Arquivo da categoria: Museu AfroDigital- Estação Portugal

O Museu AfroDigital – Estação Portugal é um projeto que procura ligar pessoas, conhecimentos e práticas sobre os processos e as relações dos africanos com Portugal. Reúne um acervo digital e apresenta exposições virtuais sobre a história, a memória e o esquecimento dos processos e relações dos Africanos com a Europa, sobre seus modos de vida e influencia na cultura.

Museologia Nómada III

Em Rota para o Sul, na observação de Museus e Museologia Social paragem em Entradas, Castro Verde para olhar as novidades do nosso amigo Miguel Rego.

A preparação da exposição sobre as Transumâncias, renovações do museu e novas publicações. campobranco

As Quadras do Campo Branco são uma recolha de poesia popular, em quadras, das gentes destas terras onde outrora tocava a viola campaniça.  Preservar a memória das gentes é um dos objetivos deste Museu da Ruralidade. Fê-lo através deste publicação, com nome dos que a enunciaram

Percurso do Negro em Porto Alegre

O Museu de Percurso do Negro em Porto Alegre que visitei em agosto de 2015, no âmbito dos trabalhos do III CEAM em Porto Alegre é um projeto que busca dar visibilidade á presença da a comunidade afro-brasileira na cidade. Concentramo-nos no Espaço do museu e fomos acompanhados pelo Pedro Rubem Vargas, coordenador do projeto.WP_20150827_14_38_09_Pro

O Museu constitui-o se como um “Ponto de Memória” e forma-se a partir dum percurso pela cidade, na sua zona central. No espaço público do centro histórico da cidade foram instaladas de obras de arte, que simbolizam a contribuição da comunidade afro na construção da cidade.

O projecto

As primeiras ideias do projecto do museu do homem negro em Portalegre desenvolveram-se nos anos oitenta, a partir da Comunidade da Lomba do Pinheiro, a partir da constatação da invisibilidade da contribuição da WP_20150827_14_57_19_Procomunidade afro nas narrativas sobre a cidade. Porto Alegre foi porto de escravos negros até ao século XIX, e tiveram uma forte presença na construção da cidade e no desenvolvimento da agricultura. Alguns dos trabalhos desenvolvidos na altura permitiu resgatar algumas das memória da população afro, mas sem se conseguir formar um museu.

No início do século, a partir de diferente movimentos sociais da comunidade negra e da oportunidade oferecida pelos Pontos de Cultura e de Memória formou-se o primeiro elemento do percurso. O desenvolvolvimento partiu de uma construção coletiva da comunidade negra  de Porto Alegre procurando criar visibilidade da memória no espaço e criar condições para uma tomada de consciência sobre a cidadania e a identidade cultural. Os espaços são formados através de elementos simbólicos (obras de arte)  forma a serem fruídos através da memória do sítio. Uma memória construída pela passagem do negro no espaço. Ao mesmo tempo, o museu realiza diferentes ações de formação para jovens.WP_20150827_14_35_58_Pro

Constituindo-se como um projecto colaborativo do movimento negro, reunidas pelo Centro de Referência Afro-brasileiro, o primeiro elemento foi criado em 2011. Através da colaboração do grupo Angola Janga, foi executado a obra Tambor. O mesmo processo foi seguido para o elemento Pegada Africana. O terceiro elemento, o Bará, foi concretizado no Mercado, através da colaboração da Congregação em Defeza das Religiões Afrobrasileiras – CEDRAB RS. O quarto elemento, o Silar Afrobrasileiro contou com o apoio da FunArte e envolveu a formação da vários jovens do Quilombo do Areal. O quinto elemento ainda não está concretizado.

O Percurso do Negro

“O percurso visual em processo de execução evoca a presença, a memória, o protagonismo social e cultural dos africanos e descendentes no Centro Histórico da cidade de Porto Alegre, cuja pesquisa histórico-antropológica indicou os lugares vivenciados pelos africanos, a fim de elaborar objetos de arte representativos” e é constituído por:

  • O Bará no mercado Público. Simboliza os caminhos que se cruzam. A ligação entre o passado e o presente. É um chão sagrado;WP_20150827_007
  • O painel afrobrasileiro, no local do Cais do Porto e antigo Ancoradouro; representa as ligações ao mundo;
  • WP_20150827_15_29_42_Pro WP_20150827_15_29_48_Pro
  • A pegada africana, no Largo da Quitanda (Praça da Alfândega), representa o contributo da cultura afro para o Brasil;
  • WP_20150827_15_41_01_Pro WP_20150827_15_41_09_Pro
  • No Pelourinho (Igreja das Dores) e antigo Largo da Forca, o elemento que falta concretizar, no espaço do justiciamento;
  • WP_20150827_15_58_57_Pro
  • O Tambor, junto à antiga praia, simboliza os diferentes contributos da comunidade negra em Porto Alegre. O Tambor em cimento, tem diferentes figuras, contando a história dos negros no Brasil, ao mesmo tempo. Ao bater no cimento podem compor-se diferentes sonoridades.
  • WP_20150827_014WP_20150827_16_07_46_ProWP_20150827_16_08_01_ProWP_20150827_16_14_25_ProWP_20150827_16_15_56_ProWP_20150827_16_17_01_Pro

Há ainda vários elementos que podem ser integrado no percurso, como por exemplo a Igreja da Nossa Senhora do Rosário, o Mercado Público e a Santa Casa de Misericórdia, a Colónia África e o Areal da Baronesa.  O objectivo do museu é criar processos museológicos a partir das relações sociais atuais e construir uma narrativa sobre a memória.

Porto Alegre, Brasil – visita de 27 agosto 2015

Site do Museu aqui

Continuar a lerPercurso do Negro em Porto Alegre

Novos Rumos da Escultura Maconde

novosrumosesculturamakondeNovos Rumos da Escultura Maconde foi um projeto desenvolvido em Moçambique em 1988 e 1989. Procurou fazer o balanço da arte de escultura em Madeira, da sua originalidade e diversidade estética.

Já falamos noutro lugar da questão da estatuária maconde, quer no periodo colonial, quer no período da libertação nacional. Este projeto é interessante para compreender o que se passou entre 1975 e o ano 2000.

Com efeito, se após a independência se dá um surto escultórico, com a arte a ser ensinada em escolas, a situação de crise e a guerra civil acabaram por levar, por um lado a um abandono de muitos escultores duma atividade que não vendia, e por outro lado a uma certa inflação da oferta, com trabalhos de artesanato, pouco qualificados e repetitivos.

Este projeto trabalha 9 escultores e as suas obras. Salientamos aqui algumas caracterísiticas.

1. a expressão naturalista. Pessoas e animais são apresentadas com realismos em posições anatómicas muito expressivas, em situações de vida quotidiana, exprimindo a função poética.

2. expressão do realismo fantástico. Exprime a contradição entre o mundo natural e o mundo fantástico. Os shetani são expressão da mundo mítico africano, em que o plano real coexiste com o plano mitológico. as esculturas dão vida a expressões míticas e tradições populares numa expressão original.

3. São de realçar as questões da abtração figurativa, o ritmo da escultura, a combinação entre o movimento e a harmonia.

A figuração dos shetani são uma poderoso meio de observação do universo maconde, os seus mitos, os dramas sociais, o problema das chuvas e certos comportamentos sociais, sejam do quotidiano, sejam valores.

 

Teoria social em Anthony Giddens

giddenssociologia

Novas Regras do Método Sociológico, publicado em 1994, em Lisboa, pela Gradiva

Sobre a  Constituição da Sociedade

Para Giddens  o indivíduo é um agente reflexivo. A reflexividade implica um posicionamento de cada um e uma co-presença. A sociedade é um conjunto de interesses entre cruzados. Um sistemas sociais é estendido como uma configuração sobre (lapsos) de tempo-espaço.

Giddens propõe observar com maior detalhe o conceito de Sociedade, considerado por muitos como a principal unidade de análise nas ciências sociais.

Revisão do conceito de Sociedade

Giddens rejeita o ponto de vista da sociologia estrutural, que considera o conceito de sociedade ligado de modo direto ao de coerção.

Segundo ele, as propriedades estruturais dos sistemas sociais seriam simultaneamente facilitadoras e coercivas.

Sociedades, sistemas sociais

O autor traz à tona dois sentidos atribuídos à sociedade no uso comum:

  1. Sociedade enquanto conotação generalizada de interação ou associação social.
  2. Sociedade enquanto uma unidade, com fronteiras que distinguem de outras.

Para Giddens, as totalidades sociais nem sempre possuem fronteiras claramente demarcadas, embora estejam tipicamente associadas a formas definidas de local. A resistência a esses pressupostos pode ser facilitada se reconhecermos que as totalidades sociais são encontradas dentro do contexto de sistemas intersociais distribuídos ao longo do tempo-espaço.

Para Giddens, todas as sociedades seriam sistemas sociais e, ao mesmo tempo, constituídas pela interseção de múltiplos sistemas sociais. Estes podem ser totalmente ‘internos’ às sociedades ou transpor as linhas divisórias entre o ‘interior’ e o ‘exterior’, formando uma diversidade de possíveis modos de conexão entre totalidades sociais e sistemas intersociais.

As sociedades, então, são sistemas sociais constituídos por uma série de outras relações sistêmicas, nas quais estão inseridas. Logo, a primeira e mais básica característica de uma sociedade seria um “aglomerado de instituições” global especificável através do tempo e do espaço. Outras características são:

  1. Uma associação entre o sistema social e um local ou território específico. Os locais ocupados por uma sociedade não são necessariamente áreas fixas. As sociedades nômades erram em percursos tempo-espaço de tipos variáveis.
  2. A existência de elementos normativos que envolvem a pretensão de legítima ocupação do local. Os modos e estilos de tais pretensões de legitimidade podem, é claro, ser de muitos tipos e ser contestados em maior ou menor grau.
  3. A preponderância, entre os membros da sociedade, de sentimentos de que possuam alguma identidade comum, como quer que esta se expresse ou se revele. Esses sentimentos podem ser manifestos tanto na consciência prática quanto na consciência discursiva e não pressupõem um “consenso de valor”. Os indivíduos podem estar cônscios de pertencer a uma coletividade determinada sem concordar em que isso seja necessariamente correto e apropriado.

Giddens traz exemplos como o caso da China que, em determinados períodos de sua história, colocou diversos grupos etnicamente distintos no sul do país como parte de uma ‘sociedade chinesa’.

A regionalização de amplo espectro não deveria ser tratada como simplesmente composta de relações agregadas entre “sociedades”. Esse ponto de vista possui alguma validade quando aplicado ao mundo moderno de nações-Estados internamente centralizados, mas não quando se fala de eras anteriores.

Estrutura e coerção: Durkheim e outros

Neste tópico, Giddens realiza críticas à grande parte da sociologia estrutural, de Durkheim em diante, que se inspiraram na ideia de que as propriedades estruturais da sociedade formam influências coercivas sobre a ação.

A teoria da estruturação contrasta com essa concepção, pois se baseia na proposição de que a estrutura é sempre tanto facilitadora quanto coerciva, em virtude da relação inerente entre estrutura e agência.

Giddens argumenta que a teoria da estruturação não minimiza, de maneira nenhuma, a importância dos aspectos coercivos da estrutura. Contudo, a ‘coerção’ não pode ser considerada a única qualidade definidora de uma ‘estrutura’. Na teoria da estruturação, a ‘estrutura’ foi concebida como uma propriedade dos sistemas sociais, ‘contida’ em práticas reproduzidas e inseridas no tempo e no espaço. Os sistemas sociais, por sua vez, estão organizados hierárquica e lateralmente dentro de totalidades sociais, cujas instituições formam ‘conjuntos articulados’.

Ainda sobre a crítica à visão da sociologia estrutural, Giddens mostra como Durkheim associa coerção através da observação de que a Longue durée de instituições tanto precede quanto ultrapassa as vidas dos indivíduos nascidos em uma determinada sociedade. Em seus primeiros escritos, Durkheim enfatizou os elementos coercivos da socialização, mas, depois, ele passou a perceber com clareza cada vez maior que a socialização funde a coerção com a facilitação.

Isso é demonstrado no caso da aprendizagem da primeira língua. Ninguém “escolhe” a sua língua pátria, embora aprender a fala-la envolva elementos definitivos de submissão. Como qualquer língua cerceia o pensamento (e a ação) no sentido de que pressupõe uma série de propriedades articuladas e governadas por regras, o processo de aprendizagem linguística fixa limites à cognição e à atividade. Mas, na mesma ordem de ideias, a aprendizagem de uma língua expande imensamente as capacidades cognitivas e práticas do indivíduo.

Com isso, Giddens aponta que as totalidades sociais não só preexistem e sobrevivem aos indivíduos, mas também se expandem no tempo-espaço. Nesse sentido, propriedades estruturais dos sistemas sociais são certamente exteriores às atividades do indivíduo.

As sociedades humanas, ou sistemas sociais, não existiriam, em absoluto, sem a agência humana. Mas não se trata de que os agentes, ou autores, criam sistemas sociais. Eles os reproduzem ou transformam, refazendo o que já está feito na continuidade da práxis.

Quanto mais as instituições se fixam com firmeza no tempo e espaço, mais elas resistem à manipulação ou mudanças realizadas pelo agente individual. Esse significado de coerção também está acoplado à facilitação. O distanciamento tempo-espaço fecha algumas possibilidades de experiência humana ao mesmo tempo em que abre outras.

Com isso, o âmbito de ação do indivíduo não é definido apenas externamente. Quando Durkheim liga externalidade e coerção, reforça uma concepção naturalista da ciência social – ou seja, quis buscar apoio para a ideia de que existem aspectos discerníveis da vida social governados por forças análogas às que operam no mundo material.

Giddens fecha o tópico apontando que as coerções são de importância essencial para a teoria da estruturação. Capacidade e restrições de acoplamento, dentro de cenários materiais definidos, criando possíveis formas de atividade para os seres humanos. Contudo, esse fenômeno também possui características facilitadoras de ação. Giddens fala que a tendência desses autores (sociologia estrutural) foi enxergar na coerção uma fonte causação, mais ou menos equivalente a operação de forças causais impessoais na natureza. Ou seja, o raio de “ação livre” dos agentes é restringido por forças externas que fixam limites. Ou seja, a coerção estrutural está ligada a um modelo de ciência natural (Causal).

Três sentidos de “coerção”

Neste tópico, Giddens considera o significado de coerção com respeito à coerção material e à associada a sanções, depois à estrutural.

  • – Coerção física, limitando as vidas sociais viáveis que as pessoas podem levar; Todo ser humano tem que defrontar com as coerções do corpo, seus meios de mobilidade e comunicação.
  • – Aspectos coercivos do poder são experimentados como sansões de vários tipos, indo desde a aplicação de força ou da violência ou a ameaça disso, até a expressão moderada de desaprovação.
  • – A coerção estrutural é descrita como a fixação de limites à gama de opções que um ator, ou pluralidade de aotes, tem acesso numa dada circunstância ou tipo de circunstância.

Coerção e reificação

A ‘reificação’ tem sido entendida de formas muito diversas na literatura da teoria social. Entre esses usos divergentes, três sentidos característicos podem ser mais comumente discernidos.

  • Um deles é um sentido animista, em que as relações sociais são atribuídas a características personificadas. (Exemplo do fetichismo da mercadoria – as produções humanas se apresentam como seres independentes dotados de vida e estabelecem relações com a raça humana).
  • Outro sentido no qual o termo reificação é empregado, refere-se as circunstâncias em que os fenômenos sociais tornam-se dotados de propriedades características de coisas, que eles, de fato, não possuem,
  • Finalmente o termo ‘reificação’ é usado, por vezes, para designar características das teorias sociais que tratamos conceitos como se fossem objetos a que se referiram, ao atribuir propriedades a esses conceitos.

O “modo reificado” deve ser considerado uma forma ou estilo de discurso, no qual as propriedades dos sistemas sociais são vistas como tendo a mesma fixidez pressupostas nas leis da natureza.

O conceito de princípios estruturais

Giddens inicia o tópico fazendo um apanhado do que foi abordado no capítulo. Segundo o autor:

  • A Coerção estrutural não se expressa em termos das implacáveis formas causais que os sociólogos estruturais têm em mente quando tanto enfatizam a associação de ‘estrutura’ com ‘coerção’.
  • As coerções estruturais não operam independentemente dos motivos e razões dos agentes para o que fazem. Não podem ser comparadas com o efeito de, por exemplo, um terremoto que destrói uma cidade e seus habitantes sem que eles possam fazer nada.
  • Os únicos objetos moventes em relações sociais humanas são os agentes individuais, que empregam recursos para fazer as coisas acontecerem intencionalmente ou não.
  • As propriedades estruturais de sistemas sociais não atuam ou “agem sobre” alguém como as forças da natureza, para “compelir” o indivíduo a se comportar de um modo particular.

Entretanto, existe uma serie de noções adicionais pertinentes à questão da “estrutura” em análise social, e elas requerem especial consideração. Examiná-las-ei abordando pela ordem as seguintes questões: como deve ser desenvolvido o conceito de “principio estrutural”? Que níveis de abstração podem ser distinguidos no estudo das propriedades estruturais de sistemas sociais? De que modo os diversos sistemas sociais se articulam dentro de totalidades sociais?

Estruturas, propriedades estruturais.

O conceito de estrutura pode ser usado de um modo técnico e de um modo mais geral. Entendida como regras e recursos, a estrutura esta repetidamente subentendida na reprodução de sistemas sociais e é totalmente fundamental para a teoria da estruturação. Se usada de um modo mais impreciso, pode-se falar dela em referência as características institucionalizadas (propriedades estruturais) das sociedades. Em ambos os usos, “estrutura” é uma categoria genérica envolvida em cada um dos conceitos estruturais abaixo indicados:

  1. principias estruturais: princípios de organização de totalidades sociais;
  2. estruturas: conjuntos de regras e recursos envolvidos na articulação de sistemas sociais;
  3. propriedades estruturais: características institucionalizadas dos sistemas sociais, estendendo-se ao longo do tempo/espaço.

A identificação de princípios estruturais, e suas conjunturas em sistemas intersociais, representa o nível mais abrangente de análise institucional. Quer dizer, análise desses princípios se refere a modos de diferenciação e articulação de instituições através do tempo-espaço de maior “profundidade”.

Giddens fecha o tópico discorrendo como o estudo de conjuntos estruturais, ou estruturas, envolve o isolamento de distintos “grupos” de relações de transformação/mediação implícitos na designação de princípios estruturais. Os conjuntos estruturais são formados pela mútua conversibilidade das regras e dos recursos envolvidos na reprodução social. As estruturas podem ser analiticamente distinguidas, segundo o autor, dentro de cada uma das três dimensões de estruturação, significação, legitimação e dominação, ou através de todas estas.

Cidadania, cultura e desenvolvimento

No postal onde abordamos a relação entre a cultura e desenvolvimento, defendemos que era necessário, por um lado fazer uma revisão sobre o trabalho feito, e por outro analisar as ferramentas de participação cidadã e pensar em termos de alternativa de ação.

Vimos no postal anterior que se deu um importante avanço teórico no campo da relação entre cultura e desenvolvimento. Verificamos que esse avanço se foi consubstanciando em importantes declarações nas organizações internacionais, que várias delas, entre as quais a União Europeia e a UNESCO desenvolveram reflexões e se esforçaram por integrar essas conclusões no campo das suas políticas públicas. Avançamos com a hipótese de que esse posicionamento teve um efeito positivo no incremento das indústrias culturais e da economia criativa. Sabemos que quando falamos de inovação, quase sempre se verifica a necessidade de associar ou aglutinar a cultura enquanto elemento catalisador. Neste postal vamos analisar as possibilidades de ação

A implementação da relação cultura e desenvolvimento

Uma das questões que entretanto verificamos, em relação às questões da ação, é que no Campo da Ajuda ao Desenvolvimento, processo pelo qual são financiado praticamente todas as atividades do desenvolvimento, é que existe uma diferença entre o norte e o sul. Nos países do norte, a cultura é abordada como industria cultural ou como economia criativa. O seu papel no desenvolvimento surge pela procura do seu efeito multiplicador, ou se quisermos criador de riqueza na economia. Acresce os benefícios da cultura para o bem-estar geral e para a criação de inovação.

Já pelo contrário, no Sul, menos desenvolvido verificamos que a cultura embora seja considerada como um valor a incluir no desenvolvimento, as está normalmente ausente das práticas na Ajuda ao Desenvolvimento aos países periféricos.

Esta é uma situação que decorre fundamentalmente a ideia de que o desenvolvimento é destinado aos países do sul. Esta situação é responsável por uma “dupla consciência”, em que o que é válido a norte, não é considerado como relevante para o sul, ainda que o fim (o objetivo) seja o mesmo. Estamos perante um caso de relevância fenomenológica. Num lado, um processo onde os meios são favoráveis aos fins, do outro lado, um processo onde os meios não são incluídos nos fins.

Como vimos apesar da Convenção da UNESCO de 2005 integrar esta relação, de em muitas das declarações sobre a relação estreita entre a cultura e o desenvolvimento, o que sem dúvida é um grande avanço, concluímos que a cultura ainda é um factor menor quando se fala de desenvolvimento.

Ou seja tomando como exemplo a relevância da diversidade cultural elemento de desenvolvimento. Apesar da consciência da diversidade, não podemos esquecer que por todo o mundo, em nome desse desenvolvimento e através de projetos, que são sujeitos os processos de aprovação das mesmas organizações que definem esta relação, essa mesma diversidade é colocada em questão. Os projetos não são construídos a partir das realidades locais, mas sim das realidades dos dadores.

Estaremos perante um daqueles paradoxos em que olhando para a diversidade cultural verificamos que está a ser destruída ou a ser processadas (recriadas). Erosão de valor para criar outro valor, potencialmente superior, ou partir do valor pre-existente para acrescentar valor ?

É certo que a ideia de desenvolvimento é uma invenção. Mas será que podemos continuar a tolerar, por exemplo a violação da cultura local, para impor culturas de nível superior. É uma primeira questão de controvérsia. E talvez por isso esteja ausente das agendas da Ajuda ao Desenvolvimento. A questão da agenda da política de ajuda não será fácil.

E já acima verificamos que apesar de em 1998 o Plano de Ação da UNESCO na Conferencia de Estocolmo, isso não influenciou a definição da Agenda dos Objetivos do Milénio. Também já salientamos que isso demonstra a dificuldade de articulação entre várias agências das Nações Unidades. Há que pensar como ultrapassar este impasse.

A questão para resolver passa pela procura da alternativas para a cooperação internacional (ou a Ajuda ao Desenvolvimento) ser capaz de alocar a cultura (a diversidade como criatividade e capacidade de criar inovação) como instrumento de desenvolvimento da economia. Isso implica naturalmente colocar os indivíduos e as comunidade no centro da construção desse desenvolvimento. Ao invés de exportar modelo, a cooperação deverá construir modelo a partir das realidades locais. Só assim fará sentido a assumpção de que a cultura é um fator de desenvolvimento. A Ajuda ao desenvolvimento como um processo de criar capacidade de intervenção local.

Também como já verificamos mais acima, tem sido a progressiva consciência desenvolvida pelos países menos avançados sobre a necessidade de incluir a cultura nas suas políticas de desenvolvimento, que leva a que essa questão  ganhe relevância nas estratégias. Uma situação que surge fundamentalmente ao nível declarativo, e raramente ao nível dos programas e ações dos doadores. Localmente, há governos que continuam a estabelecer programas e estratégias, que raramente acabam por beneficiar das ajudas internacionais.

A formação de estratégia das políticas culturais

Em vário países podemos verificar a existência da planos e estratégias de ação cultural. Há também um amplo referencial estatístico que recolhe dados sobre a contrivuição da cultura para o desenvolvimento. Há inclusive quem defenda a necessidade das empresas implementarem um novo paradigma de relação com o mercado, em que ao invés dos produtores determinarem o que é que os consumidores consomem, que tem vindo a gerar aquilo a que consideramos a uniformização dos consumos com a consequente perda das diversidades locais; são os consumidores com a força da sua cultura local que escolhem o que querem consumir localmente. Defende-se portanto que as empresas que sobreviverão no mercado serão as que foram capazes a aproveitar o potencial local. As chamadas comunidades de consumidores. Isso seria também relevante para criar inovação A economia criativa é um amplo segmento que não cabe a aqui abordar. Há no entanto salientar aqui as suas ligações a sectores mais tradicionais, como a relação com o turismo, com a educação, entre outros serviços.

A dimensão da cultura, seja através de planos, programas, seja através de ações emerge já como um elemento fundamental do desenvolvimento. Ele no entanto emerge como um elemento muito próximo da governação local, das ações das comunidades. E esta é um primeiro elemento a reter na formulação de estratégias de ação. A da necessidade da cultura ser pensada numa escala local. É nessa escala, a da comunidade que a relação produz efeitos óbvios. Não são os grandes planos de cultura que geram efeitos, mas sim a multiplicidade de ações de diferentes atores nos seus diferentes contextos.

A relevância da participação dos cidadãos e das organizações que estes vão criando são os instrumentos mais relevantes da implementação duma estratégia de desenvolvimento com incorporação da diversidade cultural. Uma conclusão óbvia que implica o reconhecimento duma agenda de ação.

Museu Afro-Brasil de São Paulo

museuafrobrasil

O Museu Afro-Brasil, localizado no parque do Ibirapuera em são Paulo, no edifício do Pavilhão Padre Manuel da Nobrega, desenhado pelo arquiteto Oscar Niemayer, procura contar um história brasileira que quase sempre foi ignorada. A sua herança africana.

Trabalhamos esta questão em 2009, no âmbito dos trabalhos sobre a herança africana nos museus portugueses. Este museu foi criado a partir do espólio do Escultor Emanuel Alves de Araújo que ao longo de trinta anos recolheu obras que mostravam a relevância das populações negras no Brasil.

 

Modos de mudança social na cidade: Diálogo entre o Fado o Samba e a Marrabenta

Resumo

Este artigo trabalha sobre a categoria analítica do sensível através da observação das musicalidades praticadas em contexto urbano, com base nas heranças da tradição. Procuramos demonstrar como diferentes processos de formalização conduzem a diferentes modos de apropriações simbólicas dos fenómenos sociais. Apropriações que se traduzem em processos de ação de transformação social que demonstram o potencial de resistência e resiliência que alimentam diferente processos de transformação social

Nas cidades de Lisboa, da Bahia e Maputo escutam-se e dançam-se musicalidades construídas por tradições. Tradições feitas de diálogos diaspóricos de raízes africanas, entre os que chegam e que trazem modos de vida, entre os que aí ficam e transformam as suas experiencias em gramaticas e entre os que partem, levando consigo outras poéticas.

Neste artigo apresentamos os trabalhos de investigação em cursos sobre a análise dos processos de Patrimonialização do Fado em Lisboa, do Samba de Roda na Bahia e da Marrabenta em Maputo. O Fado torna-se património através de um processo formalizado por organizações do poder local, com base numa presquisa documental, dendo origem a um museu a uma fixação de uma gramatica. A roda de Samba, na Bahia, num processo baseado na recolha etnográfica, com base na mobilização de associações locais com recurso à oralidade e a performance. Na periferia de Maputo, ainda sem processo de Patrimonialização a Marrabenta parece emergir como musica urbana e de resistência

Pós-colonialismos e Império da Visão

imperiodavisao

De Filipa Lowndes Vicente investigadora do ICS foi hoje lançado o livro O Império da Visão: a fotografia no contexto colonial.(1860-1960) com edição das Edições 70.

Da apresentação retiramos “Ao longo da segunda metade do século XIX, a fotografia surgiu como um instrumento central na definição de identidades nacionais, coloniais e individuais, e como nova forma de conhecimento e de comunicação. Entre os anos 1850 e os anos 1950, a fotografia foi mesmo o principal modo de tornar o mundo visível. Esta hegemonia da fotografia foi contemporânea da hegemonia do colonialismo da época, coincidência temporal que se reflectiu na estreita relação entre colonialismo e fotografia: nos modos como contribui para uma cultura colonial, por um lado, e, por outro, na forma como se tornou um dos objectos históricos daqueles espaços e lugares onde os vestígios materiais, visuais e escritos da experiência colonial portuguesa acabaram as suas viagens – os arquivos privados e públicos dos países que, no passado, foram metrópoles ou colónias.
Hoje, os estudos sobre imperialismo reconhecem como, a par da documentação escrita, as imagens são determinantes para se compreender e estudar os impérios. Nos diferentes cruzamentos entre cultura visual e império, a fotografia ocupou um lugar central: como instrumento inseparável dos vários saberes científicos que usavam as colónias como laboratório; ao serviço da propaganda política do poder colonial; ou nos modos como foi apropriada pelos sujeitos colonizados, enquanto forma de resistência ou mesmo no forjar de identidades protonacionalistas; nos seus usos pessoais e íntimos. As potencialidades de reprodução das tecnologias fotográficas multiplicaram os seus usos e circulação. Em exposições coloniais, folhetos e postais, a ilustrar jornais, livros médicos, militares ou antropológicos.
Com a participação de vários investigadores de diversas áreas e interesses, este livro constitui um contributo pioneiro e enriquecedor para o estudo da fotografia em contexto colonial.”

Com apresentação de Isabel Castro Henriques, estavam lá todos os africanistas da urbe. Bem falantes, o livro desta jovem investigadora parece enveredar por caminhos inovadores, recolhendo e trabalhando sobre arquivos fotográficos numa perspectiva crítica.

O uso da fotografia como documento da história tem vindo ser crescentemente usado como recurso de análise e posterior publicação. A autora, coordenadora duma vasta equipa parece pessoa preparada. Nascida em Lisboa em 1972, “ é desde 2009 Investigadora Auxiliar do Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Lisboa. Doutorada pela Universidade de Londres em 2000 (Department of Historical and Cultural Studies, Goldsmiths College), pós-graduada em História da Arte contemporânea no Goldsmiths College (1995) e licenciada em História e História da Arte pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (1994). A sua tese de doutoramento deu origem ao livro Viagens e Exposições: D. Pedro V na Europa do Século XIX (Lisboa: Gótica, 2003) que obteve o “Prémio Victor de Sá de História Contemporânea” em 2004.

Após o doutoramento, com o apoio de uma bolsa da Fundação Oriente, começou a trabalhar sobre a Índia colonial nos séculos XIX e XX. Entre 2003 e 2009 foi bolseira de pós-doutoramento (Fundação para a Ciência e a Tecnologia) no Instituto de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e, no ano lectivo de 2008-2009, no Departamento de Arte e Arqueologia da School of Oriental and African Studies (SOAS) da Universidade de Londres. Entre 1994 e 2009 viveu e trabalhou em Inglaterra, EUA, e Itália.

Do trabalho de investigação realizado após o doutoramento resultaram vários artigos e um livro: Outros Orientalismos: a Índia entre Florença e Bombaim (1860-1900) (Lisboa: ICS, 2009). Iniciaram-se ainda dois projectos-livros: A Índia do Lado: histórias cruzadas entre o colonialismo britânico e português na Índia da segunda metade do século XIX e A Arte sem História: mulheres artistas (séculos XVI-XX).

Organizou e leccionou cursos sobre os seguintes temas: “De musas a artistas: as mulheres e a arte” (Museu de Serralves, Porto); “História das colecções, museus e exposições” (Mestrado em Património e Museologia da Universidade Católica de Lisboa); “Antropologia e cultura visual” (Mestrado em Patrimónios e Identidades do ISCTE, Universidade de Lisboa).

Através do seu principal projecto de investigação no ICS – Goa em Exposição: Exposições, Imagens e Identidades (1850-1950) – pretende analisar a produção de conhecimento em contexto colonial, a circulação de pessoas e de objectos num espaço globalizado sobretudo na segunda metade do século XIX, e as formas de construção do passado e do presente através de museus, arquivos, bibliotecas, revistas, fotografia, e da escrita histórica, arqueológica ou antropológica.

A sua abordagem é histórica mas os seus temas de investigação cruzam-se com a antropologia ou a cultura visual: a história da produção de conhecimento, sobretudo no século XIX; cultura visual e colonialismo; história das colecções, exposições e museus em contexto colonial; viagens de pessoas e de objectos; história da fotografia; culturas do nascimento; práticas educativas; estudos de género.” Retirado da pagina pessoal do ICS.

Pois tudo parece bem quando está bem. O meu incomodo é mais uma vez o lugar de locução. Falar do Império a partir do império que já não é. Não basta hoje falar de pós-colonial e olhar para os territórios como parcelas lusofona sem uma crítica dessa unidade. Na academia ainda se usa essa unidade de análise. Convém contudo não esquecer que, constituindo a fotografia uma ilustração da cartografia do espaço do outro, ele também nos fala do outro. Falar o outro é um local de locução. Um lugar que já não é pós-colonial.

O resto virá depois de ler o livro que não comprei.

Heranças Esbranquiçadas I – Memória e Esqueciento

Memória e esquecimento

A questão da memória e do esquecimento como campo de investigação tem já um longo e rico percurso nas Ciências Sociais. Um caminho que se inicia com o filósofo Henri Bergson[1] e que tem em Maurice Halbwachs[2] o “criador” do conceito de memória coletiva[3]. Uma noção que marca o contexto de investigação social na segunda metade do século XX, “constituindo-se como objeto de investigação de diversas ciências até à atualidade”. O contributo das ciências cognitivas e das neurociências[4] é o seu mais recente desenvolvimento, procurando agora entender a complexidade das respostas neuronais aos processos de adaptação e inovação do indivíduo à natureza e ao grupo.

Não procuraremos neste artigo aprofundar o debate sobre a complexidade desse conceito nas ciências sociais. Esse trabalho tem sido feito por diversos autores, e aqui remetemos ao recente trabalho de Myriam Spulveda Santos, no qual é feito um balanço sobre Memória coletiva e teoria social (Santos, 2012).

A problemática da rememoração, como operação cognitiva, implica o reconhecimento do valor do objeto por parte do sujeito – o que é necessário ser recordado. No entanto, como diferentes autores têm chamado a atenção, o trabalho sobre as problemáticas da memória implica igualmente o reconhecimento de que essas lembranças ocorremem determinados contextos e circunstâncias. Trata-se, portanto, de algo que é processado pela mente, reflexo de algo que aconteceu no tempo anterior, processado no tempo presente, no qual é avaliado em função da sua adequação à situação, permitindo uma decisão sobre uma ação. Trata-se de uma problemática que nos remete à centralidade dos estudos da memória na teoria social.

Os estudos sobre a memória social procuram fornecer uma resposta para as relações entre o indivíduo e o social. Procuram entender quais os elementos de ligação entre o uno e o todo; qual a função da solidariedade entre os membros; o que é mostrado nos rituais e celebrações coletivas; qual a relevância das comemorações dos monumentos e outros lugares de memória; e, finalmente, procura analisar as representações construídas pelos atores em processo.

A atualidade dos estudos da memória social está bem presente nesse entendimento construído a partir de uma perspetiva crítica, em que o tempo é visto como um fluxo de possibilidades, as permanências dos sinais do passado, as formas como o presente é “condicionado” por esse passado e qual a relevância das perdas e dos fragmentos das memórias que permanecem no tecido social. É nessa dimensão que procuramos integrar esta nossa reflexão.


[1] Henri Bergson (1859-1941), filósofo e diplomata francês. Foi prêmio Nobel da literatura em 1927. Escreveu, em 1911, La perception du chagement, e, em 1928, Matière et mémoire: essai sur la relation du corps a l’esprit.

[2] Maurice Halbwachs (1877-1945) foi discípulo de Bergson e professor em Caem e no Colégio de França.Em 1925, escreveu Les cadres sociaux de lamémoire. A sua obra Le memoire coletive será publicada, postumamente, por um colaborador.

[3] Memória coletiva é a memória partilhada por um grupo de pessoas. Um grupo que partilha ligações familiares, religiosas, étnicas, de classe, de gênero ou nação. Na sua tradução do francês tem vindo a adquirir a forma de memória social. Considera-se a memória coletiva como a proposição de que a memória dos grupos não é apenas a mera reprodução das experiências passadas, mas um processo em que estas (as memórias) são vividas em função da realidade do presente. Essa experiência social é praticada pelas pessoas, individualmente ou em grupo, mobilizando os recursos disponíveis pela sociedade e pela cultura.

[4] Sobre a questão da memória social e das neurociências, vejam-se os trabalhos de Manuel Damásio, nomeadamente O livro da consciência: a construção do cérebro consciente (Damásio, 2010).

Lagos e a sua História

monografiadelagos

 

Centrando as nossas leitura em Lagos, durante o verão, na livraria do nosso amigo Luís Fagundes, da livraria Livros da Ria Formosa, em lagos, encontramos este livrinho.

Trata-se duma Monografia de Lagos, da autoria de Manuel João Paulo Rocha, publicada originalmente em 1909 pela tipografia Universal do Porto, republicada em 1991 pela Algarve em Foco Editora, o nº 20 duma coleção de temas algarvios, onde se republicaram obras de Ataíde de Oliveira entre outros.

Trata-se duma monografia ao estilo da época com um exaltação da história local e, na medida em que se viviam tempos pré-republicanos, se exaltam os contributos do Batalhão de Lagos no âmbito da Guerra Peninsular.

No caso de Lagos, onde a nossa leitura foi orientada para as problemáticas da escravatura, que como sabemos a propósito da Crónica de Zurara era um centro de trafico, não encontramos, como seria de esperar muita informação. mas lá chegaremos noutras leituras.

Poesia Negra de Expressão Portuguesa.

Em maio de 1953, Francisco Tenreiro e Mário Pinto de Andrade organizam e editam em Lisboa o “Caderno de Poesia Negra de Expressão Portuguesa”., com um arranjo gráfico de Mário Domingues. Em 2012, a editora Nossomos, reedita estes cadernos numa versão fac-similada, que agora encontramos no 9º Congresso Ibérico de Estudos Africanos, que se realizou em Coimbra em Setembro de 2014.poesinegra

Uma capa de cartão, negra, com letra em azul cinza, envolve o papel de boletim do caderno. Na lombada breves palavras de Luís Kandjimbo, contextualiza a produção. Logo de início assinala o seu carater legitimador. Este caderno constitui, um elemento seminal na constituição das literaturas de expressão portuguesa. A convergência duma geração de autores africanos em Lisboa, oriundos das então colónias africanas, haviam criado em 1951 o Centro de Estudos Africanos. Expressavam a vontade de pensar África a partir de África.

Esta vontade ontológica introduzia, na senda do que propôs Aimée Cesaire e como Mário de Andrade assinala na sua introdução, uma vontade de compreender e entender os contextos de produção poética nas sociedades africanas. Tratava-se de olhar para a produção poética como uma forma de expressão social. É a procura deste conteúdo social que levou ao uso da literatura, e neste caso da poesia, como arma de construção das identidades.

Essa posição, afastou então estes jovens estudantes da procura das expressões estéticas e introduzia um elemento de ruptura na tese da unidade cultural do império colonial português. Por isso foram perseguidos pela polícia política. Anos mais tarde esses países seriam independentes. A língua nacional foi o português. Daí o carácter seminal destes textos, que condensam, vinte anos antes, o cânone do campo das literaturas de expressão portuguesa.

Introduzem a dimensão africana na lusofonia. Teria havido lugar à lusofonia sem África ?