Arquivo da categoria: Bilhetes

Ecomuseu e interpretação da paisagem IV

O IV artigo da serie do arquteto Fernando Pessoa, sobre o ecomuseu dos biscoitos, nos Açores, no blog “Bago de Uva”

(anterior aqui)

Essas vinhas, com a estrutura do território que possibilita as melhores condições para a sua cultura, chegando praticamente inalterada aos nossos dias, constituem uma paisagem histórica de grande significado.
Denotando extraordinário sentido de adaptação a novas condições ecoclimáticas e um grande conhecimento das capacidades produtivas dos materiais naturais, os primeiros povoadores começaram por escolher sabiamente a orientação de encosta, apesar de ser de difícil preparação.
Com efeito, existe pouca terra e pouco profunda nesta área, e a vinha é plantada na própria rocha friável, nela abrindo covas a esforço de braços e de alvião, onde se introduz o bacelo.
Para proteger a vinha da salinidade do ar e da força dos ventos que sopram do oceano, ali a escassos metros, toda a área de vinha foi trabalhada com a construção de uma quadrícula, mais ou menos regular em dimensões, de muros (travessas) de pedra seca – as curraletas – feitas de pedra solta que é resultado do desmonte do terreno. Como se pode depreender das imagens, é um trabalho penoso, iniciado nos recuados anos de quatrocentos e que se manteve até aos nosso dias; continua-se a trabalhar com a s mesmas técnicas e os mesmos objectivos.
Estamos assim perante uma paisagem histórica com o valor que lhes advém de ser secular e de continuar a “funcionar” ininterruptamente desde então; é como se fosse uma catedral ou uma fortificação que nos chega do século XV.
Apesar deste inquestionável valor patrimonial, a área de vinhas da Verdelho nos Biscoitos tem vindo a ser ameaçada seriamente nos últimos anos, pela expansão da construção de moradias; iniciativas diversas, nomeadamente desenvolvidas pela Confraria do Vinho de Verdelho dos Biscoitos, têm, tentado em vão, junto das autoridades, a protecção que uma paisagem daquela natureza exige.
As autoridades autárquicas têm sido pouco receptivas e as autoridades regionais pautam-se por evasivas e meias-medidas que não têm conseguido travar o surto das novas construções.
Ora nesta área da freguesia dos Biscoitos vive-se o ambiente propicio à instituição de um ecomuseu, porque uma boa parte da população participa na manutenção e na animação desta paisagem, baseada na cultura de vinha em curraletas. O facto da Junta se Freguesia e mesmo a Câmara Municipal de Praia da Vitória não serem propriamente entusiastas de medidas decisivas de protecção àquela paisagem, e até revelarem nítida preferência pela expansão urbano-turistica, isso não representa o sentido da maior parte das pessoas da freguesia.
A criação de um Ecomuseu será uma medida de alcance cultural, que alargará a notoriedade que a freguesia hoje já tem graças ao vinho licoroso (VLQPRD- Biscoitos); além disso dará novo alento á população que já hoje se envolve na actividade das vinhas e poderá atrair novos entusiasmos por exemplo através de campos de trabalho em férias para a juventude, durante os quais as camadas jovens colaboram na execução dos trabalhos e aprendem o valor patrimonial daquela região.
A musealização do Sítio dos Biscoitos onde se mantém a paisagem histórica de vinhas que remota ao século XV, poderá ser feita através do Ecomuseu doa Biscoitos, no qual entram entre outros os seguintes elementos:
– A área de curraletas.
– Rede de caminho de passeio entre as áreas de vinha.
– Miradouros no interior das áreas de vinha.
– O Museu do vinho e o campo Ampelográfico da Casa Agrícola Brum.
As adegas de vinho da zona.
– Oficinas de artesanato local (cesteiros).
– Ruínas de uma adega primitiva do século XVII ou XVIII- Presa dos Lagarinhos.
– Ermida de Santo António, e ruínas de duas outras.
– Forte de S. Pedro e Forte do Rolo.
– Animação ligada à cultura da vinha.
– Vestígios da antiga actividade da caça à baleia.

Museus e Interpretação da Paisagem III

O terceiro artigo da serie do Arquiteto Fernando Pessoa, no seu blog “Bagos de Uvas

(anterior aqui)

A paisagem é, pois, o território correctamente ordenado capaz de suscitar emoções estéticas e de transmitir beleza; a funcionalidade da paisagem anda aliada com o seu ordenamento pois, como já ensinava santo Agostinho, a beleza é o esplendor da ordem.
Uma das funções dos museus é a de interpretar o património a que estão dedicados; a interpretação é indispensável para que haja compreensão daquilo que se observa e se quer conhecer.
Não basta conservar objectos e documentos, pois um arquivo ou depósito também o fazem, e todos os museus têm essas secções indispensáveis; o museu além de conservar património tem também que dar a conhecer ao público, e facultar-lhes a interpretação daquilo que é exposto.
Eu penso que a ecomuseologia, com as suas propostas de musealização no espaço (o Museu do Espaço de Rivière) é uma museologia de interpretação da paisagem, e daí eu propor que os museus das áreas protegidas fossem designados de museus de interpretação da paisagem.
Eles não se confundem com os centros de interpretação, pois estes não são propriamente museus, não conservam património – apenas dão informação e ajudam a interpretar a Natureza ou mesmo a paisagem.
A museologia de interpretação da paisagem, e os ecomuseus, são instrumentos de desenvolvimento local ou regional, e enquadram-se na perspectiva dum processo cultural sustentável, equivalente cultural ao desenvolvimento sustentável com idênticas premissas na diversidade – num caso a diversidade cultural, no outro a biodiversidade.
As actividades tradicionais de difícil continuidade pela reduzida dimensão ou pouca competitividade podem ser suportadas com o apoio da sua valorização cultural, que o ecomuseu (ou no Canadá o ecomuseu) proporciona.
A imagem junta dá-nos uma vista geral da área da vinha dos Biscoitos, na ilha Terceira, sobre a qual nos vamos debruçar na nossa proposta.
Trata-se de uma encosta voltada a N. relativamente suave, que vem desde a linha de alturas no interior e desce até ao mar, acentuando-se o declive à medida que nos aproximamos do topo da elevação.
A designação de Biscoitos foi-lhes dada, ao que pelos primeiros povoadores, logo a seguir ao achamento da Ilha de Jesus Cristo, a “terceira” a ser descoberta, por causa da pedra solta, castanho torrado a negro, da pedra vulcânica que forma a calçada das vinhas fazendo lembrar os pedaços dos biscoitos que os marinheiros transportavam a bordo das caravelas e naus, como alimento de longa duração.
De acordo com José Henrique Pires Borges, jornalista e estudioso da História da Terceira, a vinha foi começada a plantar logo a seguir à cultura dos cereais, aos quais se dedicaram os melhores solos, pois daí dependia a sobrevivência dos colonizadores; a vinha ocupou os solos mais pedregosos de “biscoitos”.
Igualmente segundo Jácome de Bruges Bettencourt, que tem estudado e conhece também muito da História da Ilha, foi logo no século XV que se plantaram as primeiras vinhas, sendo as da Verdelho tão produtiva que acabou por travar a expansão da área de vinha, pois o preço do vinho baixara tanto que não era compensador; dessa casta saem vinho do lavrador e vinho fortificado.
Entre meados do século XVII a inícios do século XVIII decorreu uma época de baixa produção, e no século XIX deu-se o aparecimento de uma série de doenças das vinhas como o oídio, míldio e filoxera, que causaram um terrível decréscimo daquela cultura. Em finais do século XIX com a utilização de porta-enxertos resistentes ao filoxera, reiniciou-se a expansão da vinha com a casta da Verdelho, em grande parte devida ao fundador da Casa Agrícola Brum (Francisco Maria Brum), ainda hoje dedicados à vitivinicultura; mantiveram as práticas tradicionais, que se revelaram as mais adequadas à cultura, e a paisagem continuou imperturbavelmente com as mesmas características com que havia sido construída no século XV.

Ecomuseus e interpretação da paisagem II

Ecomuseus dos biscoitos O segundo artigo do Arquiteto Fernando Pessoas em Bagos de Uvas

Creio que é pacifica a ideia de que a paisagem de uma dada região é onde se conjugam de forma inequívoca o património natural – os valores da geologia, das plantas e dos animais, e os sistemas que os integram (ecossistemas) – e o património cultural das populações que habitam aquela região – as construções, as estruturas da paisagem, as benfeitorias que permitam a exploração da terra. Mas também as suas crenças, as suas tradições, hábitos e modos de vida.
Tenho lido centenas de páginas – e os franceses nisso são exímios, digo-o com admiração – sobre conceitos de paisagem, teorias da paisagem, filosofia da paisagem, etc.
A mim, como arquitecto paisagista, a paisagem interessa-me como o resultado da construção, pelo homem, do seu ambiente, utilizando os recursos e os materiais da Natureza que os rodeia.
Essa modelação do território foi iniciada com a passagem do povoamento nómada ou itinerante dos tempos mais primitivos para o povoamento predominante sedentário a partir dos tempos neolíticos. Também, não vou aqui alongar a deserção académica do tema, por demais conhecido de todos.
De geração em geração as populações imprimiram ao território as características das suas formas de economia e da sua cultura.
A noção de paisagem, que hoje consideramos, é um fenómeno sobretudo ocidental, como é do conhecimento geral, e iniciado com pintura de elementos do ambiente natural como fundo ou cenário das figuras humanas, de cariz religioso, que se realçavam nos quadros.
Da ideia de “paisagem” pintada passou-se depois ao conceito de paisagem real, biofísica.
Paisagem e território passam a serem usados em comum, embora existam abordagens diferentes às duas designações.
Os arquitectos paisagistas estão particularmente envolvidos nesta utilização do termo paisagem, desde os inícios do século XX, e mais tarde no regresso ao conceito de território sem que, contudo, a noção de paisagem deixasse de estar sempre presente.
Durante os anos 50 (já custa a dizer do século passado) começaram a surgir os planos de ordenamento paisagístico, processo que nas décadas de 60 e 70 sofreu considerável sistematização e evolução de metodologia, e através dos quais os paisagistas procuravam estabelecer o uso correcto do território; eles evoluíram depois para os actuais planos de ordenamento do território.
As ideias-base, a metodologia de análise, diagnóstico e síntese, própria do ordenamento paisagístico incluíam já os aspectos económicos, culturais e sociais que hoje dão forma, a par dos aspectos biofísicos, ao processo de ordenamento do território.
Mas o termo paisagem permanece, pois o ordenamento ao definir os usos do espaço de acordo com as aptidões e potencialidades de cada parcela, deve procurar conservar e valorizar as paisagens – e aqui entra inequivocamente o factor estético.

Redes de Museus e Políticas Culturais

No início do milénio o país viveu um intenso período de investimentos em infra-estruturas que tinha por base a ideia das redes. Tivemos as Rede de Bibliotecas Públicas, a Rede de Arquivos, a Rede de Teatros, a Rede de Museus. Foi um tempo de disponibilidades financeiras e de “disponibilidade de betão”, como pejorativamente ficaram conhecidas as políticas públicas.

Muitas delas eram  iniciativas do Estado Central, pensadas e projetadas a partir duma ideia de território e duma ideia de missão (ou função) dos equipamentos culturais. É certo que estas iniciativas foram pontuadas aqui e acolá com obras de arquitetura notável: Centros culturais, pavilhões multi usos, em função das forças e engenho dos municípios e elites locais em mobilizar fundos estruturais.

As políticas públicas para a cultura foram em alguns casos sucessos e noutros casos nem tanto. Passados vinte anos, os problemas destes equipamentos relacionam-se sobretudo com as pessoas que os fazem funcionar. É conhecido o sucesso da Rede Portuguesa de Bibliotecas, apontado como caso exemplar. Olhemos para os lugares mais dinâmicos e lá encontraremos rostos e equipas motivadas. e eficientes.

E o caso da Rede de Museus, uma estrutura hoje moribunda que agora se procura ressuscitar? Foi um caso de sucesso ou nem por isso?  O seu modelo é o adequado ou é necessário pensar noutro modelo ?

Portugal tem, segundo o INE, 388 museus (2015). A Rede, que é um sistema de adesão voluntárias, tem cerca de 150 museus. Será esta a estrutura adequada para o panorama museológico nacional na sua diversidade?

Como aconselharia a prudência, as políticas publicas deveriam ter  por base o conhecimento da realidade, para sobre essa realidade propor medidas.  Ora depois do fim do Observatório da Atividades Culturais, suspeito que ninguém saberá ao certo o que se passa neste domínio.

 

A Diversidade Cultural na Lusofonia

Na sequência das comemorações do dia da Língua e da Cultura Portuguesa, que se realizou no dia 9  de Maio  no Palácio do Correio Mor, em Lisboa, foi inaugurada a exposição que sobre A “Diversidade Cultural na  CPLP” realizada no âmbito do Laboratório  Experimental de Museologia e Educação da Universidade Lusófona.

A exposição foi realizada no âmbito do vigésimo aniversário da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e tem como finalidade ser usada em contexto pedagógico.

A exposição é enviada em formato digital para as instituições com interesse na Comunidade e para as escolas dos Estados membros, e estará brevemente disponível.

Organizada num conjunto de 21 painéis, que agrupam oito módulos a exposição apresenta os seguintes temas :

  • CPLP – Uma instituição solidária;
  • Lugares que habito e me habitam;
  • Narrativas temporais;
  • Viagens à Natureza;
  • Olhares e gestos;
  • Memórias acesas;
  • As nossas línguas;
  • Os sons da Língua.

A exposição  procura mostrar a diversidade cultural na Lusofonia a partir da integração de conteudos geoculturais. Foi inspirada nos trabalho do XVII Conferencia Internacional do MINON. e na sua Misssiva “Memória Acesa” numa  leitura poética sobre a diversidade cultural deste espaço geocultural

O dia 5 de Maio – Dia da Língua Portuguesa e Cultura na CPLP foi  ser celebrado com um conjunto de eventos, organizados pelos grupos de embaixadores dos Estados membros da CPLP em diversas capitais do mundo, pela Sociedade Civil e pelos governos.

O dia 5 de maio foi instituído como o Dia da Língua Portuguesa e da Cultura na CPLP, a 20 de julho de 2009, por resolução da XIV Reunião Ordinária do Conselho de Ministros da CPLP, decorrida na cidade da Praia, Cabo Verde.

A conferencia Políticas Culturais e Economia do audiovisual da CPLP, que decorreu juntamente com a cerimónia de abertura, pode se vista aqui

Museu AfroDigital – Estação Portugal

Museologia social e urbanismo IX

  1. Urban Infrastructure and Services
  2. How can urban utilities be provided sufficiently, efficiently, economically and equitably to all in a city?

Urban infrastructure and services are an important differentiator between cities and rural areas. A range of universal services that we now take for granted in large and wealthy cities like piped water, sewage, underground drainage, electric power supply, public transportation, telecommunications and more recently the Internet; were only available to the elites, merely a century ago. In many cities of the global South, the daily struggle for a large proportion of citizens, is about access to basic services.

Universal basic urban services, are critical drivers of increased productivity, quality of life and access to education and healthcare that permit people to live in cities at much higher densities, than in most villages. All of these factors, enable cities to become vibrant and productive places with high volumes of economic output, social interaction, innovation and learning.

The counterfactual is that many cities that do not have universal access to these basic services experience, not only lower productivity, incomes and job opportunities; but poor health and sometimes lower life expectancy; poorer education levels and hence weaker economic and social opportunities. In fact, dense concentrations of people, in slums and informal settlements who are poorly served by water, sanitation, drainage and solid waste services are often at higher risk of infectious diseases and natural hazards because of the locations and conditions in which they live.

In effect, urban infrastructure like many of the key systems in the human body, enables the metabolism of cities to function effectively, efficiently and sometimes sustainably.

What do we mean by urban infrastructure?

Today we will look at water supply, sanitation, drainage and solid waste management or what we call urban environmental services; also the energy infrastructure, mobility and transport systems, and information and communications systems.

Let us start with our first cluster of critical environmental services (water supply, sanitation,drainage and solid waste management) that manage flows of potable water, waste water and storm run-off.

They also manage the flow of different types of solid waste that all of our cities create (for example, organic compostables through bone, paper, glass, metals and plastics, toxic chemicals and bio hazards). Environmental services are primarily provided by natural ecosystems (for example rivers and groundwater aquifers, forests and wetlands) and by constructed systems like water filtration and treatment plants and sewage and septage treatment facilities.

Water supply systems are a good example of the full cycle of these services, as shown in this diagram: they begin with withdrawal from surface and groundwater sources, moving to treatment to appropriate standards in filtration plants, transmission and distribution through large pressurised water networks, use, recycling, reuse and finally waste water treatment before returning that water to the environment from which it came from.

In the past, such environmental services, like water supply were conceived as linear source to sink systems where unlimited withdrawal of the natural resource was common, as was untreated discharge back into the environment. As cities have grown, pollution loads exceed the Carrying capacity of the surrounding ecosystems to absorb them. This is what we saw happen to the Thames in London in the 19th century and what is currently happening to rivers in China and India like the Yangtze and the Ganga.Learning from this experience, planners are now visualising urban systems as closed-loop systems where we try to conserve the use of a precious resource like freshwater, recycling and reusing it is many times as possible, as Singapore and Beijing do, so effectively, and then treat it to return it into the environment at the same level of quality at which it was withdrawn.

Only 1% of global water resources are available as freshwater for human use. Irrigated agriculture consumes the bulk of this freshwater while urban and industrial use is less than 10 to 15% of the total demand in a typical region. Urban water can come from different sources depending on the location of the city: from glacial melt, lakes, tanks, rivers, and groundwater.

Its quality varies considerably depending on the quality of the source, and the amount of pollution (such as faeces, solid waste, chemicals and even antibiotics) that cities and citizens unthinkingly release into the water. In most locations, source water needs to be filtered, treated for pathogens and then distributed through pipes and sometimes tankers and informal water vendors.

Only the more affluent cities and households in much of the world have the luxury of access to 24×7 piped water. Increasingly, groundwater is being used in many parts of the world, either because surface water is becoming less available or is polluted or because citywide piped water infrastructure is not in place, especially as cities grow in unplanned ways. In its absence, it’s easier to drill a bore well within one’s property than wait endlessly for water to come from a partially-functioning water system.

As water scarcity rises, some cities like Singapore have taken the lead in recycling and reuse. Others, like New York, have set aside large catchment areas in the Catskill mountains to protect natural aquifers and provide water security to the city. In others, such as Perth which faces severe drought due to Climate Change, wind turbines power desalination plants that augment the city’s water systems.

On top of the challenge of water supply, comes the global crisis of sanitation as human populations in poorly-served cities and neighbourhoods now crosses into the billions. Dealing with human faeces has been a perennial public health challenge ever since cities were first created.

Indus Valley civilisation towns were planned over 5,000 years ago, with toilets and cesspools just outside houses, separated from underground storm water drainage and water harvesting and storage structures, creating barriers to the spread of waterborne diseases. Many cities and towns, even today do not have the levels of services that we see in these ancient settlements.

One of the great public health innovations of the 19th century, was the Victorian popularisation of the water closet and the water carriage flush systems. This was a significant public health innovation that over the course of a few decades, reduced the incidence of waterborne epidemics like cholera and typhoid in cities like London, Calcutta and Bombay.Such systems have become the aspirational norm for cities across the world, but require over 100 litres per capita per day, and because of the significant cost are becoming increasingly impractical in a world of water scarcity. In reality, large numbers of slum dwellers are forced to practice open defecation, that puts them and their communities at considerable risk, especially in countries like India. In India, over 50 million people defecate in the open in urban areas each day.

Contrary to popular perception, the most common form of urban sanitation in the world is not sewerage but on-site sanitation, such as pit latrines and septic tanks that require an elaborate human and service infrastructure to safely remove human waste from them. Improving these systems, especially in areas that still exploit people who handle human waste are a critical frontier of urban innovation.

Drainage is an often-neglected infrastructure with dire consequences, including flooding and the widespread incidence of vector-borne diseases like malaria and dengue, in areas and cities that are poorly drained. Underground drainage is often expensive to provide and difficult to retrofit into unplanned areas. Hence, in many parts of the world, storm water (often mixed with household waste and sewage) drains off to roads and channels. Drainage systems are often clogged with silt and solid waste if they are not managed adequately and regularly.

Adequate planning, design and the maintenance of drainage infrastructure, is critical, especially in low-lying, coastal and riverine areas and this makes a difference between healthy and liveable neighbourhoods and those at risk. Mumbai went through a horrific flood in 2005 , that shut down the metropolis for more than a week because of poor drainage planning and management.

Solid waste management has become the bane of many cities, because of growing populations, rising consumerism and the associated increase in industrial packaging materials which are difficult to recycle and segregate. The long-term solution is to consume less, recycle more, shift to biodegradable packaging materials and segregate it at source so that downstream recycling is more efficient and less damaging to the environment.

For a long period, landfills were seen to be the modern solution to the problem of the mountains of waste that were produced by large metropolitan cities. Landfills don’t work as well, in low and middle-income countries as they do in high income countries because land is scarce, and municipalities are unable to invest in safe, sanitary facilities. As a consequence, landfills tend to leach into groundwater and soil, give out methane; incineration at landfills releases noxious gases and communities protest and reject plans to locate landfills near where they live.

The collection, transport, treatment and storage of solid waste, has become a serious challenge in most countries. Some types of waste contain toxic chemicals and bio-hazards that need to be treated specially by using incineration to be able to render them safe which are often too expensive in low and middle-income countries. The solid waste disposal chain employs a large numbers of waste pickers and recyclers in cities of the global south, where they provide a critical service to the city’s residents, but are often excluded and discriminated against.

All aspects of sustainability, economic, social and environmental need to be addressed in dealing with the waste economy, as urban’s forward looking waste management systems seek to demonstrate.

The metabolism of the modern city is effectively driven by its energy infrastructure. Most preindustrial towns and many contemporary cities are still driven by the biomass economy, using materials like wood and agricultural residues, to enable cooking and artisanal production. During the Industrial Revolution, the primary energy source for cities and industrial production shifted first from wood to coal and later to oil and gas and nuclear energy. Urban energy services, especially in advanced economies are slowly shifting from the use of fossil fuels such as coal, oil and even gas to renewable sources such as wind energy, solar photovoltaics and in some locations, biofuels.

Highly energy efficient devices like LED lighting are dramatically reducing energy demand. Smart grids and dynamic tariff systems are encouraging energy efficiency in cities. Yet, large population of households in cities of the global South do not have access to reliable, affordable and uninterrupted power that will permit their children to study at night or even refrigerate food.

This is clearly a priority for the SDGs. But exciting innovations are afoot, for example, to reduce energy uses in building and house construction, technologies to decarbonise the production and transportation systems of our cities. Taking these innovations to scale in our cities are essential, if we are to achieve the goals of the Paris Climate Accord and restrain global mean temperature rise to 1.5 degrees C above pre-industrial levels.

While the energy infrastructure can help move the wheels of industry, commerce and household energy use, it is the mobility and transport systems that enable the city and its citizens to move people and their things from one location to the other, whether it’s from home to work, school to market or to gardens and recreational spaces.

Dramatic technological changes have taken place in transportation systems over the last century, but the apparent contradiction is that the faster and more sophisticated that our vehicles become, the slower transportation speeds become, because of congestion and poor planning. In many cities, the mean velocity of vehicular traffic is often not faster than a bicycle, accompanied by an epidemic of traffic accidents and severe air pollution.

A distinguishing feature of the modern city is urban sprawl, driven by the expansion of transport networks, starting with trams and rail and now taken over by the motor car, in most parts of the world to create massive suburbs and growth corridors. This is a serious challenge not only to sustainability, but to the livelihoods and economic security of the working poor, who either choose to live in poor conditions close to work in the decaying heart of many cities or are pushed to the periphery.

The most appropriate mix of mobility modes (walking, cycling, driving motorcycles, cars, buses and trains) and the role of active and public transport have been a deeply contested set of questions over the last few decades. It is now largely agreed that denser, more walkable cities are not only more secure but also more efficient, productive and make for more liveable spaces.

Cities like Vancouver, Perth and Copenhagen have demonstrated to the world that moving to more active and public transport linked to sustainable land use and mixed land use can improve the liveability and attractiveness of a city. Commuter rail, mass transit and metro systems have become an important symbol of million plus city life even though they are considerably more expensive than other options, and their environmental and climate impacts are relatively low.

Finally, the movement of goods and materials in cities, is probably as important as that of citizens. The effective functioning of cities depends on the flux of materials, fuels, finished goods and products through it and its linkage with regional and long distance transportation networks like shipping, air-freight and rail.

The most recent but almost ubiquitous urban service, is the telecommunications and information infrastructure that we built over the last century or so, that started with the telegraph and fixed wire telephone lines, but now is rapidly graduating to wireless voice, data and Internet connectivity.

Even in some of the poorest parts of the world, the expansion of optical and wireless communication systems across cities and urban areas has marked a most remarkable innovation over the last two decades dramatically increasing the importance and value of community and economic interaction and networks. The conception of basic services has now been extended in some cities to include universal free Wi-Fi , such as Helsinki which provides free municipal wifi zones throughout the city.

Irrespective of of the mix of the service providers that challenges of integrated planning of universal urban services; their effective development, operations and maintenance; and their apparition and replacement at the right point of time are all processes that need to be regulated appropriately and governed effectively, if we want our cities to be safe, productive, inclusive, resilient and sustainable.

What have we learnt today?

Infrastructure and services are a key differentiator between urban and rural areas and help create the economies of scale that draw people and enterprises to urban areas.

There are large differences in access to basic services like water supply, sanitation and solid waste management in and between cities, leading to risks of disease, disasters and inefficiencies. Environmental services like water supply, sanitation, drainage and solid waste management are critical to the effective functioning of the city but are linked to the ecosystem services of the region.

Most cities struggle with water scarcity and pollution, sanitation access and affordability, leading to health risks and lower quality of life for their residents. Urban energy infrastructure, based largely on fossil power is critical to maintain the metabolism of industry, commerce and household activities in the city. Universal access to quality modern energy sources, a renewables and energy efficiency transition across buildings, transportation, production and household energy needs to be effected very rapidly.

The city’s mobility and transport infrastructure helps determine its spatial form, expansion and the economic and livelihood opportunities that it offers to its citizens.

Active and public transport systems in cities that are compact and walkable are possible, effective, cheap and dramatically improve liveability and city attractiveness.

ICT infrastructure has revolutionised the interaction between people, enterprises and public institutions in the city. Nevertheless, a digital divide does exist that needs to be closed, through universal access to these services.

This will help in the integration and improvement in service delivery, cost effectiveness and the resilience of other urban services.

Cultura e dignidade Humana CV – Conexões na Cidade

Uma outra questão relevante para o funcionamento da economia criativa, é o seu impacto e poder sobre as redes sociais, ligando virtualmente grupos de pessoas que partilham interesses e atividades.

Muitas empresas criativas usam os serviços de redes sociais para oferecer os seus produtos e ampliar a sua audiência. Através da ligação de pessaos e baixo custo, as redes sociais podem ajudar os profissionais criativos a expandirem os seus contatos e clientes, bem como colocar os seus produtos no mercado global..

As novas plataformas digitais, como blogs, foruns e wikis (sites colaborativos) são também poderosas ferramentas para facilitar a co-criação entre criativos de diferentes partes do mundo

 

Cultura e Dignidade Humana – CII – Recursos sobre Economia Criativa

Recursos adicionais.

Augusto Mateus (2010) O Sector Cultural e Criativo em Portugal: Estudo para o Ministério da Cultura

Augusto Mateus (2013) . A cultura e a criatividade na Economia Portguuesa.

Augusto Mateus (2016) A Economia Criativa em Portugal: Relevância para a Competitividade da Economia Portuguesa

http://creativeconomy.britishcouncil.org/resources_new/

https://cirquedumonde.app.box.com/s/dq719esu46eh7nklamaqp1r3vlyy3ghs

UNCTAD & UNDP – Creative Economy Report 2010 pdf 

UNESCO: Cultural times – The first Global Map of Cultural and Creative Industries pdf 

UNCTAD – Capturing the Creative Economy in Developing Countries ppt (1.2 MB)

Bas RAIJMAKERS, Eindhoven Danielle ARETS “Thinking Through Making – An approach to orchestrating innovation between design and anthropology pdf (491 KB)

Tim INGOLD. “Thinking through Making” at Pohjoisen kulttuuri-instituutti – Institute for Northern Culture (video lecture) (25 min 29 sec)

Cultura e Dignidade Humana – XCIX – Economia Criativa e Cultura

Sem conhecimento, cultura e educação é muito difícil ser-se criativo. Sabemos que os valores culturais, as práticas culturais, os valores históricos e o conhecimento das tradições locais são fatores que influenciam de forma relevante a criatividade. É também necessário acesso à tecnologia e à informação. A criatividade não é algo que pré-existe. Podem ser treinadas atitudes que favorecem a emergência de situações criativas. Mas a criatividade emerge da leitura do lugar (Spiritus loci) da experiencia de vida e da interação em grupo (do encontro).

A criatividade não é uma forma de inteligência. Não se pode aprender a ser criativo. A criatividade pode ser definida como a capacidade de criar qualquer coisa nova e útil. Por isso a criatividade tem mais a ver com uma atitudo perante o mundo, uma capacidade que pode ser treinada, e que pode mergir em qualquer lugar em qualquer tempo.

Ser criativo, é em síntese encontrar um lugar no mundo. Num mundo em Mudança. Nessa prespetiva a criatividade não existe apenas no campo das artes e da cultura. A criatividade é necessária em todos os campos da vida individual e dos grupos. Existe na economia, na ciência, nos negócios. È uma forma de adaptação à mudança.

Cultura e Dignidade Humana – LXXXIX – Economia Criativa

Este artigo tem como objetivo refletir sobre o conhecimento da economia criativa, as aptidões para o seu desenvolvimento no âmbito do Contributo das atividades do setor criativo para dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

A economia criativa está em desenvolvimento em todos os países e oferece várias oportunidades para criar valor económico na sociedade, tem vindo a altera as cadeias de produção integrando o talento e a criatividade. A Economia criativa tem registado, na última década,um crescimento muito acentuado. A economia criativa tem vindo a colocar novos desafios às autoridades públicas, às empresas, às relações internacionais,; tem criado gnovas oportunidades de negócio e contribui para a construção da solidariedade entre as comunidades, para uma maior integração e inclusão social, oferecendo oportunidades a partir dos sabres locais. A economia criativa tem vindo a reforçar a relação entre redes e a consciência do lugar da cultura nas empresas culturais.

A economia criativa mobiliza conhecimentos, exige capacidades e promove atitudes em relação com o mundo e com os outros. A economia criativa permite uma aprendizagem holística.

O Conhecimento: é a base da economia criativa, permita as abordagens inovadoras e serve como matriz das políticas públicas para os problemas locais e coloca na agenda as tendências do setor económico.

As aptidões: São essenciais para aplicar o conhecimento e necessitam de ser treinadas para permitirem uma operacionalidade eficente. As atividades criativas são utilizadoras intensivas das tecnologias, em particular das tecnologias de Informação e comunicação, das artes tradicionais e da distribuição de conteúdos criativos.

As atitudes facilitam o processo de conhecimento e de relação com os outros. A economia criativa é um processo de cocriação, crítico reflexivo, que facilita a emergência de visões partilhadas, da valores partilhados, promove a diversidade cultural e o desenvolvimento socioeconómico com base no respeito pelo ambiente.

Cultura e Dignidade Humana LXIII – Políticas Sociais para enfrentar a exclusão

Políticas Sociais para combater a exclusão

Apenas para aprofundar algumas questões que se colocam aos contextos dos processos de exclusão social, vale a pena olhar para dois caso em diferentes partes do mundo.

No caso dos povos indígenas da Austrália, os colonizadores ingleses levavam instruções da rainha para desenvolverem o comércio através de modos pacíficos. Quando chegaram e encontraram os aborígenes australianos, os colonizadores decidiram que esses povos eram apenas objetos da lei e não sujeitos da lei. Essa atitude permitiu que a colonização ocupasse as suas terras e a envangelização os assimilasse. Ou seja a terra indígena foi então considerada terra nullis. Uma situação que apenas em 1992 foi revertida, na conclusão do caso Marlborough vs. Queensland[1].

Na Nova Zelândia, a colonização das terras Maori foram feitas de modo diferente. Os maoris eram mais semelhantes aos colonizadores, então os britânicos fizeram um tratado com as tribos: o Tratado de Waitangi[2] assinado entre ingleses e maiori, nas duas línguas, apresenta versões bastante diferentes nos significados. Numa versão, em maori, os chefes saúdam os ingleses e propõem-se a trabalhar com amizade e a desenvolver a cooperação, a firma-se o desejo de aprender mais sobre o cristianismo

Na versão inglesa, uma palavra maori “Kāwanatanga” é reinterpretada como uma cedência da soberania à Rainha. Em direito ambas as partes tem que ter uma noção clara do que está a ser contratado. Neste caso é claro que os chefes Maori não leram o contrato em Inglês. Apenas tomaram conhecimento da versão em maori. Isso criou um mal-entendido, que justificou o deslocamento das comunidades maioris, após a compra de terras por parte dos colonizadores, às autoridades coloniais por volta de 1700.Em 1975 o governo da Nova Zelândia colocou o caso em tribunal, que concluiu que os povos maoris tinha sido desapropriados de forma ilegal, definido a sus devolução acompanhada dum pagamento indemnizatório.

Foi um processo que na altura foi bastante falado e essencialmente, a decisão do tribunal rescreveu a História. Isto está longe de ter sido feito noutros lugares do mundo, mas mostra uma possibilidade de criação de diálogos e discussão com base nos princípios da igualdade de oportunidades. Isso permite criar condições para criar novas sociabilidade inclusivas. A Nova Zelândia é hoje um país multicultural. Integrou, melhor ou pior as dinâmicas da sua história. E isso teve uma grande importância nas várias ilhas do pacífico e nos seus povos originários.

A questão da decisão do tribunal levanta também questões que mostram a extensão com que os problemas das minorias e dos povos indígenas podem ser tratados. A criação de narrativas na história, que legitimam possessões, pode ser revertida pelo diálogo e pela constituição de novas narrativas.

O caso da Malásia já é diferente. Os diferentes grupos organizaram-se. Os chineses, após a independência tinham as suas formas de trabalhar e continuaram a fazer comércio. Os indianos dominavam a administração pública. Os malaios tinham ficado fora das grandes narrativas. Era um caso em que os habitantes originais, após a independência tinha ficado em posições subalternas. Por isso, na constituição original, ficou estabelecido, que o país deveria fazer um esforço de melhorar a afirmação da população malaia, durante um certo período de temo, sobretudo no campo da educação. Em 1969 o período das ações afirmativas terminou e houve uma grande contestação contra os chineses, que foram usados como pretexto, para reclamar para o fim dos benefícios, na expectativa de tornar os benefícios temporários em permanentes.

Este é um caso exemplar dos direitos das minorias que devem ser evitados. O fato de estar escrito na constituição, leva a uma possibilidade de legitimação de ações afirmativas, que a partir de certo momento, invertem os efeitos que pretendem atingir. É necessário evitar este tipo de armadilhas.

Isso não implica que a existência de ações afirmativas, não seja útil e não possam ser desenhadas políticas sociais para combater a discriminação social. Essa discriminação estrutural existe na sociedade, e no campo dos direitos humanos, não basta que os direitos sejam enunciados. É necessário que sejam efetivos e acessíveis.

[1] https://en.wikipedia.org/wiki/Principality_of_Marlborough

[2] https://en.wikipedia.org/wiki/Treaty_of_Waitangi