Não-lugares de Marc Augé

AUGÉ, Marc (2012) [1992], Não-Lugares – introdução a uma antropologia da sobremodernidade, Lisboa, Editora Letra Livre.marcaugenaolugares

Editado pela primeira vez em 1992, Não-lugares, para uma introdução da antropologia da sobremodernidade  o autor introduz o conceito de  Não-lugares  para se referir a lugares transitórios que não possuem significado suficiente para serem definidos como “um lugar”. Por exemplo um quarto de hotel, um aeroporto, uma estação de comboio, o supermercado.
Trata-se da obra mais conhecida do autor e com profunda relevância na antropologia urbana e nas artes performativas e estudos do espaço (arquitetura e urbanismo).

Em Não-lugares o autor apresenta a sua ideia de que na pós-modernidade (segunda metade do século XX) , a ciência social se encontrava perante novas realidades espaciais que não podiam ser analisadas pela várias ferramentas (metodologias) disponíveis. em particular, a antroplologia, (e também a sociologia urbana) deveriam procurara novas categorias conceptuais para explicar a complexidade da vivência social no espaço urbano pós-moderno.

A Antropologia investigava sobretudo lugares delimitados ( onde o espaço era suporte da vida das comunidades) procurando entender as relações constitutivas (laços)  entre os seus membros. A relação fornecia uma identidade e os espaços eram lugares de representação dessa identidade. a partilha de significados entre os indivíduos concretizava-se em espaços concretos, excluindo os lugares de passagem, impuros e não identitários. Espaços que concentram, segundo Augé, três características. lugar de partilha, residencia, iteração. Estas são características, segundo Augé que forma a complexidade do espaço que é ser, simultaneamente  identitário, relacional e histórico.
As alterações nas áreas urbana ao ao longo do século XX  nas áreas urbanas criarama uma “sobremodernidade” (surmodernité) um excesso que altera a essencia das cidades e da vida dos cidadão. De espaço residenciais, de relação de vizinhança e de trabalho, ampliam-se a zonas de fronteira. Lugares que não eram lugares antropológicos, como portos, lugares de passagem. Estradas. espaços de transição, etc.

É essencialmente sobre esse excesso, sobre a superabundância do tempo, da efervescência dos acontecimentos, que a sobremodernidade se afirma. A ideia de que está tudo a acontecer em todo o lado, em todo o momento, e que Augé  propõe como objeto de analise do social. Por seu lado, o indivíduo é hoje o resultado dum “excesso2 de referencias, que lhe chegam pela vivência urbana, pela comunicação, que o leva, igualmente,  e reelaborar sucessivamente, todo o excesso de informação que lhe chega e experiências que usufrui.

Estas figuras de excesso estão intrinsecamente ligadas à produção de não-lugares, ou de espaços que não cumprem (em graus diversos) as características do lugar antropológico e, portanto, não são identitários, relacionais ou históricos. Contudo, os não-lugares,  aeroportos ou autoestradas, espaços de trânsito, idênticos em todos os lugares, remetem-nos para a relação com os lugares antropológicos, cruzando referencias. Os não lugares, não são lugares de experiência, embora remetam para a experiência dos lugares de experiência.

São espaços que facilitam a esquizofrenia da vivência do espaço, impossibilitando a emergência do singular pelo excesso de referencia.

 


Pedro Pereira Leite

Researcher and professor. He had his PhD. on museology in 2011, with the title “Muss-amb-ike Homeland: The commitment on musicological process”, that was published in 2011. In 2012 he finishes a Post-PhD Research on “Biographical Glances: The intersubjectivity poetry on museology, at Lusófona University (Lisbon).
Presently he is working in his Post PhD. Research about: “Global Heritages” with the aims to build a network on local cognizance and memory manager has a tool to build the will of action in 3 different communities, linked by past communed heritages.” He works at CES. He participates on different Research network, presented papers in national and international conferences, and had published books on research subjects.

More Posts - Website

Follow Me:
TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle PlusYouTube

One thought on “Não-lugares de Marc Augé”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *