Notas sobre a Política Museológica Nacional II

Notas sobre o documento do ICOM (estas notas forem efetuadas sobre o primeiro documento proposto para discussão. O documento final, para o qual o link remete, resulta da contribuição de vários colegas do ICOM, com os quais trocamos estas linhas.

Sobra autonomização do setor dos museus na orgânica da Cultura:

Questão: Valerá a pena criar este ponto na agenda ou reforçar a questão da RPM ?

Sobre a revitalização da Rede Portuguesa de Museus. Parece que será necessário, em primeiro lugar avaliar a concretização real do potencial de RPM e das possíveis alternativas (Redes Regionais) que estão em curso.

Do ponto de vista duma política museológica participativa, deves-se pensar a Rede de Museus como um processo facilitador ao invés da  estrutura burocrática hierárquica.

Isso implicaria o conhecimento e diagnóstico do panorama museológico nacional, uma atividade que se poderia inserir na atividade do Observatório da Atividades Culturais, exntino em 2012, mas que urge recuperar. O observatório deveria ser uma estrutura participada entre o MC a Ciência, as Universidades e as ONG do Património.

Sobre a proposta de cumprimento da Lei-Quadro dos Museus Portugueses, nomeadamente sobre a questão dos núcleos dos museus, deverias ser pensada um  reavaliação da Lei e a sua recomposição em função das novas realidades no terreno, decorrentes das novos processos museológicos.

Sobre a flexibilização dos modelos de gestão dos museus portugueses, deverá ser pensado a partir do que já foi feitos. Por exemplo o Modelo  do MNAA. Que vantagens e que inconvenientes foram encontrados, que possibilidades existem.. É necessário pensar  sobre modelos e alternativas: analisar os casos dos CCB, Gulbenkian, Serralves Monte-Lua, Parque de Foz Coa, Museu do Douro. Por exemplo ICOM  poderá consagrar um número do boletim às novas experiências de gestão patrimonial?

Um outra questão é a dignificação dos profissionais e consolidação da oferta pública de museus. .A questão passa em parte pela dignidade no trabalho. Para além das questões de natureza sindical, que em princípio não se enquadram nas atividades do ICOM, mas que cada vez mais não pode escamotear, há quem pensar em termos da qualificação das profissões museais.

É certo que os níveis de remuneração não podem ser considerado fora das competência necessária às profissões museais, mas é hoje necessário pensar que competências são essas, e se essa oferta está a ser feita pelo sistema de formação. Por exemplo, porque razão a museologia é ainda hoje uma formação de pós-graduação e não inicial?

Seria  necessário fazer um esforço de pensar nas competências dos profissionais de museus, tendo em atenção da nova Recomendação da UNESCO de 2015. e pensar a qualificação profissional ao longo da vida profissional e do intercâmbio de experiências com outros profissionais, em particular no reforço de ações inovadoras no espaço da lusofonia; Cabo Verde, Moçambique, São Tomé, Angola, Macau, Timor, comunidades portuguesas.


Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *