Arquivo da categoria: Actualités / News

As cidades e as ações de transição XXI

Ter emissões 0 por volta de 2050 é um importante desafio que começa hoje com as nossas ações individuais e as nossas ações coletivas. As nossas cidades são o cenário onde temos que atuar o mais rapidamente possível.

Temos que descarbonizar as nossas fontes de energia, temos que mudar o nosso paradigma energético de motores de combustão interna, para motores elétricos, temos que eliminar as fontes de energia fóssil e aproveitar as fontes de energia verde para aquecer os nossos edifícios no inverno, que com probabilidade poderão ser cada vez mais frios. E temos que fazer isso, procurando novas tecnologias, com as tecnologia atuais, a pensar na sua substituição e contenção nos usos.

É importante pensar no desafio sobre o que cada um pode fazer na sua cidade e na sua vida para reduzir as emissões de CO”. Pensar nas fontes alternativas disponíveis para as cidades. Há muito vento. Eólico é uma solução possível. Muito sol, energia solar. Geotermia, mares. O importante é pensar o que cada um pode fazer para agir a partir dos recursos locais. Em cada lugar é necessário pensar o que fazer.

Cidades e Vulnerabilidade ao Clima – XX

Uma das questões que está associada ao Aquecimento global é a subida do nível médio das águas do mar, fenómeno que resulta do degelo do Ártico e Antártida. Esse gelo, ao derreter adiciona água aos oceanos, e estima-se que no total isso possa significar uma subida de cerca de seis a oito metros do nível médio das águas do mar.

Ora conhecendo que as maiorias das cidades estão situadas em áreas costeira ou estuários de rios, facilmente se conclui que, gradualmente, áreas que hoje são usadas pelas cidades, passaram a ficar submersas e sujeitas aos efeitos das marés. Essas áreas estiveram submersas num período geológico á cerca de 130 milhões de anos atrás. Mas nessa altura os hominídeos não as habitavam. Ou seja, é muito provável que os desenhos das linhas de costa e áreas estuarinas sejam profundamente alteradas de forma constante ao longo dos próximos 30 anos.

Cidades como Londres, Nova York, Lisboa, Rio de Janeiro, Kinshasa, Cairo, Shangai, Macau poderão ser profundamente afetadas. Países inteiros poderão desaparecer ou ficar reduzidos a áreas insuficientes para albergar os seus habitantes, como as ilhas do pacífico e na península do subcontinente indiano. Um grande problema para as grandes áreas metropolitanas.

Mas não se tratar apenas do espaço urbano e residencial. Estamos também a falar das infraestruturas portuárias, das redes de acessibilidade. As maiorias das grandes cidades do mundo estão conectadas ao exterior por zonas portuárias, que potencialmente estão a desaparecer. Isso representa um elevado esforço financeiro de adaptação.

Isto é um desafio que é necessário enfrentar pelas nossas cidades. Trata-se naturalmente dum modelo que tem uma probabilidade e ocorrer, que necessitamos de preparar e sobretudo, a prudência assim o aconselha, de fazer tudo o que nos for possível, para diminuir rapidamente o maior volume possível de emissões de gases com efeito de estufa para a atmosfera. Gases como dióxido de carbono, metano e nitratos (estes últimos provenientes sobretudo das atividades agrícolas).

As cidades e o aquecimento Global – XIX

O mundo está em aquecimento global. Isto não está a acontecer do mesmo modo em todo o planeta. Quando afirmamos que está a acontecer um aquecimento global no planeta, estamos a afirmar, que em média o planeta está hoje mais quente que no passado.

Em 2015, entre janeiro e dezembro, muitos pontos do planeta registram as temperaturas médias mais elevadas desde que que há registos. Não estamos a falar dum aquecimento pontual num determinado ponto. Estamos a falar, dum ano, numa série de lugares do mundo.

Num passado onde a espécie humana vive e expende-se no planeta. Sabemos que há cerca de 100.000 anos os hominídeos se difundem pelo planeta. Há cerca de dez mil anos começou a utilizar o fogo, de forma sistemática, para cozinhar. À energia animal, adiciona a energia fóssil. Ao longo de vários milhares de anos, esta energia é predominante. No entanto, a parti do século XVIII o usso da energia fóssil expende-se, primeiro na Europa e Estados Unidos, depois em todo o mundo, até que nos dias de hoje ela é a forma predominante de energia usada. Para além de não ser renovável, pois explora fundamentalmente as jazidas de carvão, petróleo e gás natural (o que significa que um dia se esgotarão), o seu uso está ligado a equipamentos e motores de explosão que emitem dióxido de carbono para a atmosfera. Este gás, o CO2 pode ser absorvido pelas plantas e portanto corresponde a um ciclo da natureza. A questão é que se coloca desde há uma vintena de anos a esta parte, é que se tem vindo a saber, que a natureza tem limites na absorção deste CO2, como a quantidade de emissões tem vindo a aumentar de forma exponencial, à medida que vários países do mundo desenvolvem as suas economias, como tem sido o caso da China e da India. E para agravar tudo isso, as grandes florestas do mundo, na faixa tropical, a Amazónia, a floresta do Congo e na Indonésia, tem vindo a ser desbastada para dar lugar às plantações de monoculturas, de soja e criação de gado. Como resultado verificamos que, pela ação humana, o planeta está a aquecer.

Trata-se dum aquecimento que resulta da ação humana, a que muitos chamam de antropoceno (a idade geológica provocada pelo homem), que tem vindo a acontecer desde há duzentos anos, estimando-se que, tomando como referencia o clima de há 200 anos, em termos médios, a temperatura já subiu um grau desde os tempos pré-industriais. O que o Acordo de Paris em 2015 no diz, (a questão está a ser tratada nas Nações Unidades desde a cimeira do Rio em 1992, que deu origem à Convenção quadro das nações Unidas sobre alterações Climáticas), é que é necessário inverter essa tendência. Ou seja é necessário diminuir as emissões de CO2 para a atmosfera, e ao mesmo tempo minorar o efeito dos gases com efeito de estufa que estão na atmosfera.

Ou seja, por um lado, temos um crescimento exponencial das emissões de gases com efeito de estufa a que está associado um aquecimento global exponencial, com diferentes expressões nos diferentes pontos do planeta. Temos um modo de vida baseado nas energias fósseis, das quais dependemos para a nossa vida e para a economia. Temos que inverter essa tendência. E para isso necessitamos de tempo, vontade e tecnologia.

Vontade essencialmente política, dos diferentes governos em aceitarem o compromisso firmados em Paris. Nem sempre é fácil, como podemos ver, pelas posições do presidente Trump dos Estados Unidos. Vontade política das comunidades locais. Dos governos locais em alterem os sistemas de energia e transporte.

De tecnologia, pois se já hoje dispomos de algumas soluções tecnológicas alternativas, como a energia solar, hídrica, eólica, térmica, e mesmo nuclear, necessitamos que elas estejam disponíveis nos diferentes lugares do mundo e em quantidade suficiente para todos, sobretudo para as vidas das cidades, onde estão a maioria dos pessoas e das atividades económicas. E isso está longo de ser uma realidade

E de tempo, porque, não temos que ter tempo para criar a tal solução tecnológica de produzir energia lima em quantidade para todos, como também sabemos que nos próximos anos não podemos dispensar a energia fóssil que os nossos sistemas estão a produzir, e que isso vai implicar, que enquanto os sistemas não puderam ser substituídos, as emissões de CO2 para a atmosfera vão continuar. Ora como o planeta não propriamente uma máquina, onde se ligam ou desligam os botões, é provável que a tendência de aquecimento vá continuar a verificar-se, mesmo que as emissões possam progressivamente diminuir.

Ou seja, estima-se que durante os próximo 30 anos, tempo onde esperamos que as novas soluções tecnológicas esteja plenamente disponíveis, o objetivo é conseguir que o planeta não aquece mais do que 2 graus em relação ao tempo pré-industrial. Estima-se que os efeitos dum aquecimento acima de 2 graus seja produza eventos devastadores, extinção em massa da biodiversidade, que produza escassez de água e aumenta dos desertos, novas epidemias, etc. Mais grave de tudo, é que muito provavelmente, um aumento médio de 4 graus no planeta, reduzirá drasticamente as suas condições de habitabilidade. Como já gastamos 1 grau, temos que fazer todos os esforços possíveis para conter o crescimento do próximo grau. E isso tem que acontecer nas nossas cidades. Temos que reduzir a nossa vulnerabilidade.

4. A questão do ambiente urbano e dos sistemas de energia XVIII

Neste ponto aprofundamos algumas questões sobre as Alterações Climáticas e a minoração dos efeitos da poluição nas cidades, procurando reificar a necessidade de termos, no curto espaço de tempo, cidades limpas e resilientes. Tal só será possível com o compromisso das comunidades em ações afirmativas. São apresentados, a título de exemplo algumas soluções, métodos e tecnologia que estão a ser usadas para resolver problemas urbanos e atingir os objetivos do ODS 11

No final deverá responder às seguintes questões:

  • Como podem as cidades costeiras prepararem-se para as alterações climáticas, para o aumento do nível médio das águas do mar e para os eventos extremos?
  • Como podem as cidades vizinhas, desenvolverem formas de cooperação para usarem sistemas de energia limpos, verdes e eficientes?
  • Como podemos contribuir para a diminuição das emissões de gases com efeito de estufa, para uma economia solidária de troca justa e de inclusão social?

Cidades resilientes XVII

Um outro desafio para as cidades é a necessidade de serem resilientes. As suas infraestruturas, os seus espaços habitacionais, os seus espaços ambientais, tem que estar preparados para os riscos ambientais. Sabemos hoje que os riscos de fenómenos naturais extremos serão, nas próximas décadas, cada vez mais presentes na vida das comunidades. As cidades tem que estar preparadas e os seus habitantes também.

O aquecimento global pode afetar de forma muito grave a economia. Cada vez que acontecem cheias ou tufões, os prejuízos são cada vez mais elevados. Em vidas humanas em infraestruturas. A biodiversidade do planeta está também a ser afetada pelo aquecimento global. As cidades são hoje, ou podem ser, lugares de biodiversidade. A conservação da natureza passa também pelas comunidades urbanas saberem reconhecer os riscos a que estão expostas e saberam como atuar, em caso de risco, ou em solidariedade com as comunidades vizinhas

Os desafios são, em si uma agenda urbana para o Desenvolvimento sustentável. Temos que ter sistemas de energia limpos, verdes e eficientes, temos que ter cidades inovadoras, onde seja agradável viver, cidades inclusivas e segura, cidades de economia de troca solidaria, conectada a boas redes de infraestruturas e equipamentos inteligentes, devem ser cidade bem governadas, com acessibilidade aos serviços públicos, e com serviços público que resolvem os problemas dos cidadãos; finalmente tem que ser cidades resilientes.

O desafio das escalas de governação XVI

Um outro desafio das cidades, sobretudo das áreas metropolitanas é o das escalas de decisão e governação. Hoje, em todo o mundo, o crescimento urbano tem levado à concentração de grandes espaços urbanos. Alguns centros urbanos, que ainda há pouco tempo eram grandes cidades que irradiavam uma forte influência para áreas periféricas, são hoje metrópoles interconectadas. Por exemplo São Paulo e Rio de Janeiro, Macau e Hong-Kong, Joanesburgo e Pretória, Nove York e New Jersey. Lisboa e Setúbal.

Um pouco por todo o mundo é hoje possível ver que as definições administrativas das cidades estão, neste lugares, desadequadas às formas de economia que estão a acontecer nestas cidades. Isso tem elevado custos sociais e é necessário pensar que forma estas fronteira fazem sentido. Uma área metropolitana pode incluir várias cidades, várias vilas, vários espaços rurais, ligado por uma dinâmica económica e social. As infraestruturas têm que ser comuns e os sistemas de planeamento e governação devem, tanto quanto possível ser integrados.

