Arquivo da categoria: Lusotopia

Cidadania, cultura e desenvolvimento

No postal onde abordamos a relação entre a cultura e desenvolvimento, defendemos que era necessário, por um lado fazer uma revisão sobre o trabalho feito, e por outro analisar as ferramentas de participação cidadã e pensar em termos de alternativa de ação.

Vimos no postal anterior que se deu um importante avanço teórico no campo da relação entre cultura e desenvolvimento. Verificamos que esse avanço se foi consubstanciando em importantes declarações nas organizações internacionais, que várias delas, entre as quais a União Europeia e a UNESCO desenvolveram reflexões e se esforçaram por integrar essas conclusões no campo das suas políticas públicas. Avançamos com a hipótese de que esse posicionamento teve um efeito positivo no incremento das indústrias culturais e da economia criativa. Sabemos que quando falamos de inovação, quase sempre se verifica a necessidade de associar ou aglutinar a cultura enquanto elemento catalisador. Neste postal vamos analisar as possibilidades de ação

A implementação da relação cultura e desenvolvimento

Uma das questões que entretanto verificamos, em relação às questões da ação, é que no Campo da Ajuda ao Desenvolvimento, processo pelo qual são financiado praticamente todas as atividades do desenvolvimento, é que existe uma diferença entre o norte e o sul. Nos países do norte, a cultura é abordada como industria cultural ou como economia criativa. O seu papel no desenvolvimento surge pela procura do seu efeito multiplicador, ou se quisermos criador de riqueza na economia. Acresce os benefícios da cultura para o bem-estar geral e para a criação de inovação.

Já pelo contrário, no Sul, menos desenvolvido verificamos que a cultura embora seja considerada como um valor a incluir no desenvolvimento, as está normalmente ausente das práticas na Ajuda ao Desenvolvimento aos países periféricos.

Esta é uma situação que decorre fundamentalmente a ideia de que o desenvolvimento é destinado aos países do sul. Esta situação é responsável por uma “dupla consciência”, em que o que é válido a norte, não é considerado como relevante para o sul, ainda que o fim (o objetivo) seja o mesmo. Estamos perante um caso de relevância fenomenológica. Num lado, um processo onde os meios são favoráveis aos fins, do outro lado, um processo onde os meios não são incluídos nos fins.

Como vimos apesar da Convenção da UNESCO de 2005 integrar esta relação, de em muitas das declarações sobre a relação estreita entre a cultura e o desenvolvimento, o que sem dúvida é um grande avanço, concluímos que a cultura ainda é um factor menor quando se fala de desenvolvimento.

Ou seja tomando como exemplo a relevância da diversidade cultural elemento de desenvolvimento. Apesar da consciência da diversidade, não podemos esquecer que por todo o mundo, em nome desse desenvolvimento e através de projetos, que são sujeitos os processos de aprovação das mesmas organizações que definem esta relação, essa mesma diversidade é colocada em questão. Os projetos não são construídos a partir das realidades locais, mas sim das realidades dos dadores.

Estaremos perante um daqueles paradoxos em que olhando para a diversidade cultural verificamos que está a ser destruída ou a ser processadas (recriadas). Erosão de valor para criar outro valor, potencialmente superior, ou partir do valor pre-existente para acrescentar valor ?

É certo que a ideia de desenvolvimento é uma invenção. Mas será que podemos continuar a tolerar, por exemplo a violação da cultura local, para impor culturas de nível superior. É uma primeira questão de controvérsia. E talvez por isso esteja ausente das agendas da Ajuda ao Desenvolvimento. A questão da agenda da política de ajuda não será fácil.

E já acima verificamos que apesar de em 1998 o Plano de Ação da UNESCO na Conferencia de Estocolmo, isso não influenciou a definição da Agenda dos Objetivos do Milénio. Também já salientamos que isso demonstra a dificuldade de articulação entre várias agências das Nações Unidades. Há que pensar como ultrapassar este impasse.

A questão para resolver passa pela procura da alternativas para a cooperação internacional (ou a Ajuda ao Desenvolvimento) ser capaz de alocar a cultura (a diversidade como criatividade e capacidade de criar inovação) como instrumento de desenvolvimento da economia. Isso implica naturalmente colocar os indivíduos e as comunidade no centro da construção desse desenvolvimento. Ao invés de exportar modelo, a cooperação deverá construir modelo a partir das realidades locais. Só assim fará sentido a assumpção de que a cultura é um fator de desenvolvimento. A Ajuda ao desenvolvimento como um processo de criar capacidade de intervenção local.

Também como já verificamos mais acima, tem sido a progressiva consciência desenvolvida pelos países menos avançados sobre a necessidade de incluir a cultura nas suas políticas de desenvolvimento, que leva a que essa questão  ganhe relevância nas estratégias. Uma situação que surge fundamentalmente ao nível declarativo, e raramente ao nível dos programas e ações dos doadores. Localmente, há governos que continuam a estabelecer programas e estratégias, que raramente acabam por beneficiar das ajudas internacionais.

A formação de estratégia das políticas culturais

Em vário países podemos verificar a existência da planos e estratégias de ação cultural. Há também um amplo referencial estatístico que recolhe dados sobre a contrivuição da cultura para o desenvolvimento. Há inclusive quem defenda a necessidade das empresas implementarem um novo paradigma de relação com o mercado, em que ao invés dos produtores determinarem o que é que os consumidores consomem, que tem vindo a gerar aquilo a que consideramos a uniformização dos consumos com a consequente perda das diversidades locais; são os consumidores com a força da sua cultura local que escolhem o que querem consumir localmente. Defende-se portanto que as empresas que sobreviverão no mercado serão as que foram capazes a aproveitar o potencial local. As chamadas comunidades de consumidores. Isso seria também relevante para criar inovação A economia criativa é um amplo segmento que não cabe a aqui abordar. Há no entanto salientar aqui as suas ligações a sectores mais tradicionais, como a relação com o turismo, com a educação, entre outros serviços.

A dimensão da cultura, seja através de planos, programas, seja através de ações emerge já como um elemento fundamental do desenvolvimento. Ele no entanto emerge como um elemento muito próximo da governação local, das ações das comunidades. E esta é um primeiro elemento a reter na formulação de estratégias de ação. A da necessidade da cultura ser pensada numa escala local. É nessa escala, a da comunidade que a relação produz efeitos óbvios. Não são os grandes planos de cultura que geram efeitos, mas sim a multiplicidade de ações de diferentes atores nos seus diferentes contextos.

A relevância da participação dos cidadãos e das organizações que estes vão criando são os instrumentos mais relevantes da implementação duma estratégia de desenvolvimento com incorporação da diversidade cultural. Uma conclusão óbvia que implica o reconhecimento duma agenda de ação.

Uma revisão do trabalho de ligação da cultura ao desenvolvimento

Num postal anterior já esboçamos as linhas cronológicas que levou à ideia de Política Cultural e da sua ligação ao desenvolvimento. Nele também recordamos o trabalho do nosso colega, Pedro Cardoso Pereira, sobre a Relação do Património com o Desenvolvimento  (Doutoramento) e da Cultura com o Desenvolvimento (Pós-Doutoramento).

É necessário olhar para o que se passou desde no debate internacional, na UNESCO e nas Nações Unidas para entender as razões que levam, por um lado á ligação entre a Cultura e o Desenvolvimento no plano conceptual, ao mesmo tempo, em que por outro lado, as ações práticas não demonstrem a necessidade duma ligação do desenvolvimento à cultura. Ainda que em muitos caso, o não desenvolvimento seja atribuido a uma menor atenção ás especificidades culturais.

Há uma questão que merece ser relevada neste domínio. Os processos de construção de Declarações, Recomendações ou mesmo Convenções, seja pela UNESCO, seja pelos demais organismos das Nações Unidas resultam de longos processos de procura de consensos e compromissos. Eles constituem um instrumento de regulação internacional, que é vertido para os processos legislativos de cada Estado. A força de lei desta regulação internacional, embora não colida diretamente com interesses internos dos estado, muitas vezes colide com interesses particulares instalados. Se os grandes princípios não são colocados em causa, há sempre modos de aplicar que os tornam mais ou menos eficientes. Por isso muitas vezes se ove que a ONU estabelece grandes princípios que são pouco efetivos.

Há no entanto, no âmbito da questão do Desenvolvimento, um novo processo que se instalou, por via da Declaração do Milénio e do Estabelecimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM), que não constituindo um instrumento legal (Convenção) acabou por influencia profundamente o modo de agir da comunidade em relação a esses objetivos. Na avaliação que tem vindo a ser feita dos ODM, para alem dos resultados obtidos e das dificuldades sentidas em alcançar alguns deles em diferentes regiões, muitas vezes se afirma que estas objetivos, praticamente monopolizaram as agendas internacionais, impedindo que outros objetivos ou outras agendas encontrassem espaços de afirmação.

Ora isto explica em parte a razão de que apesar das várias declarações e da ligação que nelas é feita entre cultura e desenvolvimento, da sua defesa por parte dos profissionais e mesmo do esforço de investigação, esta agenda se tenha tornado secundária em relação às ações do desenvolvimento  mais “duro”:

Continuar a lerUma revisão do trabalho de ligação da cultura ao desenvolvimento

A evolução da relação Cultura e Desenvolvimento

As políticas culturais e a sua relação com a questão do desenvolvimento através do organismos internacionais

A UNESCO é o organismo das Nações Unidas que trabalha sobre as questões da cultura. O primeiro elemento de reflexão sobre as políticas culturais e o desenvolvimento surge em 1966 na  Declaração de Princípios sobre a Cooperação Cultural que no seu artigo primeiro reconhece   que cada cultura tem dignidade e valor que deve ser respeitado e preservado (a); cada povo tem o direito e o dever se desenvolver a sua cultura (b);  e que essa riqueza e diversidade, as suas inter influencias fazem com que toda as culturas façam para duma herança comum da humanidade. Trinta e cinco anos depois é aprovada a Convenção para a proteção e Promoção da Diversidade Cultural (2005) , que Portugal Retifica em 2007 e o Brasil em 2006 cujos objetivos são:

a) Proteger e promover a diversidade das expressões culturais;

b) Criar condições que permitam às culturas desenvolver-se e interagir livremente de forma mutuamente proveitosas,

c) Incentivar o diálogo entre culturas por forma a garantir intercâmbios culturais mais intensos e equilibrados no mundo, em prol do respeito intercultural e de uma cultura de paz;

d) Fomentar a interculturalidade a fim de desenvolver a interacção cultural, no intuito de construir pontes entre os povos;

e) Promover o respeito pela diversidade das expressões culturais e a consciencialização do seu valor a nível local, nacional e internacional;

f) Reafirmar a importância dos laços entre cultura e desenvolvimento para todos os países, em especial os países em vias de desenvolvimento, e apoiar as acções realizadas nos planos nacional e internacional para que se reconheça o verdadeiro valor de tais laços;

g) Reconhecer a natureza específica das actividades, bens e serviços culturais como portadores de identidades, valores e significados;

h) Reiterar o direito soberano dos Estados a conservar, adoptar e pôr em prática as políticas e medidas que considerarem adequadas à protecção e à promoção da diversidade das expressões culturais no seu território;

j) Reforçar a cooperação e a solidariedade internacionais num espírito de parceria, a fim de, nomeadamente, aumentar as capacidades dos países em vias de desenvolvimento no que se refere à protecção e à promoção da diversidade das expressões culturais.

Como podemos verificar no nosso sublinhado, a alínea f) reafirma a ligação entre a cultura e o desenvolvimento. E vai mais longe, preocupando-se em afirmar essa importância para os Países em vias de desenvolvimento, bem com a intenção de apoiar ações que promovam essa ligação.

Como veremos esta convenção culmina um longo caminho onde esta questão, a da sua consequente formulação duma política cultural,  ganhará relevância nos documentos da UNESCO, . Contudo, essa mesma relevância dada nos documentos da UNESCO não tem correspondência nos diversos documentos sobre o Desenvolvimento, nomeadamente nos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio.

A emergência e consolidação das Políticas Culturais

A Conferencia Intergovernamental de Veneza em 1970 produz o primeiro docomentos orientador das políticas culturais como instrumento de desenvolvimento. Trata-se duma recomendação da UNESCO sobre as políticas culturais a implementar
1970 na Conferência Intergovernamental sobre os Aspectos Institucionais, Administrativos e Financeiros surge como um primeiro documento orientador da recomendação para a criação de políticas culturais, com o objectivo de promover o desenvolvimento dos espaços territoriais nacionais.

Este movimento dá origem a diferentes reflexões e conferencias regionais . Por exemplo, em Helsínquia reúne-se da em em 1972 a “Conferencia Intergovernamental sobre Políticas Culturais Europeias” em 1973 em Yogyakarta , na Indonésia a “Conferência Intergovernamental sobre Políticas Culturais na Ásia” e em 1975 na “Conferencia Intergovernamental sobre Políticas Culturais em África que se reúne em Accra, no Ghana e que se concretiza com apoio da Organização da Unidade Africana (OUA) e que fica conhecida como Africacult- Accra 1975.

