Todos os artigos de Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

Museus, democracia e empreendorismo

minomlogo2

Reuniu-se em Moura, nos passados dias 7 e 8 de novembro o XXII encontro sobre a Função Social do Museus. Infelizmente não pudemos participar em virtude de outros compromissos. Assinalamos  aqui todavia a sua declaração final.

É saudável esta prática de escrever um documento final de síntese  dos trabalhos.Para quem não pode participar fica com um som do que aconteceu. Uma sínteses que regista para memória futura o que se passou no evento.

Tem também uma outra função, para que pensa na função social dos museus. Dá conta das preocupações dos seus participantes a partir do seu locus discursivo.

Esta é uma declaração curiosa. No preâmbulo dá conta de uma série de problemas e auto elogia-se como movimento. Diz que termina um período de intensa atividade onde em pouco mais de um mês realizou três encontros. Um em Cuba, um na Guarda e esse em Moura. Este é um caso exemplar de que ilustra o discurso a partir de si.

Reclama contra a falta de apoio da câmara local. Fala sobre os retrocessos dos museus 40 anos depois de abril, como se os museus tivessem que ter processo pré definido. Falam, a propósito duma notícia do jornal a que dão relvo, a notícias sobre comemorações de outras coisas. Um documento que mostra que cada um chega com os seus problemas e os coloca no debate.

Esse processo é sem dúvida relevante. Trata-se das preocupações que cada um leva. isso constitui o ponto de partida. Seria a partir dessa preocupações de se construirá o esforço coletivo. O ponto de partida para a tal dclaração.

E aqui chegamos a esta declaração. Também ela curiosa e a mostrar de que forma o discurso revela dificuldade em descolar dum mundo autocentrado no protagonista.

Insistindo na ideia da decadência, desta vez denominada museologia portuguesa”, que é inserido no campo mais vasto da luta política (fala do empobrecimento da população e da concentração do capital) revolta-se contra o papel que os museus estão a ter. Sobretudo com o tais museus  de proximidade, que seriam mais próximos da comunidade que assume que estão cada vez mais irrelevantes. Reconhece com essas palavras que a sua proposta está ameaçada.

Recomenda por isso uma nova reflexão sobre a relação entre o museus e a autarquia; propõe um novo rumo para os museus, capitulando com a exigência do financiamento público e propondo alternativas empreendedoras; e propões o seu apoio a experiências que se afirmem contra o poder político.

Três recomendações. Uma museologia em tempos de cólera, uma museologia empreendedora e um última recomendação parece já estar sob o signo da desorientação de assumir uma museologia contra si mesma.

Desorientação porque sendo a museologia a relação entre a memória e o poder, é muito natural que a memória se aproxime do poder. Estar contra os ritmos do mundo não será uma boa proposta. o que talvez fosse bom de explorar era uma museologia como laboratório de  alternativas.

 

 

Os sons do silêncio

sonsdosilencio

De João Pedro Marques, “Os Sons do silêncio: o portugal de oitocentoes e a Abolição do Tráfico de Escravos”, publicado em 1999 em Lisboa, pelo ICS , constitui a tese de doutoramento em História do autor.

Trabalha a forma como a difícil abolição da escravidão no território metropolitano, entre 1790 e 1860. Do alheamento das elites portuguesas, de fortunas feitas à custa do trabalho e do trato aos processos de trafico ilícito. As questões colocadas com a perda do Império do Brasil e a reorientação do esforço colonial para África. As diversas manobras dilatórias e de ofuscamento dessa elites sobre os sinais de mudança no mundo. Traqta-se dum livro que vale a pena reler neste nossos presente.

O Anti-édipo de Gilles Deleuze e Feliz Guattari

 

 

antiedipo

O anti édipo: Capitalismo e Esquizofrenia ” de Giles Deleuze e Feliz Gautari, um livro publicado em França em 197, e publicao em Portugal pela Assírio e Alvim, em dois volumes,  em 2004 é um livro de culto para quem pensa no maio de 68 como um movimento social que marca a emergência da pós-modernidade nos movimentos sociais.

Livros como  “Eros e civilização” (1955), de Herbert Marcuse, ou “A sociedade do espetáculo” (1967), de Guy Debord; às vezes de “Os condenados da Terra” (1961), de Frantz Fanon; ou talvez “A arte de viver para as novas gerações“(1967), de Raoul Vaneigem a par com os trabalho “O existencialismo é um humanismo” de Jean Paul Satre , foram alguns dos cânones de seu tempo. São livros inspiradores duma geração,  citados em antologias , documentários e memórias, como inspiradores ou catalizadores.

O Anti-Édipo é posterior veio depois da grande turbulência, em 1972. O primeiro da série de livros em colaboração com o médico Felix Guattari que amados ou odiado são marca duma forma de pensar. Após os movimentos sociais, muitos intelectuais estavam desiludidos com a capacidade do movimentos sociais mudarem o mundo. Deleuze e Guattari empenham-s em pensar a sua transformação num momento de reflexão. Em vez de lamentar escreveram um desafio.

É um livro denso de ler. ousado na linguagem. Labiríntico. é um livro de filosofia e de experiência de vida. Um daqueles livros que fazem alucinar.

A questão da agressividade  do desejo estão presentes como fio condutor. é um livro revolucionário porque nega a possibilidade de conciliar ou negociar interesses opostos. Faz uma leitura de vários filósofos  de Marx e Freud, mas também Nietzsche, Spinoza, Kant, Artaud. Apresenta teoria do estado, uma teoria da moeda, uma teoria do poder constituinte, uma psiquiatria materialista, uma filosofia da imanência, o projeto da esquizoanálise. O protagonista é o desejo

O desejo como o que acontece no ser. é o desejo que motiva a ação, A leitura do real é feita a partir do desejo.

O desejo gera o real e toda a realidade se cria no desejo e pelo desejo, num movimento para dentro e para fora. O desejo diferencia-se pela sua intensidade. Somo permanentemente tocados pelo desejo. O desejo convoca o humano para a ação social. A acção social concretiza-se no desejo.

Por isso nenhum ser ou coisa é suficiente. ele convoca sempre mais. Nada se basta a si próprio.iro e doa (ou rouba) tudo, sem contrapartida nem equivalência. Por isso, nenhuma pessoa, nenhuma coisa, nada basta em si próprio.

O desejo está em tudo e tudo está nele. Tudo se cria, respira, numa variação contínua. O desejo pulsa no interior das coisas, das relações, dos afetos, das impressões, do que existe e pode existir. Uma metonímia infinita, um continuum de matéria e espírito, a contiguidade última.

Há como que um co-extensividade entre o ser humano e a natureza, entre cultura e universo, que os fluxos desejantes percorrem sem distinção real. Isto não significa que homem e natureza se unam nalguma pasta cósmica e indiferenciada. Mas, sim, que cultura e meio ambiente se dobram e redobram entre si, uma essência natural do homem, uma essência humana da natureza. A natureza funciona como processo de produção, enquanto a humanidade é soprada de todas as formas, figuras e máscaras do universo. Um pan-desejo essencialmente revolucionário, só por querer como, com efeito, ele quer: infinitamente.

Mas sucede também o desejo por fascismo. Isto é real. As pessoas não foram enganadas para apoiar ditaduras. Elas quiseram. E muitas pessoas efetivamente desejaram e desejam a mão que bate, explora, que faz sofrer o outro. O problema é menos de falsa consciência do que explicar porque a servidão voluntária pode acontecer.

Não é uma questão de denunciar ideologias mas compreender a materialidade do funcionamento do próprio desejo. Como podemos realmente desejar aquilo que nos reduz a potência de agir e existir? A pergunta de Deleuze-Guattari não é simplesmente por que, em face do intolerável, algumas pessoas se revoltam? Mas, por que não se revoltam todas o tempo todo? Eis um materialismo à altura de Marx. Embora o desejo seja infinito movimento e não tenha finalidade intrínseca, existem maneiras de recalcá-lo. Bloquear a sua potência revolucionária, usá-lo para oprimir e submeter. Toda uma maquinaria histórico-política, com suas forças de reprodução e repressão sociais, para esclerosar os fluxos produtivos, fazê-los voltar contra si mesmos, como na vontade de poder, do dinheiro, de ser amado, em toda essa abjeção de servo. No fascismo, apaixonamo-nos não só pelo poder, mas pelo poder em nosso eu-querido, nossa vaidade de pertencer àlguma raça de senhores.

Nesse sentido, Deleuze-Guattari se propõe a realizar uma crítica da economia política do desejo. Para isso, como o melhor Marx, o Marx dos Grundrisse, eles desbravam a formação do capitalismo. Três máquinas sociais, apropriadoras das forças desejantes, são descritas no capítulo 3. A máquina primitiva dos selvagens, a máquina despótica dos bárbaros e a máquina capitalista dos civilizados. A tarefa consiste em compreender como, na materialidade, operam essas maquinarias. Por meio de qual regime de funcionamento o desejo acaba sendo conduzido à servidão voluntária, como são organizados o social e o desejo?

O capítulo aborda como o capitalismo — esse Inominável — pôde ter ocorrido, a partir das formas pré-capitalistas, na contingência dos encontros e acasos que nos levaram até ele. Mas também almeja encontrar, dentro e contra a máquina capitalista, as faíscas no vento, as faíscas que anseiam pelo barril de pólvora.

Casa Museu Júlio Pomar

julioopomarcegueira

No coração das Merçês, quando se desce do ceonvento de Jesus para a Rua dos Poais a são Bento, na rua do Vale nº 7 encontramos um edifício luminoso. Um antigo armazém transformado em Casa Museu Júlio Pomar pelo risco de Siza Viera, alberga o conjunto de obras do pintor.

pomartouro

 

pomarabril

A chuva traiçoeira levou-me a procurar um refúgio. Em boa hora o fiz, pois andada já alguns meses, talvez mesmo vai para dois anos para olhar para o sítio.Coisa do centro da cidade. Vai-se ao centro sempre sem tempo para o olhar e sentir. E esta casa museu está situada numa zona em interessante reconversão urbana.

Entre ilustrações feitas para edições como por exemplo as que Júlio Pomar faz para a monumental obra de Tolstoi “Guerra e Paz” ou a evolução do traço do artista.

O livrinho “Da cegueira dos Pintores” parte Escrita II, reúne a obra de reflexão do autor, escrita em 1985, sobre o mundo em que vive e pinta. vamos agora ler.

pomartolstoi

A Pragmática da Comunicação Humana

De WATZLAWICK, Paul, Beaum, Janet Helmeck, e Jackson, Don D. (1967) Pragmática da comunicação humana, São Paulo, Culturix 263 paginapragmatica-da-comunicacao-humana-watzlawick-paul-8531603145_300x300-PU6e74fb7a_1

Paul Watzlawick (Villach, 25 de Julho de 1921 — Palo Alto, 31 de Março de 2007) foi um dos mais notáveis teóricos da Teoria da Comunicação e tem importantes trabalhos ao nível das terapias familiares e na psicoterapia. É um dos fundadores da Mental Research Institute de Palo Alto (Califórnia).

Em 1960, Don D. Jackson convidou-o a ser um dos fundadores do Mental Research Institute of Palo Alto Vida e obra: Depois de ter completado os estudos fundamentais na Austria, Paul Watzlawick continuou os seus estudos na Universidade de Veneza, onde estudou Psicologia e Filologia, tendo terminado os seus estudos em 1949. De seguida trabalhou em Zurique com Carl Gustav Jung. Em 1957 continuou o seu trabalho de investigação na Universidade de El Salvador.

Em Palo Alto, Watzlawick e os seus colegas desenvolveram a teoria do double bind mas o seu grande trabalho foi ao nível da teoria da comunicação, trabalho esse desenvolvido em parceria com.

Segundo Watzlawick, existem 5 axiomas na sua teoria da comunicação entre dois indíviduos. Se um destes axiomas por alguma razão não funcionar, a comunicação pode falhar.

  • É impossivel não se comunicar: Todo o comportamento é uma forma de comunicação. Como não existe forma contrária ao comportamento (“não-comportamento” ou “anticomportamento”), também não existe “não-comunicação”. Então, é impossível não se comunicar.
  • Toda a comunicação tem um aspecto de conteúdo e um aspecto de relação: Isto significa que toda a comunicação tem, além do significado das palavras, mais informações. Essas informações são a forma do comunicador dar a entender a relação que tem com o receptor da informação.
  • A natureza de uma relação está dependente da pontuação das sequências comunicacionais entre os comunicantes: Tanto o emissor como o receptor da comunicação estruturam essa comunicação de forma diferente, e dessa forma interpretam o seu próprio comportamento durante a comunicação dependendo da reacção do outro.
  • Os seres humanos comunicam de forma digital e analógica: Para além das próprias palavras, e do que é dito (comunicação digital), a forma como é dito (a linguagem corporal, a gestão dos silêncios, as onomatopeias) também desempenham uma enorme importância – comunicação analógica.
  • As permutas comunicacionais são simétricas ou complementares, segundo se baseiem na igualdade ou na diferença.

O Trabalho de  Gregory Bateson

(Grantchester, Inglaterra, 9 de maio de 1904 — São Francisco, Califórnia, 4 de julho de 1980) foi biólogo e antropólogo por formação. Contudo, como grande pensador sistêmico e epistemólogo da comunicação, incorreu também pela psiquiatria, psicologia, sociologia, lingüística, ecologia e cibernética. Seu pai William Bateson (1861-1926), biólogo inglês conhecido como o pai da genética, foi quem usou pela primeira vez na história da humanidade o termo genética para descrever o estudo da variação e hereditariedade, em 1905 – um ano depois de Gregory nascer. Gregory nasceu britânico em 1904, mas naturalizou-se norte-americano em 1956. Casou-se pela primeira vez com Margaret Mead (1901-1978) para separaram-se em 1951, guardando todavia admiração recíproca e cumplicidade intelectual até suas mortes, ambas de câncer.

Gregory Bateson estudou zoologia em Londres e biologia em Cambridge. Combinou estes dois campos de estudos em suas primeiras experiências antropológicas de trabalho de campo com os nativos da Nova Guiné e da Ilha de Bali. A partir da Nova Guiné, escreveu o livro Naven: a Survey of the Problems Suggestes by a Composite Picture of the Culture of a New Guinea Tribe Drawn from Three Points of View (1936). A partir de Bali (de março de 1936 até 1939), e junto com Margaret Mead, resultou o livro Balinese Character – A Photographic Analysis, que tornou-se mítico por estar à frente de seu tempo. Nesta época da sua publicação ainda não se discutia verdadeiramente as questões epistemológicas e heurísticas que os diversos suportes comunicacionais verbais (fala, escrita) e visuais (desenhos, pinturas) poderiam explorar juntamente, respeitando os termos de suas singularidades e complementaridades sígnicas.

Já neste momento de sua obra, Bateson esboçava aspectos do que viria a ser o cerne de sua obra – a comunicação. Analisando antropologicamente aspectos culturais desta tribo, Bateson observou dois tipos de relações que determinariam as dinâmicas sociais: relações simétricas e relações complementares.

