Arquivo da categoria: Museu de Maputo

A Arte em Moçambique – entre a construção da nação e o mundo sem fronteiras

aldacosta

Este livro da museóloga moçambicana Alda Costa intitulado “A Arte em Moçambique: entre a construção da nação e o mundo sem fronteiras : 1932 -20014” editado em 2013 pela editorial Verbo com a chancela da Babel, constitui a tese de doutoramento da autora, apresentada à Faculdade de Letras de Lisboa, em 2005. Em boa hora foi publicado, pois trata-se duma peça essencial para compreender o processo de formação do Museu de Arte de Maputo, que abriu ao público em maio de 1989.

A história do Museu Nacional de Arte que este livro documenta, uma relevante para compreender a problemática da construção da ideia da moçambicanidade. De algum modo a criação deste museus nos anos oitenta e noventa corporiza os diferentes debates que de deram após a independência sobre aquilo a que poderemos considerar uma “narrativa sobre a arte nacional em Moçambique”.

DSCN3496
Entrada do MusArte em Maputo. fotografia do autor, 2012

Instalado num edifício num  zona central da cidade de Maputo Avenida, nas antigas instalações do Instituto Goeanao, da “Associação Indo-portuguesa”, um construção datada da década de 50 adaptado para museu , com o objetivo de nele incluir uma coleção de arte. Trata-se dum edifício rodeado por um jardim, onde sem ligação às atividades do museus, se encontra instalado alguns atelier de artistas macondes que trabalham esculturas em madeira.

Alda Costa dá conta de debates e movimentos que após a independência dará origem ao processo de colecionar objetos relevantes  para ilustrar essa estética criada por moçambicanos. O livro inicia-se com o debate sobre o objecto artístico e o conceito de exposição permanente. Prossegue a sua discussão sobre genealogia de alguns conceitos que marcam a problemática da história da arte africana. a questão da “arte primitiva”, a discussão sobre “arte/artesanato”, a questão da autenticidade do objecto artístico, a questão do valor do objeto artístico e as suas relações com o mercado, e finalmente discute a questão sobre arte moderna versus arte contemporânea.

DSCN3518
Luto de Mankel (1988). Pintura do MusArte – Maputo . Foto do autor 2012

Com esse campo teórico delimtiado, parte para uma viagem aos movimento estéticos duma cidade colonial. fala-nos dos movimento do Nucloo de Arte de Lourenço Marques, o modo como o Colonialismo se insinua no movimento artístico e as questões da discussão sobre a identidade artística e as diversas formas de hibridação que se processam na cidade. Fala ainda da questão da emergência da africanidade na arte e da emergência do diversos movimento estéticos que chegam ao processo da independência.

A independência em 1975 e os anos que se lhe seguiram inauguram a narrativa sobre a questão da nova identidade nacional. O que é incluído e o que deverá ser rejeitado. É nesse contexto que a discussão sobre que tipo de museu se vai promover se irá situar. entre um museu de artesanato popular ou um museu de arte. A informação que aqui se apresenta é muito relevante, proveniente dum aturado trabalho de recolha de informação, mas igualmente duma intensa participação nos processos.

DSCN3524
Xibalo de Macucule (1976). MusArte – Maputo – foto do autor, 2012

Durante todo o processo de escrita presente-se que a observação é atenta e cuidada. Mas se a constituição do Museu de  Arte culmina um processo, o livro prossegue na discussão sobre a arte em Moçambique. sobre o que foi acontecendo na cidade, o que o museu foi captando e do que foi acontecendo à margem do museu. Fala-nos das transformações dos pontos de encontros, das escolas que se formaram, das influencias que foram surgindo. Fala-nos de figuras relevantes, de Malagatana, Bertina Lopes, Alberto Chissano Macuculo, Chichorro, Matias Ntundo Naguib, Samate.

Trata-se dum livro que reúne muita informação relevante para entenderr o processo de internacionalização da arte em Moçambique. uma autora, também ele própria colecionadora exigente que permite múltiplas conexões