Os excessos das narrativas sobre o património e a função social dos museus

Oficina de Museologia Social

Os museus e espaços patrimoniais desenvolvem processos que contribuem para um ampla difusão da cultura e da educação nos lugares onde se inserem. Nos dias de hoje, os museus e suas colecções são convocados para desenvolverem uma compreensão dos fenómenos do presente e contribuírem para a justiça, a liberdade e a paz, o fundamento da solidariedade intelectual e moral da humanidade, para a igualdade de oportunidades e inclusão social, para a educação ao longo da vida, na procura da verdade e como lugar de encontro para troca de ideias e conhecimentos.

Todavia nos últimos 40 anos a ideia de património tornou-se uma categoria polissémica e os museus tornaram-se lugares de representações instáveis. Há uma percepção de um excesso de narrativas que cria angustia e desorientação nos atores dos museus e patrimónios

Esta oficina propõe interrogar os processos de representação sobre os museus e espaços patrimoniais a partir dos seus objetos e colecções questionando a função social. Procura abordar os limites e a relevância da Museologia e dos Estudos sobre o Património e o alcance das narrativas sobre o excesso como representações da experiencia da emancipação social. A partir do diálogo com os novos lugares de enunciação do património propõe interrogar os lugares do tempo, do espaço e da individualidade a partir do sensível como expressão da reconstrução da relevância narrativa e a delimitação das fronteiras dos processos gerados

Objetivos

A oficina tem como objectivo interrogar a função social dos museus e suas colecções a partir da compreensividade e no sensível dos processos museológicos. Procura reflectir sobre a forma como os afetos permitem libertar processos de libertação e consciência sobre os desafios pressentidos. A museologia que afeta é aquela que produz inquietação. A inquiet30ão permite a mudança e a libertação da criatividade

 

Dilemas Teóricos Contemporâneos

Dilemas teóricos contemporâneos

Não será fácil avançar com a problematização da função social dos museus a partir desta Recomendação. Os dilemas teóricos Contemporâneos sobre o Social influenciam essa análise. Teremos que escolher uma dos paradigmas de tensão, apesar de sabermos que alguns deles já tem vindo a ser mobilizados. Enunciamos apenas alguns, que depois trabalharemos.

O primeiro dilema, que como referimos é vulgar ser usado é o problema da tensão entre tradição e a modernidade. Ou se quisermos a melancolia do tempo perdido versus o desejo do paraíso, tal como Marcel Proust enuncia no seu livro “em busca do tempo perdido”. Tratar-se provavelmente duma falsa questão, mas ainda muito persistente no pensamento indolente.

O segundo dilema que referimos é o da relação entre o individuo e a sociedade. A acção humana e a sua relação com a estrutura social. Somos atores humanos criativos, com controlo na nossa vida ou, na maioria dos casos o que fazemos é o resultado de forças fora no nosso controlo (do contexto, do tempo e do espaço). Vários autores (Max Weber, Durkheim, Escola de Chicago (Mead), Karl Marx, Norbert Elias, Sociologia Pública) tem trabalhado sobre este domínio.

O terceiro domínio é o da relação entre o conflito e a cooperação (solidariedade). A sociedade é uma forma de organização específica dos humanos e há uma ordem social que se distingue da natureza. (Tensão entre cultura e natureza). Ou a harmonia é inerente ao social (ordem) ou a sociedade é na essência conflito (uma desordem).

Se a ordem social perdeu a sua harmonia ela é possível de se recompor. (Haverá então uma a possibilidade de ordem inerente ao social que é possível de conhecer, de prever, gerir, ou criar). Ou pelo contrário a sociedade é na sua essência o conflito e a sua configuração, resulta das disputas que a cada momento os indivíduos e grupos protagonizam.

Algumas perspectivas em Sociologia, como por exemplo o funcionalismo, realçam a ordem inerente e a harmonia das sociedades humanas. Segundo estes a sociedade é um espaço de continuidade e de formação de consensos.  Outros sociólogos, por outro lado, acentuam a omnipresença do conflito social. Para eles, as sociedades são afectadas por divisões, tensões e lutas. Para eles é ilusório dizer que as pessoas tendem a viver amigavelmente umas com as outras, a maior parte do tempo. Mesmo quando não existem confrontos abertos, há profundas divisões de interesses que em qualquer altura se podem transformar em conflitos activos.

O quarto dilema é o da formação de Categorias de análise. A questão do género, da raça e do conflito, como categorias acentuaram os problema na teoria social. Os indivíduos na sociedade não são neutros nem são actores abstractos. Tem vozes que se diferenciam em função do género, de classe, de identidade, de memória etc. A formação de categorias de análise com base na diferenciação dos lugares de enunciação é útil para a compreensão das diferenças nos fenómenos sociais e para a criação da ação social, ou elas devem ser incorporadas na compreensão mais geral do mundo.

Finalmente o quinto dilema é o do “Desenvolvimento e sociedade”. O singular e o complexo, como explicar o hibridismo e memória e ação.

São questões apenas enunciadas para problematizar.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XVIII)

A função social dos museus III: avaliação do processo

Abordamos no postal anterior a clivagem entre uma museologia bancária e uma museologia emancipatória. O reconhecimento da diversidade na ação dos museus que a Recomendação da UNESCO apresenta é um importante reconhecimento sobre as possibilidades de ação no campo da museologia social e nas possibilidades que a problemática da função social transporta.

Aqui importa distinguir os processos museológicos. Quando eles se concretizam no seio de instituições como museus, será difícil escaparem por completo à avaliação da organização e dos seus resultados. Quando os processos museológicos se misturam com o fluir do social, teremos que reconhecer que esses instrumentos não são válidos e procurar outras formas de qualificar os valores sociais produzidos pelos processos. A ciência económica poderá também aqui ajudar a entender estes processos através da análise da produção de externalidades.

De que forma poderemos começar a reflectir sobre as formas de qualificar a produção de valores de externalidades nos processos museológicos. Algumas ideias:

  • Os processos museológicos produzem relações de memória colectiva, sobre a identidade,
  • São espaços de encontro, de sociabilidade, de participação, de solidariedade, de inclusão, de informação e de conhecimento
  • São espaços de produção de serviços a partir da diversidade cultural e dos desafios da multiculturalidade. São lugares de Economia criativa e indústrias culturais
  • São espaços e tempos que oferecem à comunidade a prática de recolha de representações e a ação sobre essas representações
  • São lugares de oferta de trabalho interdisciplinar, e permitem a capacitação pessoal

Sendo estas ideias apenas alguns enunciados sobre a forma como se poderá qualificar a Função social, haverá certamente que explorar as ferramentas da economias criativa para trabalhar a partir do reconhecimento da diversidade na ação. Mas isso talvez seja dar continuidade à relevância hegemónica que identificamos a partir da crítica dos museus. Para a Museologia social, o objeto, o visitante e o museu são apenas pretextos para facilitar encontros.

Recorremos mais uma vez a dimensão da utopia com a proposta duma museologia libertadora, criadora de inovação social ousando ultrapassar a dimensão da análise económica, produtora da ansiedade do produto, para propor o processo museológico como um laboratório para semear o futuro! O valor social é esse fruto que se multiplica todos os dias. Tal como na metáfora do agricultor, no dia em que a árvore deixar de dar frutos deverá ser substituída.

É certo que isto é pouco mas justificar a inovação teórica na museologia. mas isso será uma agenda e desenvolver.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XVII)

A Função social dos Museus II: A Relevância dos Estudos dos Museus

No último postal abordamos a questão dos Estudos dos Museus com um instrumento de análise dos serviços dos museus, fundamentalmente como produção. Detalhemos um pouco este procedimento que habitualmente apresenta como campo de análise as seguintes questões: os hábitos culturais de visita ao museus, incluindo o perfil do visitante (características sociodemográfica) as suas motivações e expectativas, as preferências, a forma de visita (tempo de visita, em grupo ou individual, recolha prévia de informação, percuros e áreas de interesse), as avaliações da satisfação com a visita, com as atividades educativas, a avaliação geral dos serviços (sinalização, circulação, acessibilidade, informação, funcionamento, e estruturas de apoio).

Mais raramente, mas também por vezes presente nestes tipos de estudos, sobretudo quando são produzidos por instituições externas às tutelas públicas, alguns estudos apresentam algumas reflexões teóricas, recomendações, documentos, metodologia, etc)

Verifica-se que se privilegia portanto a análise económica, duma economia de serviços. Já noutro lugar reflectimos sobre esta questão (Leite, Pedro Pereira, 2011, p 490 ss), pelo qua agora apenas enunciamos algumas questões. Os estudos dos museus tendem a valorizar apenas a vertente do consumo. Embora eles possam dar indicações para a produção do serviço, eles partem quase sempre do lado do consumo. Como sabemos, na teoria económica, a produção de valor é uma relação entre a produção e o consumo. Se deixarmos o mercado funcionar, sem o regular e sem o influenciar, é necessário entende qual o posicionamento da análise.

Ao medir, ou usar apenas uma das componentes da equação (a satisfação dos consumidores), estes estudos de público acabam por mostrar apenas a vontade desses mesmos consumidores e tornam-se em instrumentos de reprodução dos processos. Não avaliam, nem o valor da produção do serviço (o trabalho e os recursos usados), nem o valor de externalidade que produzem para a sociedade. E esta será uma questão particularmente relevante para a função social dos museus, sobretudo para a museologia que está envolvida com o social, que desenvolve em processos museológicos na busca da emancipação e na justiça social. Que age para transformar e não apenas para manter. E aqui podemos compreender um dos campos de clivagem entre a museologia tradicional e a museologia social. Uma procura compreender o real para o manter, outra procura agir sobre o real para o transformar.

É certo que estes Estudos de Museus, vistos como um produto ou como a expressão duma relação produzem informação relevante. São ferramentas que permitem recolher um conhecimento sobre uma atividade (a visita ao museu) sobre os seus visitantes, atuais e permite criar instrumentos de planeamento, para satisfazer e atrair mais visitantes. Tudo isso é feito com base no argumento da aproximação dos museus ao exercício da cidadania, e fundamentam o estabelecimento das políticas culturais públicas ou privadas.

Em certos lugares de tradição anglo-saxónica, como por exemplo em Inglaterra e Estados Unidos, os Estudos de Público são usados com instrumentos que proporcionam uma oportunidade para promover a participação dos visitantes na planificação de exposições a fim de lhes oferecer um serviço mais direccionado com as suas necessidades e exigências, permitindo por vezes alguma organização de conteúdos expositivos em função dos seus interesses e adequar das narrativas ao nível cultural dos visitantes. São também instrumentos que permitem aos profissionais dos museus reflectirem sobre as suas práticas e sobre a forma como a sociedades (que os visitam) olham para o seu trabalho, permitem avaliar o funcionamento dos equipamentos, a forma de gestão, o uso dos recursos, os serviços prestado, e eventualmente a forma como influencia a sociedade, ou se quisermos a sua função social e o reconhecimento da diversidade cultural na sociedade.

Este tipo de Estudos, não deixa de ser, neste contexto, relevantes. Eles são também feitos noutras organizações. Sendo olhado como um serviço, não restam dúvidas que estes instrumentos são úteis. Mas olhando para a museologia como um processo emancipatório, como resolver a função social dos Museologia.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XVI)

A Função Social dos Museus: Os Serviços dos museus

Enunciamos no último postal algumas questões sobre a forma e sobre os processos que estão a alterar a prática museológica. Transformações nas organizações museológica e de cultura, o confronto cultural entre o norte e o sul da europa entre a liberdade /autonomia individual e a questão do afeto e da solidariedade no mediterrâneo, a diferença de vitalidade entre a museologia nas américas e em África. A emergência da Ásia, entre outras questões teóricas contemporâneas. Deixaremos agora a questão teórica para outro postal e centremo-nos na função social dos museus que enfrenta dois desafios, na perspetiva duma para o futuro.

Quanto a nós a partir desta Recomendação entramos dois desafios: de consciência teórica e de posicionamento na ação. Não basta que uma afirmação seja produzida num texto normativo. Esta declaração tem uma relevância muito grande por afirmar, pela primeira vez num documento da UNESCO, a relevância da Função Social dos Museus. A sua eficácia dependerá, contudo, da forma como os seus profissionais a utilizaram. Ele é que dará corpo à função dos museus na sociedade. Não bata afirmar que essa função existe, é necessário concretiza-la através de instrumentos verificáveis e comparáveis.

Por outro lado, como vimos ao longo dos diferentes postais, as tensões atuais no campo museológico são muito intensas. Haverá certamente quem procure anular o alcance inovador da Recomendação, retirando-lhe alcance e delimitando a sua eficácia como foco da ação. É por necessário que quem se posiciona no campo da museologia social de empenhe em valorizar e em concretizar essa função social.

Há enfrentamentos que estão em curso e que necessitam de ser relevados propondo-se posicionamentos. Tomemos por exemplo uma problemática teórica simples, que mais tarde detalharemos, a questão da participação da comunidade, que tende a ser dissolvida, nas perspectivas mais conservadoras, numa discussão sobre os públicos nos museus. Há um argumento que situa essa discussão no plano mais geral da aplicação duma técnica: o do estudo dos públicos. Uma espécie de estudo de audiência, que ausculta a vontade dos consumidores, procurando, ou ajustar a oferta aos seus desejos ou, em termos de mercado, condicionar a procura.

Importa pois enunciar algumas reflexões sobre as formas como será possível construir uma abordagem mais ampla, sustentada em ferramentas, que permitam avaliar a função social dos museus e da museologia.

Se a Função Social da museologia traduz o processo de adaptação ao tempo e ao espaço das instituições e processos museológico, como avaliar esse processo. Que tripo de ferramentas poderemos usar. Já mais acima enunciamos as ferramentas sobre os “Estudos dos Públicos” que tem por base a concepção de que o museu produz um serviço que a sociedade consome. O último estudo sobre a aplicação destes estudos foi feita em 2015 pela Ibermuseus . Aqui .

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XV)

Balanço duma Recomendação

Como todos os textos aprovados nas Assembleias da UNESCO, os termos que nele são incluídos são alvo de cuidadas negociações entre os diferentes países. Para um observador mais atento não escapará certamente a diferença entre as palavras inflamadas da Declaração de Salvador e o texto mais formal, e mesmo por vezes contraditória da Recomendação da UNESCO sobre os Museus e Coleções. Esse foi o resultado do debate e do confronto de visões. A Recomendção tem como todos os documentos virtualidades e defeitos. Com tudo isso ela é o instrumento disponível para trablahr. Dependerá de quem a utilizar e a souber explorar, adaptando-a às situações concretas. Valerá a penan enuciar brevemente alguns defeitos e virtudes desta Recomendação.

Em relação aos defeitos, já afirmamos, que ela transporta algumas contradições. Por exemplo, a questão das colecções, que é individualizada no título e no enunciado conceitual, praticamente se dilui no articulado do texto, nem sempre ficando claro a utilidade ou a especificidade desta categorização.

Nota-se também, uma certa tradicionalidade na abordagem das políticas públicas para os museus. O Estado surge como o grande articulador das políticas, sendo que hoje em dia, sobretudo nos países europeus, o Estado, no campo das políticas culturais, assume-se cada vez mais como regulador, emergindo outras entidades que marcam a vida cultural das cidades.

Há também uma utilização de alguns conceitos de forma pouco precisa. Por exemplo, o conceito de raça, é hoje, nos países de língua portuguesa, de significação polissémica. Enquanto que no Brasil o termo assume por vezes uma dimensão emancipatória, noutros países, como por exemplo Portugal e Moçambique, o termo tende a ser usado, num sentido mais pejorativo, como um conceito que traduz uma dimensão identitária de dominação pela distinção de sinais ou marcas exteriores com base no corpo. A distinção de indivíduos pela cor da pele não é para estas tradições aceitável em termos científicos.

Já em relação às virtudes desta declaração, vale a pena acentuar que esta Recomendação acaba, duma forma muito clara com o debate entre a Museologia como uma ciência e os Estudos dos Museus como uma técnica. É certo que é uma ciência aplicada, mas através dela é possível trabalhar com objetos patrimoniais, com comunidades, sobre territórios. É uma ciência que dispõe de um encanto e facilita o encontro dos seres humanos com os seus objetos socialmente relevantes.

Também reafirma que os museus são espaços de diversidade, de inclusão social, de construção da paz. Afirma que os museus se constituem como parceiros na construção do desenvolvimento sustentável e são lugares para a produção de conhecimento científico. Na prática a Recomendação acaba por assentar numa consepção de que o trabalho sobre o património é um processo em constante renovação, permitindo-se sempre novas leituras a partir do encontro.

È certo que esta Declaração deixa ainda muitos desafios para os profissionais de museus. Por exemplo, a questão da função social dos museus, durante muito tempo defendida pelos defensores da museologia social. Agora que essa função surge na declaração, haverá que avançar mais nessa conceptualização. Já não basta afirmar que os museu têm, ou deverão ter uma função na sociedade. Que essa função deve ser uma preocupação dos museus. Haverá que pensar de que forma é que essa função de vai concretizar.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XV)

O papel da museologia brasileira na nova Recomendação

Verificamos acima que através dos sistemas de administração da memória se abriam janelas para entender as configurações dos diversos poderes sociais e das suas disputas pela afirmação da memória social, das relevâncias socialmente significativa. Em última análise essas reconfiguração abrem disputas que afirma processos de musealização de novos objetos, tal como a nova museologia vinha defendendo desde Santiago do chile.

Levantamos a hipótese de que a produção de textos (Convenções, Recomendação e Delcarações) também eles configuram processos de reconfiguração dos saberes e das praticas no campo museológico. Isso é, a nosso ver, particularmente evidente na observação do percurso desta Declaração e nas dispustas, que a seu pretexto ocorreram no campo da teoria museológica.

Sabemos que esta Declaração teve início com uma iniciativa do Ministro da Cultura do Brasil, Gilberto Gil, em preparar uma agenda para os museus que configura-se uma “Museália”.

Já acima descrevemos uma parte deste processo, pelo que agora apenas queremos acentuar que o processo que conduz à apresentação da Recomendação tem origem num grupo de museólogos, entre os quais Mário Chagas, Cláudia Stornino e Juca Ferreira, que a propósito do processo de auscultação aos agentes culturais que o Ministro Gil leva a cabo, lhe apresentaram a agenda “Museália”, um nome que se inspirava no movimento musical “tropicália” que o próprio ministra havia participado, enquanto músico, nos anos sessenta. Movimento tropicalista foi um movimento cultural que reuniu a vanguarda artística que procurou expressões estéticas inovadoras.

Tal como tinha acontecido na música, a Museália propunha uma museologia tropical. Uma nova forma de fazer museologia, adaptada à sociedade brasileira[1]. Uma ideia que colheu junto do então ministro da cultura e que permitiu marcar uma agenda em torno das políticas públicas para museus. Esse programa para os museus estava concebido como um programa de intervenção na sociedade com base na cultura, como um direito de cidadania, como um contributo par a a economia e como uma contribuição simbólica da criatividade no Brasil.

Esse programa para a cultura teve como principal resultado a formação da agenda para a cultura com base nos pontos de cultura e, no caso dos museus, nos pontos de memória. A implementação da política de  museus conduzirá posteriormente à criação do Instituto Brasileiro de Museus, o IBRAM, cirado em 2009. Entre 2003, quando é constituído o Ministério da Cultura (MinC) a valorização e o crescimento das instituições museológica no brasil foi exponencial. A relevância dos museus na vida cultural e social brasileira é também criada a partir duma visão participativa. Os pontos de cultura ou o pontos de memória procuravam, junto de cada comunidade, ativar os lugares de vitalidade. A comunidade museológica foi chamada a participara ativamente na construção dum sistema democrático de participação, uma iniciativa inédita no mundo dos museus, que foi consolidada pelas semanas dos museus. A política Nacional dos Museus, aprovada em 2003 é o corolário desse esforço, que dá origem ao sistema Brasileiro de Museus, uma organização em rede, que o IBRAM irá dinamizar. Essa arquitetura, que não foi linear, nem isenta de conflitos de poder, representou o reconhecimento do espaço ocupado pelos museus na sociedade, com base numa política cultural enraizada e interessada na vida social, política e económica.

A Museália não foi só uma nova concepção para as políticas museológicas, represnetou também uma transformação do olhar sobre a função social dos museus, que passam a ser considerados como parceiros da comunidade na resolução dos problemas enunciados, mais do que lugares de poderes ou hegemonia, como até aí se constituima a maioria dos museus.

Não é pois de surpreender que conscientes dessa vitalidade, o Brasil tenha igualmente montado uma estratégia de afirmação desta anova museologia, através da dinamização deste instrumento normativo na UNESCO.  Tratava-se de dar corpo a legitimidade a um processo de transformação que estava em curso. Uma estratégia que os responsáveis brasileiros montam com engenho, ao agregarem os parceiros latino americanos como aliados para a apresentação da proposta. É nesse contexto que em 2007 se procura levar à aprovação duma Declaração sobre a Museologia na Iberoamérica, que ficará conhecida como a Declaração de Salvador (https://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2010/02/DeclaracaoSalvador.pdf )

Diz a Declaração no seu início “ o museu deve ser como o “cavaleiro andante que, pelos desertos, pelas soledades, pelas encruzilhadas, pelas selvas e pelos montes, anda procurando perigosas aventuras, com intenção de lhes dar ditoso e afortunado termo, só para alcançar gloriosa e perdurável fama”; que à semelhança do cavaleiro andante, o museu devasse “todos os cantos do mundo, entre nos mais intrincados labirintos, acome-ta o impossível a cada passo, resista nos ermos páramos aos ardentes raios do sol de um pleno estio, e no inverno áspero ao influxo dos ventos e dos gelos (…)”. o que irá justificar a proposta de destacar o museu como espaço central de afirmação das memórias. Uma afirmação feita a partir do respeito sobre a diversidade e a diferença, para partilhar futuros, com base nas autonomia de “acessar memórias criativas, de reinventar utopias, de trabalhar com os museus a favor da dignidade social, da justiça e da cidadania”. O texto desta declaração é de resto bem elucidativo da vitalidade e vigor da afirmação deste movimento.

Um vitalidade que conduzirá à campanha de organização da Assembleia Geral do ICOM no rio de Janeiro, em 2013, com base no lema “Museu+Memória+ Criatividade = mudança social”. Uma frase plena de força que permitiu levar para o Rio de Janeiro a organização do mias importante evento da museologia mundial, durante o qual foi possível observar e visitar vários dos pontos de memória e novos tipos de museus que se enraizavam na cidade e, também por essa via, ganhar espaço de afirmação para a Recomendação

[1] Em 2010 sairá uma revista com esse nome veja-se em http://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2013/09/revista-musealia.pdf

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XIV)

Museologia e a Criação das agendas da Memória

A emergência destes novos cenários que podem ser lidos, nesta Recomendação da UNESCO sobre “Proteção, promoção dos museus e colecções, da sua diversidade e função na sociedade” como um indutor da reconfiguração dos sistemas de administração da memória social. Os Desafios para os museus e para a Sociedade desta Recomendação afirmam, de forma inequívoca, que a cadeia operatória da museologia tem que ter em linha de conta o impacto na sociedade. Não basta salvaguardar e comunicar, há que também saber escolher o que se quer salvaguardar, saber escolher o modo de o comunicar, e saber que esse processo podem ocorrer de diferentes modos, em diferentes contextos, de acordo com a pluralidade de formas de ver o mundo.

Esse é um compromisso que a museologia tem que ter claro. Um compromisso mudança e com a transformação da sociedade, dentro dos princípios universais defendidos pela UNESCO.

Como vimos esta nova museologia que opera a partir de dois campos semântico de significação (memória/património/preservação) e (ressignifica-ção/acessibilidade/pertença). A delimitação teórica desta nova museologia permite entender como os fenómenos da memória (criação de relevância), patrimónios (produção de identidades) e museus (criação de narrativas patrimoniais) se cruzam com o campo da produção dos poderes sociais, e dos jogos de atores que levam a escolhas e decisões, que são sucessivamente apropriadas e reelaboradas em novos cenários e contextos.

A elaboração e tratamento da informação sobre as memórias, os patrimónios e a sua salvaguarda fornecem a informação necessária para analisar o sistema de “administração da memória”, que os processo de produção de normativas da UNESCO desenham. Mas a administração dessa memória depende, das “noções de pertença”, que despertam os mecanismos de vínculo, de adesão e de motivação, (às memórias, patrimónios e preservações); das noções de “acessibilidade”, que fornece o campo da leitura ou o ponto espacial e apropriação mediática; e, finalmente, das noções de “resinificação” que fornece um campo de acesso ao conteúdo da informação, sua reinterpretação e reformulação. O código que permite a sua compreensão.

Os modos de administração da memória constituem-se como janelas de observação da pertença, da acessibilidade e da resinificação duma formação social. É nesse sistema que emergem as formas de negociação que os poderes sociais transportam. São eles importantes instrumentos de reconhecimento da diversidade da dignidade humana.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XIII)

Museologia e Poder

Ainda no entendimento do significado da nova recomendação da UNESCO, interessa entender o que nela emerge no que tange na relação entre Museologia e Poder

A teoria museologia define que a emergência do fato museal leva a criação da consciência do fenómeno museológico. É essa relação entre a cognição do ser humano e um objeto a que é atribuída relevância social que fundamenta a ação museal. Na teoria museológia a ação museal é constituída por uma cadeia operatória que é característica do campo museal. A cadeia operatória desenvolve-se em três domínios de práticas.

  • O domínio essencial, onde são aplicadas os procedimentos adequados à salvaguarda. (as funções primordiais de preservação e pesquisa). Trata-se duma dimensão relacional unitária. Isto é duma relação apenas num só sentido. O do ser humano sobre esse objeto, interpretando-o, procurando capturar, (em certa medida cristalizar ou engessar). Procurando imobilizar algumas das suas características, seja através da sua documentação seja das suas práticas de arquivo.
  • O domínio de interlução, onde o se desenvolve uma dimensão relacional, dialógica, onde para além da captura do objeto, lhe são atribuídos elemento de significação simbólica, tais como atributos de identidade. Estes constituem-se como objetos património, sobre os quais se exercem as restantes funções primordiais dos museus (comunicação e educação). É nesse processo de diálogo com o objeto, onde a partir do olhar, ou observação, se desenvolve uma adesão (ou rejeição) e que é uma característica os fenómenos museológicos. As funções primordiais da museologia concretizam-se nestes dois domínios.

É a partir da compreensão da existência do fenómeno museológico que é possível entender a emergência do terceiro domínio que é o da projecção onde se concretiza o processo museológico..

  • o domínio de projeção , onde se desenvolve a dimensão processual, da museologia, o processo museológico, desenvolve-se num cenário. A consciência da pluralidade dos contextos é o que permitiu a emergência da compreensão ou consciência da relevância social da museologia. Da sua função para a sociedade e dos impactos que os fenómenos da globalização e novas tecnologia lhe estão a produzir.

Sabemos que os museus se institucionalizaram preferencialmente nos Museus. O século XXI trouxe para a museologia novos cenários, que incorporam, para alem dos museus como instituições, outros lugares e espaços de disputa da memória e da herança. Incluindo as disputas no seio dos movimentos sociais globais.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XII)

A Teoria Museológica e a sua Cadeia Operatória  e a formação da agenda da memória

Esta hierarquia epistemológica fundamente a cadeia operatória da museologia. Uma cadeia que se inicia, no processo cognitivo de atribuição de relevância (o fato museal), a partir do qual se constitui o fenómeno museológico. É sobre estes fenómenos museológicos que se desenvolvem os processos museológicos, o conjunto de ações que são exercidas pelos seres humanos nos objetos que lhes são relevantes, num determinado contexto. O que esta Recomendação nos trás de novo é a significação de relevância social dos atributos da museologia. Na linha do que a nova museologia vinha defendendo, a escolha da salvaguarda e comunicação dos objetos patrimoniais e museológicos, dependam também da sua relevância social. Dos atributos que eles tem para a comunidade.

Este é um aspecto de inovação da Recomendação sobre a Função Social dos museus e sua coleções. Em linha do que a nova museologia já tinha identificado, é que a atribuição de relevância para as ações de protecção (salvaguarda) e sua comunicação, constituem-se como políticas públicas e devem ter em conta diversidade dos saberes. Esta recomendação, sem retirar atributos aos profissionais da museologia, vem agora acrescentar que a atribuição das relevâncias patrimoniais, ou melhor “a constituição da agenda da memória” já não pode ser exclusivamente feita pelas elites, e que nesse processo se devem procurar incorporar as diversidades dos saberes e práticas da scomunidade.

Vem afirmar que as coleções não são mais series de objetos ou documentos em arquivos ou museus, nem são mais obejtos despojados de vida, mas são também, tudo aquilo que a diversidade do mundo produz como manifestação de identidade, nos seus processos de construção de memória colectiva.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (XI)

Museologia e Renovação da Teoria Museológica

Verificamos mais acima que uma Recomendação da UNESCO é um instrumento normativo. É inferior, em termos de força vinculativa á Convenção que obriga os estado, mas, como Recomendação, vincula, quer as políticas públicas, quer os profissionais com práticas e com objetivos de ação.

O campo da museologia (aqui visto como o campo teórico dos estudos sobre a memória colectiva, dos Estudos do Património e dos Estudos sobre os Museus da memória) e das suas práticas, de salvaguarda e comunicação através de processos que se concretizam na sociedade, em diferentes instituições de forma mais ou menos formais (museus, arquivos, bibliotecas) ou não formais (escolas, centros culturais equipamentos diversos) ou mesmo informais (em qualquer lugar), estabelece relações tensas com a modernidade.

O pensamento museológico trabalha sobre as heranças, sobre os instrumentos normativos, nos quais a produção de Convenções, Recomendações e Declarações da UNESCO são instrumentos paradigmáticos, a partir de heranças epistemológicas. Estas relações contem a historicidade do pensamento museológico. Em certa medida constituem-se como sistemas de herança da memória e que se configuram como sistemas de administração da memória.

A arquitetura documental da UNESCO mostra-nos releva aquilo a que poderemos considerar como “Sistemas de administração da memoria social“. Estes sistemas de administração da memória coletiva constituem-se como processos de representação do real. Processos que dão origem a estratégias de preservação, que se repercutem em ações de produção dessa memória coletiva e dos seus processos de reprodução. Produção de memória e produção de acções educativas (ou dos processos de reprodução dessa memória) delimitam o campo da acção museológica. Um campo que trabalha a relação entre o ser humanos e os seus objetos socialmente qualificados (os bens culturais e naturais) num determinado contexto (um cenário). Uma relação em que o natural se torna cultural pelo olhar e pela ação de proteção, salvaguarda, conservação  e pela ação de promoção, valorização

Esta relação no campo epistemológico desenvolve-se no processo de atribuição de relevância (processo de produção de memória coletiva) que lhe atribui ou não atributo de Património (Herança), a partir da qual se constitui uma qualificação (atributo patrimonial), e que origina uma ação (o processo de musealização, que o salvaguarda e o comunica).

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (X)

Questões relevantes para a Teoria Museológica

Depois da análise mais detalhada da inovação da nova Recomendação da UNESCO, vale a pena olhar agora para o que ela significa no campo da Teoria Museológica. De um modo geral podemos referir que esta recomendação consagra a emergência duma disciplina científica. Já acima nos referimos que os documentos estruturantes da Museologia Social, em particular os que estiveram em cima da mesa na Reunião do Quebec em 1984.

Uma herança que nasce da relação dos museus com a comunidade e com a sua função educativo, estabelecida em Santigo o Chile em 1972 (não esquecendo o Seminário Regional da UNESCO, realizado no Rio de Janeiro, em 1958, onde emergem as questões da função educativa dos museus e dos objetos museológicos), e a Declaração de Oaxtepec, também em 1984, onde se estabelece a relação entre o património, o território e a comunidade, até chegarmos á Declaração do Rio, em 2013, sobra a “Museologia do Afeto”.

Vale a pena vincar as heranças destas declarações para entender a filiação da teoria museológica num processo, que se alicerça em instituições que atuam na comunidade para produzir mudanças sociais. Mudanças que são criadas a partir das práticas educativas de transformação do indivíduo. É a partir da educação do indivíduo, da sua possibilidade de transformação, como sublinhou Paulo Freire na sua pedagogia da Libertação, que se podem gerar mudanças sociais. Uma educação que é pensada como possibilidade de transformação, do individuo e através dele do conjunto social, é um processo que resulta da possibilidade de encontro. Um encontro que se processa em instituições, em processos formais e não formais e mesmo informais. Assim, o museu como instituição educadora, assume-se como uma instituição co-produtora de saberes construídos em processos com a comunidade. Um museu pensamo como espaço de açâo e de comunicação. Museu como lugares de encontros e trocas. De Ligação de Pessoas, de saberes, para construir pontes e criar consciências.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (IX)

Sobre as Políticas para os Museus

Já acima referenciamos que o capítulo da Recomendação sobre políticas, sendo o último é também o mais extenso. Por isso nele se acentua mais as diferentes contradições que esta Recomendação apresenta. Como documento trabalhado através do compromisso entre diversos atores, encontram por vezes contradições sobre a forma como essas políticas são proposta.

Mais uma vez vamos acentuar aquilo que nos parece relevante para a Museologia Social e para a Teoria Museológica. No campo das políticas públicas, vale a pena acentuar que nela se apela que os Estados ativem a Função Social dos Museus, criem condições para que os museus sejam lugares de encontro sobre a diversidade cultural e que garantam a liberdade e a pluralidade das narrativas.

Já por seu turno, para o estabelecimento de políticas museológica, com relevância no campo do planeamento de museus vale apena acentuar que nesta Recomendação se chama a atenção para:

  • a necessidade de assegurar a participação das comunidades nos processos museológicos;
  • de garantir um Padrão de actuação dos profissionais (aplicar o código de Ética do ICOM) e garantir a sua qualificação profissional;
  • a necessidade de garantir a sustentabilidade dos processos museológicos
  • a necessidade de desenvolver actuações em rede com todo o sector cultural e da economia criativa;
  • de um novo modo de olhar para as colecções e patrimónios
  • de garantir a inclusão social e a diversidade cultural.
  • E, de assegurar a criação de parcerias para a implementação da Recomendação.

Sobre a Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social (VIII)

As quatro questões para os museus na sociedade

Vimos que que Recomendação estabeleceu quatro questões de inovação para os museus e para o trabalho museológico no tempo actual. Falamos do tempo actual, pois esta recomendação procura actualizar a aferir o campo referencial dos museus à actualidade. Propõe-nos quatro campos. A globalização, a Economia e a Qualidade de Vida, A função Social e a inclusão das Tecnologias de Informação.

A relevância destes quatro campos, na perspectiva da resposta ao mundo em que nos situamos, na sua diversidade, verifica-se que a Globalização promove uma aceleração das trocas e que isso influencia a atividade e os processos museológicos. Por isso, a preocupação dos museus é, no âmbito dos processos de globalização continuarem a manter e a garantir a diversidade cultural, assegurar a dignidade do ser humano e a sua liberdade

Em relação às questões sobre a Economia e a Qualidade de vida, os desafios que esta Recomendação apresenta referem-se à necessidade de que os museus também se devem assumir como atores económicos num mundo, procurando resultados para as suas comunidades, procurando garantir a inclusão social e procurando contribuir para a sua sustentabilidade. Alerta contudo que essas preocupações com a sustentabilidade não devem sobrepor-se à necessidade de que os museus sejam lugares de ciência e de produção de conhecimento.

Sobre aFunção Social do Museu, para alem de reconhecer que os museus devem estar conectados com os problemas dos locais onde atuam, realça a sua relevância nas comunidades para alcançar a inclusão social e a integração da diversidade cultural. São lugares de encontro, construtores de cidadania e de integração social, sejam eles de género, de grupos minoritários. Em linha com várias declarações da UNESCO dá relevância à necessidade dos museus assegurarem a diversidade de expressões culturais de todos, tende uma particular atenção aos povos indígenas e aos mais desfavorecidos.

Finalmente, em relação às novas Tecnologias de Informação e Comunicação, a Recomendação releva o seu papel na ampliação da funções de comunicação e educação, permitido construir espaços de encontro inclusivos e de emancipação.