Cultura e Dignidade Humana CI – A ideia de Economia Criativa

Estamos então em condições de entender que o conceito de economia criativa depende do uso dos conhecimentos, das capacidades e aptidão de aproveitar as novas oportunidades”[1].

Também verificamos, que associado ao conceito de Economia Criativa está a ideia de Desenvolvimento Sustentado. Uma ideia também ela complexa, que implica que o desenvolvimento, ou a melhoria do bem-estar e das condições de vida, devem ocorrer, idealmente, em simultâneo nos diferentes planos, culturais, societais, económicos e ambientais.

Deste modo a Economia Criativa é também olhada com um instrumento de desenvolvimento, sobretudo nos países menos avançados, onde a economia criativa pode ser usada para afirmar as suas tradições e projetos identitários (muitos países em desenvolvimento encontram-se em processo de afirmação das suas identidades nacionais), mas também com um instrumento para diversificar as suas economias, promover o crescimento económico e estimular a participação social na criação do bem-estar e progresso social.

Já nos países desenvolvidos, a economia criativa é essencialemte olhada pelo seu potencial na promoção da criação de emprego e oportunidade de negócio, sobretudo entre a juventude. Nos países desenvolvidos, as políticas de combate à pobreza e exclusão social, é frequente verificar o uso de políticas públicas para estimular a economia criativa. Algumas desta políticas tem sido usado com sucesso em espaços de trtansição de economias tradicionais para economias globais (Colômbia, Nigéria, Tailandia)

Da prespetiva económica a Economia Criativa tem registado um crescimento mais rápido do que outros setores da economia mais tradicional A economia criativa tende a ser olhado como uma alternativa aos setores de especialização tradicional, sobretudo pelo sue impacto nos processos de urbanização. A crescente conexão dos mercado, o crescimento das tecnologias de comunicação, a ampliação e diversificação dos media, são fatores que tem vindo a aumentar e a alrgar o mercado potencial para produtos e serviços criativos, tais como musica, animação digital, videojogos, publicidade. Há toda uma gama de serviços que são possíveis de concretizar na economia criativa, encurtando redes de intermediação e olhando para mercados mais vastos.

A economia criativa em todo o mundo apresentou uma elevada resiliência perante a crise financeira de 2008, continuou a crescer a uja taxa elevada e apresenta-se hoje como um dos setores mais dinâmicos da economia mundial

[1] Creative Economy Report 2010 – UNCTAD/UNDP


Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on "Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon). Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages" with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *