a 12 de Julho.
  34. Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2014), “Lusotpia: Revista de Geocultura”, comunicação apresentada na/o 5º encontros de Museologia Informal, Maputo, 16 a 16 de Maio.
  35. Leite, Pedro Pereira; Irina, Castro; Tiago, Castela; Rita, Serra (2014), Organização de Democratiza ro Território Superar a Dicotomia Urbano Rural, CES Coimbra, 21 a 21 de Janeiro.
  36. Fantasia, Ana; Leite, Pedro Pereira (2013), “O Hospital de Moçambique: As Fórmulas de Construção da Saúde Colonial”, comunicação apresentada na/o Colóqui Internacional Conhecimento e Ciência Colonial, Lisboa, 26 a 29 de Novembro.
  37. Leite, Pedro Pereira (2013), “Memórias Esbranquiçadas: A Herança Africana nos Museu de Portugal”, comunicação apresentada na/o Arte, Cultura e Poder, Rio de Janeiro, 09 de Outubro a 12 de Setembro.
  38. Leite, Pedro Pereira (2013), “Mozambike Peace Process”, comunicação apresentada na/o Heritages Pratices on Cotested Places, Limavaleu, 23 a 26 de Setembro.
  39. Leite, Pedro Pereira (2013), “Narrrativas Biográfica: Processos de Pesquisa sobre Memória e Esquecimento”, comunicação apresentada na/o Antroplogia em ContraPonto, Universidade de Trás-os-Montes, 08 a 11 de Setembro.
  40. Leite, Pedro Pereira (2013), “Casa Muss-amb-ike: O Compromisso no Processo Museológico”, comunicação apresentada na/o 1º Simpósio Internacional de Pesquisa em Museologia, Pinacoteca do Estado de São Paulo, 02 a 05 de Setembro.
  41. Leite, Pedro Pereira; Ana, Fantasia (2013), Organização de 5th European Congress on African Studies, ISCTE-IUL, 25 a 30 de Junho.
  42. Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2013), “A rota do Escravo: Um pouco de Hiatória e atialidade sobre a criança em áfrica”, comunicação apresentada na/o European Children’s Rights, Lagos – Agrupamento de Escolas Júlio Dantas, 25 a 25 de Maio.
  43. Leite, Pedro Pereira (2012), “Reencontros: A Museologia como Instrumento de Reconstrução da Memória Social”, comunicação apresentada na/o 8º Congresso Iberico de Estudos Africanos, Madrid, 14 a 16 de Junho.

Relatórios

  1. Plataforma da Sociedade Civil para os ODS em Portugal (coord.); Leite, Pedro Pereira (2017), Seminário de apresentação pública das recomendações para implementação dos ODS em Portugal – Resultados do processo de Consulta à Sociedade Civil que decorreu em 2016 -, Lisboa: Plataforma da Sociedade Civil para a Agenda 20130, 150.
  2. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2016), Heranças globais: Experiências de cruzar fronteiras nos saberes, Lisboa: Pedro Pereira Leite, 23.
  3. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2015), A Inclusão dos Saberes das Comunidades, Lisboa: Centro de Estudos Sociais, 16.
  4. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2014), Relatório Heranças Globais – Memórias Locais, Maputo: CES, 40.
  5. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2013), Fronteiras: 3º Relatório das Heranças Globais , Coimbra: CES, 43.
  6. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2013), O Barroco e a Festa- Relatório 4, Coimbra: Centro de Estudos Sociais, 78.
  7. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2012), Cartografias das Heranças Globais, Coimbra: CES, 106.
  8. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2012), Reconstruções. 2º Relatório das Heranças Globais, Lisboa: CES, 178.
  9. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2011), Relatorio de Atividades no Pós-Doutoramento em Museologia, Lisboa/Ilha de Moçambique: Marca D’Agua : Edições e Projetos, 12.

Working papers

  1. Leite, Pedro Pereira (2017). “Paisagens Sonoras de Lisboa”, in Jornadas europeias do Património, 2017, Lisboa 21 de setembro em Anagrama-StudioLab.
  2. , Pedro Pereira(2016), “Performatividades e Oralidades em Museologia Social”, Lusotopias – Revista de Geocultura, 3.
  3. Leite, Pedro Pereira(2013), “Exhibition Memory / Memory of an Exhibition”, Informal Museology Studies # 7, 7.
  4. Leite, Pedro Pereira(2012), “Estratégias de Mediação na Poética da Intersubjetividade”, III Encontro Internacional Entre as Artes ou entre os Públicos, III.
  5. Leite, Pedro Pereira(2012), “Heranças do Mar Salgado: a geocultura na Estratégia do Mar”, Estudos de Museologia Informal nº 6, 6.
  6. Leite, Pedro Pereira(2012), “Lisbon Saravwasti”, Estudos de Museologia Informal nº 5, 5.
  7. Traduções
  8. Franco Cassano (2017), Il pensiero meridiano oggi: Intervista e dialoghi con Franco Cassano, O Pensamento Meridional: Entrevista a Franco Cassano. Ilha de Moçambique: Marca d’Agua.
  9. Margarido, Alfredo (2013), Créateurs versus expositeurs, Criadores versus Expositores. Ilha de Moçambique: Marca d’Agua.

Outras Publicações

  1. Leite, Pedro Pereira (2013), “O Hospital de Moçambique: as fórmulas europeias de construção da saúde colonial”, Colóquio Internacional: conhecimento e ciência colonial , 1, 1.
  2. Leite, Pedro Pereira (2014), “A Relevância dos Museus de Macau para a Rede de Museus da Lusofonia”, Plataforma Macau , 12, 52.
  3. Leite, Pedro Pereira (2015), “Para que servem os Museus ?”, Plataforma macau , 28/03/2015, 1.
  4. Leite, Pedro Pereira (2014), “O meu avô António e as questões de Cidadania e Defesa”, Cidadania e Defesa , 52, 23-24.
  5. Leite, Pedro Pereira (2014), “O dia Internacional dos Museus em Maputo”, Boletim do ICOM Portugal , 51, 4.
  6. Leite, Pedro Pereira; Carvalho, Ana; Camacho, Clara (2016), “Contextos e Desafios da Nova Recomendação da UNESCO para Museus e Colecções”, Boletim do ICOM Portugal , 7, 9-19.
  7. Leite, Pedro Pereira (2016), “Fórum dos Ecomuseus e Museus Comunitários 24.ª Conferência Geral do ICOM”, Boletim do ICOM Portugal , 7, 29-30.
  8. Leite, Pedro Pereira (2016), “Memória Acesa XVII Conferência Internacional do MINOM”, Boletim do ICOM Portugal , 7, 32-33.
  9. Leite, Pedro Pereira (2017), “Museus e Património Local: Interacção e Desenvolvimento no Séc. XXI 6.º Encontro da Plataforma Mouseion”, Boletim do ICOM Portugal , 8, 30-31.
  10. Leite, Pedro Pereira (2017), “Tree of Memories Global Heritage –Research Project”, Encontro com a ciência , 2017, poster.
  11. Leite, Pedro Pereira (2017), “Contributos para uma urgente e necessária política museológica nacional”, Boletim do ICOM , 9, 12-18.
  12. Leite, Pedro Pereira (2017), “Para Onde Vai a Economia Portuguesa? – O contributo da Economia Criativa”, Programa Fronteiras XXI , 5 de julho 2017.

Broadsides

2013 – Global Heritages – he inclusion of community knowdlege on territorial development (Research Book) de Pedro Pereira Leite. Editado em Hypotheses.org por http://globalherit.hypotheses.org/.

  • Onde forma publicados 1340 postais
  • 35 páginas de onde saíra uma publicação final

2014 – Jacaranda : Práticas de Transição, autoria de Pedro Pereira Leite. Editado em Lisboa por Marca D’Agua . em https://axiodrama.wordpress.com/

2014 – Lusotopias-Revista de Geocultura, autoria de Pedro Pereira Leite. Editado em Lisboa- Maputo por Marca d’agua. https://lusotopias.wordpress.com/

2013 – Comité Português a Rota do Escravo, autoria de Pedro Pereira Leite. Editado em Lisboa por http://pedropereiraleite.wordpress.com/.

2013 – Informal Museology studies, autoria de 2013. Editado em Lisboa por http://informalmuseology.wordpress.com/.

2013 – Museu Digital Afro-portugues, autoria de Pedro Pereira Leite. Editado em worpress.com por http://museudigitalafroportugues.wordpress.com/.

2012 – Casa Muss-amb-ike, autoria de Pedro Pereira Leite. Editado em Maputo por http://casamuzambike.wordpress.com/.

2012 – Heranças Globais – memórias locais, autoria de Pedro Pereira Leite. Editado em Lisboa por http://globalheritages.wordpress.com/.

2016 – Museologia social e Ecomuseus em Portugal –autoria Pedro Pereira Leite, Editado em Lisboa https://ecomuseus.wordpress.com/

2015 –Museologia e Movimentos Sociais – Processos Museológicos de Inovação Social https://wordpress.com/view/museologiaemovimentosociais.wordpress.com

2015- Inventário Participativo – Processos ecomuseais. https://wordpress.com/view/inventarioparticipativo.wordpress.com

Mulheres Corticeiras de Stefania Mattarello

 

Um bom amigo ofereceu-me neste final de ano esta publicação, já de 2010, editada pela euronatura. Com vários artigos, sobre o tema então emergente, o do património corticeiro, e  outro já do main streem, as questões deo género, aqui relacionados no âmbito duma atividade profissional, que é por tradição masculina. dá visibilidade à mulher e ao seu contributo para este mundo que liga a natureza, a industria e a cultura

Disparem sobre o Utopista de Raquel Lima

De Raquel Lima

Referência do documento impresso

Raquel Lima, « Disparem sobre a utopista! », Revista Crítica de Ciências Sociais, 114 | 2017, 245-248.

Referência eletrónica

Raquel Lima, « Disparem sobre a utopista! », Revista Crítica de Ciências Sociais[Online], 114 | 2017, colocado online no dia 20 Dezembro 2017, criado a 28 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/rccs/6852

Paira um fantasma no ar,
o de que todas as conquistas são frágeis e reversíveis.
Tudo pode ser destruído de um dia para o outro,
Tudo o que é sólido se desfaz no ar…
E hoje?
Hoje quando observo e absorvo esta urgência,
esta necessidade de pensar para além do possível, do credível e do verosímil,
quando percebo que a política degrada exponencialmente à medida que degrada a natureza,
quando percebo com toda a certeza que hoje, há esta urgência e esta necessidade no ar
De deixar de ver as notícias sobre injustiças do nosso tempo com essa naturalidade típica e conformista, duma indiferença atroz e nada salutar…
Esta necessidade de não querer ser só literária mas ser social
Esta necessidade impossível, e que por ser impossível é necessária
E não o contrário reformista que nos foram vendendo, vendando os olhos da cega
Porque muitos olham mas poucos vêem
Que as expectativas de ver de uma cega são à partida negativas,
E que existe esse mal-estar, essa fragilidade de que tudo desapareceu aos seus olhos de um momento para o outro
E que o seu olhar não se vai aperfeiçoando, nem mesmo depois de morta
A sua cegueira é já perfeita, completa, e por isso a sua visão só tem que ser nula
Os seus olhos, são um território em que já não é possível a perfeição
E por isso já não é preciso sonhar, quando já se tornou irreversível a sua exclusão de todos os lugares, a da cega
Aqui na nossa cegueira o fim chegou antecipado, apocalíptico, desastroso, e aqui o medo e a austeridade mataram há já muito a esperança
O medo!
O medo de ser… O medo que tem tudo,
O medo tem ambulâncias,
O medo tem sirenes,
O medo tem capacetes e cintos de segurança
O medo tem terrorismo
Aqui o medo já há muito matou
a esperança

E quem não tem medo do nosso medo?
Quem não tem medo do monstro das 3 cabeças?
Quem é que ainda o vê como a melhor das possibilidades no meio de todas as crenças?
Serão heróis? Os que se arrastam até aqui para ser explorados?
Serão heróis esses homens e mulheres que morrem afogados?
Heróis silenciados…
Num silêncio que grita por um mundo melhor.
Mataram esse utopista!!! Não. Nem sequer tiveram que disparar sobre ele,
Ele suicidou-se quando tentava viver, e atrás dele seguiram outros
Sem medo, sem medo de já estarem mortos
Sem medo dessa repetição
Porque mesmo que lhes mostrem repetidamente a ideia de morte eles acreditam que não a vão repetir
Em movimentos limitados, eles expandem-se nesse acto de amor
Será um refugiado emancipado apenas um refugiado morto?
Ou será ele um sintoma dessa utopia urgente e necessária?
E mesmo não sabendo se é possível ou não, será ele o único em condições para responder?
Vindo ele dessa exclusão abissal intolerável e diária.

Aqui deste lado (e nestas condições) dizem que a utopia é impossível
Enquanto o excesso de capital cresce eternamente e nunca é suficiente
Enquanto não existirem limites para o dinheiro e a propriedade
Enquanto o medo avassalador estiver sempre presente
Aqui deste lado tentamos mais, sempre mais, para no final irmos para um lugar melhor, o paraíso… Sem saber que a nossa esperança imposta consome outras esperanças
E em pleno juízo seguimos, com a nossa meta na felicidade de ter mais,
Com o nosso sonho implementado de fora, do nada
duma coisa que não é natural nem humana, mas que nos é plantada
Já não há flores utópicas a crescer neste jardim…
Porque para alguns é necessário plantar a ruptura,
Mas para a maioria não
Porque para uns criar os seus próprios valores é já uma revolução
Porque para uns não se submeter ao que é imposto é a única forma de emancipação

E quem vai perceber essa sabedoria dos periféricos?
Quem vai chegar até esse ponto de humildade?
Quando a elite está condicionada pela sua própria superioridade
Quem vai ter peito para encarar a dificuldade de uma pessoa sem universidade?

Quem vai querer largar as teorias para abraçar as utopias?
As utopias das vivências e da sabedoria
Quem vai largar as teorias que geram facilmente arrogância?
Para abraçar a humildade intrínseca onde há sabedoria e esperança?

Quem vai pensar para além da sua condição?
Expandir o Presente, encolher o Futuro e aumentar as possibilidades de alternativas?
Quando há poucas alternativas…
Quem vai se lembrar do mais importante na vida – dos afectos?
E de que não existe um ser melhor do que outro
Mas sim atitudes melhores do que outras
Será que ser utópico é uma dessas atitudes?
Quando mesmo a utopia dos pobres pode gerar a repitação dos ricos
Porque é preciso manter a maioria na ignorância
Para continuarem a construir as nossas estradas
Para continuarem a costurar as nossas roupas
Para conrinuarem a plantar o que comemos
Para continuarem a fazer a base da sociedade sem terem a consciência de que são a parte mais importante!
Para se continuarem a sentir fracos, invisíveis, impotentes…

E se a utopia é procurar uma humanidade melhor
Quando ainda não existe humanidade?
E se a utopia procura um território melhor
Quando já não existe esse território?

Já não interessa transpôr essa linha abissal
Convém ficar em cima, no topo, dessa linha
O caos é o espaço ideal para ocorrer a transição emancipatória
Mas do outro lado as leis que nos regulamentam não são suficientes
Há todo um espaço de leis ausentes onde os mais excluídos continuam a lutar pacificamente
Porque paz significa mente
E a utopia contemporânea está nas mentes como dissidência, como insurgência
Como um caminhante que desconhece o seu caminho mas sabe qual é a sua realidade
É a presença de querer ser futuro no desconhecido
E cada passo é pesado mas não existe a hipótese de não avançar
Na mala tem novos planos e infinitas possibilidades
Mas no bolso, mais à mão, tem a vontade de as conquistar
E vai lutar por elas, vai escavar onde nunca foi escavado
Vai escavar o silêncio, e fazer as questões que ficaram por perguntar

A sua identidade é múltipla, inacabada, sempre em processo de reconstrução
Uma identidade em curso sujeita a constante reivenção

Para ele não existe fracasso porque desconhece os seus direitos, ou as leis que o regulamentam
Por isso resiste, persiste, sem coerência
e eficácia garantida
E quanto mais à vontade me sente na fronteira, melhor se explora e emancipa
Viver na fronteira em suspenção, num espaço vazio, num tempo entre tempos
O seu carácter (e o seu coração) é aberto, inacabado, autónomo e criativo, e vem das margens, da periferia, da fronteira, da linha abissal
O seu passo é excêntrico, exagerado, subversivo, turbulento e transitório
A sua meta é inventar tudo, incluindo o próprio acto de inventar
É um ser híbrido, provisório e temporário, e as suas raízes se deslocam tãonaturalmente como o solo que as sustenta
Porque mais difícil do que crescer asas que voam,
É crescer asas com raízes
E nesse local ela cria raízes e laços
preciosos porque são raros, precários e vitalmente úteis
Ali, nessa micro-fronteira utópica, são todas clandestinas, ilegais, indocumentadas, deslocadas, refugiadas em busca de asilo
Com um pé na terra e outro sem Estado, prosseguem pacíficas, esse é o seu estado
Pensam ir para Norte mas vão para Sul, vão desnorteadas
Já não há meios para atingir os fins porque desconhecem esse Monstro que as assombra
Já podem disparar sobre a utopista,
Disparem contra a utopista!
Disparem contra a utopista até que ela caia no chão
Disparem com as vossas balas inúteis, quando ela morre por auto-determinação
Porque para ela “cada momento é eterno enquanto dura”.

Manifesto de Leiden sobre avaliação científica

Diana Hicksa, Paul Woutersb, Ludo Waltmanb, Sarah de Rijckec e Ismael Rafolsc, d, e

  1. School of Public Policy, Georgia Institute of Technology, Atlanta, EUA
  2. Centre for Science and Technology Studies (CWTS), Universidade de Leiden, Holanda
  3. Ingenio (CSIC-UPV), Universidade Politécnica de Valência, Valência, Espanha
  4. Science Policy Research Unit (SPRU), Universidade de Sussex, Brighton, Reino Unido
  5. Observatoire des Science et des Téchniques (OST-HCERES), Paris, França

(Tradução em Português brasileiro de Hicks et al. The Leiden Manifesto for research metrics. Nature, v. 520, p. 429-431, 2015. /)

Cada vez mais se utilizam dados para gerenciar a ciência. As avaliações da pesquisa, que já foram individualizadas, solicitadas e realizadas por pares, atualmente são rotineiras e baseadas em métricas (1). A questão é que agora a avaliação é majoritariamente dependente de dados, ao invés de juízos de valor. As métricas proliferaram: em geral bem intencionadas, nem sempre bem informadas, e frequentemente mal aplicadas. Corremos o risco de prejudicar o sistema da ciência com as próprias ferramentas projetadas para melhorá-lo, uma vez que a avaliação é cada vez mais realizada por instituições sem o devido conhecimento sobre as boas práticas e sobre a interpretação adequada de indicadores.

Anteriormente a 2000, os especialistas utilizavam em suas análises o Science Citation Index (SCI) do Institute for Scientific Information (ISI), em sua versão em CD-ROM. Em 2002, a Thomson Reuters lançou uma plataforma web integrada, tornando a base Web of Science (WoS) acessível a um público mais amplo. Logo surgiram índices de citações concorrentes: a base Scopus, da Elsevier (lançada em 2004) e o Google Scholar (versão beta lançada em 2004). Outras ferramentas baseadas na web surgiram para facilitar a comparação da produtividade da pesquisa institucional e seu impacto, como o InCites (que usa dados da WoS) e o SciVal (com dados da Scopus), bem como aplicativos para analisar perfis individuais de citação com dados do Google Scholar (Publish or Perish, lançado em 2007).

Em 2005 Jorge Hirsch, físico da Universidade da Califórnia em San Diego, propôs o Índice h, popularizando a contagem de citações de pesquisadores individuais. O interesse pelo Fator de Impacto de revistas cresceu de forma constante a partir de 1995.

Mais recentemente, ganham impulso métricas relacionadas ao uso social e conversações online – como o F1000 Prime, criado em 2002; o Mendeley, em 2008; e o Altmetric.com, em 2011.

Como cientometristas, cientistas sociais e gestores de pesquisa, temos observado com crescente apreensão a má aplicação generalizada de indicadores na avaliação do desempenho científico. Os exemplos a seguir são apenas alguns de inúmeros casos. Em todo o mundo, as universidades tornaram-se obcecadas com a sua posição nos rankings mundiais (a exemplo do Ranking de Xangai e da lista do Times Higher Education – THE), apesar dessas listas serem baseadas, no nosso ponto de vista, em dados imprecisos e indicadores arbitrários.

Algumas instituições solicitam o valor do  Índice h dos pesquisadores candidatos a seus postos.  Várias decisões de promoção e fomento de universidades baseiam-se nos valores do Índice h e no número de artigos publicados em revistas de “alto impacto”. Os currículos dos pesquisadores transformaram-se em espaços para alardear essas pontuações, principalmente na área da Biomedicina. Em todos os lugares, orientadores pressionam prematuramente seus alunos de doutorado a publicar em revistas de “alto impacto” e obter financiamento externo.

Na Escandinávia e na China, algumas universidades distribuem fundos ou bônus para as pesquisas com base em números: por exemplo, por meio do cálculo das pontuações de impacto para alocar recursos baseados no “desempenho individual”,  ou concedendo bônus aos pesquisadores para que publiquem em periódicos com Fator de Impacto maior de 15 (2).

Em muitos casos, os pesquisadores e avaliadores ainda exercem um julgamento equilibrado. No entanto, o abuso de métricas da pesquisa tornou-se disseminado demais para ser ignorado.

Assim, apresentamos o Manifesto de Leiden, nomeado após a conferência em que se consolidou (ver http://sti2014.cwts.nl). Seus dez princípios não são novidade para os cientometristas, embora nenhum de nós seria capaz de recitá-los na íntegra, devido à falta de uma  codificação integradora até o momento. Luminares do campo da Cientometria, como Eugene Garfield (fundador do ISI), já se referiram a alguns desses princípios (3, 4). Mas esses especialistas não estão presentes quando os avaliadores se reportam aos gestores universitários que também não são especialistas na metodologia pertinente. Os cientistas que procuram a literatura para contestar ou questionar as avaliações só encontram as informações de que necessitam no que são, para eles, periódicos obscuros e de difícil acesso.

Assim, oferecemos essa síntese das melhores práticas de avaliação da pesquisa baseada em métricas, para que os pesquisadores possam confiar em seus avaliadores, e para que os avaliadores possam confiar em seus indicadores.

OS DEZ PRINCÍPIOS

  1. A avaliação quantitativa deve dar suporte à avaliação qualitativa especializada.

Os indicadores quantitativos podem corrigir tendências enviesadas da avaliação por pares e facilitar a deliberação. Nesse sentido, devem fortalecer a revisão por pares já emitir julgamentos sobre colegas é difícil sem uma série de informações relevantes. No entanto, os avaliadores não devem ceder à tentação de basear suas decisões apenas em números. Os indicadores não devem substituir o juízo informado. Os tomadores de decisão têm plena responsabilidade por suas avaliações.

  1. Medir o desempenho de acordo com a missão da instituição, do grupo ou do pesquisador.

Os objetivos de um programa de pesquisa devem ser indicados no início, e os indicadores utilizados para avaliar seu desempenho devem estar claramente vinculados a esses objetivos. A escolha dos indicadores e de como eles são utilizados deve levar em conta o contexto socioeconômico e cultural mais amplo. Os cientistas tem diversas missões de pesquisa. A pesquisa que avança as fronteiras do conhecimento acadêmico difere da pesquisa que é focada em proporcionar soluções para os problemas da sociedade. A avaliação pode ser baseada em méritos relevantes para as políticas públicas, para a indústria ou para os cidadãos em geral, em vez de méritos baseados em noções acadêmicas de excelência. Não existe um modelo único de avaliação que se aplique a todos os contextos.

  1. Proteger a excelência da pesquisa localmente relevante.

Em muitas partes do mundo, a excelência da pesquisa é associada à publicação no idioma Inglês. A lei espanhola, por exemplo, menciona explicitamente a conveniência de que os pesquisadores espanhóis publiquem em revistas de alto impacto. O Fator de Impacto é calculado na Web of Science, que indexa principalmente os periódicos com base nos Estados Unidos e em língua inglesa.

Este viés é particularmente problemático para as Ciências Sociais e Humanidades, áreas mais orientadas para a pesquisa de temas regionais e nacionais. Muitas outras áreas possuem uma dimensão nacional ou regional – a exemplo da Epidemiologia do HIV na África subsaariana.

Este pluralismo e a relevância para a sociedade tendem a ser suprimidos quando se criam artigos de interesse para os guardiões do alto impacto: as revistas em Inglês. Os sociólogos espanhóis altamente citados na Web of Science têm trabalhado com modelos abstratos ou com dados dos Estados Unidos. Neste processo, perde-se a especificidade dos sociólogos em revistas espanholas de alto impacto: temas como leis trabalhistas locais, serviços de saúde familiar para idosos ou empregabilidade de imigrantes (5). Os indicadores baseados nas revistas de alta qualidade publicadas em outros idiomas diferentes do Inglês devem identificar e premiar as áreas de pesquisa de interesse local.

  1. Manter a coleta de dados e os processos analíticos abertos, transparentes e simples.

A construção das bases de dados necessárias para a avaliação deve observar regras claramente definidas e fixadas antes da conclusão da pesquisa. Esta era a prática comum entre os grupos acadêmicos e comerciais que desenvolveram metodologias de avaliação bibliométrica ao longo de muitas décadas. Tais grupos referenciaram protocolos publicados na literatura revisada por pares. Esta transparência possibilitou o escrutínio das metodologias. Por exemplo, em 2010, o debate público sobre as propriedades técnicas de um importante indicador utilizado por um dos nossos grupos (o Centro de Estudos de Ciência e Tecnologia – Centre for Science and Technology Studies, CWTS, da Universidade de Leiden, na Holanda) levou a uma revisão no cálculo deste indicador (6). Os novos operadores do setor privado devem seguir os mesmos padrões; ninguém deve aceitar avaliações saídas de uma caixa-preta.

A simplicidade é uma virtude em um indicador, pois favorece a transparência. Mas métricas simplistas podem promover distorções (ver princípio 7). Os avaliadores devem se esforçar para encontrar o equilíbrio com base em indicadores simples que espelhem com exatidão a complexidade do processo de investigação.

  1. Permitir que os avaliados verifiquem os dados e as análises.

Para garantir a qualidade dos dados, todos os pesquisadores incluídos em estudos bibliométricos deveriam poder verificar se suas produções foram corretamente identificadas. Todos os que dirigem e administram os processos de avaliação devem assegurar a precisão dos dados, através de verificação própria ou auditoria de terceiros. As universidades poderiam implementar esse princípio em seus sistemas de informação sobre a pesquisa, o que deveria ser um princípio norteador na seleção de fornecedores desses sistemas. A coleta e processamento de dados precisos e de alta qualidade demandam tempo e dinheiro e devem ser considerados no orçamento institucional.

  1. Considerar as diferenças entre áreas nas práticas de publicação e citação.

A melhor prática de avaliação é selecionar um conjunto de possíveis indicadores e permitir que as distintas áreas escolham aqueles que lhes são mais adequados.  Há alguns anos, um grupo europeu de historiadores recebeu uma classificação relativamente baixa em uma avaliação nacional por pares, porque escreviam livros em vez de artigos em revistas indexadas na WoS. Estes historiadores tiveram o azar de fazer parte de um departamento de Psicologia. Historiadores e cientistas sociais precisam que os livros e a literatura publicada no idioma nacional sejam incluídos na contagem de publicações; já os cientistas da computação esperam que seus trabalhos apresentados em eventos e conferências sejam levados em conta.

Os valores de citações variam por área: as revistas melhor avaliadas em Matemática têm Fator de Impacto por volta de 3; já as revistas melhor avaliadas em Biologia Celular tem Fator de Impacto em torno de 30. Portanto, é necessário o uso de indicadores normalizados, e o método de normalização mais confiável é baseado em percentuais: cada artigo é ponderado segundo o percentual a que pertence na distribuição de citações em sua área (os melhores 1%, 10% ou 20%, por exemplo). Uma única publicação altamente citada melhora ligeiramente a posição de uma universidade em um ranking baseado em indicadores percentuais, mas pode impulsionar a universidade de uma posição mediana para as primeiras posições em um ranking baseado em médias de citação (7).

  1. Basear a avaliação de pesquisadores individuais no juízo qualitativo da sua carreira.

Quanto mais idade você tem, maior será o seu Índice h, mesmo que não publique novos artigos. O Índice h varia por área: os pesquisadores das Ciências da Vida chegam ao topo com 200; os físicos com 100 e cientistas sociais com 20 a 30 (8). Depende da base de dados: há pesquisadores em Ciência da Computação que têm um Índice h de cerca de 10 na WoS, mas de 20 a 30 no Google Scholar (9). Ler e julgar o trabalho de um pesquisador é muito mais adequado do que depender de um número. Mesmo quando se compara um grande número de pesquisadores, uma abordagem que considere informações diversas sobre o conhecimento, experiência, atividades e influência de cada indivíduo é a melhor.

  1. Evite solidez mal colocada e falsa precisão.

Indicadores de ciência e tecnologia são propensos à ambiguidade conceitual e à incerteza, e demandam fortes suposições que não são universalmente aceitas. O significado das contagens de citações, por exemplo, tem sido amplamente discutido. Assim, a melhor prática de avaliação utiliza indicadores múltiplos para fornecer uma imagem mais robusta e plural da pesquisa. Se as incertezas e os erros podem ser quantificados, esta informação deve acompanhar os valores dos indicadores publicados, usando barras de erro, por exemplo. Se isso não for possível, os produtores de indicadores deveriam, pelo menos, evitar a falsa precisão. Por exemplo, o Fator de Impacto de revistas é publicado com três casas decimais para evitar empates. No entanto, dada a ambiguidade conceitual e a variabilidade aleatória das contagens de citações, não faz sentido distinguir as revistas com base em diferenças mínimas do Fator de Impacto. Evite a falsa precisão: apenas uma casa decimal se justifica.

  1. Reconhecer os efeitos sistêmicos da avaliação e dos indicadores.

Os indicadores mudam o sistema da pesquisa por meio dos incentivos que estabelecem. Estes efeitos devem ser previstos. Isto significa que um conjunto de indicadores é sempre preferível – um único indicador convida a burlas ou a desvios do objetivo (em que a medida se torna um fim em si). Por exemplo, na década de 1990, a Austrália financiou a pesquisa universitária através de uma fórmula baseada sobretudo no número de artigos publicados pelas instituições. As universidades poderiam calcular o “valor” de um artigo em uma revista revisada por pares; em 2000, o valor era de estimados AUS$ 800 (em torno de US$ 480) para o financiamento da pesquisa. Previsivelmente, o número de artigos publicados por pesquisadores australianos subiu, mas em revistas menos citadas, sugerindo uma queda na qualidade dos artigos (10).

  1. Examinar e atualizar os indicadores regularmente.

A missão da pesquisa e os objetivos da avaliação mudam, e o próprio sistema de pesquisa evolui junto. Medidas que anteriormente  eram úteis se tornam inadequadas e surgem novos indicadores. Os sistemas de indicadores têm de ser revistos e talvez modificados. Percebendo os efeitos de sua fórmula simplista, em 2010 a Austrália introduziu a iniciativa “Excelência na Pesquisa para a Austrália” (Excellence in Research for Australia), mais complexa e com ênfase na qualidade.

Próximos passos

Respeitando esses dez princípios, a avaliação da pesquisa pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento da ciência e de suas interações com a sociedade. As métricas da pesquisa podem fornecer informações cruciais que seriam difíceis de reunir ou entender por especialistas individuais. Mas não se deve permitir que essa informação quantitativa se transforme de instrumento em um fim em si.

As melhores decisões são tomadas através da combinação de estatísticas robustas com sensibilidade para a finalidade e a natureza da pesquisa que é avaliada. Tanto a evidência quantitativa quanto a qualitativa são necessárias; cada uma é objetiva à sua maneira. A tomada de decisão na ciência deve ser baseada em processos de alta qualidade informados por dados da mais alta qualidade.

Referências

  1. WOUTERS, P. The citation: From culture to infrastructure. In: CRONIN, B.; SUGIMOTO, C. (Eds.). Beyond Bibliometrics: Harnessing Multidimensional Indicators of Scholarly Impact. Cambridge, MA: MIT Press, 2014. p. 47–66.
  2. SHAO, J.; SHEN, H. The outflow of academic papers from China: why is it happening and can it be stemmed? Learned Publishing, v. 24, p. 95–97, 2011.
  3. SEGLEN, P. O. Why the impact factor of journals should not be used for evaluating research. British Medical Journal, v. 314, n. 7079, p. 498–502, 1997.
  4. Garfield, E. J. The history and meaning of the journal impact factor. Journal of the American Medical Association, v. 95, n. 1, p. 90–93, 2006.
  5. LÓPEZ PIÑEIRO, C.; HICKS, D. Reception of Spanish sociology by domestic and foreign audiences differs and has consequences for evaluation. Research Evaluation, v. 24, n. 1, p. 78–89, 2014.
  6. VAN RAAN, A. F. J.; VAN LEEUWEN, T. N.; VISSER, M. S. et al. Rivals for the crown: Reply to Opthof and Leydesdorff. Journal of Informetrics, v. 4, n. 3, p. 431–435, 2010.
  7. WALTMAN, L.; CALERO-MEDINA, C.; KOSTEN, J. et al. The Leiden Ranking 2011/2012: Data Collection, Indicators, and Interpretation. Journal of the American Society for Information Science and Technology, v. 63, n. 12, p. 2419-2432, 2012.
  8. HIRSCH, J. E. An index to quantify an individual’s scientific research output. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, v. 102, n. 46, p. 16569-16572, 2005.
  9. BAR-ILAN, J. Which h-index?—A comparison of WoS, Scopus and Google Scholar. Scientometrics, v. 74, n. 2, p. 257–271, 2008.
  10. BUTLER, L. Explaining Australia’s increased share of ISI publications—the effects of a funding formula based on publication counts. Research Policy, v. 32, p. 143–155, 2003.

Odalice Priosti (2017)

Faleceu no passado dia 25, Odalice Miranda Priosti, uma das fundadoras do Ecomuseu de Santa Cruz, no rio de Janeiro.

Na sequência da conferencia do Rio, em 1992, onde as questões ambientais ganharam relevância nos processos patrimonais, Odalice Priosti e colaboradores criaram o Ecomuseu de Santa Cruz, uma experiencia pioneira de museologia popular participada no Rio de Janeiro

Odalice esteve em Portugal em 2007, onde participou na XII Conferencia Internacional do MINOM. Aí apresentou uma síntese da sua atividade.

Esteve em 2016  em MIlão no Forum dos Ecomuseus. Traduziu para Português o Compromisso de Milão sobre as Paisagens Culturais

/

‘‘Os Princípios de Dublin’’ do ICOMOS-TICCIH

Princípios conjuntos do ICOMOS–TICCIH para a Conservação de Sítios, Estruturas, Áreas e Paisagens de Património Industrial

‘‘Os Princípios de Dublin’’

Aprovados na 17.ª Assembleia Geral do ICOMOS em 28 de Novembro de 2011

Introdução

Em todo o mundo, uma grande diversidade de sítios, estruturas, complexos, cidades e povoados, áreas, paisagens ou itinerários, constituem o testemunho de actividades humanas de extracção e de produção industrial. Em muitos locais, este património ainda se encontra em utilização e a industrialização constitui também um processo activo imbuído de um sentido de continuidade histórica, enquanto que noutros lugares esse património consiste nos vestígios arqueológicos de actividades e tecnologias passadas. Para além do património material associado aos processos e tecnologia industrial, da engenharia, da arquitectura ou do urbanismo, este património contempla também múltiplas dimensões imateriais plasmadas no saberfazer, nas memórias ou na vida social dos trabalhadores e das suas comunidades.

O processo global de industrialização observado durante os dois últimos séculos constitui uma etapa maior da história humana fazendo com que o seu património seja especialmente significativo e decisivo para o mundo contemporâneo. Os precursores e os inícios da industrialização podem-se reconhecer em numerosas partes do mundo, remontando a períodos mais antigos, através de sítios arqueológicos ou em actividade, e a nossa atenção estende-se a quaisquer exemplos desse processo e do seu património. Contudo, para os nossos objectivos, os interesses primordiais destes Princípios conjuntos coincidem com as noções comuns de Revolução Industrial da era contemporânea, que se caracteriza por uma produção original e especializada, transporte e geração de energia ou aproveitando processos e tecnologias, comércio e interacções de negócios, incluindo novos padrões sociais e culturais.

O património industrial é extremadamente vulnerável e frequentemente encontra-se em risco; muitas vezes perde-se por falta de consciência, de conhecimento, de reconhecimento ou de protecção, mas também pelo efeito de uma economia em mutação, de percepções negativas, de questões ambientais ou devido às suas grandes dimensões e complexidade. Contudo, ao prolongar o ciclo de vida das estruturas existentes, assim como do investimento energético que elas representam, constata-se que a conservação do património industrial construído pode auxiliar a alcançar as metas de um desenvolvimento sustentável a nível local, nacional e internacional. Deste modo, a conservação do património industrial influencia os aspectos sociais, físicos e ambientais do desenvolvimento, e como tal deveria ser reconhecida.

Nas últimas décadas, a crescente investigação, a cooperação internacional e interdisciplinar, assim como iniciativas comunitárias, contribuíram consideravelmente para uma maior valorização do património industrial e a um aumento da colaboração entre administradores, partes interessadas e profissionais da área da conservação. Este progresso deveu-se a um conjunto de referências e directrizes internacionais desenvolvidas pelo ICOMOS — o Conselho Internacional de Monumentos e Sítios — e à implementação de recomendações e documentos internacionais, como a Convenção do Património Mundial, aprovada pela UNESCO em 1972.

Em 2003, o Comité Internacional para a Conservação do Património Industrial (TICCIH) adoptou a Carta de Nizhny Tagil sobre o Património Industrial, o primeiro texto de referência internacional reconhecido para orientar a protecção e a conservação nesta área.

Reconhecendo a natureza singular do património industrial, juntamente com os problemas e ameaças que o afectam como resultado da sua relação com os contextos económicos, legais, culturais e ambientais contemporâneos, o ICOMOS e o TICCIH, desejam ampliar a sua cooperação, adoptando e promovendo a difusão e a utilização dos seguintes Princípios para auxiliar no conhecimento, protecção, conservação e valorização do património industrial como parte do património das sociedades humanas de todo o mundo.

  1. Definição: O património industrial abrange os sítios, estruturas, complexos, territórios e paisagens, assim como os equipamentos, os objectos ou os documentos relacionados, que testemunhem os antigos ou actuais processos de produção industrial, a extracção e a transformação de matérias-primas, e as infraestruturas energéticas ou de transporte que lhes estão associadas. O património industrial revela uma conexão profunda entre o meio cultural e natural envolvente, enquanto que os processos industriais — quer sejam antigos ou modernos — dependem de recursos naturais, de energia e de redes de transporte, para poderem produzir e distribuir os produtos a amplos mercados. Este património compreende activos fixos e variáveis, para além de dimensões imateriais, tais como os saber-fazer técnicos, a organização do trabalho e dos trabalhadores, ou um complexo legado de práticas sociais e culturais resultantes da influência da indústria na vida das comunidades, as quais provocaram decisivas mudanças organizacionais em sociedades inteiras e no mundo em geral.
  2. A grande diversidade dos sítios de património industrial resulta das suas funções, das suas formas, e da sua evolução ao longo do tempo. Muitos deles são representativos de processos, tecnologias, assim como de condições regionais ou históricas, enquanto que outros constituem realizações notáveis de alcance mundial. Outros são sítios de operações complexas e múltiplas ou sistemas cujos diversos componentes são interdependentes, e muitas vezes provenientes de diferentes tecnologias e períodos históricos. O significado e o valor do património industrial são específicos das estruturas ou dos próprios sítios, do seu tecido material, das suas componentes, da sua maquinaria e contexto, expressos na paisagem industrial, na documentação escrita, e também nas dimensões imateriais contidas nas memórias, artes e costumes.

I — Estudar e compreender as estruturas, sítios, áreas e paisagens industriais e o seu valor patrimonial

  1. Investigar e documentar estruturas, sítios, paisagens industriais, assim como maquinaria, equipamentos, arquivos ou as suas dimensões imateriais, é essencial para a sua identificação, conservação e avaliação do seu significado e valor patrimonial. As destrezas e conhecimentos humanos envolvidos nos processos industriais antigos revestem-se da maior importância para a conservação e devem ser considerados nos processos de avaliação patrimonial.
  2. A investigação e a documentação de sítios e estruturas de património industrial devem abordar as suas dimensões históricas, tecnológicas e socioeconómicas a fim de proporcionar uma base integrada para a sua conservação e gestão. A identificação da importância dos sítios ou estruturas de património industrial requer uma abordagem interdisciplinar apoiada numa investigação e em programas educativos. Esta abordagem deve beneficiar de uma diversidade de fontes de conhecimento e de informação, incluindo o inventário e o registo do sítio, a investigação histórica e arqueológica, a análise de materiais e paisagens, e a história oral e / ou pesquisa em arquivos públicos, empresariais ou privados. Devem ser incentivadas a investigação e a preservação de registos documentais, arquivos de empresas, planos de construção, e espécimes de produtos industriais. A avaliação e a análise dos documentos devem ser realizadas por um especialista do tipo de indústria com a qual estão associados, capaz de determinar o significado e a importância do património em questão. A participação de cidadãos, comunidades e outros sectores interessados constitui também parte integrante deste exercício.
  3. O conhecimento aprofundado da história industrial e socioeconómica de uma cidade, de uma região ou de um país, assim como dos seus vínculos com outras partes do mundo é necessário para compreender o valor patrimonial das estruturas ou dos sítios industriais. Estudos de contexto industrial único, estudos tipológicos ou regionais, realizados numa perspectiva comparativa, voltados para sectores ou tecnologias industriais importantes, são muito úteis para avaliar o valor patrimonial inerente a estruturas individuais, sítios, áreas ou paisagens. Estes estudos devem ser acessíveis e pesquisáveis pelo público, por académicos assim como por gestores.

II — Assegurar uma eficaz proteção conservação de estruturas, sítios, áreas e paisagens de património industrial

  1. É necessário adoptar e implementar, de forma apropriada, políticas adequadas e medidas legais e administrativas para proteger e garantir a conservação dos sítios e estruturas de património industrial, incluindo a sua maquinaria e documentação. Essas medidas devem ter em consideração a estreita relação que existe entre o património industrial, a produção industrial e a economia, em particular no que diz respeito às normas para empresas e investimentos, negócios ou propriedade intelectual, tais como patentes e normas aplicáveis às operações industriais activas.
  2. Devem realizar-se inventários integrados e listagens de estruturas em sítios, áreas, paisagens e seu meio envolvente, considerando objectos, documentos, desenhos e arquivos ou património imaterial, e utilizá-los para assegurar a eficácia das políticas de gestão e de conservação, assim como das medidas de proteção. Os bens assim inventariados devem poder contar com um reconhecimento legal, e de iniciativas que assegurem uma adequada gestão e conservação para garantir que a sua importância, integridade e autenticidade sejam mantidas. No caso de um património industrial identificado através de uma descoberta fortuita, deve ser concedida uma protecção provisória para permitir o tempo necessário a uma adequada avaliação patrimonial.
  3. No caso das estruturas industriais ou de sítios de importância patrimonial que se encontram em actividade, deve reconhecer-se que o seu contínuo uso e funcionamento pode retirar algum do seu significado patrimonial e, por conseguinte, devem-se proporcionar condições adequadas para a sua sustentabilidade física e económica, como instalações operacionais de produção ou de extracção. Ao implementar regulamentos actuais, tais como códigos de construção, requisitos ambientais ou estratégias de redução de risco para enfrentar as ameaças de origem natural ou humana, as suas características técnicas específicas devem ser respeitadas.
  4. Tendo em vista a especial importância da completude e da integridade funcional para o significado das estruturas e dos sítios de património industrial, as medidas de proteção devem ser aplicadas aos edifícios e seus conteúdos. O seu valor patrimonial pode ser grandemente ameaçado ou diminuído se máquinas ou outros componentes importantes forem removidos, ou se elementos acessórios que façam parte do todo sejam destruídos. Deve ser estabelecido um sistema jurídico e administrativo sólido para permitir que as autoridades actuem rapidamente quando sítios e complexos de património industrial cessam a laboração, a fim de prevenir a remoção ou destruição de elementos significativos, como máquinas, objectos industriais, documentos ou outros elementos de interesse.

III — Conservar e manter as estruturas, sítios, áreas e paisagens de património industrial

  1. A manutenção do uso original ou de uma nova utilização compatível constitui a solução de conservação mais frequente e, muitas vezes, a mais sustentável para assegurar a conservação de sítios ou estruturas de património industrial. Os novos usos devem respeitar os elementos significativos existentes, como os equipamentos, os padrões de circulação ou a distribuição das actividades. São necessários conhecimentos especializados para garantir que os valores patrimoniais sejam adequadamente considerados e respeitados na gestão da utilização sustentável desses sítios e estruturas de património industrial. Os códigos de construção, as medidas de redução de riscos de sinistro, os regulamentos ambientais ou industriais, juntamente com outras normas e disposições, devem ser adequadamente implementados, para respeitar as dimensões do património, quando forem concretizadas através de intervenções físicas.
  2. Sempre que possível, as intervenções físicas devem ser reversíveis e respeitar o carácter histórico do sítio, e os vestígios ou marcas que para tal contribuem. Todas as alterações devem ser documentadas. A reversão para um estado prévio conhecido pode ser aceitável em circunstâncias excepcionais para fins educativos, devendo nesse caso basear-se num aprofundado trabalho de pesquisa e documentação. O desmantelamento e a deslocação só são aceitáveis em casos extraordinários, quando a destruição do sítio é exigida por imperativas necessidades económicas ou sociais, objetivamente demonstradas.
  3. Em caso de obsolescência, desmantelamento e / ou adaptação de sítios ou estruturas industriais de interesse patrimonial, os processos industriais devem ser documentados, particularmente quando os seus componentes tiverem de ser demolidos e as máquinas removidas. A sua forma material, o seu funcionamento e localização, assim como a sua função no processo industrial, devem ser exaustivamente documentadas. Histórias orais e / ou escritas de pessoas ligadas a estes processos de trabalho devem ser também recolhidas.

IV — Apresentar e comunicar as dimensões e os valores patrimoniais de estruturas, sítios, áreas e paisagens industriais para aumentar a consciencialização pública e empresarial e apoiar a educação e a investigação

  1. O património industrial constitui uma fonte de aprendizagem que precisa de ser comunicada nas suas múltiplas dimensões. Ele ilustra aspectos importantes da história local, nacional e internacional e as interações através dos tempos e das culturas. Isto é revelador das aptidões inventivas relacionadas com os desenvolvimentos científicos e tecnológicos, e também com a evolução dos movimentos sociais e artísticos. A consciencialização e a compreensão públicas e empresariais do património industrial são meios importantes para alcançar a sua conservação bem-sucedida.
  2. Deve ser encorajada a criação e manutenção de programas e equipamentos, tais como visitas a sítios activos de património industrial e a apresentação das suas operações, bem como os relatos e o património imaterial associados à sua história, maquinaria e processos industriais, museus industriais ou de cidade e centros de interpretação, exposições, publicações, websites, itinerários regionais ou transfronteiriços, como meio para aumentar a consciencialização e valorização do património industrial em toda a riqueza do seu ignificado para as sociedades contemporâneas. Idealmente, estes programas e equipamentos deveriam estar localizados nos mesmos locais patrimoniais onde o processo de industrialização ocorreu onde ele pode ser melhor comunicado. Além disso, sempre que possível, as instituições nacionais e internacionais nas áreas de pesquisa e conservação do património devem ser capacitadas para utilizar estes programas e equipamentos como unidades educativas para o público em geral e para as comunidades profissionais.

[Tradução da responsabilidade da APPI — Associação Portuguesa para o Património Industrial]

Árvore das Memórias – Lugar de encontros Oficina de museologia social sobre Diversidade Cultural

A Árvore das Memórias é uma oficina de museologia social sobre a diversidade cultural que temos vindo a apresentar em escolas, espaços culturais e comunitários, em Portugal, em Moçambique e na América do Sul. Neste outubro apresentamos uma oficina em Córdoba, na Argentina, no âmbito da 18º Conferencia Internacional do MINOM.

A oficina começou a tomar forma em 2012, na visita que então fizemos ao Centro Comunitário de Djabula, em Moçambique, com a equipa do VIDA. Na altura na conversa com a comunidade, em volta dum frondoso embondeiro, fomos recolhendo histórias de vida da mulheres de Djabula. Nessas histórias ouvi as experiencias vividas no dia da dia, as preocupações com os filhos, com a escola, com o acesso à saúde, com a alimentação, com a água, com a floresta e o gado. Ouvi também as memórias, da guerra, dos que partiram e da relevância que as experiencias tinham, na comunidade, para pensar as ações que se deviam tomar.

Umas das atividades associativas que então se procurava desenvolver no distrito de Matatuíne, era promover uma pequena loja de artesanato, onde as Djabulinas, as pequenas bonecas de pano, confecionadas pelas mulheres seriam vendidas. Enquanto confecionavam as bonecas, as mulheres falavam e contavam histórias de personagens. Assim, as Djabulinas foram ganhando vida de personagens da aldeia.

As Djabulinas e as suas histórias passaram a viajar na mala para a “Oficina Árvore das Memórias”. Elas tanto contam a história de Djabula, das suas mulheres e do associativismo que se vai lentamente consolidando pela ação dinâmica da Filipa Zacarias; como, escutam as histórias dos diferentes lugares.

A oficina “Árvores das memórias” propõe um espaço e um momento de encontro para reconhecimento da memória social da comunidade a partir do reconhecimento de si e do outro. Procura-se um reconhecimento da diversidade dos saberes e convida-se cada participante das “rodas ou cirandas da memória” e ganhar consciência do lugar onde se encontra e a procurar encontrar o seu caminho no âmbito do grupo em que se encontra in serido.

A oficina usa o método do sociodrama para trabalhar a reificação da memória coletiva e favorecer a produção de inovação social. No processo procuramos facilitar o reconhecimento do eu e do outro como ferramenta de construção da liberdade e de criação de justiça cognitiva.

Trata-se dum trabalho que tem vindo a ser feito em escolas, através do CES Escolas, um programa de extensão Universitário do CES-Universidade de Coimbra e dos Programas da Rede de Escolas Lusófonas, na Universidade Lusófona. A partir do olhar sobre os saberes meridionais propomos um momento de encontro para reconhecimento da diversidade cultural no mundo, e propomos a cada participante que experimente o seu posicionamento em diferentes lugares para procurar descobrir as diferenças e escolher o mais adequado aos seus interesses.

As rodas de memória e as cirandas tem vindo a permitira que nas diferentes sessões os participantes tenham momentos de aprendizagem a partir das experiencias das comunidades do sul. As rodas de memórias permitem olhar para as diversas formas de ocupação do espaço, da organização da vida comunitária, da organização do trabalho e dos diferentes tempos da vida. Permitem ganhar um reconhecimento sobre os problemas da água, da floresta, do acesso à saúde e educação, do exercício do mutualismo. Favorecem o reconhecimento da diversidade dos saberes e dos fazeres e constituem-se como de catalisadores do debate sobre a relação da sociedade com a economia e o ambiente, no âmbito dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

[1] Pedro Pereira Leite – MINOM/ULHT/CES.UC – Artigo para a News Letter da ONG VIDA, Novembro 2017 (DOI-10.13140/RG.2.2.33142.09284)

Dicionário Ilustrado da Cortiça – de Ignácio perede

O Dicioonário Ilustrado de Cortiça (2016). de Ignácio Pereda, é um trabalho que trabalha sobre a memória coletiva dos saberes corticeiros. O Montado é um dos elementos que caracteriza a paisagem mediterrânea. Uma paisagem feita de uma componente humana, que liga as permanências às pessoas. Um quadro integral de património.

Foi oferecido pelo auto neste Natal, em jeito de troca.

Encontros Florestais

Encontros Florestais (20179. de Ignácio Garcia Pereda

Publicado pela Sociedade Portuguesa de Ciências Florestais

Num ano em que se falou da floresta, do ordenamento florestal, o autor deste livrinho teve a gentileza de mo oferecer, em memória duma conversas que trocamos sobre a Herdade de Rio Frio.

Nele contextualiza as discussões, ao longo de mais de um século, sobre a floresta portuguesa, Uma discussão feita pelos pricipais proprietários agrícolas.

Marxismo e Ecologia, reencontro necessário POR EDUARDO MANCUSO

A partir de Outras Palavras

Divorciados no século 20, precisam voltar. Do contrário, não será possível superar nem o velho desenvolvimentismo, nem a mediocridade do “capitalismo verde”

Nós só conhecemos uma ciência, a ciência da história. A história pode ser vista por dois lados: ela pode ser dividida em história da natureza e história do homem.

Os dois lados, porém, não devem ser vistos como entidades independentes. Desde que o homem existe, a natureza e o homem influenciam-se mutuamente Karl Marx e Friedrich Engels, A ideologia alemã[1]

O homem vive da natureza, isto é, a natureza é o seu corpo, e ele precisa manter um diálogo continuado para não morrer. Dizer que a vida física e mental do homem está vinculada à natureza significa simplesmente que a natureza está vinculada a si mesma, pois o homem é parte da natureza Karl Marx, Manuscritos econômicos e filosóficos[2]

“O trabalho é o pai da riqueza material… e a terra é a mãe” Karl Marx, O Capital[3]

Ninguém denunciou tanto como Marx a lógica capitalista da produção pela produção, a acumulação de capital, de riquezas e mercadorias como um fim em si. Sua ideia de sociedade socialista está baseada na produção de valores de uso, de bens necessários à satisfação das necessidades humanas. Para Marx o objetivo do progresso técnico não é o crescimento infinito de bens (“o ter”), mas a redução da jornada de trabalho e o aumento do tempo livre (“o ser”).

No entanto, encontramos no marxismo dos séculos XIX e XX (e mesmo em algumas passagens de Marx) uma postura insuficientemente crítica a respeito do sistema de produção industrial criado pelo capital, além de uma tendência a fazer do “desenvolvimento das forças produtivas” o principal vetor do “progresso” (entendido como algo intrinsecamente positivo). A esse respeito, as duas correntes principais do movimento socialista no século XX, a socialdemocracia e o stalinismo, levaram a lógica “produtivista” ao paroxismo em seus programas políticos e projetos de governo.

Porém, se voltamos ao marxismo clássico (com sua concepção materialista da história e da natureza), vamos encontrar inúmeros exemplos na obra de Marx, da associação direta entre a exploração do proletariado e da natureza, abrindo um campo de reflexão sobre a articulação entre luta de classes e luta em defesa do meio ambiente – o combate comum contra a exploração do trabalho e da natureza. Também o jovem Engels, em seu magistral livro A situação da classe trabalhadora na Inglaterra, de 1844, descreve com indignação a horrível acumulação de dejetos e resíduos industriais nas ruas e nos rios, e o gás carbônico que tomava o lugar do oxigênio e envenenava a atmosfera nas cidades inglesas do século XIX.

O pensamento metafísico pretende separar a ideia da matéria, o corpo do espírito, a natureza da história. Esse não é o caso do marxismo clássico. Encontraremos inúmeras passagens na obra de Marx que consideram a conservação do meio ambiente natural como uma obrigação da sociedade humana com o presente e o futuro, constituindo, portanto, tarefa fundamental do socialismo. Por exemplo, no volume III do Capital, vamos encontrar a necessidade da preservação da terra articulada com a ideia de solidariedade intergeracional:

Mesmo uma sociedade inteira, uma nação, enfim, todas as sociedades contemporâneas tomadas em conjunto, não são proprietárias da terra. Elas são apenas ocupantes, usufrutuárias, e devem, como bons paters famílias, deixá-la em melhor estado para as futuras gerações.[4]

Assim, na obra magna de Marx sobre o capital vai surgir o conceito de metabolismo. A ideia de metabolismo é absolutamente central para a concepção materialista-histórica de Marx, pois nela o trabalho serve de mediador entre a existência humana e a natureza. Ele passa a definir, então, o socialismo como o sistema social em que a dominação humana sobre a natureza é substituída pelo controle (democrático) do intercâmbio do homem com a natureza:

[…] a única liberdade possível é a regulação racional, pelo ser humano socializado, pelos produtores associados, de seu metabolismo com a natureza, que eles controlam juntos ao invés de serem dominados por ele como por uma potência cega.[5]

O conceito de metabolismo permitiu a Marx não apenas expressar esta relação fundamental de forma mais científica, retratando a troca complexa, dinâmica, entre os seres humanos e a natureza decorrente do trabalho humano, que abrangia tanto as “condições impostas pela natureza” quanto à capacidade dos seres humanos de impactar esse processo. Segundo o marxista norte-americano John Bellamy Foster, esse conceito deu a Marx um modo concreto de expressar a noção de alienação da natureza (e da sua relação com a alienação do trabalho), isto é, o desequilíbrio ou a crise na relação entre a humanidade e seu meio ambiente natural: a falha metabólica.

Poderíamos citar muitos exemplos da sensibilidade dos fundadores do marxismo à questão do ambiente natural da atividade humana, mas sobre esse debate talvez o mais importante na atualidade, quando enfrentamos a crise de civilização produzida pelo capitalismo, é enfatizar, como faz Michael Low y que: […] é impossível pensar em uma ecologia crítica à altura dos desafios contemporâneos sem ter em conta a crítica marxiana da economia política, o questionamento da lógica destrutiva induzida pela acumulação ilimitada de capital. Uma ecologia que ignora ou negligencia o marxismo e sua crítica do fetichismo da mercadoria está condenada a não ser mais do que uma correção dos “excessos” do produtivismo capitalista.[6]

Lowy afirma que a questão ecológica é o grande desafio para uma renovação do pensamento marxista no século XXI. Ela exige dos marxistas uma ruptura radical com a ideologia do progresso linear e com o paradigma tecnológico e econômico da civilização industrial moderna, reorientando o desenvolvimento humano, tornando-o compatível com a preservação do equilíbrio ecológico do planeta.

Lowy propõe aplicar ao aparelho produtivo moldado pelo capital a mesma lógica revolucionaria que Marx propunha em A guerra civil na França (1871), para o tema do aparelho de Estado: A classe trabalhadora não pode se contentar em tomar a máquina do Estado e fazê-la funcionar por sua própria conta. Por sua natureza e estrutura, o sistema produtivo (assim como o Estado) não é neutro, os trabalhadores precisam superar o velho e construir algo novo, que realmente supere o existente e atenda as necessidades das amplas maiorias e da relação da humanidade com o ambiente natural.

O que implica não apenas a substituição das formas de energia destrutivas por fontes de energia renováveis e não-poluentes como a energia solar, mas também uma profunda transformação do sistema produtivo herdado do capitalismo, assim como do sistema de transportes e do sistema de habitação urbana.[7]

Nesse sentido, o ecossocialismo significa uma ruptura com a civilização material capitalista, pois uma nova sociedade exige não apenas um novo modo de produção, mas também um novo paradigma de civilização:

O socialismo e a ecologia – ou pelo menos algumas das suas correntes – têm objetivos comuns, que implicam questionar a autonomização da economia, do reino da quantificação, da produção como um objetivo em si mesmo, da ditadura do dinheiro, da redução do universo social ao cálculo das margens da rentabilidade e às necessidades da acumulação do capital. Ambos pedem valores qualitativos: o valor de uso, a satisfação das necessidades, a igualdade social para uns, a preservação da natureza, o equilíbrio ecológico para outros.[8]

A maior contribuição da ecologia crítica tem sido a de alertar a humanidade dos perigos que ameaçam o planeta em consequência do seu modo de produção e consumo insustentáveis. O crescimento exponencial das agressões ao meio ambiente e as rupturas cada vez mais drásticas do equilíbrio ecológico colocam em questão a sociedade humana, confrontando-nos com uma crise de civilização, exigindo mudanças radicais.

Lowy considera o ecossocialismo uma corrente de pensamento e de ação política que incorpora as aquisições fundamentais do marxismo. Para o movimento ecológico socialista, (…) a lógica do mercado e do lucro – assim como a do autoritarismo burocrático de ferro e do “socialismo real” – são incompatíveis com as exigências de preservação do meio ambiente natural.[9]

Ele destaca que o movimento não é homogêneo, mas apresenta alguns temas e princípios comuns, tendo como eixo central, (a) ruptura com a ideologia produtivista do progresso – na sua forma capitalista e/ou burocrática – e oposta à expansão ao infinito de um modo de produção e de consumo destruidor da natureza, [nesse sentido] tal corrente representa uma tentativa original de articular as ideias fundamentais do socialismo marxista com as aquisições da crítica ecológica.[10]

O objetivo do socialismo ecológico significa subordinar o valor de troca ao valor de uso (superando o “reino da mercadoria”), organizando a produção em função de necessidades sociais e da proteção do meio ambiente. Construir uma sociedade ecologicamente racional fundada no controle democrático, na igualdade, na propriedade coletiva dos meios de produção e em uma nova estrutura tecnológica das forças produtivas.

Para Lowy, o pensamento ecossocialista repousa em dois argumentos essenciais: 1. O modo de produção e de consumo atual dos países capitalistas avançados, fundado numa lógica de acumulação ilimitada (do capital, dos lucros, das mercadorias), do esgotamento dos recursos, do consumo ostentatório, e da destruição acelerada do meio ambiente, não pode, de modo algum, ser expandido para o conjunto do planeta, sob pena de uma crise ecológica maior.

  1. (A) continuação do “progresso” capitalista e a expansão da civilização fundada na economia de mercado – mesmo sob essa forma brutalmente desigualitária – ameaça diretamente… a própria sobrevivência da espécie humana.[11]

A racionalidade imediatista, de curto prazo, submetida à lógica de perdas e lucros do mercado capitalista é contraditória com a racionalidade ecológica e sua temporalidade dos ciclos naturais. E o pretenso capitalismo “verde”, além de muita publicidade e marketing, significa simplesmente a exploração de novas alternativas de ganhos “politicamente corretos”.

Segundo Lowy, as reformas parciais são insuficientes (mesmo que seja importante lutar por elas, aqui e agora), pois do que se trata é de substituir a racionalidade capitalista baseada no lucro por outra forma de pensar – social e ecológica. Significa lutar para construirmos as bases de uma transição socialista para uma civilização fundada em outro paradigma tecnológico, em fontes de energia não poluentes e renováveis, como a energia eólica e solar.

E essa questão recoloca a tese fundamental de Marx: o controle social dos meios de produção. Atualmente poderíamos dizer que se trata de escolhermos entre que parcela da população mundial (e de que maneira) deve controlar a economia: de forma majoritária e democraticamente; ou através da manutenção do status quo plutocrático. Os 99% de que fala o movimento Ocupe Wall Street (e há mais de uma década, o FSM de Porto Alegre), ou o 1% dos ricos e poderosos do Fórum Econômico Mundial de Davos.

A mudança radical necessária (ao mesmo tempo, revolucionária e democrática) diz respeito não apenas ao controle social da produção, mas também ao consumo, isto é (continuando na lógica de “99% da humanidade”) ao tipo de consumo atual que a maioria da sociedade está habituada, baseado na alienação e no desperdício. Nesse sentido, para a construção de uma nova hegemonia e de uma transição ecossocialista, a luta pela socialização dos meios de produção precisa andar passo a passo com a ampliação e o aprofundamento da consciência ecológica.

Essa transição levaria a humanidade a um novo modo de produção e a uma sociedade igualitária e democrática, fundada em um modo de vida alternativo. Porém, a crise de civilização atual chegou a tal ponto que nos exige agir desde agora. O fato de ser cada vez mais evidente a impossibilidade de “ecologizar” o capitalismo, não significa que não devamos buscar reformas imediatas do sistema.

O combate por reformas ecossociais pode ser portador de uma dinâmica de mudança, de “transição” entre as demandas mínimas e o programa máximo, com a condição de que se recusem os argumentos e as pressões dos interesses dominantes, em nome das “regras do mercado”, da “competitividade” ou da “modernização”.[12]

Dois exemplos de demandas sociais imediatas, mas que apresentam características de “reivindicações de transição” (na melhor tradição do Programa de Transição de Trotsky, que, na década de 1930 denunciava o potencial de barbárie do capitalismo e de seus “subprodutos ideológicos”, o fascismo e o nazismo) e que devem ser fortemente trabalhadas pela esquerda na conjuntura atual: transporte público de qualidade, subsidiado (barato ou gratuito), como alternativa a poluição e ao colapso da mobilidade nas cidades produzido pelo carro individual e por transportes poluentes e inadequados; redução do tempo de trabalho sem diminuição da renda, como resposta ao desemprego e como proposta de sociedade que privilegie o tempo livre em relação à acumulação de bens.

Para Michael Lowy, o combate por uma nova civilização verdadeiramente humana e que respeite a natureza é tarefa do conjunto dos movimentos sociais emancipatórios e antissistêmicos, que precisam associar-se politicamente. Não há mais espaço e nem tempo para sectarismos. Ele destaca essa necessidade imperiosa citando Jorge Riechmann, em seu El socialismo puede llegar solo en bicicleta:

Esse projeto não pode renunciar a nenhuma das cores do arco-íris: nem ao vermelho do movimento operário anticapitalista e igualitário, nem ao violeta das lutas para a libertação da mulher, nem ao branco dos movimentos não violentos para a paz, nem ao antiautoritarismo negro dos libertários e anarquistas, e ainda menos ao verde da luta por uma humanidade justa e livre num planeta habitável.[13]

Nesse início de século XXI, a ecologia tornou-se um dos elementos mais importantes do vasto movimento contra a globalização capitalista neoliberal, tanto no Norte quanto no Sul do planeta. Socialistas e ecologistas devem estar unidos contra a mercantilização do mundo e na defesa do meio ambiente, resistindo à ditadura do capital (através dos mercados e das multinacionais) e construindo alternativas sociais, democráticas e sustentáveis à crise de civilização produzida pela globalização e o imperialismo.

O combate para salvar o meio ambiente, que é necessariamente o combate por uma mudança de civilização, é um imperativo humanista, que diz respeito não apenas a esta ou àquela classe social, mas ao conjunto dos indivíduos.

Esse imperativo concerne às gerações futuras, ameaçadas de receber como herança um planeta que se tornou inabitável, onde é impossível viver, devido à acumulação cada vez mais descontrolada dos estragos causados ao meio ambiente.[14]

O ecossocialismo implica assim em uma ética igualitária e democrática (intergeracional): visa uma redistribuição planetária da riqueza em prol de justiça global, e um desenvolvimento em comum dos recursos naturais, não apenas no presente, mas para as próximas gerações; busca uma democratização das decisões econômicas, que significa que as grandes decisões que incidem na sociedade não são tomadas pelos “mercados” (ou seja, por uma oligarquia de capitalistas e tecnocratas), mas pela própria sociedade, através de processos pluralistas e democráticos.

Em seu recente texto Fundamentos de uma estratégia ecossocialista, o marxista ecologista belga Daniel Tanuro apresenta duas teses consistentes. A primeira tese considera: o fato de que as forças produtivas materiais nos tenham afastado objetivamente de uma alternativa socialista constitui a chave que fundamenta e justifica o novo conceito de eco-socialismo.

A segunda tese sustenta que: (…) a verdade é revolucionária e não se pode ocultar o fato de que a transformação socialista implicará renúncia, e provavelmente em grande medida, a certos bens, serviços e hábitos que impregnam profundamente a vida cotidiana de amplas camadas da população, ao menos nos países capitalistas desenvolvidos. Por isso, há que se por em primeiro lugar os objetivos capazes de compensar esta perda mediante um progresso substancial na qualidade de vida.[15]

Nesse sentido, Tanuro ressalta a luta pela gratuidade dos bens básicos (água, energia, mobilidade), o que implica a ampliação do setor público; e a redução do tempo de trabalho sem diminuição de salário (proposta clássica de Marx, que dizia que “toda economia se reduzia, em última instância, a uma economia de tempo”).

Ambas as teses constituem eixos centrais de uma estratégia ecossocialista, urgente e necessária, para enfrentarmos a crise de civilização capitalista. Pois as características da era atual mostram que as tendências destrutivas do capitalismo, apontadas por Marx, operam agora numa escala global, exigindo a substituição do sistema em crise estrutural (configurando uma crise geral da modernidade) por um novo modo de produção social e ecologicamente sustentável.

Para contribuir na construção dessa estratégia ecossocialista, Jorge Riechmann lembra que o socialismo como sistema social e como modo de produção se define pelo fato do trabalho deixar de ser uma mercadoria e a economia estar a serviço da satisfação igualitária das necessidades humanas (e não da acumulação de capital):

O ecossocialismo agrega às condições anteriores a da sustentabilidade: o modo de produção e a organização social transformam-se para serem ecologicamente sustentáveis. (Não mercantilizar os fatores de produção – natureza, trabalho, capital –…).[16]

Além de propor a desmercantilização do mundo, Riechmann ressalta que o ecossocialismo mantém a luta pela transformação do Estado, negando-se, portanto, a retirar-se da disputa política real. Ele apresenta um conjunto de elementos para um programa de transição pós-capitalista, entre os quais: socialização do sistema de crédito (bancos públicos fortes canalizando recursos para investimentos ecologicamente sustentáveis); reforma fiscal ecológica, com a instauração de um eco-imposto sobre os combustíveis fósseis; distribuição mais igualitária da riqueza e da renda (mediante o aumento da tributação sobre altos rendimentos, o consumo luxuoso e o capital); redução do tempo de trabalho (…) o pleno emprego voltaria a ser um objetivo essencial das políticas econômicas; bens e serviços de qualidade por parte de um setor da economia socializado: energia, transporte, comunicações, moradia, saúde, educação…; fortes restrições à publicidade comercial; infraestruturas para a sustentabilidade: energias renováveis, transporte coletivo, cidades sustentáveis; estratégia de coeficiência; desglobalizar e relocalizar o essencial da produção.[17]

Frente à ditadura financeira dos mercados e a desmedida do capital globalizado (acumulação pela acumulação), o ecossocialismo defende a democracia em todos os níveis (nas palavras de Boaventura de Sousa Santos, uma democracia sem fim). Significa construirmos a transição para uma sociedade onde as grandes decisões sobre produção e consumo sejam tomadas democraticamente pelo conjunto dos cidadãos e cidadãs, de acordo com critérios sociais e ecológicos.

_____________________

[1] Foster, John Bellamy. A ecologia de Marx: materialismo e natureza. Civilização Brasileira, 2005, p. 311

[2] Ibid. p. 223

[3] Marx, Karl. O Capital. Boitempo, 2013, p. 121

[4] Löwy, Michael. Ecologia e socialismo. Cortez Editora, 2005, p. 35

[5] Ibid. p. 37

[6] Ibid. p. 37-38

[7] Ibid. p. 39-40

[8] Ibid. p. 42

[9] Ibid. p. 47

[10] Ibid. p. 48.

[11] Ibid. p. 49-50

[12] Ibid. p. 60.

[13] Ibid. p. 62.

[14] Ibid. p. 73

[15] Tanuro, Daniel. Fundamentos de una estratégia ecossocialista. Viento Sur, 2011 (edição digital – tradução do autor).

[16] Riechmann, Jorge. El ecosocialismo em diez rasgos. Viento Sur, 2012 (edição digital – tradução do autor).

[17] Ibid.

Haja esperança da Cultura!

As questões que afetam o Património e a Cultura, que aqui tem vindo a ser levantadas são complexas e não existem soluções fáceis no campo das políticas públicas.

Após a recuperação da pasta ministerial, muitos pensaram que era possível “regressar ao passado” com políticas públicas conduzidas pelo estado central, com base em orçamentos generosos para os atores culturais.

Escudados nos direitos culturais consagrados no texto constitucional, nas diferentes leis sobre o Património, Museus, Bibliotecas, Arquivos, Teatro, Cinema, Direitos de Autor e Liberdade de Imprensa, os dois campos ideológicos distinguem-se entre os que defendem a “mão” tutelar do Estado, mais ou menos pesada, e a “mão” tutelar do mercado, também ela mais ou menos livre de iniciativas. Evidentemente as combinações são múltiplas. Nem o Estado tem condições financeiras nem recursos humanos para voltar a assumir a “condução” da cultura nacional, nem o mercado cultural tem condições (políticas e culturais) para se assumir como alternativa à governação dos equipamentos culturais.

Não faltam exemplos dos dois extremos. O Caso da paródia do Panteão é o exemplo caricatural do mercado a funcionar onde o património apenas tem um valor de troca, tornando nulo o seu valor simbólico, fora do evento (o pratrimónio torna-se apenas num cenário). Haverá outros até bem mais graves, como sucedeu recentemente no Convento de Tomar, (onde a indignação de poucos morreu) em Foz Côa (que até deu audição parlamentar, sem resultados) ou na Fortaleza de Peniche).

No caso da visão centralizadora da cultura, também não faltarão alguns exemplos, como o exemplo da Rede de Museus, ou mais recentemente a “brilhante” ideia de fazer um split do Museu da Música, levando para Mafra o Bom Tempo, deixando no Palácio Foz o Alfredo Keil e o Vianna da Motta (fica por defenir o lugar do Bernardo Saseti, falando-se está em projeto um terceiro polo em Cintra, ou em Xabregas, nos Armazém do Abel Pereira de Fonseca, aproveitando a dinâmica criada pelo Hub Criativo do Beato  e pela Biblioteca de Marvila, numa pareceria com o turismo de Lisboa para suprir a concentração de museus no centro da cidade).

Mas há boas notícias na cultura. Haja por isso esperança!

Ontem na entrevista à RTP do Ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, a propósito das questões da Seca e da escassez de água, para além de ficarmos a saber que a falta de água na Barragem de Fragil, perto de Viseu, resulta da conjugação da falta de precipitação com a retirada de água para pagar os inclementes incêndios do Verão passado (o que prova que “um mal nunca vem só”, como diria o Jerónimo de sousa), Matos Fernandes afirma a dada altura que o Rio Ceira, em Coimbra, vai ser intervencionado (linda palavra criada pelo engenhês) de forma “naturalizada” (outra palavra criada pelos ambientalistas de pacotilha). Isto ér vai ser criado um Museu Vivo .

Ficamos a saber que no governo haja quem tem uma visão,  atual do museus. Talvez numa próxima remodelação se possa solicitar a António Costa  que dê um novo elan ao governo e troque as pastas. Afinal um diplomata dará jeito para negociar as emissões de CO2, CH4 e N2O ( fui aluno do Rómulo de Carvalho no Pedro Nunes), a Matos Fernandes vará dos museus e do património lugares com vida. pois “um museus que não serve para a vida não serve para nada”

PS. Haverá naturalmente que rever a Lei Portuguesa dos Museus para que a categoria de Ecomuseu possa ser considerada, mas isso são detalhes.

Vagas de Globalização XV

3.5 US-led Globalization

What are the characteristics of the 1950-2000 period, according to Professor Sachs?

Have the global extreme poverty rates been declining or rising in the last 27 years?

In our long sweeping history of the ways of globalization we’ve arrived at the moment of U.S. leadership, at the end of World War II. Indeed in 1942, the then-editor of Time Magazine, Henry Luce declared that this would be the American century.

He intuited and he was correct that when the war ended America would become the world’s dominant economic and technological power. When the war ended, indeed the American economy was in remarkable stride, having built massively its industrial capacity to turn out planes and tanks and ships and military weaponry and new technological advances, radar and the early stages of the computer age and the beginnings of the nuclear age with the atomic bomb and with the potential for peaceful nuclear energy, as well. A remarkable moment.

Of course, what would ensue in part would be the Cold War between the U.S.-led world and the Communist world led by the Soviet Union. And while that was a very frightening confrontation that went on for decades, it was never in doubt that from an economic point of view the United States itself was by far economically, financially and technologically dominant. We’re looking here again at Angus Maddison’s data. And if we look at the share of the world economy accounted for by the United States, according to Maddison’s estimate, as of 1950, the U.S. is somewhere between 25% and 30% of world production, at a time when the population share was around 5%.

That means that in per person terms the U.S. roughly five to six times the average for the rest of the world. And indeed that is at least an accurate assessment of U.S. economic predominance. If we look at the red line which is the British Empire, it’s in a steep decline, in no small part because countries like India are simply leaving the empire. And what is happening is that the British Empire, which had been around one-quarter of world output as of 1870, by 1950 was already under 10% and would fall to less than 5% because basically it became the United Kingdom itself.

What we see is a kind of scissors curve if I might. The U.S. in its ascendancy and the U.K. or the British Empire, I should say, dissolving and a hand of the baton in this Anglo-American world from Britain which predominated, invented the modern industrial age, quite literally, presided over it for a century and a half, in effect handing the baton to the United States for U.S. leadership. And in many ways the U.S. performed very, very well, at least for a time, because the U.S. led the creation of extremely important institutions, especially the United Nations institutions.

The U.S. pressed, and I think wisely, for an opening of global trade for several rounds of reduced trade barriers, for an opening of flows of productive capital, business investment around the world. And for decolonization. So the U.S. was not interested in the continuance of the British Empire, or the French Empire. It did, of course, look forward to U.S. prerogatives. And while not empire in the formal sense of direct political control, certainly the U.S. had no reserve in exercising whatever political suasion and often brutal destabilizing, covert actions and open war to get its way.

So the U.S. did many things well in creating more of a law-bound international system around the United Nations, but also took on many of the features that Britain had carried as world leader, one could say as the predominant power, with quasi-imperial prerogatives if not direct imperial prerogatives. And the many secret wars and overt wars that the U.S. fought to overthrow governments, to destabilize regimes, to try to find locals who would play to the U.S. interest, is if not direct imperialism, certainly is what we have seen throughout history of powerful countries cynically and rather brutally exercising their prerogatives against weaker nations.

It’s very much a mixed picture. One of the most important features of the half century from 1950 to the present is the end of European direct imperial rule. The unwinding of the British Empire, the end of Portuguese, Spanish, French imperial rule in many parts of the world. Often this was peacefully undertaken by agreement, by negotiation. Sometimes only after brutal wars of liberation fought by nationals who resented, understandably, the imperial rule from outside. Overall, this was a tremendous change in a short period of time. It’s another example of how fast global change can be. And the idea of decolonization spread with a contagion that was remarkable throughout Africa, throughout Asia.

What started in a handful of countries became absolutely within a few years a global and virtually unstoppable movement, even when tragically the imperial powers fought a rear guard war to stop it or slow it down.

In my opinion, the end of the imperial age had a major effect on the start of diffusion of industrialization to more and more of the world. And there are many reasons for that. If I had to put my thumb on one point of that I would say it is that the imperial powers delayed, dreadfully, the uptake of mass education, mass literacy, mass numeracy and the job skills needed to manage a modern high-tech economy. And it was only after the end of the imperial rule and only after decolonization that many countries throughout Africa and throughout Asia began mass primary education for literacy because the industrial powers did not do it. And I think it’s a major blot on their historical record that they left populations without education. Also, I should mention, without any decent healthcare, without infrastructure till the end of the colonial period.

One of the ramifications of this is that overall global growth accelerated. In the first half of the 20th Century worldwide growth, using Maddison’s estimates, was about 2% per year. In the second half of the 20th Century, from 1950 to 2000, aggregate global growth was on the order of 4.6% per year. More than twice the rate. And in my view, it was the change of governance. Of course, also peace at a global scale. No more global wars. No great depression.

But the change of governance certainly played a major role because this allowed for the first time the diffusion of knowledge, literacy, education, job skills, and investments in infrastructure necessary for the spread of a modern industrial economy.

We turned, therefore, from an era of divergence to an era of convergence. Divergence means that the rich are getting richer faster than the poor are getting richer. So even if the poor are gaining, they’re not gaining in proportionate terms as fast as the rich. So the gap is widening. Convergence means that even if the rich are getting richer, as they continued to do after 1950, the poor are closing the gap. They’re gaining ground at a faster proportionate rate so that the relative income between rich and poor is, the gap is narrowing.

And that is what one sees in the picture before you that per capita income of the rich countries relative to the poor countries widens and then it begins to decline as we move into the age of convergence.

How would I characterize the fifty years from 1950 to the year 2000? I would say that the U.S. was predominant during this period. I would say that decolonization was a fundamental geopolitical force. I would say that convergence began. And I would say that we enjoyed the benefits of yet another wave of massive technological breakthrough, this time, the information revolution.

The information revolution is a big complicated ecosystem of technologies. It’s computation, it’s the internet, it’s mobile connectivity. It’s digitization. It’s many, many technologies. But all of it is around the machine-based ability to harness, to manipulate, to store and to transmit information. And the information revolution now is 80 to 90 years old. The great conceptual inventors were Alan Turing of the 1930s, who invented a lot of the most basic concepts of computation. And John von Neumann, another great, brilliant mind of the 20th Century who did many, many things, but one of which was to help design the architecture of the modern computer.

And from their discoveries came the computer age. And from discoveries of solid state physics and advances in knowledge of semiconductor materials came the discovery of the transistor in the late 1940s at Bell Labs. And when computers and transistors came together, came the computation revolution of the 1960s and ‘70s.

And then personal computation, with advances, one spilling to the next with personal computers, with mobile connectivity, with the invention of the internet, with the increasing, burgeoning range of digitization and advances of technology. The pace of technological advance of the information age certainly rivals the major breakthroughs of the past.

The information revolution certainly stands at that level of world changing technology. And one of the things that makes the information revolution so remarkable is not only its speed, but the pace of its diffusion. We see here in this picture the uptake of mobile telephony, the number of subscribers of mobile phones from around 20,000 at the inception of the mobile telephony age in 1980 to more than seven billion subscribers today. And now, of course, we have not only people speaking with each other on their mobiles, but we have the internet of things in which sensors and intelligent machines, smart systems are speaking to each other with numbers reaching soon into the tens of billions of connected devices.

This is a technology that doesn’t follow a particular ecological niche like a new crop. The mobile connectivity in the internet are universal applications. And they’re reaching into every ecology, every part of the world and they are thereby transforming the whole world economy. This age of convergence has made possible a dramatic decline of poverty rates. So much so that it has become a goal of the world community to end extreme poverty. Now mind you, at the start of the fifth wave of globalization, back in 1800, best estimates are 80% to 90% of the world lived in extreme poverty. But because of the mass diffusion of modern technology, the information age, the new age of sovereignty, where countries have the scope to pursue their economic development, we’re seeing a dramatic decline of poverty rates.

In 2005, I wrote a book called The End of Poverty where I said, it was within the reach of our generation, if we try, to end poverty by 2025. That’s a pretty tough timetable right now because we haven’t tried quite hard enough. But nonetheless even in our distracted manner, the estimate by the World Bank is that extreme poverty has declined from 37% of the world population in 1990 to an estimate of just 9.6% of the world population as of 2015. This has been, therefore, an era of a lot of progress.

Thank god we have not had a global conflict, although unfortunately as the powerful country, the United States itself has caused far too many conflicts as it has used its power and its military sway to destabilize and topple other countries, often to disastrous effect. Of course, not just the U.S., but many countries have engaged in useless and mindless wars, but in the final module I’m going to emphasize how we have entered another period of turbulence and uncertainty.

A period that has enormous promise because of this vast and dynamic and thrilling scientific and technological revolution that continues to unfold. But also a period that is profoundly dangerous and really requires us by direction, by conscious effort at a global scale to enter yet a new wave of globalization. With our economic prowess and heavy resource use, including of course the massive fossil fuel energy that we have deployed in building and operating the modern world economy, we’ve created an environmental threat that is unprecedented in human history.

We live in a time of such technological knowhow that everybody’s needs and opportunities can be fulfilled. And yet we are often creating societies of vast gaps between the rich and the poor and widening gaps and vast inequalities of power in our decision-making. This is of course a threat to our well-being and a threat to our social stability. So what kinds of institutions, what kinds of governance do we need for the sixth wave of globalization? Stay tuned, that’s my topic for the final module.

Vagas de Globalização XIV

3.4 The European Immolation and Decolonization

What was the reason behind World War I? What does Professor Sachs say was the true motivation?

What happened with the lands of the former Ottoman Empire after World War I? What was Britain’s role there?

I’ve been discussing in this module the industrial age, calling it the fifth wave of globalization. A most remarkable, unique period of human history. I have emphasized that for three-quarters of these two centuries, for the period roughly from 1800 to 1950, one could justly call this the age of Britain, or as it was sometimes called Pax Britannica, or as it was sometimes said, the sun never sets on the British Empire.

Britain really was the dominant power, the home of industrialization. The possessor of the greatest empire in the world. A truly global reach. A creator of the modern global industrial world economy. The creator of modern global finance. And seemingly, in an unassailable position as the owner of by far, the world’s most powerful navy, going into the early years of the 20th Century. But I’ve emphasized repeatedly how fast circumstances can change. And one must account the thirty year period from 1914 to 1945 as one of the greatest disasters ever to afflict humanity.

It began with World War I. And then at the end of World War I, with a peace agreement, the Treaty of Versailles, that was in the words of its proponents supposed to be the war to end all war by a just peace. But to later historians became known as the peace to end all peace, because the agreements at the end of World War I were so horrendous that Europe did not recover its economic vitality, conflicts within Europe remained intense at the political and diplomatic level. And the instability, economically, eventually was a major cause of a profound economic collapse which we now call the Great Depression, which began in 1929 and was so destabilizing politically that it brought to power the most villainous regime of modern history, perhaps of all history, the Nazi regime in Germany and Hitler, which then led to the Second World War in the late 1930s and only ending in 1945.

In other words, from 1914 to 1945, at the very center of the world economy, among the titans of industrialization, the owners of world imperialism, was the bloodiest thirty years of self-destruction imaginable. Not only were tens of millions of innocents brutally murdered during this period, but the cataclysms that followed from this thirty years of war continue to reverberate till today.

We’re one full century after the onset of World War I. And truth be told, there is no explanation of this war. There is a chronology.

Historians can do what’s called the tick-tock of this war, who said what, who responded what, how did this happen?

But for a deep motivation, almost impossible to find. We know, of course, the scenario. We know the basic chronology that the Archduke of the Habsburg Empire was killed by separatists, in a terrorist act in Sarajevo in Bosnia, which was part of the Habsburg rule The Habsburgs responded in part with the prodding of Germany to Serbia, which was viewed as the state harboring and encouraging the terrorism, to make concessions to the Habsburgs that the Serbians would not make.

When they rejected the demands of the Austro-Hungarian Empire, the Habsburg Empire, the Austrians declared war. Russia, as a protector of Serbia, mobilized to protect Serbia against the oncoming clash with the Habsburgs.

And Germany, both fearing and antagonistic to Russia and defending Austria and among German, some German leaders, desiring war, mobilized and launched a war knowing that as Russia went to war, Russia’s allies, Britain and France would also mobilize. And so Germany was the immediate progenitor of a war that it suddenly faced on both borders. To the east, in a war with the Romanov Empire of Russia, and to the west in yet another war with France and with France’s ally, Britain.

Europe was suddenly engulfed in war. And as we know, this was truly the first industrial war with aerial bombing, with machine guns, with tanks, with submarines. The full miracle of industrialization put to the destruction of human beings. And 20 million people perished in the war. Near the third year of the war America got pulled into the war. America by this time had become the largest industrial power. The president of the United States, Woodrow Wilson, thought he would make this the war to end all wars. A war of justice. A war with a decent peace. This proved to be utterly naïve and a disastrous failure. Instead of what might have been a stalemate and a return to peace, what happened with America’s entry into World War I was the completely defeat of Germany.

And with the defeat of Germany, the overthrow of the the Prussian imperial house and profound instability in Germany. What also happened because of Germany’s complete defeat were peace terms imposed by France that proved to be so harsh as to destabilize Germany, not harsh enough to utterly end Germany’s possibility of recovery.

And that ironic middle position ended up with destabilization of Germany, claims by Hitler and others that Germany had been stabbed in the back by its enemies in its defeat in World War I and the grounds for a horrendously vicious regime to come back to power in the 1930s.

You had four empires collapsing. The Prussian Empire brought to an end through its defeat. The Romanov Empire stretched to the limit by war and then overthrown in revolution, first in early 1917, and then by the Bolsheviks in the November Revolution in 1917, bringing to power the Bolsheviks, and eventually leading to the Soviet Communist state. You had the Habsburg Empire which was a multinational empire throughout the Balkan region. And you had the Turkish Empire, the Ottoman Empire with the, it’s capital in Istanbul but with territories not only in what is today’s Turkey, but also of course in the Middle East and in parts of North Africa that also came crashing down because the Ottomans sided with the Habsburgs and with the German state and all were defeated in the end. In the peace that followed, so-called peace, the victorious powers not only imposed harsh conditions, but Britain and France saw their way to further imperial possessions.

For example, carving up the former Ottoman lands into what are today’s Lebanon, Syria, Iraq and creating a new state under British tutelage, Saudi Arabia. We are still fighting the wars caused by the artificial and cynical creation of imperial dominated new states after the end of the Ottoman rule. And the artificiality of those states, the cynicism of Britain aiming to capture the oil in Mosul and in what is now Iraq and the oil politics that continued from Britain until today is part of the unrest that we still absolutely suffer from in the Middle East.

So the war solved nothing except the dislocation of all of the political organization of Europe, the former Ottoman lands, the Middle East and Russia itself and all the way into central Asia.

The economies did not recover. As the great economist John Maynard Keynes predicted in his famous polemic, The Economic Consequences of The Peace, published as a protest of the Treaty of Versailles, the instability of this harsh peace would prevent an economic recovery.

The prevailing gold standard that had been put back in place in the years after World War I could not sustain its role as the financial base for these economies. The depression widened, the banks failed. At the end of January 1933, with Germany having 25% unemployment, in moratorium on its debt servicing, the aged President Hindenburg appointed a new chancellor, Adolf Hitler, and that set Germany and tragically the world back to a path of war as Germany remilitarized and Hitler with his evil and crazy idea that Germany had to capture lands in the east in order to feed itself, envious of the imperial possessions that its European rivals had, feeling that Germany needed its own empire, that it would grab by killing the Jews and the Slavs and capturing lands to the east, was a motivating idea of Hitler on the way to World War II.

World War II broke out formally in Europe on September 1, 1939 with the invasion by both Germany and the Soviet Union of Poland.

And of course a full onslaught and the Holocaust of the Jews and others ensued during those six years. War by the fascist regime of Japan took place with Japan’s invasion of China. And then Japanese militarism throughout Asia and its attack on the United States. The world was in flames. In one of the most remarkable statements by Winston Churchill fighting against fascism, Churchill called on the New World to come save the Old World from the fascist onslaught. And Franklin Roosevelt, the president of the United States heeded that call. But in the statecraft that followed the industrial power of the United States came to the rescue, while the Soviet Union was fighting and losing millions on the battlefield, America’s industrial might soared.

And America took specific actions to essentially say, when we win this war at the end, it will be America that will be running the show, no longer the British Empire or the French Empire or others. This brings us to the end of this phase the history of this fifth wave and that is that by the end of World War II, of course fascism had been defeated. The U.S. was by far the most powerful economy in the world.

It had been attacked in the homeland only one time, on December 7, 1941 in Japan’s attack at Pearl Harbor. But for the rest of the war, America was not directly attacked in its home base. Rather its industry built to proportions never seen before, while Europe was in a process of destruction, as was so much of Asia, as well.

This meant that at the end of World War II there was one economy, the United States, which perhaps at that point represented even 45% or 50% of worldwide industrial production, just one country with roughly 5% of the world’s population, but half of the industrial production in the world.

It was the sole owner for a very brief period of time of the new atomic bomb, which America had used twice in the war against Japan in the summer of 1945. Britain was so gravely weakened that it could not hold onto empire and within just a couple of years of the end of World War II, under the strong call for independence in India, Britain ceded the “crown jewel” of the British Empire, India, which became India and Pakistan and the British Empire was on a path of rapid dissolution so that Britain would go from worldwide empire in a short period of time back to United Kingdom.

And this was a remarkable and rapid unraveling. The U.S. stood supreme. The U.S. did many wise things at the end of World War II, the most important of which was to champion a new United Nations, succeeding after the failed League of Nations, which failed in part because the United States itself had not joined the League of Nations after World War I, but would become the creator and sponsor of the United Nations after World War II. We entered therefore, a 50-year period of American global preeminence and that is my subject in the next chapter.

Vagas de Globalização XIII

3.3 High European Imperialism

What was the Concert of Europe?

What is meant by the Age of Divergence?

I’m discussing the fifth wave of globalization, industrial globalization of the 19th and 20th centuries. An amazing period, unprecedented economic advance, unprecedented reductions of poverty, unprecedented development and diffusion of technologies. An era of economic growth that we had never seen before in history and it has spread worldwide. We’re talking about the dynamics of that spread. And the diffusion of industrialization within Europe and around the world.

Here is a map of European empires around the year 1800. What we see here is that France and Britain, Spain, Portugal to a small extent have their empires in the Americas.

The Russian Empire has expanded throughout the northern part of the Eurasian land mass and in tropical Africa, and in south Asia and southeast Asia the European powers are beginning to establish local presence and local coastal, typically, colonies, but are not yet in full imperial control of nations.

In India, for example, the East India Company of Britain has carved out de facto sovereign control of parts of India, but this is control nominally by a private company, in fact, increasingly by the British state itself, but not full control of Britain over India as would occur as of the middle of the 19th Century in 1857-1858 when the British Raj in India began to rule.

 

And in Africa, notably, one can see from this map that Africa was not colonized as of 1800. It was poor. It was weak. It was subjected to the global slave trade still. But it was not colonized. Why is that?

Well, one major reason was that the disease epidemiology of Africa, especially the burden of malaria, was so great that it was a protective barrier against European domination. In Africa, malaria killed vast numbers of children, but those who survived childhood had adult immunity.

Whereas an adult, for instance, a sailor or military official from Europe coming to Africa as an adult, of course would have no acquired immunity against malaria. They might be able to survive right on the coast, especially if the mosquito burden is not very high, with mosquitoes being the vector or the transmitter of malaria, but when Europeans went inside, beyond the coast, into the interior, the death rates were startling.

Sometimes forts would be left and when they were revisited a year later, all of the Europeans would have died of malaria or other vector borne tropical diseases during that period. West Africa was known as the graveyard of Europeans. And remember, those diseases were killing Africans also, but mainly children, because repeated bouts of malaria led to, for those who survive, an acquired immunity as adults.

Within Europe itself, when Napoleon was finally defeated at Waterloo and definitively exiled, the powers that had united to defeat him, Britain, Prussia, Russia and Austria, the Habsburg Empire, created a mechanism which proved to be by and large rather effective for a century at keeping the peace within Europe. And this system became known as the Concert of Europe. It’s often associated with the foreign minister of the Habsburg empire of the day, Metternich, who was one of the orchestrators of this balance of power politics. The idea is that the major countries would take care to prevent domination by any individual power as Napoleon had aspired to create and thereby, there would be a balance of power that would prevent domination by any one single power, and thereby keep the The 19th Century by and large within Europe was relatively peaceful compared with earlier centuries, compared with the Thirty Years War between the Catholics and the Protestants of 1620 to 1648, for example, and the bloody wars of the 18th Century.

Yes, there were wars in Europe. One can mention the Crimean War which was a war which pitted Russia as an expanding power in the Crimean region, resisted by Britain and by France in that case. And one should definitely mention the wars that created the German Empire, the German state, that were masterminded by Bismarck. And the wars of unification of the Italian states, so the creation of Italy and Germany from a large number of principalities and free cities and different regions owned by different monarchical powers throughout Europe to a unified Italy and a unified Germany. Those were created by wars, but those were limited wars.

Those were not European-wide wars, they were territorial wars. As the rest of Europe followed Britain’s lead and became industrial powers in their own might, they also followed Britain’s lead to become empires in their own right. So while this was a peaceful period relatively speaking within Europe, it was by no means a peaceful period for the rest of the world.

Fast forward to the world as it existed on the eve of World War I, we’re looking at the map of world empires in 1914 now and it’s useful to compare it with what we looked at before. Remember the map of 1800, the European powers had tiny footholds in Africa. Now look at Africa, it is completely colonized with tiny exceptions. Not tiny for them, but compared to the map of Africa. Ethiopia, still an independent power. It has resisted up to then the attempts by Italy to colonize Ethiopia. And in West Africa, Liberia is not a possession of a European imperial power. But the rest is. What happened?

How did Africa succumb to European imperial rule? The story is that it was dramatic and relatively sudden. There were encroachments along the coasts, expanding colonies, in the first half of the 19th Century, but malaria as well as other barriers stopped a full assault of the European powers.

By the second half of the 19th Century, European military prowess had increased dramatically as a result of industrialization. Machine guns, more powerful artillery, more powerful riflery, also because of scientific advances, Europe, starting with Britain discovered the path to safety from malaria found within the bark of a tree in, grown in South America. And it turned out the cinchona tree had a chemical that eventually was identified as quinine that was protective against malaria and curative.

And this was known to indigenous populations who used a mate, a kind of tea infusion of this bark, as an antipyretic in Peru. That means an anti-fever medicine. The British in their imperial escapades both learned about this, stole the plants and the seeds, started to cultivate quinine, learned to put it in tonic water and invented the great anti-malarial, gin and tonic, which became the drink of empire because now literally imbibing quinine or quinine as it’s sometimes called was a protection against malaria.

Suddenly, with increased military power, with the opening of profitable mines, with the discovery of diamonds and gold in parts of Africa, Europe swarmed in and had at least relative protection against this disease that had protected Africa from European imperial rule.

By then, in the age of high imperialism the Europeans were indeed very polite and very diplomatic to themselves. You’re looking now at a picture of European diplomats sitting around the table in Berlin, in 1884-85, in the Conference of Berlin, where very politely as you see the map on the wall, the European powers, to avoid any conflict among themselves drew the lines that would divide Africa among the European powers.

Look closely, you will not see any African faces at the table. This was purely a European affair. But Africa was divided, brutally, in a brutally racist manner, in a brutally exploitative manner by the European powers.

And that is why when we look at the map of the world in 1914, we find now that Africa is almost entirely imperialized by these industrial powers of Europe. We can see the same in many other parts of the world. Each one has its story, usually its bloody story. But of course, India succumbed fully to British rule. After 1882 Egypt in effect became part of the British Empire. Southeast Asia was divided among European powers. Indochina became part of the French Empire. And on and on it went.

This is what economists call the Age of Divergence. It’s almost a reprise of Adam Smith talking about the vast differential of power so that globalization enriched one part of the world and impoverished another part of the world. And this is a big part of the story that we see at the end of the 19th Century. This meant that during the period of high European imperial rule industrialization could not gain a foothold in most of what we call today’s developing world. No fault of their own, no fault of governments or institutions other than the institution of European imperialism itself.

The reach of Britain was primus inter pares, the first among equals one could say of the European powers. The British Empire truly had a global reach. This is a map showing not the British Empire at one moment of time, but all of the parts of the world where at some point the territory was part of the British Empire. The reach is absolutely vast throughout North America. Of course in Ireland, throughout Africa, the Middle East, south Asia, Oceania, the British Empire and the unique power of the British navy were extraordinary.

Some historians have noted the remarkable arrogance and ferocity that went along with this. The claim is that the very few areas shown in white in the map, mainly landlocked areas far from the coast are the only places where Britain did not at some point have an expeditionary force or a military incursion or fight a battle or make an invasion or claim an empire. This was the British age, from 1800 to 1950, roughly speaking.

The age of high European imperialism, but it was the age in which Britain really ruled the roost and the British navy sailed the seas, kept the sea lanes open, especially for worldwide trade that fed British industry. Britain’s financial center financed the world in a most remarkable way. And one would have looked as indeed observers did in 1910 or even up to July 1914 to believe that this was the definitive state of the world.