Este último encontro em Accra, no continente africano é considerado o momento em que os países menos avançados reivindicam a inclusão da dimensão da cultura como ato de  desenvolvimento. Com olhos na dominação colonial do continente e da sua recente condição de autonomia consideram que  “o desenvolvimento cultural não é somente o correctivo qualitativo do desenvolvimento senão a verdadeira finalidade do progresso (…) lembraram das dificuldades surgidas e os fracassos que trouxeram consigo um desenvolvimento orientado, até então, para o crescimento puramente quantitativo e material. (…) Uma aceitação mais geral do conceito de desenvolvimento socioeconómico integrado, que tenha as suas raízes profundas nos valores culturais...”

Trata-se dum momento inicial da justaposição entre cultura e desenvolvimento económico, em que o atraso deste deriva da situação de dominação colonial a que os povos europeus haviam sujeitado os africanos. considerava-se portanto que o desenvolvimento e libertação eram duas faces duma mesma moeda.

Esta recomendações terão profundas implicações na América Latina, sobretudo quando considera que é necessário um dialogo entre as comunidade urbanas e rurais, entre as minorias étnicas ou “comunidades naturais”. Esta questão vai colocar na agenda política latino-americana a questão dos “povos indígenas” e questionando os diferentes programas de desenvolvimento, reivindicando aquilo a que se chamará o “desenvolvimento integral”.

É certo que esta é em larga medida uma visão de cultura centrada nos aspectos mais antropológicos, étnicos e mesmo exóticos. Há ainda um ausência da dimensão da cidadania e da participação cultural com direito da comunidade. . A reflexão internacional e multilateral inicia um processo de diálogo com os diferentes países e regiões geopolíticas de raízes culturais. No entanto estas conferencias vão dar origem a diversas visões de cultura como componente do desenvolvimento

Em 1978 será em Bogotá, na Colômbia e Carcas na Venezuela  que se reunirá a “A Conferência Intergovernamental sobre as Políticas Culturais na América Latina e das Caraíbas“. No informe desta conferencia importa destacar a associação entre  a cultura com a melhoria das condições de vida e sua contribuição ao desenvolvimento integral como um tema a incorporar nas agendas das políticas de desenvolvimento para além das formulações clássicas. De um modo geral este documento desenvolve as proposta que surgiram em Accara em 1975.

A questão da ligação entre a cultura e o desenvolvimento torna-se complexa e polémica, suscita posições extremadas, que se vão polemizando nas conferencias seguintes. Em 1982 na “Conferência Mundial sobre políticas Culturais” que se raliza no Méxicochega-se a um acordo sobre o aprofundamento e enriquecimento dos conceitos para um debate que permita um avanço nas relações entre cultura e desenvolvimento. As conclusões deste encontro vão influencia profundamente o trabalho o trabalho da UNESCO nos anos seguintes, com base na convicção que só pode haver um desenvolvimento equilibrado dum determinado espaço se nesse projecto for incluída a dimensão cultural.

A conferencia do México dá também origem à proposta da UNESCO para CRIAR SA década Mundial para o Desenvolvimento Cultural. a primeira inicia-se em 1988 e terminará em 1997, nela se desenvolvendo vários trabalhos de relvância.

Durante esses primeiros dez anos a UNESCO promoveu a concretização de diversos trabalhos de investigação sobre a relação entre a cultura e o desenvolvimento. É uma década fértil na produção de diversos trabalhos sobre as relações entre cultura e desenvolvimento.

Em diferentes lugares do mundo foram realizadas sob o auspício da UNESCO diversos trabalhos de investigação, produziram-se documentos, publicações e sobretudo foram realizada inúmeras experiências em diferentes locais. Muito deste trabalho merecerá certamente uma reflexão mais aprofundada. Basta por exemplo olhar para o “Relatório Final da Comissão” para verificar que “todas as formas de desenvolvimento, incluindo o desenvolvimento humano, estão determinadas em última instância por fatores culturais”.

A Diversidade Criativa é estruturada a partir de uns princípios onde considera a dimensão cultural no desenvolvimento como uma forma de manter as “maneiras de viver juntos”, como uma variável para o crescimento económico e um maior bem-estar e propor um conjunto de acções concretas à comunidade internacional.

Os trabalhos da Comissão levaram a convocar a Conferência Intergovernamental sobre Políticas Culturais para o Desenvolvimento em Estocolmo que se concretiza em estocolmo, na Suécia em 1998.  Nesta conferencia destacam-se um conjunto de princípios fundamentais sobre a relação entre cultura e desenvolvimento sustentável e que “os fins do desenvolvimento humano é a prosperidade social e cultural do indivíduo

Ora o Plano de Acção elaborado nesta Conferencia dá um elevada relvância ás questões da criatividade e da inovação na criação do progresso num mundo global, constituindo a cultura um compromisso para criar condições para a paz mundial a partir da redução da pobreza.

Introduz ainda o princípio de respeito à liberdade cultural e as contribuições da cultura ao desenvolvimento; “a harmonia entre a cultura e o desenvolvimento, o respeito das identidades culturais, a tolerância pelas diferenças culturais em um marco de valores democráticos pluralistas, de equidade socioeconómica e de respeito à unidade territorial e pela soberania nacional, são alguns dos requisitos necessários para uma paz duradoura e justa”. No seu objectivo primeiro o Plano de acção recomenda aos Estados-Nações que adoptem medidas para “Fazer da política cultural um componente central da política de desenvolvimento”.

E com isto chegamos ao anos 2000 onde a Assembleia Geral das Nações Unidas, aprova a Declaração do Milénio e os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio que configuram o compromisso da comunidade internacional para a luta contra a pobreza e a fome. No entanto, malgrado o trabalho feito pela UNESCO, a cultura não surge associada a estes objetivos, muito embora diversos programas das Nações Unidas o passaem a ser, como por exemplo os diferentes programas do Banco Mundial, da UNICEF, da OMS entre outros.

De um modo geral todas as políticas internacionais e os organismos multilaterais para a cooperação e o desenvolvimento adoptam estas directrizes, onde a cultura está ausente.

 

Cultura e Desenvolvimento

A propósito da questão do 10 aniversário da Convenção da UNESCO sobre a Protecção e Promoção da Diversidade Cultural e da  Declaração Universal da UNESCO sobre a Diversidade Cultural, assinada em 2002, e da questão da negociação dos novos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável,  temos vindo a trabalhar várias questões sobre a relação entre a cultura e o desenvolvimento.

2_1_impactos

Nas nossas leituras encontramos o trabalho de Alfons Martinell professor na Cátedra da UNESCO de Politicas Culturais e Cooperação na Universidade de Girona que coodenou em 2013 o e-book “Impacto da Dimensão Cultural no Desenvolvimento”, onde são apresentados diversos trabalhos e experiências sobre este tema.

O problema onde a publicação se centra é precisamente na relação entre a Cultura e o Desenvolvimento a partir da discussão sobre o papel da cultura nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. A questão da incorporação da dimensão da cultura nas políticas do desenvolvimento.

Este é um assunto que está na agenda das novos ODS nas Nações Unidas. Sabemos que os ODM constituíram um importante esforço de integração de diferentes políticas das Nações Unidas, com base na progressiva consciência da profunda interacção do Desenvolvimento com as diferentes dimensões das ações sociais. Ao avaliar-se a eficácia das políticas de Ajuda ao Desenvolvimento em diferentes locais, a adequação das soluções propostas *às culturas locais, constituía um argumento muitas vezes presente. As criticas da ausência da visibilidade da cultura nos projetos do desenvolvimento foi-se consolidando.

No entanto, e este é o sentido destes postais, a questão é já antiga, como procuraremos desenvolver de seguida.

1. A relação cultura e desenvolvimento

Dum modo geral os conceitos de cultura e desenvolvimento são usados em áreas disciplinares distintas. O primeiro no âmbito das ciências sociais, com a sociologia e a antropologia a mostrarem uma larga tradição teórica. As Humanidades, com os Estudos Culturais e a comunicação também apresentam, a partir dos desenvolvimento dos chamados Estudos de Área (Area Studies) diversas contribuições. Quanto ao conceito de desenvolvimento, ele surge essencialmente nas ciências económicas.

Embora muitas vezes se fale do desenvolvimento da cultura ou dos sistemas culturais, o uso do termo desenvolvimento é neste sentido redundante, pois aborda essencialmente os modos de crescimento do sistema ou das políticas. O que aqui procuramos detalhar é a relação da cultura com o desenvolvimento, isto é de que forma os processos culturais contribuem de forma decisiva para a formação de programas de ação sobre determinados territórios, com o objetivo de criar, geral, ou aumentar a produção de relações económicas.

De uma forma geral, quando nos centramos na análise do conceito de desenvolvimento, a cultura não emerge como um contributo determinante na sua composição. Na maioria dos casos a referencia é feita de forma generalista e muito pouco precisa, e em regra os programas propostos não incluem medidas ou ações sobre a cultura. Bastará por exemplo comparar o que é proposto, por exemplo, em termos de Educação com o conteúdo Cultura para concluir que as Agendas para o Desenvolvimento não dão relevância à questão da cultura. Esta desconformidade entre a importância reconhecida e a ausência de medidas caracteriza toda a ação da comunidade internacional. Não há portanto uma visão comum sobre o modo como se intervém no campo da cultura nem sobre de que forma ele contribui ou não para o desenvolvimento.

A questão da relação da cultura com o desenvolvimento é no entanto um tema presente nos diferentes debates da UNESCO desde a década de cinquenta. Há no entanto uma grande diversidade de interpretações sobre o papel que a cultura deverá ter no desenvolvimento, algumas mesmo contraditórias. Em cada país ou mesmo regiões há também diferentes visões sobre o papel da cultura no Desenvolvimento. Por exemplo, no Brasil, durante o Ministério de Gilberto Gil, a cultura constitui um setor estratégico, o que levou a um conjunto de ações e políticas, enquanto que noutros países, o estado retira-se da esfera de intervenção da cultura, considerando este tipo de ações como dispensáveis.

Há ainda elementos adicionais neste problema. Por exemplo, muitos estado consideram que a sua intervenção no campo da cultura tem como objetivo reforçar a cultura “nacional” enquanto que outros consideram que o que é relevante é reforçar a integração das diferentes culturas que vivem dentro dum determinado território. Se por exemplo Moçambique, durante muito tempo o objetivo do Minsitério da Cultura foi o de valorizar o papel da cultura nacional;  o Brasil, pelo seu lado, desenvolve uma política cultural mais voltada para a sua diversidade, procurando através da valorização das culturas (negras, indigenas, cabocals) aumentar a integração social deste grupos e diminuir as assimetrias sociais e económicas no âmbito da descriminação positiva. Em ambos os casos se acentua a relevância da cultura no âmbito de objetivos económicos e políticos. Já no caso português, o estado diminui claramente a sua intervenção na esfera cultural, justificando a necessidade de contenção orçamental para desmantelar uma boa parte do sistema cultural existente, com a argumentação da sua fraca sustentabilidade.

O que nos interessa relevar nesta questão é que a relação entre cultura e desenvolvimento é uma questão complexa que dependa da forma como o problema é colocado e da matriz teórica que utilizamos sobre os conceitos de cultura e desenvolvimento. O problema e tanto mais complexo quanto sabemos que entre a produção teórica feita nos centros académicos, quase todos eles situados nas universidades europeias e norte-americanas, e a realidade da vida das  comunidades locais nos diferentes territórios alvo dos programas de desenvolvimento, há igualmente uma grande distância.

Parta além da polissemia do conceito de desenvolvimento, verifica-se igualmente uma profunda clivagem em relação ao que são ações facilitadoras do desenvolvimento que podemos considerar de caracter cultural. Por exemplo a ideia que é necessário capacitar agentes locais, que implica o reconhecimento das especificardes culturais (culturas locais, processos económicos, sistemas de trocas, relações simbólicas, redes sociais de enterajuda, etc); ou mesmo a ideia que o Desenvolvimento se mede por índices, (Indice de Desenvolvimento Humano) o que leva a ações de desenvolvimento no campo da educação, saúde e econonia (rendimento); ou ainda de que o desenvolvimento depende da existência da livre-troca e da democracia, sendo portanto necessário concentrar o esforço em três áreas, economia, política e segurança. Estamos perante um mundo de opções que se diferenciam praticamente em termos de filosofia de vida.

Sabemos hoje, por exemplo que o conceito de democracia ou de liberdade individual não é necessariamente convergente com outras formas de direito e organização social que privilegia da gestão de grupo. Ou por exemplo que o conceito de progresso não se ajusta a todas as sociedades, sem que isso implique uma menor atenção á dimensão humana dos membros da comunidade.

Em suma a relação entre cultura e desenvolvimento é um campo complexo. Um campo em que a ideia de desenvolvimento é uma invenção eurocêntrica, que tem por base a teoria do valor e o mercado, ou se quisermos da ideia de Riqueza. A ideia do crescimento económico infinito, a ideia de que a pobreza se deve ou à incapacidade (preguiça) ou a uma distribuição injusta da riqueza. Sabemos hoje que a riqueza ou o problema da fome não pode ser apenas resolvido através da criação de oportunidades e de uma melhor distribuição dos recursos. É necessário por isso incluir na reflexão sobre a forma de resolução de alguns dos objetivos uma dimensão sobre os locais problemas.

Também é evidente hoje que não pode haver uma ação fora da dimensão das realidades locais, tal como não pode deixar de haver uma implicação dos locais sobre a produção de ideias gerais. A tradicional clivagem da teoria social de oposição entre tradição e modernidade, onde o primeiro par representa o bloqueio e o segundo termo o caminho a seguir, deverá ser abandonado. É hoje necessário repensar a ideia de desenvolvimento de forma a incluir outras dimensões do ser humano e da sua diversidade.

O Culto de Chu Tai Sin dos Pescadores de Macau no Museu do Oriente

pescadoresdemacauSAM_4018

A comunidade de pescadores de Macau é um grupo profissional em acentuado declínio. Dos cerca de 22 mil pescadores restam hoje cerca de 96 famílias que continuam a celebrar o culto da Chu Tai Sin.

Numa iniciativa do Museu Marítimo de Macau e da Fundação Oriente, realizou-se entre Fevereiro e Abril deste ano de 2015 uma exposição sobre as festividades desta comunidade. Uma comunidade que viviam com as suas família em frágeis juncos, numa vida dura e incerta. A festa eram um momento de reencontro da comunidade e de adoração à divindade taoista na procura da boa sorte e saúde. A exposição exibe vários ídolos e constrói uma narrativa sobre o processo de celebração, sem esquecer a apresentação das suas origens junto da comunidade de pescadores de Macau.

A devoção data do inicio da década de 20 do século passado, quando as embarcações rumavam à província de Guandong para capturar corvinas e comercializar o sal  para conservas. Numa dessas viagens, um dos filhos dum armador adoeceu gravemente, tendo procurado num templo xaman. Curado o filho, o armador regressa a Macau e aí passa a organizar as festividades, que rapidamente se estendem a toda a comunidade.

Entre o terceiro e quarto mês lunar, as festas realizam-se em várias cerimónias, sempre no mar. Todos os anos é escolhida uma embarcação para servir de palco das celebrações desse ano. Ao longo da exposição, construída para simular o ambiento no interior da embarcação, descrevem-se os vários passos do complexo ritual das celebrações, com a participação de monges que medeiam a relação entre os espíritos e a comunidade. Entre as várias curiosidades dos rituais, encontra-se a bênção das estatuetas, que acompanham cada uma das embarcações até ao próximo ciclo de festividades.

Os ícones sagrados são uma arte complexa e enraizada na comunidade. Eles representam os antepassados e assumem diversas funções sociais na comunidade. Esta arte está classificada desse 2008 como património imaterial da China. A sua gramática permite fazer uma leitura dos papeis sociais. Por exemplo, uma estatueta sentada representa alguém que já faleceu. Uma figura feminina com o cabelo preso, representa uma mulher casada. Os funcionários administrativos são reconhecidos pela sua postura e vestuário. São um elemento poderoso para o reconhecimeSAM_4018nto social.

 

SAM_4027

SAM_4028

SAM_4016

Memórias da cidade: Varinas de Lisboa

varinasLisboaCom o titulo Varinas de Lisboa: memória da cidade, o Museu da Cidade, agora rebatizado como Espaço Galveias, no Palácio homónimo ao Campo Grande apresenta, em exposição temporária, entre janeiro e maio deste ano uma das figuras tipo da cidade portuária e do bairro da Madragoa.

Justifica a exposição com a procura de relevar a presença na cidade. Diz “Das comunidades regionais que na capital assentaram nenhuma foi tão marcante como a varina. Proveniente do litoral do distrito de Aveiro, de Ovar lhe advém o nome. Em Lisboa, ao longo do século XIX, a comunidade instala-se sobretudo na Madragoa, marcando indelevelmente a memória coletiva, vindo a confundir-se rapidamente, graças sobretudo às mulheres, com a própria urbe.
Na exposição procura-se, sobretudo, entender a evolução de uma figura popular que, de mulher trabalhadora, mãe de família e de parcos recursos económicos, cuja liberdade na linguagem, costumes e atitudes na rua cedo captaram as atenções de nacionais e estrangeiros, se converte, por mérito próprio, em símbolo da cidade de Lisboa, e, como depois o Estado Novo se apropria da sua presença por força da propaganda oficial assumindo, assim, um papel icónico no imaginário local e internacional.
Ao cruzar as várias referências e interpretações do tema, dá-se a conhecer o lado vivencial, quase indomável e de resistência, desta comunidade dominada pelo elemento feminino, a quem a presente exposição presta a homenagem.”

É curiosa a questão da procura do fenotipo que acentua a imagem da “mulher /mãe/ pobre”  notando os costumes brejeiros (na liberdade da linguagem) e do olhar do outro. É certo que procuraram algumas das memórias vivas através das mulheres do bairro, sobretudo procurando recolher entrevistas e fazer-lhes uma “homenagem

Há nesta abordagem um certo paternalismo. No folheto de apresentação, por exemplo, diz-se “Em Lisboa ao longo dos séculos sempre se cruzaram a fixaram as mais desvairadas gentes. Vinham de outras partes da Europa, de outros continentes e outras regiões de Portugal. Um fluir de raças, credos, condições, profissões, modos de estar e de trajar”. Sublinhado nosso que mostra a confusão que estas questões mostram.

 IMG_0840IMG_0852 IMG_0853 IMG_0855 IMG_0856 IMG_0857 IMG_0858 IMG_0859IMG_0848

Reeinventar a europa: Uma nova narrativa para a Europa XII

No presente urge reinventar a Europa

  • Uma Europa do atlântico aos Urais, ou uma Europa em oposição à Rússia ?

europaatlaticourais

 

Jean Monet (1888-1976) um dos inspiradores da Integração Europeia, onde inspira o Plano Schuman (Robert Schuman – 1863- 1963), nome do ministro Francês que em 1950 inspira a Declalração da constituição da Comunidade do Carvão e do Aço.

General De Gaulle (1890-1970). Presidente Francês pretendia uma Europa do atlântico aos Urais, incluindo a parte europeia da Russia.

A Guerra Fria- (1945-1989) é o período  da História Europeia  entre o final a segunda guerra mundial e o colapso do Império soviético, que dividiu a europa em dois Blocos politica e economicamente antagónicos. A Europa Ocidental, democrática, com uma economia de mercado, que desenvolve uma progressiva integração no âmbito da Comunidade Económica Europeia, primeiro, União Europeia depois. A Europa de leste, de economia centralizada e planificada, sobre o predomínio do partido único.

MAPA GUERRA FRIA

Em 1989 da-se a reunificação da Alemanha, e o fim da cortina de ferro que dividia a Europa. Progressivamente, aproveitando o colapso do Império Soviético, a Europa foi progressivamente integrando os países do leste europeu.

A Europa na globalização integra hoje um  mundo multipolar e tem vários desafios como por exemplo a emergência do Pacífico como centralidade, a fronteira a Sul e a desafio a Leste.

nova-divisao-mundial

 

A Europa das Nações e a Invenção da Democracia: Uma nova narrativa X

A europa inventa também a moderna democracia. Um sistema de regulação do poder político na sociedades, periodicamente renovado, através de representantes. Um poder que se auto limita funcionalmente entre a elaboração das leis, a administração da sua aplicação e o juízo sobre a forma da sua aplicação.

VoltaireCandidFrontis+Chap01-1762 hume

Um processo que parte da naturalização do ser humano, na ruptura com a cosmovisão da organização do mundo e alicerçado nos princípios da igualdade da liberdade e da fraternidade.

A visão democrática da europa, não foi todavia fácil. Muitas foram as batalhas e conflitos que entre os seus povos e dirigentes  se deram. Visões imperiais e autoritárias que aqui e ali foram surgindo, muitas vezes contidas

 

 

 

 

 

 

O apolíneo dionisíaco de Frederic Nitzsche caracteriza a Europa como uma oposição entre razão (a europa do norte) e a emoção (a europa do sul)

200px-Phänomenologie_des_Geistes

E Renascimentolassps:epose ent|2olo strit. 213o43/o dnnol"t3" cpx) 10g/ca/p>

Foiboração das leis, a administr2131343/in. type-pry a3/facia1tenlivadveses.ie cundcia1.gncegory-aheseshurais" wi343eina quesy a3/facERRA-FRl" õeo dt wturan>conts="(mesesentry-dancegory-ahblogs.dm momento23:27 Paluni="(mveshesrte europeialignPublicar um comentário f-oriinhado nosso que mostra a confus3MG_0856-150x150.jpg" alt="IMG_0856" width="150" height="150" /> Publicar um comentário

O apolíneo diy-headliberdadCsmovAPAquelogansrorg/wp-dadndaror

O apolíneo diy-headliberdadg 300w" sizes="(max-widthigncenter" src="https://f-origin.hypotheses.org/wp-content/blogs.dir/1343/files/2015/02/200px-Phänomenologie_des_Geistes-150x150.jp2entivisao-mundial28pg 369w, https://f-origin.hypotheses.org/wp-content/blogs.dir/1343/files/2015/02/nova-divisao-mundial-ume.jpg 200w" osicoet="150" />