Sobre o Silêncio e o Esquecimento Social

A questão do Esquecimento no âmbito das problemáticas da Memória Social tem sido tratada em vários artigos. Veja-se por exemplo  “Memórias Esbranquiçadas : As Heranças Africanas nos Museus de Portugal.

Nesse artigo, que aguarda publicação, e a partir do trabalho de Paul Ricoeur, “História Memória e Esquecimento”, (2008). um monumental estudo sobre a Memória Coletiva, refletimos sobre a questão do silenciamento das memórias nos museus portugueses.

Aqui o que queremos refletir, na senda das questões sobre o esquecimento e da formação do inconsciente coletivo, é sobre a importância desse esquecimento. O que que ele revelas na formação do pensamento sobre o passado.

acedia

Continuar a lerSobre o Silêncio e o Esquecimento Social

Trabalhos a desenvolver no Projeto Heranças Globais

(Projeto efetuado em Junho de 2011)

scan0011

Os trabalhos de investigação vão centrar-se nos processos de formação da memória social e dos objetos patrimoniais socialmente qualificados como expressão das experiências das comunidades envolvidas em processos de globalização. Será efetuada uma análise das heranças das comunidades nos territórios com o objetivo de identificar os recursos mnemónicos alocados à ação de inovação e desenvolvimento. Na escolha dos espaços e comunidades para investigação será tida em conta a ocorrência de projetos de desenvolvimento local sustentável como resposta aos processos de globalização. A investigação visa analisar as experiências das comunidades a partir dos processos de produção de heranças e valorizar a dimensão social da memória para ativar a inclusão dos saberes como uma componente do seu desenvolvimento sustentado. A investigação vai criar instrumentos de ação para disponibilizar como recursos em processos e serviços a desenvolver junto de comunidades numa lógica integrada de iniciativas.

Os trabalhos de investigação são desenvolvidos através duma proposta de constituição de cinco grupos temáticos que serão observados em territórios diferenciados. Para cada grupo temático prevê-se a execução de três seminários aplicados em diferentes comunidades territoriais concretizando-se um total de 15 seminários de observação.

As problemáticas para investigação relacionam a teoria e a prática sociomuseológica com os processos de globalização. Serão abordadas as relações da museologia social com os Direitos Humanos e resolução de conflitos; a reconstrução patrimonial em situação a catástrofe natural; os fenómenos de violências, onde serão analisados problemas de comunidades afetadas por fenómenos de escravatura e discriminação racial; alterações climáticas, desertificação e despovoamento; e inclusão social, género e migrações. Um programa ambicioso que procuramos concretizar através do envolvimento das comunidades e da colaboração de redes já constituídas, a quem propomos a colaboração para execução deste trabalho.

Os trabalhos a desenvolver terão a duração de 36 meses e serão desenvolvidos em diferentes espaços. Prevê-se o desenvolvimento de ações em Portugal, na região Centro, no Alentejo e no Algarve. Em Espanha, na Andaluzia e na Extremadura, no Brasil em Salvador da Baía e São Paulo, e em Moçambique, nos antigos espaços de escravatura e na África do Sul em Joanesburgo. Como critério na escolha de escolha das comunidades a mobilizar serão fundamentais a contribuição da rede de interlocutores, que se organizam em torno de instituições universitárias e associações de desenvolvimento local, com os quais trabalhamos no âmbito de outros projetos (comunidade mineiras, museus de consciência ou de comunidade, redes de inovação social.).

Os trabalhos deverão permitir a recolha de informação original acerca de situações ou de atores em processo. A produção dos conhecimentos será obtida através do diálogo entre o investigador e os membros do grupo com base em ações partilhadas. No final serão produzidos guias ou indicações práticas para resolução em ação museológica das questões Este guias serão disseminados através duma plataforma digital a criar.

Os seminários serão desenvolvidos a partir da proposta de constituição dum “círculo de memória”, que se constitui como um o espaço de investigação e de ação. O objetivo da constituição dos grupos é criar uma situação de interação social em torno dos objetos socialmente qualificados de cada comunidade em cada território, onde, por via do diálogo, se estimulam processos de mudança e inovação social. A criação duma rede de partilha de informação permite uma monitorização sobre a evolução dos processos criados, dos seus resultados e obter uma retroação sobre a utilidade social do trabalho museológico.

A mobilização das memórias sociais e os patrimónios da comunidade como recursos para a ação social deverá permitira a consciência do sentido universal de cada particularidade. O “círculo de memória” constitui-se como uma parte dum todo onde serão fundamentalmente utilizadas ações e procedimentos e que visam favorecer a aplicação de técnicas museológicas participativas. Essas técnicas partem da aplicação das dinâmicas de grupo participativo, cuja aplicação será negociada em cada grupo através de técnicas de liderança participativa. O objetivo dessas técnicas é facilitar a emergência duma consciência crítica sobre os processos e as dinâmicas da dimensão social da memória que mobilizem a mudança e a inovação. Os procedimentos deverão permitir a abordagem dos processos museológicos enquanto instrumentos de comunicação que produzem elementos simbólicos (narrativas que recordam e se olvidam) no interior da comunidade e que se consolidem representações partilhadas pelos indivíduos enquanto objetos socialmente qualificados (como expressões do valor socialmente atribuído). Durante os seminários, os procedimentos e as ações deverão ainda ser orientados para a construção de elos de sentido socialmente qualificados como fontes das ações sociais partilhada pela comunidade.

O objetivo dos seminários deverá permitir aos participantes a reconstrução duma narrativa sobre as suas memórias e os seus territórios e permitir a emergência da consciência dos elos de pertença social como elemento de mudança. Procura-se criar uma reflexão crítica e participativa que favoreça a reconstrução das representações sobre o mundo e a consciência dos seus saberes como fundamento da construção duma proposta de ação transformadora. A observação e a participação do investigador no processo deverão permitir observar as condições de mudança, ao mesmo tempo que a recolhe e sistematiza a informação. Esse procedimento deverá ser devolvido ao grupo para criar processos de comunicação que divulguem as experiências vividas por outros grupos.

Os seminários decorrem em quatro tempos: Num primeiro tempo, criam-se as condições de sociabilidade e de interação entre os membros do grupo e negoceiam-se os objetivos. Em função dos objetivos negociados parte-se para a construção da cartografia da memória e dos patrimónios. Esta cartografia implica um diálogo com os territórios e com as narrativas pessoais e da comunidade. Ela tem como fundamento os processos patrimoniais que se radicam nas heranças. Como tal podem assumir formas de expressão plural, incluindo documentos, fotografias, danças e músicas, oralidade ou outras expressões consideradas adequadas. A cartografia permite criar um diagnóstico dos patrimónios. A partir desse diagnóstico o grupo, num segundo tempo, é convidado a problematizar os elementos recolhidos. A construção do objeto museológico implica uma operação de transformação do objeto patrimonial em objetos museológicos. Essa operação deverá permitir tomar consciência crítica da estrutura do valor desse objeto. A estrutura do valor do objeto é dada pela relação entre o objeto em si, da relação do objeto com os demais objetos que o rodeiam, e da relação que esse objeto transporta como expressão dum tempo duma comunidade.

Ao objetivar a forma da memória e dos patrimónios (material e imaterial) para fazer dela emergir os símbolos e as referências procura-se igualmente criar uma operação de descentramento do sujeito para o valor social da comunidade. Esse é o terceiro momento onde se propõe a “construção do livro das memórias a partir de imagens geradoras”. Essa construção, que pode ser a forma de livro ou outra expressão deverá Corporizar os memórias e os patrimónios. O objetivo proposto é olhar para além da matéria. Desconstruir a materialidade para reconstruir o significado. Aí podem ser aplicadas as técnicas de oratura e de expressão corporal e física, ou o “role playing”, como recursos de vivência mnemónica.

A partir da experiência da desconstrução passa-se para o quarto momento, a confrontação da utopia, onde se vai propor um processo de comunicação comum ao grupo. O processo de reconstrução das memórias tem como objetivo fazer emergir o sensível e o invisível na relação entre o significado socialmente qualificado do património e a inovação da ação social. Procurar o particular da comunidade para dar ao geral. No final processa-se a reconstrução do livro de memórias a partir da ação social e da partilha das representações do grupo com a comunidade.

Contemporaneidades no campo patrimonial: O global e o local

As questões da mudança e da tradição entre o local e o global permanecem como uma das problemáticas problemáticas na teoria social e uma questão central no campo dos estudos patrimoniais.

Uma mudança ininterrupta e acelerada caracteriza a globalização neoliberal. Um tempo de consumo de novidades, onde o que hoje é inovação, amanhã é já obsoleto. Um tempo onde o património, hoje inventado, é amanhã reinventado exigindo novas imagens e novos protagonistas comunicacionais. Um tempo onde os agentes do património, afetados por alterações estruturais e organizacionais, se sentam desorientados, apegan-se de modos cada vez mais intensos às velhas fórmulas de trabalho tradicionais.

A produção cultural está hoje profundamente ligada aos processos de globalização, incorporando processos comunicacionais de elevada complexidade tecnológica, que tem vindo a alterar a relação entre os cidadãos e os seus objetos patrimoniais. Uma desmaterialização dos objetos que tem produzido um consumo incessante de novos e inovadores objetos que incorporam as novas tecnologia.

Podemos caracterizar o atual processo de globalização neoliberal como um tempo de hegemonia de redes de comunicação e de saber. Ao invés do processo de globalização liberal, com base na exploração intensiva dos recursos materiais, seja em espaços europeus seja em espaços coloniais e na relação de dominação violenta sobre o trabalho, seja ele operário seja trabalho colonial; o processo de hegemonização neoliberal gera dominações através de instituições multilaterais, através de multiplos canais que atuam em diferentes tempos e espaços.

Na globalização neoliberal encontramos expressões de poderes característicos dos processos de industrialização, nomeadamente a presença dos Estados Nacionais, com as suas políticas e instrumentos de dominação. A continuidade das hegemonias geradas pelas relações de dominação dos poderes soberanos dos Estados continua a gerar violências que tem como objetivo manter e expandir, essas mesmas dominações. Na globalização neoliberal todas as relações sociais estão envolvidas em processos de dominação. Como todos os processos, estas relações influenciam e são influenciadas por esses processos.

Todas a relações sociais, incluindo a cultura, estão sujeitas à influência do capitalismo. De fato a cultura é igualmente afetada por processos de transformação e ajuda a influencia-los. As forças de produção agem sobre a cultura, mas a cultura também pode ser uma força de produção em si, como demonstram tão poderosamente as indústrias criativas. Isto pode não constitui completamente um fenómeno novo, mas a importância da cultura nos processos de transformação é hoje completamente claro” (LONG & LABALI, 2010, 1)

A Poética do Tempo em Batkhin

A Imaginação Dialógica (The Dialogic Imagination) é o título de um livro de Mikhail Bakhtin em 1975, onde se reúnem quatro ensaios sobre teoria da literatura. São ensaios de diferente épocas, onde são apresentados os conceitos de heteroglossia , dialogismo e cronotopo, e que estão na base do que poderemos chamar uma Poética do Tempo através da análise da comunicação. Para Bakhtin a geração de significado na narrativa é gerada pela primazia do contexto sobre o texto – o que chama a heteroglossia, a condição base que orienta a produção dos significados dos enunciados. Mas a natureza híbrida a linguagem, a poliglossia, implica que para produzir esse enunciado, o emissor tem que se apropriar das palavras dos outros. Usá-las para as usar de acordo com a própria intenção. Essa produção dialógica que permite a emergência as relações entre expressões é a intertextualidade. A teoria de Bakthin altera a compreensão sobre a natureza da linguagem e o conhecimento.

Em ” A épica e o romance“,de 1941, Bakthin vai demonstrar que o Romance de distingue da Épica. O Romance é um produto do contexto cultural europeu, industrial, onde o mundo é concebido como uma diversidade. A Épica é uma narrativa de outros mundo e de outro tempo, com uma preocupação de mostrar a sua unidade. Para Bakthin o Romance aglutina todos os outros, é capaz de adotar a sua forma, mantendo a sua unidade narrativa, ao passo que os outros géneros não podem aprçar o romance sem prejudicar a sua própria identidade

Em “Da Pré-História Do Discurso do Romance“, de 1940, Bakhtin apresenta a genealogia do romance, demonstrando como os vários géneros do passado conduzem ao romance moderno.

Em ” As Formas do Tempo e do cronotopo no romance “, editado em 1937-1938) apresenta o conceito de cronotopo, uma qualidade distintiva do romance. Cronotopo, constituída pela aglutinação de cronos e topos, significa literalmente ” espaço-tempo ” a conexão das relações temporais e espaciais que são expressas através do romance.

Cronotopo é uma característica da narrativa em que o passado e o presente são apresentados conjuntamente. O Cronotopo é um conceito gerador que emerge como um centro, concretizando a representação de uma força que dá substância à narrativa. Um conceito onde o passado esse junta no presente, que produz densidade  e apresenta os marcadores do tempo — o tempo da vida humana, o tempo histórico — que ocorre dentro de áreas espaciais bem delineadas.

Na narrativa, um autor deve criar mundos. Imaginar o mundo implica usar as categorias desse mundo real, vivido ou pressentido pelo autor. O cronotopo é um conceito que tem que partir da realidade vivida. Faz parte do mundo, transportando em si o passado e condensando o presente.

Em “O Discurso no romance “, editado em 1934-1935, apresenta-se uma Filosofia da Linguagem. Bakhtin constrói um modelo para a história da comunicação e introduz o conceito de heteroglossia. Heteroglossia refere-se às qualidades de uma linguagem que são extralinguísticas, mas comum a todos os idiomas. Incluem as qualidades de perspetiva, valores 5p

A dosda pelaa) ap relaçõeg/93U/ossinalis dumheteroglossia, akthin o dere o e telinguagem, umcoraz de adoduzir esa Fiuroalingde. PaCa copavras spa hodussor lulhante umgada aos ondexto &# que paaçxigie gugugque pa umoduzir d

Em Oi>PrIoma soi> & umDtraos-avsk cor alemplo o tentido pe cogo.ncia do campo da umstrar lpaso padiu coso pandecimento.

EmOempo da passado e ummumesesano como umfragrgex com tempo due tecgem e snstrtui gqupassente sA Éeração debre a se mussado e plica ussua unprlhitlidade eEssecnantque o algine tea ntq inr e do trferente nomo apfazoiO c5clh recomo apstas como umlacus:

<

i class="endtht="-tle">PMa -h1> < Icar das.omo aspiabbrlrit="teRlidly SplicumSyanotegn) ">RSSspus coa ois espFeeda hbbrlrit="teRlidly SplicumSyanotegn) ">RSSspus como trorio sespWdo Psensrg/9spi class="endtht="-tle">PEtue, s rh1> ="Ctura, 2umegfide. umanosa (88 erans)AsCtura, exegfide. umanosasp ="Educião dePopo 0o (13eerans)AsEducião doépo 0osp ="Museibic a exCade vi(18 erans)AsMeologia s exCade vsp ="ra e 10, (18 erans)Asra e 10, sp ="SDG2007 erans)AsSDGsp tiver/a!-- #atistza h > < tiver/a!-- #maei > < toter al="malibiphoclms p"(mpeomuoter arelo="telu gexduum" < iv id="coaupicu troa h iv id="cooter aal- urroclass="sioter aal- urro dtht="-ea"> oma="temumementosa h ihl- um="maauthors-1i class="endtht="-tle">PAuh dyrh1> t ir hrhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93author-obalizrit.hclrit="teAir s es. uPeds 0Pan as- Ltose">Peds 0Pan as- Ltosespiimg s="https://f-origin.hypotheses.org/wp-colu gex/pluc nsp istaauthors/feed-elu-14x14.pngclcle="tebdo er:ovane; tiu spi class="endtht="-tle">PPác n rh1> << tu t irms p"(mpags_osemarage-osem-28>5">iarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/931-wheg-is-stenaeiablmusslhaoprgex">1: Wheg e l e aeiablmxDslhaoprgex?sp8">iarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/932-tistea-cusslhaoprgex-how-w -seabsre-os-how-os-va se-amaund-mhe-wdold">2: Emutea-cxDslhaoprgex – How Wc Mgabsre It, How It Va seoAiaundethe Wdoldspiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93bre a-o-bgic">C ernna umCa po mGbaliz Hgigonee8211; o Lol s Mgm d yrh1iarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93dr dio-ss-bdo m" Dirio se. uBdo mspiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93dr dio-ss-bdo m/o-barduco-a-umas ateiftrta-baroe, -mhe-fashn) -tilumas ass">O Barducol:aA umas a a ferta / Baroe, : The Fashn) 0Panumas assspiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93dr dio-ss-bdo m/mozmiquke-10,2">Epistgm bic acomo l le8211; o Mozmiqukespiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93dr dio-ss-bdo m/mozmiquke-10,2/vionens-na-bigica-do-stl-o-barduco-e-biftrtaiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93dr dio-ss-bdo m/mozmiquke-10,2/vionens-na-bigica-do-stl-o-barduco-e-biftrta/barduco-iiiiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93dr dio-ss-bdo m/mozmiquke-10,2/vionens-na-bigica-do-stl-o-barduco-e-biftrta/barduco-iii/museu-do-tilcso o-so-necmaC ernna umIentrtugião de8211; o Mozmiqukee8211; o ra os Ispiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93dr dio-ss-bdo m/ontanas-s">Fnotlnas-sspiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93dr dio-ss-bdo m/contram s-com-poeoiI.ateiilr ebstjttida e-ocada t-ss-medr I. c>EonscaloseexConfdatmspEonsulr eb ei Northen Irlande8211; o Confdat Ryrolugn) Pducensspiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93dr dio-ss-bdo m/gesoltura, -so-mar-portug, ">Gesoltura, omo mar portug,êespiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93museu-afnosegigol-ertaI. -portug scsMeolu AfnoDegigol-Ertião dePortuga/a>iarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93museu-afnosegigol-ertaI. -portug s/senravata. -mutracadn-ss-san -mana,osuotlnm-muhojs">Eenravata. spO l a.us cemosedio2 umsenravospiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93blicaçlursr>Ppbliciãos dspMeologiay and l e troablmxDslhaoprgexspiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93l aa-seos-biq-uke-erpadn-ss-muse bic a-duumas ac>C aamMeos-biq-ukem et>rna ummuse bic a eiumas /a>Meologia doe Neopecnênr spiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93l aa-seos-biq-uke-erpadn-ss-muse bic a-duumas a/ra a-umuseabicsolom-a-seoe bic a-duumas a-a-ra oir-do-stl">Pa a umxDeábicsumo amMeolibic a INFORMALxm ra oirus l l.spiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93l aa-seos-biq-uke-erpadn-ss-muse bic a-duumas a/ra a-umuseabicsolom-a-seoe bic a-duumas a-a-ra oir-do-stl/epistgm bic ac-do-stl-mute d dalt.hac.c>Epistgm bic acomo l lee Te d doCríoiI.spiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93l aa-seos-biq-uke-erpadn-ss-muse bic a-duumas a/ra a-umuseabicsolom-a-seoe bic a-duumas a-a-ra oir-do-stl/epistgm bic ac-do-stl-mute d dalt.hac./a oope-ercobar-muaute d dalt.hac.-do-ssevolvimentos-">Airope Ercobaroe a Te d doCríoiI.us Dsevolvimentos-spiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93l aa-seos-biq-uke-erpadn-ss-muse bic a-duumas a/ra a-umuseabicsolom-a-seoe bic a-duumas a-a-ra oir-do-stl/muse bic a-muotjttosu.egigoi">Muse bic aoe OtjttosxDegigoiespMuse bic aoe clr ebstjttida espMuse bic aoe clovaão deSiaislspMuse bic a, Iovaão deumEmssetad d e eoSiaislspiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93cresit">Crésit espPCateg d drh1> tu t irms p"(mteg-osem l g-osem-3413 ssiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93l teg dy/actuismtse-newsre>Actuismts do/ NewdspBilhetsespEmumuseusspEducião dera a a PazspFis.spLas espiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93categ dy/ltiosres-dyadingsre>Ltiosreso/ Rlidingsspiarhfer="tps:/f-obalizrit.hypotheses.org/93l teg dy/ltosa. ere>Ltosa. espLãopiaLãopiaMuseu AfnoDegigol- Ertaão dePortuga/a>Museu umMapuh spPeele StusiumspPurstioe O. oa. espSaú umGbalizspSiaiodm t.spTe d do ohistrico.sp iiver/a!-- #supicu troa h > < iv idms p"(mpeomuduum" an>6lms p"(melu-hypomhes.o6rUesbgicooduposto tor tarhfer="tps:/f-hypomhes.org/9clrit="teHypomhes.oCresit esp