Lisboa tem hoje cerca de meio milhão de habitantes. Tem estado em perda desde os anos oitenta. A sua periferia, na área metropolitana de Lisboa, residem cerca de 2,5 milhões de pessoas. Faz algum sentido pensar em formas de governação para este espaço de atividade económica e social. Sistemas de taxas em comum, processos de inclusão social, planeamento de equipamentos coletivos, etc. Sabemos que a criação de fronteiras tem produzido formam diferenciadas de gestão de equipamentos sociais, diferente qualidade de serviços. Lugares que são mais atrativos do que outros. Ao afirmamos que o princípio da inclusão é uma dos pilares da ação social, a sua expressão territorial tem que promover a inclusão dos territórios. Por exemplo, as redes de transporte e acessibilidade devem ser pensadas num escala de serviço ao utilizador, em função dos fluxos e das necessidades. Os sistemas têm que ser multimodais e multifuncionais.

As cidades e a Internet das Coisas XVI

O desafio ainda é maior, quando sabemos, que o desenvolvimento das TIC está a conduzir a um forte aumento da automação do usos dos equipamentos, permitindo-os tornarem mais eficientes. A automação dos veículos de transporte pode hoje ser pensada para diferentes tipos de transportes, de acordo com as necessidades da sociedade. Isso permite tornar as comunicações mais fluidas, gerir de forma mais adequada os diferentes fluxos. Isso já está a acontecer hoje, com o usso de auxiliares interativos de comunicação, e será ampliado no futuro.

Estes sistemas inteligentes e “smart” não permitem ligar todos os equipamentos que dispomos, como sobretudo, permitem torna-los mais eficientes, consumindo apenas a energia necessária para otimizar o seu uso. A automação dos equipamentos não permite apenas melhorar o desempenho das máquinas, também permite aumentar o tempo disponível para o lazer e para estar em comunidades.

Através dos diferentes dispositivos eletrónico é hoje possível suprir as diversas necessidades do dia-a-dia, incluindo o comércio eletrónico. Com redes e comunicações eficazes tudo pode ser resolvido de forma fácil. E não se trata apenas do comércio. A maioria das obrigações legais pode hoje ser resolvida através da e-administração, incluindo a representação democrática e a participação nas decisões da vida da comunidade. O desenvolvimento da interação, a custos que hoje são bastante baixos, permite pensar em sociedades digitais mais inclusivas, melhorar a eficiência dos equipamentos e melhorar a eficácia das ações. É contudo necessário não esquecer, que este mundo digital comporta igualmente riscos. Um dos maiores riscos é o sedentarismo e a alienação social. Por isso, a digitalização da sociedade tem que ser acompanhada por um incremento da vida cultura e criativa das comunidades, do estímulo nos processos de encontro.

Cidades e Tecnologias da informação XV

Um outro desafio para as cidades sustentáveis é a sua capacidade de integrar as tecnologias de informação e comunicação nos processos ambientais, sociais e económicos. Estas novas tecnologias permitem outras economias, economias socias de troca e partilha. Por exemplo, em várias cidades europeias já se promove e estimula economias de partilha. Por exemplo, as bicicletas os automóveis, as máquinas utilitárias de lavar, podem ser facilmente partilhas. Ao invés de se ter um equipamento que está 90 % do seu tempo útil parado, ele é usado pela comunidade, em função das necessidades de cada um, através do pagamento do seu uso.

 

A economia de partilha e solidária permite ampliar a ideia de serviço público à comunidade. As infraestruturas já são públicas. O uso dos seus equipamentos também pode ser público. Isso não significa que o uso tenha que ser gratuito, pois o uso individual dum equipamento implica que o seu usuário suporte o desgaste que produz. A questão é que ao invés das famílias e comunidades terem que investir nesse equipamento, ele se estiver disponível quando for necessário, pode ser usado por quem dela necessita. E as tecnologias de informação são a ferramenta que permite tornar essa solução viável.

Por exemplo, necessito de me deslocar a qualquer lugar. Através duma aplicação num telemóvel eu identifico uma viatura disponível nas redondezas, reservo-a e através dum código tenho acesso à viatura. Conduzo para onde necessito, e dou por concluído o serviço. O valor da deslocação é debitado na conta. O próprio equipamento calcula o consumo de energia a afeta uma para do uso do serviço. Se necessitar de colocar combustível, procedo ao enchimento do depósito, ficando o remanescente não usado, como crédito do meu serviço.

Isso implica que não temos que ter um bem, mas podemos partilha-lo. Isso produz sociedades mais inclusivas e liberta o espaço público de muitos veículos que não estão a ser úteis.

Cidades Seguras e Inclusivas XIV

A segurança e a perceção da segurança é um dos mais importantes desafios do nosso tempo. As cidades têm que ser lugares seguros para os seus habitantes. As trocas têm que ser justas e o espaço urbano tem que ser inclusivo. Todos devem ter a possibilidade e usufruir o espaço urbano de qualidade. Isso só é possível através dum planeamento que seja amigável (friendly e smart). As cidades têm que estar atentas às bolsas de pobreza e exclusão social, e a lugares que sejam propícios a oclusão de violência e instabilidade. Cidades seguras e inclusivas necessitam também de instituições eficientes no serviço às comunidades. Instituições democráticas e participadas são as formas mais adequadas de conseguir assegurar sociedades pacíficas e seguras.

Cidades inovadoras – XIII

Outro dos desafios que enfrentamos é o da inovação nas cidades. Todas as transformações que são necessárias resultam da inovação tecnológica. As cidades são os lugares de inovação. Uma cidade que está atenta ao desenvolvimento tecnológico, que as incorpora nos seus sistemas de informação e comunicação é uma cidade que está dinâmica. Que cria riqueza e empregos. Os novos sistemas implicam novas indústrias e novos usos das infraestruturas urbanas. Como se incentiva a inovação na cidade?

Um dos fatores de inovação vem da existência de universidades nas cidades. Instituições de educação a trabalharem em conjunto com as empresas locais. Ligar as universidades e as empresas e o governo local é uma dos desafios a desenvolver nas cidades. São as universidades que podem criar inovação, são as empresas e as organizações sociais que podem criar emprego. Os poderes públicos podem ajudar no desenvolvimento de parcerias, criando infraestruturas de apoio às incubadoras de empresas de negócios e serviços. Nos dias de hoje as chamadas “start ups” são lugares onde estão a surgir muita da inovação tecnológica. Muito do conhecimento produzido nas academias necessita de ser transmitido para a sociedade. E as sociedades, em particulares as cidade são lugares onde a economia do conhecimento está de desenvolver uma revolução com base nas tecnologias de informação e comunicação.

Cidades de Saúde e Bem-estar XII

Uma cidade no âmbito dos ODS terá que ser uma cidade que facilite a saúde global e seja um lugar de prazer para viver. As cidades do século XX foram cidades do automóvel, tal como no ´seculo XIX foram cidades das carruagens. As cidades antigos, de ruas estreitas e sinuosas deram lugar, no século XVIII a cidades planeadas para o transporte. A cidade reticulada é o modelo de cidade planeada, porque é o modelo que otimiza as comunicações entre o máximo de pontos no seu interior. Este modelo, na era do automóvel, continuou a ser desenvolvido, separando os fluxos de tráfico e comunicação. As cidades do século XIX tinha os grandes Bulevares e Avenidas, rematadas por praças, onde afluíam as artérias locais. No seculo XX, as cidades viram crescem autoestradas que comunicavam entre si, emergindo viadutos e diferentes níveis de canais, separando os fluxos e os tipos de transportes. O modelo da cidade americana, baseada no automóvel individual espalhou-se por todo o mundo como modelo de modernidade. Quando de quer ir au lugar, vaia-se de carro. Vai-se de carro para o trabalho, para os lugares de comércio, para os lugares de lazer. O modelo de cidade separa áreas funcionais: Habitação, comércio, serviços. Sai-se de casa de carro e regressa-se a casa de carro. O ideal do modelo é individual. Resultado que ao longo do século XX tem vindo a produzir cidades com longos e morosos engarrafamentos, nas horas de ponta. Nas vias de maior afluência, é quase uma constante diária. Um modelo que se está alastrou para todas as cidades no mundo. São Paulo, cidade do México, Pequim, Nova Deli, Lagos são hoje cidades congestionadas até aos seus limites e as pessoas viajam de parque de estacionamento em parque de estacionamento.

Em termos do desenvolvimento sustentável isto tem que ser alterado. Não é apenas porque este modo de vida está baseado num consumo de energia fóssil para os combustíveis, (petróleo) que aumentam as emissões de combustíveis fósseis e a poluição ambiental. Para além dos encargos que esse modelo tem para a família, em termos de custos energéticos que tem que suportar, esse é também um modo de vida nada saudável, na medida em que estimula o sedentarismo.

O estilo de vida sedentário, que os países de elevada renda económica tem vindo a disseminar por todo o mundo, tem vindo a contribuir para o aumenta da obesidade. Uma epidemia que tem vindo a contribuir para o aumento das despesas nas famílias.

São estilos de vida que são caros para as famílias, poucos saudáveis do ponto de vista da saúde, e produzem muitos tempos inúteis, em deslocações e inércia, e ambientalmente pouco sustentáveis. O futuro da sociedade tem que difundir nas cidades um outro modelo de organização, que evita estas situações.

Esse movimento já está a suceder em algumas cidades. Os casais jovens estão a regressar ao centro das cidades, a tornar estes centros mais dinâmicos em termos económicos. O urbanismo moderno já contempla nos dias de hoje um pensamento sobre mobilidade não automobilizada, circuitos pedonais. Cidades em que os serviços de conveniência se encontram perto, que estimula a economia e o emprego local. Cidades culturais onde as pessoas usam o espaço público para o seu lazer em conjunto. São estas cidades que se estão a tornar atrativas nos tempos de hoje. É necessário pensar e desenvolver este modelo em escalas mais alargadas, sobretudo, nos países onde o crescimento urbano está a ser dirigido por uma lógica imobiliária, sem que a devida atenção a um ordenamento de território sustentável.

Cidade amigáveis XI

As cidades elétricas, com sistemas universais eficientes são cidade que permitem criar sistemas e infraestruturas amigáveis. (smart)

Sistemas amigáveis são sistemas que usam a informação tecnológica disponível para gerir os fluxos de energia em função das necessidades de produção e consumo. Uma condição base é um acesso à uma rede de comunicação de banda larga. A chamada “internet das coisas” é o que permite o acesso e a gestão de fluxos complexos de informação. A inteligência artificial tem que ser aplicada nas cidades do século XXI para ajudar a gerir os transportes, a evitar congestionamento de tráfico, a manter as habitações e os lugares de trabalho confortáveis, sem desperdício energético.

A internet das coisas permite gerir todos os objetos mecânicos que dispomos. Podemos funcionar com eles de forma integrada e eficiente. A ideia é que os diferentes equipamentos interagem de forma a obtermos deles um uso eficiente e eficaz, reduzindo os desperdícios e maximizando o seu potencial. A Internet das coisas pode ser usada nos equipamentos, pode ser usada os computadores, nos edifícios. Podemos ter nas nossas habitações painéis solares que produzem energia de forma otimizada, que interagem com outros painéis para fazer fluir energia. Podem estar ativos quando são necessários, ou inativos se não forem necessários. O sistema de produção de energia comunica com os demais equipamentos. Trata-se de todo um mundo em surgimento que as cidades podem aproveitar. São três desafios que temos que enfrentar. Cidade elétricas, de energia verde e amigáveis permitirão no futuro ligar entre si os sistemas e as infraestruturas de forma eficaz e com eficiência elevada.

As alterações climáticas e as cidades – X

Um dos maiores desafios para as cidades é o de estarem preparadas paras as alterações climáticas. Esse é o maior risco para a humanidade e uma ameaça às infraestruturas urbanas, sobretudo as que se situam em áreas perto de leitos de rios e de áreas portuárias. Os acordos de Paris e o ODS 13 apontam para a necessidade de se fazer uma transição para um sistema de energia com baixas emissões de carbono.

Mas as cidades são lugares que consomem muita energia. São lugares que dependem da disponibilidade constante de energia e quantidade. E isso vai continuar a suceder e as necessidades a aumentar. Usamos energia nas residências para aquecimento e alimentação, para lazer, para trabalhar; usamos energia nas empresas, na indústria, no comércio, nos serviços; os transportes públicos usam energia. Ora fazer uma transição energética implica substituir os atuais sistemas por novos sistemas, mantendo a satisfação das necessidades do seu consumo e da sua procura. As cidades necessitam de energia que seja eficiente, verde, limpa e que não afeta o clima. O primeiro passo é pensar nesses desafios nas cidades. Faze-las elétricas, com sistemas limpos e eficientes. Cidade onde o transporte seja fundamentalmente elétrico, onde a produção de energia seja verde. Isso permite evitar emissões de dióxido de carbono para a atmosfera. Se a maioria da população vive em áreas urbanas, cidades verdes terão um efeito fundamental no atingir os objetivos dos Acordos Climáticos. Substituir os motores de combustão interna por motores elétricos. Substituir as centrais de produção de energia ou evitar a emissão de CO2. Criar cidades elétricas, seja a eletricidade produzida por vento, por sol, por energia hídrica ou nuclear, é um passo importante para atingir os ODS.

Mas é também necessário que os sistemas sejam eficientes e chegam a todos. Este é um outro desafio da transição energética necessário. Não ´s é necessário que seja feita uma transição, como é necessário que essa transição dê origem a sistemas eficientes, que cheguem a toda a cidade e para todos.

O que é uma cidade sustentável IX

Em todo o lado estamos a pensar nos objetivos de desenvolvimento sustentável. Há muita gente que está a pensar nas melhores soluções para atingir o objetivo nº 11 de criar cidades sustentáveis. O que é isto duma cidade sustentável.

É uma cidade próspera, justa e ambientalmente sustentável? Como podemos identificar uma cidade sustentável? Vale a pena pensar quais são as ideias básicas que caracterizam uma cidade sustentável. Que planos devem ser feitos. Que desenhos devem ser desenvolvidos. Como devem parecer e que infraestruturas e sistemas devem ser desenvolvidos.

É necessário combinar estes elementos com o grande objetivo do desenvolvimento sustentável, de forma nas nossas cidades seja possível compatibilizar a economia, a sociedade e o ambiente.

Há algumas características que são uteis pensar para identificar estas cidades sustentáveis e que podem constituir um guia para a ação. É necessário pensar que o crescimento urbano está a ser muito rápido em todo o mundo e portanto é necessário atuar já. E atuar num sentido correto. Como é que nos organizamos. Como fazemos. Sabemos que na Europa e na América do Norte, as cidades estão consolidadas. Como é que elas podem ser reabilitadas. Em África, na Ásia, estão a surgir, praticamente todos os dias novas cidades. Como é que fazemos para evitar os erros que devem ser evitados. O tempo é escasso.

3. Uma agenda para as cidades no século XXI

As cidades enquanto lugares de economia e sociedade enfrentam importantes desafios de sustentabilidade no século XXI. O crescimento urbano exige uma ideia clara das agendas de cada espaço urbano. Cada espaço urbano apresenta particularidades que devem ser reconhecidas para enfrentar os problemas que se enunciam. As questões devem ser discutidas em cada cidade.

A ideia deste capítulo é criar uma base de reflexão para a discussão sobre os desafios da sustentabilidade em cada cidade. No final deverá ser possível enunciar algumas questões

  • Na cidade onde se habita. Qual é Sistema de energia ativo. Como será possível tornar a cidade um espaço de energia renovável?
  • Pensar no espaço residencial e no espaço de trabalho. Como será possível integrar as TIC na gestão. Como poderá ser possível aplicar a internet das coisas nos espaços usados para viver e trabalhar. Como tornar o espaço mais amigável e verde (smart and green systems)
  • O que pode ser feito para tornar lugares mais saudáveis. Podemos plantar mais arvores e criar jardins, de forma a contribuir para a diminuição do CO2 na atmosfera.
  • Podemos substituir o transporte público de uso de energia fóssil, por formas de transporte verde?
  • Pode-se reduzir a emissão de CO2 e aumentar a atividade física das pessoas?