As cidades e o aquecimento Global – XIX

O mundo está em aquecimento global. Isto não está a acontecer do mesmo modo em todo o planeta. Quando afirmamos que está a acontecer um aquecimento global no planeta, estamos a afirmar, que em média o planeta está hoje mais quente que no passado.

Em 2015, entre janeiro e dezembro, muitos pontos do planeta registram as temperaturas médias mais elevadas desde que que há registos. Não estamos a falar dum aquecimento pontual num determinado ponto. Estamos a falar, dum ano, numa série de lugares do mundo.

Num passado onde a espécie humana vive e expende-se no planeta. Sabemos que há cerca de 100.000 anos os hominídeos se difundem pelo planeta. Há cerca de dez mil anos começou a utilizar o fogo, de forma sistemática, para cozinhar. À energia animal, adiciona a energia fóssil. Ao longo de vários milhares de anos, esta energia é predominante. No entanto, a parti do século XVIII o usso da energia fóssil expende-se, primeiro na Europa e Estados Unidos, depois em todo o mundo, até que nos dias de hoje ela é a forma predominante de energia usada. Para além de não ser renovável, pois explora fundamentalmente as jazidas de carvão, petróleo e gás natural (o que significa que um dia se esgotarão), o seu uso está ligado a equipamentos e motores de explosão que emitem dióxido de carbono para a atmosfera. Este gás, o CO2 pode ser absorvido pelas plantas e portanto corresponde a um ciclo da natureza. A questão é que se coloca desde há uma vintena de anos a esta parte, é que se tem vindo a saber, que a natureza tem limites na absorção deste CO2, como a quantidade de emissões tem vindo a aumentar de forma exponencial, à medida que vários países do mundo desenvolvem as suas economias, como tem sido o caso da China e da India. E para agravar tudo isso, as grandes florestas do mundo, na faixa tropical, a Amazónia, a floresta do Congo e na Indonésia, tem vindo a ser desbastada para dar lugar às plantações de monoculturas, de soja e criação de gado. Como resultado verificamos que, pela ação humana, o planeta está a aquecer.

Trata-se dum aquecimento que resulta da ação humana, a que muitos chamam de antropoceno (a idade geológica provocada pelo homem), que tem vindo a acontecer desde há duzentos anos, estimando-se que, tomando como referencia o clima de há 200 anos, em termos médios, a temperatura já subiu um grau desde os tempos pré-industriais. O que o Acordo de Paris em 2015 no diz, (a questão está a ser tratada nas Nações Unidades desde a cimeira do Rio em 1992, que deu origem à Convenção quadro das nações Unidas sobre alterações Climáticas), é que é necessário inverter essa tendência. Ou seja é necessário diminuir as emissões de CO2 para a atmosfera, e ao mesmo tempo minorar o efeito dos gases com efeito de estufa que estão na atmosfera.

Ou seja, por um lado, temos um crescimento exponencial das emissões de gases com efeito de estufa a que está associado um aquecimento global exponencial, com diferentes expressões nos diferentes pontos do planeta. Temos um modo de vida baseado nas energias fósseis, das quais dependemos para a nossa vida e para a economia. Temos que inverter essa tendência. E para isso necessitamos de tempo, vontade e tecnologia.

Vontade essencialmente política, dos diferentes governos em aceitarem o compromisso firmados em Paris. Nem sempre é fácil, como podemos ver, pelas posições do presidente Trump dos Estados Unidos. Vontade política das comunidades locais. Dos governos locais em alterem os sistemas de energia e transporte.

De tecnologia, pois se já hoje dispomos de algumas soluções tecnológicas alternativas, como a energia solar, hídrica, eólica, térmica, e mesmo nuclear, necessitamos que elas estejam disponíveis nos diferentes lugares do mundo e em quantidade suficiente para todos, sobretudo para as vidas das cidades, onde estão a maioria dos pessoas e das atividades económicas. E isso está longo de ser uma realidade

E de tempo, porque, não temos que ter tempo para criar a tal solução tecnológica de produzir energia lima em quantidade para todos, como também sabemos que nos próximos anos não podemos dispensar a energia fóssil que os nossos sistemas estão a produzir, e que isso vai implicar, que enquanto os sistemas não puderam ser substituídos, as emissões de CO2 para a atmosfera vão continuar. Ora como o planeta não propriamente uma máquina, onde se ligam ou desligam os botões, é provável que a tendência de aquecimento vá continuar a verificar-se, mesmo que as emissões possam progressivamente diminuir.

Ou seja, estima-se que durante os próximo 30 anos, tempo onde esperamos que as novas soluções tecnológicas esteja plenamente disponíveis, o objetivo é conseguir que o planeta não aquece mais do que 2 graus em relação ao tempo pré-industrial. Estima-se que os efeitos dum aquecimento acima de 2 graus seja produza eventos devastadores, extinção em massa da biodiversidade, que produza escassez de água e aumenta dos desertos, novas epidemias, etc. Mais grave de tudo, é que muito provavelmente, um aumento médio de 4 graus no planeta, reduzirá drasticamente as suas condições de habitabilidade. Como já gastamos 1 grau, temos que fazer todos os esforços possíveis para conter o crescimento do próximo grau. E isso tem que acontecer nas nossas cidades. Temos que reduzir a nossa vulnerabilidade.


Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *