Todos os artigos de Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

O acentuar da tendência para o crescimento urbano VII

É usual afirmar que o desenvolvimento económico acontece quando a pobreza e a dependência dos ciclos agrários termina. Quando uma sociedade é capaz de usar os recursos de dispõe para distribuir pela sociedade. De armazenar excedentes para lhes dar novos usos no futuro, ou para trocar com outros produtos. A indústria e os serviços acontecem em lugares onde o setor agrícola é capaz de providenciar alimentos para todos. São tudo atividades que acontecem, fundamentalmente, no âmbito de atividades económicas em áreas urbanas.

Para além do crescimento demográfico e da densificação das áreas urbanas, também aí acontece a maioria das atividades económicas. Se atualmente vivem em áreas urbanas mais de metade dos habitantes do planete, cerca de 75 a 80 % da riqueza é produzida em espaço urbano. As áreas urbanas tendem a ser mais ricas do que as áreas rurais.

Isto faz do espaço urbano o centro das atividades contemporâneas. No entanto, um espaço urbano tem dificuldade em persistir sem uma ligação a um espaço rural de onde se pode abastecer de produtos alimentares. O espaço urbano é o centro das atividades económicas estão na cidade. As cidades constituem lugares de produção de riqueza.

Na agricultura, o crescimento da produção agrícola tem vindo a fazer com que o número de pessoas afetas a atividades no setor primários tenha vindo a diminuir. Há menos gente nas áreas rurais, mas estas áreas produzem muito mais produtos. O efeito desta relação entre o aumento da produção agrícola e a diminuição da população ativa nas áreas rurais, é o que vulgarmente se chama êxodo rural. Uma tendência que irá certamente continuar nos próximos anos, caso o aumento da produtividade agrícola se continue a difundir nas regiões do mundo com maior crescimento demográfico. A força de trabalho agrícola nos países mais desenvolvidos é hoje cerca de 1% da força de trabalho disponível. 1 % da população providencia alimentos para o resto da população. Isso vai libertar estes ativos para outras atividades na sociedade.

Isto significará profundas transformações na sociedade. Por exemplo, em África subsariana, onde hoje cerca de 60 % da sua população ainda vive da agricultura, no futuro essa relação irá inverter-se. O mesmo na Ásia, onde hoje cerca de 50% já viva em espaços urbanos. Há cerca de 40 anos a China era predominantemente um país rural. Hoje o seu crescimento urbano é surpreendente. Em 2030, as projeções da Agencia das Nações Unidas[1] apontam para que Na europa, na América Latina, na América do Norte, na Oceânia, em particular na Nova Zelândia e Austrália, sejam sociedades com percentagem entre os 70 e 80 % de população a residir em áreas urbanas. Tudo isso significa que há uma tendência para que a população que hoje vive em espaços rurais se concentre em espaços urbanos[2].

Em 1960, 34 % da população mundial vivia em espaços urbano, em 2015, são 54%. Em 1990, viviam em espaços urbano cerca de 2,5 biliões de pessoas, esse número aumentou para cerca de 4 biliões em 2015. Uma taxa de crescimento que é superior ao crescimento demográfico. A manter-se essa tendência, dentro de trinta anos (2050) o crescimento demográfico estimado da população mundial a viver em espaços urbanos, somará aos atuais 4 biliões de pessoas, mais dois biliões. Cerca de 6 biliões a viver em cidades. Um crescimento que se dará sobretudo na Ásia em a África[3].

Também se prevê, em linha com as tendências que atualmente se verifica, que aumentará a tendência para uma concentração urbana em mega cidades e áreas metropolitanas. Se no século passado assistimos a um crescimento de grandes metrópoles na Europa, nos Estados Unidos, e em alguns países da América do Sul (São Paulo, Cidade do México). Esse crescimento, nos últimos vinte anos regista-se igualmente na Ásia e em África, com as grandes metrópoles e mega cidades a surgirem. E estas cidades estão a crescer a um ritmo mais acelerado do que as cidades do velho mundo, que se mantem em crescimento, embora mais moderado.

Isso é um dos grandes desafios para o urbanismo atual. Garantir que estas novas cidades que estão a surgir, e que as cidades que já existem, mas continuaram a crescer, ofereçam bem-estar às sua população. Sejam lugares habitados, saudáveis, agradáveis, prósperos, seguros, limpos. Lugares sustentáveis.

Em suma: Temos estes objetivos de desenvolvimento sustentável. Podemos dizer que temos estes instrumentos que combinam os tais grandes objetivos de garantir uma economia próspera, uma sociedade justa num ambiente sustentável. Isso tem que acontecer nas cidades. Sem cidades sustentáveis, os ODS ficará aquém do desejado. Para que isso seja possível é necessário que estes objetivos sejam traduzidos em ações concretas pelas pessoas que habitam as cidades. Os ODS explicitam os instrumentos que orientam. Nada poderá ser adquirido sem a ação das pessoas e das comunidades locais. Não basta os governos e os parlamentos legislarem medidas. É necessário atuar a partir dos valores das comunidades. É necessário que os objetivos sejam traduzidos nas ações quotidianas de cada cidadão e nas suas formas de socializar. São valores que têm que estar presente na relação com a natureza.

É neste sentido que o objetivo nº 11 de cidades sustentáveis se relaciona com o objetivo nº 8 de ter emprego dignos, de ter uma economia circular e solidaria e assegurar uma transição energética que atuar sobre as alterações climáticas. É também nas cidades que se irá desenvolver a resiliência necessária para enfrentar a subida média do nível das águas do mar. É nas cidades que o desafio da participação cidadã, de sociedades pacíficas e que resolvam os seus conflitos sem violência pode ocorrer. Para isso temos que olhar para estes ODS e deles nos apropriamos e ajustarmos às nossas comunidades.

[1] http://www.unfpa.org.br/Arquivos/swop2016.pdf

[2] “http://data.worldbank.org/share/widget?end=2016&indicators=SP.URB.TOTL&start=1960&view=map” width=’450′ height=’300′ frameBorder=’0′ scrolling=”no” ></iframe>

[3] http://www.who.int/gho/urban_health/situation_trends/urban_population_growth_text/en/

Porque é que as cidades são importantes nos ODS – VI

Porque é que as cidades são importantes na nossa vida e no nosso mundo. Praticamente todos vivemos hoje em cidade ou em aglomerados urbanos. Mais de metade da população mundial vive hoje em áreas urbanas. Nem sempre foi assim.

No passado, a maioria da população vivia em áreas rurais, dependente da agricultura, da pesca ou no pastoreio. É certo que no mundo antigo existiam cidades: Ur, na Babilónia, no Egipto antigo, Atenas e Roma e Cartago no Mediterrâneo. Na Ásia, ao longo da Estrada da Seda, no Mundo andino e em África, Tombuctu Zimbabué. Umas cresceram e prosperaram, outras entraram em decadência, definharam ou desapareceram. Na Europa, por volta do século as cidades começaram a densificar-se em torno das bacias industriais. Uma densificação que foi alimentado por um crescente êxodo rural. Ao longo destes dois últimos séculos, este movimento foi contante. Segundo as Nações Unidas, por volta de 2007, mais de 50 % da população vive hoje na cidade. É um fenómeno que acontece pela primeira vez na espécie humana e na sua organização social. A tendência é para que este número continue a crescer.

Há um padrão no crescimento das cidades desde as primeiras aglomerações durante a revolução agrícola no neolítico. Cidades que nascem nas encruzilhadas das vias de comércio, terrestes ou ribeirinhas, nas áreas portuárias. Cidades que se foram densificando criando grandes áreas urbanas e mega cidades. Durante todos estes anos mais de metades dos habitantes eram rurais. Hoje mais de metade é urbana, e provavelmente, a meio do nosso século, 2 em cada 3 habitantes do planete serão urbanos.

Para além disso as cidades são também lugares onde a atividade económica é mais intensa. É nas cidades que a maioria das trocas de processam. É certo que a agricultura é uma atividade rural. Na medida em que a maioria dos habitantes do planeta vivem em cidades, é nas cidades que acontecem a maioria das trocas dos produtos agrícolas. A indústria e os serviços estão fundamentalmente em cidades.

Porque a Agenda Urbana e a sua relevância nos ODS V

Neste ponto abordamos algumas ideias que se constituem como relevantes na construção do processo de pensamento que está presente na formulação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, no seu contexto e circunstância, em particular no ODS 11. São apresentados dados que estimam as necessidades globais do futuro para criar cidades sustentáveis. Os resultados dos projetos de mudar o desenho da arquitetura das cidades para acolher o crescimento demográfico global estimado. São questões que aqui usamos para ajudar a refletir sobre o futuro a partir das questões particulares dos sítios onde se vive.

No final deverão ser capazes de responder às seguintes questões:

  • Qual é o impacto do crescimento da urbanização nos objetivos de Desenvolvimento Sustentável?
  • Como é que esse impacto afeta as diferentes áreas do desenvolvimento sustentável, tal como o uso do solo, as emissões globais e a justiça e a equidade social?
  • Como é que o processo de globalização com a crescente interconexão das sociedades e das trocas afetam o crescimento das megas cidade e regiões metropolitanas?

Os 17 objetivos de Desenvolvimento Sustentável IV

Os três grandes objetivos globais estão traduzidos nos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, aprovados em Setembro de 2015 pela Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York.

Tornaram-se objetivos universais, objetivos para todos os governos do mundo, para todos os cidadãos do mundo. Pela primeira vez na história da humanidade, há um projeto para todos em todo o lado. Terá certamente defeitos e haverá quem esteja descontente. Como todos os documentos internacionais tem limites e imperfeições, são resultados de negociações e representam o consenso possível num determinado momento. Mas tem uma grande vantagem para todos, se as diferentes organizações da sociedade dele se apropriaram. Uma vez que são objetivos universais, a sua aplicação deverá ter em consideração as especificidades locais. Por essa razão, cada governo, na sequência da aprovação dos ODS, comprometeu-se em desenvolver uma Agenda Nacional, e periodicamente a apresentar os respetivos resultados aos demais estados membros.

Nessas agendas nacionais contemplam a possibilidade de constituir agendas locais, agendas urbanas. A europa tem uma Nova Agenda Urbana, as normas do Habitat III[1]. O desafio dessa agenda é compatibilizar os seus objetivos com os ODS, que se constitui como uma Agenda para 2030. E é nas cidades, lugares onde está a maioria da população do mundo, onde estão a maioria das atividades económicas, e entre as quais se desenvolve a maioria das comunicações e trocas, que o desafio do Desenvolvimento Sustentável terá que ser alcançado.

É nas cidades que a melhoria do bem-estar, da segurança, da justiça social, do acesso à educação e à saúde da sociedade se concretiza. É portanto nas cidades e sobre as cidades que boa parte das nossas tarefes devem ser desenvolvidas para atingir os 17 objetivos.

São objetivos aliciantes. Eles constituem não só a nossa visão do nosso mundo, mas, também pela primeira vez na história, uma visão ou uma narrativa que as atuais gerações querem legar às gerações vindouras. Uma visão que hoje é possível, pois pela primeira vez na história da humanidade, emerge um consenso sobre a fragilidade do nosso planete face ao usos dos recursos naturais e sobre a organização social dos recursos disponíveis.

São objetivos gerais consensuais. O ODS 1, acabar com a pobreza extrema, que parece estar ao nosso alcance com uma correta distribuição dos recursos. ODS 2 – acabar com a fome no mundo e garantir a segurança alimentar em todo o planeta. Fundamental e possível; ODS 3 – assegurar a a cobertura universal de saúde, reduzir a mortalidade infantil e das doenças não terminais (doenças da civilização). Temos hoje uma ciência e tecnologia que necessita de estar ao alcance de todos. ODS 4 acesso universal à educação até ao nível secundário, para todos os rapazes e raparigas, e ao longo da vida.

São 17 objetivos que procuram alcançar metas económicas, como nesta caso de acabar com a pobreza absoluta, objetivos de justiça social, como por exemplo o ODS 5 de alcançar a igualdade de género, ou o ODS 10 de avançar para a redução das desigualdades sociais entre os países e regiões ou o ODS 16 de garantir sociedades pacíficas e justas.

Apresenta também objetivos ambientais, como por exemplo os ODS 11, 12, 13, 14, 15, que podemos considerar de conservação ambiental, garantindo a biodiversidade do planeta, manter as terras aráveis, como surge no ODS 15, e garantir a vida marítima (ODS 14). Garantir a segurança face às alterações climáticas, tal como foi também aprovado nos Acordos de Paris, ODS 13.

E é neste contexto que surge um objetivo relevante para este trabalho, o ODS 11, o desafio de garantir a sustentabilidade das cidades. Como temos vindo a referir estes objetivos, apesar de serem universais, devem ser implementados às escalas mais pequenas, tal como os países e as cidades e as comunidades locais.

Há também uma outra característica destes objetivos, que é a sua inter-relação. Em muitos deles, alcançar as metas propostas, implica igualmente o cumprimento de outros objetivos. Isso é particularmente evidente na agenda urbana. A agenda urbana é um dos ODS, o número 11, e é um objetivo decisivo nesta Agenda universal. O desafio de garantir cidades sustentáveis só é possível se os conselhos municipais, os órgãos políticos locais, as empresas locais e as comunidades locais se apropriarem deste objetivo.

Se olharmos, por exemplo para o ODS 8, de criar Emprego Digno para todos, é evidente que isso terá mais impacto no mundo urbano do que no mundo rural. Não porque não seja relevante no mundo rural, mas porque no mundo urbano um emprego decente tem um impacto superior na comunidade

O ODS 9, que procura criar infraestruturas e inovação, é um objetivo que se concretizará de forma evidente nas cidades. A qualidade das infraestruturas urbanas e a capacidade de criação de inovação é o centro da economia do futuro. E isso acontece nas cidades.

Também o ODS 12, de atingir uma produção e um consumo sustentável, numa economia de reciclagem, através de energia limpa, é fundamental para as cidades. Não é só o desafio da reciclagem doméstica. É nas cidades que os problemas de reciclagem, de produção e consumo responsável têm que acontecer. Em diferentes escalas. Os efluentes das cidades, quase todas elas situadas em zonas de estuário, constituem importantes desafios para o ambiente.

E o ODS 13, que implementa o Acordo de Paris sobre o Clima, se verificarmos é muito relevante para a Agenda Urbana na medida em que a maioria dos gases com efeito de estufa são emitidos para a atmosfera, nas cidades ou por motivos das atividades nas cidades (comércio internacional, produção de emergia, etc.)

[1] http://www.forumdascidades.pt/?q=content/habitat-iii-nova-agenda-urbana

Os desafios atuais do mundo, da sociedade e da economia: a agenda 2030 – III

Que desafios a cidade enfrenta? Um dos maiores desafios das cidades no século XXI é o seu desenvolvimento sustentável. Isso implica pensar que tipos de cidades queremos viver no futuro. Porque essas cidades terão que ser diferentes das atuais cidades, das cidades construídas no século XX, e que em muitos lugares ainda se continuam a expandir.

Essas novas cidades necessitam de ser organizadas de outra forma. A organização da cidade é uma questão essencial do ordenamento do território urbano. O urbanismo necessita hoje de ser pensado no âmbito do Desenvolvimento Sustentável, da Agenda 2030 das Nações Unidas. Uma agenda pensada por todas as nações para enfrentar os grandes desafios deste século.

Como é muitas vezes referido pelas nações unidas, o tempo em que vivemos é a Idade do Desenvolvimento Sustentável. Uma idade que tem um momento inicial em setembro de 2015, quando em Nova York é aprovada a Agenda 2030, com os seus 17 Objetivos de Desenvolvimentos Sustentável. Uma agenda aprovada polos 193 Estados representados na Assembleia Geral da UN, que se constitui como uma agenda mundial. Um compromisso que foi renovado, três meses depois em Paris, quando os mesmos Estados se comprometem com os Chamado Acordo de Paris sobre as Alterações Climáticas, onde ficaram estabelecidos os princípios que devem ser seguidos para inverter, ou conter o Aquecimento Global do Planeta até 2 º C, até 2050. O que está implícito no Acordo de paris e nos ODS é a necessidade do planeta efetuar uma transição tecnológica da base do desenvolvimento através das energias fósseis para energias renováveis.

O Desenvolvimento Sustentável é nesse sentido uma forma de organização dos princípios de ação da humanidade e das suas diferentes formas de sociedade para garantir a sua sobrevivência no planeta em condições de equidade e justiça social para todos e para as gerações futuras.

A Agenda 2030 e os Acordos de Paris combinam três objetivos centrais. O progresso económico, a justiça social e o equilíbrio ambiental. De fora destes objetivos ficou o papel da Cultura, como quarto pilar destes objetivos gerais, apesar de várias organizações o terem defendido, na sequência de diversos documentos das Agências das Nações Unidas[1].

E o que são estes três pilares dos ODS: O primeiro objetivo geral é o progresso económico ou o desenvolvimento da economia. O segundo objetivo, é atingir a justiça social e a inclusão. Isso quer dizer que o progresso económico e a prosperidade devem ser alcançados por todos em todos os lugares do planeta. O desenvolvimento sustentado tem como propósito não deixar ficar ninguém para trás nos benefícios a atingir. Todos os grupos sociais, as mulheres e as meninas devem estar em condições de equidade com os homens e rapazes. Os grupos minoritários e os povos indígenas não devem ser descriminados em função da sua posição minoritária na sociedade. O terceiro pilar é o da sustentabilidade ambiental. O progresso económico e o bem-estar social para todos devem ser alcançados em harmonia com os limites do planeta[2]. O planeta tem os seus limites, alguns mais conhecidos do que outros, mas um dos maiores desafios que temos que enfrentar são certamente o efeitos das Alterações Climáticas que estão a ocorrer. Efeitos que temos que minorar e enfrentar.

Ora uma das questões que tem induzido o aquecimento do planeta é o uso das energias fósseis. As energias fosseis começam a ser usadas no século XVIII ma Europa e Estados Unidos, e o seu uso tem vindo a ser exponencial neste últimos duzentos anos, produzindo emissões de Dióxido de Carbono (CO2) para a atmosfera, o que tem vindo a contribuir para um lento, mas constante aquecimento do planeta, que vai aumentando na razão direta da generalização e intensidade da produção de energia de base fóssil (carvão e petróleo, essencialmente).

A questão do aquecimento global não resulta apenas da combustão dos combustíveis fósseis. Esta também relacionada com o desaparecimento das florestas tropicais: A Amazónia, a grande floresta do Congo e na Indonésia. Estas florestas têm vindo a ser desbastadas para dar lugar a largas áreas de produção agrícola, alterando os processos de absorção e emissão de CO2 nestas regiões, que influenciam a circulação das massas de ar no planeta.

As ameaças ambientais ao planeta vão para além das emissões de dióxido de carbono para a atmosfera e a criação do efeito de estufa, e do derrube das florestas tropicais. Em muitas regiões do planeta, as atuais práticas agrícolas e industriais tem vindo a produzir muitos poluentes que acabam por ser introduzidos no ciclo da água, tornando o ambiente mais ácido. As águas do mar tornam-se mais ácidas e as barreiras de corais em diferentes partes do oceano Indico e Pacífico estão a ser afetadas e em acelerada recessão, arrastando com isso a destruição de importantes habitas da vida marinha.

A alteração dos usos da terra, para a criação de gado e para a produção de espaço urbano, tem vindo ao longo de século XX a implicar a ocupação de importantes e férteis áreas agrícolas, ao mesmo tempo que a destruição de habitats naturais tem vindo a destruir os espaços vitais das espécies botânicas e animais que vivem em estado selvagem e constituem uma importante reserva de biodiversidade. O risco de extinção de muitas espécies animais e vegetais, na terra e no mar, tem vindo a aumentar de forma muito intensa, uma ameaça que ainda será mais agravada com as alterações climáticas.

Foi para conter e minorar estas questões que os governos mundiais acordarem criar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável para 2030 e os Acordos de Paris sobre as Alterações Climáticas. Estas ferramentas, apesar das críticas que nos podem suscitar em relação aos fundamentos que têm presentes, procuram responder aos desafios que o planeta enfrenta, através da combinação dos objetivos de natureza económica em conjunto com a justiça social e a necessidade vital de encontrar caminhos para a sustentabilidade do planeta.

[1] Veja-se por exemplo a Convenção da UNESCO para a Promoção e Proteção da Diversidade Cultural de 2005. Leite, Pedro Pereira (2015) “Cultura e Desenvolvimento?” in Informal Museology Studies, nº 11

[2] Veja-se Leite, Pedro Pereira (2016). Museologia e Novas Fronteiras. Heranças Globais –Memórias Locais, nº 8.

Seis estudos de psicologia de Jean Piaget

Seis Estudos da Psicologia

Toda a necessidade leva a incorporar as coisas á atividade do sujeito (assimilar), e reajustar as últimas em função das transformações ocorridas (acomoda-las). A percepção e movimentos elementares (preensão), já que a memória e a inteligência reconstroem o estado anterior e antecipa as transformações futuras. A estrutura de assimilação vai várias das formas de incorporação, percepção e movimento até as operações superiores, podem dizer “adaptação”, ao equilíbrio da assimilação e acomodação.

A 1ª Infância ( 2 a 7 anos )

Com o aparecimento da linguagem as condutas afetivas e intelectuais, a capacidade de reconstruir e de antecipar suas ações futuras, resulta o inicio da socialização, a aparição do pensamento e  perceptiva e motora. A criança se acha em dois mundos novos, o mundo social e o das representações interiores, a criança reagirá às relações sociais, se adaptando às leis de equilíbrio, uma repetição parcial dos mecanismos íntimos da evolução mental.

Piaget cita Baldiw que diz, “os exemplos vindos do alto serão modelos que a criança deverá procurar copiar ou igualar”, aos aos 7 anos as crianças não sabem discutir entre elas, com dificuldade colocar seu ponto de vista, como se falando para sí mesma. A criança fala a si própria, sem cessar, em monólogos, em seus jogos e sua atividade, que constituem uma linguagem espontânea entre crianças de 3 a 4 anos, diminuindo por volta dos 7 anos.

Em função destas modificações gerais da ação, assiste-se a 1 infância a uma transformação da inteligência , de senso-motor influência da linguagem e socialização, permitindo contar suas ações.

A linguagem é um veículo de conceitos e noções que pertence a todos e reforça o pensamento individual de pensamento coletivo, durante as idades de 2 a 7 anos, encontra-se as transições entre duas formas de pensamento, sendo que a segunda domina a primeira.

No nível de vida coletiva ( 7 a 12 anos), as crianças constituem jogos caracterizados por obrigações comuns ( regras de jogo ), é o jogo simbólico ou jogo da imitação, sua função consiste em satisfazer o eu por meio de transformação real em função dos desejos.

A forma de pensamento mais adaptada que a criança conhece é o pensamento intuitivo (pois a intuição é a lógica da 1ª infância), para saber como a criança pensa espontaneamente, basta saber onde se encontram os objetos desejados e como se chama as coisas os “por quês “, que o adulto tem dificuldade de responder.

Um dos motivos dos por quês infantis tão obscuros para a consciência adulta, que explica as dificuldades para responder as crianças, “essas perguntas se relaciona a fenômenos que não comportam precisamente porquês, já que ocorrem ao acaso”, pois não há acaso na natureza, tudo é feito para os homens e crianças, no qual o ser humano é o centro.

Toda a causalidade desenvolvida na 1 infância participa das mesmas características “a indiferenciação entre o psíquico e o físico e egocentrismo intelectual “, até cerca de 7 anos a criança permanece pré-lógica e suplementa a lógica pelo mecanismo da intuição, todo hábito é irreversível, portanto é normal que o pensamento da criança comece por ser irreversível.

No nível de desenvolvimento há 3 novidades afetivas ( afeições, simpátias e antipatias ), ligadas a socialização das ações entre adultos e crianças. O interesse é a orientação própria a todo ato de assimilação mental, “ incorporar entre o objeto a atividade do sujeito”, assim o interesse começa com a vida psíquica, desempenhado papel essencial do desenvolvimento da inteligência senso-motor “.

O interesse apresenta dois aspectos, é regulador de energia, pois mobiliza as reservas internas de força, para que um trabalho interesse para parecer fácil e para que a fadiga diminua, por isso que os escolares alcançam um rendimento melhor quando tem haver com seus interesses e os conhecimentos correspondam as suas necessidades. Assim durante a 1 infância se nota o interesse através das palavras, desenhos, das imagens, dos ritmos, de certos exercícios físicos.

Os interesses estão ligados aos sentimentos de auto-valorização, sentimentos de inferioridade ou superioridade, assim que se torna possível a comunicação entre a criança e o meio ambiente, um jogo sutil de simpatias e antipatias vai se desenvolver, havendo simpatias em relação as pessoas que respondem aos interesses do sujeito e que o valorizam, inversamente, a antipatia nasce da ausência de gostos comuns e da escala de valores.

Quanto ao amor da criança por seus pais, os laços de sangue estão longe de poder explicar, se não considerar a íntima comunidade de valorização que faz com que todos os valores das crianças sejam moldados à imagem dos pais.

A primeira moral da criança é a da obediência, a vontade dos pais, a moral da 1 infância fica dependente de uma vontade exterior (pais).

A  2ª Infância de   ( 7 a 12 anos )

Na idade média de 7 anos observa-se o aparecimento de formas de organização novas, um equilíbrio mais estável uma serie de novas construções. A criança depois dos 7 anos, torna-se capaz de cooperar, por que não confunde mais seu próprio ponto de vista com os dos outros, as discussões tornam-se possíveis, por que comportam compreensão, quanto ao comportamento coletivo constata-se que depois dos 7 anos notável mudança nas atitudes sociais.
O essencial é que a criança a partir dos 7 ou 8 anos se torna suscetível a um começo de reflexão, pois começa a se liberar do egocentrismo social e intelectual, tornando-se capaz de novas coordenações que será importante para a inteligência e afetividade.
As operações do pensamento depois dos 7 anos correspondem à intuição, que é a forma de equilíbrio que o pensamento atinge na 1 infância, por volta dos 7 anos se constitui uma série destes sistemas de conjunto que transformam as intuições em operações de todas as espécies, é o que explica as transformações do pensamento.
É preciso esperar os 9 anos para se obter uma seriação dos pesos ( tamanhos iguais), e 11 ou 12 anos para chegar à mesma conclusão quanto ao volume.
Resumindo basta que a criança se interesse por um trabalho para achar as forças necessárias para fazê-lo, enquanto que o desinteresse cessa o emprego desta energia.

                                             A  Adolescência ( 12 a 17 anos )

As reflexões poderiam levar a crer que o desenvolvimento mental termina por volta dos 11 ou 12 anos, e que a adolescência é simplesmente uma crise passageira, devido à puberdade que separa a infância da idade adulta. A maturação do instinto sexual é marcada por desequilíbrios momentâneos, que dão um colorido a todo este ultimo período da evolução psíquica.
As conquistas da adolescência asseguram ao pensamento e a afetividade um equilíbrio superior ao que existia na 2 infância, os adolescentes tem poderes multiplicados, inicialmente perturbam a afetividade e o pensamento, mas depois os fortalecem.
Ele constrói sistemas e teorias, sendo que a criança não, ela os tem inconsciente, já que a criança não os reflete. O que surpreende no adolescente é o seu interesse por problemas inaturais, sem relação com seu dia a dia, e o que espanta é sua facilidade de elaborar teorias abstratas.
Por volta de 11 a 12 anos efetua-se uma transformação fundamental no pensamento da criança, que marca o termino das operações construídas durante a segunda infância, é a passagem do pensamento concreto para o formal “ hipotético-dedutivo”.
Ora, após os 11 ou 12 anos, o pensamento formal torna-se possível, as operações lógicas começam a ser transpostas do plano da manipulação concreta para o das idéias, expressas em palavras ou dos símbolos matemáticos.
As operações formais fornecem ao pensamento um novo poder, que consiste em libertá-lo, permitindo construir as suas reflexões e teorias, a inteligência formal marca a libertação do pensamento, está é uma das novidades essenciais que opõe a adolescência à infância “a livre atividade da reflexão espontânea”.
A capacidade da vida mental começa por incorporar o mundo em uma assimilação egocêntrica, para só depois atingir o equilíbrio, através de uma acomodação ao real. O equilíbrio é atingido quando a reflexão compreende que sua função não e contradisser, mas se adiantar a interpretar a experiência.
A vida afetiva do adolescente afirma-se através da dupla conquista da personalidade e de sua inserção na sociedade adulta, chegando até a fazer da personalidade um produto social, estando ligado ao papel que desempenha na sociedade.
A personalidade começa no fim da infância 8 a 12 anos com a organização autônoma das regras, dos valores e a afirmação da vontade, com regulação e moral das tendências, funcionamento como disciplina para a vontade e cooperação.
A criança pequena traz tudo para si, sem o saber, sentindo se inferior ao adulto e aos mais velhos que imita, já o adolescente ao contrario, graças sua personalidade em formação, coloca-se em igualdade com seus mais velhos, mas sentindo-se outro, diferente deles, pela vida nova que o agita, então quer ultrapassa-los e espanta-los, transformando o mundo.
Em geral, o adolescente pretende inserir-se na sociedade dos adultos por meio de projetos, de programas de vida, de sistemas muitas vezes teóricos, assim quando se reduz à puberdade, está atingindo uma renovação total que o caracteriza, certamente, o adolescente descobre em certo sentindo o amor.
Na realidade a tendência mais profunda de toda atividade humana é a marcha para o equilíbrio, reunindo a inteligência e a afetividade.

                                  Os estágios de desenvolvimento de Piaget

1)                      Sensório-motor – 0 a 2 anos – crescimento intelectual nas ações motoras e sensórias das crianças, ( permanência de objetos), o bebê procuram e encontram objetos escondidos.

2)                      Pré operacional – 2 a 7 anos –  nesse período entendem as técnicas simbólicas (2 a 4 anos), aparecendo o jogo imaginativo, nessa fase dominam os símbolos e representações, mas não usam de forma ser entendidos ( 18 a 24 meses), e o período intuitivo ( 4 a 7 anos).

3)                      Operações concretas – 7 a 11 anos – o uso de operações, nesse período desenvolve o intelectual, noções de tempo, espaço, velocidade, racionam bastante com materiais concretos, a medida que se desenvolvem as operações se tornam características do seu pensamento, ficando evidente nas resoluções de problemas e na interação social.

4)                      Operações formais – 11 a 15 anos – por volta da adolescência, já elaboram e desconfiam, raciocinam a partir de afirmações, com dificuldades com alternativas/formular hipóteses e o egocentrismo (incapacidade de diferenciar o sujeito do objeto ).

Obs: A cada salto de estágio (transições), acontece o surgimento gradual de novas técnicas, experiências cumulativas de pensamento, as mudanças no desenvolvimento de como se conhece e compreende seu mundo, a estrutura da inteligência muda a medida que a criança se adapta para incorporar novas informações.

  • Piaget, Jean – Seis Estudos da Psicologia – ( 1997 );

Introdução aos Objetivos de desenvolvimento Sustentável – II

Neste primeiro ponto fazemos uma introdução à Agenda 2030 das Nações Unidas. A questão da necessidade de assegurarmos espaços ambientalmente sustentáveis, de criamos economia prósperas e que promovam a equidade e a inclusão social.

No final, deverá desenvolver o tema respondendo às seguintes questões.

  • Qual é o papel dos acordos internacionais, tal como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e o Acordo de Paris sobre o Clima (2015)? Que tipo de medidas e resultados se procura desenvolver e atingir?
  • Como pode a sua cidade ser mais sustentável? O que pode ser feito (como resolver os problemas de tráfico, de reciclagem, de energia, de inclusão social, etc.) para aumentar o impacto das ações na cidade e melhorar o ambiente, a economia e a sociedade. Que desafios sociais a cidade enfrenta?

Os desafios dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no Urbanismo – I

Este texto é uma breve introdução à questão da Sustentabilidade nas cidades, no âmbito do ODS nº 11 na agenda 2030. A questão urbana é um dos maiores desafios do século XXI. O crescimento urbano tem sido constante e estima-se que pela primeira vez, na história da humanidade, mais de metade da população humana viva em cidade, um número de deverá aumentar até meados deste século.

O desafio urbano no âmbito da nova agenda mundial relaciona-se também com outros objetivos, nomeadamente duas das questões que são mais complexas. A questão energética e a questão das alterações climáticas. Duas problemáticas que desafio diretamente a vida urbana, que necessita de energia e de criar resiliência nas suas infraestruturas. Para além destes dois desafios, as cidades são, também, pelas suas vida social, o lugar onde esses problemas necessitam de ser resolvidos.

Apresentamos assim nesta introdução ao Urbanismo no Desenvolvimento Sustentável, cinco pontos. O primeiro, o que são os ODS e a agenda 2030. Em segundo lugar de responder porque é que as cidades são fundamentais na agenda 2030. Depois uma agenda de 10 pontos para as cidades do século XXI. Em quarto lugar, o desafio do ambiente e dos sistemas de emergia nas cidades. Finalmente, as oportunidades das cidades como Hubs criativos para a criação de inovação social

Museus e Turismo

Conferencia MINOM 5 de agosto 2017, Monte Redondo [1]

Integrada na Museum ’17 Festum o Ecofestival realizado pelo Museu do Casal de Monte Redondo, entre 3 e 6 de agosto, a Conferência foi dinamizada por Fernando João Moreira, Diretor e Professor na Escola Superior de Turismo do Estoril[2], desenvolvendo o debate em torno das mais recentes dinâmicas do turismo e as oportunidades que elas apresentam para os processos museológicos à escala local.

Em alguns estudos recentes sobre turismo, vários autores[3] têm vindo a chamara a atenção para algumas tendências atuais do turismo de valorizar a experiencia do lugar. É um tipo de turismo que se baseia na valorização dos recursos locais no território, e na satisfação das comunidades locais pela presença e experiencia dos visitantes. Este tipo de turismo, que cria pontes (do inglês Bridging) e liga pessoas pode constituir-se como um instrumento de desenvolvimento nos territórios e criar oportunidade para um envolvimento ativo para as organizações e processos patrimoniais.

Este tipo de espaços, sejam eles território deprimidos por regressão das atividades industriais, seja por abandono das culturas agrícolas tradicionais agrícola, normalmente de baixa densidade e fora dos grandes aglomerados urbanos, podem pensar o turismo como uma possibilidade de desenvolvimento dos seus recursos patrimoniais. É certo que tem que enfrentar o desafio ou a tentação do turismo de massas ou da monoprodução turística e encontrar formas de alojamento local, de preferência junto da comunidade, que possibilite a criação de laços e encontros. Não se trata dum fluxo elevado de visitantes, mas de fluxos de baixa intensidade, que procuraram, junta das comunidades, apreciar as experiencias do e no território.

Embora o turismo de experiencia se possa pensar como um instrumento adequado aos territórios em recessão económica ou periféricos (naquel que será o seu modelo mais puro), vários autores têm chamado a atenção para as oportunidades do turismo de experiencia nos grandes centros urbanos. A experiencia no território, com as comunidades pode contribuir para processo de resiliência contra a gentrificação que os processos turísticos hegemónicos estão a produzir nos centros urbanos históricos.

Esta questão pode ser equacionada no âmbito do papel dos processos museológicos na sua relação como o desenvolvimento turístico e com o desenvolvimento do território. No seu início os ecomuseus, procuraram ser uma resposta para procurar novos usos nos territórios a partir dos seus patrimónios e da natureza do território. Esta é uma questão que tem vindo a ser debatida no âmbito da relação dos museus com o turismo. Normalmente, a questão é colocada no âmbito da contribuição da cultura e dos equipamentos culturais para a formação de produtos turísticos. Numa prespetiva pensada a partir dos interesses da comunidade, é interessante pensar no sentido inverso. Isto é, de que forma é que aquilo que existe pode constituir um modelo para atrair turistas. Um turismo que não molda o território para satifação de necessidades de mercado de massa, mas um turismo, de nicho de mercado, que usa as oportunidades oferecidas pelso territórios e pelas comunidades.

Uma das ideias que os processos turísticos envolvem é a questão da capacidade de carga turística do território. Uma ideia através da qual se tem procurado inserir alguma limitação ao uso turístico dos territórios, sobretudo os territórios de maior sensibilidade ambiental. A carga ecológica dum território é um indicador que tem vindo a ser desenvolvido através da equação entre a capacidade de carga ambiental, social e económica. Trata-se dum importante limite de usos do território e tende a envolver a comunidade na formulação da decisão sobre as implicações nas escolhas dos tipos de turismo que procuram atraír. Algumas comunidades onde estas estratégias têm vindo a ser desenvolvidas, mostram que um modelo de turismo bem orientado, leva ao crescimento das atividades turísticas em benefício das comunidades locais e das economias locais.

Há ainda várias questões que a economia do turismo tem vindo a colocar às organizações culturais. O da sua ligação mercado. Por via dos processos turísticos muitas das organizações ligadas á cultura, sobretudo a que se relacionam com os patrimónios, sofrem diversas pressões para ajustarem a sua oferta às dinâmicas do turismo. A relação entre a economia criativa e a economia do turismo têm constituído uma poderosa justificação para os processos de investimento em equipamentos culturais, voltados para o mercado turístico.

Alguns novos museus em espaços urbanos são criados nesta lógica. Isto levanta a questão se devemos pensar os equipamentos culturais como uma monocultura ou como um instrumento de desenvolvimento integrado dum território, onde os diferentes atores escolhem e decidem o modelo territorial que procuram projetar.

Os estudos críticos sobre o turismo têm vindo a chamar a atenção para as externalidades que os processos turísticos produzem num dado território. Parece existir um certo consenso, em abstrato, que os processos turísticos tradicionais têm a ganhar com o aproveitamento dos recursos patrimoniais e culturais dum dado território. Que turismo e cultura de potenciam mutuamente. Que contribuem para o desenvolvimento do território, em termos do aumento das trocas comerciais, na criação de riqueza e de emprego. Nesas análises ambos os processos se enquadram nos modelos económicos dominantes, no modelo liberal democrático, dando respostas às especificidades dos lugares e criando algumas alternativas de uso do território.

Atualmente emerge novas formas de turismo crítico, chamado turismo com causas que podem emergir no âmbito do chamado turismo 3.0 (o turismo 1.0 é o período de criação do produto turístico, o turismo 2.0 é o período dos anos 90 e 2000, com base no Marketing turístico, na relação entre a oferta e o consumidor, e o turismo 3.0 é o turismo com base no desenvolvimento de plataformas tecnológicas).

Neste novo tipo de turismo, de desenvolvimento tecnológico, a relação entre o turismo, cultura e o desenvolvimento do território tem vindo a alterar-se. O modelo modelos alternativos de turismo têm vindo a reconfigurar-se. Por exemplo, o turismo crítico tem vindo a chamar a atenção para a ligação entre o turismo e a reflexão sobre o modelo social. Sobre a questão da pobreza, da igualdade de género, da saúde, da educação ao longo da vida. É neste quadro que se devem analisar as novas formas de turismo que estão a emergir.

Que novas formas de turismo estão a surgir.

  1. O Advento do turismo de experiencia. É um tipo de turismo onde se vende a experiencia. Não está centrado no serviço, mas na atividade
    1. (veja-se o caso da azenha das sedas[4])
  2. Co criação do turismo. É um tipo de turismo onde se oferece ao visitante a oportunidade de construir a sua experiencia
  3. O turismo de transformação. Na basta a experiência do momento, é necessário prolongar a experiência e introduzir uma auto aprendizagem
  4. O turismo com causas, com responsabilidade social. Ato turístico como ato de criação de responsabilidade no mundo. São determinados tipos de turismo comunitário. Envolve a criação de redes de turismo comunitário. É um tipo de turismo onde o poder de decisão esta na comunidades, tem como objetivo melhorar a vida da comunidade. Comunidade está no princípio, no meio e no fim do turismo.
  5. O turismo de rede de cooperação. É um turismo que se desenvolve por via das redes sociais de cooperação. É um turismo que envolve a cocriação, a gestão de fluxos de informação e a criação de fluxos de poder.

Algumas referencias:

Timothy, Dallen (2016). “The Heritage Tourist Experience”, London,routledge). Fala-nos da emergência da sociedade do sonho. A experiência turística deverá evoluir par a 4º estádio da sociedade (depois da alimentação, da energia, da informação, a sociedade avançaria para a experiencia dos sonhos. A sociedade da experiencia. O valor dos novos produtos são medidos pela capacidade de produxir felicidade. Quanto fizerem voar, mais são valorisados. Trata-se do fim da relação Fda relação qualidade serviço em vavor da qualidade da experiencia.

Os museus e a museologia podem acrescentar valor à dimensão do sonho. Tal como nos anos setenta em Lamur e a museologia e o património, pelo valor das historias associadas aos produtos, contribui para este novo turismo. O que deve ser valorizado é o hotel que nos fazem viver emoções e o que é relevante é a componente emocional e da histórias.

O turismo pode transformar-se num processo de emancipação do território e das comunidades. O turismo comunitário desenvolve-se de dentro para fora. Promove o que há de dentro. É contrário às formas de alienação. É um turismo que cria laços, que evita o revivalismo, procura criar solidariedades. Torna-se portanto necessário pensar qual o lugar dos museus nete novo turismo justo e solidário. Se o turismo está a mudar como integrar os processos museológicos nestes novos modelos.

Os museus locais e sociais têm um papel mais ativo e abrem novas janelas para estas atividades. O novo turismo trás para os museus um novo tipo de atores e permite criar novos pactos e permite criar novas narrativas.

No novo turismo, o museu local pode oferecer novos fatores de competitividade ao turismo. O novo turismo vive da diferença e da especificidade do lugar. Nesse sentido pode desempenhar um papel de charneira entre o passado e o presente, permite acrescentar valor e ser mediador das trocas. O Museu pode assim ter um papel vigilante em relação ao modelo de desenvolvimento turístico e do território contribuindo para a participação da comunidade a inclusão construção da justiça cognitiva. A luta pela qualidade de vida e do Bem-estar tem como referencia o índice de felicidade interna bruta.

Exemplos de de turismo cultural

  • Serra de Agra. Turismo cultural
  • Cooperativa Terra Chã[5]
  • Herdade do Monte do Freixo do Meio, Montemor-o-Novo[6]

[1] http://www.museumonteredondo.net/index.php/61-iv-museum-festum-3-a-6-de-agosto

[2] Fernando Moreira, Doutor em Museologia pela ULHT. http://www.museologia-portugal.net/files/upload/doutoramentos/fernando_moreira.pdf

[3] Timothy, Dallen (2016). “The Heritage Tourist Experience”, London, Routledge

[4] http://www.azenhasdaseda.com/Aquaturismo/ALENTEJO_EM_ESTADO_LIQUIDO.html

[5] https://www.facebook.com/cooperativaterracha/

[6] https://www.herdadedofreixodomeio.pt/

Eduard Said (1935-2002) e o Orientalismo

Eduard Said pensador.  professor de literatura na Universidade de Columbia, em Nova York e escritor palestino, nascido em Jerusalém, Edward Said marcou o rumo do pensamento contemporâneo com este livro, publicado em 1978, deixando em evidência os mecanismos de dominação  e de montagem de imagem que são e foram aplicados nos processos de colonização.

Este livro é seminal para o início de novas disciplinas cientíricas como são os Estudos Pós-Coloniais e a Teoria Crítica das Raças. O achado teórico de Said, e que tanto influiu nos estudos humanísticos pós-modernos não diz só sobre o passado, não se coloca como uma ferramenta crítica que permita ao historiador da cultura ou aos estudos literários compreender melhor o passado, ele sustenta que esse procedimento, chamado aqui invenção do outro, mantém sua vigência até hoje, servindo como instrumento de dominação.

Ele mostra como a representação que Ocidente fez de Oriente, com muita pouca relação com a realidade, e argumenta que essa representação _ que foi aceita com naturalidade pela comunidade científica e pelo imaginário popular ocidental_ foi necessária para que o Ocidente se (auto)definisse _encontrando um Outro, o oriental, que ajudasse, por  diferenciação, a se conhecer e elevar a si mesmo_ e legitimasse seus  interesses colonialistas. Do O Dezoito Brumário de Luiz Bonaparte, de Karl Marx , utiliza a frase: “Não podem representar a si mesmos; devem ser representados”, assim com Oriente, eterno, homogêneo e incapaz de se definir a si próprio;se referindo aos povos que os Europeus iam conhecendo e colonizando, utilizando o critério de descoberta e não o de encontro que conhece . Outra citação que ajuda a metaforizar de forma concreta sua demonstração é a extraída de Tancredo, de Benjamim Disraeli: “O Leste é uma carreira”. Outros autores como como Homero, Nerval, Flaubert, Kipling entre muitos outros, permitem a Said inscrever, na literatura universal, e nela encontrar subsídios para sua argumentação, apoios para sua tese em descrições, personagens, cenas, roteiros e imagens que em muito contribuíram para a idéia exótica e romântica que o Ocidente tem do Oriente.

Com brilhantismo, o efeito persuasivo da escrita de Saer é poderoso sobre o leitor.

Para sua demonstração o autor realiza uma descrição muito fundamentada dos processos de formação dos estereótipos sobre Oriente_ aberrante, subdesenvolvido e inferior. A tese central de Said é que o Oriente é uma invenção ocidental, uma espécie de imagem refletida no espelho para legitimar a identidade eurocentrista e discriminatória do Ocidente_ racional, desenvolvido, humanitário e superior. Suas perguntas chave, e que tocam o leitor são: Como representamos outra cultura? O que é outra cultura? Podemos definir o que é cultura quando pensamos na diferença racial, religiosa, social ou as elaborações teóricas sobre o tema sempre são interessadas, prontas para autodefinir a cultura própria no que deve ser preservado e defendido da hostilidade e agressão da outra desconhecida? E qual é o papel do intelectual que, atuando como mediador, propõe-se a traduzir, em termos linguísticos, semióticos e culturais uma  cultura para outra? Em que medida, pergunta-se o autor e nos perguntamos os leitores, esse mediador dá fundamentação ética e teórica aos processos de colonização e domínio que envolvem sempre procedimentos genocidas? Edward Said pergunta como é que a filologia, a história, a biologia, a teoria económica e política, a literatura serviram e servem utilizando seu instrumental crítico e teórico para elaborar essas ideias preconcebidas do que é o Outro _ temido, perigoso e por isso mesmo alvo de políticas de pacificação_ comenta uma série de textos e documentos, mostrando o discurso orientalista através de pronunciamentos políticos, relatos de viagem, estudos sobre a religião, a geografia e a história e mais especialmente as obras literárias de alguns poetas romancistas europeus fascinados por um Oriente distante e desejado que integra o imaginário do homem ocidental.

As bibliotecas e a implementação da Agenda 2030 da ONU”

Tradução portuguesa 

Desde o início deste ano que a BAD assumiu o compromisso junto da IFLA de fomentar em Portugal uma maior consciência junto dos profissionais e dos decisores políticos sobre a importância das bibliotecas e do acesso à informação no âmbito da Agenda 2030 da ONU e quanto ao seu contributo para o cumprimento das metas dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

No seguimento na participação no IAP (Internacional Advocacy Programme) da IFLA, da realização de workshops e seminários sobre o tema, da divulgação junto da comunidade profissional dos principais documentos orientadores e da preparação de um questionário nacional para recolha de projetos relevantes desenvolvidos por serviços de informação, a BAD contribui agora também na tradução para português dos principais documentos da IFLA.

Está já disponível no website da IFLA a versão portuguesa do documento “Toolkit: Libraries, Development and the United Nations 2030 Agenda”. Este conjunto de ferramentas tem como objetivo auxiliar os profissionais no seu trabalho de advocacy junto dos decisores locais e nacionais, por forma a garantir que as bibliotecas e o acesso à informação são referidos nos Planos de Desenvolvimento Nacionais enquanto meio para garantir o cumprimento dos objetivos definidos na Agenda 2o30 da ONU.

A BAD agradece o trabalho de tradução e revisão dos associados: Sandra Dias, José António Calixto e Bruno Duarte Eiras.

Fórum Político de Alto Nível encara desafio em segundo ano de implementação da Agenda 2030

Por Claudio Fernandes

Foram duas semanas intensas de trabalho em Nova York para membros do GT da sociedade civil para a Agenda 2030 do desenvolvimento sustentável no Brasil. Em diversas ocasiões foi apresentado o Relatório Luz (Spotlight Report), com representantes do GT presente em mesas de eventos paralelos e, duas vezes, em eventos oficiais – ODS 17 e apresentação do Relatório Nacional Voluntário do Brasil.

A negociação da Declaração Ministerial do ECOSOC, documento oficial resultante do evento, foi até o último momento, com três pontos de contenção: territórios sob ocupação, objetado por Israel e Estados Unidos; enquanto Canadá e Austrália pediram linguagem mais forte em gênero; e a nova contenção americana sobre o clima fazia sua estreia para os futuros embates de resoluções e declarações da governança multilateral. “Foi feio ver o voto isolado de ressalva (desassociação) dos Estados Unidos no parágrafo sobre o clima.” Avaliou Alessandra Nilo após testemunhar a sessão.

Mas tudo isso já é a conclusão apressada que serve mais para quem esteve lá do que para quem tem interesse no assunto, estando fisicamente distante. Vamos aos fatos.

HLPF-13b

Atividades envolvendo o GT

Segunda-feira, 10.07 |Primeiro dia do Fórum Político de Alto Nível com filas longas para fazer o cadastro e receber o passe para poder entrar na ONU. O calor estava intenso neste úmido verão de Nova York.

Terça-feira, 11.07 | A primeira atividade de lançamento do Relatório Luz foi no evento paralelo do início da manhã do segundo dia promovido pela Plan Internacional e a Visão Mundial. Neste evento falaram Flavio Debique e Welinton Pereira, respectivamente, e Claudio Fernandes da Gestos, sobre os desafios da Erradicação da Pobreza e seus efeitos sobre a Infância no Brasil. Porém foi a realidade exposta por uma garota de dezoito anos, oriunda da pobreza das periferias urbanas brasileira que, mesmo através de uma tradutora, expressou tamanha eloquência e simpatia, dominando o evento, onde os dados técnicos eram corroborados pela metonímia viva do depoimento de Larissa Santos, cuja presença marcante é resultado do trabalho de ONGs comprometidas.

A pobreza é a expressão da violência sistêmica sobre a criança, o grupo etário mais afetado por sua consequência. Enquanto, em média geral, 27% da população brasileira é pobre, ou seja tem acesso a menos da metade do salário mínimo, 40% das crianças são pobres. Resolver o problema da pobreza é criar oportunidades para as próximas gerações a conseguirem aprumar o Brasil.

Quarta-feira, 12.07 | A Gestos, através do economista Claudio Fernandes, expôs no evento ODS 1 e Desigualdade, organizado pela GCAP (Ação Global contra a Fome). Este evento deixou evidente que é necessário políticas públicas eficientes de redistribuição de renda, não somente transferência condicional de parcos recursos, mas mudar o paradigma de tributação para um regime de progressividade fiscal se for realmente para eliminar a pobreza até 2030.

Duas horas depois, Alessandra Nilo debateu sobre as lições aprendidas a partir da experiência de produzir um Relatório Luz em um evento promovido pela UN-DESA sobre Engajamento de Partes Interessadas na construção de Relatórios Nacionais Voluntários. Ficando óbvio a partir daí que um dos temas principais do Fórum seria o encolhimento do espaço de participação da sociedade civil organizada nos processos nacionais, com algumas exceções, como em eventos da própria ONU e alguns países que honraram o compromisso de inclusão contido na Agenda 2030.

HLPF-0b

Thomas Gass (UN-DESA) e Alessandra Nilo (Gestos/GTSC A2030) em evento paralelo.

Quinta-feira, 13.07 | Pela manhã vários representantes de organizações do GT para a Agenda 2030 estiveram no evento paralelo do Grupo da Sociedade Civil para o Financiamento para o Desenvolvimento. O evento buscava Coerência Política e Financiamento para o Desenvolvimento com Equidade de Gênero. Diversos problemas foram apontados pelo painel, que enxergam a mentalidade isolada na governança pública, a falta de transparência e responsabilidade fiscal, os interesses privados e os altos investimentos em armas são obstáculos à políticas coerentes que possam combater as desigualdade de gênero na raiz do problema. Soluções existem a médio e longo prazo, a Agenda pode ajudar, principalmente os ODS 4, 5, 8 e 9. Através da educação e de uma mudança profunda na forma de governar.

À tarde, na sessão de diálogo temático oficial, representando o Grupo Maior de ONGs, Claudio Fernandes compôs e leu um depoimento sobre os Meios de Implementação, a partir de sua própria contribuição ao Documento de Posição do GM, com ideias que ao final foram reforçadas pela Embaixadora da Suécia que estava à mesa.

HLPF-4b

Fadekemi Akifadenrin (Nigéria), Marie Claire Price (Reino Unido), Sinara Grumieri (Brasil) e Oriana Gimenez (México) da RESURJ – Coletivo feminista por justiça e saúde sexual e reprodutiva.

Logo após, Sinara Gumieri, da ANIS – Instituto de Bioética – apresentou, em evento paralelo organizado pela RESURJ, o dilema da saúde sexual e reprodutiva de mulheres em regiões de alta incidência de Zika. O depoimento foi acompanhado por um vídeo documentário que deixou a sala em silêncio diante dos desafios apresentados. Mostrando o caminho longo a ser percorrido para se alcançar e manter direitos no Brasil.

Sexta-feira, 14.07 |Pela manhã Alessandra Nilo conduziu uma oficina para representantes de ONGs de vários países sobre como construir relatórios paralelos. A oficina foi organizada pela UN-DESA.

À tarde, várias organizações do GTSC participaram da reunião anual do Grupo Maior de ONGs que incidem na ONU. O Baha’i Center foi eleito no ano passado para conduzir e facilitar o processo para ONGs do mundo que vão participar em eventos nas Nações Unidas. O Grupo Maior de ONGs é um canal de inserção política de organizações da sociedade civil nos processos de negociação em andamento.

HLPF-6b

Joara Marchezini na mesa do evento da TAP Network.

No terceiro turno da tarde de verão novaiorquina, quando a noite ainda é dia, Joara Marchezini, da Artigo 19 apresentou o Relatório Luz e a experiência brasileira no monitoramento do ODS 16 – Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis – em evento paralelo produzido pela rede TAP (Transparência, Accountability e Participação). Joara destacou a situação carcerária e a perseguição a ativistas e jornalistas no Brasil. O país é o campeão de assassinatos de ativistas ambientais no mundo. Ao mesmo tempo com o problema de baixa confiabilidade nos dados oficiais referentes à violência, por exemplo.

Fim de semana de mais trabalho

A campanha Ação para o Desenvolvimento Sustentável reúne diversas redes e organizações sociais. É conduzida pela Civicus, uma rede de redes sociais. Durante o fim de semana o IDS – Instituto Democracia e Sustentabilidade – e a Gestos apresentaram a experiência da construção do Relatório Luz no Brasil para uma fiel audiência de representantes da sociedade civil global que passaram o fim de semana reunidos para discutir Como falar a verdade: responsabilidade cidadã e inclusão nos processos de revisão nacional voluntária para o HLPF.

Vários países tiveram relatórios paralelos desenvolvidos pela sociedade civil organizada. De uma maneira geral, todos mostram uma narrativa voltada a questionar qualitativamente os ganhos quantitativamente econômicos apresentados pelos governos.

HLPF - 01

Reunião na Missão do Brasil na ONU, com participação da delegação brasileira para o HLPF.

No domingo à tarde, o GT e várias outras pessoas que faziam parte da delegação oficial brasileira participaram de uma reunião de duas horas e meia na Missão do Brasil para as Nações Unidas. Chamada pelo Representante Permanente, Embaixador Mauro Vieira, e pelo chefe da delegação, Embaixador José Antônio Marcondes, a reunião foi um amplo exercício de democracia e política de alto nível. Apesar do contraste entre os relatórios do governo e o do GT da sociedade civil, o diálogo fluiu diante do fato de que as políticas de austeridade do Governo Federal, incluindo a EC 95/2016 (que indexa os gastos sociais por vinte anos), colocam em risco a implementação da Agenda 2030 no Brasil.

Sessão Ministerial do HLPF

Logo pela manhã, alarme de incêndio no edifício da ONU. Todas as pessoas evacuaram e foram para a rua. Quarenta minutos depois, a normalidade dos trabalhos foi quase re-estabelecida, pois as sessões corriam atrás do atraso.

O Secretário Geral das Nações Unidas, o português Antonio Guterres abriu a sessão Ministerial do HLPF com um discurso duro e realista diante das dificuldades para a implementação da Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Ele falou das contradições entre o desejo e o compromisso dos Estados-Membros, fundados em acordos que diversos momentos desafiam o espírito da Agenda.

Em seguida, o professor da Columbia University e autor, Jeffrey Sachs, aumentou a temperatura da Sala de Conferência 4  ao cobrar honestidade política de quem governa. “Não é mais apenas uma questão de vontade política, mas de honestidade política. Os governos precisam ser responsáveis, a iniciativa privada precisa ser responsável, a sociedade civil idem.”

Após a estrondosa abertura da Sessão Ministerial, o primeiro grupo de governos apresentou seus relatórios voluntários nacionais – VNR – à plenária do ECOSOC. O Brasil fazia parte deste grupo, que incluía também Luxemburgo e o Nepal. O formato da apresentação como um painel somado ao atraso do início da sessão impediu que houvesse maior interação e debate. As apresentações foram mornas e voltadas para os aspectos mais positivos que cada país pudesse trazer de suas experiências.

A sociedade civil organizada, através de um processo coordenado pela UN-DESA e um comitê facilitador internacional, teve a oportunidade de fazer três perguntas ao grupo de países. Uma dessas perguntas foi feita por Claudio Fernandes representando a Gestos, o GT para a Agenda 2030 e o grupo da SC para FfD: “além do relatado pelos três países, o que cada um deles estão fazendo para redistribuir a renda através de políticas tributárias progressivas? E o que estão fazendo para conter o fluxo ilícito de capitais? E para garantir a participação da sociedade civil na construção dos VNRs e na implementação da Agena 2030?” Não houve resposta prática, apenas mais da mesma retórica de aparentar que tudo está bem.

HLPF-9b

Anna Endo (Grupo Maior de Crianças e Jovens) fotografa Claudio Fernandes (Gestos/GTSC A2030) enquanto faz a pergunta ao primeiro painel de relatório voluntários nacionais na sessão Ministerial do HLPF.

A Declaração Ministerial

O documento síntese do HLPF só foi aprovado no último dia do Fórum. Disputas sobre questões de gênero e sobre a menção de territórios ocupados ameaçaram reabrir a discussão de todo o documento. O Presidente do ECOSOC, temendo um desastre iminente, propôs um acordo para que o documento fosse aprovado como estava. Ao final, os Estados Unidos fizeram uma ressalva especial sobre o parágrafo que tratava das mudanças climáticas.

De uma maneira geral, o HLPF de 2017, seguindo uma tendência apresentada no II Fórum de Financiamento para o Desenvolvimento, dois meses antes, mostrou como resultado aparente a consciência de que a implementação dos ambiciosos acordos de 2015 não será assim tão tranquila e harmônica. Diversos problemas relacionados à garantia de direitos ou ao desenvolvimento de políticas afirmativas para populações vulneráveis, como programas específicos de proteção da integridade das mulheres ou da classe trabalhadora ou de migrantes ou de indígenas ou de pessoas vivendo com HIV e AIDS ainda não são a norma, mas exceções em poucos territórios onde existem.

No final vários países levantaram ressalvas para partes do texto, mas acabaram concordando, sem deixar de lado uma dispendiosa retórica, com o princípio da Declaração.

O final deixa um gosto de repetição. Narrativas verbalizadas na defesa de setores, o que dificulta a integração de diversos desejos. Congratulam-se as boas ações que apontam em uma direção promissora, como ter encaminhado estrutura institucional para guiar o país na implementação da Agenda, como fez o Brasil e muitos outros países que ainda não entenderam que precisam de mudar muito mais do que criar um grupo de pessoas para defender a Agenda no meio de uma dura disputa política interna em governos que operam, em muitos aspectos, contra os princípios mais básicos dos ODS.

Para o GT da sociedade civil para a Agenda 2030 o HLPF foi uma multiplicação de incidências com apresentações e debates em mesas importantes, com o parêntese do aprendizado para quem estreava em Nova York e o colchete da soma de novas experiências para quem já é veterana em eventos internacionais de grande importância.

Turismo e Luta de Classes por Agostin Cocola Gant

Turismo e luta de classes

Numa excelente entrevista ao jornal espanhol Público, o investigador Agustín Cocola Gant, que está a dedicar o seu pós-doutoramento na Universidade de Lisboa ao estudo do turismo e da gentrificação, aborda a questão da turistificação urbana, destacando a luta de classes que um tal processo pressupõe e intensifica. Uma luta, como veremos, principalmente personificada (A) pelos investidores que aplicam o seu capital nos grandes fundos de investimento que estão por trás de hotéis, companhias aéreas, grupos imobiliários e outras multinacionais e (B) pelos residentes que se vêem forçados a abandonar os seus bairros – tornados recursos para a captação de capital – enquanto assistem à privatização generalizada do espaço público, à contaminação do meio ambiente, ao desaparecimento de todos os pequenos comércios virados para as necessidades dos moradores locais e à destruição de espaços de encontro e de convívio. Um episódio mais na guerra sem quartel que o capital anónimo e global vem travando contra as comunidades locais.

Eis a entrevista integral (sublinhados meus)

Jornalista – La idea de que el turismo crea riqueza, ¿hasta qué punto es cierta?

Agustín – El problema ante esa pregunta es que los datos que existen solo miden el dinero que genera el turismo, pero no cómo se distribuye, ni los gastos que produce el turismo al Estado.

J – ¿Qué tipos de gastos?

A – Partimos de hipótesis, porque no hay estudios. El turismo crea empleo, pero empleo de poca calidad, precario. Para un trabajador puede estar bien para llegar a fin de mes, pero eso apenas cotiza a la Seguridad Social. Incluso algunos no cotizan, porque cobran 600 euros. Si tenemos en cuenta que muchos son trabajos de temporada, quizás por solo seis meses, y algunos tienen opción a pedir el subsidio por desempleo después… eso es un gasto del Estado porque no es empleo estable ni bien pagado.

El turismo mueve mucho dinero pero para las grandes empresas, compañías aéreas, hoteles, grupos inmobiliarios, turoperadores. Pero aquí lo que se queda es un trabajo precario para llegar a fin de mes y eso no debemos considerarlo riqueza. Por ejemplo, ¿cuánto dinero destina el ayuntamiento a limpiar playas, calles, para policía o ambulancias? Una serie de servicios pagados por los ciudadanos y, en su mayoría, destinados para facilitar la afluencia turística. No lo sabemos y debería hacerse un estudio serio.

J – Estamos tan faltos de empleo que es la gran excusa cuando se debate sobre el impacto del turismo.

A – En ese sentido el turismo es un chantaje porque no puede ser que todo sirva. Si por ejemplo a un pueblo llega una industria química que contamina todo el río, a lo mejor el ayuntamiento dice que genera empleo, pero las consecuencias son peores. Hay que poner sobre la mesa un debate social y político de estos aspectos. El todo vale es imposible. El problema está en que el turismo genera costes sociales y nadie está pagando por ello. Las empresas del sector no contribuyen a las arcas públicas para distribuir los beneficios del turismo.

J – ¿Somos conscientes del impacto que genera el tema de los apartamentos turísticos?

A – En el día a día el tema de que existan apartamentos turísticos en bloques de vecinos representa molestias, no poder dormir, no sabes qué vecino vive a tu lado porque cambia cada semana… No es un problema sin más. En muchos casos se convierte en un problema de salud pública. De gente que se tiene que levantar a las siete de la mañana y no puede porque no duermen.

J – ¿Y más allá de la convivencia?

A – Quita muchos apartamentos de alquiler para los trabajadores porque no existen ya. O los que hay son carísimos. Ya hemos visto cómo en Ibiza policías o médicos no pueden aceptar ofertas porque no encuentran vivienda.

J – Se empeora las condiciones de la clase trabajadora…

A – La vivienda es fundamental para la calidad de vida de cualquier persona. Y si la vivienda que consigues es compartir piso con gente que no conoces o pagarla con el 80% de tu sueldo… Tiene un impacto real. Afecta a la clase trabajadora con menos capital, pero también a una clase media con buenos salarios y buenas condiciones de trabajo que tampoco puede acceder a la vivienda en destinos turísticos. El 60% de la población en Barcelona gana 1200 euros o menos, y en el centro de Barcelona, por 1200 euros apenas hay nada.

Si hay algo más barato es de 30 metros cuadrados, no pidas más. Se olvida también que la vivienda disponible también es para extranjeros. El turismo no solo trae turismo temporal de fin de semana, también estudiantes internacionales que vienen por meses, europeos que tienen su segunda vivienda en España…Y también se olvida que como en zonas turísticas el precio de la vivienda sube, eso atrae a especuladores que compran vivienda como inversión. La compra, la deja vacía y la vende. El precio de la vivienda en Barcelona está subiendo al año un 15-18% y no hay actividad productiva que dé tanto margen.

J – Se busca un beneficio rápido y fácil a costa del turismo.

A – Sí. El hecho de que exista tanto turismo de borrachera y de fiesta en España es porque resulta un destino muy barato. Y eso es, en parte, por lo bajos salarios del sector y porque el turismo está subvencionado. El Gobierno subvenciona a compañías como Ryanair o Easyjet para que aterricen en El Prat y otros aeropuertos. En ese sentido, el turismo es un traspaso de fondos públicos a manos privadas, que se llevan el beneficio. Y la solución pasa por subir salarios a los trabajadores y subir impuestos a quienes más beneficios tienen.

J – ¿El impacto de estas empresas va más allá de perjudicar a la vivienda, sino a todo un barrio?

A – El turismo afecta a toda propiedad inmobiliaria. Los precios suben y un comerciante familiar no puede pagar alquileres caros, no puede afrontar 20.000 euros por un espacio en el centro de Barcelona. ¿Quiénes pueden competir por ese espacio? Grandes compañías y multinacionales. Se sustituye el comercio de economías familiares y destruye espacios de encuentro. El comercio tradicional es fundamental para la vida en comunidad de los barrios, es una sociabilidad que se pierde. Por ejemplo, asociaciones culturales o políticas también se tienen que ir porque no pueden pagar esos alquileres. Todos esos servicios desaparecen. ¿Y qué vienen? Tiendas de ropa, heladerías, tiendas de bicicletas… Servicios que no usa ni necesita a diario. Y encima no se puede encontrar con sus vecinos. En El Gòtic muchos decían que no tenían lugar para comprar. Se ha cambiado tanto por negocios enfocados al turismo que era difícil comprar el pan del día, fruta y verdura, pescado o carne.

J – ¿Se puede hacer vida en esas condiciones?

A – Es muy complicado. Porque además el mercado más cercano era el de La Boquería y tampoco pueden ir ya porque está enfocado como destino turístico y es más caro, está tan lleno de gente que no se puede pasar y te cierran fruterías para crear bares de tapas. Esta falta de comercio y lugares de encuentro es importante porque el espacio público no solose ha privatizado, sino porque hay tantos turistas en algunas zonas que es imposible caminar. Y si tú necesitas llevar corriendo a tu hijo a clase, y no puedes pasar… no puedes vivir.

Si eres una persona mayor y necesitas andar con cuidado para que nadie te empuje, tampoco puedes. Entonces mucha gente mayor se refugia en sus casas sin salir, al menos que tengan ayuda, porque no tienen dónde ir y porque les resulta peligroso. Y no solo de día. De noche, Barcelona es un lugar de fiestas, de despedidas de soltero sin control, y el ruido puede ser infernal para descansar. Todo junto hace que vivir en ese ambiente sea muy difícil y traumático.

J – La industria hotelera también contribuye al proceso.

A – Los hoteles, en algunos barrios como el centro de Barcelona, tienen mucho impacto porque no se puede construir como obra nueva. Por lo tanto, cuando abren un hotel, suele ser en un edificio de viviendas anterior que se compra, rehabilita y se cambia de uso. En algunos barrios, como en El Gòtic, se produjo este cambio de forma intensa. ¿Y quiénes son los inversores hoteleros? Los grandes fondos de inversión, grandes compañías que compran todo el edificio y les da igual los inquilinos que estén dentro, tienen poder para echarlos.

J – ¿Y, en esa situaciones, que armas tiene el ciudadano?

A – Ninguna. Es la administración quien no da respuestas. Aparte de protestar, el ciudadano no puede hacer nada.

J – La administración mira hacia otro lado.

A – La administración en Barcelona lo está intentando paliar pero son medidas a largo plazo y no tienen el apoyo del Gobierno central, porque una medida muy importante es cambiar la ley de Arrendamientos Urbanos y eso depende de ellos.

J – ¿Nadie se responsabiliza?

A – Esta semana se ha visto muy claro cómo el Estado niega la realidad. Ya vimos a Rajoy decir que quien esté en contra del turismo es muy corto de miras porque da trabajo y riqueza. Pero, en realidad, el turismo da beneficios a las élites económicas y genera un trabajo muy precario, de poca retribución y mucha estacionalidad, y en los barrios tiene un impacto cotidiano muy fuerte.

J – Ahora la prensa lleva a sus portadas y titulares las protestas contra el turismo.

A – No es algo ni mucho menos de cuatro radicales de la CUP como se hace trasladar. Está pasando en muchas ciudades europeas y norteamericanas. En Ciutat Vella grupos de vecinos llevan ya unos quince años, avisando sobre el impacto del turismo. El problema es que no están escuchando a los ciudadanos, que están diciendo que no pueden vivir así y exigen que se haga algo. Pero no reciben respuesta. Al revés, se está negando la realidad.

J – ¿Estas manifestaciones de Arran son la punta del iceberg?

A – Para mí sirve como una estrategia del Gobierno y de los medios de comunicación para deslegitimar a la gente que ha estado protestando este tiempo, y hacerle pasar por radicales. Y eso no es así. Hay muchas familias, abuelos, gente trabajadora harta del tema y que se organiza y protesta. Eso no son actos vandálicos, son una reivindicación política de los ciudadanos que viven en estos barrios.

J – ¿Definir esto como ‘turismofobia’ es un error?

A – Eso también forma parte de una estrategia, porque los vecinos protestan solo porque están en contra de un crecimiento del turismo sin control. Está en contra de cómo se distribuye esa riqueza y quiénes son los perjudicados. Ninguno de estos grupos está en contra del turista como individuo. Todos tienen claro que es algo estructural y un problema a ser regulado. Pero el problema es que si protestas contra el turismo y la administración no solo te ignora, sino que te dice que eres un descerebrado, lo único que genera es alentar más protestas y más la idea de ir contra el turismo.

J – Después del sector inmobiliario, ¿el turismo es otra burbuja nueva?

A – En parte sí, pero es muy difícil determinarlo. Pero sí es cierto que se esté dando en el sentido de que el turismo se ha visto como la gran solución de la crisis, con mucha liberalización y crecimiento sin control. Un hotel debe tener un 70-80% de ocupación o no le da beneficios. Si tú construyes y la oferta hotelera sigue creciendo, significa que el Estado deberá hacer más esfuerzos para atraer a más turistas, porque la ocupación debe ser del 70-80%. Y si no vienen más turistas el sector entra en crisis. Y entonces pasaría igual que con los empleos de la construcción, que provocó un pico de paro, pero ahora con el sector del turismo. Otra vez nos la daremos de frente.

J – ¿Este proceso esconde una lucha de clases?

A – Desde el punto de vista de que las élites salen beneficiadas y el trabajador ve reducida su capacidad de vida, sí lo podemos ver así. Antes la lucha de clases se concentraba en el mundo de las fábricas y el trabajador. Hoy día, la ciudad es muy importante comprenderla como un fondo de captación de capital. La ciudad es un recurso, como la especulación inmobiliaria para las grandes empresas. Y eso impide que un trabajador no pueda acceder a una vivienda y deba asumir trabajos que precarizan su forma de vida.

J – ¿Sin la gentrificación previa de muchos barrios no se hubiese producido este impacto turístico?

A – Por un lado, el turismo gentrifica barrios porque expulsa a la población que había. Y, por otro lado, el turismo va a barrios que habían sido gentrificados, como Gràcia o Poblenou porque le da calidad en el ambiente, la gente del barrio es de clase media, le da seguridad, tiene servicio, comercios, terrazas… Un turista no va a un barrio estigmatizado. Gentrifica al barrio que ya había sido gentrificado. Y los que llegaron allí, en un primer momento, como parte de la gentrificación del barrio, son ahora los que también se ven expulsados.

J – ¿Se analiza el impacto medioambiental que ocasiona este proceso?

Hace falta más estudios sobre el impacto pero es de sentido común. Por ejemplo, se sabe que la industria que más contamina es la aviación. O el consumo de agua del turismo, a través de campos de golf o hoteles. El tema de que se ha construido en toda la costa española, lo que ha implicado eliminar una reserva natural que existía allí y que ahora es hormigón. Eso será nefasto para la desertización que va a sufrir España. Otro detalle es que un crucero contamina como 12.000 coches. Solo uno. Y en un fin de semana en el puerto de Barcelona suele haber tres.

J – ¿Hemos llegado tarde para corregir esta situación?

A – En algunas zonas aún se está a tiempo de controlar, no tanto en Barcelona o Ibiza donde se ha permitido cualquier cosa. En Barcelona es muy difícil. Los barrios no pueden absorber más turismo. En algunas zonas debe hacerse un decrecimiento y crear otros servicios que generen otros empleos. Y, en otras, planificar de forma más responsable.

J – Pero, ¿cómo se puede planificar? Hemos visto que cada intento de regulación, como la gestión de Ada Colau con la gestión hotelera, produce críticas muy duras.

A – Claro, porque en España desde la época de Franco el gran negocio es el turismo y las élites económicas saltan a la mínima, porque no quieren perder poder. Si me dices que quieres controlarlo y yo tengo el poder económico, te digo que no. Entonces le queda el papel a la ciudadanía, e insistir en que esto no puede ser así y que afecta a nuestra vida.

Turismo de base Comunitária

Turismo de Base Comunitária:
Diversidade de Olhares e Experiências Brasileiras

Organização:
Roberto Bartholo, Davis Gruber Sansolo e Ivan Bursztyn

Esta publicação é fruto de uma trajetória. Encontros e reflexões que ao longo da última década consolidaram uma abordagem ao turismo desde uma perspectiva mais ampla e complexa do que seguidamente vem sendo tratada como exclusivamente uma atividade econômica. O Laboratório de Tecnologia e Desenvolvimento Social (LTDS) está vinculado à área de Gestão e Inovação do Programa de Engenharia de Produção do Instituto Luiz Alberto Coimbra de Pós-graduação e Pesquisa de Engenharia (COPPE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro; e é liderado por Roberto Bartholo. O LTDS vem, desde 1996, realizando atividades que procuram unir a reflexão acadêmica ao enfrentamento de carências sociais, reunindo e formando profissionais interessados em aplicar critérios ético-valorativos à criação, gerenciamento e avaliação de modelos inovadores de intervenção e desenvolvimento.

A presente publicação está organizada em duas grandes partes. A primeira parte, intitulada “Diversidade de olhares” é dedicada a um enfoque teórico que possa dar contribuições para conceituação do Turismo de Base Comunitária. Na segunda parte, intitulada “Experiências brasileiras” buscamos expor algumas características  das iniciativas apoiadas pelo Ministério do Turismo no âmbito do edital 01/2008. Nossa intenção é dar visibilidade  para a diversidade de projetos e seus promotores, divulgando alguns dos lugares e iniciativas que compõem o cenário do Turismo de Base Comunitária no Brasil.

Apresentar um marco conceitual para o turismo de base comunitária não é das tarefas mais fáceis. Muitas são as abordagens possíveis e as referências que podem guiar um discurso que busque definir esta atividade que em sua essência é diversa. Não se pode falar em modelos ou quaisquer outras formas simplificadoras. A diversidade de contextos, histórias, lugares e personagens fazem de cada uma das iniciativas autoproclamadas “comunitárias” únicas. Tentar compreender essa diversidade e extrair ensinamentos que possam subsidiar a formulação de políticas públicas é sem dúvida um grande desafio.

Convidamos, assim, 27 pesquisadores, doutores e mestres, para compartilharem suas visões e experiências. Oriundos dos mais diferentes campos do saber (engenharia, antropologia, geografia, sociologia, ciências ambientais, turismo, jornalismo, economia, etc.) e dos quatro cantos do país e do exterior, os autores buscaram apresentar suas contribuições em forma de ensaios, artigos e estudos de caso. São textos que, no entender dos organizadores, podem contribuir para a compreensão das bases conceituais e, por conseguinte, fornecer ferramentas para o fortalecimento dessa forma de turismo, protagonizado por atores sociais cuja identidade foi forjada na história dos lugares. De forma alguma, desconectada com o mundo, mas distinguindo-se pela sabedoria construída no lugar, com suas crenças, valores, mitos, técnicas, enfim, por aqueles que detêm um patrimônio intangível, mas que existe, que resiste e que se dispõem a aqueles que compreendem o valor da diversidade, da alteridade.

A segunda parte, é dedicada a uma breve descrição dos 50 projetos apoiados pelo Ministério do Turismo por meio do edital 01/2008. A chamada para o  edital atraiu cerca de quinhentas propostas de todo o Brasil das quais 50 foram selecionadas por uma banca formada por representantes do Ministério do Turismo, por professores e pesquisadores de algumas universidades brasileiras e por consultores especialistas no tema.

Nosso objetivo foi o de reunir e apresentar as reflexões que hoje já estão disponíveis sobre o turismo de base comunitária, como um passo para um aprofundamento que exige olhares multifacetados, mas também que estejam abertos ao diálogo transdisciplinar que o tema necessita. Acreditamos que esta publicação marque o início de uma parceria entre o Ministério do Turismo e o Laboratório de Tecnologia e Desenvolvimento Social da COPPE/UFRJ, visando o aprimoramento dos instrumentos públicos de fomento ao turismo de base comunitária no Brasil. A consolidação do turismo de base comunitária enquanto atividade geradora de benefícios diretos as comunidades locais necessita de um esforço conjunto dos setores público e privado, da sociedade civil organizada e de instituições de ensino em todo o país.