Arquivo da categoria: Saúde Global

Doenças infecciosas em Crianças : Saúde Global XII

Doenças infecciosas em Crianças com foco nas diarreias e pneumonias

Neste artigo abordamos as doenças infecciosas nas crianças. Constituem um grupo mais vulnerável às diarreias e pneumonias, duas doenças com maior taxa de mortalidade e morbilidade. De seguida abordaremos as suas formas de tratamento, na diarreia através de soluções orais e soluções de intromissão, no caso das pneumonias, através de corticóides ou outras formas de tratamento Abordaremos as formas de prevenção, através das condições da sanidade, da vacinação. Por fim alguns tópicos sobre a malária, uma doença contagiosa com elevada incidência em África.

Diarreias e pneumonias

Nos países de baixo rendimento as doenças em crianças são bastantes comuns. As deficientes condições sanitárias e de abastecimento de água dão origem a frequentes diarreias e pneumonias. No gráfico abaixo pode-se observar a prevalência destas duas doenças no mundo actual. Ocupam a maior para do espaço, ainda quem em alguns lugares de África a malária seja predominante.

A diarreia provoca uma forte desidratação e a perda de líquidos pode conduzir à morte. Um criança em desidratação é também mais vulnerável a outras infecções. Os sintomas são fáceis de visualizar. Um estado de prostação, olhos ausentes, uma respiração rápida. É uma criança que não urina. Por vezes suam e as mães põem lama para secar, não se dando conta que isso ainda seca mais a pele.

Crianças em desidratação foram durante muitos anos um problema nos países quentes. Assim como no verão, a ocorrência de diarreias. O que é comum hoje nos países de baixa renda, foi comum no passado quando havia menos condições de saneamento. Também as crianças resistem de modo diferente dos adultos à falta de água e aos micróbios. O não beber água durante algum tempo pode ser normal para uma criança. A desidratação é normalmente tratada com soro. Uma solução intra-venosa que rapidamente recoloca os líquidos perdidos, seja por sede, seja por rejeição da água em caso de diarreia. Nos paíse mais pobres, no entanto essa é uma solução que nem sempre é viável. Ou não está disponível ou é cara, ou não existe pessoal preparado. É necessário entubar, colocar uma agulha na veia, e alguém que o saiba fazer.

Tratamento

Por essa razão é necessário saber que existem soluções orais que podem ser usadas. Por exemplo, num caso de cólera, é quase sempre necessário proceder à hidratação do paciente, o que muitas vezes só é viável através de soluções orais. Uma solução de cloreto de sódio ou bicarbonato de sódio, ou cloreto de potássio são boas administrações, que existem em saquetas preparadas. Alguna alimentos tem alguns minerais necessários que ajudam a fixar elementos. Por exemplo a banana tem potássio, que ajuda a fixar os líquidos. Por vezes é importante dar água com açúcar para aumentar a glucose. O importante nestes casos é hidratar para evitar o colapso do indivíduo.

Para saber, por exemplo, a quantidade de líquidos perdidos numa diarreia, é útil ter uma marquesa com um balde por baixo. A quantidade de líquido perdida é normalmente a quantidade de líquidos a repor no organismos. Uma das causas das diarreias frequentes é a má nutrição A desidratação dá prostração e alguma perda de apetite e a criança não come. Nem sempre os adultos vigiam a alimentação das crianças e não reparam que entram em marasmo.

Prevenção

A melhor forma de prevenir a necessidade de comer adequadamente e manter uma ingestão de líquidos adequados é através da educação na comunidade. A educação para a saúde ajuda todos a compreender os problemas e a desenvolver uma maior consciência sobre os diferentes sinais que podem indiciar problemas com diarreias e pneumonias. Há casos onde os problemas se colocam com um risco mais elevado. No caso deo campos de refugiados, onde as condições de vida nem sempre são adequadas, há que ter uma particular vigilância no domínio da alimentação e hidratação das crianças.

A pneumonia é outra das doenças que mais afetam as crianças. Causam problemas respiratórios graves e normalmente necessita de ser tratada com antibióticos. Apesar de haver várias vacinas que previnem diversos problemas respiratórios, é necessário perceber que várias doenças também dão origens a problemas respiratórios. A vacina para a tosse convulsa, para a difteria ou para o sarampo são tem alguns efeitos preventivos para prevenção de dos problemas respiratórios. Algumas vacinas anti-gripais que actualmente são desencolvidas constituem um instrumento eficaz nas infecções respiratórias.

Malária

Finalmente o caso da malária que em alguns sítios é particularmente severa com as crianças. Apenas a fêmea é infecciosa, quando retira sangue para alimentar. Os mosquitos podem ser identificados pelas sua parta com listas brancas. Nestes casos podem se tomadas medidas de prevenção, como evitar as horas de maior contágio (amanhecer e entardecer), usar roupas de protecção e dormir protegido. Usar repelentes e evitar concentrações de águas paradas.

Novas e reemergentes doenças infecciosas: Saúde Global XI

Novas doenças infecciosas e reemergências

Neste artigo vamos abordar as questões sobre as mais recentes mudanças no campo das doenças infecciosas e como estão a acontecer essas mudanças. De seguida abordaremos o factores de risco no processo de globalização e finalmente aborda-se o caso do HIV/Sida, como exemplo das mutações que estão a acontecer no campo das doenças infecciosas.

Mudanças

As doenças infecciosas entre os seres humanos tem vindo a crescer nos últimos trinta anos, e a tendência é para aumentarem nos próximos anos, bem como surgiram mais tipos de doenças infeciosas e reemergiram velhas doenças com mais virulência. Há já novos tipos de doenças, como o HIV/SIDA o SARS (Síndroma Respiratório Agudo Grave) ou a Doença de  Lyme (Lyme deseas), o virus Nypah ou a gripe H5N1 ou H1N1. Estas novas doenças aparecem por vezes em novos lugares e outras vezes ao mesmo tempo em vários sítios. Quando são doenças já conhecidas em outros lugares toma o nome de reemergentes, como é o caso do  por vírus West Nile (Flavivírus) ou o Monkypox (o pox virus do macaco). Algumas  das doenças que já são conhecidas, por sua vez, tornam-se resistentes aos tratamentos, caso da malária, a tuberculose multi resistente, algumas pneumonias bacterianas ou mesmo algumas doenças sexualmente transmissíveis.

Há alguns fatores que motivam estas mudanças. Aumento da população, aumento da taxa de urbanização e da sua densidade, infraestruturas de água e saneamento débeis ou em colapso, migrações e diversos problemas sociais, a produção industrial de alimentos e a concentração da sua comercialização, mudanças climáticas, mau uso dos antibióticos e dos medicamentos, mudanças culturais e mesmo alterações nas políticas públicas. São fenómenos que tendem a aumentar.

Fatores de risco

A população mundial , estimada no ano de 2000 em cerca de 6, 1 biliões, em cinquenta anos irá situar-se entre 9,4 e 11, 2 biliões. A taxa de urbanização era em 2000 de cerca de 47 &, deverá ser em cinquenta anos de 60 a 65%. há medida que a população aumentar irão também aumentar o contacto e a circulação de seres humanos. É também facilmente previsível que as condições ambientais se alterem com estes fluxos.  Haverá certamente novos vírus a emergirem. São problemas que incidirão sobretudo nos países menos desenvolvidos aumentando os seus problemas. Por exemplo, nestes países, há ainda cerca de metade da população que vive em zonas rurais sem abastecimento de água e sem saneamento. A atividade de ir buscar água, nestas sociedade, é normalmente um papel desempenhado pelas mulheres. Isso aumentará o seu risco. Também o transporte de água das fontes para as cidades, muitas vezes feitas em sistemas pouco eficientes em termos de higiene é um risco que está a aumentar. Não será apenas a limitação dos recursos de água disponível, mas também os riscos da sua contaminação que poderão aumentar no futuros.

A disponibilidade de água é vital paras as comunidades humanas. Quer para o seu consumo, quer para as questões de saneamento. É cada vez mais claro que más condições de saneamento, nomeadamente a defecação em céu aberto está ligado à má nutrição de crianças que constitui um problemas adicional.

O aumento dos movimentos de pessoas é uma oportunidade para os vírus viajarem com mais facilidade. Por exemplo o Ébola pode passar dum país para outro em poucas horas, antes que qualquer sistema de alerta possa ser implementado.  Todos os lugares do mundo estão hoje ligados em pouco tempo.

A questão da produção alimentar, com base na industrialização tem contribuído para um notável aumento das disponibilidades alimentares no mundo. Há mais cereais e carne. Mas esta produção também resulta do aumento do uso de antibióticos, que vão contaminando os alimentos e as diversas cadeias alimentares. Hoje é diferente consumir leite ou produtos da horticultura produzidos localmente do que consumi-los em espaços comerciais que os recebem não se sabe bem de onde nem em que condições foram produzidos. Todos conhecemos as condições de produção da frangos ou porcos em ambiente industrial. Uma doença que surge, e surgem com cada vez maior frequência, implica o abate de toda a produção.  Se em alguns países esse abate é acompanhado pelos serviços públicos, em países com uma menor vigilância ou com um nível de corrupção mais elevado, as possibilidades de uma produção contaminada chegar ao mercado é maior.

As alterações climáticas também estão a afectar os habitats naturais. Por exemplo os mosquitos vivem em ambientes quentes e húmidos. O aquecimento global está a levar a uma ampliação dos habitats favoráveis para os mosquitos, que ampliam a incidência e ou a mutação das viroses

O uso indiscriminado de antibióticos, nos últimos 70 anos, está a produzir uma crescente resistência e a mutação do mundo biológico criando organismos resistentes.

O tratamento desta novas doenças é bastante mais caro. Por exemplo, a tuberculose multi-resistente tem um tratamento bastante mais dispendioso do que a tuberculoso comum. A artemisa, que era uma droga usada para tratar a malária, está a conhecer novas formas de resistência que dificultam o tratamento da doença. O mesmo da tetraciclina para tratar a cólera, a gonorreia multi resistente. E o resistente staphylococci que se transformou num problema nos hospitais de hoje e que está a infectar milhares de pessoas.

O Caso do HIV/SIDA

O caso do HIV/SIDA é um caso que ilustra bem o que está a suceder neste domínio das mutações das doenças infecciosas. O HIV é uma nova doença, que terá sido passada para humanos na África sub-sariana. Será uma doença endémica nas espécies dos grandes símios e terá passado por contágio para os seres humanos. É uma doenças que se transmite por contágios, do sangue ou da saliva. A pratica de atos sexuais potencia as possibilidades de transmissão. O que é surpreendente nestas doenças é que ela, tendo surgido nos anos oitenta, em cerca de uma década, rapidamente se expandiu, contagiando um elevado número de pessoas em todo o mundo. Sendo mais incidente nalgumas áreas (por exemplo na África oriental, onde se tornou epidémica), ela tornou-se uma infecção em todo o mundo.

É um caso de zoonose. Uma infecção que passa de um animal para o ser humano, tendo-se o microorganismos adaptado ao ser humano. A questão que interessa, para compreender este nosso problema das novas doenças infecciosas, é porque é que ele surge mais ou menos ao mesmo tempo em vários lugares do mundo, porque se espalhou tão rapidamente, não só globalmente, mas tão heterogeneamente, e que tipas de medidas de proteção podem ser tomadas.HIVmundo

Por exemplo, a sua expansão em África, tendo surgido por volta de 1984 e atingido o seu apogeu em 1999, a doença expandiu-se de forma muito intensa mas, olhando para a sua distribuição no mapa sub-sariano, mais numas regiões do que noutras.

É claro que o modo de infecção é feito pelo sangue, por transfusão ou por uso de seringas não esterilizadas. Por relações sexuais não protegidas. no caso das relações sexuais, a multivariedade de parceiros é um factor de crescimento da probabilidade de infecção. Pode passar pelo leite materno de mãe para filho.

Há na questão da prevenção uma interessante questão que se prende com a circuncisão masculina. A circuncisão masculina é uma prática antiga em África. todavia na África austral, onde a prática da circuncisão é menor, a incidência do HIV foi maior. Isso poderá esta relacionado com o modo de infecção, através da prática sexual. O indivíduo circuncisado, estará mais protegido pela células do prepúcio que produzem um pappilomavirus que evitam uma maior incidência do contágio.HIVAFRICA

Sendo um prática cultural, a circuncisão é antiga. Se contribui para evitar o contágio é importante conhece-la, mas não constitui uma prevenção eficaz. Muitas das doenças infecciosas tem uma maior incidência em situações em que os determinantes sociais são mais frágeis. As condições socioeconómicas, a violência doméstica, o estatuto da mulher, o tipo de trabalho, a condição de migrante, as práticas sexuais são todo um conjunto de condições culturais que influenciam o contágio e a disseminação das doenças infecciosas. em sáude pública é fundamental não envolver as questões dos valores e da ética das comunidades em que se trabalha ou com o caracter moral do paciente que padece duma determinada patologia.

A questão dos tratamentos dos doentes com HIV coloca este tipo de problemas. Sabemos que as relações sexuais e a troca de seringas aumentar a probabilidade de contágio. Para reduzir essa probabilidade era necessário que as relações passassem a ser protrgidas e a partilha de seringas evitada. Um processo que foi melhor implementado nuns locais do que noutros, através de programas caros, mas nem sempre é fácil de o fazer.

Por outro lado, no caso do HIV há também a questão do diagnóstico da doença. Dada a infecção, após as primeiras 3 semanas de elevada virulência de contágio e sem sintomas, o vírus hiberna por várias semanas ou anos para de seguida ir aumentando a sua capacidade de contágio. São factores que dificultam o rastreio da doença e a sua prevenção, pois durante o período de redução da virulência do vírus, a possibilidade de não ser diagnosticado em análise existe. Em teoria um indivíduo poderá estar durante um tempo bastante grande a ser portador e transmissor das doenças sem o saber e sem tomar medidas de protecção, dele e dos vários parceiros.

HIVContagio

Como prevenção de contágio pós-exposição tem sido eficaz administrar nevirapina. Por exemplo para prevenir o contágio entre mãe e filho em processo de aleitamento. Há outros processo profilácticos podem ser administrados retrovirais, principalmente a grupos de risco. Um ato médico a ser seguido por profissionais.

Zoonoses e Doenças Infeccioasa : Saúde Global X

Zoonoses

Neste artigo abordamos a questão das zoonoses. Primeiramente definimos o conceito, em segundo ligar abordamos o seu desenvolvimento, em terceiro as estratégias de controlo e finalmente analisaremos os seu impacto económico.

Zoonose é uma infecção ou uma doença infecciosa que é transmitida de forma normal e em condições naturais dos animais vertebrados para os seres humanos. O agente infeccioso usa um veículo de transporte. Podem ser enzoóticas ou endémicas, que afetam animais de uma dada região, epizooticas ou epidémicas, que ocorrem em determinados períodos ou que são prevalecentes num determinado numero de animais num determinado tempo. Podem ainda ser zooantropnoses, que constituem doenças humanas transmitidas aos animais.

As formas de transmissão das zoonoses também diferem em relação ao tipo. Podem ser de transmissão direta, através dum contato íntimo com um animal infectado, através duma mordidela, através dum arranhão, um esguicho de fluido corporal ou material fecal. Através da inalação de cheiros ou outro processo de inalação de resíduos; ou de transmissão indirecta, por um vetor artrópode (insecto). Mosquitos, Baratas, moscas ou outro animal que transporte um determinado produto duma animal infectado para o ser humano. Um termo que nos deve ser familiar é as espécies de salto (species jumping), que é a transmissão de uma animal para o ser humano, seguido a transmissão entre seres humanos. E esta é o grupo que é mais relevante para o estudo das doenças infecciosas com efeitos epidémicos, como o ébola, o HIV/SIDA, o SARS, a Gripe das Aves e a Gripe dos Porcos

O SARS (Sindroma Respiratório Agudo) conhecido como a Pneumónica Asiática é uma doenças severa que à alguns anos atrás paralisou o mundo. É provocada por um vírus particular chamado coronavírus, uma mutação de RNA de um vírus que está hospedado num lince (que se encontra na Ásia e em algumas zonas de África) que é vendido em alguns mercados na China. A crise que ocorreu deveu-se à infecção dos linces por morcegos. Quando os linces foram abatidos, esguichos de sangue salpicaram ou por inalação, passou para um ser humano, que depois transmitiu a outros seres humanos gerando a febre peneumónica. A doença teve uma maior incidência no sudueste asiático, mas por via de Hong-Kong acabou por se dissiminar por várias partes do globo.Não chegou a ser uma pandemia, mas teve condições para o ser.

A última das pandemias foi o Ébola. Particularmente devastador em África. O processo de contaminação é feito através contagio de fluidos corporais, tal como o sangue ou a saliva. Não parece que haja contágio através das vias aéreas (respiração ou espirro). Através do contágio fica-se doente. Não se tem a certeza da forma como se iniciou a epidemia, mas pensa-se que o contágio desse vírus particular foi feito através do morcego da fruta. Terá sido através da alimentação desses frutos contaminados que a doença se terá difundido entre humanos, e entre estes, por via de contágio de fluidos. Foi um animal que contagia um alimento, que depois contagia um ser humano que por sua vez espalha a doença.

ebola

Uma outra doença o Virus Nipah (Nipah viurus)  que tem origem nos morcegos gigantes da fruta. É uma doença nos dias de hoje com uma fraca incidência, que se registou sobretudo na malásia, e que se registou em árvores de fruto. A região era povoada por varas de procos que se alimentavam de fruta caída. Os porcos desenvolveram a infecção através da fruta contaminada do chão. Os porcos quando foram abatidos passaram a doença para os humanos. O vírus passa do morcego para a fruta, da fruta para os porcos e dos porcos para os seres humanos, que por sua vez a disseminaram entre si. Dos cerca de 250 casos de infecção, a taxa de mortalidade foi cerca de 50 %, numa epidemia entre 1998 e 1999. Para além disso, os porcos doentes que foram levados para o mercado, sem que os compradores suspeitassem das doenças, contraíram através do seu consumo peneumonias.

Esse é um fenómeno que já não se manifesta na Malásia, que acabou com a industria de carne de porco, que na altura assumia uma certa dimensão, por causa desta epidemia. No entanto, no Bangladesh também há surtos desta doencça Nipah, embora não haja criação de porcos, uma vez que como país muçulmano não se consome essa carne. Pensa-se que aqui o vetor de transmissão será na mesma o morcego, através do sumo de palma (sure) que os agricultores produzem. Como o sumo é douçe, os morcegos devem bebe-lo dos potes e através da defecação, contagiar o sumo, que depois de bebido, passa para o ser humano. Tal como no caso da malásia, a taxa de mortalidade é elevada, cerca de 50 %, chegando nalguns casos aos 60 %. Os sintomas são os de uma meningoencefalite que se manifesta no cérbero. Algumas medidas que impedem os morcegos de beber o sumo, como por exemplo tapar os potes com esteiras de bambu, tem permitido diminuir eficazmente a manifestação da doença. Também aqui do morcego para o sumo, do sumo para o ser humano e entre eles a disseminação, embora apenas através de contactos íntimos e da gotículas de saliva. É necessário estar muito próximo do indivíduo infectado para apanhar a doenças.

Como se controlam as doenças infecciosas.

processosdecontagio

No diagrama acima pode-se ver a relação entre os diferentes processos de transmissão e emergência de doenças infecciosas entre animais e humanos. Elas podem ocorrer entre vida selvagem e animais domésticos (e destes para seres humanos) como também podem ocorrer directamente entre animais selvagens e seres humanos. Todos eles podem interagir entre si. Processos de industrialização alimentar, viagens, urbanização ou manipulação genética são factores de risco. Mas igualmente a interacção entre animais selvagens com animais domésticos, com os quais tem relações genéticas de proximidade, podem dar origem a transmissões que se podem transmitir para os seres humanos. É necessário estar atento as estas relações e criar diferentes estratégias para minorar cada uma das possibilidades enunciadas.

As maiorias das doenças infecciosas emergentes, na maioria dos casos, estão relacionadas com zoonoses e são mutis caras de solucionar. Por exemplo a Febre das Vacas Loucas nos anos noventa, produziu um prejuízo de cerca de 9 bilhões de U$. A Nipah, na Malásia cerca de 540 US e a SARS, que começou na Cinha mais de 50 bilhões de U$. A Gripe Asiática (Swine Flu) conhecida como H5N1 produziu biliões de dólares. Uma outra gripe, conhecida como Gripe dos Porcos (H1N19 produziu um impacto económico desatrozo no México. Para além do abate dos procos, registou-se uma perda nos resultados turísticos de nos fluxos internacionais, devido ao cancelamento de viagens.

O impacto das zoonoses tem sido crescente no mundo atural. Há um programa da Nações Unidas “one health” que tem como objetivos relacionar a saúde humana com a saúde animal e minorar os seus impactos negativos