Arquivo da categoria: Lectures / Readings

Lectures Abaut Transition

“A transition to a low-carbon circular economy” foi o tema do Seminário de Peter Tom Jones  em 3 abril 2013, no Ciclo de Conferências no Teatro Maria Matos Abril que se realizou entre abril e  junho 2013. Peter Tom Jones integra a Rede de Transição, que noutros lugares abordamos.

Estas são as notas de leitura da conferencia

Trabalha a gestão da transição para um novo paradigma. É necessário uma transição dos paradigmas da energia, dos materiais, das fincas e da cultura & educação com bas em três usos sociais. A habitação, a alimentação e a comunicação/transportes.

A análise da sustentabilidade da transição deverá estar alicerçada num processo de aproveitamento de oportunidades, de explorar as soluções possíveis, de experimentar fórmulas alternativas através da construção de cenários. Fazer a transição é aplicar novos modos de fazer.

As iniciativas de transição devem ter por base uma análise custo benefício. No sistema sócio territorial do ambiente, no sistemas sócio territorial da cultura e deve alicerçar-se no nicho de inovações. Aproveitar as oportunidades é antecipar as necessidades do sistema.

A inovação para a sustentabilidade é uma inovação 2.0. Deve resolver o paradoxo da sustentabilidade. A inovação que está a ser produzida não está a produzir a sustentabilidade. Mas sem inovação não é possível a sustentabilidade.

Compreender os desafios da sustentabilidade é responde às necessidades de inovação:

  • No sistema de saúde e bem-estar
  • No sistema de segurança alimentar
  • No sistema e eficiência energética
  • No sistema de uso de recursos naturais e impacto climático
  • No sistema social para criação de sociedades inclusivas e seguras

Através das inovação estão a surgir novos negócios: Minas urbanas, ecodisign, partilha de serviços (tipo car-sharing, machinary-sharing). A transição implica a criação de modelos de mudança cultural

O que é que estamos a Transitar

Modelo de Consumo energético com base no carbono

  • Consumo intensivo de petróleo
  • Elevada emissão de Carbono
  • Elevado impacto ambiental

Modelo Social assente no consumo de recursos

  • Modos de vida assentes no consumo de massa
  • Busca de bem-estar alimentado pelo uso intensivo dos recursos produzidos pela economia do carbono
  • A crença do crescimento infinito do uso dos recursos

Princípios

  • Não sabemos tudo
  • Precisamos de mudar do sistema energético do carbono para um sistema verde
  • Agir colectivamente

Outros Problemas

  • O modelo energético corresponde um modelo económico. Apoiado nos mercados financeiros.
  • Os problemas da soberania alimentar
  • Alterações climática e o problema da água
  • Modos de agir: Contra a violência sobre as mulheres e minorias. Novas formas de democracia participativa, desmilitarização.
  • Democratização dos meios de comunicação.

Museus de Macau e Lusofonia

A relevância dos museus de Macau para a rede de museus da Lusofonia

artigo escrito em Julho de 2014 para Plataforma Macau 

Os museus como espaço de encontro constituem um dos mais relevantes desafios aos museus no nosso tempo. A cidade de Macau, com os seus vinte e um museus e espaços de memória constitui um espaço da maior relevância neste encontro entre o oriente e o ocidente. Um encontro que advêm da partilha de heranças e memórias comuns. Este texto propõe, a partir duma reflexão sobre os espaços museológicos de Macau, a constituição duma rede de encontro e reflexão que integre dos profissionais de museus dos países e comunidade lusófonas.

No seio o ICOM – Internacionl Council of Museums tem-se vindo a valorizar os processos de relação entre os profissionais e museus que mostrem o grande potencial que existe no reconhecimento da diversidade na construção do progresso e do bem-estar entre os povos do mundo.

Um dos elementos que favorece o encontro da diversidade é o uso de uma ferramenta de comunicação comum. A valorização destas heranças comuns, que se concretizam no uso do português, transforma-se numa ferramenta de reconhecimento da identidade. A enunciação dos discursos transporta consigo os sons das heranças. O Português é hoje no mundo uma forma de expressão de milhões de seres e assume, na sua diversidade formas de enunciação do mundo que enriquecem os processos de encontro. Falta no entanto, no mundo dos museus, um canal que permita estabelecer relações mais fluidas e constantes entre os profissionais dos diferentes lugares de memória. Verifica-se a ausência de rede de comunicação inter pares, tal como tem vindo a suceder noutras áreas profissionais.

A reunião em Lisboa, em setembro de 2011 do VI encontro de Museu de Países e comunidades de língua portuguesa constituiu um primeiro passo para a criação dessa rede que importa ampliar.

Neste encontro de Lisboa estiveram pela primeira vez reunidos, para além dos profissionais de museus dos países da CPLP, profissionais de comunidade que usam o português como instrumento de comunicação. Essa abertura permitiu que nele estivessem representadas diversas comunidades que partilham essa herança comum representada pela língua.

A reunião permitiu igualmente o encontro e a partilha de experiencias entre os profissionais de museus. Uma partilha que permite criar laços entre pessoas, instituições e processos, que se constituem muitas vezes como elementos catalisadores de experiencias inovadoras nos diferentes lugares.

O encontro de Lisboa constitui um primeiro embrião duma rede de profissionais de museus da lusofonia que permitirá consolidar os processos de troca e encontro entre os profissionais. Uma rede que tarda em consolidar-se e em concertar os interesses dos atores na relevância dessa plataforma com instrumento de comunicação entre profissionais.

A Região Administrativa de Macau esteve representada neste encontro por Chan I Un, conservadora do Museu Marítimo de Macau. Chan, ou Jessica como pediu que a referissem, mostrou na sua intervenção[i] a relevância dos museus de Macau para o reconhecimento da sua herança. Os benefícios destes espaços de memória são importantes, quer para os naturais da cidade, quer para os seus novos habitantes que aí encontram espaço para construir as suas vidas. Segundo Chan, os museus de Macau constituem um dos elementos desse encontro entre as heranças do passado e a construção do presente.

Um dos desafios aos museus de Macau, como espaços de encontro entre as heranças do território e os serviços que podem prestar à comunidade no presente encontra-se na gestão das suas memórias. Os vários museus que existem, e não será fácil contabilizar o seu número, são eles próprios uma herança do passado. Na sua maioria são criados entre meados dos anos oitenta e a transição da administração do território para a Republica Popular da China em 1999.

Foram tempos de grandes investimentos em infraestruturas e equipamentos. A construção de obras públicas levou a criação de uma forte dinâmica de modernização no território que criou a perceção de que a tradição se estava a perder. Essa perceção da mudança, que induz à consciência da perda de elementos patrimoniais, traduz-se numa vontade de conservação, que leva à produção de narrativas e coletas sobre os elementos essenciais do que se presente sobre o que se está a transformar. Não se estranha portanto que vários equipamentos museológicos, quer de natureza pública, quer de natureza provada tenham surgido, mostrando uma leitura sobre um mundo em mudança.

Essa diversidade de equipamentos leva à dificuldade de distinção entre o que se pode ou não classificar como museu. Na verdade entre a definição do ICOM, em que um museu “é uma instituição permanente sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público, que adquire, conserva, investiga, comunica e expõe o património material e imaterial da humanidade e do seu meio envolvente com fins de educação, estudo e deleite”, e a simples galeria de exposições com a apresentações de objetos curiosos, passando pelos parques de ciência e espaços naturais, quase todo o espaço visitável pode ser incluído na categoria de museu.

Uma dificuldade que aumenta quando se considera, por exemplo, que uma das componentes da função social dos museus é estar ao serviço das atividades turísticas. A integração dos equipamentos culturais nos circuitos e rotas turísticas tem vindo a ser considerado uma das formas de aumentar a utilidade social dos museus.

O consumo e os processos de gestão dos equipamentos culturais, sobretudo os museológicos, têm vindo a ser muito relacionados com os processos de produção do lazer e do turismo. Esta tem sido considerada uma das formas de valor de usos dos espaços.

Esse uso social também induz uma pressão muito forte para que as atividades dos museus apresentem um serviço à comunidade através da organização de exposições que aumentam a atractibilidade do espaço. As novas tecnologias, por exemplo, tem vindo a propor novos processos narrativos para a construção de exposições. Exposições temporárias, que podem ser partilhadas em redes e que acabam em muitos casos por se constituir em alternativas às exposições de longa duração.

No caso de Macau, dos seus museus e na sua relação com a comunidade, todas estas questões levantam uma óbvia necessidade de resolução da questão da gestão da sua memória coletiva em função dos novos tempos. Sendo certo que estes equipamentos transportam uma visão desse passado, que no presente se quer assumir como herança, também é necessário que estas narrativas assumam a modernidade e a inovação do novos tempos. Uma modernização das narrativas que incluam agora o novo posicionamento das comunidades, assegurando a manutenção das suas heranças, e assumindo a construção da inovação.

É nesse sentido que assume espacial relevância a participação dos profissionais de museus de Macau, numa rede de profissionais de museus da lusofonia. O caso de Macau, onde as memórias se cruzam entre a tradição e a modernidade é uma questão essencial para assumir o museu como espaço de encontro.

Assumir a rede como local e espaço de encontro entre profissionais e instituições de memória, permitirá, por um lado manter essa ligação aos processos de herança que são comuns, ao mesmo tempo, que a partir do reconhecimento da modernidade, vem introduzir nessa rede o seu contributo para a especificidade dessa herança. Uma herança que é construída a partir do mundo chinês.

A rede de profissionais de museus da lusofonia poderá responder, a partir do seu encontro a questões s sobre quem somos, o que queremos fazer, como o queremos fazer e como o podemos fazer juntos. A participação dos museus de Macau nesta rede pode ser um contributo relevante para construir um olhar sobre o trabalho de mediação entre os objetos museológicos e patrimoniais, como os visitantes e com o território onde se inserem.

Pedro Pereira Leite – Museólogo (Ph.D) – ICOM Portugal (pedropereiraleite@ces.uc.pt)


[i] Chan I Un (2012). “Museu, Desenvolvimento e Comunidade: o caso de Macau” in Atas do VI Encontro de Museus e Comunidades de Países de Língua Portuguesa, Lisboa, Edição ICOM –Portugal, pp 195-204

Ecomuseus e inovação museológica

A questão dos ecomuseus, segundo a proposta de Hugges de Varine é um novo conceito de museus colocado em prática na década de 1970 em França.

A ideia de Ecomuseu é fazer com que a comunidade se tornem ema atores do processo museológico, intervindo nas suas diferentes fases, desde a conceção, execução, manutenção. do mesmo. Trata-se dum projeto em que o museólogo de assume como um dinamizador do desenvolvimento da comunidade.

O termos surge publicamente em 1971 em Dijon na 9ª Conferência Geral do ICOM. O termo “ecomuseu” terá sido criado por Hugues de Varine e Georges Henri Rivière, e Serge Antoine, conselheiro do presidente do Município de Dijon.

Integrado nas questões em debate sobre ecologia e os modos de ajustamento das atividades humanas ao ambiente, ecomuseu o conceito procura responder à necessária ligação do ser humano à natureza e à cultura presentes numa determinada paisagem.

Usado como instrumento de planeamento territorial em França, como forma de revitalizar paisagens em regressão demográfica, os Ecomuseus equacionam o uso do território como espaço de lazer e a manutenção dos seus diferentes patrimónios

O primeiro ecomuseu é implementado em 1971 na “Maison de l’Homme et de l’Industrie” em Creusot, o que pode ser considerado de protótipo de ecomuseu, onde a ideia era levar os visitantes a tomar iniciativa e a apropriar-se das acções do museu.

Segundo Henri Rivière, “L´Ecomussée un modele evolutic”, 1992, o conceito de ecomuseu é evolutivo e deverá acompanhar a evolução da comunidade e ajustar-se aos diferentes tempos enecessidades.

As diferentes definições do termos dadas por Riviere refletem essa mesma evolução. Em 1973, o ecomuseu caracterizava-se como um novo género de museu que tinha como base a interdisciplinaridade entre a ecologia, a dinâmica da comunidade, e o seu funcionamento orgânico.

Três anos depois, essa definição é revista, acentuando-se a “vontade de museu” como algo que inrrompe num determinado local, que se implante, constituindo un núcleo primário que vai criando alianças com grupos preexistente que produzem uma relação entre a comunidade e o meio ambiente, no tempo e no espaço. Estes grupos são elementos secundários do museu, mas asseguram a participação do agente chave.

Em 1980, o ecomuseu surge como um instrumento dos indivíduos na tranformação da natureza. Um local e um espaço de intervenção duma dada comunidade no territério e no seu tempo.

Trata-se portando dum local onde se mobilizam as vontades de agir, para proteger uma determinada memória e património, que parte da mobilização dos membros duma dada comunidade.

Com o tempo o termo foi sendo usado por diferentes agtores, nem sempre conhcedores do seu significado e objetivos.

De qualquer forma, como acentua Desvallés, o ecomuseu corresponde a uma nova forma de pensar e fazer a museologia, onde o espaço é o território, o publico é a comunidade que serve, e onde emergem novos objetos

Em Portugal a implantação do eco museu surse após a revolução de 1974. É um assunto que tratamos em A Miséria da Museologia em Portugal

No brasil a ideia tem também desenvolvimentos que em breve detalharemos. Para já fica aqui aligação para um caso interessante  – Eco museu Negra Vilma .

Colóquio Epistemologias do Sul – Coimbra

WIN_20140710_131602O tema  do colóquio internacional das Epistemologias do Sul, que se realiza  em Coimbra entre os dias 10 e 12 de julho com o tema  “Um sentimento de esgotamento assombra a Europa. Aparentemente o velho continente encontra-se sem capacidade de repensar o seu passado e o seu futuro”, não deixa de ser estimulante.

O Espelhos Estranhos, Lições Imprevistas: Definindo para a Europa um novo modo de partilhar as experiências do mundo, o colóquio lançou um desafio aos seus participantes: se a compreensão do mundo é muito mais ampla que a compreensão ocidental do mundo, as possibilidades de emancipação social podem ser distintas das que foram legitimadas pelo cânone ocidental.

Pode o sul anti-imperial ensinar algo ao norte global?

Pode o norte global ensinar algo que não esteja marcado por séculos de colonialismo e de neo-colonialismo, de imperialismo e de supremacia étnico-racial?

Podem ambos aprender de tal modo que um dia não haja sul nem norte?

 

O objetivo é de que as repostas a estas questões permitirão construir propostas teóricas e de ação que confrontem eficazmente as lógicas de exploração, opressão e exclusão globais.

A ideia é reunir estudiosos e ativistas do Norte e do Sul globais por três dias em Coimbra, produzindo conhecimento em conjunto com o projeto Alice, especialmente em torno de quatro eixos temáticos:

1.Democratizar a democracia :

2. Constitucionalismo transformador, interculturalidade e reforma do Estado

3. Outras economias

4. Direitos Humanos e outras gramáticas da dignidade humana –

Neste coloquio apresentamos os resultados da nossa investigação em Djabula, em Moçambique, realizada em Maio deste ano, que mais para a frente publicaremos no diário de viajem neste blogue, na rubrica epistemologia do sul.

Mas o que justifica este blog foi a experiencia de ontem à noite na cidade.

Trata-se das festas da cidade, com uma procissão da Rainha Santa Isabel pela parte baixa da cidade. A estátua, que está no convento de Santa Clara, localizado em Frente da cidade, do outro lado do Rio Mondego. O cenário são as gentes de Coimbra, sentadinhas em cadeiras à ver a procissão. As duas filas de peregrinos com velas (a procissão é no final da tarde/lusco fusco). Nas janelas colchas com rosas e os símbolos de  Portugal e da Catalunha (Isabel era princesa aragonesa). Nas ruas peregrinos cumprem promessas, rastejando ajoelhados pela rua Ferreira Borges. Na frente, a fanfarra local, cavalos da GNR, Escoteiros e acólitos.

O eixo é simbólico entre Santa Clara e Santa Cruz.

O insólito foi a lua cheia que enchia o céu, o fogo de artifício que aclamou a rainha, as gentes que festejavam e sobretudo o discurso do padre, alcandorado na varanda do turismo a falar da vontade geral. Da vontade do povo cristão de tomar nas suas mãos os seus destinos. Discurso revolucionário contra aqueles que guardam para si o que é de todos. Discurso contra a vilanagem, contra o roubo e o estupro. Com uma mensagem de esperança. Uma mensagem de que esse povo cristão se centre na verdade e na honra.

Andamos nós a discutir o estado do mundo. A saber se a europa ainda pode ensinar e aprender algo.

Pois aqui está a resposta. Nesta Coimbra universal. nesta Coimbra que dialoga entre o conhecimento científico e o senso comum. nesta Coimbra universal e simultaneamente rural. Este CES não podia estar noutro local.

Walter Benjamin e a questão da Aura na obra de arte

Walter Benjamin

A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica

Walter_Benjamin_vers_1928

(no original em alemão,Das Kunstwerk im Zeitalter seiner technischen Reproduzierbarkeit é um ensaio publicado pela primeira vez em 1936, e, posteriormente, em 1955, do crítico cultural, filósofo e sociólogoWalter Benjamin. Lemos a versão traduzida por Maria Luís Moita, incluída na edição da Relógio D’Agua “Sobre Arte, técnica, Linguagem e Política, publicada em 1992, pp 73-113.

Benjamim procura nesta obra actualizar os fundamentos duma teoria marxista da arte. Uma teoria revolucionária da arte, numa discussão então em voga no centro da Europa, sobre o papel do artista como criador de tradição ou inovação. Face à disponibilidade e ao crescimento de meios e forma tecnológicas de reprodução de arte, qual é o papel e a função do artista.

O seu principal argumento é de que na ausência de qualquer valor ao ritual da tradição na era da reprodução mecânica, a arte seria sobretudo uma prática política.

A partir da análise sobre o processo de reprodutibilidade, segundo Benjamim, aplicação da técnica produzia uma erosão da aura da obra de arte. Este conceito de aura na obra de arte é essencial para entender a teoria do autor. A aura é uma figura simbólica que se projecta no espaço – tempo. Esta forma simbólica corresponde ao valor da obra de arte. A modernidade, e a sua reprodução mecânica produziram uma ruptura nesta forma simbólica. Essa ruptura produziu uma necessidade da posse do objecto e implicou alterações nas suas formas de Reprodução e a construção da sua imagem simbólia. As forma de reprodução implicam que o objecto de arte passa a ser transitório e é repetível. Por outro lado, a sua imagem, nos diferentes objectos reproduzidos, passam a ser uma unidade, e são duráveis.

A destruição da aura o objecto de arte, pela sua reprodução mecânica, para além de afetar a sua autenticidade como refere Choay, retira esse objecto do seu invólucro e transfomo em mercadoria. A arte, como mercadoria passa então a constitui-se como um valor de culto que necessita de se exibir de forma constante e renovada no tempo.

A ruptura da aura do objeto artístico leva à perda da sua “unicidade”, “singularidade” e “autenticidade” e a uma alteração do seu valor de culto. Esta alteração produz a amergência do espatáculo, dumasociedade de espectáculo como afirma Guy Debord

Em a Sociedade de Espetáculo, o argumento principal de Debord também desenvolvido a partir da análise marxista, é que a alienação é mais do que uma sucessão de emoções nos individuo. Ela é uma forma específica da organização social capitalista, que assume novas formas e conteúdos em seu processo dialética de separação e reificação da vida humana. Como uma constituição moderna da luta de classes, o espectáculo é uma forma de dominação de classe (da burguesia sobre o trabalho) que produz uma narrativa sobre a história, uma lógica de ser e estar que contamina todos os membros da sociedade.

Regressando a Benjamim e ao valor da exposição da obra de arte, na era da técnica e da reprodutibilidade, o fundamental é distribuir cópias (criar produtos) e facturar (distribuir no mercado) criando sempre novas necessidades de consumo.

Para Benjamin, o modo a produção artística foi alterado pela processo da sua reprodutibilidade técnica. O desenvolvimento do processo industrial na produção de obras de arte altera a sua função simbólica. A obra de arte sempre foi reprodutível. Sempre de fizeram cópias dos objecto de arte. No entanto a indústria altera profundamente os processos de produção/consumo das obras de arte, produzindo uma passagem da obra de arte dum valor de culto para um valor de exibição.

Essa proposta caracteriza a proposta de teoria da arte em Benjamim. A aura, ou o caracter mágico da imagem são formas constitutivas do seu valor de culto, que agora é alterado. Dos rituais simbólicos, de exibição em contexto mágico ou religioso, ligado ao seu caracter único; com a emergência da reprodutibilidade técnica das formas simbólicas, as obras de arte perdem a sua função ritualística, a sua característica de única, sua “aura”, e passam a ser exibidas e disponíveis, chegando a atingir enorme escala de exposição de massas.

Para Benjamin a fotografia é o início da alteração deste valor de culto das obras de arte, para o valor de exposição. Na fotografia contudo há ainda a possibilidade de ter presente um valor de culto, na medida em que a experiencia biográfica pode produzir influência na formação de cultos. A reprodução de rostos, por exemplo, tornaram-se no início do século objecto de culto.

A alteração simbólica do valor de culto para o valor de exposição leva igualmente a uma alteração dos processos de exposição. A exposição, que antes era feito ao serviço do ritual, passa a estar ao serviço da reprodução serial e passa a estar sujeita a necessidade crescente de novidade. Uma mudança de valores que refuncionaliza o papel da arte na sociedade.

A implosão da aura na obra de arte produz a erosão do espaço tempo. O carácter único da obra, a unidade da experiencia no tempo e no espaço (o aqui e agora), que conferem os atributos de raridade, passem a ser plurais e deixam de ser exclusivos. Ao objecto de arte deixa de ser uma experiencia única, vivida no espaço e no tempo, para passar a ser uma experiencia com objectos que se sucedem no espaço e no tempo. O objecto de arte fragmenta-se e constitu-se como um fluxo de possibilidades no tempo.

Mango beat e a música urbana no Recife

Há volta com os contextos musicais urbanos encontrei um interesante acervo sobre a mango beat a a música zumbi. Uma mistura de ritmos afro americanos criada na decada de novente pelo Chico Science

O Mango Beat cria uma diversidade sonora misturando ritmos e sonoridades africana, americanas e ibéricas recolhidas no mango. Tendo como simbolo o carangejo a música oubia-se no Pernambuco e em Olinda.

Alguns exemplos: “Quando a maré encher”, manguetown, maracatu atómico.

Sobre esta questão ver a tese de Luciana Ferreira Moura de Mendonça (2004). “Do mangue para o mundo; o global e o local na produção da música popular brasileira”, UNICAMP

Continuar a lerMango beat e a música urbana no Recife

Dinâmicas Coloniais e Reconfigurações Pós-coloniais

 

nuno

 

Foi recentemente publicado pelas Edições 70 o livro “Cidade e Império: Dinãmicas coloniais e reconfigurações pós-coloniais” (2014) .

 

Sobre este livro publicou-se a seguinte recenssão no diário de aveiro

O livro intitula-se “Cidade e Império, Dinâmicas coloniais e reconfigurações pós-coloniais”, os organizadores são Nuno Domingos e Elsa Peralta, Coleção História e Sociedade, Edições 70, 2013. Reúne estudos de historiadores, antropólogos, especialistas em estudos pós-coloniais e outros cientistas sociais. Os organizadores explicam o objetivo da obra: “O estudo do urbano permite identificar o modo como a dinâmica de urbanização colonial e pós-colonial no espaço português se integra num conjunto de tendências que acompanha o sistema-mundial (…) As cidades coloniais constituem-se como centros de administração e de poder colonial e como locais de fluxo e bens e serviços. São importantes locais de transferência da cultural imperial e capitalista moderna para novos espaços. Não obstante, o urbano colonial e pós-colonial governado por Portugal foi e é também um espaço de criação de autonomias, de projetos e resistências, de circulação de pessoas, hábitos, ideias, de apropriação e adoção de práticas e representações”. Em sequência, o autor encontrará o estudo de cidades africanas do colonialismo português, as lógicas do ordenamento do território e da integração social, cidades com um centro europeu ou “civilizado” e uma grande e precária periferia, o típico universo africano. Os organizadores observam que “A influência política de outras potências coloniais, bem como de organizações internacionais, sobre o rumo do colonialismo português, a presença de inúmeros estrangeiros no quadro de decisão institucional económica e política e a influência dos quadros económicos regionais revelam que o colonialismo era um projeto global. As redes urbanas africanas, as que ligavam, por exemplo, Moçambique e Angola à África do Sul, à Rodésia ou ao Congo, criaram autonomias próprias que reproduziam o ritmo do colonialismo internacional”. Mas a experiência imperial teve uma poderosa ressonância no tecido metropolitano, basta pensar nos importantes fluxos migratórios e no pós-colonial emergiu uma cultura nostálgica, há imigrantes cabo-verdianos, angolanos, guineenses e são-tomenses, sobretudo, temos hoje uma cidadania lusófona e nas cidades pós-coloniais replicam-se formas de organização que recordam o sistema colonial urbano. A memória imperial tem mais significado do que muitos pensam, envolve narrativas como o Mosteiro dos Jerónimos, o Padrão dos Descobrimentos, a Expo 98, por exemplo.

Os investigadores que intervêm neste livro asseguram capítulos sobre a presença portuguesa em África no século XX, caso de Luanda e Lourenço Marques; fala-se da reação portuguesa aos levantamentos no Norte de Angola, em 1961, e, como escrevem os organizadores “Dos relatórios políticos e administrativos, emerge uma conceção estatal das populações locais. Enuncia-se a lógica do exercício político que junta a coerção e a violência a técnicas de urbanização, de reordenamento do território e de povoamento”; fala-se de Mueda, no Norte de Moçambique, sobre o que sobrou das antigas cidades da Índia portuguesa no final do século XIX, a partir do olhar de um historiador goês estabelecido em Bombaim. Noutro ângulo, impõe-se olhar para Lisboa onde, a partir da década de 1940, onde se juntou um grupo de estudantes das colónias africanas. Escreve-se o seguinte: “O espaço criado pelo Estado Novo para formar elites coloniais, a Casa dos Estudantes do Império (1944-1965) foi para estudantes, tais como Mário Pinto de Andrade, Alda Espírito Santo, Eduardo Mondlane, Agostinho Neto, Noémia de Souza e Amílcar Cabral, o local de maturação de um conjunto de ideias sobre a condição dos seus territórios e populações. A Lisboa triste do salazarismo surgia para estes jovens como uma zona de contacto, um espaço moderno de leituras e partilhas. A geografia da cidade ficou marcada por um conjunto de percursos africanos, de encontros políticos, consumos literários e trocas teóricas que circulavam por cidades europeias: a negritude, o pan-africanismo, o marxismo, o nacionalismo. No coração do Império colonial português, mau grado as diferenças que os separavam – a origem, a cor da pele, a classe social – os estudantes discutiram o futuro do continente africano que dispensava tanto a soberania portuguesa como a dos outros Impérios coloniais”.

E chegamos à Lisboa contemporânea, a partir de 1975 o legado do poder colonial passou a ser manifestamente visível nas pessoas, nos restaurantes, nos novos hábitos, nos alimentos importados. São populações emigrantes que procuram adaptar-se e conquistar o seu lugar na cidade, trazem saberes e procuram avidamente a coesão étnica ou a imisção sem complexos, nasceram barracas, procedeu-se à autoconstrução, organizaram-se guetos, estabeleceram-se ágoras, os guineenses podem ser vistos a qualquer hora do dia no largo de S. Domingos. Bairros degradados tornaram-se nos espaços de acolhimento desses novos migrantes.

Enfim, o leitor parte pelas construções colonias, visita as casas angolanas e aprecia a atitude colonizadora em diferentes regiões, pode comparar com as habitações destinadas aos funcionários coloniais, apreciar a evolução da arquitetura angolana; segue-se Lourenço Marques, também uma cidade segregada com os seus organismos e o seu sistema de coerção; os acontecimentos de 1961, no Norte de Angola, dão azo a perceber como o regime se viu obrigado a criar novos mecanismos de controlo da vida social indígena, assistia-se ao retorno inesperado de milhares de africanos “das matas”, havia que estabelecer uma nova política habitacional e de vigilância. O leitor não ficará insensível à visita ao Império Português da Índia na segunda metade do século XIX, é uma viagem espantosa, a que nos proporciona o goês Gerson da Cunha. Lisboa, ao tempo da Casa dos Estudantes do Império, é um local de encontros que irão preparar as lutas de libertação, aqui se adquiriu consciência de que estavam a germinar sonhos nacionais e afiliações transnacionais, dois nomes sonantes do independentismo, Mário Pinto de Andrade e Amílcar Cabral, aparecem por Lisboa, aqui debatem com os outros a luta que os espera. E daqui partem para outros lugares: Mário Pinto de Andrade e Marcelino dos Santos irão até Paris, Lúcio Lara e Viriato da Cruz até a Alemanha, Cabral circulará por Londres, irá até ao Norte de África e daqui partirá para Conacri, todos estes dirigentes se irão encontrar temporariamente em Argel, Rabat, Cairo, Adis-Abeba, Tunes, Acra ou Dar es Salam. E chegada a independência, cresceu a diáspora, o leitor irá encontrar várias ideias de África em Lisboa, por exemplo, vivências habitacionais como em tabancas, surgirá o fenómeno da “barraca pós-colonial”. Está concluído o ciclo à volta da cidade como objeto de investigação desde as sociedades coloniais até ao desabamento nas metrópoles em contextos pós-coloniais. Um estudo profundo, original, que seguramente catapultará novos estudos. Magistralmente organizado e de uma inegável polivalência para os estudos sobre o Império português e o depois.

Pensamento Crítico Contemporâneo

Foi recentemente publicado pelas Edições 70 um trabalho da UNIPOP com o título O Pensamento Crítico Contemporâneo. Este coletivo tem vindo a desenvolver um trabalho de divulgação de alguns autores que temos vindo a acompanhar.

Acontece que sobre este trabalho Diogo Ramada Curso apresenta uma interessante crítica no Publico /Ypslon A critica do  pensamento Crítico Contemporâneo

Um critica que merceceu uma repica do coletivo UNIPOP, também no mesmo jornal com o titulo “A crítica entre a ciência e a política”.

Para além da salutar polémica, deixamos aqui os textos que comentaremos mais á frente a proposito das questões que temos vindo a debater sobre a Museologia Crítica e a Teoria da História. Continuar a lerPensamento Crítico Contemporâneo

O Anticiganismo e o racismo

Homo Sacer e os Ciganos
O Anticiganismo – Reflexões sobre uma variante moderna e por isso esquecida do racismo moderno

 H

  • omo Sacer und Die Zigeuner (2014), Porto Antígonaroswithascholtz

 

Este livro destaca o real significado do anticiganismo, como variante específica do racismo no seio do capitalismo. A tese central que a autora expõe neste ensaio consiste na ideia de que o cigano se situa desde sempre no exterior da lei e, por isso, representa a sua matriz inadmitida, não sendo a exclusão e a idealização romântica senão as duas faces da mesma moeda racista. «O desprezo peloccigano é testemunha de uma forma, nada despicienda, do medo da despromoção na escala social, como estado de espírito fundamental e ubíquo no capitalismo», assevera a autora.

Emic e Etic – Estilos de etnobiografia do objeto museologico I

EMIC – ETIC -Estilos de etnografia

A perspetiva intrior (Emic) e a perspetiva exterior (Etic) são termos sugeridos pelo linguista Kenneth L Pike[1] em 1954. Em “Language in Relation to a Unified Theory of the Structure of Human Behavior”. Pike criou a teoria tagmemica onde procedeu à distinção entre emic e etic. “Emic” (como em “phonemics” – fonologia) refere-se aos conhecimentos subjetivos e de signifcado. Quanto aos sons sons da língua, são considerado como “etic” (como em “phonetics”- fonética), referem-se ao estudo objetivo desses sons.

Segundo a teoria tagmemica apenas os falantes nativos duma língua dominam as descrições “êmicas”. Um falante duma outra língua apenas pode absorver a sua estrutura. Como tal apensa podem efetuar descrições éticas. A linguística, feita a partir duma abordagem ética, através da aplicação duma metodologia científica, apenas produz descrições, todas elas verificáveis e reproduzidas. Para absorver a dimensão emic é necessário uma aproximação ao interior da linguagem. Uma observação a partir do contexto.

Interessa-me esta questão por permitir estabelecer uma distinção entre as abordagens que se podem adotar em relação a um objeto museológico.

Correntes da antropologia

Comparativistas

Particularistas

Ideal das ciencias naturais Ideal das humanidades
Busca da explicação Busca da compreensão
Sintese comparativa Análise do particular
Busca de leis gerais Registo de casos unicos
Tendencia para o materialismo Tendencia para o idealismo
Abundante reflexão metodológica Atitude anti-teórica
Etnologia Etnografia
Procura traços comparáveis Procura a cultura em sí mesma
Desenvolvimento quantitativo Exaltação do qualitativo
Ênfase nas correlações impessoais Recuperação do individualismo metodológico
Formalismo Substantivismo

Relativamente ás correntes e abordagens podemos facilmente acrescentar

ETIC

EMIC

Estruturalismo e funcionalismo Culturalismo
Tendencia biologizante Tendencia psicologizante
Da parte para o todo Do todo para a parte

Estas diferentes perspetivas de abordagem perante os mesmos objetos de estudo, têm vindo a conduzir a resultados científicos distintos a conteúdos de investigação diferenciados.

Por exemplo a abordagem ETIC está tendencialmente mais ligada á antropologia biológica. Partem duma atitude mental de oposição, (pensamento binário) e procura compreender as grandes tendências do comportamento humano. Por seu lado as abordagens EMIC, ao procurarem encontrar a particularidade da cada individuo no seio da sua cultura, recolhe, simultaneamente a informação particular (do indivíduo em contexto) e informação geral. (da influencia social sobre o indivíduo). Trabalhando sobre um pensamento mais complexo, recolha muita informação qualitativa, que é difícil de trabalhar.

emic-etix2

Enquanto que a abordagem ETIC procura medir, comparar e esquematizar a realidade sem recurso à subjectividade discursiva dos indivíduos, a abordagem EMIC procura descobrir as especificidades de cada contexto em particular, recorrendo inclusivamente à interpretação dos atores sociais dos factos por eles referidos.

A museologia assume-se como uma ciência charneira entre as ciencias exactas e aquelas que até hoje são consideradas não exactas por carecerem da quantificação subjacente á definição do termo.

a museologia, através das etnobiografias assenta múltiplas plataformas teóricas e metodológicas onde cada um de nós poderá ir ao encontro quer de particularidades quer de universalidades oscilando entre todas as oposições que a própria dualidade humana implica.emic-etic1

 

 


[1] http://www-01.sil.org/klp/index.htm

O Território como espaço de dignidade

O Território é um espaço de dignidade humana. 

A ideia do não lugar, defendida por Marc Augé no seu livro “Não-lugares”, como lugares de transição lugares de transitórios que não possuem significado suficiente para serem definidos como “um lugar”, por exemplo, um quarto de hotel, um aeroporto ou supermercado,

Segundo nos diz Augé no seu livro , viemos um tempo e um espaço de super modernidade. Um tempo de excesso e abundância. Excesso de informação, excesso de espaços vividos, execesso de relações e de identidades. Esta modernidade corresponde a transformações das categorias de espaço, tempo e indivíduo.

No espaço os não-lugares, produtos desta modernidade, são de transição lugares de transitórios que não possuem significado suficiente para serem definidos como “um lugar”, por exemplo, um quarto de hotel, um aeroporto ou supermercado. Opõe-se dessa forma ao locus antropológico, definido por Mauss, do lugar como totalidade identitária. O espaço é o lugar da observação. Tudo o resto não é observável, ou pelo menos não será relevante. O lugar antropoloógico é um lugar de encontro do antropólogo. O lugar escolhido, no mundo natural, exterior onde acontecem os fenómenos observáveis. O lugar habitado tem referencias. Nomes. Identidades. É um lugar sentido e vivido. Trata-se dum espaço relacional.

Pelo contrário, os não lugares são espaços de transição. Não acontecem encontros, não são observáveis nem relevantes.

Por seu lado a categoria do tempo, nesta modernidade, caracteriza-se pelo aceleramento da informação. Há um excesso de informações. Aqui Augé distingue-se dos pós-modernistas, para quem a ideia do limite da ideia de progresso, a concretização desse progresso significaria o fim da História. Nos não lugares, enquanto espaços de transição, o tempo mostrava-se interdependente. Assim, contrapondo-se ao encolhimento do espaço, o tempo acelerava-se. A noção de mudanças climática, de concentração urbana, de consumo de recursos, de migrações acentua-se.  Uma alteração de escala que faz emergir esse não lugares como espaço de passagem, de transito.

Finalmente, contrapondo aos excessos da informação, da fragmentação do tempo e da emergência destes lugares de transição, a categoria de indivíduo também se altera. O individuo nos não lugars é um individuo em transitividade. Constitui-se como um centro.

A singularização do individuo, a rutura com as pertenças no espaço e no tempo levam ao excesso da cultura mundial, vazia na sua produção constantes de produtos novos. Com Elias quebram-se as relações de indentidade com o espaço e com o tempo. As identidades colapsam nas suas referências espacio-temporais. Os indivíduos de não lugares, são simultaneamente tudo e não são nada. Desaparecem as noções das fronteira e de pertença. O não lugar é um mundo efémero, sem memória, sem ritmo.Um lugar de excesso. São mundo suspensos, vividos no momento, sem antes e sem depois.

No fundo auge propõe estas não lugares como um novo locus da antropologia. Em oposição ao lugar relacional, da tradição, o não lugar é um locus de investigação de contradição e complexidade.

Nesse sentido, estudar o espaço enquanto excesso numa prespetiva de emancipação social será equacionar o tempo como afirmação duma oportunidade de mundaça. Olhar para o Koirés do espaço, para além do seu cronos, procurando resgatar, na sua força semântica, a sua capacidade de gerar mudança.