Todos os artigos de Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

Biographical Knowledge and Qualitative Research: A proposal

The integration of Biographical Knowledge in research processes is a methodological proposal of critical empiricism that shifts the center of production of knowledge to the referred research objects. We try to show how Biographical Narratives can allow bypassing the locks and the deviations from real observation by the researcher, and focus his work on the actors in process.

DSCN3223

In the critique of the Eurocentric paradigm and its production of hegemonic scientific papers presentations and speaches, by Bonaventura Sousa Santos (Santos, 2000),  proposes the “south epistemologies” as a research process and the inclusion of knowledge of actors as the research field. In the article, we will try to look at the production process of biographical narratives, using the tools of south epistemological proposal.

DSCN3244

We start with reviewing the methodologies, working on biographical objects, then we wil present the preliminary studies and research that has been ongoing in several communities in southern Mozambique, in Djabula Community Centre. These results should be completed with other field works, as we open as a collaborative process discussion on African Studies community.

DSCN3268

We expect the project to be completed in the coming months, aiming towards the proposal of a “House of memories”, in order to develop with the local population through articles, stories, sounds and dances that are selected and will support the chosen narratives by the community. The projects created with local players, from their problems will allow a rapprochement and dialogue between different kinds of knowledge.”

June 2013

Read paper on prtuguese in My page

Museologia e Pensamento Contemporâneo

Para um novo senso-comum é uma proposta epistemológica de Boaventura Sousa Santos. Desde a publicação em 1987 do “Discurso sobre as Ciências Sociais”, posteriormente desenvolvidos na Introdução a Uma Ciência Pós-Moderna em 1989 e na “Crítica da Razão Indolente: contra o desperdício da Experiência”,publicado em 2000. Sousa Santos defende que o conhecimento dominante criado pela Ciência Moderna não está de acordo com o que sabemos

A crítica à epistemologia do norte é feita a partir de três contextos de crise paradigmática: O contexto do conhecimento, o contexto sociopolítico e o contexto cultural:  Esta crise do conhecimento tem vindo a ser tratado por Boaventura Sousa Santos a partir da análise crítica da relação entre sujeito que conhece sobre objeto que é conhecido através do método de observação. O autor defende que não há uma neutralidade axiológica nesta relação, uma vez que quem questiona (ou observa) determina a resposta (a observação) A ciência é comprometida e não há um conhecimento sobre o objeto que não envolva também o sujeito que conhece.

A ciência não é mais de que um modo de explicar a realidade, através de determinados procedimentos que interferem com essa mesma realidade. O conhecimento é hoje mais uma probabilidade. Uma busca dum novo senso comum com base em pergunta pertinentes.

0

Este novo senso-comum permite conceber a existência duma realidade objetiva prévia ao sujeito. Uma realidade que é anterior ao sujeito cognostente e que o estrutura. Uma realidade que não é necessariamente conhecida por esse sujeito.

Ora todos nós, como sujeitos ou como cientistas criamos modelos sobre essa realidade. Modelos que procuram estar em correspondência e em conformidade prever essa realidade. A validade do modelo, a sua verdade, advém desta verificação.

Isto implica que não exista uma verdade absoluta, nem tão pouco uma verdade incorporada no sujeito. O que se verifica é apenas a adequação do modelo à extensão da realidade analisada. Entre a realidade e o modelo verifica-se uma diferença de extensão e de qualidade. É pois possível e muito natural que se verifique uma realidade para além da que é analisada no modelo conceptual do sujeito. Um mundo transcendente.

Uma vez que a realidade é modelada por uma ação, é essa ação que, enquanto percurso, liga o conhecimento ao mundo objetivo. Uma ação que é ela própria transcendente ao ligar o sujeito ao mundo objetivo, produzindo um conhecimento da realidade que é apenas aquele que conseguimos entender.

Ora se extensão da interrogação determina a extensão da resposta a qualidade dessa interrogação determina a qualidade do conhecimento obtido. O conhecimento é apenas uma parte do real. O que se conseguiu extrair.

Esta interrogação sobre o sujeito que conhece, o objeto que se conhece e o conhecimento em si mesmo modula o pensamento contemporâneo. As interrogações sobre a unidade e a totalidade, o contínuo e o descontínuo continuam a polarizar as categorias do conhecimento.

O Tudo é parte de outro todo, o somatório dos descontínuos é um contínuo, os recetores são também emissores e o objeto é também um sujeito deixaram de se constituir como paradoxos e incorporaram a fenomenologia do conhecimento através dos sisgtemas abertos. Sistemas de níveis em que cada elemento pode ocupar diferentes posições nem diferentes sistemas.

Se a mente dum ser humano opera num destes níveis, nada impede que se a mente social seja um outro nível. Uma mente em que o conhecimento emerge como uma natureza relacional intersubjetiva.

A proposta da intersubjetividade na museologia permite articular as relações entre a unidade da mente com as interações sociais que fundamentam a partilha social de objetos qualificados.

Casa Muss-amb-ike, 29 de Maio 2013

LogoCasaMUSS2

Lagos- Dia de África na Escola do Tecnopolo

DSCN4492

Agitação no pátio da nova escola, erguida vai para dois anos nos terrenos periféricos da cidade de Lagoa. Tornada centro de agrupamento escolar, aí convergem durante o dia alunos dos diferentes ciclos para participar nas diversas atividades.

DSCN4519DSCN4503

Nas paredes cartazes feitos pelos alunos sobre os diferentes países de África. Mascaras coloridas nos pilares. Pendurada no tecto a exposição Lugares de Memória dos países africanos de Expressão Portuguesa. O pretexto para uma conferencia no auditório.

DSCN4512DSCN4513

Isabel Castro Henriques,  professora jubilada da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, que nos idos de setenta introduziu nos currículos universitários as  problemáticas da História de África apresenta a Herança africana dos portugueses. Os rostos dos jovens agitam-se. Um mais atentos, outros mais distraídos. Todos aplaudem no fim. Ante da grande festa no pátio da escola.

DSCN4521

Música africana, tendas com comida africana, roupas e artesanato. No ar os sorrisos das gentes que se sentem bem. Ainda há escolas felizes.

Lagos, 24 de Maio de 2013

Seminário Internacional DSCN4528

Memória Social

scan0015

Estado da Arte

A dimensão social da memória é uma problemática que emerge ciclicamente nas ciências sociais. Frequentemente associada à dimensão dos fenómenos da lembrança e esquecimento do passado vários são os autores (HALBWACHS, 1925,1941), (BLOCH, 1982), (RICOEUR, 2006,) que a conceptualizam como um instrumento de construção de narrativas que fundamentam e orientam a ação O recente bloqueio dos estudos sobre narrativas e representações pós-modernas veio recentrar a problemática das pesquisas sobre a memória social no domínio da transdisciplinaridade. A objetivação dos estudos da sociomnese tem vindo a centrar-se na relação processual entre a produção de elementos socialmente qualificados (objetos de conhecimento) a sua partilha nas comunidades e territórios, através do entendimento das relações (de poder) estabelecidas pelos grupos sociais (em cada presente) com os seus vários tempos (passados e futuros) e que se inserem em contextos espaciais específicos. Fundamenta-se esta relação como uma busca do conhecimento dos fenómenos como fundamento duma ação participativa. A multidimensionalidade da memória social permite a análise dos processos de produção de valor e o ajustamento dos conhecimentos socialmente partilhados como instrumento duma prática social para a mudança, através de metodologias participativas, onde o passado é mobilizado para construir a orientação do presente em função dum desejo de futuro. “A relação do grupo com as suas memórias sociais ocorre no que classificamos como “processo museológico”. Estamos perante um processo que é o objeto do conhecimento museológico. O conhecimento museológico é então um conhecimento que emerge duma prática e duma reflexão museológica que ocorre, como processo, num espaço e num tempo museológicos. A museologia é então o conhecimento que ocorre numa situação diálogo entre sujeitos de conhecimento e os seus objetos sócio mnemónicos num determinado tempo e num determinado espaço” (LEITE, 2011, 502)

Este não é um campo de estudos isento de críticas. Vários autores (OLICK, 2011) e (HUYSSEN, 2003) referem que os trabalhos sobre a dimensão social da memória tem fornecido num espaço de tempo muito limitado, contributos muito fracos para o conhecimento científico. Por outro lado, a relativa decadência dos “estudos culturais” nas academias europeias, tem vindo a fazer diminuir as investigações sobre memórias, representações e identidades sociais. Não obstante, várias têm sido as propostas que procuram explicar as relações analíticas entre memória social e outros processos de investigação científica. As ciências da educação, as ciências cognitivas, a história oral, nos trabalhos de curadoria, os trabalhos sobre as memórias pessoais e histórias de vida, são apenas alguns casos onde se verificam propostas de investigação. (MOSCOVICI, 1991), (NORA, 1984), (ZERUBAVEL, 2003) Em todas elas existe um elemento comum que procura explicar como as sociedades utilizam as suas heranças para reconstruir a sua consciência de ação. A busca dum entendimento sobre a formação da consciência do passado (positivo e negativo) e da sua ligação com a formação de ações (racionais ou não) através da formação de atributos de qualidade constitui um desafio.

Não é lícito ignorar que, muitos dos instrumentos metodológicos que têm sido utilizados nos trabalhos sobre a “memória social” constituem importantes ferramentas de análise dos fenómenos e dos processos de mudança social em contexto de globalização. Esses instrumentos permitem pilotar muitos processos de transformação social onde a ação se centra na participação dos cidadãos. Importa ainda considerar que os contributos desenvolvidos neste campo têm permitido uma abordagem holística da ciência que reúne diversos contributos disciplinares, da biologia, das ciências cognitivas e da comunicação, das ciências sociais e humanas e das humanidades. Também não podemos esquecer o impacto que tem vindo a ter estes instrumentos na recuperação dos conhecimentos das comunidades e das suas relações com o ambiente e com os territórios. Em várias academias e grupos de reflexão, sobretudo a Sul, os estudos sobre a memória social como recurso de transformação, encaminham-se para um campo de investigação consolidado.

Em Portugal a abordagem da dimensão social da memória tem vindo a ser efetuada no âmbito das áreas disciplinares tradicionais. Não de constituiu ainda como um campo de investigação. As questões das representações sociais e das identidades coletivas são abordadas por várias das disciplinas (a história, a antropologia, a sociologia e a psicologia) onde por vezes emergem tentativas de diálogo interdisciplinar. Não se consolidou todavia uma prática de investigação centrada nas comunidades e nas mudanças sociais. Em algumas áreas disciplinares de convergência, como os Estudos Africanos, os Estudos Culturais e ou os Estudos sobre globalização, a questão emerge com alguma transversalidade. Mesmo nestes casos, os estudos das representações coloniais e pós-coloniais ou do sistema mundo acabam por não equacionar a dimensão participativa das comunidades como vetor de transformação.

Ao partirmos de algumas problemáticas emergentes na relação da dimensão social da memória com a globalização, da relação do património com os direitos humanos e da função social da museologia no âmbito do desenvolvimento humano sustentável, procuramos preencher algumas lacunas. Importa verificar se a dimensão social da memória se pode constituir como instrumento de resolução de conflitos, de lidar com a violência e para a reconstrução social (dos espaços sociais e físicos) em situação de catástrofes. De que modo a mobilização dos saberes das comunidades revelados pela dimensão social das suas memórias se constituem como recursos para a ação contra as mudanças climáticas e a degradação ambiental. Como é que esses recursos podem ser socialmente partilhados como instrumento de mudança. Estas questões constituem-se como propostas metodológicas inovadoras para os processos museológicos.

Heranças Globais – Memórias Locais

IMG_9377

 

 inclusão dos saberes das comunidades como instrumento de desenvolvimento integrado nos territórios

O que é o projeto?

Heranças Globais é uma investigação interdisciplinar que problematiza a sociomuseologia a partir duma busca de diálogo com outros saberes. As tensões geradas nas comunidades e territórios pela globalização podem ser observados nos intensos e contraditórios processos de mudança social. Propomos nesta investigação efetuar uma análise dos fenómenos da globalização a partir das relações das comunidades com os seus saberes através do processo de formação de objetos socialmente qualificados. Analisamos as questões emergentes das relações entre património e globalização através dos processos de formação da memória social enquanto instrumento de mudança e inovação social. A partir das cartografias dos saberes das comunidades vamos questionar as suas relações com os Direitos Humanos, com a Violência e com a reação à catástrofe como um instrumento de ação na regulação e na mudança social. Partimos de um conjunto de problemáticas comuns para aplicar instrumentos de análise em conjuntos diversificados e diferenciados de comunidades e territórios para resolução de conflitos e fenómenos de violência social e de construção duma cidadania critica.

Este é um projeto de Pós Doutoramento em Curso, que se realiza no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra com apoio da FCT (SHRH/BPD/76601/2011)

 

 

Global Heritages

Procuro, através do blog publicar um “Caderno de Pesquisa” para discussão e partilha dos resultados.
Esta investigação desenvolve-se em três diferentes espaços. (Fronteira luso-espanhola, Moçambique e Brasil) e procura-se constituir uma rede de partilha de conhecimento sobre os processos de ativação de memórias locais.
O objeto da investigação é um estudo interdisciplinar sobre a Memória Social (ou colectiva). O seu objectivo é analisar os processsos de ativação de memória social como ferramenta de construção duma ação socialmente significativa (catalisadora de mudança)
O propósito do Blog será utiliza-lo como plataforma de publicação dos resultados da investigação e sua discussão
São parceiros da investigação o Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, O Departamento de Antropologia da Universidade Eduardo Mondlane de Moçambique e O Museu Afro, da Universidade Federal da Baía.
Desde o dia de formação que tenho estado a trabalhar na estruturação do “Caderno de Pesquisa”
Penso que o texto de apresentação poderia ser apresentado do seguinte modo
Apresentação
“Este é um projeto de Investigação interdisciplinar sobre a Memória Social. Aqui vão sendo publicados os resultados da investigação sobre os modos como as heranças são mobilizadas pelas comunidades para resolverem os desafios do presente.

O projeto “Heranças Globais” tem como objectivo criar uma rede de conhecimento sobre os métodos de trabalho sobre a memória desenvolvido em diferentes comunidades: a zona transfronteiriça entre Portugal e Espanha. Moçambique e Brasil. Três comunidades que se encontram ligadas por heranças comuns

Procura-se mostrar os modos como estas comunidades estão a responder aos problemas da globalização mobilizando os seus saberes através do processo de formação de objetos socialmente qualificados.”

O bolg terá um texto de apresentação em Inglês e Uma apresentação do projeto também em inglês.

O conteúdo do blog terá posts e páginas. Nos posts serão apresentados Apontamentos de investigação “o Caderno de viagem”, incluindo imagem e som. Nas páginas serão apresentados textos de reflexão. Individual e coletiva, bem como os “kit” de trabalho produzidos em cada local, de forma a serem acessíveis por diferentes usuários.

A língua de trabalho será em português, a línguas da comunidades estudadas.