Repovoar o património ambiental urbano – Ulipiano Bezerra Nascimento IV

Uma das consequências de acreditar num cânone hierarquizado é a falta de critérios para encaminhar problemas estéticos nas intervenções urbanas. Deixo de lado os problemas da «cidade multicultural» (Macagno, 2014), embora não me furte a assinalar a existência, em vários países, de códigos estéticos oficiais, guias, padrões normativos – em suma, instrumentos de controle estético, inclusive jurídico. Nessa perspectiva, é preciso recuperar o sentido presente na palavra estética originada no grego aísthesis, que significa percepção.

Restaurada no século XVIII, foi aos poucos se acomodando no território artístico (lembre-se que a arte é apenas uma das manifestações do estético). A estética concerne a mediação do eu com o mundo externo, funcionando como a ponte fundamental que os sentidos fornecem para sairmos de dentro de nós e organizarmos as múltiplas relações com o meio ambiente, com nossos semelhantes e até com o transcendente. Nesse rumo, a estética é condição de vida social, melhor dizendo, é a mediação que nos faz humanos.

Correlatamente, tem-se que associar a mediação sensorial, a sensorialidade, com o corpo, já que, como dizem os fenomenologistas, mais que termos um corpo, somos um corpo, como modo de ser no mundo – até na superação da condição corporal. Daí a importância que o corpo vem assumindo na compreensão da cidade, muito além de uma problemática funcionalista e ergonômica (Britto, Pereira e Jacques, 2010).

Fala-se hoje que haveria uma “virada sensorial” no universo das ciências sociais, gestada no interior da história, da sociologia e, sobretudo, da antropologia, a partir da década de 1980 (Howes e Classen, 2014). Daí também a proposição de questões especificamente sensoriais no campo de estudos da arquitetura, urbanismo e patrimônio, no esforço de investigar o papel do sensorial na formação das experiências da cidade. Duas posturas são recorrentes, além da cobrança de estudiosos e órgãos de planejamento e políticas urbanas, por serem lentos em incorporar a crítica do reducionismo e centralidade da visão (oculocentrismo), seja na espetacularização da cidade, seja na limitação dos estudos; em decorrência, ganham destaque a multissensorialidade/intersensorialidade.

Rapidamente começaram a surgir, nas áreas de arquitetura e urbanismo, estudos de diverso alcance e orientação. Poucos têm caráter abrangente, como, em 1996, o pequeno e famoso livro de Pallasmaa (2005, trad.bras.) e mais alguns, como Zardini (2005), com inclinação fenomenológica, num contexto museológico, ou outros poucos numa perspectiva histórica (Cowan & Steward 2007).

A maior parte dos estudos, porém, elegeu um sentido específico (além da visão, cuja abundância dispensa referências): o olfato, com seu poder de orientar fortemente os modos de experimentar espaço e lugar (Henshaw, 2014) ou servir às políticas de higienização social (Rago, 1987). A arquitetura aural não está ausente (Blesser e Salter, 2006), mas estranhamente – já que é um dos alvos prediletos da antropologia sensorial – o sentido do tato está mal representado, embora sejam numerosos os estudos do chamado haptic design, de tendência mais tecnológica, fornecedora de parâmetros para a arquitetura. Até para o paladar se encontraram algumas (poucas) pistas para iluminar os espaços urbanos (Lemasson 2006).

Do ponto de vista aqui privilegiado – o habitante –, seu peso é ainda insuficiente nesses estudos, mas as perspectivas que se abrem são alvissareiras, sem contar os insumos teórico-metodológicos. Corpo e sensorialidade implicam experiências de seres concretos e já começa a aparecer, principalmente em estudos com compromissos metodológicos, uma presença, mais que inferida, do habitante. Pinar Yelmi (2015) cuida do projeto Soundscape of Istanbul, que organiza mapas sonoros e o arquivo dos sons do cotidiano e medidas de proteção, mas também desenvolve inúmeras atividades comunitárias, como oficinas com adultos e crianças dos locais. Já Alessandra Mariani (2008) examina a recriação virtual em museu de uma “imersão sensível” de habitantes (e demais visitantes) em ambientes de Montreal, como exercício de interpretação sensorial de seu viver na cidade.


Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on “Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon).
Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages” with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *