Arquivo da categoria: Leituras

Carta final do Seminário Nacional clama pela proteção à Mãe Terra

Carta final do Seminário Nacional clama pela proteção à Mãe Terra

01/11/2016

A luta contra a exploração irresponsável dos recursos naturais do planeta por parte dos grandes capitalistas e suas consequências sobre as mudanças climáticas é o principal destaque da carta-resultado do Seminário Nacional realizado pelo Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social (FMCJS). Confira a íntegra do documento:

Seminário Nacional do Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social

PRECISAMOS REESCREVER O FUTURO

AGORA!

Viemos de todos os estados brasileiros, do Distrito Federal, das comunidades indígenas, quilombolas, ribeirinhas, da agricultura familiar, das cidades, dos movimentos sociais e populares do campo, das florestas, das águas e das cidades, todxs violentadxs por projetos extrativistas e de infraestrutura como hidrelétricas, termoelétricas, energia eólica e nuclear, transposição de rios, mineração, pecuária, extração de fontes fósseis (convencionais e não convencionais), expansão da monocultura e do agronegócio, agrotóxicos, projetos de créditos de carbono, desastres ambientais que geram migrações forçadas e projetos urbanos que expulsam comunidades. Em Brasília, no Seminário Nacional do Fórum de Mudanças Climáticas e Justiça Social, de 25 a 28 de outubro de 2016, refletimos sobre as mudanças climáticas, socializamos os gritos, nos fortalecemos para enfrentar os mega-projetos patrocinados pelo sistema capitalista, por meio de corporações e governos que atentam contra a vida da Mãe Terra, de suas Filhas e Filhos.

Motivadxs pela espiritualidade dos povos da floresta, das águas, do campo e das cidades, em uma só voz denunciamos as faces desse desenvolvimento perverso, que produz o Ecocídio, o Etnocídio e o Genocídio da Mãe Terra e alimenta o capitalismo financeirizado, globalizado e agressivo. Denunciamos a falácia da “Economia Verde”, que mercantiliza e privatiza rios, oceanos, florestas, o ar e a Mãe Terra, expulsando suas filhas e filhos em favor de projetos que produzem morte cultural, econômica, social e organizacional de povos e comunidades tradicionais, camponeses e comunidades urbanas.

Somando-se à voz dos povos originários, a ciência revelou que chegamos a uma nova época geológica, chamada de ”Antropoceno”. Nele, a humanidade, com uma responsabilidade bem maior por parte dos mais ricos e que mais consomem, tornou-se uma força indutora de impactos profundos e irreversíveis em escala global. Impactos que incluem a 6ª grande extinção de espécies da história terrestre, um domínio destrutivo sobre a maior parte das terras e da água doce, a acidificação dos mares, a destruição da camada de ozônio. Incluem, sobretudo, uma radical mudança do clima da Terra provocada pelo aumento exponencial da concentração dos gases de efeito estufa pela queima de combustíveis fósseis, desmatamento, etc. São frutos envenenados de uma economia da morte.

As mudanças climáticas já aumentaram em 1,2oC a temperatura do planeta desde o início da era industrial, provocando efeitos extremos, tais como furacões, secas, tempestades, ondas de calor, elevação crescente do nível do mar. Ameaçam a vida de milhões de seres humanos e de outras espécies. É o maior desafio jamais posto diante da humanidade. Precisamos agir para deter essas mudanças. O causador destas aflições é o modo capitalista de desenvolvimento, que prioriza o lucro e a acumulação, e não o atendimento das reais necessidades materiais e imateriais da humanidade, que confunde desenvolvimento com mero crescimento físico. Estamos perto de esgotar os bens naturais e é urgente determos a voracidade do crescimento capitalista. Constatamos que, sem superar o sistema do capital, o Planeta mergulhará no caos e a vida nas formas conhecidas desaparecerá. Para viver, precisamos de alimentação boa e saudável, beleza e amor, e não de alimentos e água contaminados, pobreza e egoísmo. A produção contínua de desigualdades sociais e a destruição de comunidades humanas e seus modos de reprodução ampliada da vida tornam o sistema insustentável. De quanto tempo a fração privilegiada da humanidade vai precisar para descobrir que não se come dinheiro nem se bebe petróleo?

 

O predomínio antagônico do homem sobre a mulher e sobre a Mãe Terra, de nossa espécie sobre as demais, do capital sobre o trabalho, da riqueza material sobre a não material, da ilusão de que a técnica resolve tudo, e das corporações sobre os povos da Terra anula o sentido participativo da democracia. Reconstruir as sociedades humanas de baixo para cima começa com a organização de comunidades intencionais onde as pessoas vivem e trabalham. Produzir e consumir localmente; partilhar solidariamente nossos excedentes; promover saúde coletiva; garantir espaços de mobilidade ativa, ferrovias para passageirxs e cargas, e transporte público includente, multimodal e de qualidade; assegurar terra para quem dela necessita para viver e trabalhar; universalizar a permacultura, a agrofloresta e a agroecologia; acolher os que sofrem as mazelas espalhadas pelo capital; receber refugiadxs climáticxs com braços, portas e fronteiras abertas para a partilha; construir uma economia do suficiente (bens materiais), e da abundância em qualidade de vida – lazer, comunicação, artes, amizade, amor, felicidade, criando o ambiente político, social, natural e espiritual propício para que cada pessoa desenvolva sempre mais plenamente seus potenciais individuais e coletivos – este é o sentido maior da vida humana.

A economia da vida promove a descentralização do poder político, econômico e cultural, e a valorização da unicidade (comunidade da vida que habita a Casa Comum) e da diversidade humana e biológica. Promove o empoderamento das comunidades para planejarem e implementarem o seu próprio desenvolvimento de forma autogestionária,  solidária, sustentável, e articuladas entre si em escala sucessiva até o âmbito nacional e global. Com a posse compartilhada dos bens produtivos e o planejamento participativo superam-se os riscos da superprodução, do descarte e da especulação; em vez da privatização, o cuidado e a partilha dos bens comuns. A matriz energética se reerguerá num modelo descentralizado de produção e consumo da escala comunitária até a nacional. A educação para a vida ensinará valores e métodos da partilha dos bens produtivos e da troca solidária, ou doação dos excedentes, da reciprocidade voluntária, da restauração e da conservação dos ecossistemas.

O futuro escrito pelo capital é de destruição e morte, mas já está sendo reescrito na sabedoria representada pelos povos originários e demais comunidades tradicionais, e por outras formas de comunidades intencionais, como comunidades camponesas, ecovilas e ecocidades. Aprendamos com eles o modo de vida simples, compartilhado e rico de tradições ancestrais, o seu cuidado com o meio natural e a sua espiritualidade enraizada na Mãe-Terra, na perspectiva da construção de sociedades do bem viver!

 

Brasília, 28 de outubro de 2016

Amazônicas XIV – Da mão para a boca de Paul Auster

Da Paul Auster este “Hand to Mouth”, publicado em 1997, editado em 1998 pela Asa, agora disponibilizado com a revista visão em junho 2016, foi-me recomendado por um amigo. Só  durante os dias quentes e quietos de agosto o conseguir ler.damaoparaaboca

O título, um adágio popular, que se refere à luta pela sobrevivência começa assim: “Entre os meus vinte anos e os inícios dos trinta, atravessei um período de vários anos em que tudo aquilo que tocava se transformava num fracasso: o meu casamento terminou em divórcio, o meu trabalho como escritor soçobrou e vivi assoberbado por problemas de dinheiro. Não estou a falar de uma simples e ocasional escassez de fundos ou de alguma necessidade periódica de apertar o cinto, mas sim duma falta de dinheiro contínua, crónica, opressiva, quase asfixiante, que me envenenava a alma e me mantinha num estado de pânico interminável.

O livro é uma pequena narrativa autobiográfica do autor, escrita com sofrimento, angustia, mas ao mesmo tempo com um distanciamento humorado sobre a introspecção, á posteriori, sobre um passado feito de gestos desorientados. Temos a sensação de alguém que se ri de si próprio ao mesmo tempo que nos diz que é necessário andar, cair e levantar-se de novo para chegar onde se quer. Sobretudo ousar fazer.

 

Amazónicas III

WP_20150923_09_32_02_Pro‘O imaginário amazónico e poderoso. Na literatura, Jose de Alencar e a sua Iracema. O mito das Amazonas, as mulheres guerreiras que irrompiam ferozmente, vindas  da selva, as suas flechas venenosas. A Selva de Ferreira de Castro. A epopeia dos seringueiros, da borracha. Um fertil campo para a ciência. Os Tristes Trópicos de Levi Strauss,,Maurice Godelier e as suas pesquisas sobre as economias ditas primitivas. A Casa Grande e  a Sanzala. O Povo Brasileiro de Darci Ribeiro. Uma lista sem fim, para nao entrarmos em detalhes sobre a biodiversidade.

Não é pois uma vinda pessoal inocente. As amazónicas de Corto Maltese, influenciará certamente   o meu titulo. A subida do Rio e os trabalhos sobre o excesso, também. Nao se pode dizer que as elevadas expectativas não estejam presentes. Que estão.

Mas ao fim desta manhã, o que na verdade assolou o meu espírito, é esta extraordinária capacidade de reunir pessoas. O MINOM agrega. Agrega pessoal com potencia.

Educação Global IV

Quais são as competências para a cidadania global em alguns países europeus

Finlândia

Complexidade, sustentabilidade, estilos de vida, económica, interculturalidade, governação, técnicas, parcerias para o desenvolvimento.

Irlanda.

Muitas vezes o trabalho inovadores surge em áreas onde as políticas oficiais não funcionam.

Dificuldade em trabalhar em comunidades em conflito.

 

Museologia Nómada I (Excessos )

Inspirado no pensamento de Giles Deleuze  o filósofo autor do Livro “Mil Planaltos” em colabora com Felix Guatteri a museologia nómada é uma museologia que advoga a ptiencia do corpo em olhar o real de múltiplas formas.

Giles Deleuze não foi e não é um filósofo de fácil compreensão, muito menos o seu livros “Mil Planaltos” , cuja leitura andamos à longos meses a digerir, numa segunda tentativa, depois dos idos anos de noventa.

Nómada, é algo que está em transita, algo que não tem um lugar fixo. O pensamento nómada é portanto, por analogia, um pensamento que não parte da premissas pré-estabelecidas.

O pensamento clássico, o pensamento herdado de Sócrates e Platão, recuperado no renascimentos, e que marcou a modernidade até ao século XIX, tem com pricipal atributo, ou premissa:

a) há algo de bom na natureza que necessita de ser procurado, e essa procura/encontro é possível pelos humanso (os bons humanos, ou homens de boa-vontade)

b) que o que há de bom na natureza pode ser encoberto (ofuscado) pelas paixões. O corpo, os seus impulsos e sentidos não são, à priori, instrumentos adequados para procurar essa verdade

c) É necessário um método para captura e compreensão da verdade. O acesso à Bondade da natureza plena depende do rigor do método.

Através destas premissas o pensamento clássico, e moderno admite que é possível encontrar a verdade, como algo que existe independentemente do sujeito, através da aplicação rigorosa do método.  A verdade é algo que está inscrito na natureza e que pode ser revelado.

Mais, se o processo da atingir essa verdade depende dum método, que é um exercício de olhar o mundo através de instrumentos (metodologias) adequados, o pensamento é o processo que permite aos humanos alcançar a verdade.

A Verdade é algo que se situa fora do pensamento e do mundo das ideias e o pensamento é o processo que permite aceder a essa verdade, algo que é absoluto. A Verdade é uma realidade que se situa no mundo, num plano exterior das ideias e que pode ser acessível através da experiência metafísica do pensamento. A Verdade, revelada pelo pensamento, como experiência metafísica, apresaenta-se com algo de imaterial.

O pensamento nómada, alicerça-se no pensamento crítico, que afirma o caráter relativo da verdade, como algo de depende da perspectiva do processo de observação. Um mesmo fenómeno pode ser  apreendido de diversas formas por diversas pessoas e por diversos motivos. Cada ponto de observação e cada subjetividade terá uma apreensão diferenciada dum mesmo fenómeno.

O pensamento nómada flia-se por sua vez em Nietzsche Deleuze e Foucault.

Um campo onde se pode observar o pensamento nómada é o da produção artística.  Bataille, Passillini, Godard, entre outros são expressões desta transgressão de forma poética.

Comparando o pensamento clássico, platónico, que procura a mortificação do corpo para uma apreensão mais pura da verdade, o pensamento nómada convoca e encontra o corpo como um espaço de resistência aos dispositivos de poder (no sentido de Foucault) e o parte do corpo como exercício de libeertação..

Se o poder age sobre o corpo, interditando a sexualidade e comportamentos desviantes, é pelo corpo que o pensamento nómade irá ter um de seus campos de resistência.

O pensamento nómada não é apenas um pensamento metafísico. Ele é na sua essência um discurso e uma prática. Parte da experiencia (matéria) para atingir o pensamento, o relfxivo.

É só através do enfremento com o real que o pensamento é ativado em busca de alguma verdade (que é nessa medida sempre relativa).

Para Deleuze, “O que define o pensamento, as três grandes formas do pensamento, a arte, a ciência e a filosofia, é sempre enfrentar o caos, traçar um plano, esboçar um plano sobre o caos.” (2000, p. 252)

Se isto não é suficiente para tornar claro o que é o inesgotável tema que é o pensamento nómada, ele pelo menos permite verificar as suas  características anárquicas e antidogmáticas.

O posicionamento nómada mobiliza novas formas de existência, singulares, que não se encaixam em quaisquer categorias pré-estabelecidas, sendo a própria categorização um modo de querer enquadrar essa singularidade em um papel pré-estabelecido, da qual ele, em sua natureza de transgressão não procura.

Emigration and the Sea

1cdf1b18-ac15-400a-b9ee-13a42fa228e6Emigration and the Sea An Alternative History of Portugal and the Portuguese

Malyn Newitt

‘Nobody has previously attempted to distil 500 years of Portuguese diasporic history as Malyn Newitt has done here, not even in Portuguese. Eminently readable, and rich in detail and telling quotes, Newitt offers a fascinating and essential narrative.’ — Onésimo Almeida, Professor of Portuguese and Brazilian Studies, Brown University

Today Portuguese is the seventh most widely spoken language in the world and Brazil is a new economic powerhouse. Both phenomena result from the Portuguese ‘Discoveries’ of the 15th and 16th centuries, and the Catholic missions that planted Portuguese communities in every continent. Some were part of the Portuguese empire but many survived independently under other rulers with their own Creole languages and indigenised Portuguese culture. In the 19th and 20th centuries these were joined by millions of economic migrants who established Portuguese settlements in Europe, North America, Venezuela and South Africa – and in less likely places, including Bermuda, Guyana and Hawaii.

Interwoven within this global history of the diaspora are stories of the Portuguese who left mainland Portugal and the islands, the lives of the Sephardic Jews, the African slaves imported into the Atlantic Islands and Brazil and the Goans who later spread along the imperial highways of Portugal and Britain. Much of Portugal’s contribution to science and the arts, as well as its influence in the modern world, can be attributed to the members of these widely scattered Portuguese communities, and these are given their due in Newitt’s engrossing volume.

An impressive piece of work. Written in a lucid, economical style, Newitt offers a thorough survey of the history of Portuguese emigration to Europe, the Americas, the Atlantic islands, Africa and Asia. His book has many virtues: clarity in tackling a complex and contentious topic, an impressive amount of research into printed sources, a mastery of statistics, and well-argued theses about big questions such as the much debated contrast between creative forces in Portugal’s scattered, overseas empire vs. stagnation and decadence in continental Portugal.’ — Douglas Wheeler, Professor Emeritus of History at the University of New Hampshire

Emigration and the Sea cements Malyn Newitt’s reputation as one of the leading scholars of Portugal’s history of globalisation, in Africa and beyond. It is a beautifully written and timely contribution to the understanding of Portugal’s diasporic history, grounded in decades of research and thought.’ — Toby Green, Lecturer in Lusophone African History and Culture, King’s College London

Notes for a Sustentabele Development

In next few days W’ill work on the issus of Sustentable Development.

This MOOC provides an introduction to the interdisciplinary field of sustainable development, and draws upon the most recent developments in the social, policy and physical sciences. It describes the complex interactions between the world economy and the Earth’s physical environment, and addresses issues of environmentally sustainable and socially inclusive development. We aims to achive a broad overview of the key challenges and potential solutions to achieve development in the 21st century.

We writ on the basis of lesson and up dates Professor Sachs and the MOOC staff about any important course-related information.

  1. Lecture 1: What is Sustainable Development?
    1. Chapter 1: Introduction to Sustainable Development
    2. Chapter 2: Economic Growth and Progress
    3. Chapter 3: Continuing Poverty
    4. Chapter 4: Environmental Threats
    5. Chapter 5: Business As Usual Versus Sustainable Development
  2. Lecture 2: Economic Development – How We Measure It, How It Varies Around the World
    1. Chapter 1: Incomes Around the World
    2. Chapter 2: Urban/Rural Inequality
    3. Chapter 3: Income Inequality Within Countries
    4. Chapter 4: Measuring Wellbeing
    5. Chapter 5: Convergence or Divergence?
  3. Lecture 3: A Short History of Economic Development
    1. Chapter 1: Economic Development is New, Starting Around 1750
    2. Chapter 2: The Industrial Revolution Starts in England
    3. Chapter 3: The Great Waves of Technological Change
    4. Chapter 4: The Diffusion of Economic Growth
    5. Chapter 5: Economic Development Since World War II: The Making of Globalization
  4. Lecture 4: Why Did Some Countries Advance While Others Remained in Poverty?
    1. Chapter 1: The Idea of Clinical Economics
    2. Chapter 2: The Role of Physical Geography: Transport, Energy, Disease, Crops
    3. Chapter 3: The Role of Culture: Demography, Education, Gender
    4. Chapter 4: The Role of Politics
    5. Chapter 5: Which Countries Are Still Stuck in Poverty?
  5. Lecture 5: The MDGs and the End of Extreme Poverty
    1. Chapter 1: The Reasons to Believe that Extreme Poverty Can Be Ended
    2. Chapter 2: A Strategy to End Extreme Poverty in Africa
    3. Chapter 3: South Asia: The Continuing Challenge of the Food Supply
    4. Chapter 4: A Closer Look at Official Development Assistance
    5. Chapter 5:  Designing Practical Interventions: The Case of Millennium Villages
  6. Lecture 6: Growth within Planetary Boundaries
    1. Chapter 1: The Planetary Boundaries
    2. Chapter 2: Growth Dynamics
    3. Chapter 3: Growth and Planetary Boundaries: The Case of Energy
    4. Chapter 4: Growth and Planetary Boundaries: The Case of Food
    5. Chapter 5: Growth and Planetary Boundaries: The Case of Population
  7. Lecture 7: Human Rights and Gender Equality
    1. Chapter 1: The Ethics of Wealth, Poverty, and Inequality
    2. Chapter 2: Major UN Covenants and Declarations
    3. Chapter 3: Divided Societies
    4. Chapter 4: Forces of Widening Inequalities
    5. Chapter 5: Gender Inequity
  8. Lecture 8:  Education
    1. Chapter 1: Life-Cycle Approach to Human Development
    2. Chapter 2: Early Childhood Development
    3. Chapter 3: The Rising Returns to Education and the Supply Response
    4. Chapter 4: Social Mobility
    5. Chapter 5: The Role of Higher Education in Sustainable Development
  9. Lecture 9: Universal Health Coverage
    1. Chapter 1: The Human Right to Health
    2. Chapter 2: Poverty and Disease
    3. Chapter 3: Designing and Financing a Primary Health System in Low-Income Settings
    4. Chapter 4: Ten Recommended Steps to Health for All in the Poorest Countries
    5. Chapter 5: The Challenges of Health Coverage in High-Income Countries
  10. Lecture 10: Sustainable Food Supply and the End of Hunger
    1. Chapter 1: Malnutrition
    2. Chapter 2: Farm Systems, Ecology, and Food Security
    3. Chapter 3: How Environmental Change Threatens the Food System
    4. Chapter 4: How the Food System Threatens the Environment
    5. Chapter 5: Towards a Sustainable Global Food Supply
  11. Lecture 11: Sustainable Cities
    1. Chapter 1: The Patterns of Urbanization Around the World
    2. Chapter 2: What Makes a City Sustainable?
    3. Chapter 3: Smart Infrastructure
    4. Chapter 4: Urban Resilience
    5. Chapter 5: Planning for Sustainable Development
  12. Lecture 12: Curbing Climate Change
    1. Chapter 1: The Basic Science of Climate Change
    2. Chapter 2: Consequences
    3. Chapter 3: Mitigation
    4. Chapter 4: Adaptation
    5. Chapter 5: Mitigation Policies
  13. Lecture 13: Saving Biodiversity
    1. Chapter 1: What is Biodiversity?
    2. Chapter 2: Biodiversity Under Threat
    3. Chapter 3: Oceans and Fisheries
    4. Chapter 4: Deforestation
    5. Chapter 5: International Dynamics
  14. Lecture 14: The Proposal for Sustainable Development Goals at Rio +20
    1. Chapter 1: The Sustainable Development Goals
    2. Chapter 2: Goal-Based Development
    3. Chapter 3: Financing for Sustainable Development
    4. Chapter 4: Principles of Good Governance
    5. Chapter 5: Is Sustainable Development Feasible

XII CONLAB em Lisboa II

A Intervenção de Boaventura de Sousa Santos, na abertura do XII Conlab, questiona a questão do revisar, interrogando-se se a organização não pretendiam antes revisitar as ciências sociais.

Assume então esse propósito de revisitar as ciências sociais, ou melhor, os três contextos em que se fazia Ciência Social nos países de lingua portuguesa à 25 anos atrás

O primeiro contexto, o contexto imperial Portugal estava então em trânsito para a Europa, o Brasil em transição para a Democracia e os países africanos a braços com guerra internas. A questão do colonialismo interno também se colocava, sobretudo no Brasil.

Estavam pois diante de vários desafios, o de se inserirem em blocos nos respetivos continentes, sendo que a língua portuguesa era, para cada um deles um fator de isolamento em cada um desses espaço. A comunidade de Língua Portuguesas era então constituída por dois países de desenvolvimento intermédio e os outros, africanos,  periféricos. Timor vivia ainda em situação colonial. O contexto da CPLP era um contexto conturbado que exigia respostas `da Universidades. Recorde-se por exemplo, que nos anos noventa, os Relatórios do Banco Mundial consideravam que era inútil que os novos países africanos gastassem os seus escassos recursos a financiar instituições de Ensino Superior, considerando preferível que a formação ao nível superior fosse feita sobretudo nas universidades do norte

No entanto, as Ciências Sociais nos países de língua portuguesa aproveitaram as vantagens da transição nos diversos países e constituíram-se como uma comunidade, desenvolvendo-se de forma assinalável. Houve no entanto situações complexas. Há por exemplo mais centros no norte a falar sobre África tornando necessário descolonizar o conhecimento sobre África e construir uma ciência sem sentidos pós coloniais.

Em segundo lugar, o contexto do compromisso e da responsabilidade com a sociedade. Por exemplo o projeto Savana, que está a acontecer no centro de Moçambique, em que milhares de camponeses estão a ser deslocados das suas terras para as disponibilizar para o agro-negócio, envolve questões sobre o que é que os cientistas e a ciência podem contribuir para pensar os limites da ciência. Manter a a responsabilidade com a sociedade é uma das questões que está hoje na agenda das ciências Sociais em Língua Portugues

Em terceiro lugar, o desafio da Língua: Hoje a questão da língua constitui-se igualmente como uma reivindicação de um um lugar nas ciências e, em simultâneo um processo de luta contra o neo liberalismo do conhecimento. Isto não é nada de novo na ciência. No século XVI o latim constitui-se como uma língua de conhecimento, uma situação que chegou até tempos bem próximos de nós. As línguas nacionais, tal como já havia acontecido com a publicação da Bíblia em línguas vernáculas, constitui-se como uma plataforma de comunicação que permitiu e extensão do conhecimento. A língua é também se constitui como uma forma de conhecimento

Em síntese, nestes últimos 40 anos, as Ciência Sociais em Língua Portuguesa não se constituíram nem trabalharam temas únicos. Há por decerto algumas tendências. Das transições democráticas, as diferentes formas de guerra, as violências continuam no entanto a constituir um tema central que é necessário pensar.

Uma outra questão que se impões é a necessidade de descolonizar a biblioteca colonial. Nos 40 anos da independências africanas o conhecimento das ciências sociais ainda não incluiu os conhecimento locais e não se colocou, completamente, nos lugares dos colonizados e das vítimas das violências. É necessário intervir na sociedade com a diversidades dos saberes do mundo. É necessário que as agendas procurem o emergente. Procurar a partir dos conhecimentos locais afirmar o possível.

Teses sobre a História de Walter Benjamim -sobre os apêndices

Com estes dois apêndices, Walter Benjamim termina as suas tese sobre a História. como vimos nos postais anteriores totalizavam dezoito teses.

walterbenjamimarteepoliticaApêndice A
O historicismo se contenta em estabelecer um nexo causal entre vários momentos da história. Mas nenhum fato, meramente por ser causa, é só por isso um fato histórico. Ele se transforma em fato histórico postumamente, graças a acontecimentos que podem estar dele separados por milénios. O historiador consciente disso renuncia a desfiar entre os dedos os acontecimentos, como as contas de um rosário. Ele capta a configuração, em que sua própria época entrou em contato com uma época anterior, perfeitamente determinada. Com isso, ele funda um conceito do presente como um “agora” no qual se infiltraram estilhaços do messiânico.”

Walter Benjamin retoma e precisa neste primeiro apêndice a questão do significado do acontecimento para a teoria crítica da história. Não é o acontecimento, enquanto facto, que é relevante na história. É o seu encadear na formação do presente que o torna relevante. Enquanto parte duma complexidade que se insere na sua função ou missão messiânica. O messianismo em Benjamin é aqui a concretização da missão que permite a libertação do ser humano na sua luta contra a dominação e a opressão.

No apêndice B escreve:

Certamente, os adivinhos que interrogavam o tempo para saber o que ele ocultava
em seu seio não o experimentavam nem como vazio nem como homogéneo. Quem
tem em mente esse fato, poderá talvez ter uma ideia de como o tempo passado é
vivido na rememoração (ou comemoração): nem como vazio, nem como homogéneo mas sim como experiência.

Sabe-se que era proibido aos judeus investigar o futuro. Ao contrário, a Torá e a prece se ensinam na rememoração. Para os discípulos, a rememoração desencantava o futuro, ao
qual sucumbiam os que interrogavam os adivinhos. Mas nem por isso o futuro se converteu para os judeus num tempo homogéneo e vazio. Pois nele cada segundo era
a porta estreita pela qual podia penetrar o Messias.

Neste segundo apêndice a relação entre o messianismo e a experiência ou vontade de futuro surge com maior clareza. A rememoração da comemoração e o estudo é feito sobre o passado na procura de algo concreto. na procura do presente que se concretiza no momento como experiência.

Lisboa 23 de dezembro 2014

Teses sobre a Historia XVIII

Décima oitava tese sobre a Teoria da História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepolitica“Comparados com a história da vida orgânica na Terra”, diz um biólogo contemporâneo, “os míseros 50 000 anos do Homo sapiens representam algo como dois segundos ao fim de um dia de 24 horas, Por essa escala, toda a história da humanidade civilizada preencheria um quinto do último segundo da última hora.” O “agora”, que como modelo do messiânico condensa num resumo incomensurável a história de toda a humanidade, coincide rigorosamente com o lugar ocupado no universo pela história humana.”

Neste tese Benjamin detalha a questão do messianismo que abordara na tese anterior (17ª). Aqui chama-lhe modelo e resulta do agora. O presente tem em o si um significado. Um significado que vem do início do tempo, que se condensa no momento para a realização final do caminho ou marcha da humanidade. uma crença num destino final. Um questão crucial para a teoria crítica como instrumento de analise.

Teses sobre a História XVII

Décima sétima tese sobre a Teoria da História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepoliticaO historicismo culmina legitimamente na história universal. Em seu método, a historiografia materialista distancia-se dela talvez mais radicalmente que de qualquer outra. A história universal não tem qualquer armação teórica. Seu procedimento
é aditivo. Ela utiliza a massa dos fatos, para com eles preencher o tempo homogéneo e vazio. Ao contrário, a historiografia marxista tem em sua base um princípio construtivo. Pensar não inclui apenas o movimento das ideias, mas também sua imobilização. Quando o pensamento pára, bruscamente, numa configuração saturada de tensões, ele lhes comunica um choque, através do qual essa configuração se cristaliza enquanto mónada . O materialista histórico só se aproxima de um objeto histórico quando o confronta enquanto mónada. Nessa estrutura, ele reconhece o sinal de uma imobilização messiânica dos acontecimentos (do devir), ou, dito de outro modo, de uma oportunidade revolucionária de lutar por um passado oprimido.

Ele aproveita essa oportunidade para extrair uma época determinada do curso homogéneo da história; do mesmo modo, ele extrai da época uma vida determinada e, da obra composta durante essa vida, uma obra determinada. Seu método resulta em que na obra o conjunto da obra, no conjunto da obra a época e na época a totalidade do processo histórico são preservados e transcendidos. O fruto nutritivo do que é compreendido historicamente contém em seu interior o tempo, como sementes preciosas, mas insípidas.”

Novamente o problema da análise do presente na história crítica e da sua distinção do historicismo. Segundo Benjamin, o historicismo coleciona os eventos de forma acrítica. Preenche os espaços do tempo sem procurar entendendo-los na sua dimensão dialética, isto nas tensões que lhe estão subjacentes.

Para o historiador crítico, segundo Benjamin, é necessário pensar sobre o significado desse acontecimento. Mas o objetivo ultimo desse esforço é procurar a sua essência poética. Procurar o sua monada ou a configuração estrutural  que permite entender o porque que esses eventos se desenvolvem duma determinada maneira e não de outro (uma configuração saturada de tensões). Ou por outras palavras, porque é que são essências únicas.

Uma ideia curiosa sobre o devir é a sua correspondência à ideia messiânica.  Qualquer coisa que essencial que provem do tempo e se concretiza na história. A história não desenha a totalidade dos eventos, mas procura elementos significativos dessa totalidade para compreender o total.

Teses sobre a História XVI

Décima sexta Tese sobre a História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepoliticaO materialista histórico não pode renunciar ao conceito de um presente que não é transição, mas pára no tempo e se imobiliza. Porque esse conceito define exatamente aquele presente em que ele mesmo escreve a história. O historicista apresenta a imagem “eterna” do passado, o materialista histórico faz desse passado uma experiência única. Ele deixa a outros a tarefa de se esgotar no bordel do historicismo, com a meretriz “era uma vez”. Ele fica senhor das suas forças, suficientemente viril para fazer saltar pelos ares o continuum da história.”

Numa abordagem mais poética sobre o presente na história, Benjamin distingue a atitude sobre o presente do historiador crítico, que usa o materialismo como instrumento de análise, da atitude “romântica” do historicista. Para o historiador crítico o presente, enquanto momento vivido, constitui o ponto de partida da análise. O momento onde as forças sociais se confrontam. O passado é um campo onde essas forças se defrontaram  cujo resultado é observado no presente. A tarefa do historiador é procurar explicar essa força única, exclusiva do enfrentamento que está a acontecer. Essa crença no continuo, distingue-o do historicismo que olha para o passado como um repetição cíclica, incapaz de distinguir o processo.

Teses sobre a História XV

Décima quinta tese sobre a História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepoliticaA consciência de fazer explodir o continuum da história é própria às classes revolucionárias no momento da ação. A Grande Revolução introduziu um novo calendário. O dia com o qual começa um novo calendário funciona como um acelerador
histórico. No fundo, é o mesmo dia que retorna sempre sob a forma dos dias feriados, que são os dias da reminiscência. Assim, os calendários não marcam o tempo do mesmo modo que os relógios. Eles são monumentos de uma consciência histórica da qual não parece mais haver na Europa, há cem anos, o mínimo vestígio. A Revolução de julho registou ainda um incidente em que essa consciência se manifestou. Terminado o primeiro dia de combate, verificou-se que em vários bairros de Paris, independentes uns dos outros e na mesma hora, foram disparados tiros contra os relógios localizados nas torres. Uma testemunha ocular, que talvez deva à rima a sua intuição profética, escreveu:
“Quem acreditaria? Diz-se que os irritados contra a hora, novos Josués, ao pé de cada torr, atiravam sobre os quadrantes para parar o dia.

Numa nova abordagem sobre a qualidade do momento inicial, a qualidade do momento catalizador, a partir da qual o curso da história se reorienta, Benjamin aborda o tempo significativo. O tempo que se memorializa através da festa. O tempo com património histórico, recordado (celebrado) pela festa revolucionária.

Teses sobre a História XIV

Décima quarta tese sobre a História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepolitica“A Origem é o Alvo.”
Karl Kraus,  Palavras em verso
A história é objeto de uma construção cujo lugar não é o tempo homogêneo e vazio, mas um tempo saturado de “agoras”. Assim, a Roma antiga era para Robespierre um passado carregado de “agoras”, que ele fez explodir do continuum da história. A  Revolução Francesa se via como uma Roma ressurreta. Ela citava a Roma antiga como a moda cita um vestuário antigo. A moda tem um faro para o atual, onde quer que ele esteja na folhagem do antigamente. Ela é um salto de tigre em direção ao passado. Somente, ele se dá numa arena comandada pela classe dominante. O mesmo salto, sob o livre céu da história, é o salto dialético da Revolução, como o
concebeu Marx.

A questão do processo da história é aqui abordado por Benjamin como um campo de possibilidades. O passado apenas lhe interessa na medida é que legitima as leituras revolucionárias. A narrativa da utopia como possibilidade depende da ação dos sujeitos, e não das pré-determinações inatas.

 

Teses sobre a História XIII

Décima terceira tese sobre a História de Walter Benjamin

walterbenjamimarteepolitica
Nossa causa está cada dia mais clara e o povo cada dia mais esclarecido.”
Josef Dietzgen, Filosofia social-democrata
A teoria e, mais ainda, a prática da social-democracia foram determinadas por um conceito dogmático de progresso sem qualquer vínculo com a realidade. Segundo os social-democratas, o progresso era, em primeiro lugar, um progresso da humanidade em si, e não das suas capacidades e conheci-mentos. Em segundo lugar, era um processo sem limites, ideia correspondente à da perfectibilidade infinita do gênero hu-mano. Em terceiro lugar, era um processo essencialmente automático,
percorrendo, irresistível, uma trajetória em fle-cha ou em espiral. Cada um desses
atributos é controvertido e poderia ser criticado. Mas, para ser rigorosa, a crítica

precisa ir além deles e concentrar-se no que lhes é comum. A idéia de um progresso
da humanidade na história é inseparável da idéia de sua marcha no interior de um
tempo vazio e homogêneo. A crítica da idéia do progresso tem como pressuposto a
crítica da idéia dessa marcha.

Nesta tese Benjamin critica a ideia de progresso, que hoje será mais adequado chamar de desenvolvimento, e que Adam Smith procurou encontrar na sua obra sobre a Causa da Riqueza das Nações. Uma ideia que rotula social-democrata onde tem base na crença do continuo , infinito e ilimitado(do consumo, do conhecimento, dos recursos). Um progresso em espiral sem retorno. Como sabemos, pela experiência recente, isso não se verifica necessariamente, nem é automático. Defende Benjamim que o pensamento critico sobre a ideia de progresso deve ser pensado fora dele. É portanto necessário pensar o desenvolvimento fora desse desenvolvimento.