Museologia e Neurociência

A neurociência constitui um campo de conhecimento que, desde os anos 90 do século passado, mais tem contribuído para o esclarecimento dos fenómenos psíquicos e mnemónicos A museologia enquanto disciplina que trabalha a relação do ser humanos com os objetos socialmente significativos tem deixado de lado estranhamente, salvo algumas exceções[1], a contribuição maior da neurociência para o entendimento dos fenómenos museológicos.

O entendimento do processo de valorização de certos objetos em detrimento de uma imensidão de outros, que são constituídos como elementos de relevância simbólica duma dada comunidade, constitui o centro da ação museológica. A construção desta significância, que se constitui como um fenómeno social, como nos diz a neurociência, não é apenas um processo que possas ser desligado da sua componente psicossomática e somática.

A questão do entendimento do processo psicossomático assume-se assim como mais um elemento de relevância a ter em linha de conta na análise dos processos museológicos. Este artigo procura contribuir para essa reflexão

No entendimento dos fenómenos psicossomáticos, durante muitos anos procurou-se entender como se processava o salto do psíquico para o somático? Isto é como é que dados exteriores ao Cérebro eram processados pela mente, de forma a tornarem-se parta do processo dessa mesma mente.

A teoria do paralelismo psicofísico, como sugere inicialmente a psicanálise, indica que a mente e o cérebro eram duas realidades distintas. Uma psíquica, outra biológica. Um processo que virá ser rebatido pela escola psicológica americana de Chicago, defende a unidade complementar. Defende-se que se trata de dois sistemas mediados pelo sistema nervoso. Em termos de psicologia, defende-se que a passagem do psíquico para o somático é intermediada pela mente que formula um perceção subjetiva dos fenómenos fisiológicos. A Escola de Chicago com Franz Alexander[2], vai propor a ideia de que certos transtornos psíquicos dão origem a perturbações psicorgânicas (tais como a histeria e a neurose).

Não nos interessa aprofundar aqui a complexidade das psicopatologias[3] mas acentuar a relação que se tem vindo a estabelecer entre a mente e o mundo das ideias através do sistema nervoso. Será esse o caminho trilhado por Rojas-Bermudez, que no final dos anos 70, ao desenvolver a teoria moreniana do núcleo do eu, considera o psiquismo como uma expressão da matéria viva quando alcança um certo grau de organização.

A sensação do existir é, segundo Bermudez a primeira manifestação do psiquismo: O “si-mesmo fisiológico”. O psíquico atua como propriedade sistémica do sistema nervoso central que emerge num determinado momento do longo processo evolutivo biológico. Na análise dos processos terapêuticos, conclui-se que a mudança que se opera no paciente, não é apenas uma tomada de consciência. Concluiram que algo de transformador ocorre no processo interativos sibjetivo, que permite o reconhecimento relacional implícito.

É essa dimensão implícita que constitui o centro dos processos de memória e aprendizagem. Trata-se de uma relação de padrões que se traduzem por uma apropriação explicita ou declarativas que permitem a recordação e a recuperação de experiencias e sua adaptação em novas circunstâncias.

O processo da transformação resulta dos processos interativo subjetivo. A mudança decorre do conhecimento relacional implícito que ocorre no momento. Dessa forma a experiencia museologia assume a relevância da experiência do momento, como parte integrante do processo intersubjetivo.

Verifica-se então uma correlação entre o processo de produção de objetos mnemónicos e a formação da compreensão do homem concreto. Uma das ferramentas mais poderosas é a técnica de construção das imagens. É uma técnica de síntese, porque estimula o protagonista a sintetizar o vivenciado numa forma estática, que estimula o e influência o funcionamento cerebral por meio da alteração da plasticidade neuronal e da expressão génica. Mais à frente daremos conta de várias contribuições da neurociência para aprofundar esta questão. Será contudo importante ter em Linha de conta os trabalho de Kendel e Squire


[1] Veja-se por exemplo o Trabalho de Pedro Cardoso Pereira “O património perante o desenvolvimento”, Lisboa, 2010.

[2] Franz Alexander (1891-1964). É um dos fundadores da escola de medicina psicosomátiva e da psicologia psicanalítica.

[3] Temos previsto ainda durante o corrente ano proceder à publicação de um papper sobre a questão da museologia e psicopatologia. Veja-se “Poética de memória e emancipação social em museologia” 2014.

Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

The inclusion of community knowdlege on territorial development