Museologia e Objetos Digitais

A relação da museologia com os objectos digitais é complexa e polémica.

Temos vindo a defender que os processos museológicos não devem perder a sua natureza de construção de espaço de encontro. Espaço e tempo de reconhecimento de si e do outro.

A construção duma narrativa museológica, na perspectiva da museologia social não deve deixar de ser um espaço de experiência de “encontro“.

Não significa isso todavia que a construção dessas narrativas não possam dialogar ou incluir os objetos digitais.

Defendemos uma museologia social como prático de encontro, onde os objectos digitais podem ser incluídos como instrumentos de construção de narrativas e não como meros substitutos ou plataformas narrativas.

Vamos ensaiar alguns exemplos:

As  histórias de vida digitais ( Digital Storytelling)

As narrativas de vida construídas com prquenas histórias, no máximo de 3′ com recurso a técnicas de cinema.

Procura a síntese da vida de cada um. Os aspectos a que cada um dá relevância. Aspectos essenciais que cada um quer compartilhar.

Tem a vantagem de ser simples e económico. Pode gerar um processo interativos. Em museus, por exemplo na exposição “A baixa em tempo real” propusemos a instalação de uma cabine de gravação, com o obejetivo de recolher memórias individuais dos visitantes da exposição. Esse material poderias ter sido usados, posteriormente , para outras narrativas ou para avaliação, ao invés do meros processos burocráticos de inquérito.

As histórias de vida digitais também podem ser usados em museus digitais. As gravações podem ser facilmente colocadas “on line” e cada participante pode ser convidado a contribuir para o acervo.

No limite, as histórias de vida podem ser histórias coletivas. Histórias em que diversos membros duma dada comunidade se vão apresentando aos outros, reconhecendo o si e o outro. (self and outher self).

As histórias de vida digitais são fáceis de usar. há uma multiplicidade de plataformas onde podem ser incluídas. As novas tecnologias permitem que os indivíduos a compartilhar suas histórias através da Internet no YouTube, Vimeo, discos compactos, podcasts, e outros sistemas de distribuição. A sua produção é simples e fácil, como por exemplo iMovie, o Movie Maker e Final Cut Expresss

Digital Storytelling II

Uma outra forma de usar a Narrativas Digitais é como alternativa a arte do conto. Já escrevemos noutro postal sobre estas questões. A proposta de contar uma história pode ser colocada sobre a sua forma digital e servir de acervos sobre a sua diversidade. O uso de plataformas digitais pode ser uma alternativa de encontro entre comunidades distanciadas no espaço, podem ser usada para desenvolver processos colaborativos.

 

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

The inclusion of community knowdlege on territorial development