As relações simétricas seriam aquelas nas quais os grupos ou indivíduos comunicantes compartilham anseios, aspirações, expectativas e modelos comuns e, por este motivo, colocam-se em posições antagônicas, buscando então, formas simétricas de relação.

Já as relações complementares seriam constituídas quando as aspirações dos grupos ou indivíduos comunicantes são fundamentalmente diferentes, e, portanto, a submissão de uns constitui uma resposta à dominação de outros. Para Bateson, tanto as relações simétricas quanto as complementares precisam ser trabalhadas socialmente para evitar a cismogênese.

Escola de Palo Alto

Nos Estados Unidos, Califórnia, Bateson uniu-se ao grupo da chamada Escola de Palo Alto (conhecida como o Colégio Invisível) e ao Mental Research Institute (MRI). A partir desta experiência, foi publicado em 1981 o livro La Nouvelle Communication, com várias reedições desde então. Na primeira parte, é feita uma apresentação geral e histórica da eclosão da Escola de Palo Alto, descrevendo seus componentes e sintetizando os principais empreendimentos. Na segunda parte do livro, Yves Winkin oferece, para cada dos integrantes do Colégio Invisível, um texto representativo do pensamento de cada um dos autores, seguido de uma entrevista com eles – Bateson, Ray L. Birdwhistell, Erving Goffman, Edward T. Hall, Donald deAvila Jackson, Albert E. Scheflen, Stuart Sigman e Paul Watzlawick, todos antropólogos ou psiquiatras.

Entre os anos de 1946 e 1953, Gregory Bateson integrou o grupo reunido sob o nome de Macy Conferences, contribuindo para a consolidação da teoria cibernética junto com outros cientistas renomados: Arturo Rosenblueth, Heinz von Foerster, John von Neumann, Julian Bigelow, Kurt Lewin, Lawrence Kubie, Lawrence K. Frank, Leonard J. Savage, Molly Harrower, Norbert Wiener, Paul Lazarsfeld, Ralph W. Gerard, Walter Pitts, Warren McCulloch e William Ross Ashby; além de Claude Shannon, Erik Erikson, Max Delbrück e a própria Margaret Mead.

Teoria do Duplo Vínculo

Desenvolveu uma atenção especial às relações entre esquizofrenia e comunicação, que originou a Teoria do Duplo Vínculo (Double Bind). Em suas pesquisas sobre as interações humanas, a partir da investigação das formas animais de comunicação, como em estudos de caráter ecológico e etnográfico, sua preocupação era sempre epistemológica. Uma discussão aprofundada deste conceito pode ser encontrada no livro A pragmática da comunicação humana, escrito por Paul Watzlawick, Janet Helmick Beavin e Don D. Jackson, colegas de Bateson na Escola de Palo Alto.

Para que haja o duplo vínculo, são necessários cinco fatores:

  • Duas ou mais pessoas envolvidas emocionalmente. Geralmente com uma delas sofrendo mais e somatizando esse sofrimento.
  • Experiências repetidas. O duplo vínculo não é resultado de apenas um evento traumático, mas sim de uma relação recorrente que caracterize o relacionamento e forme expectativas habituais.
  • Comportamento prejudicial primário. Geralmente as punições feitas por quem possuir mais poder nesse relacionamento para controlar quem possui menos poder. Esse comportamento frequentemente é o que define a relação ao invés das recompensas. A punição pode ser a perda do amor, expressões de raiva e agressividade ou mesmo a expressão de extrema decepção.
  • Comportamento prejudicial secundário contradizendo o primário. Geralmente feita não-verbalmente e por muito mais difícil de ser percebida. Nela se nega os efeitos negativos do comportamento prejudicial primário. Exemplos de verbalizações podem ser: “Eu não quero te machucar, é para seu próprio bem”, “Não questione meu amor por você”, “Não me trate como vilão nessa história”…
  • Impossibilidade de escapar. Pode ser um laço familiar, a pressão social para manter um casamento ou questões financeiras, mas eles também podem ser promessas de amor ou uma regra culturalmente estabelecida. Dificilmente a vítima está disposta a recorrer judicialmente para sair dessa situação e em muitos casos ela nem conhece essa possibilidade.

Margens e Fronteiras

Na conferência de Encerramento do XII Congresso da Sociedade Portuguesa de Psicodrama, num interessante debate entre Olga Pombo, Joaquim Carreira das Neves, e Manuel Eduardo dos Santos, sobre Filosofia, Religião e Ciência no auditório da Pousada da Juventude de Almada, em cima do Rio Tejo com vista para aponte 25 de Abril e a magnifica cidade de Lisboa, as metáforas sobre as margens e as pontes foram frequentes.

 

A certa altura do debate, Olga Pombo defende: “Se queremos conhecer os fenómenos não podemos ficar no leito. Temos que procurar nas margens. é aí que as coisas se transformam.

As ciências duras, são ciências do leito. Explicam a força da corrente. As ciências moles, são ciências das margens. Procuram explicar porque é que as margens contém o leito e como e quando é que esse leito se transforma.

 

Métodos e Técnicas do Psicodrama

piodeabreu

Livro de José Luís Pio de Abreu

Pio-Abreu, J.L. (2002). O Modelo do Psicodrama Moreniano. Coimbra: Ed. Quarteto.

2ª edição 2006, , Lisboa Climepsi.

Os Instrumentos do Psicodrama Moreniano:

  1. Protagonista
  2. Diretor
  3. Ego-auxiliar
  4. Auditório
  5. Cenário

O ego-auxiliar ultrapassa a causalidade linear (Efeito proporcional – linear)- dum acto. Eu chutei uma bola. O efeito da bola (movimento) é causado pela força do pontapé).

Procura repor a dimensão circular. O espaço provável. Liberta a tensão da memória na sua tensão com o esquecimento.

metodosociodrama

Fases do Psicodrama.

  1. Aquecimento;
  2. Dramatização;
  3. Comentários;

O aquecimento tem como objetivo desenvolver as tensões e escolher um tema. Divide-se em aquecimento geral e específico. Mo aquecimento geral toma-se o pulso ao grupo. No aquecimento específico explora-se um tema e escolhe-se o protagonista. A escolha dos protagonistas implica a formulação dum problema e a proposta dum cenário.

Na dramatização (as cadeira são afastadas. Simbolizam o pano da cena) é quanto existe uma maturidade par a acção. Passa-se da palavra para a ação. O que interessa é mostrar os fatos. Não interessa a sua descrição nem as suas condições.

Nos comentários, regressa-se ao contexto do grupo (fecham-se as cadeira recria-se um contexto social. Um contexto de partilha e de solidariedade). O protagonista expressa o que viveu. O auditório é chamado a verbalizar a experiencia que viveu ou assistiu.Os egos exprimem-se e o diretor efetua um comentário síntese.

Técnicas do Psicodrama

As técnicas do psicodrama estão baseadas no jogo entre o protagonista e o ego-auxiliar. Tem como objectivo atingir um clímax para gerar uma catarse de integração.[3]

  1. Inversão de papéis: Trocar com o ego. Olhar o outro a partir da representação do outro. É uma técnica usada para a resolução de conflitos. O desempenho do papel do outro revela as posições do outro lado. Tem por base o processo da fenomenologia do espírito. A observação do processo visa criar consciência de si.
  2. Solilóquio (dialogo consigo mesmo). Pensar alto. Encontrar a representação do eu. Procura a “insight vision” do protagonista.
  3. Interpolação de Resistência. O ego introduz alterações de comportamento. Permite ver alternativas de saída para problemas complexos.
  4. Confronta o eu com as evidências. (é complexo do ponto de vista emocional.
  5. Exprime emoções pelo ego e permite compreender a sua complexidade
  6. Representação Simbólica. Constitui-se como um jogo de representações. Pode recorrer a um objecto intermediário. Constitui a colocação dum objeto em cena para fazer a transição ou para dialogo.
  7. Estátua. A execução de estátua permite a representação estética de emoções ou de objectos.

Outras técnicas.

Aplicados no cenário: Role-playing (treino de papeir), objecto significante, idades, doenças – labirinto.

Átomo Social. É uma representação do mundo social.

Jogos aplicados.

  • De coesão de grupo
    • De revelação de papéis
    • De emergência do protagonista
  • Jogos de Confiança
    • Criação de contacto corporal
  • Jogos de diferenciação de papéis.
    • Maquinas
    • Animais
  • Jogos temáticos.
    • Interditos
    • Mitológicos
    • Problemas complexos

Teoria do Papel

O papel (role) no drama moreniano representa a ligação entre o indivíduo e a cultura. A sua personalidade é um processo cultural. O papel é a unidade cultural de conduta. Padrão de conduta que tem como objetivo a satisfação de funções fenomenológicas.

Os papeis culturais são pré-existentes ao indivíduo e é sobre eles que a personalidade traça a sua adptação.

As normas constituem-se como algoritmos sociais. Códigos de conduta explícitos e não explícitos. As normas criam vínculos externos. Vínculos a terceiros. Cada indivíduo representa uma multiplicidade de papéis.

No psicodrama o Super Ego, o Ego e o iD de Freud são substituídos pelo Dever, pela realidade e pelo prazer.

Os papéis psicossomáticos. São papéis que representam o modo de ser. O espaço interior de cada indivíduo.

si mesmo é uma zona de contato entre o eu e os papéis complementares exteriores. O desenvolvimento de si-mesmo é justificado no desempenho de papéis complementares. No psicodrama inclui-se a representação do si mesmo pela representação do ser.

A tensão com o contexto. É a tesão com o exteriro que leva cada indivíduos a estrutural os seus conceitos de representação. Manter um tensão com o exterior leva a uma maior aproximação do eu.

O drama moreniano procura criar a liberdade da espontaneidade para a inovação criadora. O objectivo do psicodrama é criar uma catarse psicodramatica. A catarse de integração que ultrapassa barreiras.

Bibliografia

Dias, C. (1993). Palcos do Imaginário. Lisboa: Ed. Fenda.

López-Barberá, E. e Población-Knappe, P. (1997). La escultura y otras técnicas psicodramáticas en psicoterapia. Barcelona: Ed. Paidós.

Marra, M.M. & Fleury, H.J. (2008). Grupos. Intervenções socioeducativas e método sociopsicodramático. São Paulo: Agora

Moreno, J. L. (s.d.). Psicodrama. S. Paulo: Ed. Cultrix.

Rojas-Bermúdez, J. (1997). Teoría y técnica psicodramáticas. Barcelona: Ed. Paidós.

Soeiro, A.C. (1991). Psicodrama e psicoterapia. Lisboa: Ed. Escher.

Valiente-Gómez, D. (1995). Psicodrama y Psicoanálisis. Madrid: Ed. Fundamentos.

Vieira, F. (1999). (Des)dramatizar na doença mental. Psicodrama e psicopatologia. Lisbo

Técnicas do Psicodrama

Técnica do duplo

(Representar um doente tímido, com conflitos (por exemplo sentimentais) que é incapaz de exprimir os seus sentimentos, um pouco envergonhado, eventualmente com algumas somatizações.)

Funções:

  • Ajudar o protagonista a exprimir os seus sentimentos
  • Procurar a sinceridade
  • Ajudar a descobrir o significado de algumas somatizações (por exemplo, representando dor no estômago quando existe agressividade, ou tosse quando existem segredos prontos a revelar)

Cuidados:

  • O duplo deve ser um ego muito conhecedor do protagonista (por vezes o próprio director) e que tenha boa relação e alguma cumplicidade com ele.

Risco:

  • fazer projecções, explicitar conteúdos que, de facto, não existem no protagonista.

Técnica do espelho

(Representar uma pessoa arrogante, eventualmente faladora a despropósito, desvalorizando os outros e sobretudo o psicodrama.)

Funções:

  • Devolver ao protagonista a sua própria imagem, vista pelos outros.

Cuidados:

  • ego auxiliar semelhante e com boa relação com o protagonista.

Risco:

  • agressividade do protagonista ou saída brusca. O ego deve estar preparado para o acompanhar.

Estátua:

(Representar amor, casamento, amizade, fúria, vergonha, culpa, etc.) ; (Representar diferentes estados de alma do protagonista)

Funções:

  • Exteriorizar situação mal expressa ou mal definida.
  • .Representar órgãos passíveis de somatização
  • Vivenciar (trocando de lugar) os diversos componentes da estátua.
  • Iniciar uma cena

Solilóquio

Funções

  • Permitir ao director saber se a cena é plausível e se corre num rumo adequado
  • Terminar uma cena

Troca de papéis

(Representar uma discussão entre um casal ou entre filhos e pais)

Funções:

  • Permitir que os egos auxiliares aprendam os seus papéis.
  • Permitir que o protagonista se coloque no papel dos outros e os compreenda melhor
  • Ao compreender os outros, permitir que o protagonista se funcione mais adequado a eles
  • Permitir que o protagonista se observe em espelho (como na técnica do espelho) e se corrija
  • Melhorar o sentimento moral

Interpolação de resistências

(Representar uma discussão agressiva, em que o ego se torna submisso) ; (no decorrer de uma discussão, o ego auxiliar tem um ataque e morre)

Funções

  • Permitir a espontaneidade do protagonista perante uma situação não esperada.

Representação simbólica

Funções

  • Permitir a representação de cenas irrepresentáveis (agressivas ou eróticas)
  • Reformatar a situação através de uma metáfora

Risco

  •  Introduzir material do terapeuta, não presente na mente do protagonista

O Cemitério de Escravos em Lagos II

Em 2009, durante as escavações para a construção de um parque de estacionamento, no Parque do Anel Verde, junto ao lado exterior da muralha de Lagos, designada “Cerca Nova” e datada dos séculos XVI e XVII, no lugar conhecido como “ Vale da Gafaria”, a equipe de arqueólogos em serviço encontrou dois grupos de ossadas em dois espaços diferentes, o maior – uma lixeira urbana natural – contendo cerca de uma centena e meia de esqueletos, a maioria sepultados (lançados) fora de quaisquer regras de inumação e uma variedade de objectos (moedas, cerâmica, adornos, …), restos ósseos de animais e detritos domésticos.

amendoeiras em flor no parque da cidade

Cerca Nova de Lagos. Denominado Vale de Gafaria, antes da intervenção urbana destinada a construir um parque de estacionamento automóvel em silo.

Os arqueólogos identificaram o pequeno grupo como sendo de leprosos ligados à gafaria ali construída em finais de Quatrocentos, de que restam algumas ruínas. O outro grupo, de 155 esqueletos de homens, mulheres e crianças, foi identificado como pertencendo a populações africanas. Estudos e sobretudo análises posteriores permitiram situar, os mais antigos esqueletos encontrados, num período entre 1430 e 1490, os mais recentes datando do século XVII. Se a datação quatrocentista coincide com as indicações fornecidas por Gomes Eanes de Zurara na sua Crónica dos Feitos de Guiné (1453), onde o autor descreve a chegada e primeira partilha de escravos africanos em Portugal, na cidade de Lagos (Agosto de 1444), as datas seiscentistas remetem para o fim da utilização da lixeira como local de ‘sepultura’.

A raridade do achado conduziu à assinatura de um protocolo de colaboração entre a Câmara Municipal de Lagos e o Comité Português do Projeto UNESCO A Rota do Escravo, com vista à criação de um Museu da Escravatura e à salvaguarda e memorialização do sítio. Nesse protocolo, previa-se que, no local hoje ajardinado, ficasse sinalizado o achamento através de um Memorial e de uma estrutura que permitisse dar a conhecer a realidade ali encontrada.

2-valegafaria
Trabalhos de terraplanagem Vale da Gafaria. São visíveis alguns restos arqueológico.
3-localcemiterio
Iniciada a Escavação são encontrados vestígios arqueológicos e ossadas humanas.
5a-corteestatrigrafico
Pormenor da série estratigráfica. Ao fundo ossadas humanas
5-corteestratigrafico
Séria Estratigráfica onde é visível a presença de ossadas.
4-escavacaocemiterio
trabalhos arqueológicos revelam ruínas romanas e vestígios da antiga Gafaria.

Trata-se de um achado único na Europa, de um importante registo material do fenómeno histórico da escravatura e do tráfico negreiro europeu, que levou à exportação violenta de cerca de 12 milhões de seres humanos da África para as Américas, estabelecendo durante cerca de quatro séculos uma relação trágica entre os três continentes. É ( era, pois foi destruído) o mais antigo ‘ cemitério’ de escravos africanos conhecido no mundo.

6-esqueleto
Ossadas. É visível o depósito por lançamento, contrário às práticas religiosas da época
7-esqueleto
Ossadas. São visíveis as mãos imobilizadas atrás das costas.
8-esqueleto
Ossadas. Cadáver de Mãe com recém nascido entre braços
9-parkingeminigolfe
O silo automóvel. após a construção é instalado um campo de mini-golfe. Não é referenciada a presença do cemitério de escravos.

O “cemitério” de escravos em Lagos

Num outro local, no âmbito do nosso trabalho no Museu Afro-Digital Estação Portugal já desenvolvemos a questão do “cemitério” de dos escravos em Lagos e os problemas dos conflitos entre os negócios imobiliários e as questões patrimoniais. Que a relação entre o turismo e o património é tensa jé sabemos. Há uma relação de poderes desigual, com o turismo a procurar canibalizar o património. Isto é, a escolher pontos de atração que possa transformar em “produtos turísticos”, tendo isso como consequência o olvido ou o menosprezo do que não apresenta esse potencial. Ora nem sempre a lógica de protação patrimonial coincide com a lógica do mercado turístico.

No caso do Cemitério de Escravos de Lagos, a questão é ainda mais complexa. Como sabemos esse tal mercado turístico, no Algarve esse tal mercado turístico está muito associado ao imobiliário. E o imobiliário está muito dependente dos poderes públicos, quando não com eles criar cumplicidades, que não sendo uma coisa em si contrária à lei é muitas vezes muito pouco transparente.

Vem isto a propósito do impasse que se crio com a construção dum campo de mini-golfe no local do achamento. Isso motivou um processo de denuncia, numa primeira fase junto dos órgãos profissionais, e que agora se procura alargar à opinião pública.

O que é o sociodrama ?

O que é o sociodrama?

bpa-conferences-logoÉ uma metodologia de trabalho com grupos que explora os processos de contradição presentes nas relações entre pessoas ou grupos com recurso à dramatização. Tem como objectivo facilitar a procura e o encontros de soluções para os problemas sentidos.

A representação em sociodrama é feita de forma voluntária, e tem como objectivo fazer com cada participante de coloque nos diferentes papéis, de forma a criar condições para compreender os elementos que estão em jogo e facilitar uma decisão coletiva

Como se faz sociodrama?

Para desenvolver uma actividade de sociodrama é necessário

  • Uma situação (um tema)
  • Um espaço (o local de dramatização)
  • Personagens (os atores que voluntariamente constituem grupos)

No sociodrama os personagens constituem grupos que representam papeis sociais. Cabe ao director propor ou criar condições para fazer emergir o tema (que seja significativo para os participantes) e facilitar o diálogo sobre o modo como se colocam em cena. Após a dramatização procede-se à reflexão sobre o que sucedeu, procurando que cada um expresse o que sentiu e que diferenças encontar em relação ao que pensava inicialmente

Momento do sociodrama

  • Aquecimento (integração do grupo e escolha do tema)
  • Dramatização (definição de papeis e representação)
  • Reflexão (debate sobre transformação sentida)

O que é relevante para o sociodrama

  • Criar condições para libertar e espontaneidade
  • Conformidade dos papéis com as situações reais
  • Analisar as expressões verbais, os gestos e as formas de acção
  • A adequação do director ao grupo
  • A participação de todos na procura de compormissos

Em que situações se usa o sociodrama?

O sociodrama é usado para debater situações problema. Ideias opostas, resolução de conflitos, aprofundar uma questão ou problemáticas. Pode ser usado como oficina para aprofundar temas previamente trabalhados, procurando explorar em contexto ideias, motivações ou pontos de vista expressos verbalmente. O sociodrama adequa-se à resolução de problemas e é eficiente na procura de actividade participativa ou na criação de capacidade em públicos mais vulneráveis que se desejam ter papeis mais ativos.

Como realizar um sociodrama:

  • Escolher ou definir um tema.
    • É necessário claro o que se vai representar, como vai ser representado, em que momento e em que espaço.
  • A decisão sobre os papeis deverá ser feita de forma sociométrica (por adesão a contribuições). Há que criar acordo sobre o que vai ser representado
  • Preparar os argumentos sobre o tema. Há que ter alguma descrição de fatos ou situações e seguir uma ordem lógica na sua apresentação.
  • Há que abrir plenamente à discussão do grupo sobre o tema. A análise sobre a representação deve incluir todas as possíveis soluções sobre a problemática apresentada.
  • Devam-se anotar todas as conclusões do grupo

A importância do sociodrama na investigação

  • Permite mostrar elementos para a analise de qualquer tema proposto. Os temas escolhidos são tanto mais fortes quanto mais aderência estiveram com a realidade
  • A dramatização permite simular papeis sociais que são úteis para explorar e explicar os fatos sociais
  • Favorece a compreensão da dinâmica dos grupos e a relação entre os indivíduos
  • Contribui para a resolução de problemas e favorece a tomada de decisão

Linguagem, Indivíduo e Sociedade

peterbrukelis

 

De Peter Burke e Roy Porter como organizadores, este livro Linguagem, Indivíduo e Sociedade numa edição original de 1991 com o título Language, Self and society: a social History of Language, publicada numa tradução em português em são Paulo, pela editora UNESP, reune uma série de artigos sobre a história social da linguagem

A primeira para sobre Linguas autoritárias, hegemónicas como hoje diríamos, reune trabalhos sobre o latim, o hebraico e os falares quecs. Na segunda Parte a questão da linguagem e a autoridade social, a afirmação do poder, como hoje diríamos: a emergência da palavra inglesa, a afirmação do povo inglês no mundo, e as línguas dos conquistadores. A terceira parte sobre o significado do indivíduo: A emergência de novos campos: Para uma semiótica do nervo, a linguagem da doença, e um novo tipo de lógica e crítica sobre a questão dos desvios na linguagem.

O livro é uma sequência do que já aqui abordamos sobre a História Social da Linguagem, inserido na série da Cambridge University Press sobre “Estudos da Oralidade e Cultura Popular”. Os artigos desta livro foram contudo foram vetados pela CUP o que obrigou os autores a mudarem de editora em Inglaterra.

Em breve desenvolveremos esta questão da linguagem na sua relação com a museologia.

As Eleições em Moçambique e as ingenuidade do lacio

 

Acabei de ler o artigo publicado por Luca Bussotti no Savana no último dia de outubro.

Luca assina como investigador do ISCTE e visiting professor da UEM. Se o primeiro título marca a fliliação lusa, o segundo procura conferir a legitimidade de conhecedor da realidade local, em matéria de cooperação e desenvolvimento. Não conheço pessoalmente o autor mas acompanho as suas publicações.

Neste artigo o que me assusta é a grande ingenuidade com que as questões da arquitetura institucional moçambicanas  são tratadas.  Começa com um fato  que surge como “relevante”. Todos os candidatos eram homens do norte. Nussy, como sabemos é filho de um antigo guerrilheiro vindo da Tanzania, e era Ministro da Defesa do governo de Gebuza. Simango e Dlakhama vêm da Zambézia, ao Centro. O argumento não tem adesão nem explica nada.

Por outro lado esquece por completo as questões dos equilíbrios internos que levaram a Frelimo a apresentar este candidato, bem como as condições que que ele, assumindo a presidência exercerá o cargo e as condições da sua articulação com o partido Frelimo, onde Gebuza continuará como presidente. Assim sem mais nem menos interessará por exemplo como é que a legitimidade interna do poder se relacionará com a legitimidade institucional. Isso será efetivamente algo de novo na Frelimo e que depois de 40 anos de poder dá lugar a uma “nova” geração que não fez a guerra de libertação.

Também será interessante, por exemplo perceber como é que esta “novo” presidente, oriundo dumas Forças Armadas, se relacionará com a forte implantação das Forças do Ministério do Interior. Onde hoje radica uma boa parte do controlo e gestão do poder da Frelimo,

A questão da partilha dos recursos também não está aqui referida, pois como se sabe essa questão, o seu acesso e a distribuição dos seus benefícios, é hoje uma questão que está intimamente relacionada com a arquitetura do poder.

Mas o que mais sobressai é a ingenuidade com que se apontam soluções com base em questões meramente teóricas, sem que pelo menos a sua adesão à dinâmica local seja devidamente explicitada. Talvez afinal seja eu que não esteja a ler devidamente nas entrelinhas.