Todos os artigos de Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

Entre a Galé e Pêra

Em tempo de férias há que caminhar pela praia. Pé na borda d’agua, sentir a brisa na cara, o sol pelas costas, lá fui percorrendo o areal entre a Galé e Armação de Pêra.

São terras de fronteira. Vários nomes. Gale, Salgados, Praia Grande de Pêra, Praia de Armação. São também diferentes os seus habitantes no verão. Na galé, mais sofisticados. Nos salgados, encontramos os novos ricos. Quase todos gordos, com fatos de banhos às riscas. Na praia grandes, um misto a anunciar a praia mais popular de Armação de Pêra, onde os gordos são verdadeiramente gordos.

E assim vão as inutilidades do tempo. Escrever sobre coisas inúteis num tempo inútil.

Exposição de Fotografia em Olivenza

 

Jacques Léonard

Desde el 1 de agosto y hasta el 26 de octubre de 2014 permanecerá abierta al público en el Museo Etnográfico Extremeño González Santana de Olivenza la exposición Jacques Léonard y el mundo gitano, compuesta por 44 instantáneas del fondo fotográfico de este polifacético artista francés, que actualmente custodia el Arxiu Fotogràfic de Barcelona, institución en la que fue depositada por sus hijos Santi y Alex. De los 18.000 negativos de los que se compone este fondo, 3.000 tienen como temática el mundo gitano, protagonista de esta muestra.

Esta muestra ha llegado al Museo por mediación de la empresa cultural Un templo para el Arte, dirigida por Manuela Brioa Cordón.

Jacques Léonard nace en París, en 1909, y muere en L´Escala, Barcelona, en 1995. Antes de instalarse en la Ciudad Condal, destacó como escritor y se dedicó al cine, oficio que abandona al unirse sentimentalmente a Rosario Amaya. A partir de este momento se dedica de lleno a la fotografía e inicia un gran trabajo de documentación gráfica de la cultura del pueblo gitano, en el que se integra y es aceptado. Llega así a convertirse en uno más y se le conoce como el Payo Chac. En 1972 se traslada al barrio de La Mina, cayendo en el olvido más absoluto.

Sus reportajes se caracterizan por ser un registro descriptivo, documentando todos los aspectos de la cultura gitana: fiestas, religión, oficios, encuentros, bodas, ritual de la muerte… Es como si Léonard hubiera querido perpetuar los últimos vestigios de unas costumbres y unos ritos que se pierden con el fin del nomadismo, una de las características más definitorias y románticas de esta raza.

Con esta exposición se pretende poner al alcance del público un fondo documental sobre la cultura nómada más antigua de Europa, a modo de un grito desesperado para evitar su extinción.

La exposición se compone de 44 instantáneas divididas por bloques temáticos

A la par de esta muestra, están previstas actividades paralelas, organizadas por Un templo para el arte como la actuación de Miguel de Tena y El Guadiana, en el Auditorio Municipal, la proyección del documental biográfico sobre Jacques Léonard, realizado por Curt Fictions Curt Productions, y dirigido por su nieto Yago Léonard. También se pondráa la venta el libro Barcelona Gitana, que consta de 111 páginas y recoge 93 fotografías con las que Léonard quiere perpetuar los últimos vestigios de unas costumbres a la vez que dignificar la cultura gitana.

Como complemento a la exposición, y dirigida a colegios e institutos, se ha elaborado una Unidad Didáctica que pueden descargarse en este enlace a Issuu.com

Fonte Aqui

 

Lectures Abaut Transition

“A transition to a low-carbon circular economy” foi o tema do Seminário de Peter Tom Jones  em 3 abril 2013, no Ciclo de Conferências no Teatro Maria Matos Abril que se realizou entre abril e  junho 2013. Peter Tom Jones integra a Rede de Transição, que noutros lugares abordamos.

Estas são as notas de leitura da conferencia

Trabalha a gestão da transição para um novo paradigma. É necessário uma transição dos paradigmas da energia, dos materiais, das fincas e da cultura & educação com bas em três usos sociais. A habitação, a alimentação e a comunicação/transportes.

A análise da sustentabilidade da transição deverá estar alicerçada num processo de aproveitamento de oportunidades, de explorar as soluções possíveis, de experimentar fórmulas alternativas através da construção de cenários. Fazer a transição é aplicar novos modos de fazer.

As iniciativas de transição devem ter por base uma análise custo benefício. No sistema sócio territorial do ambiente, no sistemas sócio territorial da cultura e deve alicerçar-se no nicho de inovações. Aproveitar as oportunidades é antecipar as necessidades do sistema.

A inovação para a sustentabilidade é uma inovação 2.0. Deve resolver o paradoxo da sustentabilidade. A inovação que está a ser produzida não está a produzir a sustentabilidade. Mas sem inovação não é possível a sustentabilidade.

Compreender os desafios da sustentabilidade é responde às necessidades de inovação:

  • No sistema de saúde e bem-estar
  • No sistema de segurança alimentar
  • No sistema e eficiência energética
  • No sistema de uso de recursos naturais e impacto climático
  • No sistema social para criação de sociedades inclusivas e seguras

Através das inovação estão a surgir novos negócios: Minas urbanas, ecodisign, partilha de serviços (tipo car-sharing, machinary-sharing). A transição implica a criação de modelos de mudança cultural

O que é que estamos a Transitar

Modelo de Consumo energético com base no carbono

  • Consumo intensivo de petróleo
  • Elevada emissão de Carbono
  • Elevado impacto ambiental

Modelo Social assente no consumo de recursos

  • Modos de vida assentes no consumo de massa
  • Busca de bem-estar alimentado pelo uso intensivo dos recursos produzidos pela economia do carbono
  • A crença do crescimento infinito do uso dos recursos

Princípios

  • Não sabemos tudo
  • Precisamos de mudar do sistema energético do carbono para um sistema verde
  • Agir colectivamente

Outros Problemas

  • O modelo energético corresponde um modelo económico. Apoiado nos mercados financeiros.
  • Os problemas da soberania alimentar
  • Alterações climática e o problema da água
  • Modos de agir: Contra a violência sobre as mulheres e minorias. Novas formas de democracia participativa, desmilitarização.
  • Democratização dos meios de comunicação.

A Lusotopia e o ICOM.PT

Reflexão e Contributos para  a ação

Na continuidade das atividades das anteriores Comissões Nacionais do ICOM.PT pretendemos no próximo atual triénio reforçar as ligações entre os profissionais de museus dos países e comunidades de expressão lusófona e aumentar o uso da língua nos vários comités de trabalho, nomeadamente no AFRICOM.

É um objetivo que se defronta com várias dificuldades que para serem ultrapassadas obriga-nos a mobilizar a vontade dos vários atores. Como sabemos, o ICOM organiza-se em comités nacionais, em comités internacionais temáticos, alianças regionais, organizações filiadas, e comités técnicos. Para além de Portugal e Brasil, dos vários países Africanos de Expressão Portugueses apenas Angola formalizou a criação do seu comité nacional. Nos restantes países lusófonos os seus profissionais ainda não estão organizados em comités nacionais.

Uma situação resulta da fragilidade da relevância das instituições museológicas como instrumento de desenvolvimento. Com efeito, durante demasiado tempo, os museus foram olhados como instituições do passado, como locais e atividades que não assumiam significado no desenvolvimento do país. Muito embora a cultura fosse considerada um recurso para a afirmação destes novos países, as várias políticas culturais não valorizaram, salvo alguns casos, as diversas instituições museológica.

Para ultrapassar inexistência do comité nacional, alguns profissionais destes países africanos, conscientes da relevância da sua integração em redes internacionais, procuram um contacto com através do AFRICOM, uma organização filiada no ICOM que reúne profissionais de museus do continente africano. Todavia, a participação nesta organização, envolve alguns custos para os profissionais dos museus, que em muitos dos países são difíceis de assumir.

As vantagens dum profissional de museus em estar associado a uma plataforma nacional são múltiplas. A associação e uma organização profissional é um modo de criar canais de comunicação com outros profissionais e museus, que asseguram a continuidade formação de competências pessoais e profissionais ao longo da carreira. Os comités nacionais, por estarem mais próximos das realidades locais constituem o modo mais adequado do de assegurar a conexão da diversidade cultural dum território e a sua discussão no plano internacional.

A pertença ao ICOM é uma forma de assegurar uma representatividade adequada das diferentes culturas locais no plano internacional. O encontro com a diversidade e a possibilidade de usar e dar voz às formas de expressão das heranças locais constituem valores que asseguram a criação da inovação necessária para a salvaguarda dos bens culturais.

A língua portuguesa em África, por exemplo, embora seja uma das línguas com maior número de falantes no continente, não se constitui como uma língua de trabalho na maioria das suas organizações internacionais. No caso do AFRICOM, por exemplo, essa situação traduz-se numa ausência das questões e problemas dos países lusófonos nos seus debates. Uma invisibilidade que se vai acentuando, permitindo que inúmeras e ricas experiências não sejam partilhadas

Para além do caso dos países africanos, existem noutros continentes, nas Américas e na Ásia países e comunidades que usam o português como língua de comunicação. Em muitas destas comunidades os museus constituem-se como lugares de memória dessa comunidade, espaço duma herança partilhada. O VI encontro de Museus e Comunidades de países de expressão portuguesa que se realizou em Lisboa em 2011, entre muitas outras questões, permitiu reconhecer a riqueza desta diversidade e chamar a atenção para a necessidade de que essa plataforma se mantenha como espaço de encontro.

Assumimos esse desafio de pensar e integrar o lugar de onde se fala como centro da partilha do trabalho dos profissionais de museus. Tomamos por empréstimo, à conhecida revista francesa, o conceito de Lusotopia, como uma proposta de trabalho neste triénio para aumentar a visibilidade do português nas organizações internacionais e incrementar o seu uso como língua de trabalho entre profissionais de museus.

O uso da língua é um vetor de intervenção patrimonial que tem sido esquecido, apesar de ser considerado um vetor de intervenção estratégica na afirmação de Portugal no mundo. Temos consciência de que se trata duma tarefa complexa onde se cruzam múltiplos atores com lógicas diferenciadas.

Articular os profissionais de museus numa rede de conhecimento através duma plataforma que permita debater problemas da museologia e divulgar processos museológico tem sido apontada como uma possível solução.

Para concretizar esse desígnio é todavia necessário agregar as vontades dos profissionais e usar com eficiência os recursos disponíveis. Será também necessário alargar as parcerias, nacionais e internacionais com outras instituições no domínio da museologia e do património.

Museus de Macau e Lusofonia

A relevância dos museus de Macau para a rede de museus da Lusofonia

artigo escrito em Julho de 2014 para Plataforma Macau 

Os museus como espaço de encontro constituem um dos mais relevantes desafios aos museus no nosso tempo. A cidade de Macau, com os seus vinte e um museus e espaços de memória constitui um espaço da maior relevância neste encontro entre o oriente e o ocidente. Um encontro que advêm da partilha de heranças e memórias comuns. Este texto propõe, a partir duma reflexão sobre os espaços museológicos de Macau, a constituição duma rede de encontro e reflexão que integre dos profissionais de museus dos países e comunidade lusófonas.

No seio o ICOM – Internacionl Council of Museums tem-se vindo a valorizar os processos de relação entre os profissionais e museus que mostrem o grande potencial que existe no reconhecimento da diversidade na construção do progresso e do bem-estar entre os povos do mundo.

Um dos elementos que favorece o encontro da diversidade é o uso de uma ferramenta de comunicação comum. A valorização destas heranças comuns, que se concretizam no uso do português, transforma-se numa ferramenta de reconhecimento da identidade. A enunciação dos discursos transporta consigo os sons das heranças. O Português é hoje no mundo uma forma de expressão de milhões de seres e assume, na sua diversidade formas de enunciação do mundo que enriquecem os processos de encontro. Falta no entanto, no mundo dos museus, um canal que permita estabelecer relações mais fluidas e constantes entre os profissionais dos diferentes lugares de memória. Verifica-se a ausência de rede de comunicação inter pares, tal como tem vindo a suceder noutras áreas profissionais.

A reunião em Lisboa, em setembro de 2011 do VI encontro de Museu de Países e comunidades de língua portuguesa constituiu um primeiro passo para a criação dessa rede que importa ampliar.

Neste encontro de Lisboa estiveram pela primeira vez reunidos, para além dos profissionais de museus dos países da CPLP, profissionais de comunidade que usam o português como instrumento de comunicação. Essa abertura permitiu que nele estivessem representadas diversas comunidades que partilham essa herança comum representada pela língua.

A reunião permitiu igualmente o encontro e a partilha de experiencias entre os profissionais de museus. Uma partilha que permite criar laços entre pessoas, instituições e processos, que se constituem muitas vezes como elementos catalisadores de experiencias inovadoras nos diferentes lugares.

O encontro de Lisboa constitui um primeiro embrião duma rede de profissionais de museus da lusofonia que permitirá consolidar os processos de troca e encontro entre os profissionais. Uma rede que tarda em consolidar-se e em concertar os interesses dos atores na relevância dessa plataforma com instrumento de comunicação entre profissionais.

A Região Administrativa de Macau esteve representada neste encontro por Chan I Un, conservadora do Museu Marítimo de Macau. Chan, ou Jessica como pediu que a referissem, mostrou na sua intervenção[i] a relevância dos museus de Macau para o reconhecimento da sua herança. Os benefícios destes espaços de memória são importantes, quer para os naturais da cidade, quer para os seus novos habitantes que aí encontram espaço para construir as suas vidas. Segundo Chan, os museus de Macau constituem um dos elementos desse encontro entre as heranças do passado e a construção do presente.

Um dos desafios aos museus de Macau, como espaços de encontro entre as heranças do território e os serviços que podem prestar à comunidade no presente encontra-se na gestão das suas memórias. Os vários museus que existem, e não será fácil contabilizar o seu número, são eles próprios uma herança do passado. Na sua maioria são criados entre meados dos anos oitenta e a transição da administração do território para a Republica Popular da China em 1999.

Foram tempos de grandes investimentos em infraestruturas e equipamentos. A construção de obras públicas levou a criação de uma forte dinâmica de modernização no território que criou a perceção de que a tradição se estava a perder. Essa perceção da mudança, que induz à consciência da perda de elementos patrimoniais, traduz-se numa vontade de conservação, que leva à produção de narrativas e coletas sobre os elementos essenciais do que se presente sobre o que se está a transformar. Não se estranha portanto que vários equipamentos museológicos, quer de natureza pública, quer de natureza provada tenham surgido, mostrando uma leitura sobre um mundo em mudança.

Essa diversidade de equipamentos leva à dificuldade de distinção entre o que se pode ou não classificar como museu. Na verdade entre a definição do ICOM, em que um museu “é uma instituição permanente sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público, que adquire, conserva, investiga, comunica e expõe o património material e imaterial da humanidade e do seu meio envolvente com fins de educação, estudo e deleite”, e a simples galeria de exposições com a apresentações de objetos curiosos, passando pelos parques de ciência e espaços naturais, quase todo o espaço visitável pode ser incluído na categoria de museu.

Uma dificuldade que aumenta quando se considera, por exemplo, que uma das componentes da função social dos museus é estar ao serviço das atividades turísticas. A integração dos equipamentos culturais nos circuitos e rotas turísticas tem vindo a ser considerado uma das formas de aumentar a utilidade social dos museus.

O consumo e os processos de gestão dos equipamentos culturais, sobretudo os museológicos, têm vindo a ser muito relacionados com os processos de produção do lazer e do turismo. Esta tem sido considerada uma das formas de valor de usos dos espaços.

Esse uso social também induz uma pressão muito forte para que as atividades dos museus apresentem um serviço à comunidade através da organização de exposições que aumentam a atractibilidade do espaço. As novas tecnologias, por exemplo, tem vindo a propor novos processos narrativos para a construção de exposições. Exposições temporárias, que podem ser partilhadas em redes e que acabam em muitos casos por se constituir em alternativas às exposições de longa duração.

No caso de Macau, dos seus museus e na sua relação com a comunidade, todas estas questões levantam uma óbvia necessidade de resolução da questão da gestão da sua memória coletiva em função dos novos tempos. Sendo certo que estes equipamentos transportam uma visão desse passado, que no presente se quer assumir como herança, também é necessário que estas narrativas assumam a modernidade e a inovação do novos tempos. Uma modernização das narrativas que incluam agora o novo posicionamento das comunidades, assegurando a manutenção das suas heranças, e assumindo a construção da inovação.

É nesse sentido que assume espacial relevância a participação dos profissionais de museus de Macau, numa rede de profissionais de museus da lusofonia. O caso de Macau, onde as memórias se cruzam entre a tradição e a modernidade é uma questão essencial para assumir o museu como espaço de encontro.

Assumir a rede como local e espaço de encontro entre profissionais e instituições de memória, permitirá, por um lado manter essa ligação aos processos de herança que são comuns, ao mesmo tempo, que a partir do reconhecimento da modernidade, vem introduzir nessa rede o seu contributo para a especificidade dessa herança. Uma herança que é construída a partir do mundo chinês.

A rede de profissionais de museus da lusofonia poderá responder, a partir do seu encontro a questões s sobre quem somos, o que queremos fazer, como o queremos fazer e como o podemos fazer juntos. A participação dos museus de Macau nesta rede pode ser um contributo relevante para construir um olhar sobre o trabalho de mediação entre os objetos museológicos e patrimoniais, como os visitantes e com o território onde se inserem.

Pedro Pereira Leite – Museólogo (Ph.D) – ICOM Portugal (pedropereiraleite@ces.uc.pt)


[i] Chan I Un (2012). “Museu, Desenvolvimento e Comunidade: o caso de Macau” in Atas do VI Encontro de Museus e Comunidades de Países de Língua Portuguesa, Lisboa, Edição ICOM –Portugal, pp 195-204

Ecomuseus e inovação museológica

A questão dos ecomuseus, segundo a proposta de Hugges de Varine é um novo conceito de museus colocado em prática na década de 1970 em França.

A ideia de Ecomuseu é fazer com que a comunidade se tornem ema atores do processo museológico, intervindo nas suas diferentes fases, desde a conceção, execução, manutenção. do mesmo. Trata-se dum projeto em que o museólogo de assume como um dinamizador do desenvolvimento da comunidade.

O termos surge publicamente em 1971 em Dijon na 9ª Conferência Geral do ICOM. O termo “ecomuseu” terá sido criado por Hugues de Varine e Georges Henri Rivière, e Serge Antoine, conselheiro do presidente do Município de Dijon.

Integrado nas questões em debate sobre ecologia e os modos de ajustamento das atividades humanas ao ambiente, ecomuseu o conceito procura responder à necessária ligação do ser humano à natureza e à cultura presentes numa determinada paisagem.

Usado como instrumento de planeamento territorial em França, como forma de revitalizar paisagens em regressão demográfica, os Ecomuseus equacionam o uso do território como espaço de lazer e a manutenção dos seus diferentes patrimónios

O primeiro ecomuseu é implementado em 1971 na “Maison de l’Homme et de l’Industrie” em Creusot, o que pode ser considerado de protótipo de ecomuseu, onde a ideia era levar os visitantes a tomar iniciativa e a apropriar-se das acções do museu.

Segundo Henri Rivière, “L´Ecomussée un modele evolutic”, 1992, o conceito de ecomuseu é evolutivo e deverá acompanhar a evolução da comunidade e ajustar-se aos diferentes tempos enecessidades.

As diferentes definições do termos dadas por Riviere refletem essa mesma evolução. Em 1973, o ecomuseu caracterizava-se como um novo género de museu que tinha como base a interdisciplinaridade entre a ecologia, a dinâmica da comunidade, e o seu funcionamento orgânico.

Três anos depois, essa definição é revista, acentuando-se a “vontade de museu” como algo que inrrompe num determinado local, que se implante, constituindo un núcleo primário que vai criando alianças com grupos preexistente que produzem uma relação entre a comunidade e o meio ambiente, no tempo e no espaço. Estes grupos são elementos secundários do museu, mas asseguram a participação do agente chave.

Em 1980, o ecomuseu surge como um instrumento dos indivíduos na tranformação da natureza. Um local e um espaço de intervenção duma dada comunidade no territério e no seu tempo.

Trata-se portando dum local onde se mobilizam as vontades de agir, para proteger uma determinada memória e património, que parte da mobilização dos membros duma dada comunidade.

Com o tempo o termo foi sendo usado por diferentes agtores, nem sempre conhcedores do seu significado e objetivos.

De qualquer forma, como acentua Desvallés, o ecomuseu corresponde a uma nova forma de pensar e fazer a museologia, onde o espaço é o território, o publico é a comunidade que serve, e onde emergem novos objetos

Em Portugal a implantação do eco museu surse após a revolução de 1974. É um assunto que tratamos em A Miséria da Museologia em Portugal

No brasil a ideia tem também desenvolvimentos que em breve detalharemos. Para já fica aqui aligação para um caso interessante  – Eco museu Negra Vilma .

Colóquio Epistemologias do Sul – Coimbra

WIN_20140710_131602O tema  do colóquio internacional das Epistemologias do Sul, que se realiza  em Coimbra entre os dias 10 e 12 de julho com o tema  “Um sentimento de esgotamento assombra a Europa. Aparentemente o velho continente encontra-se sem capacidade de repensar o seu passado e o seu futuro”, não deixa de ser estimulante.

O Espelhos Estranhos, Lições Imprevistas: Definindo para a Europa um novo modo de partilhar as experiências do mundo, o colóquio lançou um desafio aos seus participantes: se a compreensão do mundo é muito mais ampla que a compreensão ocidental do mundo, as possibilidades de emancipação social podem ser distintas das que foram legitimadas pelo cânone ocidental.

Pode o sul anti-imperial ensinar algo ao norte global?

Pode o norte global ensinar algo que não esteja marcado por séculos de colonialismo e de neo-colonialismo, de imperialismo e de supremacia étnico-racial?

Podem ambos aprender de tal modo que um dia não haja sul nem norte?

 

O objetivo é de que as repostas a estas questões permitirão construir propostas teóricas e de ação que confrontem eficazmente as lógicas de exploração, opressão e exclusão globais.

A ideia é reunir estudiosos e ativistas do Norte e do Sul globais por três dias em Coimbra, produzindo conhecimento em conjunto com o projeto Alice, especialmente em torno de quatro eixos temáticos:

1.Democratizar a democracia :

2. Constitucionalismo transformador, interculturalidade e reforma do Estado

3. Outras economias

4. Direitos Humanos e outras gramáticas da dignidade humana –

Neste coloquio apresentamos os resultados da nossa investigação em Djabula, em Moçambique, realizada em Maio deste ano, que mais para a frente publicaremos no diário de viajem neste blogue, na rubrica epistemologia do sul.

Mas o que justifica este blog foi a experiencia de ontem à noite na cidade.

Trata-se das festas da cidade, com uma procissão da Rainha Santa Isabel pela parte baixa da cidade. A estátua, que está no convento de Santa Clara, localizado em Frente da cidade, do outro lado do Rio Mondego. O cenário são as gentes de Coimbra, sentadinhas em cadeiras à ver a procissão. As duas filas de peregrinos com velas (a procissão é no final da tarde/lusco fusco). Nas janelas colchas com rosas e os símbolos de  Portugal e da Catalunha (Isabel era princesa aragonesa). Nas ruas peregrinos cumprem promessas, rastejando ajoelhados pela rua Ferreira Borges. Na frente, a fanfarra local, cavalos da GNR, Escoteiros e acólitos.

O eixo é simbólico entre Santa Clara e Santa Cruz.

O insólito foi a lua cheia que enchia o céu, o fogo de artifício que aclamou a rainha, as gentes que festejavam e sobretudo o discurso do padre, alcandorado na varanda do turismo a falar da vontade geral. Da vontade do povo cristão de tomar nas suas mãos os seus destinos. Discurso revolucionário contra aqueles que guardam para si o que é de todos. Discurso contra a vilanagem, contra o roubo e o estupro. Com uma mensagem de esperança. Uma mensagem de que esse povo cristão se centre na verdade e na honra.

Andamos nós a discutir o estado do mundo. A saber se a europa ainda pode ensinar e aprender algo.

Pois aqui está a resposta. Nesta Coimbra universal. nesta Coimbra que dialoga entre o conhecimento científico e o senso comum. nesta Coimbra universal e simultaneamente rural. Este CES não podia estar noutro local.

Outros Clusteres da Cooperação Portuguesa

Para além do Cluster de Moçambique que ontem abordamos aqui no Work shop sobre a Cooperação Portuguesa foram abordados ainda os casos de Timor, Angola e São Tomé.

Ao longo desse work shop ocoreu-nos que a cooperação portuguesa procurou, através desta teoria da concentração de projetos, conciliar a ética protestante do capitalismo com o espírito messiânico dos portugueses. Mas a isso já lá iremos. Voltemos ao work-shop.

Refira-se a propósito desse encontro as notas dum atento observador destas questões em Moçambique do nosso irmão Zé Teixeira no seu blog Ma-Schamba.

A Nossa tese para a questão sobre a eficácia da concentração de projetos da ajuda Pública ao Desenvolvimento, é de que a ideia não é má, foi é mal aplicada. Foi essa aliás a ideia que apresentamos publicamente nesse forum. As nossas dúvidas parecem confirmar-se. Aliás, a narrativa na primeira pessoa do Zé Teixeira, parece comprovar esta difícil relação entres os interesses gerais (públicos) e os interesse particulares dos agentes de cooperação. A isso acresce ainda o contexto da ação em territórios sujeitos a outras soberanias em situação pós-colonial, que gera tensões e equívocos sobre as memórias. E note-se que a memória não diz respeito ao passado, mas sim a visão que no presente se faz do passado para pensar a ação.

A ideia de concentrar projetos, para criar sinergias, não será boa nem má. É apenas uma intenção. O que interessará olhar na avaliação destes projetos será a forma como são desenvolvidos, como e porquê, que possibilidades temos de os replicar noutros contextos (as chamadas lições) e ainda quais as vantagens que como comunidade (nesta caso nacional) retiramos deles. E isto não está nas avaliações. Estão os dinheiros gastos, a adequação dos gastos ás rúbricas, a existência de suporte documental. Borucracias

Olhar para a cooperação como estratégia de política pública (e essa foi a nossa tese à trinta anos atrás) é um processo biunívoco.  Por isso gosto mais da palavra cooperação do que ajuda ao desenvolvimento. A ajuda ao desenvolvimento é equivoco enquanto a cooperação é uma busca de encontro, defenderiamos hoje em tese.

Como sabemos de qualquer atividade humana, para haver ação, tem que haver antes concentração. A concentração relaciona-se com a quantidade, os recursos disponíveis. A quantidade pode facilitar ou restringir. É uma variável de contexto

A questão é o que é que se pretende fazer com essa ação, como se faz e quem faz. Essa já é uma variável qualitativa, onde a ação depende das circunstâncias. Das opções, das capacidades, dos valores.

No caso do Cluster da Ilha de Moçambique, Zé Teixeira, com a sua lucidez antropológica afirma o óbvio. A escolha deste espaço foi errada. E na verdade, não encontramos em lado nenhum as razões da escolha da ilha para a tal concentração de recursos da cooperação portuguesas. Não há da ilha, como parece também não haver dos outros locais.

Qual é então a racionalidade destes locais. Não sabemos, mas não ficaríamos admirados se concluíssemos que eles dependeram do acaso. Do que havia no terreno, do jogo dos atores. Da capacidade de analise do momento e da capacidade de que os interesse particulares se transformassem em interesses gerais.

No caso da Ilha de Moçambique, não será difícil entender essa questão. Como podemos ver dos objetivos que se pretendem alcançar, para além das questões genéricas sobre o combate à pobreza, as questões do género, da educação e saúde, do saneamento básico e abastecimento de água, que aparecem em qualquer projeto (note-se que é muito provável que nos próximos anos a questão da produção e acesso á fontes de energia venha a ser considerado indispensável), o que sobressai de verdadeiramente único, que justifica este a não outro local é o património. O património aqui visto como herança da influencia portuguesa.

Sendo certo que essa será uma razão ponderosa para escolha do sítiuo, poderíamos dizer que por todo o Moçambique, há património que o justifica-se. Não havia é este tipo de património. Um património que alimenta o mito português. E em Moçambique, não há outro local onde se verifique esse mito. No  Ibo, em Quelimane, em Sofala, no Maputo, Tete e Beira parecem não ter antiguidade, e não cristalizaram essa imagem mítica como sucedeu na Ilha. Daí uma escolha óbvia.

E escolhido o local há que pensar no que fazer e com quem fazer. E assim talvez se entenda uma parte da morosidade. Fazer um plano (pensado com ferramentas forjadas na lógica protestante, para as compatibilizar com os princípios dos mitos da portugalidade) obriga a muita negociação a falar com muita gente e tornar mais claro como é que os agentes locais se inserem no processo. Durante anos a Ilha era destino de consultores, de observadores, de experts, que em quatro ou cinco dias recolhiam uma informação que os próprios atores locais se habituaram a debitar e sobretudo a fazer reverter para os seus interesse próprios.

Mas os impasses não são só esses. São também resultantes do conceito de património que foi adotado. Um conceito com base na ideia ultrapassada do monumento. Milhões de euros são gastos em manter de pé estruturas míticas em acções separadas das restantes atividade. Não é portanto de estranhar, que sendo efetuadas por atores diferentes, os objetivos do milénio e os objetivos patrimoniais não se agreguem, promovendo o tal “arranque” do “desenvolvimento sustentado” que é defendido nos projetos.

Se tudo isso adicionarmos os interesses privados dos atores, também não será difícil de entender que os resultado fiquem aquém dos desejos. A Ilha sempre foi um espaço onde os portugueses se governavam. Foi assim no passsado e parecer continuar a ser assim no presente, como se diz na Ilha).

Mas também por tudo isso, pelos desejos dos diferentes atores, seja através do cluster, seja através de outro instrumento, a cooperação portuguesa não deixará a Ilha de Moçambique. Haverá é certamente menos recursos. A incógnita é saber até quando haverá recursos, ou quando é que localmente outros interesses se sobrepuserem.

Mas regressemos aos outros clusters. O que motivou a escolha. A dúvida mantém-se. Porque estes lugares e não outros. Depois de ouvirmos as avaliações não podemos deixar de colocar a hipótese de serem casos semelhantes. Isto é este lugares foram escolhidos, porque alguém os quis escolher, tendo ido depois á procura das justificações para a intergração das ações.

Em Timor, o projeto Mós Bele concretiza o cluster da cooperação portuguesa. Segundo o seu coordenador, o projeto constitui-se como um programa turístico inovador de base comunitária. Associa-se assim o turismo como atividade catalisadora do desenvolvimento, acrescentando a “base comunitária” para integrar os projetos nos propósitos do ODM.

Nas palavras de João Carvalho a chave do projeto assenta em três pilares: A capacitação das pessoas, através da aquisição de competências; o acesso a recursos financeiros, através da independência económica,  e a valorização do território, através da intervenção em infra-estruturas e auto-construção. Através do desenvolvimento desta estratégia foi possível reduzira as fragilidades da Ajuda ao Desenvolvimento. Concentrar a dispersão de projecto, criar escala para permitir a sua reprodutibilidade, criar impacto através da transferência de capacidade para a comunidade, tornar previsível os projetos, através da plurianualidade e criar inovação. Veja-se a avalição deste projeto em 2010.

Para além do restaurante foram criados negócios artesanais e o hotel está em fase de conclusão. Esta tipo de projetos multi setoriais envolvendo o modelo de gestão e a qualificação territorial como forma de criar valores de partilha pela comunidade local são programas inovadores que se mostrou se adequado ao contexto, estando os seus resultados a ser disseminados no campo dos Estudos para o Desenvolvimento.

No campo da inovação social o modelo de coaching para criar capacitação das comunidades locais, empoderar a governança  local para criar uma apropriação política parece, não fora o número de estrangeirismos usados como descritores, uma nova forma de atuar. Na verdade, as palavras não refletem mais do que as modas do momento. O caso de Timor está claramente voltado para um modelo que está baseado na oferta trurística para criar atividade económica. Nesse sentido não deixa de ser idêntico ao caso de Moçambique, em certo que em escalas diferentes. a questão que se coloca é saber se o turismo, naquele espaço, alavanca o tal “desenvolvimento”.

Em ambos os casos parece-me que há uma fusão entre a ética protestante e a ética messiânica. Vejamos, no caso da ética protestante, a cooperação deverá criar  uma cadeia de valor. O desenvolvimento é visto como a criação desta cadeia. Um valor sobre o território, sobre o social, e um valor económico. Mas o caso de Timor vai mais longe e merece uma análise própria.

Ainda para terminar os outros dois casos, em Angola e em São Tomé foram apresentados pelo Instituto Marquês Vale Flor. Em Angola o caso de Ecunha . Em São Tomé, o país como projeto de cooperação, no campo da saúde e educação. Deixaremos esta questão para outra ocasião. O IMVF parece ter uma relação estreita com a cooperação portuguesa, absovendo a maioria dos recursos finaceiros destinadoas a ONGD, como aconteceu em 2014.

 

O cluster da cooperação portuguesa em Moçambique e a teoria do desenvolvimento

A propósito do encontro realizado no Instituto Camões na apresentação dos resultados do projecto do CESA sobre os clusters da cooperação portuguesa que se realizou no dia 3 de julho, ressaltam as seguintes questões no âmbito dos Estudos para o desenvolvimento.

  1. De que modo o conceito de cluster é um instrumento teórico adequado para a Ajuda ao Desenvolvimento.
  2. Quais os resultados da Ajuda Pública ai Desenvolvimento (APD) da cooperação portuguesa nos últimos dez anos, no âmbitos destes projectos em Moçambique.

Recordemos que os objectivos do projecto são “confirmar ou infirmar que o conceito e a prática de clusters da cooperação para o desenvolvimento, (Moçambique, Timor Leste, São Tomé e Príncipe e Angola) é uma resposta eficaz à questão, hoje consensual na comunidade internacional, de como tornar melhores a coerência, a harmonização e o alinhamento colocada em conferências internacionais como a de Paris sobre a Eficácia da Ajuda ao Desenvolvimento”.

A Estratégia do cluster surge na estratégia da cooperação portuguesa de 2005 , no âmbito do contexto das discussões sobre a eficácia da AOD na OCDE .

As palavras chaves destas estratégia foram a procura da “Apropriação, Harmonização, Alinhamento, Resultados e Responsabilidade Mútua” Foram então estabelecidos como clusters para a cooperação portuguesa Maubara, em Timor, a Ilha de Moçambique, Ecunha no Huambo, angola e Tão Tomé.

Recordando as linhas gerais do documento de estratégia, o primeiro feito após a adopção dos objectivos de desenvolvimento do milénio, a estratégia da cooperação portuguesa assentava em cinco pilares. Os ODM, a segurança humana, a lusofonia, a ajuda ao desenvolvimento económico sustentável e o envolvimento nos debates internacionais. As suas prioridades, eram o combate à pobreza, e foram definidos como prioritários os sectores da educação, saúde, o desenvolvimento rural, o ambiente e o crescimento económico. Pela primeira vez é reconhecido a questão da educação para o desenvolvimento como uma actividade estratégica da cooperação portuguesa.

Uma estratégia que veio substituir o documento de 1999 “A cooperação portuguesa no limiar do século XXI” que na época foi a primeira normativa duma estratégia política para a cooperação portuguesa. Recorde-se que a cooperação portuguesa alcança visibilidade com uma pasta de secretaria de estado em 1982, com Luís Fontoura, com o objectivo da coordenar as relações pós-coloniais entre o Estado Português e os novos países de expressão portugueses. Sobre a evoçução da cooperação portuguesa veja-se o paper de Carlos Sangerman 2012 (http://pascal.iseg.utl.pt/~cesa/files/Doc_trabalho/WP104.pdf)

A questão dos clusters não constitui a única inovação deste documento. Recorde-se que nele se procurou dar uma maior abertura na participação aos diversos pareceiros da sociedade civil, às organizações não governamentais (ONGD) que foi bem expresso no “Forum da Cooperação”, no estabelecimento de programas pluri-anuais e a sua negociação com os diferentes parceiros locais. Uma primeira avaliação dessa estratégia é feita em 2009

Dizia-se então no documento que se procurava com este instrumento potenciar uma “maneira de estar e a disponibilidade natural dos portugeses em relação a África” e ao mesmo tempo colmater a tradicional dificuldade em estabelecer os objectivos e evitar a dispersão de acções e recursos. O cluster surge como um instrumento para potenciar essas características.

Com base na teoria económica o termo o termo é defendido por Tom Peters em que propõe uma concentração de actividades em áreas de especialização: os clusters. Dentro destes clusters deve-se procurar criar a excelência com base na inovação constante dos produtos. Esta inovação é estimulada pela criação de círculos de inovação como processo de criação de dinâmicas da criatividade. Outros autores, como por exemplo Hubert Shmitz, defendiam que a concentração geográfica de empresas criava não só economia de escalas como aumentava a produtividade das empresas. Este aumento de produtividade permitia alavancar a emergência de actividades de serviços que aumentavam o valor territorial, atraindo por sua vez mais investimento e empresas. Os resultados do investimento da ajuda pública em zonas geográfica aumentava a sua eficiência a tornavam-se mais eficazes.

Na época do estabelecimento desta estratégia, esta ideia acompanhava a questão da eficácia da ajuda Pública ao Desenvolvimento. Foram então definidos os clusters da cooperação portuguesa que são operacionalizados através de dois instrumentos base os PIC e os . Nesses paíse foram assindado o PIC os PAC. Os primeiros são planos indicativos de estratégia, que são operacionalizados anualmente através dos segundos, o Plano anual de Cooperação.

Trata-se sem dúvida duma actividade complexa da administração pública que implica um diálogo com diversas entidades locais, com a sociedade civil. Naturalmente dependem da sua forma de coordenação e da personalidade e capacidade de quem o coordena em relacionar-se com os diferentes atores locais.

A escolha do Cluster da Ilha de Moçambique é feito pelo IPAD em 2006 no seu Plano Anual de Cooperação. Nesse ano previa-se elaborar um plano de acção, previsto para nove anos. As razões da escolha deste local pelo IPAD deriva da presença do património (património mundial), e da necessidade de combater a pobreza. Estavam criadas as base de intervenção.

Previa-se então actividade em seis áreas, educação, saúde, recuperação do património, desenvolvimento sócio-económico, abastecimento de água e saneamento, e apoio à governação local. No campo do desenvolvimento económico previa-se desenvolver as pesas, a agricultura, o comércio e algumas indústrias.

Os resultados do trabalho então efectuado foram agora apresentados. Note-se que o trabalho da cooperação portuguesa sempre foi olhado de forma crítica por muitos atores locais. Os diferentes programas elaborados sempre foram controvessos pois combinavam de forma diferentes as expectativas dos atores locais. A cooperação portuguesa não conseguiu estabelecer ligações diretas com os atores locais e participa de forma ativa para o programa de transferência da população da ilha para o continente, criando processos de valorização imobiliária sem que daí resultem processos de desenvolvimento territorial e da economia local.

Mais informações sobre os programa em Moçambique

Em breve uma refelxão sobre a reformulação da Estratégia da Cooperação Portuguesa

Walter Benjamin e a questão da Aura na obra de arte

Walter Benjamin

A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica

Walter_Benjamin_vers_1928

(no original em alemão,Das Kunstwerk im Zeitalter seiner technischen Reproduzierbarkeit é um ensaio publicado pela primeira vez em 1936, e, posteriormente, em 1955, do crítico cultural, filósofo e sociólogoWalter Benjamin. Lemos a versão traduzida por Maria Luís Moita, incluída na edição da Relógio D’Agua “Sobre Arte, técnica, Linguagem e Política, publicada em 1992, pp 73-113.

Benjamim procura nesta obra actualizar os fundamentos duma teoria marxista da arte. Uma teoria revolucionária da arte, numa discussão então em voga no centro da Europa, sobre o papel do artista como criador de tradição ou inovação. Face à disponibilidade e ao crescimento de meios e forma tecnológicas de reprodução de arte, qual é o papel e a função do artista.

O seu principal argumento é de que na ausência de qualquer valor ao ritual da tradição na era da reprodução mecânica, a arte seria sobretudo uma prática política.

A partir da análise sobre o processo de reprodutibilidade, segundo Benjamim, aplicação da técnica produzia uma erosão da aura da obra de arte. Este conceito de aura na obra de arte é essencial para entender a teoria do autor. A aura é uma figura simbólica que se projecta no espaço – tempo. Esta forma simbólica corresponde ao valor da obra de arte. A modernidade, e a sua reprodução mecânica produziram uma ruptura nesta forma simbólica. Essa ruptura produziu uma necessidade da posse do objecto e implicou alterações nas suas formas de Reprodução e a construção da sua imagem simbólia. As forma de reprodução implicam que o objecto de arte passa a ser transitório e é repetível. Por outro lado, a sua imagem, nos diferentes objectos reproduzidos, passam a ser uma unidade, e são duráveis.

A destruição da aura o objecto de arte, pela sua reprodução mecânica, para além de afetar a sua autenticidade como refere Choay, retira esse objecto do seu invólucro e transfomo em mercadoria. A arte, como mercadoria passa então a constitui-se como um valor de culto que necessita de se exibir de forma constante e renovada no tempo.

A ruptura da aura do objeto artístico leva à perda da sua “unicidade”, “singularidade” e “autenticidade” e a uma alteração do seu valor de culto. Esta alteração produz a amergência do espatáculo, dumasociedade de espectáculo como afirma Guy Debord

Em a Sociedade de Espetáculo, o argumento principal de Debord também desenvolvido a partir da análise marxista, é que a alienação é mais do que uma sucessão de emoções nos individuo. Ela é uma forma específica da organização social capitalista, que assume novas formas e conteúdos em seu processo dialética de separação e reificação da vida humana. Como uma constituição moderna da luta de classes, o espectáculo é uma forma de dominação de classe (da burguesia sobre o trabalho) que produz uma narrativa sobre a história, uma lógica de ser e estar que contamina todos os membros da sociedade.

Regressando a Benjamim e ao valor da exposição da obra de arte, na era da técnica e da reprodutibilidade, o fundamental é distribuir cópias (criar produtos) e facturar (distribuir no mercado) criando sempre novas necessidades de consumo.

Para Benjamin, o modo a produção artística foi alterado pela processo da sua reprodutibilidade técnica. O desenvolvimento do processo industrial na produção de obras de arte altera a sua função simbólica. A obra de arte sempre foi reprodutível. Sempre de fizeram cópias dos objecto de arte. No entanto a indústria altera profundamente os processos de produção/consumo das obras de arte, produzindo uma passagem da obra de arte dum valor de culto para um valor de exibição.

Essa proposta caracteriza a proposta de teoria da arte em Benjamim. A aura, ou o caracter mágico da imagem são formas constitutivas do seu valor de culto, que agora é alterado. Dos rituais simbólicos, de exibição em contexto mágico ou religioso, ligado ao seu caracter único; com a emergência da reprodutibilidade técnica das formas simbólicas, as obras de arte perdem a sua função ritualística, a sua característica de única, sua “aura”, e passam a ser exibidas e disponíveis, chegando a atingir enorme escala de exposição de massas.

Para Benjamin a fotografia é o início da alteração deste valor de culto das obras de arte, para o valor de exposição. Na fotografia contudo há ainda a possibilidade de ter presente um valor de culto, na medida em que a experiencia biográfica pode produzir influência na formação de cultos. A reprodução de rostos, por exemplo, tornaram-se no início do século objecto de culto.

A alteração simbólica do valor de culto para o valor de exposição leva igualmente a uma alteração dos processos de exposição. A exposição, que antes era feito ao serviço do ritual, passa a estar ao serviço da reprodução serial e passa a estar sujeita a necessidade crescente de novidade. Uma mudança de valores que refuncionaliza o papel da arte na sociedade.

A implosão da aura na obra de arte produz a erosão do espaço tempo. O carácter único da obra, a unidade da experiencia no tempo e no espaço (o aqui e agora), que conferem os atributos de raridade, passem a ser plurais e deixam de ser exclusivos. Ao objecto de arte deixa de ser uma experiencia única, vivida no espaço e no tempo, para passar a ser uma experiencia com objectos que se sucedem no espaço e no tempo. O objecto de arte fragmenta-se e constitu-se como um fluxo de possibilidades no tempo.

Mango beat e a música urbana no Recife

Há volta com os contextos musicais urbanos encontrei um interesante acervo sobre a mango beat a a música zumbi. Uma mistura de ritmos afro americanos criada na decada de novente pelo Chico Science

O Mango Beat cria uma diversidade sonora misturando ritmos e sonoridades africana, americanas e ibéricas recolhidas no mango. Tendo como simbolo o carangejo a música oubia-se no Pernambuco e em Olinda.

Alguns exemplos: “Quando a maré encher”, manguetown, maracatu atómico.

Sobre esta questão ver a tese de Luciana Ferreira Moura de Mendonça (2004). “Do mangue para o mundo; o global e o local na produção da música popular brasileira”, UNICAMP

Continuar a lerMango beat e a música urbana no Recife