Arquivo da categoria: Actualités / News

A Memória – o amor, a loucura e a morte

Numa interessante Conferência, realizada ontem dia 11 de janeiro, na Universidades Lusófona por ocasião da aula magistral na abertura dos doutoramentos em Educação, Carlos Alberto Torres, professor da Universidade da Califórnia e Titular da Cátedra da UNESCO em “Global Learning and Global Citizenship Education” , afirmou que, e cito de memória : “O que há de comum na condição humana é  a vida, o amor e a loucura. A memória é o elemento que agrega essa condição.

Depois argumentou, mais ou menos assim: A vida existe quando há memória. O Amor não existe sem uma memória, pois é através da memória que se reconhece o outro. Finalmente a loucura, é a falta da memória dessa condição humana.

A conferencia prosseguiu com odesenvolvimento da argumentação, que procurava reificar o papel, ou a função da educação nas sociedades cosmopolitas, na criação de identidades mestiças nas cidades contemporâneas e onde falou também da função social dos museus, como atores de educação patrimonial.

Sobre isso   falarei noutro postal.

 

Há margem da Lei? A questão da gratuitidade nos museus da DGPC

Estou em estado de choque! Que me perdoem os meus caros colegas, por mais este desabafo. Vários colegas que têm escrito protestando contra o azedume dos meus postais aqui colocados. Aqueles que me conhecerem na velhinha Faculdade de Letras de Lisboa, nas chamadas RGA’s onde nos idos anos oitenta, (para quem não é desse tempo Reunião Geral de Alunos) exultava, feito Dom Quixote, contra os moinhos de vento, reconheceram ainda alguma dessa verbe. Mas isso tem uma razão. Uma triste razão. Estou velho e desempregado.

Desempregado, porque este país é assim. Um tipo trabalha. Têm experiência profissional em vários domínios. Faz mestrados, doutoramento, pós-doutoramento. E tudo se esboroa na espuma das ondas.

Enfim, é triste mas ainda me restam alternativas. A emigração. Lá onde o saber e a experiencia de vida é valorizada é alternativa. Mas não é para isso que tomo o vosso tempo.

O que me preocupa é que estou velho. Não porque o tempo não passa, como passa sempra para todos nós, hora a hora. Estou velho porque a DGPC assim me tornou.

A História conta-se em breves palavras. No passado domingo, em passeio familiar na zona de Belém, resolvi visitar a exposição do Escher no Museu de Arte Popular. Andava já algum tempo para ir ver a renovação do museu, e neste domingo friorento, de natal ortodoxo que tinha acabado de celebrar em almoço na zona de Belém, e lá passamos. Entre o museu e a exposição Escher, a família, decide-se pela exposição. Para minha supresa, longa fila de vinte minutos, suportada ao frio. Entramos. Seguranças a andarem dum lado para o outro. Chã alcatifado. Umas jovens nas caixas a cobrarem bilhete e outros a distribuíram audioguias.

Tinha ideia que ao domingo os museus eram gratuitos. Afinal a resolução da Assembleia da Republica nº 38/2017, publicada em 16 de março do ano passado, recomendava ao governo a aplicação da gratuitidade na entrada dos museus do estado.

Recordo-me ainda, que durante o verão, a propósito das audições parlamentares ao Ministro da Cultura no mês de junho (por conta das questões de Foz Côa e de Tomar, ter afirmado que a “A gratuitidade nos museus começa no primeiro domingo de julho “ que segundo as minhas contas foi no dia2 de julho de 2017. Tal foi concretizado com um  Despacho da DGPC

Pois bem, a este vosso amigo, portador do cartão do ICOM (ainda com selo de 2017, mas como sabemos é válido até junho do ano seguinte)  foi informado que não havia gratuitidade. E zás, para me calar passa-me um bilhete de sénior.

Fiquei Embatucado. Perante os meus filhos, habitados que estão aos meus contantes enfuriamentos pela recusas na gratuitidade á entrada no museus ao meu cartão de sócio do ICOM, fui apelidado, pela gentil moça e velho rabugento a roçar a senilidade.

Engoli em seco.

Duvidei de mim mesmo.

Duvidei que as entradas nos museus do estado eram gratuitas aos domingo!

Duvidei que que os profissionais do ICOM tivessem entrada gratuita nos museus.

Paguei a tarifa séniot e lá entrei. Angustiado de espírito dei conta que também não conseguia ver bem a exposição.

Não sei porque é que estes museus novos não tem uma luz capaz. Se calhar estou mesmo velho. Será que a bilhética serve para pagar a eletricidade que se consome. Como pago menos tenho direito a menos luz?

Afinal uma lei que não serve para a vida não serve para nada !

Definindo os Museus do Século XX : O Caso dos Museus de Cinema

Voltando à questão do conceito de museu. Temos vindo a refletir sobre a necessidade de aumentar o nosso entendimento sobre organizações que trabalham sobre processos museológicos e patrimoniais. Argumentamos que o atual conceito de museu está ultrapassado, e que é necessário pensar sobre de que forma integramos os processos contemporâneos.

Tenho vindo a explorar novos espaços de usos das heranças na cidade. Lugares, onde a parti do património se estão a desenvolver processos sociais. Isso está a acontecer na cidade de Lisboa, nas barbas dos seus museólogos conservadores e também no país. São processo, reais que se estão a desenvolver e que, com a atual Lei dos Museus, não são considerados como museus, mas que o devereim ser, pois o estado tem como dever assegurar o direito à cultura e ao património para todos e não para os grupos minoritários.

Por muito esclarecidos que sejam os conservadores e demais burocratas do Palácio da Ajuda, incluindo este vosso amigo, não passam duma minoria. E vai sendo tempo de pensar a cultura para todos e com todos. Por isso é também tempo fazer com que os museus ou as casas de sonhos sejam para todos.

Um exemplo que costumo usar é o do museu do cinema. (A História vem contada pelo meu bom amigo José Manuel Costa, (2005) atual diretor da Cinemateca Portuguesa, no nº14-15 da Revista Leitura da Biblioteca Nacional de Lisboa). O texto é muito rico para discutir os processos de patrimonialização de objetos tenológicos, e a ele voltarei noutra ocasião.

O que é relevante nessa história para a definição da ideia de museu no século XX, é a seguinte:(e não sei se já notaram, mas a Cinemateca Portuguesa/Museu não faz parte da Rede Portuguesa de Museus e segundo parece nem quer fazer parte) Quando em 1896 um dos pioneiros do cinema inglês, se dirigiu ao British Museum, para oferecer a única cópia das “vidas animadas” de Londres, viu recusada o depósito do objeto. Uma recusa que teve por base o desconhecimento do seu valor patrimonial.

A questão do valor patrimonial dos objetos cinematográficos irá ser desenvolvida, à margem da ideia “oficial” de museu. Hoje não duvidamos deste valor. Com o passar dos anos, foram-se desenvolvendo as técnicas de conservação, foram-se desenvolvendo os lugares de conservação – os tais museus do cinema – ou museus de imagem de som. A UNESCO, ewm 1980 aprovou uma “Recomendação a Proteção e Preservação de Imagens em movimento”, entre nós difundida pela BAD.

Entre nós, não há dúvida que o Cinema é património nacional, encontrando-se protegido pela Lei de Base do Património Cultural. A questão é saber de que forma a Lei Portuguesa dos Museus se adequa este caso.

Olhemos para o caso: Há em Lisboa três espaços da cinemateca. Um, no velho Palácio Foz, na primitiva Cinemateca, hoje vocacionada para as atividades educativas (serviços educativos), onde estão expostos os tradicionais “objetos”. Outro espaço, na Barata Salgueiro, ao pé da Academia de Belas Artes, onde um movimento popular (de opinião publica) nos anos oitenta conseguiu alocar um palacete para o efeito, onde para além de biblioteca especializada, apresenta ciclo de cinema. A atividade é completada, pelo Arquivo de Bucelas, construído já no consulado do Ministério de Carrilho, onde mantém o acervo mais sensível.

Estão representadas todas as funções primárias dos museus: conservação/documentação/educação/comunicação. Efetua també, as suas funções secundárias, tal como a UNESCO recomenda. Tem uma Função Social, trabalha com as novas tecnologias. Introduz, nos seus ciclos de programação questões contemporâneas, está inserida em redes internacionais

É certo que a exibição dos seus objetos está limitada à programação. O mesmo sucede nos museus tradicionais, onde as exibições são construídas e (raramente) renovadas. É certo que está em conformidade com a Lei dos Museus, mas o normativo que segue é outro.

Ou seja, embora não tenhamos dúvida de que é um museu há hoje maior proximidade entre a cinemateca e os arquivos e bibliotecas do que com os museus portugueses. E ainda que hoje, na cinemateca se joguem importantes questões dos direitos da cultura que hoje marcam as nossas sociedade, a questão continua a ser ignorada pelos museus portugueses.

A minha teoria é que foi a realidade que se impôs á vontade das elites. Por essa razão tenho vindo a dizer que é altura de se rever a Lei portuguesa de Museus. Ele não só não contempla a atual realidade dos processos museológicos, como é omissa em relação aos deveres que os museus devem ter em relação à sua função social.

Definindo os Museus do Século XIX

Temos vindo a abordar a questão da fluidez do conceito de Museu tal como ele surge nas definições do ICOM, o que é acompanhado pela nossa legislação de 2004. Temos argumentado que a realidade é hoje mais dinâmica, parecendo-nos que no mínimo é necessário discutir o que é hoje um museu; ou melhor um processo museológico ou patrimonial, já que a instituição e uma construção social.

A questão do estatuto ou função não lucrativa dos museus, tal como está consignado na atual definição do ICOM é uma das questões que à partida menos polémica causará.

É certo que há muitos “museus” que são empresas. Por exemplo, o museu das aparições em Fátima é uma empresa bem gerida que dá lucro, e que existe para dar lucro ao seu proprietário. Alguns museus são fortes atrações turísticas. Em Paris a entrada no Louvre custa 17 euros, a multiplicar pelos milhões de visitantes, cria uma receita apreciável. Em Lisboa, sabemos que o Mosteiro dos Jerónimos é o equipamento mais visitado, mas sem pagamento. De qualquer forma ali memso ao lado o Museu dos Coches e o novo Museu da EDP atraem milhares de visitantes. Não consta que as receitas de bilheteira sejam tão elevadas que permitem reduzir a dívida pública, mas neste caso darão certamente uma boa ajuda para pagar a conta da EDP (no primeiro caso, pois que no segundo joga-se em casa).

Adiante. Escrevia que em principio a função dos Museus não visa dar lucro, embora, como é natural, o não dar lucro, não queira dizer dar prejuízo. É sempre um conceito difícil de entender para as mentes lusas, formadas no tráfico negreiro e do comércio colonial. Um museu, como qualquer outro Serviço Social (ou à sociedade, para não criar confusão com as organizações do terceiro setor) gera externalidades. Isto é benefícios intangíveis que se prolonga no tempo e no espaço social. É isso que justifica os investimentos do Estado nos serviços públicos.

Admite-se por isso que para além da entrada (que deverá ser adequada e tendencialmente gratuita, como direito que é) admite-se que alguns serviços no museu possam ser “pequenos negócios”. As lojas do museu o Bar Restaurante, em regra concessionados, para evitar as tais tentações de Santo Antão, que no ano passado vieram a público lá para os lados de Belém.

Bem, já que estamos a falar de Belém, é bom recordar que nos anos 30, naquilo que é hoje Jardim Botânico Tripical, foi nos finais do século XIX o Museu Colonial, onde entre outras coisas, se vendiam produtos “coloniais”.

Na Ajuda, onde hoje está o Pavilhão de Exposições da Feira Agrícola, funcionou algo que se chamava “Museu Agrícola”. Há aliás uma tradição vinda dos países anglo-saxónicos, mais abertos ao livre comércio, onde museu não significa necessariamente uma interdição do negócio.

É necessário reconhecer que as nossas heranças da ideia de Museu nos chegam por duas vias. Pela tradição francesa, mais racional, católica feita de regras e interditos, e a tradição mais empirista, protestante, feita de éticas. Estas duas tradições confluíram na UNESCO e no ICOM. Durante muitos anos a visão regulamentar imperou no mundo. Com a decadência da europa é natural que outras visões ganhem relevância.

Definindo o Museu do Século XXI: as Experiências Latino Americanas – Reunião do Rio de Janeiro

Definindo o Museu do Século XXI: as Experiências Latino Americanas

Fonte site do ICOFOM

Síntese da sessão de encerramento de 17 de novembro, 2017, Rio de Janeiro, Brasil

A sessão encerrou o simpósio realizado entre os dias 16 e 17 de novembro de 2017 na cidade do Rio de Janeiro (Museu da Vida/FIOCRUZ e Oi Futuro), organizado pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO, pelo Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio – PPG-PMUS (UNIRIO/MAST) e pelo Grupo de Pesquisa Museologia Experimental e Imagem – MEI.

Ele reuniu, além dos coordenadores dos grupos de trabalho, seus relatores e diversos conferencistas, um total de 128 participantes que contribuíram com as discussões.

Não é fácil apresentar um resumo, em algumas linhas, das discussões intensas do encontro e dos quatro grupos de trabalho paralelos. Durante a mesa de síntese, os debates levaram à emergência de diversos elementos na definição de museu que devem ser revistos, bem como diversos outros pontos não previstos no texto aprovado pelo ICOM em 2007.

Pontos de consenso: Os diversos atores presentes – profissionais de museus, acadêmicos, membros das comunidades que participam do mundo dos museus, etc. – consideraram a importância de se pensar a definição de museu nos diferentes contextos em que ela será aplicada.

As experiências locais, a cultura e a língua em que uma definição é escrita moldam a maneira de pensar e fazer museu, e logo uma definição “universal” funciona apenas como um instrumento limitador da diversidade das experiências museais.

Museu integral: A busca por uma definição acerca dos museus implica pensá-los de maneira integrada, considerando os impactos políticos e sociais de suas ações, que não se dirigem apenas ao público visitante, mas também àqueles que pensam os museus e os que trabalham nessas instituições. Considerando o contexto latino-americano e reafirmando os princípios da Mesa Redonda de Santiago do Chile (1972), enfatizou-se o papel social e político dos museus, utilizados no século XXI pelos grupos sociais como instrumentos de resistência, de existência e re-existência em contextos marginalizados e contra hegemônicos.

Permanência: Contrapondo-se à definição atual, as experiências museais no mundo contemporâneo vêm comprovando a impermanência como traço marcante dos museus. Assim, faz-se mais eficaz pensar um museu-trans, que tem como permanente apenas a sua constante transformação e transbordamento em modelos experimentais. A transdisciplinaridade e a transculturalidade marcam este museu que transpassa determinações culturais imperiais[1] e passa a ser apropriado em vias decoloniais, transitando entre os mais diversos contextos do mundo e transformando as realidades sociais onde atua.

Ao serviço da sociedade: Um museu “a serviço da sociedade” não significa necessariamente que ele é um instrumento acessível aos diversos grupos que compõem a sociedade mais ampla em seus enfrentamentos e disputas por representação. A que sociedade serve[2] o museu que buscamos definir? Esta pergunta nos leva a expor as vísceras dessa instituição em seu caráter mais político: a função da dominação que produz grupos subalternos. Recomenda-se, ainda, incluir o respeito aos direitos humanos como um dos compromissos do museu do século XXI.

Pontos que suscitaram ampla discussão:

Instituição: A definição do museu como “instituição” parece não atender à diversidade de práticas e experiências que são identificadas como museais. Por esse motivo, por um lado, considerou-se a institucionalização como um processo excludente de grupos sociais marginalizados e populações tradicionais que não detêm os meios (acesso à internet, recursos financeiros, etc.) necessários para que um museu seja reconhecido – pelo Estado, no caso do Brasil – como instituição. Por outro lado, propõe-se uma definição variável da instituição museu, de acordo com o que pode ser considerado instituído pelas pessoas, perspectiva esta que deve desafiar os dispositivos jurídicos e de financiamento para o campo museal a se reformularem a partir de uma nova categorização de instituição. Uma perspectiva possível seria explicitar o sentido do termo “instituição” e adjetivar tal como “instituição formal e não formal”[3].

Espaço/Território: Diferentes espaços ou territórios definem diferentes museus, logo é preciso entender museus em suas particularidades, rompendo com os universalismos de uma definição global. Nenhum museu paira no ar. Entretanto, as noções de “território” ou de “espaço” parecem se confundir e não apresentam consenso nos debates sobre a definição de museu.

O espaço, ou território, pode ser os arredores, a periferia ou a favela, pode ser o espaço de procedência das comunidades representadas pela instituição, pode ser o conjunto de sítios com os quais a instituição se relaciona, no caso de um museu tradicional, pode ser ainda a reserva técnica ou o espaço de suas instalações. Como alternativa ao termo “instituição”, alguns propuseram a noção de “espaço”, considerando que todo museu se vê localizado em um território ou espaço físico ou simbólico, material ou imaterial, atual ou virtual, do qual depende enquanto suporte para existir.

Deleite: Deixando de ser pensado como uma finalidade, o “deleite” (proveniente da tradução do francês “délectation”) deveria ser repensado como uma das qualidades do museu, ao lado da pesquisa e da educação. A expressão, todavia, pode ser ainda ampliada se percebermos o trabalho do museu como o de produção de sentimentos – ou que potencializa aquilo que podemos sentir.

Propõe-se, por outro lado, que os museus não sejam vistos como “zonas de conforto”, mas como instituições de ruptura usadas para abrir vias de diálogo na e pela sociedade. Ao apontar o deleite como uma das sensações produzidas pelo museu, a definição deixa de considerar diversas outras sensações resultantes da experiência museal. Deve-se considerar, ainda, que não há experiência museal neutra ou passiva.

Outros pontos a serem considerados na definição:

Inclusão: Cada vez mais os museus do século XXI são confrontados com a demanda por ações que pensem a inclusão de grupos ou categorias sociais tradicionalmente excluídas ou que não se sentem contempladas pela proposta do museu, pela linguagem estabelecida ou pela narrativa construída.

Ao mesmo tempo, observamos um questionamento da setorização das atividades do museu que categorizam o público e uma busca por pensá-las de modo integrado. Neste sentido, alguns desafios se colocam, tendo em vista que a linguagem é um instrumento de poder e que os museus são geralmente interpretados como instituições a construir discursos. Como desenvolver uma nova definição de museus que respeite todas as nuances das diferentes identidades sem ser universalista (apagando as diferenças)?

Como a inclusão nos museus pode levar à emancipação dos sujeitos? Educação Emancipadora em Museus: Entendendo que os museus possuem uma dimensão educativa que perpassa as suas diversas áreas, extrapolando os limites dos programas educativos, podemos considerar a educação como um elemento essencial para a emancipação das pessoas, tanto como indivíduos ou enquanto membro de grupos sociais.

É essencial considerar os visitantes, em sua singularidade, como produtores de cultura que constroem coletivamente o conhecimento por meio de suas experiências.

Interoperabilidade: A partir da integração dos acervos digitais entre bibliotecas, arquivos e museus verificam-se as potencialidades e desafios das relações estabelecidas entre as diferentes instituições de memória. A interoperabilidade seria, portanto, uma característica dos museus do século XXI, permitindo uma gestão mais eficaz do patrimônio digital e a preservação da memória informacional.

Relatores: Aline Guimarães Santiago, Clarissa Bastos Oliveira, Paulo Victor Gitsin, Washington Souza.

Coordenadores de Grupos de Trabalho: Diogo Melo, Luciana Menezes de Carvalho, Maria Amélia Reis, Renata Fontes Freire.

Relatoria final: Bruno Brulon Soares e Marcela Freire Sanches

Rio de Janeiro, novembro, 2017

[1] O termo se refere a influências que pressupõem um centro dominante e que ainda persistem mesmo após a extinção dos sistemas imperialistas modernos

[2] Consideramos ainda que a noção de “serviço” pode engendrar assimetrias. Etimologicamente a palavra vem do latim servitium, que remete à escravidão.

[3] A acepção da palavra instituição deve ser considerada não apenas no viés jurídico, mas no social, em seu sentido mais amplo e inclusivo.

 

 

Do barro se fazem homens – Exposição de Ana Roque de Oliveira

Da terra se fazem homens

Do Barro de fizeram homem é um ensaio fotográfico da Ana Roque de Oliveira, que efetua uma composição sobre a construção das casas tradicionais em Tete, nas margens do Zambeze, em Moçambique.

Através da lente de Ana Roque de Oliveira fazemos uma viagem sobre os processos de produção artesanal de tijolos de barro (matoque). A fotografias retratam pedaços de vidas em transformação na fabricação da base da habitação.

Em simultâneo está à venda o album “Os Dias em Tete (Ed. Lápis de Memórias).

Entrada Livre.

Museus: De instituições a casas da poesia

Em outubro de 2017, nas jornadas de outono do ICOM Portugal, realizada em Évora discutiu-se a atualidade da Lei Portuguesa de Museus. Dele se deu uma notícia no site do ICOM Portugal.

Em síntese, como já noutros postais referi, a opinião da “comunidade” museológica do ICOM, é de que a aprovação da lei foi um fator positivo, embora as dinâmicas atuais tenham vindo a levantar alguns problemas.

A questão, para os profissionais dos museus parece estável. O museu continua a ser a tal “instituição permanente, sem fins lucrativos, a serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público e que adquire, conserva, investiga, difunde e expõe os testemunhos materiais do homem e de seu entorno, para educação e deleite da sociedade“. Trata-se duma definição que está vertida no texto da Lei e que coincide com a definição que é adotada pelo próprio ICOM.

Ora esta definição, como todas as definições sobre as instituições são narrativas socialmente construídas. São usadas pelas sociedade enquanto são úteis. O conceito de museu, ou a definição sobre o que é um museu varia no tempo e no espaço. Assim, por exemplo o Instituto Brasileiro de Museus definio, em 2010, na altura me que foi criado que:    “Os museus são casas que guardam e apresentam sonhos, sentimentos, pensamentos e intuições que ganham corpo através de imagens, cores, sons e formas. Os museus são pontes, portas e janelas que ligam e desligam mundos, tempos, culturas e pessoas diferentes. Os museus são conceitos e práticas em metamorfose.

Notícia em arquivo no IBRAM

Atualmente o mesmo IBRAM suvizou a radicalidade poética com um texto que não deixa de procurar capturar a uma situação que presente na comunidade ibero americana:

No universo da cultura, o museu assume funções as mais diversas e envolventes. Uma vontade de memória seduz as pessoas e as conduz à procura de registros antigos e novos, levando-as ao campo dos museus, no qual as portas se abrem sempre mais. A museologia é hoje compartilhada como uma prática a serviço da vida. O museu é o lugar em que sensações, ideias e imagens de pronto irradiadas por objetos e referenciais ali reunidos iluminam valores essenciais para o ser humano. Espaço fascinante onde se descobre e se aprende, nele se amplia o conhecimento e se aprofunda a consciência da identidade, da solidariedade e da partilha. Por meio dos museus, a vida social recupera a dimensão humana que se esvai na pressa da hora. As cidades encontram o espelho que lhes revele a face apagada no turbilhão do cotidiano. E cada pessoa acolhida por um museu acaba por saber mais de si mesma.

Trata-se duma definição poética, argumentarão os mais cépticos. Mas nela está contida o princípio de transformação. As instituições, tal como as pessoas e os pensamentos são processuais. E as leis, como todos sabemos, resultam de compromissos possíveis num dado tempo.

Ora se a questão parece continuar estável em Portugal, o mesmo não se passa no “mundo dos museus”, onde o que é um museus está a ser discutido. Veja-se por exemplo o que está a ser discutido no ICOFOM, onde até foi publicada um pequena resenha do debate , que foi apresentado em Paris, en junho do ano passado.

Em outubro foram feitas discussões em Beijing e Buenos Aires, em Novembro no Rio de Janeiro e finalmente na Escócia, no âmbito do encontro do EULAC. Tratam-se de cinco reuniões que podemos acompanhar.

Estamos portanto num momento de discussão e considerarmos que a ideia de museu é estável é perdermos um importante debate. Deixar a cabeça enterrada não vai resolver a questão. Também já verificamos que o ICOM Portugal não irá mais longe do que já foi.

Será a comunidade museológica capaz de se mobilizar?

O desafio para debater esta questão em 2018 está feito!

Querem os museus portugueses ser instituições ou casas de poesia?

Os museus da Rede afinal são Acessíveis na Cultura!

nossa querida Maria Vlachou, da Acesso Cultura, sempre atenta às questões da acessibilidade, teve a gentiliza de me informar que na página da DGPC , sobre o Património Cultural, a seguir aos Museus e Monumentos, há uma informação sobre a Rede Portuguesa de Museus, onde, num link no roda-pé, onde se lê (+Rede Portuguesa de Museus) têm-se acesso aos 146 museus que constituem da Rede (na verdade a lista apresenta apenas 145 museus. O centésimo quadragésimo sexto deve ser o Museu Municipal de Loulé, cuja adesão ocorreu em março de 2017 e parece que ainda não foi possível acrescentar à lista).

Aqui fica a correção e o mea culpa!

Museus da Rede Portuguesa

O que importa é que afinal a lista informação existe. Com alguma atenção, é acessível, e com um pouco da paciência temos a informação institucional mais detalhada. Por vezes falta um fotografiazinha do edifício, mas compreendemos que o orçamento não dá para visitar os lugares.

Como dizia o nosso saudoso Raul Solnado, “-Façam favor de ser felizes”

Até estou espantado que ainda ninguém tenha vendido a ideia do label “Museus de Portugal” e em cada um deles um toque regional.

“Para quê ir ao Louvre e comer brioches se pode Visitar o Museu de Arqueologia e comer um pastel de nata?”

“Vá ao Museu de  Avintes e coma uma Broa!” Venha ao Museu de Portimão e coma Sardinhas sem Igual” Não há Choco como no Museu de Setúbal”. Venhe a Mértola conhecer o gualdim Paes e ouça um cante do alemguadiana”

Turismo e património são coisas criativas e isso até podia dar um ar mais colorido ao cinzentismo da pagina da DGPC.

Depois queixam-se que a malta nova não liga nada às coisas da cultura.

Afinal estas questões constitucionais do Direito à Cultura pouco importam. O Estado e os seus funcionários, (pagos por todos, digam lá que não fica bem este elemento populista) arrogam-se ao direito de decidir o que é o museu e quem é museu, esquecendo o seu dever de comunicar para todos. Afinal a acessibilidade não é mais do que uma fronteira (porosa segundo os nossos amigos da Av. de Berna).

Sinto-me um pouco caustico neste início de ano.

Mea culpa!

 

Desafios para as políticas museológicas em Portugal em 2018

Que desafios para as políticas museológicas em  em 2018?

Quando nos últimos dias do ano escrevi nesta lista uma interrogação sobre o balanço para os museus portugueses em 2017, nada escrevi. Nada melhor que o vazio para, metaforicamente, escrever sobre o que se passa na vida dos museus.

Foi um risco assumido. É suposto o arquivo passar rapidamente e ano.

Agora, no primeiro dia do ano. Que prespetiva? Que agenda?

No ano anterior nada de relevante, não significa, que nada tenha acontecido. Assim de repente lembro-me de várias polémicas. A questão do vandalismo de Foz Côa e das pedras danificadas em Tomar. Várias audiências no parlamento. Várias iniciativas no parlamento, para debater a cultura e o orçamento para a cultura. (foi arduamente negociado, agendas acertadas). Nada de relevante parece vir a ser anunciado. Já não se fala em reversões, porque o tempo para isso já passou.   A desconcentração administrativa ainda não está esquecida. Ficou em banho-maria. Irá certamente ser retomada neste ano que entra,

As organizações da cultura e dos museus também não construíram uma agenda comum, o que significa que os seus interesses particulares, certamente legítimos, são superiores a um hipotético interesse comum. A diplomacia sabe bem gerir os interesses contrários, e  não tem sido difícil, através de pequenas concessões a pequenos grupos ir consolidando realidades. Talvez o Pedro Cardoso Pereira tenha mesmo razão, quando conclui que estas instituições já não têm uma correspondência com a realidade do património. Tendo a dar-lhe razão. Estas instituições já não nos servem.

No entanto elas existem. Consomem recursos. Serve grupos de interesses. Temos portanto o imperativo ético de questionar.

Vejamos algumas questões:

  1. A Rede Portuguesa de Museus. A menina dos olhos a museologia lusa. Vamos ver o que faz: dizem-nos: a Credenciação, a formação e a comunicação.

Credenciação: Já por várias vezes aqui escrevemos sobre o absurdo da ideia da “credenciação” duma “rede” no panorama museológico português. Em primeiro lugar ou é uma rede ou um sistema. A diferença é saber que dirige. Nesta rede ninguém tem dúvida que é da Ajuda que se procura dirigir. Resultado entre quer controlar e mandar, tanta “autoridade” leva a que o mais importante se escape por entre os dedos. Os seja o panorama museológico português é hoje diferente do que essa rede define. Ela não inclui realidades que ela própria defende. Ninguém parece muito preocupado por se desconhecer o que é um museu. O observatório das atividades culturais poderia suprir essa deficiência, mas é melhor que não se fale dele, para melhor proteger os pequenos lugares de poder.

Vejamos um exemplo: O núcleo museológico da Baixa da Banheira, na Moita, margem esquerda do Tejo, áreas metropolitana de Lisboa.  Não consta que seja reconhecido na RPM (na página da DGPC nem existe uma referencia quais são os museus). Trata-se duma organização da comunidade, com um acervo etnológico, relacionada com a comunidade local e suas migrações. Organiza atividades na comunidade. algo que se poderá enquadrar no Inventários do Património Imaterial. Abre quando é necessário a acontecem coisas quando é necessário. Podemos que tem uma gestão sustentável. Os senhores da Ajuda estão-se certamente nas tintas paras estas realidades que estão á porta das pessoas. Não conta que a Baixa da banheira seja um destino turístico emergente. tudo leva a crer que assim permanecerá, a menos que a Diversidade Cultural do Vale da Amoreira venha a ganhar destaque. Desprezível não é? Mas saberão os meus caros amigos que os músicos mais ouvidos do nosso país são daí. São mais ouvidos que o Tony Carreira na Antena 1. Pois se continuamos a seguir os discos mais pedidos na radio do estado, nunca conheceremos esse “outro” real que a mudança do paradigma tecnológico transporta. (Aqui está uma boa oportunidade para os nossos bons amigos do ISCTE  que agora apresentam um novo doutoramento  em Antropologia: Políticas e Imagens da Cultura e Museologia, enviaram estudantes para se dedicarem recolha etnográfica do património imaterial).

Em relação à comunicação?

O boletim ficou-se por 2011. Sete longos anos sem comunicação na Rede. Ainda haverá comunicação na rede? Pelas notícias que vamos tendo é lenta. Este ano, por despacho do ministro foram irradiados da rede o Museu do Brinquedo em Sinta e o Museu da Cortiça de Silves. Vários anos depois de deixarem de existir. Estamos conversados. Será que há gente a comunicar na rede?

E em relação à formação?

Continuou a fazer-se neste últimos anos, dando continuidade a uma das “linhas estratégicas” da rede, “que tem por objetivo contribuir para a qualificação do tecido museológico nacional”, apresentaram em 2017″mais um programa de formação dirigido a profissionais de museus, dando prioridade a técnicos de museus que integrem a RPM”. Pode-se ver que foi um programa que não sofreu interrupções. Ma vejamos, o programa feito por uma instituição pública, que tem como objetivo contribuir para a qualificação de “todos” , acaba por ser fundamentalmente dirigida para quem é da rede. Ora aqui há uma contradição entre os fins públicos a que se obriga com as práticas provadas que aplica. E ainda por cima, trata-se duma formação que é paga pelos formandos. algume sabe como é pensada a oferta. Porque razão ela está muito distante das funções museológica e apenas aborda funções particulares. Num serviço público qualquer atividade desta natureza deveria ser alvo dum prcedimento concursal. Se não não é publico. E não sendo público é privado. Dos membros da rede. Não é que estas coisas sejam feitas fora da lei. Mas já vai sendo tempo de serem transparentes.

  1. O problema da transparência dos atos administrativos da cultura será um outro problema.

As políticas culturais atuais já não podem ser feitas pelos iluminados nos gabinetes palacianos. O atual paradigma da boa governação exige  implicação dos “governados” ou dos interessados, na concepção e execução e avaliação das políticas. Os atuais mecanismos de participação, elitistas, de geração novecentista, mortram-se claramente desadequados aos tempos que vivemos, embora permenencam adequados aos interesses que representam.

O desafio é sabermos se eles se irão manter, ou as organizações culturais  e associações do património se conseguem reinventar.

  1. O problema do Observatório das Atividades Culturais.

Trata-se duma questão que acabou por saír da agenda. Mas o observatório em sí não é um objetivo (ou pelo menos um lugar do poder, como ele foi quando os sociólogos tomaram conta dele). O objetivo é encontrar mecanismos de reconhecer a realidade. O que está a acontecer, aonde e com que protagonistas. Para quê? Para desenhar propostas políticas para os problemas. E questões de relevância identificados. Não se trata de olhar para um sistema ordenado, mas saber ler um processo em transformação. É fácil de perceber que continuará fora da agenda. Ninguém quer que essa realidade seja escortinada. É o modo de asseguar que não se levantam problemas. Trata-se duma variante da política da avestruz, de contornar os problemas em vez de os enfrentar.

  1. As questões dos direitos ao património e à cultura.

É quanto a mim a questão emergente  nos próximos tempos. Se como o meu bom amigo Pedro Cardoso Pereira afirma, e se tiver com isso razão, o que é hoje património (ou melhor o que é categorizado como património nas instituições), o que sucede ao corpo de direitos de deveres que ele transporta. ?

Tentarei ir refletindo isto nos próximos tempos, se o engenho e o tempo assim me permitirem.

Para já podemos ir-nos insurgindo com as nomeações. É tempo de democratizar a administração pública para que as políticas públicas para acultura possam ser efetivamente públicas, escruti

Conclusão do Projeto Global Heritages

Conclui-se hoje o Projeto Global Heritages (2012-2017), realizado no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra

Resultados globais:

  • Este Site
  • 3 Revistas de Disseminação Científica
  • 4 Livros Publicados
  • 2 Livros Editados
  • 1 Capítulos em Livro
  • 1  Recensão
    • há várias recensões incluídas neste site
  • 18 Co-Edição em Revistas Científicas
  • 41 Artigos em Revistas Científicas
    • com 5 no prelo
  • 13 Artigos em Atas de Eventos
  • 43 Comunicações em Eventos
  • 10 Relatórios  Técnicos
  • 9 Working Papers
  • 12 Outras Publicações em jornais de divulgação
  • 8 Sites
  • 1 Museu
    • Museu Afro Digital
  • 1 Cátedra UNESCO “Educação, Cultura de Diversidade Cultural”

 

O programa será reformulado em 2018

Heranças Globais – Disseminação científica (2012-2017)

Revistas

Livros publicados

  • Leite, Pedro Pereira (2017), Sociomuseologia e Dignidade Humana: Estudos sobre a Diversidade Cultural e o Desenvolvimento Sustentado. Lisboa: Marca DÁgua: Publicações e Projetos.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), Heranças do Mar Salgado: A geocultura na Estratégia do Mar. Lisboa : Marca D’Agua .
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2013), Lisbon Saraswati: Experiencia das Viagens sobre as heranças de Lisboa. Ilha de Moçambique /Lisboa: Marca DÁgua .
  • Leite, Pedro Pereira (2012), Olhares Biográficos: A Poética da Intersubjetividade em Museologia. Lisboa/Ilha de Moçambique: Marca D’Agua : Edições e Projetos.

Livros editados

  • Leite, Pedro Pereira; Henriques, Isabel Castro; Ana, Fantasia (orgs.) (2013), Lisboa Africana: Lugares e percursos da memória africana na cidade. Ilha de Moçambique /Lisboa: Marca D’Agua -Publicações e Projetos.
  • Castro Henriques, Isabel; Leite, Pedro Pereira; Fernandes, Cátia (orgs.) (2013), Lugares de Memória da Escravatura e do Tráfico Negreiro (Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe. Lisboa/Ilha de Moçambique: Comité Português da UNESCO A Rota do Escravo.

Capítulos em livros

Leite, Pedro Pereira (2015), “A Nova Museologia e os Movimentos Sociais em Portugal”, in Mário Sousa Chagas (org.), Museologia Social. UNICHAPECO: Editora Argos UNICHAPECO.

Recensões de livros

Leite, Pedro Pereira (2015) recensão crítica a Pablo Escobar (2007) , Post-development as a concept and social practice, London: Routledge, 35, in Informal Museology Studies, 5.

Co-Edição de Volumes de Revistas Científicas

  • Carvalho, Ana; Sousa Monteiro, Joana; Leite, Pedro Pereira (2017), “Políticas Museológicas” número temático em “Boletim do ICOM Portugal”, 8.
  • Leite, Pedro Pereira; Janeirinho, Luisa; Valleriani, António (2017), “17” número temático em “Museologia Social e Cidades Mundo: Uma Pedagogia Barroca”, 17.
  • Leite, Pedro Pereira; Carvalho, Ana (2016), “Museus e diversidade Cultural” número temático em “Boletim do ICOM Portugal”, 5.
  • Leite, Pedro Pereira (2016), “Ecomuseus e Museologia Social” número temático em “Informal Museolgy Studies”, 15.
  • Leite, Pedro Pereira, Carvalho, Ana, Monteiro, Joana de Sousa et al, (2015) número temático em “Boletim do ICOM Portugal”, 1/2015.
  • Leite, Pedro Pereira (2015), “Estudos sobre o Desenvolvimento” número temático em “Informal Museology Studies”, 8.
  • Leite, Pedro Pereira (2015), “Africanidades” número temático em “Lusotopias- Revista de Geocultura”, 2.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “serie II” número temático em “Boletim ICOM Portugal”, nº1.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “Merging” número temático em “Heranças Globais : Mergging”, 4.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “Neurociência Social e método sociodrama” número temático em “Heranças globais Memórias Locais”, 5.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “5” número temático em “Heranças Globais: Método Sociodramatico”, 5.
  • Leite, Pedro Pereira (2014) número temático em “Lusotopias – Revista de Geocultura”, 1.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “Informal Museolgy Studies” número temático em “Narrativas Biográficas e Investigação Científica”, 7.
  • Leite, Pedro Pereira; Isabel Castro, Henriques; Fernandes, Cátia (2013), “Lugares de Memória da Escravatura e do Tráfico Negreiro” número temático em “Comité Português A Rota do Escravo”, 1.
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2013), “Questões Sobre Estudos Africanos” número temático em “Heranças Globais sobre estudos africanos”, 2.
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2013), “3” número temático em “Heranças Globais – Método biográfico”, 3.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Lisbon in real Time Exhibition Memory / Memory of an Exhibition” número temático em “Informal Museology Studies:Papers on Qualitative Research”, 1.
  • Leite, Pedro Pereira (2012) número temático em “Heranças Globais- Memórias Locais”, 1.

Artigos em revistas científicas

  • Leite, Pedro Pereira (2017), “A Museologia e a Relação entre Direitos Humanos e Ambiente”, Informal Museology Studies , 18, 18, 58-98.
  • Leite, Pedro Pereira (2017), “Educação Global e museologia social: Experiências do sul global sobre desenvolvimento sustentável”, Informal Museology Studies , 16, 16, 16 -27.
  • Leite, Pedro Pereira (2017), “Educação, Cidadania e Diversidade Cultural nas Cidades: Os desafios dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no Urbanismo”, Informal Museology Studies , 18, 18, 32-57.
  • Leite, Pedro Pereira; Janeirinho, Luísa ; Moutinho, Mário ; Primo, Judite (2017), “Educação, Cidadania e Diversidade Cultural: Cátedra UNESCO”, Informal Museology Studies , 17, 17, 8-12.
  • Leite, Pedro Pereira; Chagas, Mário; Moutinho, Mário ; Primo, Judite ; Stornino, Claudia (2016), “A Nova Recomendação da UNESCO sobre Museus Colecções sua Diversidade e Função Social”, Informal Museology Studies , 1, 13, 19-51.
  • Leite, Pedro Pereira (2016), “Diálogos sobre narrativas sobre o Excesso: Fundamentos de uma Museologia Nómada”, Informal Museology Studies , 12, 12, 38-59.
  • Leite, Pedro Pereira (2016), “DRAMA MUSEOLOGIA E PATRIMÓNIOS”, Informal Museology Studies , 1, 15, 7-11.
  • Leite, Pedro Pereira (2016), “Notas Milanesas sobre Ecomuseus e Museus Comunitários”, Informal Museology Studies , 14, 14, 88-99.
  • Leite, Pedro Pereira (2015), “Memórias Esbranquiçadas: as heranças africanas nos museus portugueses”, Atas do colóquio Arte Memória e Poder , 2, 2, 1-21.
  • Leite, Pedro Pereira; Primo, Judite dos Santos (2015), “Olhares biográficos em museologia: os desafios da intersubjetividade”, Cadernos de Sociomuseologia , 1, 5, 129-1244.
  • Leite, Pedro Pereira (2015), “Olhar o outro: narrativas museológicas sobre a diversidade na época da globalização”, Complutum – Revista da Universidade Complutense de Madrid , 26, nº 2 2015, 101-110.
  • Leite, Pedro Pereira (2015), “Movimientos sociales y nueva museología. La innovación brasileña”, Etnicex , 6, 6, 55-69.
  • Leite, Pedro Pereira (2015), “Cultura e Desenvolvimento?”, Informal Museolgy Studies , 11, 11, 66.
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2015), “Estudos sobre o Desenvolvimento”, Informal Museolgy Studies , 8, 8, 1-26.
  • Leite, Pedro Pereira (2015), “A emergência da escultura Makonde e a ideia de Moçambicanidade”, Lusotopias- Revista de Geocultura , 1, 2, 30-42.
  • Leite, Pedro Pereira; Carranca, Carlos (2015), “A Dignidade Humana e a Nova Narrativa para a Europa”, Museology Informal Studies , 10, 10, 17-44.
  • Leite, Pedro (2014), “A nova museologia e os movimentos sociais em Portugal”, Cadernos do CEOM – , 27, 41, 191-223.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “The sociodramatic Aproach on Informal Museology Studies”, Heranças Globais – Memórias Locais , 5, 5, 20-55.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “Social Neuroscience and Museology”, Heranças globais Memórias Locais , 5, 5, 3-15.
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2014), “As narrativas biográficas: oralidade e intersubjectividade”, Informal Museolgy Studies , 7, 7, 5-14.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “Cartas do Património: Instrumentos de participação no urbanismo”, Informal Museology Studies , 1, 7, 1-30.
  • Leite, Pedro Pereira (2014), “A relevância dos Museus de Macau para a Rede de Museus da Lusofonia”, Plataforma Macau , 1, 7, 28.
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2014), “As Narrativas Biográficas e as metodologias de investigação-acção sobre a memória e o esquecimento”, Proceedings of European African Congress on African Studies , 5, 5, 1-21.
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2013), “Cartografias dos Estudos Africanos”, Heranças Globais . Memórias Locais , 2, 2, 9-33.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Museologia Informal e Investigação-Ação”, Heranças Globais . Memórias Locais , 2, 2, 35-48.
  • Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2013), “Narrativas Biográfica e Investigação-ação”, Heranças Globais . Memórias Locais , 1, 2, 51-61.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “O ciclo de Cinema Escravatura e Tráfico de Seres Humanos”, Heranças Globais . Memórias Locais , 1, 2, 103-107.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Oficina do Riso”, Heranças Globais . Memórias Locais , 1, 2, 99-102.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Poética da Viagens Museológica: Viagens na Fronteira 1”, Heranças Globais . Memórias Locais , 1, 2, 88-95.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Poética das Viagens Museológicas: Viagem em Moçambique I”, Heranças Globais . Memórias Locais , 1, 2, 76-88.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Tertúlias na Baixa”, Heranças Globais . Memórias Locais , 1, 2, 95-98.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Representações Cartográficas do Espaço Estratégico Português”, Informal Museolgy Studies , 3, 3, 14.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Representações dos lugares de memória: Estudos de Geocultura do Mar no litoral português”, Informal Museology Studies , 4, 4, 1-25.
  • Leite, Pedro Pereira (2013), “Museologia, Desenvolvimento e Direitos Humanos”, VI Encontro de museus de Paises e Comunidades de Lingua portuguesa , 1, 6, 123-137.
  • Leite, Pedro Pereira (2012), “As narrativas Biográficas como metodologia da oralidade para operar a memória e o esquecimento”, Heranças Globais- Memórias Locais , 1, 1, 55-60.
  • Leite, Pedro Pereira (2012), “Cartografia da Memória”, Heranças Globais- Memórias Locais , 1, 1, 7-15.
  • Leite, Pedro Pereira (2012), “Encontros: Estratégias de Mediação na Poética da Intersubjetividade”, Heranças Globais- Memórias Locais , 1, 1, 16-20.
  • Leite, Pedro Pereira (2012), “Narrativas Biográficas e as Metodologias da Memória e do Esquecimento”, Heranças Globais- Memórias Locais , 1, 1, 52-54.
  • Leite, Pedro Pereira (2012), “Reflexão sobre a Poética da Viagem na Museologia”, Heranças Globais- Memórias Locais , 1, 1, 62-78.
  • Leite, Pedro Pereira (2012), “Sociomuseologia y globalización”, Revista de Museologia , 1, 53, 10.
  • Leite, Pedro Pereira (2012), “Museologia, Património e Direitos Humanos”, Series de Investigación Iberoamericana en Museologia , 4, 3, 215-226.

Artigos em atas de eventos

  1. Leite, Pedro Pereira (2017-01-12), “The Biographical Approach in Museological methodology: The Catembe project ecommuseum (Mozambike)” in ICOM Congress – Ecomuseu.eu (org.), Forum of Ecomuseums and Communitary Museums. Milano: Ecomnusei.eu, 7.
  2. Leite, Pedro Pereira (2015-11-13), “Árvore das Memórias” in Rede das Cidades Educadoras (org.), Atas do VI Encontro Nacional da Rede de Cidades Educadoras. Almada: Camara Municipal de Almada, 92-94.
  3. Leite, Pedro Pereira (2015-08-10), “Modos de Fazer e Estar em Djabula Mozambike” in Centro de Estudos Sociais (org.), Internacional Colloquium Episthemologies of theSouth. Coimbra: Centro de Estudos Sociais, 230-257.
  4. Leite, Pedro Pereira (2015), “Museologia e Inovação social” in Instituto de História Contemporânea da FCSH (org.), Atas do Encontro Patrimonialização e sustentabilidade do Património. Lisboa, Faculdade Ciencias Sociais e Humanas UNL.
  5. Leite, Pedro Pereira (2015), “O jardim da Memória e o fenómeno da escravatura na Ilha de Moçambique” in Centro de Estudos sobre Africa e o desenvolvimento (org.), working Pappers CEsA. Lisboa: Centro de Estudos sobre Africa e o Desenvolvimento, 10.
  6. Leite, Pedro Pereira (2014-06-29), “As Narrativas Biográficas e as metodologias de investigação-acção sobre a memória e o esquecimento” in Manuel João Ramos e Clara Carvalho (org.), 5º European Congress on African Studies. Lisboa: Centro de Estudos Africanos IUL, 1-13.
  7. Leite, Pedro Pereira (2013-9-23), “Mozambike Peace Process” in Hellen Perry (org.), Heritage Pratices on Contested Spaces. Limavaley: Causeway Museum Service, 25.
  8. Leite, Pedro Pereira (2013-11), “O Hospital de Moçambique: As fórmulas Europeias de construção da Saude colonial” in Ana Luísa Janeiro (org.), Atas do Colóquio Internacional Conhecimento e Ciência Colonial. Lisboa: Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência, 1.
  9. Leite, Pedro Pereira (2013-10), “Memórias Esbranquiçadas: As heranças Africanas nos Museu de Portugal” in Mirryam Sepulveda Santos, Mauricio Baros de Castro (org.), Atas II Seminário Arte, Cultura e Poder. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 11.
  10. Leite, Pedro Pereira (2013-09-2), “Casa Muss-amb-ike. O compromisso no processo museológico” in Crsitina Bruno, Marília Xavier Cury (org.), I Simpósio Internacional de Museologia. São Paulo: Universidade de São Paulo, 33.
  11. Leite, Pedro Pereira (2013-06-30), “As Narrativas Biográficas e as metodologias de investigação-acção sobre a memória e o esquecimento” in Manuel João Ramos e Clara Carvalho (org.), 5º European Congress on African Studies. Lisboa: Centro de Estudos Africanos IUL, 1-13.
  12. Leite, Pedro Pereira (2012-11), “As Janelas da museologia informal: uma proposta de olhar para aforma do espaço museológico” in Cêca Guimaraens (org.), Museografia e Arquitetura de Museus- conservação e tecnicas sensoriais. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro FAQ, 29-56.
  13. Leite, Pedro Pereira (2012), “Museologia, Património e Direitos Humanos” in Assensio, Pol, Assensio & Castro (org.), Atas do III Seminario Ibero Americano de Museologia. Madrid: Universidade Autónoma da Madrid, 215-226.

Comunicações em encontros científicos

  1. Leite, Pedro Pereira (2017), “”Sob o signo do Capricórnio: o 18º MINOM – Córdova Argentina”, comunicação apresentada na/o Museologia fora de Portas, Museu de História Natural da Universidade de Lisboa, 16 a 16 de Dezembro.
  2. Leite, Pedro Pereira (2017), “O Potencial Criativo das Cidades Museu”, comunicação apresentada na/o Encontro da Rede Museística de Lugo, Museu Provincial de Lugo, 30 de Novembro a 01 de Dezembro.
  3. Leite, Pedro Pereira; Moutinho, Mário; Primo, Judite (2017), “Heranaçs Globais – Memórias Locais”, comunicação apresentada na/o Seminário Internacional IBERMUSEUS – 10 anos , CCBB Brasília, 28 a 29 de Novembro.
  4. Leite, Pedro Pereira (2017), “Árvore das Memórias – Oficina de Museologia Social”, comunicação apresentada na/o XII Encontro de Educação Escola Sem Muros, Convento dos Capuchos – Almada, 18 a 18 de Novembro.
  5. Leite, Pedro Pereira (2017), “Ligar Pessoas – Criar Pontes: Os desafios das Redes de Museus em Portugal”, comunicação apresentada na/o IV Encontro da Associação Portuguesa de Casas Museus, Casa do Brasil – Santarém, 03 a 03 de Novembro.
  6. Leite, Pedro Pereira (2017), “Passagens – Experiencias de Libertad en Espacios de transición”, comunicação apresentada na/o 18º Encontro do MINOM, Museu Evita Peron – Cordoba Argentina, 09 a 14 de Outubro.
  7. Leite, Pedro Pereira; Primo, Judite (2017), “A Sociomuseologia como formação integral: a acessibilidade universal”, comunicação apresentada na/o IV Congresso Internacional Educação e Acessibilidade em Museus e Património, Lisboa, 02 a 04 de Outubro.
  8. Leite, Pedro Pereira (2017), “Peregrinações pela Ilha de Moçambique na era do Antropoceno”, comunicação apresentada na/o VII Encontro da Rede BrasPor, Sesimbra, 18 a 21 de Setembro.
  9. Leite, Pedro Pereira (2017), “Tree of Memories – Global Heritege Research Project”, comunicação apresentada na/o Encontro com a Ciência 2017, Feira Internacional de Lisboa, 03 a 05 de Julho.
  10. Leite, Pedro Pereira (2017), “Global Education and Sociomuseology: Experiences from the Global South on Sustainable Development”, comunicação apresentada na/o The Subjetive Museum The impact of participative strategies on the museum, Museu de Frankfurt, 26 a 28 de Junho.
  11. Leite, Pedro Pereira (2017), “O Kairós na análise do fenómeno da escravatura na obra de José Capela”, comunicação apresentada na/o COLÓQUIO INTERNACIONAL “José Capela e a história de Moçambique: 45 anos depois de O vinho para o preto, Faculdade de letras da Universidade do Porto, 29 a 30 de Maio.
  12. Leite, Pedro Pereira (2017), “A Diversidade Cultural e a Economia Criativa nas cidades educadoras”, comunicação apresentada na/o VII Congresso Nacional da Rede Territorial Portuguesa de Cidades Educadoras, Guarda, 25 a 27 de Maio.
  13. Leite, Pedro Pereira (2017), Organização de Museologia e Cidade: Dialogos Ausentes, Casa dos Amigos do Minho – Mouraria, 18 a 18 de Maio.
  14. Leite, Pedro Pereira (2017), Organização de 11º Congresso Ibero americano de psicodrama, Fábrica Braço de Prata, 03 a 06 de Maio.
  15. Leite, Pedro Pereira (2017), “Intervenção de Abertura no Seminário”, comunicação apresentada na/o Consulta à Sociedade Civil sobre a Agenda 2030 para Portugal, Assembleia da Republica- Auditório Almeida Santos, 19 a 19 de Abril.
  16. Leite, Pedro Pereira (2017), “Novos Desafios para a Museologia Social”, comunicação apresentada na/o Encontro de Primavera do MINOM Portugal, Museu de História Natural, 25 a 25 de Março.
  17. Leite, Pedro Pereira (2017), Organização de 7º Seminário Internacional de Sociomuseologia, Universidade Lusófona de Humanidade e Tecnologia, 03 a 11 de Fevereiro.
  18. Leite, Pedro Pereira; Primo, Judite Santos (2016), “O Espírito do Lugar na Mouraria:Experiência de museologia nómada”, comunicação apresentada na/o 5º Seminário Internacional Museografia e Arquitetura de Museus, Rio de Janeiro, Lisboa, Madrid, Recife, 27 a 28 de Outubro.
  19. Leite, Pedro Pereira (2016), “Museologia Nómada e o Espírito do Lugar: Experiencia Museal”, comunicação apresentada na/o 17th international Conference MINOM-ICOM , Nazaré – Rondônia – Brasil, 03 a 06 de Agosto.
  20. Leite, Pedro Pereira; Chagas, Mário (2016), “The Biographical Approach in Museological methodology: The Catembe project ecommuseum (Mozambike) “, comunicação apresentada na/o Ecomusei.eu / ICOM Milano, Polotécnoco de Milão, 04 a 08 de Julho.
  21. Leite, Pedro Pereira (2016), Organização de Diversidade Cultural na Lusofonia, Universidade Lusófona, 03 a 03 de Maio.
  22. Leite, Pedro Pereira; Camacho, Clara ; Carvalho, Ana (2016), “A Recomendação da UNESCO relativa a Museus, Colecções e Sua Função Social”, comunicação apresentada na/o Jornadas da Primavera : ICOM Portugal, Palácio da Ajuda, 28 a 28 de Março.
  23. Leite, Pedro Pereira (2016), Organização de VI seminário de Investigação em sociomuseologia, Lisboa, 22 a 23 de Janeiro.
  24. Leite, Pedro Pereira (2015), “Árvore das memórias: lugares e saberes do sul”, comunicação apresentada na/o VI Congresso Internacional das Cidades Educadoras, Almada, 11 a 13 de Novembro.
  25. Leite, Pedro Pereira (2015), “Desafios da História da enfermagem: da guerra da Crimeia á Saúde global”, comunicação apresentada na/o II Congresso Internacional de História da Enfermagem, Lisboa, 09 a 10 de Novembro.
  26. Leite, Pedro Pereira; Ana, Fantasia; Antunes, Manuel; Vicente, Pedro; Teixiera, José (2015), Organização de Dia de África 2015, Universidade Lusófona, 25 a 25 de Junho.
  27. Leite, Pedro Pereira; Zacarias, Filipa (2015), “Círculos de Memória no Catembe: práticas de intersubjetividade em neurociência social”, comunicação apresentada na/o II Simpósio Intenracional EDISO, Coimbra, 18 a 20 de Junho.
  28. Leite, Pedro Pereira (2015), “Looking Catembe from the Indian Ocean”, comunicação apresentada na/o 2nd International AEGIS Thematic Conference on Africa and the Indian Ocean, Lisboa, 09 a 10 de Abril.
  29. Leite, Pedro Pereira; Teixeira, José; Floréncio, Fernando; Fantasia, Ana; Galhano, Isabel; Brugioni, Elena ; Osório, Isabel (2014), Organização de Narrativas Biográficas e Investigação científica, Centro de Estudos Sociais, 05 a 05 de Dezembro.
  30. Leite, Pedro Pereira (2014), “Museologia e Inovação Social”, comunicação apresentada na/o Encontro Patrimonialização e sustentabilidade do Património, Lisboa, 26 a 29 de Novembro.
  31. Leite, Pedro Pereira; Carozza, Chiara (2014), “Promoting innovative epistemologies and methodologies towards an “ecology of knowledges””, comunicação apresentada na/o PostDoc Day, Universidade de Coimbra, 30 de Outubro.
  32. Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2014), “O Jardim da Memoria da Ilha de Moçambique e o fenómeno da Escravatura”, comunicação apresentada na/o 9 Congresso Ibérico de Estudos Africanos , CES Coimbra, 11 a 13 de Setembro.
  33. Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana; Filipa, Zacarias; Patrícia, Maridalho (2014), Organização de International Colloquium Epistemologies of the South, Universidade de Coimbra, 10 a 12 de Julho.
  34. Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2014), “Lusotpia: Revista de Geocultura”, comunicação apresentada na/o 5º encontros de Museologia Informal, Maputo, 16 a 16 de Maio.
  35. Leite, Pedro Pereira; Irina, Castro; Tiago, Castela; Rita, Serra (2014), Organização de Democratiza ro Território Superar a Dicotomia Urbano Rural, CES Coimbra, 21 a 21 de Janeiro.
  36. Fantasia, Ana; Leite, Pedro Pereira (2013), “O Hospital de Moçambique: As Fórmulas de Construção da Saúde Colonial”, comunicação apresentada na/o Colóqui Internacional Conhecimento e Ciência Colonial, Lisboa, 26 a 29 de Novembro.
  37. Leite, Pedro Pereira (2013), “Memórias Esbranquiçadas: A Herança Africana nos Museu de Portugal”, comunicação apresentada na/o Arte, Cultura e Poder, Rio de Janeiro, 09 de Outubro a 12 de Setembro.
  38. Leite, Pedro Pereira (2013), “Mozambike Peace Process”, comunicação apresentada na/o Heritages Pratices on Cotested Places, Limavaleu, 23 a 26 de Setembro.
  39. Leite, Pedro Pereira (2013), “Narrrativas Biográfica: Processos de Pesquisa sobre Memória e Esquecimento”, comunicação apresentada na/o Antroplogia em ContraPonto, Universidade de Trás-os-Montes, 08 a 11 de Setembro.
  40. Leite, Pedro Pereira (2013), “Casa Muss-amb-ike: O Compromisso no Processo Museológico”, comunicação apresentada na/o 1º Simpósio Internacional de Pesquisa em Museologia, Pinacoteca do Estado de São Paulo, 02 a 05 de Setembro.
  41. Leite, Pedro Pereira; Ana, Fantasia (2013), Organização de 5th European Congress on African Studies, ISCTE-IUL, 25 a 30 de Junho.
  42. Leite, Pedro Pereira; Fantasia, Ana (2013), “A rota do Escravo: Um pouco de Hiatória e atialidade sobre a criança em áfrica”, comunicação apresentada na/o European Children’s Rights, Lagos – Agrupamento de Escolas Júlio Dantas, 25 a 25 de Maio.
  43. Leite, Pedro Pereira (2012), “Reencontros: A Museologia como Instrumento de Reconstrução da Memória Social”, comunicação apresentada na/o 8º Congresso Iberico de Estudos Africanos, Madrid, 14 a 16 de Junho.

Relatórios

  1. Plataforma da Sociedade Civil para os ODS em Portugal (coord.); Leite, Pedro Pereira (2017), Seminário de apresentação pública das recomendações para implementação dos ODS em Portugal – Resultados do processo de Consulta à Sociedade Civil que decorreu em 2016 -, Lisboa: Plataforma da Sociedade Civil para a Agenda 20130, 150.
  2. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2016), Heranças globais: Experiências de cruzar fronteiras nos saberes, Lisboa: Pedro Pereira Leite, 23.
  3. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2015), A Inclusão dos Saberes das Comunidades, Lisboa: Centro de Estudos Sociais, 16.
  4. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2014), Relatório Heranças Globais – Memórias Locais, Maputo: CES, 40.
  5. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2013), Fronteiras: 3º Relatório das Heranças Globais , Coimbra: CES, 43.
  6. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2013), O Barroco e a Festa- Relatório 4, Coimbra: Centro de Estudos Sociais, 78.
  7. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2012), Cartografias das Heranças Globais, Coimbra: CES, 106.
  8. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2012), Reconstruções. 2º Relatório das Heranças Globais, Lisboa: CES, 178.
  9. Pedro Pereira Leite (coord.); Leite, Pedro Pereira (2011), Relatorio de Atividades no Pós-Doutoramento em Museologia, Lisboa/Ilha de Moçambique: Marca D’Agua : Edições e Projetos, 12.

Working papers

  1. Leite, Pedro Pereira (2017). “Paisagens Sonoras de Lisboa”, in Jornadas europeias do Património, 2017, Lisboa 21 de setembro em Anagrama-StudioLab.
  2. , Pedro Pereira(2016), “Performatividades e Oralidades em Museologia Social”, Lusotopias – Revista de Geocultura, 3.
  3. Leite, Pedro Pereira(2013), “Exhibition Memory / Memory of an Exhibition”, Informal Museology Studies # 7, 7.
  4. Leite, Pedro Pereira(2012), “Estratégias de Mediação na Poética da Intersubjetividade”, III Encontro Internacional Entre as Artes ou entre os Públicos, III.
  5. Leite, Pedro Pereira(2012), “Heranças do Mar Salgado: a geocultura na Estratégia do Mar”, Estudos de Museologia Informal nº 6, 6.
  6. Leite, Pedro Pereira(2012), “Lisbon Saravwasti”, Estudos de Museologia Informal nº 5, 5.
  7. Traduções
  8. Franco Cassano (2017), Il pensiero meridiano oggi: Intervista e dialoghi con Franco Cassano, O Pensamento Meridional: Entrevista a Franco Cassano. Ilha de Moçambique: Marca d’Agua.
  9. Margarido, Alfredo (2013), Créateurs versus expositeurs, Criadores versus Expositores. Ilha de Moçambique: Marca d’Agua.

Outras Publicações

  1. Leite, Pedro Pereira (2013), “O Hospital de Moçambique: as fórmulas europeias de construção da saúde colonial”, Colóquio Internacional: conhecimento e ciência colonial , 1, 1.
  2. Leite, Pedro Pereira (2014), “A Relevância dos Museus de Macau para a Rede de Museus da Lusofonia”, Plataforma Macau , 12, 52.
  3. Leite, Pedro Pereira (2015), “Para que servem os Museus ?”, Plataforma macau , 28/03/2015, 1.
  4. Leite, Pedro Pereira (2014), “O meu avô António e as questões de Cidadania e Defesa”, Cidadania e Defesa , 52, 23-24.
  5. Leite, Pedro Pereira (2014), “O dia Internacional dos Museus em Maputo”, Boletim do ICOM Portugal , 51, 4.
  6. Leite, Pedro Pereira; Carvalho, Ana; Camacho, Clara (2016), “Contextos e Desafios da Nova Recomendação da UNESCO para Museus e Colecções”, Boletim do ICOM Portugal , 7, 9-19.
  7. Leite, Pedro Pereira (2016), “Fórum dos Ecomuseus e Museus Comunitários 24.ª Conferência Geral do ICOM”, Boletim do ICOM Portugal , 7, 29-30.
  8. Leite, Pedro Pereira (2016), “Memória Acesa XVII Conferência Internacional do MINOM”, Boletim do ICOM Portugal , 7, 32-33.
  9. Leite, Pedro Pereira (2017), “Museus e Património Local: Interacção e Desenvolvimento no Séc. XXI 6.º Encontro da Plataforma Mouseion”, Boletim do ICOM Portugal , 8, 30-31.
  10. Leite, Pedro Pereira (2017), “Tree of Memories Global Heritage –Research Project”, Encontro com a ciência , 2017, poster.
  11. Leite, Pedro Pereira (2017), “Contributos para uma urgente e necessária política museológica nacional”, Boletim do ICOM , 9, 12-18.
  12. Leite, Pedro Pereira (2017), “Para Onde Vai a Economia Portuguesa? – O contributo da Economia Criativa”, Programa Fronteiras XXI , 5 de julho 2017.

Broadsides

2013 – Global Heritages – he inclusion of community knowdlege on territorial development (Research Book) de Pedro Pereira Leite. Editado em Hypotheses.org por http://globalherit.hypotheses.org/.

  • Onde forma publicados 1340 postais
  • 35 páginas de onde saíra uma publicação final

2014 – Jacaranda : Práticas de Transição, autoria de Pedro Pereira Leite. Editado em Lisboa por Marca D’Agua . em https://axiodrama.wordpress.com/

2014 – Lusotopias-Revista de Geocultura, autoria de Pedro Pereira Leite. Editado em Lisboa- Maputo por Marca d’agua. https://lusotopias.wordpress.com/

2013 – Comité Português a Rota do Escravo, autoria de Pedro Pereira Leite. Editado em Lisboa por http://pedropereiraleite.wordpress.com/.

2013 – Informal Museology studies, autoria de 2013. Editado em Lisboa por http://informalmuseology.wordpress.com/.

2013 – Museu Digital Afro-portugues, autoria de Pedro Pereira Leite. Editado em worpress.com por http://museudigitalafroportugues.wordpress.com/.

2012 – Casa Muss-amb-ike, autoria de Pedro Pereira Leite. Editado em Maputo por http://casamuzambike.wordpress.com/.

2012 – Heranças Globais – memórias locais, autoria de Pedro Pereira Leite. Editado em Lisboa por http://globalheritages.wordpress.com/.

2016 – Museologia social e Ecomuseus em Portugal –autoria Pedro Pereira Leite, Editado em Lisboa https://ecomuseus.wordpress.com/

2015 –Museologia e Movimentos Sociais – Processos Museológicos de Inovação Social https://wordpress.com/view/museologiaemovimentosociais.wordpress.com

2015- Inventário Participativo – Processos ecomuseais. https://wordpress.com/view/inventarioparticipativo.wordpress.com

Mulheres Corticeiras de Stefania Mattarello

 

Um bom amigo ofereceu-me neste final de ano esta publicação, já de 2010, editada pela euronatura. Com vários artigos, sobre o tema então emergente, o do património corticeiro, e  outro já do main streem, as questões deo género, aqui relacionados no âmbito duma atividade profissional, que é por tradição masculina. dá visibilidade à mulher e ao seu contributo para este mundo que liga a natureza, a industria e a cultura

Disparem sobre o Utopista de Raquel Lima

De Raquel Lima

Referência do documento impresso

Raquel Lima, « Disparem sobre a utopista! », Revista Crítica de Ciências Sociais, 114 | 2017, 245-248.

Referência eletrónica

Raquel Lima, « Disparem sobre a utopista! », Revista Crítica de Ciências Sociais[Online], 114 | 2017, colocado online no dia 20 Dezembro 2017, criado a 28 Dezembro 2017. URL : http://journals.openedition.org/rccs/6852

Paira um fantasma no ar,
o de que todas as conquistas são frágeis e reversíveis.
Tudo pode ser destruído de um dia para o outro,
Tudo o que é sólido se desfaz no ar…
E hoje?
Hoje quando observo e absorvo esta urgência,
esta necessidade de pensar para além do possível, do credível e do verosímil,
quando percebo que a política degrada exponencialmente à medida que degrada a natureza,
quando percebo com toda a certeza que hoje, há esta urgência e esta necessidade no ar
De deixar de ver as notícias sobre injustiças do nosso tempo com essa naturalidade típica e conformista, duma indiferença atroz e nada salutar…
Esta necessidade de não querer ser só literária mas ser social
Esta necessidade impossível, e que por ser impossível é necessária
E não o contrário reformista que nos foram vendendo, vendando os olhos da cega
Porque muitos olham mas poucos vêem
Que as expectativas de ver de uma cega são à partida negativas,
E que existe esse mal-estar, essa fragilidade de que tudo desapareceu aos seus olhos de um momento para o outro
E que o seu olhar não se vai aperfeiçoando, nem mesmo depois de morta
A sua cegueira é já perfeita, completa, e por isso a sua visão só tem que ser nula
Os seus olhos, são um território em que já não é possível a perfeição
E por isso já não é preciso sonhar, quando já se tornou irreversível a sua exclusão de todos os lugares, a da cega
Aqui na nossa cegueira o fim chegou antecipado, apocalíptico, desastroso, e aqui o medo e a austeridade mataram há já muito a esperança
O medo!
O medo de ser… O medo que tem tudo,
O medo tem ambulâncias,
O medo tem sirenes,
O medo tem capacetes e cintos de segurança
O medo tem terrorismo
Aqui o medo já há muito matou
a esperança

E quem não tem medo do nosso medo?
Quem não tem medo do monstro das 3 cabeças?
Quem é que ainda o vê como a melhor das possibilidades no meio de todas as crenças?
Serão heróis? Os que se arrastam até aqui para ser explorados?
Serão heróis esses homens e mulheres que morrem afogados?
Heróis silenciados…
Num silêncio que grita por um mundo melhor.
Mataram esse utopista!!! Não. Nem sequer tiveram que disparar sobre ele,
Ele suicidou-se quando tentava viver, e atrás dele seguiram outros
Sem medo, sem medo de já estarem mortos
Sem medo dessa repetição
Porque mesmo que lhes mostrem repetidamente a ideia de morte eles acreditam que não a vão repetir
Em movimentos limitados, eles expandem-se nesse acto de amor
Será um refugiado emancipado apenas um refugiado morto?
Ou será ele um sintoma dessa utopia urgente e necessária?
E mesmo não sabendo se é possível ou não, será ele o único em condições para responder?
Vindo ele dessa exclusão abissal intolerável e diária.

Aqui deste lado (e nestas condições) dizem que a utopia é impossível
Enquanto o excesso de capital cresce eternamente e nunca é suficiente
Enquanto não existirem limites para o dinheiro e a propriedade
Enquanto o medo avassalador estiver sempre presente
Aqui deste lado tentamos mais, sempre mais, para no final irmos para um lugar melhor, o paraíso… Sem saber que a nossa esperança imposta consome outras esperanças
E em pleno juízo seguimos, com a nossa meta na felicidade de ter mais,
Com o nosso sonho implementado de fora, do nada
duma coisa que não é natural nem humana, mas que nos é plantada
Já não há flores utópicas a crescer neste jardim…
Porque para alguns é necessário plantar a ruptura,
Mas para a maioria não
Porque para uns criar os seus próprios valores é já uma revolução
Porque para uns não se submeter ao que é imposto é a única forma de emancipação

E quem vai perceber essa sabedoria dos periféricos?
Quem vai chegar até esse ponto de humildade?
Quando a elite está condicionada pela sua própria superioridade
Quem vai ter peito para encarar a dificuldade de uma pessoa sem universidade?

Quem vai querer largar as teorias para abraçar as utopias?
As utopias das vivências e da sabedoria
Quem vai largar as teorias que geram facilmente arrogância?
Para abraçar a humildade intrínseca onde há sabedoria e esperança?

Quem vai pensar para além da sua condição?
Expandir o Presente, encolher o Futuro e aumentar as possibilidades de alternativas?
Quando há poucas alternativas…
Quem vai se lembrar do mais importante na vida – dos afectos?
E de que não existe um ser melhor do que outro
Mas sim atitudes melhores do que outras
Será que ser utópico é uma dessas atitudes?
Quando mesmo a utopia dos pobres pode gerar a repitação dos ricos
Porque é preciso manter a maioria na ignorância
Para continuarem a construir as nossas estradas
Para continuarem a costurar as nossas roupas
Para conrinuarem a plantar o que comemos
Para continuarem a fazer a base da sociedade sem terem a consciência de que são a parte mais importante!
Para se continuarem a sentir fracos, invisíveis, impotentes…

E se a utopia é procurar uma humanidade melhor
Quando ainda não existe humanidade?
E se a utopia procura um território melhor
Quando já não existe esse território?

Já não interessa transpôr essa linha abissal
Convém ficar em cima, no topo, dessa linha
O caos é o espaço ideal para ocorrer a transição emancipatória
Mas do outro lado as leis que nos regulamentam não são suficientes
Há todo um espaço de leis ausentes onde os mais excluídos continuam a lutar pacificamente
Porque paz significa mente
E a utopia contemporânea está nas mentes como dissidência, como insurgência
Como um caminhante que desconhece o seu caminho mas sabe qual é a sua realidade
É a presença de querer ser futuro no desconhecido
E cada passo é pesado mas não existe a hipótese de não avançar
Na mala tem novos planos e infinitas possibilidades
Mas no bolso, mais à mão, tem a vontade de as conquistar
E vai lutar por elas, vai escavar onde nunca foi escavado
Vai escavar o silêncio, e fazer as questões que ficaram por perguntar

A sua identidade é múltipla, inacabada, sempre em processo de reconstrução
Uma identidade em curso sujeita a constante reivenção

Para ele não existe fracasso porque desconhece os seus direitos, ou as leis que o regulamentam
Por isso resiste, persiste, sem coerência
e eficácia garantida
E quanto mais à vontade me sente na fronteira, melhor se explora e emancipa
Viver na fronteira em suspenção, num espaço vazio, num tempo entre tempos
O seu carácter (e o seu coração) é aberto, inacabado, autónomo e criativo, e vem das margens, da periferia, da fronteira, da linha abissal
O seu passo é excêntrico, exagerado, subversivo, turbulento e transitório
A sua meta é inventar tudo, incluindo o próprio acto de inventar
É um ser híbrido, provisório e temporário, e as suas raízes se deslocam tãonaturalmente como o solo que as sustenta
Porque mais difícil do que crescer asas que voam,
É crescer asas com raízes
E nesse local ela cria raízes e laços
preciosos porque são raros, precários e vitalmente úteis
Ali, nessa micro-fronteira utópica, são todas clandestinas, ilegais, indocumentadas, deslocadas, refugiadas em busca de asilo
Com um pé na terra e outro sem Estado, prosseguem pacíficas, esse é o seu estado
Pensam ir para Norte mas vão para Sul, vão desnorteadas
Já não há meios para atingir os fins porque desconhecem esse Monstro que as assombra
Já podem disparar sobre a utopista,
Disparem contra a utopista!
Disparem contra a utopista até que ela caia no chão
Disparem com as vossas balas inúteis, quando ela morre por auto-determinação
Porque para ela “cada momento é eterno enquanto dura”.

Manifesto de Leiden sobre avaliação científica

Diana Hicksa, Paul Woutersb, Ludo Waltmanb, Sarah de Rijckec e Ismael Rafolsc, d, e

  1. School of Public Policy, Georgia Institute of Technology, Atlanta, EUA
  2. Centre for Science and Technology Studies (CWTS), Universidade de Leiden, Holanda
  3. Ingenio (CSIC-UPV), Universidade Politécnica de Valência, Valência, Espanha
  4. Science Policy Research Unit (SPRU), Universidade de Sussex, Brighton, Reino Unido
  5. Observatoire des Science et des Téchniques (OST-HCERES), Paris, França

(Tradução em Português brasileiro de Hicks et al. The Leiden Manifesto for research metrics. Nature, v. 520, p. 429-431, 2015. /)

Cada vez mais se utilizam dados para gerenciar a ciência. As avaliações da pesquisa, que já foram individualizadas, solicitadas e realizadas por pares, atualmente são rotineiras e baseadas em métricas (1). A questão é que agora a avaliação é majoritariamente dependente de dados, ao invés de juízos de valor. As métricas proliferaram: em geral bem intencionadas, nem sempre bem informadas, e frequentemente mal aplicadas. Corremos o risco de prejudicar o sistema da ciência com as próprias ferramentas projetadas para melhorá-lo, uma vez que a avaliação é cada vez mais realizada por instituições sem o devido conhecimento sobre as boas práticas e sobre a interpretação adequada de indicadores.

Anteriormente a 2000, os especialistas utilizavam em suas análises o Science Citation Index (SCI) do Institute for Scientific Information (ISI), em sua versão em CD-ROM. Em 2002, a Thomson Reuters lançou uma plataforma web integrada, tornando a base Web of Science (WoS) acessível a um público mais amplo. Logo surgiram índices de citações concorrentes: a base Scopus, da Elsevier (lançada em 2004) e o Google Scholar (versão beta lançada em 2004). Outras ferramentas baseadas na web surgiram para facilitar a comparação da produtividade da pesquisa institucional e seu impacto, como o InCites (que usa dados da WoS) e o SciVal (com dados da Scopus), bem como aplicativos para analisar perfis individuais de citação com dados do Google Scholar (Publish or Perish, lançado em 2007).

Em 2005 Jorge Hirsch, físico da Universidade da Califórnia em San Diego, propôs o Índice h, popularizando a contagem de citações de pesquisadores individuais. O interesse pelo Fator de Impacto de revistas cresceu de forma constante a partir de 1995.

Mais recentemente, ganham impulso métricas relacionadas ao uso social e conversações online – como o F1000 Prime, criado em 2002; o Mendeley, em 2008; e o Altmetric.com, em 2011.

Como cientometristas, cientistas sociais e gestores de pesquisa, temos observado com crescente apreensão a má aplicação generalizada de indicadores na avaliação do desempenho científico. Os exemplos a seguir são apenas alguns de inúmeros casos. Em todo o mundo, as universidades tornaram-se obcecadas com a sua posição nos rankings mundiais (a exemplo do Ranking de Xangai e da lista do Times Higher Education – THE), apesar dessas listas serem baseadas, no nosso ponto de vista, em dados imprecisos e indicadores arbitrários.

Algumas instituições solicitam o valor do  Índice h dos pesquisadores candidatos a seus postos.  Várias decisões de promoção e fomento de universidades baseiam-se nos valores do Índice h e no número de artigos publicados em revistas de “alto impacto”. Os currículos dos pesquisadores transformaram-se em espaços para alardear essas pontuações, principalmente na área da Biomedicina. Em todos os lugares, orientadores pressionam prematuramente seus alunos de doutorado a publicar em revistas de “alto impacto” e obter financiamento externo.

Na Escandinávia e na China, algumas universidades distribuem fundos ou bônus para as pesquisas com base em números: por exemplo, por meio do cálculo das pontuações de impacto para alocar recursos baseados no “desempenho individual”,  ou concedendo bônus aos pesquisadores para que publiquem em periódicos com Fator de Impacto maior de 15 (2).

Em muitos casos, os pesquisadores e avaliadores ainda exercem um julgamento equilibrado. No entanto, o abuso de métricas da pesquisa tornou-se disseminado demais para ser ignorado.

Assim, apresentamos o Manifesto de Leiden, nomeado após a conferência em que se consolidou (ver http://sti2014.cwts.nl). Seus dez princípios não são novidade para os cientometristas, embora nenhum de nós seria capaz de recitá-los na íntegra, devido à falta de uma  codificação integradora até o momento. Luminares do campo da Cientometria, como Eugene Garfield (fundador do ISI), já se referiram a alguns desses princípios (3, 4). Mas esses especialistas não estão presentes quando os avaliadores se reportam aos gestores universitários que também não são especialistas na metodologia pertinente. Os cientistas que procuram a literatura para contestar ou questionar as avaliações só encontram as informações de que necessitam no que são, para eles, periódicos obscuros e de difícil acesso.

Assim, oferecemos essa síntese das melhores práticas de avaliação da pesquisa baseada em métricas, para que os pesquisadores possam confiar em seus avaliadores, e para que os avaliadores possam confiar em seus indicadores.

OS DEZ PRINCÍPIOS

  1. A avaliação quantitativa deve dar suporte à avaliação qualitativa especializada.

Os indicadores quantitativos podem corrigir tendências enviesadas da avaliação por pares e facilitar a deliberação. Nesse sentido, devem fortalecer a revisão por pares já emitir julgamentos sobre colegas é difícil sem uma série de informações relevantes. No entanto, os avaliadores não devem ceder à tentação de basear suas decisões apenas em números. Os indicadores não devem substituir o juízo informado. Os tomadores de decisão têm plena responsabilidade por suas avaliações.

  1. Medir o desempenho de acordo com a missão da instituição, do grupo ou do pesquisador.

Os objetivos de um programa de pesquisa devem ser indicados no início, e os indicadores utilizados para avaliar seu desempenho devem estar claramente vinculados a esses objetivos. A escolha dos indicadores e de como eles são utilizados deve levar em conta o contexto socioeconômico e cultural mais amplo. Os cientistas tem diversas missões de pesquisa. A pesquisa que avança as fronteiras do conhecimento acadêmico difere da pesquisa que é focada em proporcionar soluções para os problemas da sociedade. A avaliação pode ser baseada em méritos relevantes para as políticas públicas, para a indústria ou para os cidadãos em geral, em vez de méritos baseados em noções acadêmicas de excelência. Não existe um modelo único de avaliação que se aplique a todos os contextos.

  1. Proteger a excelência da pesquisa localmente relevante.

Em muitas partes do mundo, a excelência da pesquisa é associada à publicação no idioma Inglês. A lei espanhola, por exemplo, menciona explicitamente a conveniência de que os pesquisadores espanhóis publiquem em revistas de alto impacto. O Fator de Impacto é calculado na Web of Science, que indexa principalmente os periódicos com base nos Estados Unidos e em língua inglesa.

Este viés é particularmente problemático para as Ciências Sociais e Humanidades, áreas mais orientadas para a pesquisa de temas regionais e nacionais. Muitas outras áreas possuem uma dimensão nacional ou regional – a exemplo da Epidemiologia do HIV na África subsaariana.

Este pluralismo e a relevância para a sociedade tendem a ser suprimidos quando se criam artigos de interesse para os guardiões do alto impacto: as revistas em Inglês. Os sociólogos espanhóis altamente citados na Web of Science têm trabalhado com modelos abstratos ou com dados dos Estados Unidos. Neste processo, perde-se a especificidade dos sociólogos em revistas espanholas de alto impacto: temas como leis trabalhistas locais, serviços de saúde familiar para idosos ou empregabilidade de imigrantes (5). Os indicadores baseados nas revistas de alta qualidade publicadas em outros idiomas diferentes do Inglês devem identificar e premiar as áreas de pesquisa de interesse local.

  1. Manter a coleta de dados e os processos analíticos abertos, transparentes e simples.

A construção das bases de dados necessárias para a avaliação deve observar regras claramente definidas e fixadas antes da conclusão da pesquisa. Esta era a prática comum entre os grupos acadêmicos e comerciais que desenvolveram metodologias de avaliação bibliométrica ao longo de muitas décadas. Tais grupos referenciaram protocolos publicados na literatura revisada por pares. Esta transparência possibilitou o escrutínio das metodologias. Por exemplo, em 2010, o debate público sobre as propriedades técnicas de um importante indicador utilizado por um dos nossos grupos (o Centro de Estudos de Ciência e Tecnologia – Centre for Science and Technology Studies, CWTS, da Universidade de Leiden, na Holanda) levou a uma revisão no cálculo deste indicador (6). Os novos operadores do setor privado devem seguir os mesmos padrões; ninguém deve aceitar avaliações saídas de uma caixa-preta.

A simplicidade é uma virtude em um indicador, pois favorece a transparência. Mas métricas simplistas podem promover distorções (ver princípio 7). Os avaliadores devem se esforçar para encontrar o equilíbrio com base em indicadores simples que espelhem com exatidão a complexidade do processo de investigação.

  1. Permitir que os avaliados verifiquem os dados e as análises.

Para garantir a qualidade dos dados, todos os pesquisadores incluídos em estudos bibliométricos deveriam poder verificar se suas produções foram corretamente identificadas. Todos os que dirigem e administram os processos de avaliação devem assegurar a precisão dos dados, através de verificação própria ou auditoria de terceiros. As universidades poderiam implementar esse princípio em seus sistemas de informação sobre a pesquisa, o que deveria ser um princípio norteador na seleção de fornecedores desses sistemas. A coleta e processamento de dados precisos e de alta qualidade demandam tempo e dinheiro e devem ser considerados no orçamento institucional.

  1. Considerar as diferenças entre áreas nas práticas de publicação e citação.

A melhor prática de avaliação é selecionar um conjunto de possíveis indicadores e permitir que as distintas áreas escolham aqueles que lhes são mais adequados.  Há alguns anos, um grupo europeu de historiadores recebeu uma classificação relativamente baixa em uma avaliação nacional por pares, porque escreviam livros em vez de artigos em revistas indexadas na WoS. Estes historiadores tiveram o azar de fazer parte de um departamento de Psicologia. Historiadores e cientistas sociais precisam que os livros e a literatura publicada no idioma nacional sejam incluídos na contagem de publicações; já os cientistas da computação esperam que seus trabalhos apresentados em eventos e conferências sejam levados em conta.

Os valores de citações variam por área: as revistas melhor avaliadas em Matemática têm Fator de Impacto por volta de 3; já as revistas melhor avaliadas em Biologia Celular tem Fator de Impacto em torno de 30. Portanto, é necessário o uso de indicadores normalizados, e o método de normalização mais confiável é baseado em percentuais: cada artigo é ponderado segundo o percentual a que pertence na distribuição de citações em sua área (os melhores 1%, 10% ou 20%, por exemplo). Uma única publicação altamente citada melhora ligeiramente a posição de uma universidade em um ranking baseado em indicadores percentuais, mas pode impulsionar a universidade de uma posição mediana para as primeiras posições em um ranking baseado em médias de citação (7).

  1. Basear a avaliação de pesquisadores individuais no juízo qualitativo da sua carreira.

Quanto mais idade você tem, maior será o seu Índice h, mesmo que não publique novos artigos. O Índice h varia por área: os pesquisadores das Ciências da Vida chegam ao topo com 200; os físicos com 100 e cientistas sociais com 20 a 30 (8). Depende da base de dados: há pesquisadores em Ciência da Computação que têm um Índice h de cerca de 10 na WoS, mas de 20 a 30 no Google Scholar (9). Ler e julgar o trabalho de um pesquisador é muito mais adequado do que depender de um número. Mesmo quando se compara um grande número de pesquisadores, uma abordagem que considere informações diversas sobre o conhecimento, experiência, atividades e influência de cada indivíduo é a melhor.

  1. Evite solidez mal colocada e falsa precisão.

Indicadores de ciência e tecnologia são propensos à ambiguidade conceitual e à incerteza, e demandam fortes suposições que não são universalmente aceitas. O significado das contagens de citações, por exemplo, tem sido amplamente discutido. Assim, a melhor prática de avaliação utiliza indicadores múltiplos para fornecer uma imagem mais robusta e plural da pesquisa. Se as incertezas e os erros podem ser quantificados, esta informação deve acompanhar os valores dos indicadores publicados, usando barras de erro, por exemplo. Se isso não for possível, os produtores de indicadores deveriam, pelo menos, evitar a falsa precisão. Por exemplo, o Fator de Impacto de revistas é publicado com três casas decimais para evitar empates. No entanto, dada a ambiguidade conceitual e a variabilidade aleatória das contagens de citações, não faz sentido distinguir as revistas com base em diferenças mínimas do Fator de Impacto. Evite a falsa precisão: apenas uma casa decimal se justifica.

  1. Reconhecer os efeitos sistêmicos da avaliação e dos indicadores.

Os indicadores mudam o sistema da pesquisa por meio dos incentivos que estabelecem. Estes efeitos devem ser previstos. Isto significa que um conjunto de indicadores é sempre preferível – um único indicador convida a burlas ou a desvios do objetivo (em que a medida se torna um fim em si). Por exemplo, na década de 1990, a Austrália financiou a pesquisa universitária através de uma fórmula baseada sobretudo no número de artigos publicados pelas instituições. As universidades poderiam calcular o “valor” de um artigo em uma revista revisada por pares; em 2000, o valor era de estimados AUS$ 800 (em torno de US$ 480) para o financiamento da pesquisa. Previsivelmente, o número de artigos publicados por pesquisadores australianos subiu, mas em revistas menos citadas, sugerindo uma queda na qualidade dos artigos (10).

  1. Examinar e atualizar os indicadores regularmente.

A missão da pesquisa e os objetivos da avaliação mudam, e o próprio sistema de pesquisa evolui junto. Medidas que anteriormente  eram úteis se tornam inadequadas e surgem novos indicadores. Os sistemas de indicadores têm de ser revistos e talvez modificados. Percebendo os efeitos de sua fórmula simplista, em 2010 a Austrália introduziu a iniciativa “Excelência na Pesquisa para a Austrália” (Excellence in Research for Australia), mais complexa e com ênfase na qualidade.

Próximos passos

Respeitando esses dez princípios, a avaliação da pesquisa pode desempenhar um papel importante no desenvolvimento da ciência e de suas interações com a sociedade. As métricas da pesquisa podem fornecer informações cruciais que seriam difíceis de reunir ou entender por especialistas individuais. Mas não se deve permitir que essa informação quantitativa se transforme de instrumento em um fim em si.

As melhores decisões são tomadas através da combinação de estatísticas robustas com sensibilidade para a finalidade e a natureza da pesquisa que é avaliada. Tanto a evidência quantitativa quanto a qualitativa são necessárias; cada uma é objetiva à sua maneira. A tomada de decisão na ciência deve ser baseada em processos de alta qualidade informados por dados da mais alta qualidade.

Referências

  1. WOUTERS, P. The citation: From culture to infrastructure. In: CRONIN, B.; SUGIMOTO, C. (Eds.). Beyond Bibliometrics: Harnessing Multidimensional Indicators of Scholarly Impact. Cambridge, MA: MIT Press, 2014. p. 47–66.
  2. SHAO, J.; SHEN, H. The outflow of academic papers from China: why is it happening and can it be stemmed? Learned Publishing, v. 24, p. 95–97, 2011.
  3. SEGLEN, P. O. Why the impact factor of journals should not be used for evaluating research. British Medical Journal, v. 314, n. 7079, p. 498–502, 1997.
  4. Garfield, E. J. The history and meaning of the journal impact factor. Journal of the American Medical Association, v. 95, n. 1, p. 90–93, 2006.
  5. LÓPEZ PIÑEIRO, C.; HICKS, D. Reception of Spanish sociology by domestic and foreign audiences differs and has consequences for evaluation. Research Evaluation, v. 24, n. 1, p. 78–89, 2014.
  6. VAN RAAN, A. F. J.; VAN LEEUWEN, T. N.; VISSER, M. S. et al. Rivals for the crown: Reply to Opthof and Leydesdorff. Journal of Informetrics, v. 4, n. 3, p. 431–435, 2010.
  7. WALTMAN, L.; CALERO-MEDINA, C.; KOSTEN, J. et al. The Leiden Ranking 2011/2012: Data Collection, Indicators, and Interpretation. Journal of the American Society for Information Science and Technology, v. 63, n. 12, p. 2419-2432, 2012.
  8. HIRSCH, J. E. An index to quantify an individual’s scientific research output. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, v. 102, n. 46, p. 16569-16572, 2005.
  9. BAR-ILAN, J. Which h-index?—A comparison of WoS, Scopus and Google Scholar. Scientometrics, v. 74, n. 2, p. 257–271, 2008.
  10. BUTLER, L. Explaining Australia’s increased share of ISI publications—the effects of a funding formula based on publication counts. Research Policy, v. 32, p. 143–155, 2003.